DESMATAMENTOS, EMISSÕES E DESMATAMENTO EVITADO: É POSSÍVEL MANTER A FLORESTA EM PÉ? Carlos A. Nobre Instituto Nacional de ...
O PROBLEMA Emissões antropogênicas de  Gases de Efeito Estufa
Uncertainties are being reduced Error analysis: FF + other emissions:  0.3 PgC/y Land Use change:  1.0 PgC/y Atmospheric i...
CO 2  de Origem Fóssil &  Intensidade de Carbono Raupach  et al. (2007) Emissões estão seguindo o mais alto cenário
O que nos aguarda no futuro e o que já foi comprometido <ul><li>O Aquecimento vai aumentar se of GEEs aumentarem.  Se os G...
CDIAC, 2006 <ul><li>Média global de emissões de CO 2  per capita </li></ul><ul><li>1980    0,93 t C  </li></ul><ul><li>19...
1,8 hectares globais per capita  “ Footprint” Global e Desenvolvimento  Sustentável   Salto para o Desenvolvimento Desenvo...
Potencial de Redução de Emissões de GEE por Setores
Serviços Principais de Florestas Tropicais Gullison et al., 2007 Science  <ul><li>Decréscimo do desmatamento em 50% até 20...
O que o pode o Brasil fazer no tocante às mudanças climáticas globais? <ul><li>Como e onde mitigar as emissões </li></ul><...
¾ das Emissões Brasileiras de CO 2  advindas dos Desmatamentos! <ul><li>Emissões brasileiras de CO 2  (per capita): </li><...
Concentrações de CO2 desde o IGY (1957-58) IPCC é formado C onvenção Climática Kyoto
Primeiro passo: reduza o dano! <ul><li>2004: 27.361 km² desmatado na Amazônia Brasileira </li></ul><ul><li>2005 – 2007: ~ ...
Florestas Tropicais Florestas Temperadas Sistemas do tipo  Mediterrânico  Desertos/ Terras Agrícolas O potencial de intera...
<ul><li>Estabilidade do ciclo hidrológico e do clima;  </li></ul><ul><li>Estabilidade do solo; </li></ul><ul><li>Armazenan...
Primeiro passo: reduza o dano! <ul><li>Preços das commodities agrícolas estão subindo (soja, carne, leite) </li></ul><ul><...
O caso dos biocombustíveis <ul><li>Necessidade de reduzir emissões criaram grandes oportunidade de mercado para bioscombut...
SUNFLOWER NORTE CENTRO-OESTE NORDESTE SUDESTE SUL PALM ANIMAL FAT SOY RAPESEED CASTOR COTTON PEANUTS
Biocombustíveis não são a panacéia … <ul><li>Se o objetivo primário dos biocombustíveis for a mitigação do aquecimento glo...
Necessitamos de um novo modelo e sustentável modelo para os Trópicos
O que deve ser feito? Unesco Science Report 2005 Gross Expenditure in R&D (GERD) Fortaleça P&D; evite “fuga de cérebros”; ...
Ciência Básica: necessária… Experimento de Grande Escala da Biosfera-Atmosfera na Amazônia (LBA) ~350 pós-graduados da Ama...
…  mas não suficiente <ul><li>A dimensão de sustentabilidade é a menos desenvolvida do LBA </li></ul><ul><li>O LBA enfatiz...
Necessidade de um novo modelo para os Trópicos Madeira Plano Regional Sojicultura Agricultura  Familiar Recursos Hídricos ...
Castanha do Brasil, um exemplo que conta uma história <ul><li>Extração com baixa tecnologia e marketing inadequado na Amaz...
A grande questão Como usar a biodiversidade sustentávelmente e ao mesmo tempo beneficiar a população local? ?
Globalização dos Produtos da Biodiversidade   <ul><ul><li>“ Trazer valor econômico ao âmago da floresta ”  </li></ul></ul>...
Recursos, Tecnologia E CAPACITAÇÃO   <ul><ul><li>Capacitação em C&T na Amazônia </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Até mesmo p...
Ciência da Sustentabilidade <ul><li>Ciência em apoio a uma transição para a sustentabilidade </li></ul><ul><li>Fundamental...
<ul><li>Ligação de ciência a agendas de sustentabilidade ao nível local:  um grande desafio do Século XXI </li></ul><ul><l...
“ Institutos de Tecnologia para a Amazônia” ITA   <ul><ul><li>Novos Centros de Excelência na Amazônia : </li></ul></ul><ul...
Considerações  Finais … Brasil: uma potência ‘ ambiental ’ ou o primeiro país tropical desenvolvido?
