Documento descarregado pelo utilizador Felismino Thomás (10.73.102.134) em 23-02-2012 10:46:36.                           ...
Documento descarregado pelo utilizador Felismino Thomás (10.73.102.134) em 23-02-2012 10:46:36.                           ...
Documento descarregado pelo utilizador Felismino Thomás (10.73.102.134) em 23-02-2012 10:46:36.                           ...
Documento descarregado pelo utilizador Felismino Thomás (10.73.102.134) em 23-02-2012 10:46:36.                           ...
Documento descarregado pelo utilizador Felismino Thomás (10.73.102.134) em 23-02-2012 10:46:36.                           ...
Documento descarregado pelo utilizador Felismino Thomás (10.73.102.134) em 23-02-2012 10:46:36.                           ...
Documento descarregado pelo utilizador Felismino Thomás (10.73.102.134) em 23-02-2012 10:46:36.                           ...
Documento descarregado pelo utilizador Felismino Thomás (10.73.102.134) em 23-02-2012 10:46:36.                           ...
Documento descarregado pelo utilizador Felismino Thomás (10.73.102.134) em 23-02-2012 10:46:36.                           ...
Documento descarregado pelo utilizador Felismino Thomás (10.73.102.134) em 23-02-2012 10:46:36.                           ...
Documento descarregado pelo utilizador Felismino Thomás (10.73.102.134) em 23-02-2012 10:46:36.                           ...
Documento descarregado pelo utilizador Felismino Thomás (10.73.102.134) em 23-02-2012 10:46:36.                           ...
Bo 27 01-2012-5
Bo 27 01-2012-5
Bo 27 01-2012-5
Bo 27 01-2012-5
Bo 27 01-2012-5
Bo 27 01-2012-5
Bo 27 01-2012-5
Bo 27 01-2012-5
Bo 27 01-2012-5
Bo 27 01-2012-5
Bo 27 01-2012-5
Bo 27 01-2012-5
Bo 27 01-2012-5
Bo 27 01-2012-5
Bo 27 01-2012-5
Bo 27 01-2012-5
Bo 27 01-2012-5
Bo 27 01-2012-5
Bo 27 01-2012-5
Bo 27 01-2012-5
Bo 27 01-2012-5
Bo 27 01-2012-5
Bo 27 01-2012-5
Bo 27 01-2012-5
Bo 27 01-2012-5
Bo 27 01-2012-5
Bo 27 01-2012-5
Bo 27 01-2012-5
Bo 27 01-2012-5
Bo 27 01-2012-5
Bo 27 01-2012-5
Bo 27 01-2012-5
Bo 27 01-2012-5
Bo 27 01-2012-5
Bo 27 01-2012-5
Bo 27 01-2012-5
Bo 27 01-2012-5
Bo 27 01-2012-5
Bo 27 01-2012-5
Bo 27 01-2012-5
Bo 27 01-2012-5
Bo 27 01-2012-5
Bo 27 01-2012-5
Bo 27 01-2012-5
Bo 27 01-2012-5
Bo 27 01-2012-5
Bo 27 01-2012-5
Bo 27 01-2012-5
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Bo 27 01-2012-5

386

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
386
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
4
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Transcript of "Bo 27 01-2012-5"

  1. 1. Documento descarregado pelo utilizador Felismino Thomás (10.73.102.134) em 23-02-2012 10:46:36. Documento descarregado pelo utilizador Adilson (10.73.103.139) em 23-02-2012 12:12:13. © Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. Sexta-feira, 27 de Janeiro de 2012 I Série Número 5 BOLETIM OFICIAL1 467000 002089 ÍNDICE CONSELHO DE MINISTROS: Decreto-Legislativo nº 1/2012: Aprova o Código do Mercado de Valores Mobiliários................................................................................ 78 https://kiosk.incv.cv 15F007F6-4616-4A97-839B-160AF7E6B2D9
  2. 2. Documento descarregado pelo utilizador Felismino Thomás (10.73.102.134) em 23-02-2012 10:46:36. Documento descarregado pelo utilizador Adilson (10.73.103.139) em 23-02-2012 12:12:13. © Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. 78 I SÉRIE — NO 5 «B. O.» DA REPÚBLICA DE CABO VERDE — 27 DE JANEIRO DE 2012 CONSELHO DE MINISTROS O reforço das garantias de estabilidade e autonomia da AGMVM, consagrado na presente reforma, implicou ––––––– a definição de novas regras, nomeadamente, quanto ao processo de nomeação do Auditor-Geral e dos vogais do Decreto-Legislativo nº 1/2012 Conselho Directivo da AGMVM; à duração do mandato dos membros, à clarificação do princípio da inamovibilida- de 27 de Janeiro de dos membros do Conselho Directivo da AGMVM e do Num momento em que se procede à reforma de modelos respectivo regime de incompatibilidades e impedimentos de regulação do sistema financeiro a nível mundial, e estatuto remuneratório. Cabo Verde, graças às suas boas práticas e à reputação Além disso, foram identificadas áreas especialmente firmada internacionalmente, pode dispor