Seminário  Conteúdos digitais multimídia: ofoco na usabilidade e acessibilidadeDisciplina:Elementos de edição para ambient...
Projetos de conteúdos digitais       multimídia: critérios de qualidade USABILIDADE: Facilidade com que um usuário  faz u...
 ACESSIBILIDADE: Leva em consideração os  diversos    tipos  de   usuários   e   suas  peculiaridades    na    interação,...
Os dez princípios de Jordan (1998)          baseados na usabilidade1. CONSISTÊNCIA                2. COMPATIBILIDADE Poup...
3. CONSIDERAÇÃO DOS         4. FEEDBACKRECURSOS DO USUÁRIO          Não    há    feedback     para                       ...
5. PREVENÇÃO E RECUPE-         6. CONTROLE DO USUÁRIORAÇÃO DE ERROS Podem ocorrer erros ou        Determina       que   ...
7. CLAREZA DA INFORMA- 8. PRIORIZAÇÃO DA ATIVI-ÇÃO APRESENTADA        DADE E DA INFORMAÇÃO Determina         que       a ...
9. TRANSFERÊNCIA DE            10. AUTO-EXPLICAÇÃOTECNOLOGIA Diz        respeito      a    Com um produto bem  apropriaç...
CONSIDERAÇÕES FINAIS:   É necessário perceber que multimídia eacessibilidade não são pólos opostos, o contráriotalves, poi...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Conteúdos digitais multimídia: o foco na usabilidade e na acessibilidade

692 views

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
692
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
29
Actions
Shares
0
Downloads
8
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Conteúdos digitais multimídia: o foco na usabilidade e na acessibilidade

  1. 1. Seminário Conteúdos digitais multimídia: ofoco na usabilidade e acessibilidadeDisciplina:Elementos de edição para ambientes digitais Professora: Ana Ribeiro Aluna: Márcia Corrêa
  2. 2. Projetos de conteúdos digitais multimídia: critérios de qualidade USABILIDADE: Facilidade com que um usuário faz uso de um produto que não conhece, tem como objetivo um público específico.Figura 1: Teste de usabilidade
  3. 3.  ACESSIBILIDADE: Leva em consideração os diversos tipos de usuários e suas peculiaridades na interação, como: preferências, qualidade do equipamento e necessidades educativas especiais. Permite que o público alvo seja alcançado de forma mais ampla.Figura 2: selo que comprova a acessibilidade de páginas web
  4. 4. Os dez princípios de Jordan (1998) baseados na usabilidade1. CONSISTÊNCIA 2. COMPATIBILIDADE Poupa tempo do usuário  Esta relacionada ao explorando e identi- conhecimento externo do ficando o ambiente; produto, o usuário leva para a interação conhecimentos Facilita o uso para adquiridos com outros pessoas com deficiências softwares; cognitivas;  Os hábitos adquiridos Os conteúdos digitais se interferem na interação com o divididos em módulos produto; devem manter a  Na elaboração de materiais semelhança entre si no didáticos e conteúdos digitais que se refere a estrutura, didáticos é necessário levar ao esquema gráfico e a em consideração a cultura do execução de tarefas. usuário.
  5. 5. 3. CONSIDERAÇÃO DOS 4. FEEDBACKRECURSOS DO USUÁRIO  Não há feedback para conteúdos digitais aces- Adverte para que não sados através de ajuda ocorra a sobrecarga técnica; sensorial dos usuários,  A navegação desses levando em documentos no formato de hipertextos pode ser consideração a sua caracterizada como à deriva forma de percepção e se os usuários que utilizam possíveis limitações os sistemas de leitura de somadas a deficiências tela não conseguem obter orgânicas, além da informações úteis; forma que ele interage  Nas práticas educativas o com o conteúdo digital. feedback deve ser disponibilizado de acordo com a preferência do usuário (texto, som e imagem).
  6. 6. 5. PREVENÇÃO E RECUPE- 6. CONTROLE DO USUÁRIORAÇÃO DE ERROS Podem ocorrer erros ou  Determina que os mal uso do ambiente produtos devem ser digital por falhas na projetados de maneira concepção ou pouca que os usuários possam familiaridade com esse ter o maior controle na tipo de ambiente, para sua interação, como fazer evitar isso é ajustes e adaptações para recomendável confirmar a utilização do produto. as ações que se pretende realizar através das caixas de diálogo.
  7. 7. 7. CLAREZA DA INFORMA- 8. PRIORIZAÇÃO DA ATIVI-ÇÃO APRESENTADA DADE E DA INFORMAÇÃO Determina que a Deve-se destacar os informação seja elementos e as informações transmitida de forma mais importantes em um texto clara, ou seja, de para facilitar o acesso dos qualidade e precisão de usuários às informações que informação para não deseja; causar equivocos ao É necessário alguns cuidados usuário; na redação do texto, para se A informação deve ser ter uma usabilidade adequada, transmitida de uma forma entre esses cuidados estão: que seja percebida optar por abreviaturas mais através de qualquer um conhecidas, escrever as siglas dos sentidos rapidamente por extenso, usar pontuação e com facilidade; correta e evitar ao máximo as cacofonias pois prejudicariam O cuidado na estética do a compreensão do texto em texto digital facilita a sua SLT. legibilidade.
  8. 8. 9. TRANSFERÊNCIA DE 10. AUTO-EXPLICAÇÃOTECNOLOGIA Diz respeito a  Com um produto bem apropriação de produtos projetado o usuário criados que possuem aprende a acessá-lo à comprovada eficiência e medida que interage com o eficácia, por usuários que mesmo. a princípio não eram o  É necessário que esse público-alvo e que produto auto-explicável apresentam algum outro obedeça aos princípios do tipo de deficiência que design for all, e ser não a visual mas que compatível com as ajudas também acessam os técnicas. produtos com o sistema de leitura de tela.
  9. 9. CONSIDERAÇÕES FINAIS: É necessário perceber que multimídia eacessibilidade não são pólos opostos, o contráriotalves, pois é devido aos recursos tecnológicos queé possível ter acesso a conteúdos digitais. Usabilidade e acessibilidade são critérios quequalificam um produto e são direitos doconsumidor.REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:TORRES, Elisabeth Fátima & MAZZONI, Alberto Angel. Conteúdosdigitais multimídia: o foco na usabilidade e acessibilidade. Ci.Inf. [online]. 2004, vol.33, n.2, pp. 152-160. Disponível em:http://www.scielo.br/pdf/ci/v33n2/a16v33n2.

×