In 2007, total deforested area (clear-cutting) reached about 700,000 km 2  in  Brazilian Amazonia (18%)   Amazônia:  great...
Principais Serviços Ambientais da das Florestas Tropicais Gullison et al., 2007 Science  <ul><li>Diminuição das taxas de d...
Foto: cortesia de Antonio Nobre OBRIGADO!
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Desmatamento, emissões e desmatamento evitado. É possivel manter a floresta em pé? Carlos Nobre

4,146 views
3,974 views

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
4,146
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
24
Actions
Shares
0
Downloads
260
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide
  • Desmatamento, emissões e desmatamento evitado. É possivel manter a floresta em pé? Carlos Nobre

    1. 1. DESMATAMENTOS, EMISSÕES E DESMATAMENTO EVITADO: É POSSÍVEL MANTER A FLORESTA EM PÉ? Carlos A. Nobre Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - INPE Rio Branco, 28 de Novembro de 2007 Academia Amazônica &quot;O estado do conhecimento em C&T para a Amazônia“ PPG-7 e UFAC
    2. 2. O PROBLEMA Emissões antropogênicas de Gases de Efeito Estufa
    3. 3. Uncertainties are being reduced Error analysis: FF + other emissions: 0.3 PgC/y Land Use change: 1.0 PgC/y Atmospheric increase: 0.1 PgC/y Ocean uptake: 0.5 PgC/y Residual Land use: 1.2 PgC/y Emissões de combustíveis fósseis Desmatamento tropical Acumulação Atmosférica Sumidouro oceânico Sumidouro terrestre Balanço de Carbono Antropogênico Não há redução de emissões a vista! Acumulação atmosférica = F Foss + F LUC + F LandAir + F OceanAir Source: Pep Canadell, Corinne LeQuere, Mike Raupach, Gregg Marland, Skee Houghton, Tom Conway, Philippe Ciais, Global Carbon Project, 2006.
    4. 4. CO 2 de Origem Fóssil & Intensidade de Carbono Raupach et al. (2007) Emissões estão seguindo o mais alto cenário
    5. 5. O que nos aguarda no futuro e o que já foi comprometido <ul><li>O Aquecimento vai aumentar se of GEEs aumentarem. Se os GEEs fossem mantidos constantes nos níveis atuais, um comprometimento de 0,6°C de aquecimento adicional aconteria até 2100. </li></ul>1.8 o C = 3.2 o F 2.8 o C = 5.0 o F 3.4 o C = 6.1 o F CO 2 Eq 850 600 400 0.6 o C = 1.0 o F IPCC 2007 WGI
    6. 6. CDIAC, 2006 <ul><li>Média global de emissões de CO 2 per capita </li></ul><ul><li>1980  0,93 t C </li></ul><ul><li>1990  0,96 t C </li></ul><ul><li> 1999  1,04 t C </li></ul><ul><li>2005  1,21 t C </li></ul><ul><li>Para estabilização em 550 ppm em 2050, deve-se reduzir as emissões de CO 2 em aproximadamente 60% a 70% em relação ao presente </li></ul><ul><li>Para uma população estimada de 9 bilhões de pessoas em 2050, isto significa emissão per capita de 0,28 t C a 0,35 t C </li></ul><ul><li>Requer: RADICAL DESCARBONIZAÇÃO DOS SISTEMAS DE PRODUÇÃO </li></ul>Emissões Per Capita de Dióxido de Carbono de Origem Fóssil O tamanho do desafio GLOBAL de mitigar as emissões
    7. 7. 1,8 hectares globais per capita “ Footprint” Global e Desenvolvimento Sustentável Salto para o Desenvolvimento Desenvolvendo Resiliência Cortesia: Mathis Wackernagel, Global Footprint Network
    8. 8. Potencial de Redução de Emissões de GEE por Setores
    9. 9. Serviços Principais de Florestas Tropicais Gullison et al., 2007 Science <ul><li>Decréscimo do desmatamento em 50% até 2050 </li></ul><ul><li>Até 15% emissões evitadas de CO 2 para estabilização em 550 ppm </li></ul>
    10. 10. O que o pode o Brasil fazer no tocante às mudanças climáticas globais? <ul><li>Como e onde mitigar as emissões </li></ul><ul><li>As emissões de gases de efeito estufa advindas dos desmatamentos das florestas tropicais. </li></ul><ul><li>É possível reduzir desmatamentos da Amazônia e do Cerrado de forma permanente? </li></ul>
    11. 11. ¾ das Emissões Brasileiras de CO 2 advindas dos Desmatamentos! <ul><li>Emissões brasileiras de CO 2 (per capita): </li></ul><ul><li>0,5 ton C/ano de origem fóssil </li></ul><ul><li>1,5 ton C/ano com desmatamentos médio </li></ul><ul><li>1,0 ton C/ano com desmatamento de 2007 </li></ul>
    12. 12. Concentrações de CO2 desde o IGY (1957-58) IPCC é formado C onvenção Climática Kyoto