de condições carenciadas de reforma no sector dos valores mobiliários favoráveis para se afirmar como um centro financeiro que abrangem, nomeadamente, as ofertas públicas, o internacional regional. aprofundamento da regulamentação aplicável ao abuso de informação privilegiada, o reforço dos mecanismos Para tanto, a reforma do quadro normativo regula- sancionatórios, a consagração das sociedades abertas e a tório do mercado de valores mobiliários de Cabo Verde ponderação de alguns aspectos do regime fiscal relevantes revela-se imprescindível, por forma a torná-lo moderno e à revitalização do mercado de capitais. credível, nomeadamente face à futura adesão da Audito- ria Geral do Mercado de Valores Mobiliários (AGMVM) Procurou-se, em particular, modernizar a disciplina à International Organization of Securities Commissions das ofertas públicas e criar regras relativamente às no- (IOSCO). vas tendências dos mercados e das sociedades cotadas, assinalando-se as regras relativas à matéria de publici- A reforma do mercado de valores mobiliários de Cabo dade do prospecto. Verde visa reduzir os custos e superar os entraves bu- rocráticos que, no actual contexto de liberalização dos Assim, a reforma prevê que, em matéria de publicidade, movimentos de capitais, têm impedido a atracção de devam ser publicados dois anúncios: um anúncio prelimi- novas emissões de valores mobiliários em Cabo Verde nar, cujo efeito vincula o oferente a lançar a oferta, de tal comprometendo, por conseguinte, a dinâmica do mercado maneira que a publicação do aviso preliminar não equi-1 467000 002089 de valores mobiliários nacional. valha tecnicamente ao lançamento da oferta; e o anúncio de lançamento, que constitui o documento informativo A reforma agora aprovada procura reflectir, no direito que incorpora a declaração contratual. interno cabo-verdiano, soluções que acompanhem as me- lhores práticas internacionais, por forma a assegurar a Em matéria de ofertas públicas, revelou-se necessário competitividade do modelo regulatório, evitando riscos proceder a uma profunda reformulação sistemática. de arbitragem regulatória, em que os regulados procu- Assim, clarificou-se a terminologia das ofertas públicas ram países que oferecem mecanismos de regulação mais e a sua repartição em ofertas públicas de distribuição apropriados aos interesses próprios. (incluindo ofertas de subscrição e de venda) e ofertas pú- blicas de aquisição (incluindo ofertas públicas de troca). No tocante à regulação do sistema financeiro, partiu-se do modelo monista de regulação, mais adequado à re- O processo das ofertas públicas passou a ser sistemati- gulação do sistema financeiro em pequenas economias zado, com a criação de um conjunto de disposições legais relativas à matéria. ou em economias emergentes, uma vez que permite a maximização das economias de escala, com redução de Por outro lado, foram definidas regras sobre informação custos de cumprimento; melhor circulação de informação, e transparência, nomeadamente relativas à prevenção e resolvendo eventuais falhas de comunicação; garante combate ao abuso de mercado, tendo sido aprovado um um balcão único numa época em que proliferam os con- conjunto de medidas que abrangem o aprofundamento glomerados financeiros e facilita a operacionalização da dos deveres de informação dos intermediários financei- entidade reguladora, nomeadamente numa perspectiva ros; a regulamentação da obrigação de divulgação de administrativa e financeira. informação privilegiada; a possibilidade de diferimento da divulgação de informação; o agravamento da moldura Entendeu-se, no entanto, face a uma necessária espe- penal dos crimes de abuso de informação e de mani- cialização da regulação do mercado de valores mobiliários pulação de mercado; a previsão de penas acessórias; a – sobretudo considerando a juventude deste mercado em atribuição de poderes de averiguação à AGMVM e, por Cabo Verde e a consequente necessidade de afirmação último, a definição de regras sobre apreensão e perda das – que a separação da regulação do mercado de valores vantagens do crime. mobiliários dentro de um modelo monista permite obter ganhos de eficiência. Foi ainda redefinido o conceito de valor mobiliário, bem como o conceito de sociedade aberta, tendo sido criadas A solução proposta garante a estabilidade do actual regras especiais para este tipo de sociedades no Código modelo de regulação do sistema financeiro de Cabo Verde, do Mercado de Valores Mobiliários, que resultaram da aperfeiçoando aspectos que lhe permitem identificar-se conexão eminentemente jus-mobiliária que estas socie- com as melhores e mais avançadas práticas internacionais. dades representam. https://kiosk.incv.cv 15F007F6-4616-4A97-839B-160AF7E6B2D9
