Your SlideShare is downloading. ×
0
Grupo cidadania   projeto educação infantil
Grupo cidadania   projeto educação infantil
Grupo cidadania   projeto educação infantil
Grupo cidadania   projeto educação infantil
Grupo cidadania   projeto educação infantil
Grupo cidadania   projeto educação infantil
Grupo cidadania   projeto educação infantil
Grupo cidadania   projeto educação infantil
Grupo cidadania   projeto educação infantil
Grupo cidadania   projeto educação infantil
Grupo cidadania   projeto educação infantil
Grupo cidadania   projeto educação infantil
Grupo cidadania   projeto educação infantil
Grupo cidadania   projeto educação infantil
Grupo cidadania   projeto educação infantil
Grupo cidadania   projeto educação infantil
Grupo cidadania   projeto educação infantil
Grupo cidadania   projeto educação infantil
Grupo cidadania   projeto educação infantil
Grupo cidadania   projeto educação infantil
Grupo cidadania   projeto educação infantil
Grupo cidadania   projeto educação infantil
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Grupo cidadania projeto educação infantil

1,878

Published on

Projeto Integrador - Educação Infantil

Projeto Integrador - Educação Infantil

Published in: Education, Technology, Career
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
1,878
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
8
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO INFANTL Profª Ms. Maria Aparecida Gialluisi GRUPO - CIDADANIA: Ana Thereza Castro da Silva Beatriz Silva Santos Helena Cristina Ramalho Farias Greenhalgh Letícia Peçanha Medeiros da Cunha Márcia Conceição da Silva Sandra Oliveira Amaro
  • 2. PROJETO INTERDISCIPLINAR: FORMAÇÃO DE REDES DE SIGNIFICAÇÃO EDUCAÇÃO PARA CIDADANIA
  • 3. TEMA GERADOR: Violência e Escola
  • 4. Escola: Municipal Fernão Dias Ensino: Educação Infantil
  • 5.
    • Entrevistada: Márcia Mascarenhas
    • Orientadora Educacional formada na UERJ em 1982 e voltei a Faculdade para estudar Administração Escolar e Supervisão Escolar em 1999 na Faculdade São Judas Tadeu.
    • Fui regente de 24 turmas de Educação Infantil, Diretora Titular da E. M. Fernão Dias por 11 anos e atualmente Diretora Adjunta da mesma Unidade Escolar por 2 anos e meio. Já tenho 26 anos de serviço no Município do Rio de Janeiro.
  • 6.
    • Violência como vimos nos noticiários não. Muitas vezes o que nos assusta são atos agressivos quando convocamos pais à escola para falarem dos seus filhos. A forma violenta como eles se dirigem aos mesmos para corrigi-los. Entendemos isso como um reflexo da violência do lar em que eles vivem.
    Casos de violência em sua escola.
  • 7. Que fatores contribuem para que a violência ocorra? Uma parte de nossa clientela vem da Favela do Muquiço a outra é bem diversificada, vem de vários outros bairros, dependendo da necessidade dos pais de colocar os filhos em horário integral. Atendemos nesse momento alunos de 3 a 5 anos. A violência que percebemos é a do entorno quando existem conflitos na comunidade. Geralmente, é raro um caso ou outro. Quando desconfiamos de violência familiar convocamos os responsáveis. E conseguimos através de orientação aos familiares, contornar a situação e evitar que a violência ocorra.
  • 8. O papel da escola na prevenção contra a violência Sempre estamos atentos aos nossos alunos, registramos qualquer marca que percebemos no corpo ou qualquer relato que por acaso as crianças chegam contando na escola e levamos ao conhecimento dos pais. Depois de tomarem ciência, esclarecemos sempre aos pais sobre as conseqüências de crianças serem agredidas pelos próprios. E que, se o ato se repetir, o caso será encaminhado ao Conselho Tutelar. Mas geralmente, os responsáveis se defendem esclarecendo o motivo do porque a criança chegou marcada na escola e o fato não volta a se repetir.
  • 9. Acreditamos que essa observação seja fundamental, pois se a violência psicológica ou mesmo física estiver acontecendo na família, possamos enquanto escola ter a oportunidade de aconselhar os pais como proceder com as crianças para que a mesma não venha a sofrer com isso. Minha experiência aponta que muitas vezes a criança que sofre violência física, psicológica ou física pela inabilidade dos pais de criarem seus filhos ou ainda, não terem condições para educá-los. Logo, criam traumas irreversíveis nessas crianças, através da violência praticada.
  • 10. O Projeto Político Pedagógico da escola aborda o tema: violência? Não. Pela faixa etária atendida não existe uma preocupação exagerada para que o Projeto seja voltado para a prevenção da violência. Porém, com o passar dos anos temos percebido que até os pequenos tem chegado as nossas escolas com uma carga de agressividade exacerbada para a idade. Isso nos tem preocupado muito e existe sim, uma preocupação no nosso projeto político pedagógico de dar maior ênfase a hábitos e atitudes que já fazem parte do currículo da Educação Infantil, para trabalhar mais temas como: amizade, amor e fraternidade para que os pequenos percebam que não vivemos sozinhos, logo, precisamos ter carinho pelos nossos semelhantes.
  • 11. Como trabalham tais aspectos? Em Sub-Projetos do Projeto Político Pedagógico da Escola, quando naquele ano, recebemos um grupo com aquele tipo de trabalho mais direcionado, se faz necessário além do trabalho diário que já se faz em sala de aula. Ou, em Mini Projeto como um Projeto chamado Cativar , que partiu de uma música de mesmo nome e surtiu um efeito muito bom em nossos alunos.