    13. 13. Primeiro passo: reduza o dano! <ul><li>2004: 27.361 km² desmatado na Amazônia Brasileira </li></ul><ul><li>2005 – 2007: ~ 60% de redução no desmatamento </li></ul>≈ 17.000 km² de desmatamento evitado em 3 anos (linha de base de 20.000 km 2 /ano) ~ 220 milhões de ton C ~US$ 2,2 bilhões de valor de carbono INPE/Prodes & Deter Carbono na Biomassa
    14. 14. Florestas Tropicais Florestas Temperadas Sistemas do tipo Mediterrânico Desertos/ Terras Agrícolas O potencial de interação entre Sequestro de Carbono e Biodiversidade Baixo Estoque de Carbono Baixa Biodiversidade Baixo Estoque de Carbono Alta Biodiversidade Grande Estoque de Carbono Baixa Biodiversidade Grande Estoque de Carbono Alta Biodiversidade
    15. 15. <ul><li>Estabilidade do ciclo hidrológico e do clima; </li></ul><ul><li>Estabilidade do solo; </li></ul><ul><li>Armazenando, tamponando e sequestrando carbono </li></ul><ul><li>Mantendo e genrando alta biodiversidade </li></ul><ul><li>Oportunidades de exploração racional </li></ul>Principais Serviços Ambientais ds Florestas Tropicais
    16. 16. Primeiro passo: reduza o dano! <ul><li>Preços das commodities agrícolas estão subindo (soja, carne, leite) </li></ul><ul><li>Amazônia é a última fronteira de madeira tropical </li></ul><ul><li>Biocombustíveis: competição por terras disponíveis (pastagens) => desmatamento </li></ul>A diminuição das taxas de desmatamento é sustentável?
    17. 17. O caso dos biocombustíveis <ul><li>Necessidade de reduzir emissões criaram grandes oportunidade de mercado para bioscombutíveis nos países tropicais </li></ul><ul><li>Brasil leva vantagem pelos investimentos em P&D e capital desde o programa Proálcool </li></ul>Fonte: André Meloni Nassar/ICONE Exportações Mundiais de Etanol Emissões do Etanol vs. gasolina
    18. 18. SUNFLOWER NORTE CENTRO-OESTE NORDESTE SUDESTE SUL PALM ANIMAL FAT SOY RAPESEED CASTOR COTTON PEANUTS
    19. 19. Biocombustíveis não são a panacéia … <ul><li>Se o objetivo primário dos biocombustíveis for a mitigação do aquecimento global no curto prazo (30 anos), é melhor enfocar o aumento na eficiência do uso de combustíveis fósseis </li></ul><ul><li>Conversão de áreas de florestas para biocombustíveis pode colocar pressão adicional no meio ambiente </li></ul>Righelato and Spracklen, Science 17.Aug.2007
    20. 20. Necessitamos de um novo modelo e sustentável modelo para os Trópicos
    21. 21. O que deve ser feito? Unesco Science Report 2005 Gross Expenditure in R&D (GERD) Fortaleça P&D; evite “fuga de cérebros”; Implante centros regionais de excelência na Amazônia
    22. 22. Ciência Básica: necessária… Experimento de Grande Escala da Biosfera-Atmosfera na Amazônia (LBA) ~350 pós-graduados da Amazônia 156 projetos de pesquisa Mais de 150 instituições (70 Brasileiras) 1,456 artigos (1,070 com autores ou co-autores brasileiros )
    23. 23. … mas não suficiente <ul><li>A dimensão de sustentabilidade é a menos desenvolvida do LBA </li></ul><ul><li>O LBA enfatizou ciências naturais e entendimento báxio e menos ciências sociais e conhecimento aplicado </li></ul><ul><li>Estruturas de incentivo limitam a produção de ciência voltada para o uso sustentável de recursos naturais </li></ul><ul><li>“ O tipo de cientista no LBA, de modo geral, não está preocupado com políticas públicas que influenciem a Amazônia” </li></ul><ul><li>Daniel Nepstad </li></ul><ul><li>Source: Lahsen & Nobre 2007 </li></ul>
    24. 24. Necessidade de um novo modelo para os Trópicos Madeira Plano Regional Sojicultura Agricultura Familiar Recursos Hídricos Biodiversi-dade Serviços Ambientais Pecuária
    25. 25. Castanha do Brasil, um exemplo que conta uma história <ul><li>Extração com baixa tecnologia e marketing inadequado na Amazônia Brasileira </li></ul><ul><li>Tahuamanu S.A. em Cobija, Bolivia, desenvolveu técnica para reduzir aflotoxinas das castanhas </li></ul><ul><li>Bolivia tornou-se o grande exportador da castanha do Brasil </li></ul><ul><li>Barreira principal: não foi econômica, mas de informação e no nível de política de desenvolvimento regional </li></ul>Sustainabilidade requer acoplando pesquisa de ponta com aplicações
    26. 26. A grande questão Como usar a biodiversidade sustentávelmente e ao mesmo tempo beneficiar a população local? ?