  3. 3. Documento descarregado pelo utilizador Felismino Thomás (10.73.102.134) em 23-02-2012 10:46:36. Documento descarregado pelo utilizador Adilson (10.73.103.139) em 23-02-2012 12:12:13. © Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. I SÉRIE — NO 5 «B. O.» DA REPÚBLICA DE CABO VERDE — 27 DE JANEIRO DE 2012 79 Por último, foi alterado o impedimento legal que obstava Artigo 6.º a que as sociedades comerciais recém-formadas - com Alteração do artigo 391º do Código das Empresas Comerciais menos de dois anos - emitissem obrigações. Foram consultados a Auditoria Geral do Mercado de O artigo 391º do Código das Empresas Comerciais apro- Valores Mobiliários, a Bolsa de Valores de Cabo Verde e vado pelo Decreto -Legislativo n.º 3/99, de 29 de Março, o Banco de Cabo Verde. passa a ter a seguinte redacção: “Artigo 391º Assim, (Emissão de obrigações) Ao abrigo da autorização legislativa concedida pela Lei n.º 7/VIII/2011, de 28 de Novembro; e 1. […] No uso da faculdade conferida pela alínea b) do n.º 2 2. Só podem emitir obrigações as sociedades cujo do artigo 204º da Constituição da República, o Governo contrato esteja definitivamente registado há mais de 1 decreta o seguinte: (um) ano, salvo se tiverem resultado de fusão ou cisão Artigo 1.º de sociedades das quais uma, pelo menos, se encontre registada há mais de 1 (um) ano. Aprovação 3. O prazo referido no número anterior pode ser re- É aprovado o Código do Mercado de Valores Mobiliários duzido, mediante autorização prévia a conceder pela em anexo, que faz parte integrante do presente diploma. Auditoria Geral do Mercado de Valores Mobiliários, nos termos expressamente definidos por esta, considerando, Artigo 2.º nomeadamente, que a idoneidade dos detentores de Legislação e regulamentação complementar participações sociais ou as características da sociedade comercial garantem a emissão de obrigações a autorizar. 1. O estabelecido no presente Código é complementado, com vista à sua execução, através de diplomas legais do 4. O disposto nos números 2 e 3 não é aplicável às sociedades dominadas pelo Estado ou por uma entidade1 467000 002089 Governo, regulamentos da Auditoria Geral do Mercado de Valores Mobiliários (AGMVM) e circulares da Bolsa a ele equiparada por este Código, ou quando a emissão de Valores. de obrigações for garantida pelo Estado ou entidade equiparada. 2. Os diplomas legais do Governo, regulamentos e circulares mencionados no número anterior, bem como 5. […] Anterior n.º 4 quaisquer outros que venham a ser emanados e digam respeito a matérias abrangidas pelo presente Código, 6. […] Anterior n.º 5 são também publicados no boletim oficial de bolsa e no sistema de difusão de informação da AGMVM. 7. […] Anterior n.º 6 Artigo 3.º a. Registo de auditores de contas independentes b. Apenas os auditores independentes que se encontrem c. inscritos na respectiva ordem profissional podem proceder à certificação de contas ou de qualquer informação fi- 8. […] Anterior n.º 7 nanceira a que se refere o presente código e legislação complementar. Artigo 7.º Artigo 4.º Entrada em vigor Remissão para disposições revogadas O presente diploma entra em vigor 60 dias após a sua publicação no Boletim Oficial. As remissões contidas em diplomas legislativos ou regulamentares para as normas do Código revogado nos Visto e aprovado no Conselho de Ministros de 1 termos do artigo seguinte consideram-se remetidas para de Dezembro de 2011 as disposições correspondentes do Código do Mercado de Valores Mobiliários aprovado por este diploma. José Maria Pereira Neves - Cristina Isabel Lopes da Artigo 5.º Silva Monteiro Duarte - José Carlos Lopes Correia Revogação Publique-se. É revogado o Código do Mercado de Valores Mobiliários O Presidente da República, JORGE CARLOS DE AL- aprovado pela Lei n.º 52/V/98, de 11 de Maio. MEIDA FONSECA https://kiosk.incv.cv 15F007F6-4616-4A97-839B-160AF7E6B2D9