  • 12. Os professores estão preparados co e estimulados a realizar este trabalho? Sim, estão. Esse ano já pensamos em nosso último encontro, se irão fazer ou não um mini projeto ou partirão de histórias como as do Smilinguido para trabalhar o tema anti-violência com nossos alunos. Estamos amadurecendo as idéias e sentindo ainda, a necessidade dos pequenos que mal saíram da adaptação.
  • 13. Democrática e participativa. Sempre com a participação de todos nas reuniões com a equipe de professores, com a equipe técnico pedagógica, com os servidores de apoio da escola e com os representantes dos responsáveis. Todos os segmentos são ouvidos nas decisões importantes de nossa escola. A Gestão Educacional da Escola
  • 14. Nos nossos Centros de Estudos, Reuniões de Avaliação ou a qualquer momento que se faça necessário facilitamos essa discussão. Em que momentos discutem sobre o tema violência na escola?
  • 15. É até engraçado pensar em bullying em crianças tão pequenas, mas podem ficar atentos porque ele existe. E pode ser tão danoso a quem sofre quando pequeno quanto para os adolescentes. A zoação é a mesma: “Não sente aqui porque você não e meu amigo” , ” Não sente aqui porque seu cabelo e feio ” dizem . Ou, você está passando pelo banheiro e percebe 2 alunos batendo em outro menor e quando leva-se os 3 para conversar, os ditos agressores estavam batendo porque o outro é chato. Como detectam o Bullying?
  • 16. Como é trabalho esta questão do Bullying?
    • Normalmente ao se perceber algum indício de bullying entre os pequenos conversamos sobre as diferenças e logo,percebemos mudanças no comportamento. Porém, se eles continuarem insistindo nestes atos a ajuda da família e fundamental. Contar com os responsáveis para descontinuar esses comportamentos é o diferencial. É o caminho para o sucesso.
    • Escola e Família é a união mais perfeita e eficaz.
  • 17. Como a escola prepara o aluno para enfrentar a violência fora dos muros da escola?
    • Acredito muito naquele texto do Pedro Bial, onde ele narra que foi no Jardim de Infância que ele aprendeu tudo. Acredito que podemos também ensinar nossos pequenos a apreender comportamentos sociais e a se defenderem da violência sem serem violentos. Fazemos isso o tempo todo na Educação Infantil e percebemos que quando eles nos deixam e vão para outras escolas continuam sendo crianças tranqüilas, que sabem se defender da violência sem se deixarem contaminar, fazendo valer as sabias palavras do escritor.
  • 18. Visão de futuro em relação a educação na prevenção do Bullying
    • Precisamos ouvir mais os nossos alunos. O ouvir é essencial. Ouvindo o aluno ou mesmo lendo o seu silêncio é que se percebe o que está se passando com ele ou na cabeça dele. É impossível pensar que um professor esteja na sala de aula, ou que vários professores passem por aquela mesma turma e que nenhum ouça seus alunos a ponto de perceber que algum deles estão sofrendo ou praticando bullying. Crianças que sofrem bullying apresentam sinais como mudanças de comportamento, de aproveitamento nas aulas, algo com certeza vai ser detectado e quando isso acontecer, a presença do orientador educacional ou coordenador pedagógico da escola como elo para encaminhar a situação vai ser fundamental.
  • 19. Parecer do Grupo: A escola possui uma gestão democrática e participativa, onde todos os colaboradores participam intensamente da educação de sua clientela que vem da Favela do Muquiço e outras comunidades. Todos estão preparados para lidarem com diversas situações como, por exemplo, conflitos na comunidade e violência familiar. Quando esta última acontece convocam os responsáveis pela criança e dão orientações sobre as conseqüências de crianças serem agredidas pelos próprios. E que se o ato se repetir, o caso será encaminhado ao Conselho Tutelar. No projeto político pedagógico da escola não consta nada sobre o tema violência, mas a mesma se preocupa com o assunto e pensa em mudar seu projeto para atender melhor seus alunos que apesar de pequenos chegam com uma carga muito pesada de agressividade e ao ser observado o bullying há uma conversa sobre as diferenças entre eles caso haja persistência de comportamento a escola envolve a família para ajudar, pois ajuda a desconstruir este comportamento .
  • 20.
    • A escola tem a idéia de trabalhar no futuro próximo, temas como: amizade, amor e fraternidade para que os pequenos percebam que não vivemos sozinhos, logo, precisamos ter carinho pelos nossos semelhantes. Também acham essencial ouvir os alunos, pois contribui o Bullying e a violência e através de uma junta determinar a melhor forma de resolver a situação. Então, podemos concluir que esta escola deve incluir urgentemente em seu projeto político pedagógico o tema referente à violência, pois com os trabalhos realizados para pacificação das comunidades é obrigação da escola contribuir para que estes cidadãos cresçam com a formação de valores ideais para a formação de uma nova sociedade.
    Parecer do Grupo:
  • 21.  
  • 22. Bibliografia: FERREIRA, Mª Aparecida. Fundamentos da Educação Infantil . Rio de Janeiro: AVM, 2011. http://www.google.com.br/imagens

×