Lei divina ou natural e lei de adoração

9,087 views

Published on

Published in: Spiritual
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
9,087
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
760
Actions
Shares
0
Downloads
214
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Lei divina ou natural e lei de adoração

  1. 1. 1<br />LEI DIVINA OU NATURAL<br />
  2. 2. 2<br />LEI DIVINA - introdução<br />* POR QUE CONHECER AS LEIS NATURAIS?<br />* EM QUE ELAS MODIFICAM A NOSSA VIDA?<br />* POR QUE NOS PREOCUPARMOS COM A PRÁTICA DO BEM?<br />QUESTÕES<br />
  3. 3. 3<br />LEI DIVINA - Noção de Lei<br />NORMA, PRECEITO, PRINCÍPIO, REGRA; OBRIGAÇÃO IMPOSTA PELA CONSCIÊNCIA E PELA SOCIEDADE.<br />NOÇÃO DE LEI<br />LEI QUE É CONHECIDA PELA LUZ NATURAL DA RAZÃO COMO DERIVANDO DA NATUREZA DAS COISAS, QUE PROCEDE DE DEUS COMO AUTOR DA NATUREZA, E QUE GOVERNA A ATIVIDADE DO HOMEM PARA SEU FIM ÚLTIMO NATURAL.<br />JUS NATURAE(DIREITO NATURAL)<br />LEI NATURAL<br />
  4. 4. 4<br />LEI DIVINA - histórico<br />SÓCRATES E PLATÃO FALAVAM QUE O HOMEM DEVIA AGIR DE ACORDO COM A SUA CONSCIÊNCIA.<br />Antiguidade<br />SANTO TOMÁS DE AQUINO FALA DE UMA LEI ETERNA, PROVENIENTE DO PRÓPRIO DEUS.<br />Idade<br />Média<br />THOMAS HOBBES (1588-1679), JOHN LOCKE (1632-1704), JOHN STUART MILL (1806-1873) E ADAM SMITH (1723-1790)  EM SUAS OBRAS ESPECÍFICAS DEIXAM ENTREVER O ASPECTO PRECIOSO DA LEI NATURAL.<br />Idade<br />Moderna<br />
  5. 5. 5<br />LEI DIVINA<br />Doutrinas sobre a Lei Natural<br />IMANENTE– A ORDEM DA NATUREZA EXPRESSA OS CARACTERES DAS COISAS REAIS. <br />2. IMPOSTA – UMA EXISTÊNCIA NECESSITA DE ESTAR RELACIONADA COM OUTRAS. <br />3. MERA OBSERVAÇÃO PARCIAL – AQUI A LEI É MERAMENTE DESCRITIVA. <br />4. INTERPRETAÇÃO CONVENCIONAL – DEVEMOS ESTUDAR OS FATOS E INFERIR NOVAS LEIS.<br />
  6. 6. 6<br />LEI DIVINA<br />Caracteres da Lei Natural<br />DEUS É O AUTOR  ETERNAS E IMUTÁVEIS <br />Leis físicas<br />MATÉRIA  CIÊNCIA<br />Leis morais<br />RELAÇÃO COM DEUS E SEUS SEMELHANTES<br />Unidade e Universalidade<br />
  7. 7. 7<br />LEI DIVINA<br />DIVISÃO DAS LEIS NATURAIS<br />ROGRESSO<br />Divisão <br />das <br />Leis <br />Naturais<br />GUALDADE<br />IBERDADE<br />DORAÇÃO<br />PILASTRADC<br />OCIEDADE<br />RABALHO<br />EPRODUÇÃO<br />JUSTIÇA, AMOR E CARIDADE<br />ESTRUIÇÃO<br />ONSERVAÇÃO<br />
  8. 8. 8<br />LEI DIVINA<br />Conhecimento da Lei Natural<br />P. 621 – Onde está escrita a Lei de Deus? <br />R. Na consciência do ser.<br />SER=ESPÍRITO+PERISPÍRITO+CORPO<br />Formação da consciência<br />Mineral  Atração<br />Vegetal  Sensação<br />Animal  Instinto<br />Hominal  Razão, Livre-Arbítrio<br />FOMOS CRIADOS POTENCIALMENTE <br />PERFEITOS<br />
  9. 9. 9<br />LEI DIVINA<br />O Bem e o Mal<br />P. 629 – Que definição se pode dar à moral? <br />R. Regra da boa conduta. <br />P. 630 – Como se pode distinguir o bem do mal? <br />R. Bem é tudo o que está de acordo com a lei de Deus e o mal é tudo o que dela se afasta.<br />P. 637 – O selvagem que cede ao seu instinto, comendo carne humana, é culpado?<br />R. Circunstâncias dão ao bem e ao mal gravidade relativa. <br />VIRTUDE VERSUS VÍCIOS<br />