    27. 27. Globalização dos Produtos da Biodiversidade <ul><ul><li>“ Trazer valor econômico ao âmago da floresta ” </li></ul></ul><ul><ul><li>Bertha Becker, UFRJ </li></ul></ul><ul><ul><li>Como dar escala econômica global aos produtos de base florestal? </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Em primeiro lugar, planejar o uso racional dos recursos naturais da Amazônia como um fator estratégico e determinante do futuro do país. </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Meta de globalizar cerca de 100 produtos Amazônicos, triplicando o PIB Regional </li></ul></ul></ul>
    28. 28. Recursos, Tecnologia E CAPACITAÇÃO <ul><ul><li>Capacitação em C&T na Amazônia </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Até mesmo programas de capacitação ignoram capacitação científica </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>GEF : somente adaptação e gerenciamento </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>PPG7 : projetos demonstrativos, pouca capacitação científica </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><li>Centros de Excelência na Amazônia: Definição local da agenda científica , e auxílio financeiro </li></ul></ul>
    29. 29. Ciência da Sustentabilidade <ul><li>Ciência em apoio a uma transição para a sustentabilidade </li></ul><ul><li>Fundamental, integrativa, regional e local </li></ul><ul><li>Interações Natureza-Sociedade </li></ul><ul><li>Motivada por preocupações com a condição humana, e NÃO </li></ul><ul><li>pela agenda científica tradicional </li></ul><ul><li>Problema: Impõe desafios a práticas e referenciais antigos e institucionalizados em ciência (Lahsen & Nobre 2007) </li></ul>Source: Robert W. Kates, Global Change Open Science Conference, July 10-13, 2001, Amsterdam
    30. 30. <ul><li>Ligação de ciência a agendas de sustentabilidade ao nível local: um grande desafio do Século XXI </li></ul><ul><li>Pesquisa necessária na interface ciência-políticas públicas </li></ul><ul><ul><li>Para que a ciência é útil e utilizável?; </li></ul></ul><ul><ul><li>O que limita a utilidade e uso da ciência? </li></ul></ul><ul><li>Necessidade de ciência da sustentabilidade para e pelas regiões menos desenvolvidas </li></ul><ul><ul><li>Fortalecimento das instituições Amazônicas </li></ul></ul><ul><ul><li>Criação de novas instituições de ciência e tecnologia apropriadas para a região </li></ul></ul>Desafios para o Futuro
    31. 31. “ Institutos de Tecnologia para a Amazônia” ITA <ul><ul><li>Novos Centros de Excelência na Amazônia : </li></ul></ul><ul><ul><li>5 a 6 novos centros de educação superior, pós-graduação de qualidade e pesquisa tecnológica apropriada e avançada </li></ul></ul><ul><ul><li>Diversidade regional </li></ul></ul><ul><ul><li>2000 a 3000 novos pesquisadores, engenheiros e tecnologistas </li></ul></ul><ul><ul><li>R$ 600 milhões por ano + custos de implantação </li></ul></ul>
    32. 32. Considerações Finais … Brasil: uma potência ‘ ambiental ’ ou o primeiro país tropical desenvolvido?
    33. 33. In 2007, total deforested area (clear-cutting) reached about 700,000 km 2 in Brazilian Amazonia (18%) Amazônia: greatest liability for Brazil to become an ‘environmental’ power! <ul><li>70% a 80% de emissões de CO 2 pelo desmatamento </li></ul><ul><li>Impactos desconhecidos na biodiversidade </li></ul><ul><li>Trajetória insustentável de desenvolvimento </li></ul>
    34. 34. Principais Serviços Ambientais da das Florestas Tropicais Gullison et al., 2007 Science <ul><li>Diminuição das taxas de desmatamento em 50% até 2050 </li></ul><ul><li>Até 15% de emissões evitadas de CO 2 p/ estabilizar em 550 ppm </li></ul>
    35. 35. Foto: cortesia de Antonio Nobre OBRIGADO!

    ×