Fonte da matéria :G1
Aproveitando a noticia veiculada no site G1 resolvi fazer um apanhado histórico desteque foi protagonista de um grande mo...
Ao longo do tempo ocorreu ainteriorização              sul-africanados      bôeres    (descendentes      decolonizadores h...
Em 1948 a situação política deu umaforte mudança e radicalização, com aascensão     ao    poder    do    PartidoNacional, ...
No ano de 1949 o governo aprova o regimelegal segregacionista, que dá o nomede apartheid. Em 1951 Mandela é eleitopresiden...
A 26 de junho de 1952 tem inícioa Campanha de Desafio, com o Dia doProtesto e Mandela torna-se seu porta-voz echefe nacion...
Foi também em 1952 que abriu o escritórioadvocatício Mandela & Tambo, sociedade quedurou até 1958. Ali atendem a centenas ...
Em 1954 no CNA, sob a presidência doChefe Albert Luthuli, um zulu, junto aMandela e Walter Sisulu, é criadoo Congresso do ...
O Umkhonto we Sizwe – "Lança de uma Nação" -também conhecido pela sigla "MK", foi criadoem 1961 como braço armado do CNA, ...
Em 1962 Mandela vai a Londres, onde adquire livrossobre guerra e guerrilha, e junta-se a Oliver Tambo;ambos       têm   en...
No Egito visitou com curiosidade as relíquias da   antiga civilização, preocupado em contrapor a   propaganda branca de qu...
Mandela retorna de seu périplo internacional apósalguns meses, especialmente para relatar aoslíderes do CNA e do MK sobre ...
Em entrevista concedida em outubro de 1962, Mandela declarou que saíra do país sempassaporte, uma das acusações pelas quai...
"Nos outros países africanos, vi brancos e negros se misturando de forma pacíficae alegre em hotéis e cinemas, usando o me...
Já em 1984 o governo pressionou Winnie com a proposta de soltar Mandela e seuscompanheiros, desde que todos assumissem o c...
As eleições entre os brancos de 1987 voltam aconduzir o Partido Nacional ao poder (com 82% doeleitorado), mas apesar desse...
Em 11 de fevereiro de 1990 Mandela finalmente é solto. Umamultidão o aclama, respondendo quando no gesto de lutaergue o pu...
A eleição de Mandela foi um marco divisório na história do país, que saiu do regimedraconiano para a democracia plena, ele...
"Ninguém nasce odiando outra pessoa por causa da cor de sua pele, da sua origem ou     da sua religião. Para odiar, é prec...
Fica para todos, os fragmentos da historia deste que foi exemplo de luta e determinação eque por um ideal de igualdade,enf...
Textos:Disponíveis em: <http://pt.wikipedia.org/wiki/Nelson_Mandela> <http://g1.globo.com/mundo/noticia/2012/07/mand  el...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

"Mandela celebra 94 anos com festa por toda a Africa do sul."

536 views
442 views

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
536
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
127
Actions
Shares
0
Downloads
5
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

"Mandela celebra 94 anos com festa por toda a Africa do sul."

  1. 1. Fonte da matéria :G1
  2. 2. Aproveitando a noticia veiculada no site G1 resolvi fazer um apanhado histórico desteque foi protagonista de um grande momento histórico para toda nossa sociedade.
  3. 3. Ao longo do tempo ocorreu ainteriorização sul-africanados bôeres (descendentes decolonizadores holandeses, franceses ealemães), entrando inevitavelmente emchoque com os diversos gruposnegros bantos, a quem chamavamde cafre (infiel, em árabe) -povos xhosa, zulus, tswanas, ngunis e sothos, que habitavam a região. A partirde 1795chegaram os ingleses epassaram a dominar cada vez maisáreas, até que a descobertade ouro e diamantes os levou aoinevitável choque com os bôeres nadisputa pelas riquezas minerais.
  4. 4. Em 1948 a situação política deu umaforte mudança e radicalização, com aascensão ao poder do PartidoNacional, com o domínio dos africânderesno governo: é institucionalizada asegregação e a subjugação dos não-europeus, no sistema que foi denominadode Apartheid; as pessoas eramseparadas por sua raça, num sistemajurídico que excedia em muito as regrasadotadas nos estados sulistasdos EUA, com as leis de Jim Crow.
