Da Queda Da Monarquia à ImplantaçãO Da RepúBlica

27,874 views
27,707 views

Published on

Published in: Travel, News & Politics
1 Comment
10 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total views
27,874
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
11,268
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
1
Likes
10
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Da Queda Da Monarquia à ImplantaçãO Da RepúBlica

  1. 1. Da Queda da Monarquia à Implantação da República
  2. 2. Portugal nos finais do século XIX <ul><li>Nos finais do século XIX, instalara-se em Portugal um grande descontentamento social. Este descontentamento devia-se, sobretudo, a grave crise económico-financeira que se abatera sobre a Europa, afectando também Portugal. Isto levou a inúmeras greves e manifestações. </li></ul>
  3. 3. Agricultura <ul><li>Nesta altura, Portugal era um país predominantemente agrícola. No entanto, a sua agricultura estava muito aquém da dos restantes países da Europa, tanta a nível de quantidade como de qualidade. Era uma agricultura deficitária. </li></ul>
  4. 4. Indústria <ul><li>Também a nível de indústria, éramos um país muito pobre. Esta estava limitada às áreas de Lisboa e Porto e muito pouco desenvolvida, com pouca capacidade de produção. </li></ul>
  5. 5. Situação económica <ul><li>Por altura do final do século XIX, Portugal encontrava-se com uma balança comercial deficitária (mais importações que exportações), bem como com uma grande dívida ao estrangeiro (nomeadamente a Inglaterra). </li></ul>
  6. 6. O Operariado <ul><li>Os operários eram o grupo social com mais dificuldades, estando cada vez mais pobres. Trabalhavam mais de 12 horas por dia, com salários baixíssimos estando sujeitos a acidentes e despedimentos. O trabalho infantil e feminino era uma realidade. As suas condições de vida eram miseráveis. </li></ul>
  7. 7. A Classe Média <ul><li>A classe média também estava descontente, pois com a inflação e o aumento dos impostos começavam também a sentir dificuldades. As pequenas e médias empresas começaram a ir à falência, o que provocou grande descontentamento. </li></ul>
  8. 8. Alta Burguesia <ul><li>Este grupo social era o único que não fora afectado pela crise; aliás, estavam cada vez mais ricos. Eram o grupo mais influente da cidade e habitavam em luxuosas moradias. Frequentavam bares, cafés, teatros, ópera. </li></ul>
  9. 9. D. Carlos I <ul><li>D. Carlos era quem governava Portugal no fim do século XIX. O rei era uma pessoa que não se interessava pela situação do reino. Gostava de estar envolvido nas suas actividades preferidas como a caça, não fazendo qualquer esforço para melhorar a crise em que nos encontrávamos. </li></ul>
  10. 10. O Partido Republicano <ul><li>Por volta de 1876, foi criado o Partido Republicano. A sua base de apoio era o povo e a média burguesia. Os seus ideais foram bem aceites e rapidamente difundidos. Além disso, o Partido tomou proveito da actual situação do reino para poder atacar a Monarquia e ganhar influência. </li></ul>Directório do Partido Republicano
  11. 11. O Ultimato Inglês <ul><li>Outra situação que aumentou o descontentamento foi o Ultimato Inglês, em 1890. A cedência do rei perante a exigência inglesa dos territórios do “Mapa Cor-de-rosa” foi vista pela população como um acto de humilhação e de cobardia. </li></ul>
  12. 12. Revolta do 31 de Janeiro <ul><li>Com este acumular de situações acabou por se dar, a 31 de Janeiro de 1891, a 1ª tentativa de derrubar a Monarquia e implantar a República. Esta eclodiu no Porto, e apesar de os revoltosos terem sido travados pela Guarda, o primeiro passo estava dado. </li></ul>
  13. 13. A Ditadura de João Franco <ul><li>Em 1907, face à situação social em que se encontrava o país, D. Carlos I nomeia João Franco para governar, numa ditadura administrativa. Este mandou imediatamente dissolver o Parlamento e decretar a censura à imprensa. </li></ul>
