Sistema nervoso
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Sistema nervoso

on

  • 7,826 views

 

Statistics

Views

Total Views
7,826
Views on SlideShare
7,609
Embed Views
217

Actions

Likes
1
Downloads
222
Comments
0

8 Embeds 217

http://dneurodegenerativas.blogspot.com 63
http://dneurodegenerativas.blogspot.com.br 57
http://www.slideshare.net 46
http://dneurodegenerativas.blogspot.pt 20
http://netciencias.blogspot.pt 18
http://www.dneurodegenerativas.blogspot.com 6
http://netciencias.blogspot.com.br 6
http://www.dneurodegenerativas.blogspot.com.br 1
More...

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment
  • A lateralização do cérebro não é absoluta. Os hemisférios interagem. A produçao musical, por exemplo, é uma actividade global.
  • Cada lobo tem uma área primária (recepção dos estímulos) e uma área secundária (interpretação dos estímulos e elaboração da resposta)
  • Canal craniano - tubo que comunica desde o encéfalo até ao cócxic
  • Os neurotransmissoressãodestruídos/absorvidosparaquenão se voltem a a ligaraosreceptores, desta forma impedindosinapsescontínuas

Sistema nervoso Sistema nervoso Presentation Transcript

  • Doenças Neurodegenerativas.
    Sistema Nervoso
  • Breve história
    Egípcios – descuravam a importância do cérebro, localizando todo o motor da acção humana no coração.
    Aristóteles – defendia que o cérebro apenas teria como funções controlar o sono, baixar a temperatura etc.
    Descartes – defendia que o cérebro compreendia um conjunto de máquinas que regulavam os instintos mais animais e sensoriais do Homem, separando o pensamento consciente da dimensão corpórea.
  • Flourens –primeiro a concluir que o cérebro funciona como um todo, por experiências feitas a cérebros de pombos.
    Frenologistas– defenderam a relação íntima entre o cérebro e as características da personalidade.
    Fritsch e Hitzig – descobrem localizações motoras e sensoriais no cérebro, impulsionando a neurofisiologia moderna.
    Broca – localiza um centro de linguagem.
  • Sistema Nervoso Central:
    Encéfalo
    • Tronco cerebral (local de passagem das fibras nervosas do cérebro para a espinal medula):
    • Mesencéfalo–interfere em actividades como a visão, audição e movimentação.
    • Ponte–centro de transmissão dos impulsos para o cerebelo.
    • Bolbo raquidiano - responsável por actividades vitais, como o ritmo cardíaco.
    • Cerebelo :
    - ligado
    à coordenação
    dos movimentos
    e equilíbrio.
    • Cérebro - ocupagrande parte dacaixacraniana
    - responsávelpelossentidos e funçõesintelectuaissuperiores, entre outros
  • Cérebro:
    • Lateralização do cérebro:
    • Hemisfériodireito – pensamentoconcreto, formação de imagens, relaçõesespaciais, etc…
    • Hemisférioesquerdo – pensamentoabstracto, discurso, cálculo, memória, etc…
    Os hemisfériosestãoligadosporumaestruturadesignada de corpocaloso.
    • Cadahemisfério tem 4 lobos:
    • Occipital - visão
    • Temporal – audição
    • Parietal – tacto
    • Frontal – funçõesintelectuaissuperiores (áreapré-frontal) e movimentos
    - ondeestálocalizada a área de Broca
    Centrosdalinguagem
    Área de Wernicke– ondeconvergemos lobos parietais, occipitaisetemporais
  • MedulaEspinal
    • Constituída por uma substância branca (formada por neurónios com bainha de mielina) e cinzenta.
    • Localizada dentro do canal raquidiano
    • Prolonga-se apenas até à 2º vértebra lombar.
  • SistemaNervosoPeriférico:
    • É constituídopornervos:
    • Cranianos - 12 pares.
    - ligam o encéfalo a diversasestruturas do corpo e do tronco.
    • Raquidianos - 31 pares.
    - ligam a espinalmedulaaoresto do corpo (a cadavértebraestá ligado um par de nervos).
  • Sistema Nervoso Somático:
    • É formado por nervos que se encarregam de fazer as ligações entre o sistema nervoso central e o corpo.
    • Encarregue dos movimento voluntários.
  • Sistema Nervoso Autónomo:
    • Funciona de forma autónoma, controlando a função involuntária dos diversos órgãos, dado que a maior parte da sua actividade não chega ao córtex.
    • Assim, é responsável pelo comando de mecanismos que, conscientemente, não se podem modificar. Por exemplo, os batimentos cardíacos, a secreção das glândulas da mucosa estomacal, a dilatação das pupilas, etc.
    • Um nervo motor do SNA difere de um nervo motor do SNP pelo facto de conter dois tipos de neurónios, um neurónio pré-ganglionar e outro pós-ganglionar. Um gânglio corresponde a um aglomerado de neurónios que se encontra fora do SNC.
    • Os SNA Simpático e Parassimpático trabalham de forma contrária, sendo que o sistema parassimpático restaura os níveis de equilíbrio alterados pelo sistema simpático.
    • A função do SNA Simpático é de responder a um estímulo do ambiente quando o organismo se encontra ameaçado, excitando e activando os órgãos necessários às respostas.