  4. 4. Documento descarregado pelo utilizador Felismino Thomás (10.73.102.134) em 23-02-2012 10:46:36. Documento descarregado pelo utilizador Adilson (10.73.103.139) em 23-02-2012 12:12:13. © Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. 80 I SÉRIE — NO 5 «B. O.» DA REPÚBLICA DE CABO VERDE — 27 DE JANEIRO DE 2012 ANEXO b) Instrumentos financeiros – os valores mobiliários e os instrumentos financeiros derivados; CÓDIGO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS c) Mercado de valores mobiliários – o conjunto dos mercados organizados ou controlados pelas TÍTULO I autoridades competentes e onde esses valores DISPOSIÇÕES GERAIS se transaccionam; CAPÍTULO I d) Mercado primário – o mercado de valores mobiliários através do qual as entidades Objecto, âmbito e definições gerais emitentes procedem à emissão desses Artigo 1.º valores e à sua distribuição originária pelos Objecto investidores; O presente Código estabelece os princípios e disposições e) Mercado secundário – o conjunto dos mercados fundamentais por que se rege a organização, o funciona- de valores mobiliários organizados para mento e as operações dos mercados de valores mobiliários assegurar a compra e venda desses valores e de instrumentos financeiros e as actividades que nesses depois de distribuídos aos investidores mercados exerçam todos os agentes que neles intervêm. através do mercado primário; Artigo 2.º f) Intermediários financeiros ou intermediários Âmbito organizados - as pessoas e entidades, singulares ou colectivas, públicas ou privadas, 1. As disposições deste Código são aplicáveis a todos os legalmente habilitadas a exercer nos mercados valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros de valores mobiliários e de instrumentos emitidos, negociados ou comercializados em território financeiros, a título profissional, alguma nacional. actividade de intermediação financeira; 2. Exceptuam-se do estabelecido no número anterior: g) Operadores de bolsa – todos os intermediários1 467000 002089 a) Os valores mobiliários de natureza monetária, financeiros legalmente autorizados a realizar salvo quando a legislação que lhes respeite operações de bolsa; determine o contrário; h) Autoridades competentes – as pessoas e b) Outros valores mobiliários relativamente aos entidades, públicas ou privadas, responsáveis quais a aplicabilidade do presente Código seja, pela organização e funcionamento dos no todo ou em parte, expressamente excluída mercados de valores mobiliários e de pela legislação especial que os regule. instrumentos financeiros ou pelo controlo Artigo 3.º das actividades que nele se desenvolvem bem como do cumprimento das disposições legais e Definições regulamentares que lhes respeitam; 1. Para efeitos deste Código, consideram-se: i) Entidades emitentes – as pessoas e entidades, a) Valores mobiliários – documentos representativos públicas ou privadas, que emitam valores de situações jurídicas homogéneas susceptíveis mobiliários; de negociação em mercado, além de outros que a lei como tal qualifique: j) Investidores – as pessoas e entidades, públicas ou privadas, que, por si mesmas ou através i. as acções; de outras pessoas ou entidades, apliquem, transitória ou duradouramente, em valores ii. as obrigações; mobiliários e em instrumentos financeiros os iii. os títulos de participação; meios financeiros de que são detentoras; iv. as unidades de participação em instituições k) Sociedades abertas – as sociedades que tenham de investimento colectivo; parte ou a totalidade do seu capital disperso pelo público. v. os warrants autónomos; vi. os direitos destacados dos valores mobiliários 2. As actividades profissionais abrangidas pela defi- referidos em i. a iv., desde que o destaque nição constante da alínea f) do n.º 1 compreendem não abranja toda a emissão ou série ou esteja apenas as operações que os intermediários financeiros previsto no acto de emissão; e realizem por conta ou em nome de terceiros, mas tam- bém as que se encontrem legal ou estatutariamente vii. Outros documentos representativos de autorizados ou obrigados a efectuar por conta própria, situações jurídicas homogéneas, desde que no âmbito das funções que desempenhem no mercado de sejam susceptíveis de transmissão em mercado. valores mobiliários. https://kiosk.incv.cv 15F007F6-4616-4A97-839B-160AF7E6B2D9
