• Save
Trabalho final de Didática
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Like this? Share it with your network

Share

Trabalho final de Didática

on

  • 597 views

Talk about a final work of Didatica.

Talk about a final work of Didatica.

Statistics

Views

Total Views
597
Views on SlideShare
597
Embed Views
0

Actions

Likes
1
Downloads
0
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Trabalho final de Didática Presentation Transcript

  • 1. Projeto Com a gente tudo é diferente!
  • 2. Universidade do Estado do Rio de Janeiro
    • Faculdade de Educação
    • Trabalho apresentado como requisito para a conclusão da disciplina “Didática”.
    • Tema: Diversidade Cultural
    • Título: Com a gente é tudo diferente!
    • Curso de Pedagogia
    • Professoras orientadoras:
    • Edméa Santos e Rosemay Santos
    Integrantes: Nathalia Gandos Thaís Boch Thaís Trindade Thamires Vilches Vanessa Veríssimo
  • 3. Introdução
    • Para que haja diversidade, basta a presença de duas pessoas. É isso que explica o texto de Juliana Rochet e Ana Pires do Padro, Educação e Diversidade Cultural:
    • “ Isso leva à conclusão de que, para considerar algo ou alguém diferente,
    • é preciso partir de uma comparação com algum tipo de padrão, norma ou
    • expectativa cultural vigente em determinado grupo (...) as instituições
    • educativas são instituições culturais, onde de entrecruzam todas as
    • manifestações de diversidade .”
    • Foi a partir dessa leitura que escolhemos a seguinte situação hipotética para o Projeto de Didática:
    • Em uma escola municipal da zona norte, dois alunos do 4º ano (um gaúcho e outro maranhense)
    • têm dificuldades na interação com o grupo, passando por algumas situações de preconceito e
    • constrangimento. Isso ocorre por conta da padronização cultural da sociedade, obedecendo a
    • critérios que só são preenchidos por uma minoria, denominada classe dominante. E esta classe
    • utiliza todos os meios – dentre os quais se destaca a escola, que deve ser entendida como um
    • espaço contraditório – para transformar em hegemônico o seu projeto.
    • O espaço escolar é o melhor ambiente para começar a tratar tal tema, já que nele encontramos
    • as mais diferentes formas sociais, culturas distintas, ou seja, um contexto criado principalmente
    • como instrumento de socialização. Nesse projeto buscaremos aproximar os alunos, independente
    • de suas diferenças, mostrando que o olhar de cada um é diferente, mas devemos respeitar a
    • todos.
    • Além disso, buscaremos a interação com toda a comunidade local, para que o projeto não fique
    • apenas na escola, mas perpasse pelas famílias.
  • 4. Problemática
    • Como lidar com as diferenças dentro e fora da escola? Por que nós temos dificuldade em aceitar as diferenças?
    • São infindáveis as diferenças entre as pessoas , entre essas, algumas se destacam porque qualquer um pode imediatamente descrevê-las e atribuir-lhes significações
    • consagradas, enquanto outras se destacam pela própria singularidade e infamiliaridade
    • perante a “maioria”, esta que esta inserida dentro dos modelos sociais aceitados numa
    • “ normalidade” que na verdade abrange poucos.
    • A natureza dessas diferenças, os modos de funcionamento das relações interpessoais
    • e a emergência do surgimento de categorias de descrédito e/ou desvantagem social
    • constituem a face de importantes problemas que norteiam a inexistência de uma dita
    • “ plena liberdade de escolha” dentro da sociedade afetando a todos nós.
    • Diante desta situação, vemos como os estigmas sociais, estão atingindo a cada
    • momento o aluno, o professor, a sala de aula, o pátio e tudo que gira ao redor do
    • ambiente escolar. Vemos assim, que a maneira mais eficaz de tratar a diferença
    • é partir para uma atitude mais responsável socialmente visando “normalizar as diferenças” que são parte constitutiva de nosso povo.
  • 5. Justificativa
    • A sociedade brasileira é multicultural, por isso não podemos deixar que o preconceito faça parte dela. Com isso, trabalhar o tema da diversidade cultural nas escolas deve ser fundamental, até porque encontramos nos Parâmetros Curriculares Nacionais como um dos objetivos:
    • “ (...) conhecer e valorizar a pluralidade do patrimônio sociocultural brasileiro, bem como aspectos socioculturais de outros povos e nações, posicionando-se contra qualquer discriminação baseada em diferenças culturais, de classe social, de crenças, de sexo, de etnia ou outras características individuais e sociais(...) ” (PCN, Volume 10)
    • Devemos assim, focar no desenvolvimento de tal tema nos primeiros anos do ensino fundamental através de projetos com este eixo, atividades, discussões e dinâmicas com a participação dos alunos e também da comunidade em que a escola está situada.
