Setor florestal: desafios e oportunidades<br />Belém,  23 de setembro de 2011<br />
Conteúdo<br /><ul><li>Introduҫão
Desafios de trabalhar com o setor florestal
Oportunidades
Atividades do BID junto ao setor florestal
Temas estratégicos para o futuro</li></li></ul><li>Introduҫão<br />Por que a preocupaҫão em trabalhar com o setor floresta...
Desafios do setor florestal<br />Há desafios relacionados à florestas e há problemas que independem delas<br />Desafios da...
Desafios do setor florestal<br />Desafios que independem da floresta:<br />Situaҫão fundiária<br />Acessibilidade (transpo...
Oportunidades do setor florestal<br />Florestas no centro das discussões devido ao tema de mudanҫas do clima (mitigaҫão a ...
Recursos financeiros<br /><ul><li>Fundo Mundial para o Meio Ambiente (GEF) – mecanismo para financiamento de mudanças clim...
Apóia a mitigação e adaptação (EAs, Fundos de mitigação, SCCF)
Metas e metodologias própias
Alocação depende do pais – BID é uma das agências de execução
Fundos não reembolsáveis
CIF – US 6.9 bilhões (ECC)
Fundo para mitigação e adaptação
Objetivo de transformação de mercado / promover investimentos
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

16 simone bauch

252
-1

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
252
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
3
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

