Prof. Rego Zoneamento [26 11 2007][V4]

1,403 views
1,224 views

Published on

Published in: Technology
0 Comments
3 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
1,403
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
16
Actions
Shares
0
Downloads
44
Comments
0
Likes
3
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Prof. Rego Zoneamento [26 11 2007][V4]

  1. 1. METODOLOGIA
  2. 2. S US T E N T A B I L I D A D E Instrumento de Planejamento e Gestão Territorial p/ o Desenv. Sustentável O que é ZEE Informações integradas sobre o território em bases geográficas Conhecimento do Espaço Concepção e Espacialização das Políticas Públicas Ordenamento Territorial Ocupação racional do território e uso sustentável dos recursos naturais Otimização do uso do espaço e das políticas públicas <ul><li>Modelo de desenvolvimento predatório </li></ul><ul><li>Centralização do Estado </li></ul>A M A Z Ô N I A
  3. 3. Síntese MÉTODO CARTESIANO MÉTODO DIALÉTICO Síntese Síntese Análise Uma visão de mundo. Imagem objetivo Um modelo de desenvolvimento Zoneamento Zonas de Gestão Subsídios à gestão territorial p/ o Desenv. Sustentável Espaço Conhecimento dos processos natural e social Situação Atual (Diagnóstico) Análise
  4. 4. N o caso do Acre, o problema sócio-político e ambiental fundamental é superar o modelo de desenvolvimento predatório e construir o projeto de desenvolvimento sustentável local, visando aumentar o produto econômico, eliminar a pobreza, elevar o nível de bem-estar da população, fortalecer a identidade, com preservação do ambiente natural. A estratégia para alcançar este objetivo é implantar e consolidar uma economia florestal, baseada no manejo sustentável múltiplo dos recursos (floresta, solo, rios, lagos e serviços ambientais), combinada com formas agropecuárias sustentáveis e proteção de ecossistemas. Imagem-objetivo
  5. 5. ZEE Otimização do uso do espaço e as políticas públicas E S P A Ç O Natural Social Processos ZEE Compreensão e previsão do Natural, Social e sua síntese
  6. 6. Avaliação da vulnerabilidade natural Avaliação da potencialidade sócio-econômica Avaliação da potencialidade cultural-política Diagnóstico Ambiental Diagnóstico Sócio-econômico SÍNTESE: Integração dos dois domínios Z O N A S Diagnóstico Cultural-Político
  7. 8. Vulnerabilidade ALTA Vulnerabilidade BAIXA Não uso dos recursos Uso dos recursos
  8. 9. <ul><li>A metodologia funda-se em princípios positivistas </li></ul><ul><li>(o ZEE discerniria leis objetivas indicativas – verdades do uso do espaço) </li></ul>Não havendo integração da subjetividade: as populações ficam a mercê de uma racionalidade estranha, que exclui identidade, aspirações, saber e fazer. Zoneamento Positivista
  9. 10. O procedimento exclui as manifestações subjetivas (valores, modo de vida, fala e projeto das populações) Subjetividade Imposição de uma racionalidade estranha às comunidades Razão da Comunidade Cultura Política
  10. 11. A subjetividade diz respeito ao domínio humano: crenças. costumes, valores, conhecimento, concepção e organização da vida coletiva.
  11. 15. Vulnerabilidade Natural
  12. 16. Vulnerabilidade Natural
  13. 18. Metodologia Global
  14. 19. Unidades de Paisagens Sócio-econômicas Baixo potencial Alto potencial 0.125 Infraestrutura 0.125 acessibilidade 0.125 Uso dos recursos 0.125 População 0.125 Economia 0.125 Qualidade de vida 0.125 Ocupação do território 0.125 Aspectos fundiários