    • Por sua vez, o SNA Parassimpático visa reorganizar as actividades desencadeadas pelo SNA Simpático, relaxando as actividades. Relaciona-se directamente com a capacidade de regulação do organismo face às condições ambientais em que se encontra – homeostasia.
  • Células Nervosas
    • Neurónios –responsáveispelaactividade nervosa.
    • Célulasgliais– é suafunçaosuportar e nutrirosneurónios, permintindo o bomfuncionamento das redesneuronais
    • Astrocitos – regulam as concentrações de substâncias no meioextracelular.
    - regulam a concentração de neurotransmissores.
    • Oligodendrocitos– produzem a bainha de mielina no SNC.
    • Células de Schwann – produzem a bainha de mielina no SNP.
    • Micrócitos– sãomacrófagos (célulasfagocitárias) queprotegem o SNC de agentespatogénicos.
    • Célulasependimárias– constituem a membranaependimária, quereveste as cavidadesventriculares.
  • Constituição do Neurónio
    • Dendrites - prolongamentos geralmente ramificados que recebem e conduzem estímulos até ao corpo celular.
    • Axónio - fibra fina e longa cuja função é transmitir os impulsos nervosos provenientes do corpo celular;
    - nos vertebrados é coberto pela bainha de mielina.
    • Bainha de Mielina – forma fibra
    nervosa juntamente com o axónio.
  • Impulso Nervoso
    • Fluido extracelular apresenta elevadas concentrações de sódio e baixas concentrações de potássio.
    • Meio intracelular apresenta baixas concentrações de sódio e altas concentrações de potássio.
  • Potencial de Membrana
    • Diferença de potencial eléctrico entre as duas faces da membrana.
    • Potencial de Repouso:
    - é da ordem dos -70 mV e existe quando o neurónio não está a transmitir impulsos.
    - deve-se à diferença de concentração de sódio e potássio dentro e fora da célula.
    - é mantido devido à acção de bombas de sódio
    e potássio.
    • Potencial de Acção:
    - rápida alteração de potencial eléctrico que ocorre quando o neurónio é atingido por um estímulo.
    - canais de sódio abrem o que resulta numa rápida entrada de sódio -» potencial de membrana
    passa a ser de 35 mV (despolarização).
    - quando o potencial de acção atinge o seu pico os canais de sódio fecham -» queda do potencial de membrana (repolarização).
  • Transmissão do Impulso Nervoso ao longo dos Neurónios
    Potencial de acção que se gera numa determinada região da membrana propaga-
    -se à área vizinha -» despolarização. Ocorre então uma sucessão de despolarizações e repolarizações ao longo da membrana (Impulso Nervoso).
    • Faz-se num único sentido -» das dendrites para o axónio.
  • Transmissores Nervosos
    Neurotransmissores :
    • intervêmnassinapses;
    • sintetizados e armazenadosemvesículas no terminal pré-sináptico;
    • cadaneurónioproduzapenas um tipo;
    • podem ser excitatóriosouinibitórios
    Neuromoduladores –alteram a quantidade de neurotransmissores libertados e a resposta a estes.
    Neurohormonas –actuam num local distante de ondefoiproduzido.
  • Transmissão do Impulso Nervoso entre Neurónios
    Faz-se através de sinapses -» região de contacto entre a extremidade de um neurónio e superfície de outras células
    Existem dois tipos de sinapses :
    • Sinapses Químicas
    • Sinapses Eléctricas
  • Sinapses Eléctricas
    Ocorrem no SNC dos vertebrados.
    Permitem que o impulso nervoso se propague muito rapidamente de um neurónio para outro.
    Potencial de acção propaga-se do neurónio pré-sináptico para o seguinte sem intervenção de neurotransmissores.
    Isto é possível devido à existência de pontos de contacto entre as membranas das duas células (junções de hiato), permitindo que a despolarização se propague de forma contínua.
  • Sinapses Químicas
    Quando o impulso nervoso atinge as extremidade do axónio pré-sináptico, ocorre a exocitose de vesículas onde estão armazenados neurotransmissores, e estes são libertados para a fenda sináptica.
    1- terminal pré-sináptico
    2- neurotransmissores
    3- axóniopós-sináptico
  • Os neurotransmissores ligam-se a receptores do axónio pós-sináptico, alterando a permeabilidade da membrana.
    Há dois tipos de receptores:
    • Ionotrópicos– estão ligados aos canais iónicos e controlam a abertura e fecho destes.
    • Metabotrópicos– estão ligados a uma proteína (proteína G), que controla a abertura e fecho dos canais iónicos.
    Excitatórias– os canais de sódio abrem e a
    membrana pós-sináptica é despolarizada,
    criando-se um potencial de acção
    Sinapses
    Inibitórias – os canais de sódio fecham, de
    forma a que o potencial fica distante
    do limiar de excitabilidade
    • Os neurotransmissores são destruídos por enzimas ou absorvidos pelo terminal pré-sináptico.
  • Sinapseneuro-muscular
    A placamotoraéoponto de contacto entre oterminaisaxonaiseosmusculosestriados
    O neurotransmissorlibertadoé a acetilcolina
    Quandoesta se ligaaosreceptoresoscanais de sódioabrem-se edá-se umaentradaexcessivadesteiões, oqueprovoca a contracção muscular
  • FIM
    12º IB