16 simone bauch

  1. 1. Setor florestal: desafios e oportunidades<br />Belém, 23 de setembro de 2011<br />
  2. 2. Conteúdo<br /><ul><li>Introduҫão
  3. 3. Desafios de trabalhar com o setor florestal
  4. 4. Oportunidades
  5. 5. Atividades do BID junto ao setor florestal
  6. 6. Temas estratégicos para o futuro</li></li></ul><li>Introduҫão<br />Por que a preocupaҫão em trabalhar com o setor florestal?<br />Serviҫos ambientais proporcionados pelas florestas: conservaҫão da biodiversidade, regulaҫão hídrica e de temperatura, proteҫão do solo, etc<br />Grande extensão de florestas no Brasil e região<br />Grande potencial destas áreas tanto para atividades florestais como também para atividades que competem com ela.<br />
  7. 7. Desafios do setor florestal<br />Há desafios relacionados à florestas e há problemas que independem delas<br />Desafios da floresta:<br />Ciclo biológico. Por exemplo: <br />O crescimento da floresta determina o ciclo de corte, <br />A safra de não-madeireiros determina os meses do ano com renda<br />A diversidade de espécies: faca de dois gumes <br />
  8. 8. Desafios do setor florestal<br />Desafios que independem da floresta:<br />Situaҫão fundiária<br />Acessibilidade (transporte, escoamento da produҫão, ...)<br />Indicadores sociais da populaҫão residente<br />Fiscalizaҫão<br />Incentivos à produҫão sustentável<br />
  9. 9. Oportunidades do setor florestal<br />Florestas no centro das discussões devido ao tema de mudanҫas do clima (mitigaҫão a ”baixo custo”)<br />Consequentemente, novas fontes de recurso<br />A floresta em pé como produto (não só a produҫão extraída da floresta)<br />Floresta = biomassa = carbono <br />
  10. 10. Recursos financeiros<br /><ul><li>Fundo Mundial para o Meio Ambiente (GEF) – mecanismo para financiamento de mudanças climáticas da Convenção – US 1.3 bilhões (RND)
  11. 11. Apóia a mitigação e adaptação (EAs, Fundos de mitigação, SCCF)
  12. 12. Metas e metodologias própias
  13. 13. Alocação depende do pais – BID é uma das agências de execução
  14. 14. Fundos não reembolsáveis
  15. 15. CIF – US 6.9 bilhões (ECC)
  16. 16. Fundo para mitigação e adaptação
  17. 17. Objetivo de transformação de mercado / promover investimentos
  18. 18. Fundos reembolsáveis facilitados e não reembolsáveis
  19. 19. Executado pelas “MDBs”
  20. 20. ECC– US 40 milhões de capital ordinário até 2012 (ECC)
  21. 21. Fundos não reembolsáveis
  22. 22. Fundo de adaptação do Protocolo de Kyoto - US ~ 90 milhões (ECC)</li></li></ul><li>Recursos financeiros<br /><ul><li>Fundos Nacionais:
  23. 23. Fundo Clima: vinculado ao Ministério do Meio Ambiente – MMA. Os recursos do FC são constituídos entre outros de até 60% dos recursos da participação especial do volume de produção do petróleo.
  24. 24. O Fundo Amazônia: mecanismo para apoiar os esforços de redução do desmatamento na Amazônia. O BNDES assumiu, em 2008, a gestão e administração do Fundo Amazônia. Até 31/8/2011 haviam 14 projetos contratados com um apoio total de US$ 122,5 milhões e 5 projetosaprovadossomandosmais US$ 19,1 milhões.
  25. 25. Mercado de carbono – US 2.7 – 17.5 bilhões em 2009 (ECC)</li></li></ul><li>Nono Aumento Geral de Capital (GCI-9) do BID – <br />25 % - compromissocom a sustentabilidade ambiental emâmbito mundial, e com a adaptação/mitigação das mudanças do clima até 2015.<br />
  26. 26. Estratégia de Integração e Mitigação e Adaptação ás Mudanças do Clima do BID <br />Mitigação<br />Adaptação <br />
  27. 27. Atividades do BID<br /><ul><li>Empréstimos para setores público e privado
  28. 28. Fundos de capital não reembolsável (Iniciativa de Energia Sustentável e Mudanças Climáticas – SECCI)
  29. 29. Fundos da CMNUCC (GEF, Fundo de Adaptação)
  30. 30. Protocolo de Kyoto (Mecanismo de Desenvolvimento Limpo – MDL), apoiando a preparação de PDD e validação de projetos
  31. 31. Novos mecanismos: Programa de Atividades de MDL, Ações Nacionais Apropriadas de Mitigação (NAMAs) e mercados voluntários.
  32. 32. Apoio ao acesso a Fundos de Investimento em Mudanças do Clima (CIF), incluindo o Fundo de Tecnologia Limpa (CTF), o Fundo Estratégico do Clima (SCF), Programa Piloto de Resistência/Adaptação à MC (PPCR) e o Programa de Investimento Florestal (FIP)</li></li></ul><li>Empréstimos setoriais<br /><ul><li>O BID empresta uma media de 2 bilhões por ano ao Brasil
  33. 33. Enfoque de atividades de apoio adaptação e mitigação de mudanças do clima e meio ambiente deveria corresponder aos empréstimos mais importantes na programação do pais
  34. 34. Empréstimos abrangem diversos setores econômicos (transporte, tratamento de água e resíduos, uso da terra e agricultura, saúde, energia sustentável, educação, etc) e áreas de trabalho transversais (modernização do estado, apoio a pequenas e médias empresas, apoio a entidades financeiras locais, etc.)
  35. 35. Presenҫa e experiência a nivel estadual </li></li></ul><li>Integração de adaptação e mitigação a empréstimos setoriais<br /><ul><li>Apoio para desenvolver indicadores de resultados e de dar suporte metodológico para:
  36. 36. Potencial redução de GEE
  37. 37. Vulnerabilidade às mudanças climáticas e potencial de adaptação
  38. 38. Potencial de apoio a metas específicas na área no país (ex. conter desmatamento, manter matriz energética limpa, etc.)
  39. 39. Identificar, apresentar oportunidades e apoiar a clientes para:
  40. 40. Promover “blending” com financiamento de mudanҫa do clima e novos programas de apoio: desenvolvimento de “NAMAs” para setores (ex. transporte sustentável, agricultura e uso da terra, etc)
  41. 41. Mercado carbono: setores com alto potencial de replicabilidade e reduções (resíduos, energia renovável, eficiência energética)
  42. 42. Promoção de programas de adaptação (água, agricultura, turismo)</li></li></ul><li>Integração de adaptação e mitigação a empréstimos setoriais<br /><ul><li>Capacitação e parcerias
  43. 43. Necessidade de melhorar os instrumentos financeiros para ajudar a reduzir custos de capital iniciais, e assegurar financiamento de longo prazo.
  44. 44. Apoio à capacitação para a integração da economia de mudanças climáticas no planejamento orçamentário e fiscal.
  45. 45. Construção de capacidade em intermediários financeiros locais.</li></li></ul><li>Outras iniciativas do BID <br /><ul><li>Iniciativa de Energia Sustentável e Mudanças Climáticas:
  46. 46. Adaptação
  47. 47. Bicombustíveis e energia renovável
  48. 48. Aceso ao mercado de carbono
  49. 49. Apoio a promoção de cidades intermédias sustentáveis
  50. 50. Apoio a promoção de uma Copa Verde
  51. 51. Outras iniciativas relevantes na região:
  52. 52. Programa regional de apoio ao transporte sustentável (REST)
  53. 53. Apoio a desastres naturais
  54. 54. Promoção de centros tecnológicos regionais para energia renovável
  55. 55. Estudos econômicos e de baixo carbono
  56. 56. Apoio a reformas políticas (PBLs)
  57. 57. Apoio a diálogos regionais (Min de Fazenda, Instituições Financeiras)</li></li></ul><li>FIP<br /><ul><li>Forest Investment Program: oportunidades de sinergias com a carteira que vem sendo elaborada com SEAIN.
  58. 58. Áreas identificadas:
  59. 59. SFB: manejoflorestalcomunitário, concessõesflorestais, Inventárioflorestalnacional
  60. 60. Dep. de Políticas de Combateaodesmatamento: CadastroAmbiental Rural (CAR) emnovosmunicípios
  61. 61. MinistériodaAgricultura: plano de Agricultura de BaixoCarbono (ABC)
  62. 62. MCT: sistema de monitoramento dos biomas, florestasplantadas</li></li></ul><li>Sustainable Energy and<br />Climate Change Unit (ECC)<br />

×