  14. 14. O Regicídio <ul><li>Com toda a tensão que se instalara, acabou por se dar um atentado contra o rei. Este deu-se em Fevereiro de 1908, e foram assassinados o rei D. Carlos I e o príncipe herdeiro D. Luís Filipe. Desta forma, subiu ao trono D. Manuel II. </li></ul>
  15. 15. D. Manuel II, Último Rei de Portugal <ul><li>Quando subiu ao trono, D. Manuel II tinha apenas 18 anos, mas apesar de ser jovem era muito inteligente. Afastou João Franco do poder, tendo restabelecido as instituições democráticas, isto porque o monarca percebeu que o melhor era os acontecimentos ocorrerem por si. </li></ul>
  16. 16. A Implantação da República <ul><li>O Republicanismo continuou a crescer, e a revolução estalou na madrugada de 4 de Outubro de 1910, em Lisboa. Foi levada a cabo por militares com baixa patente (sargentos e alferes) auxiliados por populares. A revolução espalhou-se rapidamente pelo resto do país sem encontrar oposição. </li></ul>Proclamação da República, na varanda da Câmara Municipal de Lisboa
  17. 18. Alegoria da Implantação da República
  18. 19. Despedida de D. Manuel II <ul><li>Com o fim da Monarquia D. Manuel II e a sua mãe embarcaram em direcção a Inglaterra, onde ficaram a viver. No entanto, o rei nunca deixou de acompanhar as notícias de Portugal. </li></ul>
  19. 20. Novidades da República <ul><li>A República era em muito diferente da Monarquia nomeadamente nos seguintes aspectos: </li></ul><ul><li>O chefe de estado é o presidente </li></ul><ul><li>A sua informação é feita pelo povo (ou seus representantes) </li></ul><ul><li>O seu mandato está limitado por lei. </li></ul>República
  20. 21. O Governo Provisório <ul><li>Com a introdução do novo regime, os dirigentes do Partido Republicano tomaram a liderança do país, formando um Governo Provisório liderado por Teófilo Braga. Além disso, o Partido também tratou dos preparativos para as eleições para a Assembleia Constituinte. </li></ul>
  21. 22. Constituição de 1911 <ul><li>A nova constituição foi elaborada pela Assembleia Constituinte e instituiu o sistema de democracia parlamentar. Os poderes estavam divididos da seguinte forma: </li></ul>Poder Legislativo (fazer as leis) Poder Judicial (julgar quem não cumpre as leis) Poder Executivo (fazer cumprir as leis) exercido pelo exercido pelos exercido pelos Parlamento Presidente da República Governo Tribunais O Presidente da República é eleito pelo Parlamento e o Governo é escolhido pelo Presidente.
  22. 23. Manuel de Arriaga, 1º Presidente da República <ul><li>A tarefa de escolher o primeiro presidente da República também coube à Assembleia Constituinte. O escolhido para ocupar o cargo foi Manuel de Arriaga. O seu mandato foi de 24 de Agosto de 1911 a 26 de Maio de 1915 </li></ul>
  23. 24. Os Símbolos da República <ul><li>Com a República, surgiram novos símbolos: </li></ul><ul><li>» Uma nova moeda, o escudo : </li></ul>
  24. 25. Os Símbolos da República <ul><li>» Uma nova bandeira , verde e vermelha: </li></ul>
  25. 26. Os Símbolos da República <ul><li>» Um novo hino , “A Portuguesa”: </li></ul>
  26. 27. Medidas da 1ª República RELIGIÃO - Lei da Separação do Estado da Igreja - Regulamentação do Divórcio - Obrigatoriedade do Registo Civil - Ensino Religioso Proibido nas Escolas - Ordens Religiosas Expulsas
  27. 28. Medidas da 1ª República <ul><li>Relativamente à Igreja, os republicanos eram laicos, por isso, aplicaram novas leis cujo objectivo era separar as tarefas da Igreja das tarefas do Estado. </li></ul>Caricatura de Afonso Costa
  28. 29. Medidas da 1ª República <ul><li>- Criação de Jardins-escola, Escolas Primárias e Escolas Técnicas </li></ul><ul><li>- Fundação das Universidades do Porto e Lisboa </li></ul><ul><li>- Obrigatoriedade do Ensino Primário </li></ul><ul><li>- Desenvolvimento da Formação de Professores </li></ul><ul><li>- Criação de Bibliotecas Itinerantes </li></ul>EDUCAÇÃO