  5. 5. No ano de 1949 o governo aprova o regimelegal segregacionista, que dá o nomede apartheid. Em 1951 Mandela é eleitopresidente da ANCYL e no ano seguintepresidente do CNA na província de Transvaal,o que o coloca como vice-presidente nacionalda instituição.Neste período é secretário do JohannesburgInternational Club, um dos poucos lugares emque se podiam reunir pessoas de váriasnacionalidades; ali encontra-se com atoresamericanos, como Canada Lee e SidneyPoitier. O cargo de secretário foi em seguidaocupada pelo inglês Gordon Goose, casadocom uma judia, Ursula, que era cega, e setornaram grandes amigos de Mandela; certafeita, por impedimento do esposo, Mandela foibuscá-la no trabalho e, por conta da cegueira,ela deu-lhe o braço - um negro com umamulher branca, fato que despertou a ira dosbrancos, que o hostilizaram.
  6. 6. A 26 de junho de 1952 tem inícioa Campanha de Desafio, com o Dia doProtesto e Mandela torna-se seu porta-voz echefe nacional;[13] por todo o país os negrossão convidados a usarem os espaçosreservados aos brancos - embanheiros, escritórios públicos, correios, etc.- resultando na prisão de Mandela por doisdias, junto a outros companheiros deluta, como o indiano Yusuf Cachalia.[32]. Épreso em várias ocasiões e passa váriosdias encarcerado; finalmente écondenado, junto a outros dezenovecompanheiros, com base na Lei deRepressão ao Comunismo, a uma pena denove meses de trabalhos forçados, que ésuspensa por dois anos; recebe tambémneste ano a primeira de várias ordens deinterdição, proibindo-o de participar deatividades políticas.
  7. 7. Foi também em 1952 que abriu o escritórioadvocatício Mandela & Tambo, sociedade quedurou até 1958. Ali atendem a centenas decasos, na defesa dos interesses de clientesnegros. Diria, mais tarde, que "o regime doapartheid tinha dado à lei e à ordem máreputação." Apesar disto a Suprema Corterejeitou um pedido da Transvaal LawSociety para negar-lhe o direito de advogar.Em 1953, em Sophiatown, Mandela profere umdiscurso em que pela primeira vez diz que ostempos da resistência passiva haviam passado.Sisulu empreende uma viagem ao exterior e seuamigo lhe pede para, passando pelaChina, conseguir o apoio daquele país para aluta. Mas no CNA a ideia érechaçada, especialmente por MosesKatane, para quem o momento não haviachegado. Katane é convencido, mas aexecutiva, especialmente o Chefe Luthuli, seopõe com firmeza, mantendo a diretiva da nãoviolência.
  8. 8. Em 1954 no CNA, sob a presidência doChefe Albert Luthuli, um zulu, junto aMandela e Walter Sisulu, é criadoo Congresso do Povo, com o objetivo deunir todos os não-brancos, vitimados pelosistema racista que se instalara no país.Em junho de 1955 ocorreu uma reunião doCongresso do Povo, num local perto deSoweto, Kliptown. Mandela e Sisulu, aindasob a ordem de restrição que os proibia sedeslocarem, foram para o local, onde cercade três mil pessoas acorreram para oencontro; a polícia interveio, de forma não-violenta; Mandela e Sisulu conseguemretornar a Joanesburgo, sem que tenhamsido capturados.Em setembro daquele ano a ordem derestrição de Mandela expirou, e ele entãoempreende viagem de duas semanas aoTranskei, revendo parentes e amigos, eprocurando ampliar as bases do ANC, compalestras em vários lugares; a polícia tentaimpedi-lo, mas desta feita Mandela adesobedece.
