Figuras de linguagem (aliteração, assonância e pleonasmo) powerpoint
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Like this? Share it with your network

Share

Figuras de linguagem (aliteração, assonância e pleonasmo) powerpoint

on

  • 4,536 views

 

Statistics

Views

Total Views
4,536
Views on SlideShare
4,536
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
13
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Figuras de linguagem (aliteração, assonância e pleonasmo) powerpoint Presentation Transcript

  • 1. FIGURAS DE LINGUAGEMAliteração, Assonância e Pleonasmo
  • 2. EQUIPENilo Arthur [1319]Arisa Mourão [1292]Marcus Mesquita [1306]Liz Picanço [1304]Jório [676]Aline [290]Pollyne [517]
  • 3. ALITERAÇÃOA aliteração é uma figura de linguagem pertencente ao subgrupo conhecido como “figuras de som”.Consiste em repetir fonemas consonantais idênticos ou semelhantes em um verso ou em uma frase,especialmente os que compoem sílabas tônicas, de forma a obter um efeito expressivo. A aliteração élargamente utilizada em poesia, mas também pode ser empregada em prosa, especialmente emfrases curtas. Observe o exemplo:“Em horas inda louras, lindasClorindas e Belindas, brandasBrincam nos tempos das BerlindasAs vindas vendo das varandas.”Fernando PessoaEsta estrofe de Fernando Pessoa é um exemplo soberbo do uso expressivo da aliteração. Na realidade, nãoestamos perante a somente uma aliteração, mas face a um complexo onde podemos facilmente identificar:    Neste caso, a acumulação aliterativa cria um efeito musical tão intenso que nos leva a colocar em planosecundário o conteúdo. Frequentemente, a aliteração aparece associada à assonância (no exemplo, "i/in" e "a/an").A aliteração do "l"     A aliteração do "d"     A aliteração do "b"    A aliteração do "v"
  • 4. ASSONÂNCIAA assonância é uma figura de linguagem também pertencente ao subgrupo das “figuras de som”. Muitosemelhante à aliteração, a assonância é comumente encontrada junto àquela, como ditoanteriormente. Consiste na repetição ordenada de fonemas vocálicos (preferencialmente tônicos) oude vocábulos com consoantes iguais e vogais distintas. Observe os exemplos:Repetição ordenada de fonemas vocálicos:“Pássaro da luaque queres cantarnessa terra tuasem flor e sem mar?”Cecília Meireles•Repetição de vocábulos com consoantes iguais e vogais distintas:“É a modada menina mudada menina trombudaque muda de modose dá medo”.Cecília MeirelesNestes versos, a assonância seapresenta na repetição da vogaltônica “e” (queres, nessa, terra, sem),nas vogais “ua” (lua, tua) e na vogaltônica “a” (pássaro, cantar, mar).Neste poema, a assonância seapresenta através da repetição devocábulos com consoantes iguais evogais distintas (moda, muda,modos, medo)
  • 5. PLEONASMOObserve as seguintes afirmações:“Eu canto um canto matinal”. Guilherme de Almeida“A ameaça, o perigo, eu os apalpava quase”. Guimarães Rosa“As flores, já as entreguei”. Autor desconhecidoNa primeira afirmação, o escritor Guilherme de Almeida utiliza o verbo cantar, que já traz consigo a ideia de canto (quem canta, logicamente canta umcanto). Na segunda, de Guimarães Rosa, os vocábulos “ameaça” e “perigo” fazem parte de um mesmo eixo significativo: são sinônimos. Já na terceira, o autorutilizou-se de um objeto pleonástico (as flores/as), pois, observamos a repetição do objeto direto. Entretanto, a fim de reforçar as ideias que queriam transmitir,os autores evidenciaram termos “subentendidos”.Quando fazemos uso destas expressões redundantes com a finalidade de enfatizar uma ideia, estamos utilizando a figura de linguagem conhecida comopleonasmo, que por sua vez faz parte do subgrupo das “figuras de construção”. Quando bem elaborada, além de embelezar o texto, esta figura de linguagemintensifica e destaca o sentido da expressão onde foi empregada.“A vida, não vale a pena nem a dor de ser vivida”. Manuel Bandeira LEMBRE-SE:O pleonasmo só pode serconsiderado uma figura delinguagem quando tem evidentevalor expressivo!
  • 6. PLEONASMO VICIOSODeve-se evitar, no entanto, o uso de pleonasmos viciosos. Estes não têm valor de reforçar umanoção já implicada no texto, e são fruto do desconhecimento do sentido das palavras por parte dofalante. O pleonasmo vicioso é muito utilizado na modalidade oral, o que acaba influenciando amodalidade escrita. Veja alguns exemplos:“Menino, entre já para dentro”.(o verbo entrar já é suficiente para expressar o que se deseja)“Joana sofre de leucemia no sangue”.(leucemia é uma doença que atinge somente o sangue. Não é necessário, portanto, evidenciá-lo)“Vou subir lá em cima e ver o que está acontecendo”.(o verbo subir já é suficiente para expressar o que se deseja)“Eu vi com esses olhos que um dia a terra há de comer”.(o verbo ver já é suficiente para expressar o que se deseja)“A protagonista principal do filme ‘O sorriso de Monalisa’ é Julia Roberts”.(a palavra protagonista já quer dizer personagem principal)O pleonasmo vicioso possui estenome porque é considerado umvício de linguagem.
  • 7. VÍDEO SOBREPLEONASMO VICIOSOO QuickTime™ e umdescompressorsão necessários para ver esta imagem.
  • 8. RESUMINDOALITERAÇÃO: Repetição ordenada de fonemas consonantais.ASSONÂNCIA: Repetição ordenada de fonemas vocálicos ou devocábulos com consoantes iguais e vogais diferentes.PLEONASMO: Consiste na repetição de termos para realçar umaideia.PLEONASMO VICIOSO: Repetição desnecessária de termos, eque não pode ser considerada estilística. É um vício delinguagem.
  • 9. BIBLIOGRAFIASAVIOLE, Francisco Platão. Gramática em 44 lições. 15 ed. São Paulo, Ática, 406.TUFANO, Douglas. Estudos de Língua Portuguesa – Minigramática. São Paulo, Moderna, 2007.TERRA, Ernani. Gramática de Hoje. São Paulo, Scipione, 2008.http://www.portaleducacao.com.br/pedagogia/artigos/7642/o-que-e-aliteracao#ixzz2N3xMw0zXhttp://www.infoescola.com/portugues/assonancia/http://www.infoescola.com/linguistica/pleonasmo/Toda a apresentação foi elaborada com base nas fontes supracitadas. A equipe modificou e mesclou textos de fontesdistintas para adequar o conteúdo final à finalidade do trabalho. “Documento protegido por direitos autorais.”
  • 10. BIBLIOGRAFIASAVIOLE, Francisco Platão. Gramática em 44 lições. 15 ed. São Paulo, Ática, 406.TUFANO, Douglas. Estudos de Língua Portuguesa – Minigramática. São Paulo, Moderna, 2007.TERRA, Ernani. Gramática de Hoje. São Paulo, Scipione, 2008.http://www.portaleducacao.com.br/pedagogia/artigos/7642/o-que-e-aliteracao#ixzz2N3xMw0zXhttp://www.infoescola.com/portugues/assonancia/http://www.infoescola.com/linguistica/pleonasmo/Toda a apresentação foi elaborada com base nas fontes supracitadas. A equipe modificou e mesclou textos de fontesdistintas para adequar o conteúdo final à finalidade do trabalho. “Documento protegido por direitos autorais.”