  29. 30. Medidas da 1ª República A nível da Educação fizeram-se muitos investimentos, no entanto, os seus resultados foram pouco visíveis na população portuguesa, como é o caso da taxa de alfabetização cuja diminuição não foi notória.
  30. 31. Medidas da 1ª República <ul><li>- Diminuição dos Horários de Trabalho Diário </li></ul><ul><li>- Estabelecimento de um Descanso Semanal Obrigatório </li></ul><ul><li>- Regulamentação da Greve </li></ul><ul><li>- Criação de um Seguro Social </li></ul>SOCIEDADE
  31. 32. Medidas da 1ª República <ul><li>Com estas novas medidas aplicadas na sociedade, o operariado foi o grupo social mais beneficiado, enquanto que as classes médias ficaram mais prejudicadas. </li></ul>
  32. 33. Dificuldades de Acção Governativa <ul><li>Apesar de a população esperar que a situação de crise em que o país se encontrava melhorasse com a Implantação da República, isso não aconteceu. </li></ul><ul><li>As dificuldades económicas continuaram: o poder de compra diminuía cada vez mais, a inflação aumentava, os impostos não paravam de subir, a moeda desvalorizava, etc. A economia estava arrasada . </li></ul>
  33. 34. Participação de Portugal na 1ª Guerra Mundial <ul><li>Entretanto, em 1916, Portugal entra na 1ª Guerra Mundial com o objectivo de defender as suas colónias e de prestar ajuda a Inglaterra. No entanto isto ainda trouxe mais problemas ao país: </li></ul>Guerra Aumento dos impostos – agravamento da situação económica Aumento da agitação social Mais despesas – fardas e armamentos Elevado número de mortos, feridos e inválidos
  34. 35. Participação de Portugal na 1ª Guerra Mundial Embarque das tropas portuguesas para Angola
  35. 36. Participação de Portugal na 1ª Guerra Mundial Frente de Combate em Inglaterra Portugueses sobreviventes
  36. 37. Instabilidade Governativa <ul><li>Para além disso, verificava-se uma grande instabilidade governativa , com constantes mudanças de governo. </li></ul><ul><li>Em apenas 16 anos, houve 45 governos e 8 presidentes. </li></ul>Presidentes da 1ª Republica
  37. 38. Instabilidade Governativa <ul><li>O Partido Republicano desfez-se, tendo-se formado novos partidos rivais. Isto levou a várias conspirações e mesmo a cenas de pancadaria nalgumas sessões do Parlamento, devido à divergência de ideais. </li></ul>Alguns dos vultos iniciais do Partido Republicano
  38. 39. Agitação Social <ul><li>Todos estes factores (agravamento da situação económico-financeira, a participação de Portugal na 1ª Guerra Mundial, instabilidade governativa) levaram a um aumento do descontentamento cada vez mais notório que se traduziu em mais greves e manifestações . </li></ul>
  39. 40. Reacção Autoritária à 1ª República <ul><li>Este clima fez com que surgissem alguns golpes militares e períodos de ditadura durante a 1ª República, como é o caso da “República Nova” de Sidónio Pais entre 1917 e 1918. </li></ul>
  40. 41. Fim da 1ª República <ul><li>O acontecimento decisivo deu-se a 28 de Maio de 1926, em que General Gomes da Costa iniciou a revolução a partir de Braga, marchando para Lisboa. No percurso ganhou apoiantes e ao chegar à capital Bernardino Machado já renunciara ao cargo de Presidente da República. Instaurou-se então uma Ditadura Militar. </li></ul>
  41. 42. Fim da 1ª República Marcha de 28 de Maio de 1926
  42. 43. Balanço da 1ª República <ul><li>A 1ª República não correspondeu à expectativa popular; mesmo tendo introduzido novas medidas, a crise continuou e a agitação cresceu, acabando por fracassar. Apesar disso, foi um passo importante na História de Portugal. </li></ul>
  43. 44. <ul><li>Trabalho Realizado Por: </li></ul><ul><li>Inês da Costa Miranda, nº18 </li></ul><ul><li>9ºA </li></ul><ul><li>Escola Secundária Almeida Garrett </li></ul><ul><li>Ano Lectivo 2009/2010 </li></ul>

×