Minicurso | Análise de Discurso Crítica e Mídia | Semana de Letras - UFV
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Minicurso | Análise de Discurso Crítica e Mídia | Semana de Letras - UFV

on

  • 523 views

Slides utilizados durante o minicurso "Discursos media(tiza)dos: a Análise de Discurso Crítica aplicada a estudos da mídia", oferecido na Semana Acadêmica de Letras da Universidade Federal de ...

Slides utilizados durante o minicurso "Discursos media(tiza)dos: a Análise de Discurso Crítica aplicada a estudos da mídia", oferecido na Semana Acadêmica de Letras da Universidade Federal de Viçosa, de 25 a 29 de novembro de 2013

Statistics

Views

Total Views
523
Slideshare-icon Views on SlideShare
523
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
22
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Minicurso | Análise de Discurso Crítica e Mídia | Semana de Letras - UFV Minicurso | Análise de Discurso Crítica e Mídia | Semana de Letras - UFV Presentation Transcript

    • Discursos media(tiza)dos: Análise de Discurso Crítica aplicada a estudos da mídia Murilo Araújo Jornalista e ativista LGBT Mestrando em Letras | Estudos Linguísticos | UFV
    • Para começo de conversa • Proposta do minicurso – fazer uma discussão sobre a relação entre discurso e mídia, a partir de uma apresentação introdutória da Análise de Discurso Crítica (ADC), desenvolvida pelo linguista britânico Norman Fairclough. Em suas teorizações, o autor oferece reflexões interessantes que ajudam a compreender e analisar processos de construção de significado em produtos midiáticos de meios de comunicação diversos, a partir de análises sociais ricas, que vão além da pura análise textual.
    • Para começo de conversa • Proposta do minicurso – A fim de contemplar estas discussões, o minicurso terá uma apresentação histórica e teórica da ADC, destacando principais pressupostos e conceitos relacionados à questão da mídia, além de tratar dos seus principais métodos e categorias de análise. Em todas as etapas, serão discutidos e analisados diversos exemplos de textos midiáticos, especialmente jornalísticos e publicitários.
    • Percurso... • Dia 01: – Apresentação histórica e Panorama teórico da Análise do Discurso; – Surgimento e consolidação da ADC; – Principais pressupostos teóricos (FAIRCLOUGH 1992, 1999, 2003) • Dia 02: – Metodologia de Pesquisa em ADC – Principais categorias de Análise • Dia 03: – Exercícios e práticas de análise
    • (Breve) panorama histórico dos estudos linguísticos e da AD
    • Estruturalismo Langue; Parole;
    • Sociolinguística Preocupação com as variáveis sociais
    • Análise do Discurso 1968, França Figura importante: Pêcheux Associação entre uma teoria linguística (Estruturalismo saussuriano), uma teoria social (Materialismo Histórico) e uma teoria do sujeito (Psicanálise Freudiana/Lacaniana)
    • Desenvolvimento de outras teorias em AD
    • Análise do Discurso Crítica • Anos 1970: Linguística Crítica • Ramo da Linguística consolidado no início dos anos 1990 – Simpósio na Universidade de Amsterdã – Teun van Dijk, Gunther Kress, Teo van Leeuwen, Ruth Wodak e Norman Fairclough – Teorias e métodos de análise do texto e do discurso, a partir de uma agenda política e crítica que não era tradicionalmente contemplada pelos estudos linguísticos tradicionais (WODAK, 2004). • “Análise do Discurso Crítica” – 1985: Journal of Pragmatics, por Fairclough (RESENDE & RAMALHO, 2006).
    • Análise do Discurso Crítica • Proposta: – Perspectiva crítica: crítica social como elemento intrínseco a qualquer estudo em ADC; – Foco na análise de discursos a partir de categorias linguísticas: olhar sobre os textos concretos, focado nas questões de linguagem; – Articulação entre estes dois princípios anteriores: a análise linguística isolada das questões sociais vale tão pouco quanto um olhar sociológico desvinculado das problemáticas linguístico-discursivas (RAMALHO & RESENDE, 2011).
    • Análise do Discurso Crítica • Relação Dialética: – A linguagem, ao mesmo tempo em que é moldada e constrangida pela estrutura social, também tem poder de intervenção sobre essa estrutura, na medida em que constitui o mundo em significado. • A análise e a crítica das questões sociais são importantes porque justificam a investigação dos textos e discursos; • A análise linguística é importante porque alimenta a crítica e possibilita compreender os problemas sociais (RAMALHO & RESENDE, 2011).
    • Análise do Discurso Crítica • Relação Dialética: – A linguagem, ao mesmo tempo em que é moldada e constrangida pela estrutura social, também tem poder de intervenção sobre essa estrutura, na medida em que constitui o mundo em significado. • A análise e a crítica das questões sociais são importantes porque justificam a investigação dos textos e discursos; • A análise linguística é importante porque alimenta a crítica e possibilita compreender os problemas sociais (RAMALHO & RESENDE, 2011).
    • ADC faircloughiana Teoria Social do Discurso (1992) Diálogos com as Ciências Sociais (1999) Diálogos com a Linguística Sistêmico Funcional (2003)