  10. 10. 10<br />CONCLUSÃO<br />SAIBAMOS OUVIR A NOSSA VOZ INTERIOR, A FIM DE MELHOR COLOCAR EM PRÁTICA AS LEIS NATURAIS, ESCRITAS POR DEUS EM NOSSA CONSCIÊNCIA. <br />FONTE DE CONSULTA<br />KARDEC, A. O Livro dos Espíritos. 8. ed., São Paulo, FEESP, 1995.<br />
  11. 11. 11<br />LEI DE ADORAÇÃO<br />
  12. 12. 12<br />LEI DE ADORAÇÃO<br />Introdução<br />ANALISAR O SENTIMENTO DE ADORAÇÃO, INATO NO SER HUMANO, PORÉM INFLUENCIADO PELA MANIFESTAÇÃO DO SAGRADO DAS DIVERSAS RELIGIÕES. <br />Objetivo<br />
  13. 13. 13<br />ADORAÇÃO<br />Definição<br />A PALAVRA ADORAR VEM DO LATIM ADE ORARE QUE SIGNIFICA ORAR PARA ALGUÉM. <br />Ad e<br />Orare<br />É O GESTO QUE TRADUZ O SENTIMENTO DE ADMIRAÇÃO, DE ESPANTO, DE TEMOR, DE REVERÊNCIA E DE AMOR DO Homem para com a Divindade. <br />Atitude<br />Contemplativa<br />
  14. 14. 14<br />ADORAÇÃO<br />Histórico<br />HOMEM DE NEANDERTHAL  ENTERRAVA JUNTO OBJETOS DE VIDA DIÁRIA  VIDA FUTURA.<br />150.000<br />Anos <br />SENTIMENTO IRROMPE  O PODER DO SAGRADOE DO FASCINIO.<br />Religiões<br />Primitivas<br />O ESPONTÂNEO PASSA A SER ESTUDADO E TRANSFORMADO EM RITO. A SUA FORMA MAIS FREQÜENTE É A PROSTRAÇÃO. ESTA PODE SER TOTAL — JOELHOS E FACE EM TERRA, COMO AINDA HOJE ENTRE OS MUÇULMANOS. <br />Religiões<br />Orientais<br />
  15. 15. 15<br />ADORAÇÃO<br />Horizontes<br />De acordo com J .H. Pires em “O Espírito e o Tempo”<br />TRIBAL<br />MEDIUNISMO PRIMITIVO<br />AGRÍCOLA<br />ANIMISMO<br />CIVILIZADO<br />MEDIUNISMO ORACULAR<br />PROFÉTICO<br />MEDIUNISMO BÍBLICO<br />ESPIRITUAL<br />MEDIUNIDADE POSITIVA<br />
  16. 16. 16<br />ADORAÇÃO<br />Hierofanização do Sagrado<br />ATO DA MANIFESTAÇÃO DO SAGRADO<br />HIEROFANIA<br />LITOLATRIA<br />ADORAÇÃO DA PEDRA<br />ADORAÇÃO DAS ÁRVORES<br />FITOLATRIA<br />ADORAÇÃO DOS ANIMAIS<br />ZOOLATRIA<br />
  17. 17. 17<br />ADORAÇÃO<br />Manifestação do Sagrado<br />REALIDADE OPOSTA À REALIDADE PROFANA  HÁ ESPAÇOS SAGRADOS  MOISÉS <br />É O FENÔMENO DO AFASTAMENTO DO DEUS SUPREMO  YORUBAS  OLORUM OBATALA<br />DEUS <br />OTIOSUS<br />DIREITO, AGRICULTURA , FAMÍLIA...<br />
  18. 18. 18<br />ADORAÇÃO<br />Finalidade da Adoração<br />P. 649 – EM QUE CONSISTE A ADORAÇÃO? <br />R. ELEVAÇÃO DO PENSAMENTO A DEUS.<br />P. 650 – É UM SENTIMENTO INATO OU PRODUTO DE UM ENSINAMENTO? <br />R. SENTIMENTO INATO.<br />SENTIMENTO QUE PERTENCE A TODOS OS POVOS<br />
  19. 19. 19<br />ADORAÇÃO<br />Formas de Adoração<br />ADORAÇÃO<br />EXTERIOR<br />SE FOR SEM FINGIMENTO, TEM MÉRITO<br />É UM ATO DE ADORAÇÃO  PEDIR, LOUVAR E AGRADECER<br />PRECE<br />DEUS ÚNICO REPRESENTA O DESENVOLVIMENTO MENTAL DO HOMEM.<br />POLITEÍSMO<br />HUMILHAI, DOBRAI, MORTIFICAI. AÍ ESTÁ O VERDADEIRO CILÍCIO.<br />SACRIFÍCIOS<br />
  20. 20. 20<br />CONCLUSÃO<br />AMEMOS A DEUS EM ESPÍRITO E VERDADE. LOUVEMO-LO DE CORAÇÃO. A ADORAÇÃO EXTERIOR MUITAS VEZES MANCHA A BOA INTENÇÃO. <br />FONTES DE CONSULTA<br />BOULDING, K. E. O Impacto das Ciências Sociais. Rio de Janeiro, Zahar, 1974.<br />ELIADE, M. O Sagrado e o Profano: A Essência das Religiões. Lisboa, Livros do Brasil, 1957? <br />Enciclopédia Luso-Brasileira de Cultura. Lisboa, Verbo, s. d. p.<br />KARDEC, A. O Livro dos Espíritos. 8. ed., São Paulo, FEESP, 1995. Nilton Carvalho http://semeadorespirita.blogspot.com<br />

×