    • Logo, as crianças devem ser incentivadas a aceitar as diferenças dos seus colegas e conseguirem perceber que todos nós somos diferentes, mas nem por isso nossas diferenças nos fazem melhores ou piores que os outros, e sim únicos do jeito que somos.
  • 6. Objetivos Gerais
    • O projeto que trata da diversidade cultural brasileira presente em sala de aula pretende
    • instruir os alunos para que tomem conhecimento do multiculturalismo existente em nossa
    • sociedade. Procurar respeitar e valorizar a cultura do próximo faz parte dos valores éticos
    • que serão construídos dentro da escola com o professor, juntamente com os estudantes,
    • toda a equipe pedagógica e todas as pessoas que de alguma forma fazem parte do cotidiano
    • escolar, além da família que é fundamental na ajuda para que esse processo se concretize.
    • A partir disso o projeto terá como meta:
    • - Trabalhar o conceito de cultura dentro da sala de aula indicando as fortes características
    • presentes em cada região e estados brasileiros;
    • - Compreensão que apesar das inúmeras características diferentes presentes nas pessoas,
    • isso não as tornam mais bonitas, ou feias, mas sim únicas;
    • - Instigar a curiosidade nas crianças em aprender sobre novas culturas, abrangendo costumes
    • culinárias, danças, vocabulários, entre outros, típicos de uma determinada região.
    • - Evitar atos de violência feitos a partir da discriminação contra a diferença do próximo;
    • - Entender que o Brasil é um país multicultural, ou seja, que existe mais de uma cultura
    • predominante no país;
    • - Trabalhar os pontos turísticos dos estados de todas as regiões brasileiras e qual a sua
    • importância para a nossa nação.
  • 7. Conteúdos
    • -Conceituais-
    • ·         Diferenças, semelhanças e conjunto (português e matemática).
    • ·         Regiões e localizações brasileiras (geografia).
    • ·         Compreensão da atualidade e da antiguidade (história).
    • ·         Compreensão sobre a diversidade encontrada no Brasil. ( história e geografia).
    •   -Procedimentais-
    • ·         Compreensão e distinção entre diferenças, semelhanças e conjunto (tema transversal português e matemática).
    • ·        Diferenciação entre as regiões e localizações brasileira (geografia).
    •          Reflexão sobre por que muitas vezes temos opiniões diferentes?
    • ·         Compreensão sobre a diversidade encontrada no Brasil- por que somos tão diferentes? (tema transversal história e geografia).
    • ·         Comportamento na forma de olhar e julgar as diferenças uns dos outros.
    • ·         Compreensão da atualidade e da antiguidade (história).
    • ·         Produção de blog e peça teatral.
    • -Atitudinais-
    •   ·         Valorização das atitudes relativas ao conhecimento, ao professor, aos colegas, a escola, a comunidade/sociedade, as tarefas, e as disciplinas. Compreensão dos valores da sociedade e da escola.
    • ·         Valorização de uma postura crítica em relação a esses valores.
    • ·         Reconhecimento da necessidade de ter-se  respeito e entendimento frente às diferenças uns dos outros.
    • ·         Empenho em saber fazer, ouvir, tomar decisões, ser crítico, ter opinião e realizar ações de forma ordenada.
  • 8.
    • Atividade 2 – Conhecendo minha turma
    • Para trabalhar a diversidade, será realizado uma dinâmica que
    • consiste em cada criança
    • colocar em um papel seu nome, idade, fruta preferida e cor favorita;
    • Após a anotação, as crianças colocarão esse papel como um crachá e a receberão
    • instruções para formarem grupos com determinada característica em comum;
    • A partir dessa dinâmica, as crianças perceberão que alguém que elas consideravam
    • diferente, pode ter gostos em comum;
    • Tempo: Um dia.
    Atividade 3 – Fotógrafo por um dia Será trabalhado nesse dia as diferentes características da população brasileira e os diferentes tipos de locais do Rio de Janeiro (praia, serra, cidade, comunidade); A partir disso serão distribuídas folhas de papel A4 - para cada um desenhar o local que mais gostou – e revistas – que servirão para eles pesquisarem pessoas diferentes para colocar no “retrato”- para desenvolverem uma “fotografia”; Através dessa atividade observaremos como as crianças fazem a seleção de pessoas para participarem do retrato, e a partir de algumas perguntas perceberemos se há preconceito em suas falas; Tempo: Dois dias, podendo ocorrer modificações.
  • 9. Atividades
    • Atividade 1 – Tirinha da Turma da Mônica
    • Observação e discussão de três tirinhas da Turma da Mônica levada pelos membros do projeto;
    • Nesse primeiro momento após a observação da tirinha, o trabalho será feito em volta
    • das características dos personagens da mesma e das crianças da sala;
    • Serão trabalhadas também as diferenças físicas, mostrando aos alunos que somos