    • Teoria Social do Discurso Discourse and Social Change (1992)
    • Teoria Social do Discurso • Discurso como prática social • Não é atividade puramente individual, nem reflexo direto das variáveis situacionais. O discurso é, ao mesmo tempo, uma forma de ação (sobre o mundo e sobre os outros) e uma forma de representação. • Relação dialética: o discurso é constrangido pela estrutura social, e também a constitui e transforma. – discurso é moldado e restringido pela estrutura social pela classe e por outras relações sociais, pelas relações específicas em instituições particulares, por sistemas de classificação, normas e convenções. – três aspectos fundamentais desse caráter construtivo do discurso: construção (i) das identidades sociais; (ii) das relações sociais entre as pessoas; e (iii) dos sistemas de conhecimento e crença.
    • Teoria Social do Discurso • Evento discursivo deve ser explicado (e analisado) a partir de três dimensões: – Num extremo, a prática social, dimensão mais ampla do evento discursivo que é perpassada por (e revela) relações de poder, hegemonia e ideologia; – No outro extremo, o texto, dimensão “concreta” e materializada linguisticamente – E, mediando às dimensões anteriores, a prática discursiva, que envolve os processos de produção, distribuição e consumo do texto, processos sociocognitivos que se organizam a partir das configurações da ordem do discurso.
    • Análise do texto • Aspectos ligados à “materialidade” do texto enquanto tal. • Exploração descritiva das relações internas, em termos gramaticais, semânticos, etc. • Categorias: vocabulário, gramática, coesão e estrutura textual. • Vinculação teórica com a Linguística Sistêmico Funcional (M.A.K. Halliday)
    • Análise da prática discursiva • Analisar questões relacionadas à produção, circulação e consumo dos textos. • Investigação dos recursos sociocognitivos de quem produz, circula e interpreta os textos. – “a natureza desses processos varia entre diferentes tipos de discurso de acordo com fatores sociais” (FAIRCLOUGH, 2001, pp.106-107). • Trabalho mais interpretativo. • Categorias: coerência, força ilocucionária, intertextualidade e interdiscursividade.
    • Análise da prática social • Explicar a relação que o texto desenvolve com as práticas sociais mais amplas das quais ele constitui apenas uma parte, pensando esta questão em termos de ideologia e de hegemonia. – O discurso é “o espaço e o suporte das lutas sociais marcadas pelo conflito seja para a sustentação das relações de dominância, seja para a resistência a essa dominância” (GOMES, 2007a, pp. 17-18), sendo o discurso, portanto, o espaço privilegiado da concretização de ideologias e do desenvolvimento de lutas hegemônicas.
    • Diálogo com as Ciências Sociais Discourse in Late Modernity (Chouliaraki & Fairclough, 1999)
    • Mudanças de foco... • Discurso como prática social? – Interesse mais aprofundado nas questões da linguagem e do discurso é uma tendência quase natural num campo de estudos que se vincula à Linguística. – Inclinação problemática para uma proposta teóricometodológica que se pretende dialética. • Olhar para a prática social em si: – é a partir de um olhar para a prática social que se pode ter uma compreensão mais clara do funcionamento e dos processos de construção de significado operados no e pelo discurso.
    • Prática? “modos habitualizados, ligados a tempos e espaços particulares, em que as pessoas aplicam recursos (materiais ou simbólicos) para agir conjuntamente no mundo. Práticas são constituídas ao longo de toda a vida social – em domínios especializados da economia e da política, por exemplo, mas também no domínio da cultura, incluindo a vida cotidiana.” (CHOULIARAKI & FAIRCLOUGH, 1999, p. 21).
    • Prática social • As práticas agregam elementos da vida social: – tipos particulares de atividades – condições materiais, temporais ou espaciais diferentes; – indivíduos particulares, que trazem cargas de conhecimentos e experiências diferentes em relações sociais também distintas; – formas linguísticas e semióticas diferentes, bem como diferentes modos de usar a linguagem, e assim por diante. • Momentos da Prática (David Harvey)
    • Momentos da prática • Elementos que se configuram como “partes” de práticas sociais particulares, funcionando de modo “agregado”. • São eles: – – – – discurso (momento linguístico/semiótico): relações sociais, atividade material fenômeno mental (crenças, valores, ideologias). • Discurso como momento da prática.
    • Momentos da prática • Interesses de Chouliaraki & Fairclough: – Quais as relações entre o momento discursivo e os outros momentos da prática? – Como o discurso se configura dentro das práticas sociais? Ou, de outro modo: como os textos se configuram enquanto discursos no nível das práticas sociais? • Ordens do discurso: “momentos encadeados de práticas sociais, isto é, uma rede de convenções e valores sociais e institucionais, estruturadas por relações de poder dentro das instituições, que produzem diferentes tipos de discurso, gêneros discursivos e vozes [estilos], gerados através da inculcação e do ordenamento das práticas sociais.” (GOMES, 2007)