  15. 20. Análise de potencialidades sócio-econômicas <ul><li>Infra-estrutura </li></ul><ul><li>Condições de vida </li></ul><ul><li>Demografia </li></ul><ul><li>Estrutura fundiária </li></ul>Unidades de paisagens sócio-econômica Eixo Sócio-Econômico
  16. 22. Metodologia Global
  17. 23. Análise <ul><li>Visão de presente e futuro </li></ul><ul><li>Territorialidade </li></ul><ul><li>Território </li></ul>Unidades de paisagens culturais-políticas Eixo Cultural-Político
  18. 24. P R O B L E M A S
  19. 25. Água REPRESENTANTES REPRESENTADOS SÍNTESE Baixa Relevância Alta Relevância
  20. 26. Desmatamento Baixa Relevância Alta Relevância
  21. 27. Produção Baixa Relevância Alta Relevância
  22. 28. Problemas Baixa Relevância Alta Relevância
  23. 29. S O L U Ç Õ E S
  24. 30. Água <ul><li>SOL 1 - Programa de recomposição da mata ciliar </li></ul>REPRESENTANTES REPRESENTADOS O.5 RPT+0.5 RPD Baixa Indicação Alta Indicação
  25. 31. Desmatamento <ul><li>Fortalecimento institucional/incentivos econômicos </li></ul>Baixa Indicação Alta Indicação
  26. 32. Produção <ul><li>Solução 2 - Melhoramento de infra-estrutura/acesso da crédito e mercado com produtos de qualidade </li></ul>Baixa Indicação Alta Indicação
  27. 33. Produção <ul><li>Solução 3 - Plano de capacitação para cooperativas, associações e sindicatos </li></ul>Baixa Indicação Alta Indicação
  28. 34. Unidade de Paisagem Cultural-político Baixo Potencial Cultural-Político Alto Potencial Cultural-Político CENÁRIO 1 = IP0.25+ITG0.25+IDP0.25+ISO.25
  29. 35. MAPA DE GESTÃO
  30. 36. Zonas <ul><li>Zona 1 </li></ul><ul><ul><li>Consolidação de Sistemas de Produção Sustentáveis </li></ul></ul><ul><li>Zona 2 </li></ul><ul><ul><li>Uso Sustentável dos Recursos Naturais e Proteção Ambiental </li></ul></ul><ul><li>Zona 3 </li></ul><ul><ul><li>Áreas Prioritárias para o Ordenamento Territorial </li></ul></ul><ul><li>Zona 4 </li></ul><ul><ul><li>Cidades florestais </li></ul></ul>
  31. 37. Ocupação do território – Zona 1
  32. 38. Ocupação do território - Zona 2
  33. 39. Ocupação territorial – Zona 3
  34. 40. Zona 4 – Limites políticos
  35. 41. Mapa de gestão – Versão definitiva
  36. 42. Considerações Finais <ul><li>Metodologia permite a inserção dos anseios de cada grupo focal na mensuração dos problemas </li></ul><ul><ul><li>Agricultores </li></ul></ul><ul><ul><li>Pecuaristas </li></ul></ul><ul><ul><li>Índios </li></ul></ul><ul><ul><li>Ribeirinhos </li></ul></ul><ul><ul><li>Seringueiros </li></ul></ul><ul><li>Cria um leque de opções cabendo aos ordenamentos territoriais municipais detalhamento das alternativas de uso </li></ul><ul><li>O principal limitante de detalhamento na zona 12 é a situação fundiária </li></ul><ul><li>O geoprocessamento permitiu a estruturação de uma metodologia de análise para cada zona e a sua respectiva validação </li></ul>
  37. 43. Considerações Finais <ul><li>“ O mapa de gestão trará contribuições para a viabilização de um novo padrão de desenvolvimento regional sustentável no Acre, tendo como metas o combate à pobreza, o respeito à diversidade cultural (UPCP) , a utilização eficiente e duradoura dos recursos naturais (Vulnerabilidade, potencial madeireiro e não madeireiro) , a viabilidade econômica das atividades produtivas (UPSE) , a conservação do patrimônio natural e a consolidação de um Estado democrático (participação-consultas locais) , transparente (metodologia possível de replicar) e eficiente, atuando em prol do verdadeiro interesse público.” </li></ul>
  38. 44. Profº. José Fernandes do Rêgo [email_address]

×