  5. 5. Documento descarregado pelo utilizador Felismino Thomás (10.73.102.134) em 23-02-2012 10:46:36. Documento descarregado pelo utilizador Adilson (10.73.103.139) em 23-02-2012 12:12:13. © Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. I SÉRIE — NO 5 «B. O.» DA REPÚBLICA DE CABO VERDE — 27 DE JANEIRO DE 2012 81 CAPÍTULO II Artigo 6.º Auditoria geral do mercado de valores Controlo Judicial mobiliários 1. Os actos da AGMVM de natureza administrativa Secção I ficam sujeitos à jurisdição administrativa, nos termos da respectiva legislação. Natureza e atribuições 2. A AGMVM tem legitimidade para impugnar a lega- Artigo 4.º lidade dos actos governamentais que lhe digam respeito. Natureza Secção II A Auditoria Geral do Mercado de Valores Mobiliários, Órgãos designada abreviadamente por AGMVM, funciona na Artigo 7.º dependência do Governador do Banco de Cabo Verde e goza de autonomia funcional e administrativa. Órgãos Artigo 5.º São órgãos da AGMVM, o Conselho Directivo e o Con- Atribuições selho Consultivo. Subsecção I 1. As atribuições da AGMVM são as seguintes: Conselho Directivo a) A supervisão dos mercados de valores mobiliários e de instrumentos financeiros, das ofertas públicas Artigo 8.º relativas a valores mobiliários, da compensação Composição, nomeação e duração do mandato e liquidação àqueles respeitantes, dos sistemas centralizados de valores mobiliários, e de todas 1. O Conselho Directivo é composto por um Auditor as entidades intervenientes no mercado de Geral e por 2 (dois) vogais em regime de exclusividade, valores mobiliários; sendo todos eles designados por Resolução do Conselho de Ministros de entre pessoas com reconhecida idoneidade,1 467000 002089 b) A regulação dos mercados de valores mobiliários independência e competência, sob proposta do membro e de instrumentos financeiros, das ofertas do governo responsável pela área das Finanças, ouvido públicas relativas a valores mobiliários, o Governador do Banco de Cabo Verde. das actividades exercidas pelas entidades sujeitas à sua supervisão e de outras matérias 2. O mandato do Auditor Geral e dos vogais da AGMVM previstas neste Código e em legislação tem a duração de 4 (quatro) anos, renovável por uma vez. complementar; Artigo 9.º c) A promoção do desenvolvimento do mercado Competências do Conselho Directivo de valores mobiliários e de instrumentos financeiros e das actividades de intermediação 1. O Conselho Directivo tem as seguintes competências: financeira; a) Definir a política geral da AGMVM; d) Demais funções que lhe sejam atribuídas por lei. b) Elaborar o orçamento e o plano anual de actividades; 2. No âmbito das suas atribuições a AGMVM promove o intercâmbio e a coordenação com os demais serviços do c) Elaborar o relatório anual sobre a situação Banco de Cabo Verde, com autoridades de outros países dos mercados de valores mobiliários e que exerçam funções de supervisão e de regulação no proceder à sua divulgação, apresentando-o domínio dos valores mobiliários e do sistema financeiro ao Governador do Banco de Cabo Verde e ao em geral e com as organizações internacionais de que membro do governo responsável pela área faça parte. das finanças, até 30 de Junho de cada ano, o qual deve incluir o relatório da actividade 3. O intercâmbio e a coordenação com os demais ser- desenvolvida pela AGMVM; viços do Banco de Cabo Verde abrangem a instituição de procedimentos de troca de informações, de avaliação d) Organizar os serviços e gerir os recursos da natureza e do impacto de eventuais crises e, quando humanos da AGMVM; necessário, a coordenação das medidas a tomar. e) Aprovar os regulamentos e outros actos 4. O intercâmbio e a coordenação referidos no número normativos cuja competência a lei atribua à anterior funcionam tanto em situações de normal funcio- AGMVM, incluindo a definição de taxas; namento dos sistemas e dos mercados financeiros, como em situações de crise com impacto sistémico que afecte f) Aprovar recomendações genéricas dirigidas instituições ou grupos financeiros, incluindo conglomerados às entidades sujeitas à sua supervisão e financeiros ou infra-estruturas do sistema financeiro, pareceres genéricos sobre questões relevantes compreendendo os sistemas de pagamentos. que lhe sejam colocadas; https://kiosk.incv.cv 15F007F6-4616-4A97-839B-160AF7E6B2D9