  9. 9. O Umkhonto we Sizwe – "Lança de uma Nação" -também conhecido pela sigla "MK", foi criadoem 1961 como braço armado do CNA, tendo Mandelacomo primeiro comandante em chefe. Era a resposta domovimento ao Massacre de Sharpeville, noentendimento de que o apartheid não mais poderia sercombatido com a não-violência.Segundo o próprio Mandela a instituição não poderia sero começo de um militarismo; a organização deveria seruma força militar totalmente subordinada a um órgãopolítico central. O treinamento militar seria paralelo aopolítico, de forma a ficar bem definido que a revoluçãoservia para tomar o poder, e não para habilitaratiradores.O líder passa a ostentar uma barba, ao estilo doguerrilheiro Ernesto Che Guevara, a vestir uniformecamuflado e dá início à campanha armada. Vivendo naclandestinidade, evita ser encontrado; seu esconderijoficava próximo à casa de Gordon Goose e Ursula, e pordiversas vezes Mandela visitava-os, à noite."Nós adotamos a atitude de não violência só até o pontoem que as condições o permitiram. Quando ascondições foram contrárias, abandonamosimediatamente a não violência e usamos os métodosditados pelas condições. - declararia, mais tarde. Pintura retratando o Massacre de Sharpeville, em 1960.
  10. 10. Em 1962 Mandela vai a Londres, onde adquire livrossobre guerra e guerrilha, e junta-se a Oliver Tambo;ambos têm encontros com vários políticose, dali, percorrem vários países africanos; na Libéria, em25 de abril, encontra-se com o Presidente WlliamVacanarat Shadrach Tubman, que se compromete aajudar a causa; vai à Nigéria, a Botsuana (onde pelaprimeira vez se viu em meio ao ambiente selvagemafricano, com leões rugindo do lado de fora do rondavelem que dormia), à Etiópia.Em Adis Abeba tem aulas de “demolição”, com o tenenteBefekadu; lá se encontra com o imperador HaileSelassie, figura que muito o impressionou pela pompade chefe de estado, como também por sua posição faceaos brancos; “Mas ver brancos fazendo mesuras a ummonarca negro foi muito interessante”, declarou.Passou dois meses recebendo treinamento militar dosetíopes; aprende a atirar, em alvos fixos e móveis, queaperfeiçoou-lhe as lições iniciais recebidas em Oujda.
  11. 11. No Egito visitou com curiosidade as relíquias da antiga civilização, preocupado em contrapor a propaganda branca de que a cultura africana não é tão rica quanto a europeia; mas ficou um tanto decepcionado na visita a um museu, após falar com um curador: “saí com o mesmo conhecimento do assunto do que antes de entrar no museu”.Impressão diversa teve, contudo, no Marrocos, onde ficou fascinado pelas estratégias das lutas dos argelinos contra os franceses, que eventualmente poderiam ser utilizadas pelo MK. As ideias de Mandela passavam pela construção de um exército revolucionário, capaz de conquistar o apoio popular, instalar escolas de doutrinação, coordenação adequada da guerrilha, oportunidades psicológicas das ações, etc.Enquanto seguia seu périplo pelo continente, na África do Sul a polícia continua a caçada para sua prisão; Mandela recebe da imprensa o apelido de Pimpinela Negro,, numa alusão ao Pimpinela Escarlate, personagem fictício criado pela baronesa Orczy. Selo de 1988 da extinta URSS, mostra Mandela na fase revolucionária.
  12. 12. Mandela retorna de seu périplo internacional apósalguns meses, especialmente para relatar aoslíderes do CNA e do MK sobre seu aprendizado.Estava com Walter Sisulu quando foram detidos, em5 de agosto de 1962; julgados por descumprirem aordem de restrição a partir de 22 de outubro, ondeMandela comparece vestindo os trajes tribais, sãocondenados enfim a 7 de novembro: ele a umapena de cinco anos de prisão, Sisulu a seis.A 11 de julho de 1963, estando ele detido, a políciainvade o esconderijo situado em Rivonia.AliMandela estiveraescondido, disfarçado, na Liliesleaf Farm.Além dasprisões de membros do proscrito CNA, sãoapreendidos papéis e anotações comprometedorasde Mandela.Mesmo já detido e sentenciado, Mandela irá tomarparte em novo julgamento - desta feita poracusações ainda mais graves.