    • Momentos do momento discursivo • Como o discurso se configura dentro das práticas sociais? Através das ordens do discurso! • E quais são os elementos das ordens do discurso? – Gêneros discursivos; – Discursos; – Estilos. • Esses elementos são como “momentos internos” ao próprio Momento Discursivo.
    • Diálogo com a Linguística Sistêmico Funcional Analysing discourse: textual analysis for social research (Fairclough, 2003)
    • Antes de qualquer coisa... LSF? “Teoria geral do funcionamento da linguagem humana, concebida a partir de uma abordagem descritiva baseada no uso linguístico. (...) fornece descrições plausíveis sobre o como e o porquê de a língua variar em função de e em relação com grupos de falantes e contextos de uso. Mas, para além de ser uma teoria de descrição gramatical, razão pela qual adquire muitas vezes a designação mais restrita de Gramática Sistémico-Funcional (GSF), ela fornece também instrumentos de descrição, uma técnica e uma metalinguagem que são úteis para a análise de textos.” (GOUVEIA, 2009, p. 14) [grifos nossos]
    • Linguística Sistêmico Funcional • Conceito importante: multifuncionalidade. – SISTÊMICO: língua como sistema; • Possibilidades mais ou menos restritas de significação. • Diante das possibilidades, os sujeitos fazem escolhas. • Possibilidades + escolhas = texto. – FUNCIONAL: preocupação com o funcionamento do sistema linguístico • O sistema tem relação com as funções sociais da linguagem. • Em última instância, as redes de escolhas correspondem a (meta)funções que a linguagem desempenha.
    • E nós com isso? • Fairclough se apropria da noção de multifuncionalidade. – compreensões semelhantes sobre a linguagem; • Faz um processo de reconfiguração. – objetivos diferenciados. • Em Discurso e Mudança Social (2001 [1992]), o autor já propõe algumas recontextualizações da perspectiva original de Halliday. Mas é em Analysing Discourse (2003), que o autor cumpre a tarefa de aprofundar a rearticulação dos conceitos da LSF .
    • Os três tipos de significado • Lembram da pergunta? – Como o discurso se configura dentro das práticas sociais? • Lembram da resposta? – Através das ordens do discurso! – Aqui, Fairclough dá “outra” resposta: os usos cotidianos da linguagem são formas através das quais representamos, agimos/interagimos e (nos) identificamos (n)o mundo. • E o que a gente faz com os elementos das ordens do discurso? – Mantêm. A mesma coisa.
    • Os três tipos de significado • Como? Segundo o autor: – Gêneros: formas de AÇÃO; – Discursos: formas de representação; – Estilos: formas de identificação; • Três tipos de significado: – Significado acional – referente aos gêneros; – Significado representacional – referente aos discursos – Significado identificacional – referente aos estilos • Por que significados em vez de funções?
    • Significado acional • Analisar, no gênero: – o que as pessoas fazem, ou, de modo mais particular, o que as pessoas fazem discursivamente? – quais tipos de interação são estabelecidos através dos gêneros? – existem processos de mudança e/ou hibridismo de gêneros? – estas mudanças genéricas indicam mudanças nas práticas sociais mais amplas? – os gêneros são mediados por tecnologias comunicacionais? em que estas tecnologias interferem?
    • Significado representacional • Analisar, nos discursos: – quais processos, participantes e/ou circunstâncias são representados/excluídos? – quando representados, quais são colocados em destaque? – como os atores sociais são representados? – existem processos de recontextualização de determinados campos da vida social? – há metáforas? – são feitas lexicalizações?
    • Significado identificacional • Analisar, nos estilos: – qual a relação aparente entre o falante/escritor e as informações que expressa em seu texto? – como isso se expressa em termos de modalização? – quais traços identitários são perceptíveis a partir desta relação? – há uma mistura significativa de estilos? – com quais valores o indivíduo se compromete? – como estes valores são apresentados linguisticamente?
    • Sistema de Transitividade – Gramática Sistêmico Funcional (FUZER & CABRAL, 2010 – baseado em HALLYDAY & MATTHIESEN, 2004) Significado da categoria Tipo de processo Participantes Exemplos de verbos Ator Meta Escopo Beneficiário Atributo comprar, vender, mexer, pintar, cortar, quebrar, riscar, limpar, sujar, bater, matar Material Criativo Transformativo fazer acontecer Mental Perceptivo Cognitivo Emotivo Desiderativo perceber pensar sentir desejar Experienciador Fenômeno perceber, ouvir, ver, lembrar, esquecer, pensar, saber, gostar, odiar, amar, querer Relacional Intensivo Possessivo Circunstancial caracterizar identificar Portador Atributo Identificado Identificador ser (otimista) ser (o presidente) estar (em paz) ter (livros) Comportamental comportar-se Comportante Comportamento rir, chorar, dormir, cantar, bocejar Verbal dizer Dizente Verbiagem Receptor Alvo dizer, perguntar, responder, contar, relatar, explicar Existencial existir Existente haver, existir
    • Obrigado! http://muriloaraujo.com murilodearaujo@yahoo.com.br