    • diferentes fisicamente, mas isso não quer dizer que uns são superiores a outros;
    • O trabalho desenvolvido com a tirinha possibilitará para o educador pensar, refletir,
    • e se for preciso, reformular as propostas e as atividades, servindo como ponto de
    • partida do projeto, possibilitando conhecer as características do grupo e antecipar
    • necessidades a serem trabalhadas futuramente.
    • Tempo: Três dias, sendo que cada tirinha será trabalhada em dias diferentes.
  • 10.  
  • 11.
    • Atividade 4 – Também podemos ser escritores
    • A partir dos conhecimentos trabalhados nas atividades 1, 2 e 3, seria feita a atividade 4;
    • Para esta atividade, propomos a construção de uma história baseada no “retrato” criado
    • na atividade anterior;
    • Tempo: Uma semana.
    • Atividade 5 – Pesquisando sobre o nosso Brasil
    • A quinta atividade consiste em ir até o laboratório de informática e pesquisar as comidas
    • típicas das regiões brasileiras.
    • Após a pesquisa, a turma irá se dividir em quartetos e confeccionar um cartaz com pelo
    • menos duas receitas de cada região com suas respectivas ilustrações.
    • Tempo: Duas semanas.
  • 12.
    • Atividade 6 – Livro
    • Leitura e discussão do livro “O Pequeno Rei e o Parque Real” de José Roberto Torero;
    • Escolher o final do livro e registrar, confeccionando um mural com as escolhas;
    • Tempo: Uma semana.
  • 13.
    • Atividade 7 – Conscientização na internet
    • Depois de estudar sobre a diversidade durante o projeto todo, os alunos irão ao laboratório de informática novamente e com a ajuda dos mediadores do projeto, desenvolverão um blog que conscientize a todos sobre a importância da igualdade dentro e fora da escola;
    • Além do blog, eles desenvolverão também um teatro, podendo até mesmo reproduzir a história do livro trabalhado anteriormente com eles sendo os personagens.
    • Tempo: Aproximadamente um mês.
  • 14.
    • Atividade 8 – Feira da Cultura
    • A culminância do projeto se daria com uma feira da cultura feita pela turma utilizando
    • o pátio ou outro espaço disponível da escola. Seriam expostos os trabalhos feitos pela
    • mesma, com a apresentação do blog e do teatro pensados e desenvolvidos por eles e
    • com o “Lanche Brasileiro” que consiste em cada quarteto trazer um prato típico de
    • determinada região, contando com a ajuda dos mediadores do projeto.
    • Tempo: A feira, a principio, seria realizada em dois dias. No primeiro dia seria aberta
    • para os alunos de toda a escola e no segundo dia seria aberta para a comunidade.
  • 15. Recursos ou materiais didáticos
    • Atividade 1- Tirinhas da Turma da Monica;
    • Atividade 2- Papel A4 e canetinhas;
    • Atividade 3- Papel A4, revistas, tesouras e colas;
    • Atividade 4- Papel A3, canetinhas, lápis de cor;
    • Atividade 5 - Laboratório de Informática, cartolina, materiais pesquisados, tesoura, cola,
    • Canetinha;
    • Atividade 6- Livro “O Pequeno Rei e o Parque Real”, papéis diversificados, tesoura,
    • cola para produção do mural;
    • Atividade 7- Laboratório de Informática (blog) e Teatro;
    • Atividade 8 – Pátio, trabalhos desenvolvidos ao longo do projeto e as receitas trazidas
    • pelos alunos.
  • 16. Metodologia
    • A metodologia do projeto consistiria inicialmente em conscientizar os alunos de que os mesmos convivem com as diferenças diariamente e muitas vezes não as percebem porque não estão definidas nos estigmas sociais que os atingem.
    • As dinâmicas das atividades teriam ações com objetos de uso comum na vivencia dos alunos, como tirinhas de gibis e utilização do laboratório de informática da escola.
    • A ênfase das atividades seria na diversidade dentro e fora de sala de aula, abrangendo as diferenças regionais de nosso país.
  • 17. Avaliação
    • A avaliação será feita ao longo do projeto, a partir de todas as atividades desenvolvidas,
    • buscando observar se as crianças estão compreendendo as informações transmitidas e
    • se estão mudando suas atitudes em relação às crianças que sofrem preconceito. As
    • apresentações na Feira da Cultura também serão avaliadas, as falas, os cartazes, as
    • receitas e todo o desenvolvimento. E não terá seu fim com as apresentações. Como é
    • um projeto que busca a interação também com a comunidade, avaliaremos as relações
    • tanto no interior da escola, como no exterior – na comunidade.
  • 18. Referências Bibliográficas:
    • Parâmetros Curriculares Nacionais. Disponível em:
    • <http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/livro01.pdf> e
    • <http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=12640:parametros-curriculares-nacionais1o-a-4o-series&catid=195:seb-educacao-basica> .
    • Acesso em: 28 nov. 2011.
    • ROCHET, Juliana; PRADO, Ana Pires. Educação e Diversidade Cultural.