  6. 6. Documento descarregado pelo utilizador Felismino Thomás (10.73.102.134) em 23-02-2012 10:46:36. Documento descarregado pelo utilizador Adilson (10.73.103.139) em 23-02-2012 12:12:13. © Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. 82 I SÉRIE — NO 5 «B. O.» DA REPÚBLICA DE CABO VERDE — 27 DE JANEIRO DE 2012 g) Determinar a abertura de processo de averiguações com excepção de funções docentes ou de preliminares relativas a crimes contra o investigação em estabelecimento de ensino mercado e o seu encerramento, bem como a oficialmente reconhecido; eventual remessa ao Ministério Público; b) Realizar, directamente ou por interposta h) Praticar os demais actos de supervisão definidos pessoa, operações sobre valores mobiliários, na Lei; salvo tratando-se de operações sobre fundos públicos nacionais ou estrangeiros ou de i) Deliberar sobre quaisquer outras matérias que fundos de poupança-reforma. sejam atribuídas por Lei. 2. O Auditor Geral e os vogais da AGMVM que à data 2. O Conselho Directivo da AGMVM pode delegar com- da sua nomeação sejam titulares de acções devem aliená- petências no Auditor Geral ou em qualquer dos vogais. las antes da tomada de posse ou declarar, por escrito, a Artigo 10.º sua existência, ao membro de governo responsável pela Funcionamento área das Finanças, só as podendo alienar após a tomada de posse com autorização do mesmo. 1. O Conselho Directivo reúne-se uma vez por semana e, extraordinariamente, sempre que convocado pelo Audi- 3. Nos 2 (dois) anos seguintes à cessação do seu man- tor Geral, por sua iniciativa ou a solicitação de qualquer dato, o Auditor Geral e os vogais da AGMVM não podem um dos vogais. estabelecer qualquer vínculo ou entrar em qualquer relação profissional, remunerada ou não, com entidades 2. A acta das reuniões é aprovada e assinada por todos que, durante esse período, estiveram abrangidas pelo os membros presentes. perímetro de supervisão da AGMVM. 3. O Auditor Geral tem voto de qualidade nas reuniões 4. Nos 2 (dois) anos seguintes à cessação do seu man- a que preside. dato, os antigos Auditores Gerais e vogais da AGMVM 4. O Auditor Geral pode suspender qualquer delibera- têm direito a um subsídio equivalente a dois terços da ção do Conselho Directivo que considere contrária à lei, respectiva remuneração, cessando esse abono a partir do aos regulamentos ou ao interesse público, caso em que momento em que estes sejam contratados ou nomeados o assunto objecto da deliberação só poderá ser aprovado para o desempenho, remunerado, de qualquer função ou1 467000 002089 de novo após novo procedimento decisório, incluindo a serviço público ou privado. audição das entidades que o Auditor Geral repute con- Artigo 13.º veniente. Segredo Artigo 11.º Competências do Auditor Geral 1. Os membros da AGMVM, os trabalhadores ou qual- quer outra pessoa que preste directa ou indirectamente, 1. Compete, em especial, ao Auditor Geral: a título permanente ou ocasional, quaisquer serviços à a) Convocar e presidir às reuniões, orientar os seus AGMVM, ficam sujeitos a segredo profissional sobre os trabalhos e assegurar o cumprimento das factos e os elementos cujo conhecimento lhes advenha do respectivas deliberações; exercício das suas funções ou da prestação de serviços, não podendo revelar nem utilizar em proveito próprio b) Representar a AGMVM em juízo e fora dele; ou alheio, directamente ou por interposta pessoa, as informações que tenha sobre esses factos ou elementos. c) Assegurar as relações com os demais serviços do BCV e outros organismos públicos; 2. O dever de segredo mantém-se após a cessação das d) Solicitar pareceres ao Conselho Consultivo; funções ou a prestação de serviços pelas pessoas a ele sujeitas. e) Exercer as demais competências previstas na lei e as que lhe sejam delegadas pelo Conselho 3. Os factos ou elementos sujeitos a segredo só podem Directivo. ser revelados mediante autorização do interessado, transmitida à AGMVM, ou noutras circunstâncias pre- 2. O Auditor é substituído nas suas ausências e impe- vistas na lei. dimentos, sucessivamente pelo vogal mais antigo ou em igualdade de circunstância, pelo vogal mais velho. 