  13. 13. Em entrevista concedida em outubro de 1962, Mandela declarou que saíra do país sempassaporte, uma das acusações pelas quais respondia, porque seria inútil solicitar taldocumento, já negado a vários outros ativistas; segundo declarou então, havia recebidoconvite para uma palestra no exterior e decidira aceitá-lo.Mandela declarou, diante do tribunal, que aquele era "um julgamento das aspirações dopovo africano".A casa na Fazenda Liliesleaf, Rivonia, onde foram presos os companheiros de Mandela.Em sua defesa declarou-se inocente das acusações que ali se faziam - mas culpado porlutar pelos direitos humanos, por liberdade, por atacar leis injustas e na defesa de seupovo; admitiu ter feito sabotagens - algo que poderia ter omitido - desafiando o governo aenforcá-lo. Falou por quatro horas, concluindo: "Durante a minha vida, dediquei-me a essaluta do povo africano. Lutei contra a dominação branca, lutei contra a dominação negra.Acalentei o ideal de uma sociedade livre e democrática na qual as pessoas vivam juntasem harmonia e com oportunidades iguais. É um ideal para o qual espero viver e realizar.Mas, se for preciso, é um ideal pelo qual estou disposto a morrer“Em 11 de junho de 1964 Mandela recebe uma pena de prisão perpétua.
  14. 14. "Nos outros países africanos, vi brancos e negros se misturando de forma pacíficae alegre em hotéis e cinemas, usando o mesmo transporte público e morando nosmesmos bairros. Voltei para casa para relatar essas experiências aos meuscolegas. Cumpri meu dever com o povo e com a África do Sul. Tenho certeza queo futuro mostrará que sou inocente e que os criminosos que deveriam estar nestetribunal são os homens do governo."Mandela (entrevista em 1962)
  15. 15. Já em 1984 o governo pressionou Winnie com a proposta de soltar Mandela e seuscompanheiros, desde que todos assumissem o compromisso de viverem exiladosno bantustão de Umtata; da prisão ele escreveu à mulher, em tons firmes: "Você sabeperfeitamente bem que passamos essa última parte de nossa vida na prisão exatamenteporque nos opomos à ideia mesma de assentamentos separados, que nos tornaestrangeiros em nosso próprio país, e que permite ao governo perpetuar a opressão atéos dias de hoje. Pedimos ainda que desista desse plano explosivo e esperamossinceramente que seja a última vez que venha a nos aborrecer com isso."Sem saída, o governo se vê obrigado a negociar com o CNA, e tem em Mandela ointerlocutor perfeito: distante do radicalismo de outros líderes, tem nível superior e é umaristocrata, além de saber falar o africâner.Inicialmente ele se recusa a falar com o então presidente, Pieter Willem Botha, quandoeste lhe oferece a saída do cárcere, pois Mandela se recusava a reconhecer osbantustões, para ele um fator que impedia a união do país. Em fevereiro de 1985 emiteuma dura declaração, em que se lê: "Quem deve renunciar à violência é o Botha. Quediga que vai acabar com o apartheid".Apesar disto em novembro daquele ano tem um primeiro de uma série de encontros como ministro da Justiça, que se repete de modo constante e esparsado. A situação não éuniforme, mesmo no CNA, onde o líder zulu Mangosuthu Buthelezi o apoia publicamentemas, por apoiar os bantustões, lhe faz oposição por trás.[
  16. 16. As eleições entre os brancos de 1987 voltam aconduzir o Partido Nacional ao poder (com 82% doeleitorado), mas apesar desse apoio ao instaladordo apartheid, as negociações de Botha seguemseu curso - e Mandela é levado para fora da prisãoem viagem através do país, num carroblindado, para que o conheça depois de duasdécadas encarcerado; ninguém o reconhece, poissua última foto fora publicada em 1962.Em agosto de 1988 é acometido por tuberculose esofre a nova transferência - desta feita para umaprisão onde ocupa um bangalô, com direito a umcozinheiro particular e até com piscina; é feitoprincipal interlocutor para o fim do regime.Em 1989 Botha o recebe em sua casa, e ambosdescobrem ter muito em comum, os dois na casados setenta anos. Pouco tempo depois, contudo, asaúde do presidente decai, e Frederik deKlerk assume seu lugar nas negociações.
  17. 17. Em 11 de fevereiro de 1990 Mandela finalmente é solto. Umamultidão o aclama, respondendo quando no gesto de lutaergue o punho fechado. Tem fim o longo cárcere, e ele iriadepois registrar o momento: "Quando me vi no meio damultidão, alcei o punho direito e estalou um clamor. Nãohavia podido fazer isso desde há vinte e sete anos, e meinvadiu uma sensação de alegria e de força."Os passos de Mandela ao sair da prisão de Victor Vester,atualmente renomeada para Drakenstein, foram perpetuadosna sua entrada, com uma estátua em bronze de 3m de alturaem que o líder aparece com o braço direito erguido e o punhofechado, inaugurada em 2008.Nos encontros públicos que então realizaram mais tardeMandela gritava "Amandla!" ("Poder!), ao que a multidãorespondia - "Awethu!" ("Para o povo!"); mas seus discursosnão eram mais inflamados, e sim conciliadores, para adecepção dos setores mais radicais.As inovações que encontrou fora da prisão foram-lhe umchoque; ao ter sido preso, em 1958, não haviasequer televisão no país; ficou surpreso por ser possível usaro telefone dentro de um avião - tinha que enfrentar um ritmode vida que não conhecia.Em julho de 1991 é eleito presidente do CNA, e passa aempreender viagens a vários países (inclusive ao Brasil[66]),mostrando-se desde então verdadeiro estadista.Em julho de 1992 um referendo entre os brancos dão aogoverno, com mais de 68% de votos, o aval para as reformas Mandela e de Klerk: os adversários see permitem a realização de uma futura constituinte. cumprimentam.
  18. 18. A eleição de Mandela foi um marco divisório na história do país, que saiu do regimedraconiano para a democracia plena, elegendo o primeiro governante negro; seugoverno seria para reconciliar oprimidos e opressores, uns com os outros e consigomesmos.Na vida particular Winnie acabou expondo seus erros e, apesar da complacência deMandela com sua infidelidade, ela se recusara a abandonar o namorado. O casalseparara-se de fato desde abril de 1992, "por motivos pessoais", segundo Mandeladeclarou então; ainda naquele ano Winnie fora julgada pela morte de um rapaz[nota 8] epelo desvio de verbas do time de futebol que dirigia.Numa entrevista à revista Essence Winnie chegou a declarar que tinha um "maridodesertor"[nota 10], e a matéria que então se fez aventou-se que ela tinha um romance como advogado Dali Mpofu.Já durante 1993 e também nos anos seguintes Mandela cortejava Graça Machel, demodo secreto, pois seu divórcio somente ocorreria em 1996. Mandela encontrara-secom ela em três ocasiões, e ela se apresentara discreta e educada; foi somenteem Maputo, onde ela foi Ministra da Educação e Cultura por catorze anos que ele a viude modo diferente: firme, competente e impositiva.Em 1993 ele e de Klerk são agraciados com o Prêmio Nobel da Paz.Em seu discursoassinalou: "O valor deste prêmio que dividimos será e deve ser medido pela alegre pazque triunfamos, porque a humanidade comum que une negros e brancos em uma sóraça humana teria dito a cada um de nós que devemos viver como as crianças doparaíso"
  19. 19. "Ninguém nasce odiando outra pessoa por causa da cor de sua pele, da sua origem ou da sua religião. Para odiar, é preciso aprender. E, se podem aprender a odiar, as pessoas também podem aprender a amar."Mandela Mandela e a nova bandeira da África do Sul: de prisioneiro a responsável pela refundação de um país.
  20. 20. Fica para todos, os fragmentos da historia deste que foi exemplo de luta e determinação eque por um ideal de igualdade,enfrentou inúmeras adversidades ,mas que apesar de tudo alcançou os seu objetivos.Fica o meu parabéns para esta celebração digna e justa dos seus 94 anos.
  21. 21. Textos:Disponíveis em: <http://pt.wikipedia.org/wiki/Nelson_Mandela> <http://g1.globo.com/mundo/noticia/2012/07/mand ela-celebra-94-anos-com-centenas-de-atos-por- toda-a-africa-do-sul.html>acesso em 18 de julho de 2012.

×