4. O dever de segredo não abrange factos ou elementos cuja divulgação pela AGMVM seja imposta ou permitida 3. O disposto no número anterior é aplicável no caso por lei. de vacatura do cargo. Artigo 14.º Artigo 12.º Remuneração e regalias Incompatibilidades O Auditor Geral e os vogais da AGMVM recebem uma 1. O Auditor Geral e os vogais da AGMVM não podem, remuneração a fixar por Portaria do membro de governo durante o seu mandato: responsável pela área das Finanças, sob proposta do a) Exercer qualquer outra função pública ou Governador, e gozam das regalias de natureza social privada, ainda que não remuneradas, atribuídas aos trabalhadores do Banco de Cabo Verde. https://kiosk.incv.cv 15F007F6-4616-4A97-839B-160AF7E6B2D9
  7. 7. Documento descarregado pelo utilizador Felismino Thomás (10.73.102.134) em 23-02-2012 10:46:36. Documento descarregado pelo utilizador Adilson (10.73.103.139) em 23-02-2012 12:12:13. © Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. I SÉRIE — NO 5 «B. O.» DA REPÚBLICA DE CABO VERDE — 27 DE JANEIRO DE 2012 83 Artigo 15.º b) Promover o desenvolvimento do mercado de Cessação de funções valores mobiliários em Cabo Verde; 1. O Auditor Geral e os vogais da AGMVM cessam o c) Formular propostas de regulamentação; exercício das suas funções: d) Emitir pareceres; a) Pelo decurso do prazo por que foram designados; e) Promover a formulação ou a adopção de políticas b) Por incapacidade permanente ou por de actuação coordenadas junto de entidades incompatibilidade superveniente do titular; estrangeiras e organizações internacionais; c) Por renúncia; f) Realizar quaisquer acções que, consensualmente, sejam consideradas pelos seus membros d) Por demissão decidida por resolução do adequadas às finalidades indicadas nas Conselho de Ministros em caso de falta grave, alíneas precedentes. comprovadamente cometida pelo titular Secção III no desempenho das suas funções ou no cumprimento de qualquer obrigação inerente Supervisão e fiscalização ao cargo. Artigo 18º 2. Considera-se falta grave a violação do disposto no Princípios da supervisão n.º 1 do artigo 12º. 1. A supervisão desenvolvida pela AGMVM obedece 3. O termo do mandato de cada um dos membros do aos seguintes princípios: Conselho Directivo é independente do termo do mandato dos restantes membros. a) Protecção dos investidores; Subsecção II b) Eficiência e regularidade de funcionamento Conselho Consultivo dos mercados de valores mobiliários e de instrumentos financeiros; Artigo 16.º1 467000 002089 c) Controlo da informação; Composição e funcionamento d) Prevenção do risco sistémico; 1. São membros permanentes do Conselho: e) Prevenção e repressão das actuações contrárias a) O Governador do Banco de Cabo Verde, que preside; à lei ou regulamentos; b) Um representante do membro de governo f) Independência perante quaisquer entidades responsável pela área das Finanças; públicas ou privadas. c) Um administrador do Banco de Cabo Verde; 2. As pessoas ou entidades que exerçam actividades d) O Auditor Geral do Mercado de Valores Mobiliários; de carácter transnacional ficam sujeitas à supervisão da AGMVM sempre que essas actividades tenham alguma e) O Presidente da Bolsa de Valores de Cabo Verde; conexão relevante com mercados, operações ou valores f) Um representante das instituições de crédito; e mobiliários sujeitos à lei cabo-verdiana. g) Um representante das sociedades de corretagem. 3. As entidades sujeitas à supervisão da AGMVM de- vem prestar-lhe toda a colaboração solicitada. 2. O Conselho reúne, pelo menos, uma vez por ano, Artigo 19.º sendo as sessões marcadas com uma antecedência de 15 (quinze) dias e convocadas pelo presidente, por sua Entidades sujeitas à supervisão da Auditoria Geral iniciativa ou a solicitação de qualquer dos restantes do Mercado de Valores Mobiliários membros permanentes. No âmbito das actividades relativas a instrumentos 3. A AGMVM presta apoio técnico ao Conselho. financeiros, estão sujeitas à supervisão da AGMVM, sem prejuízo das competências atribuídas a outras autoridades, 4. Os membros do Conselho, bem como todas as outras as seguintes entidades: pessoas que com ele colaborem, ficam sujeitos ao dever de segredo. a) Bolsas, entidades gestoras de sistemas de negociação multilateral, de sistemas de Artigo 17.º liquidação, de câmara de compensação Competências ou contraparte central e de sistemas centralizados de valores mobiliários; O Conselho tem as seguintes competências: b) Intermediários financeiros e consultores para a) Promover a coordenação da actuação dos investimento; intervenientes no mercado de valores mobiliários; c) Emitentes de valores mobiliários; https://kiosk.incv.cv 15F007F6-4616-4A97-839B-160AF7E6B2D9
  8. 8. Documento descarregado pelo utilizador Felismino Thomás (10.73.102.134) em 23-02-2012 10:46:36. Documento descarregado pelo utilizador Adilson (10.73.103.139) em 23-02-2012 12:12:13. © Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. 84 I SÉRIE — NO 5 «B. O.» DA REPÚBLICA DE CABO VERDE — 27 DE JANEIRO DE 2012 d) Investidores qualificados e titulares de d) Exigir a intermediários financeiros e a quaisquer participações qualificadas; outras pessoas, colectivas ou singulares, estando estas ou não sob supervisão da e) Fundos de garantia e sistemas de indemnização AGMVM, os registos, informações e quaisquer dos investidores e respectivas entidades elementos relativos a operações efectuadas gestoras; em bolsa; f) Auditores e sociedades de notação de risco, e) Ouvir quaisquer pessoas, intimando-as para o registados na AGMVM; efeito, quando necessário; g) Outras pessoas que exerçam, a título principal ou acessório, actividades relacionadas com a f) Determinar que as pessoas responsáveis emissão, a distribuição, a negociação, o registo pelos locais onde se procede à instrução de ou o depósito de instrumentos financeiros ou, qualquer processo ou a outras diligências em geral, com a organização e o funcionamento coloquem à sua disposição as instalações de dos mercados de instrumentos financeiros. que os seus agentes careçam, para a execução dessas tarefas, em condições adequadas de Artigo 20.º dignidade e eficiência; Procedimentos da supervisão g) Requerer às autoridades policiais a colaboração No âmbito das suas atribuições de supervisão, a AG- que se mostre necessária ao exercício das MVM pode adoptar, além de outros previstos na lei, os suas funções, designadamente nos casos de seguintes procedimentos: resistência a esse exercício; a) Acompanhar a actividade das entidades sujeitas h) Substituir-se às entidades supervisionadas no à sua supervisão e o funcionamento dos cumprimento de deveres de informação; mercados de instrumentos financeiros; i) Divulgar publicamente o facto de um emitente b) Fiscalizar o cumprimento da lei e dos não estar a observar os seus deveres. regulamentos; 3. Nas situações previstas no n.º 1 e nas alíneas a) a1 467000 002089 c) Aprovar os actos e conceder autorizações f) do n.º anterior, as pessoas singulares ou colectivas em previstas na lei; causa ficam sujeitas ao dever de não revelar a clientes d) Efectuar os registos previstos na lei; ou a terceiros o teor ou a ocorrência do acto praticado. e) Instaurar e instruir os processos e punir as 4. Nos recursos das decisões tomadas pela AGMVM infracções que sejam da sua competência em no exercício dos poderes de supervisão, presume-se, até relação a quaisquer pessoas; prova em contrário, que a suspensão da eficácia deter- mina grave lesão do interesse público. f) Dar ordens e formular recomendações concretas; Artigo 22.º g) Difundir informações; Supervisão contínua h) Publicar estudos. Artigo 21.º A AGMVM acompanha de modo contínuo a actividade das entidades sujeitas à sua supervisão, ainda que não Exercício da supervisão exista qualquer suspeita de irregularidade. 1. No exercício da supervisão, a AGMVM pratica os Artigo 23.º actos necessários para assegurar a efectividade dos princípios referidos no artigo 18.º, salvaguardando tanto Supervisão prudencial quanto possível a autonomia das entidades sujeitas à sua supervisão. 1. Estão sujeitas à supervisão prudencial da AGMVM: 2. No exercício da supervisão, a AGMVM dispõe das a) As bolsas, os sistemas de negociação multilateral, seguintes prerrogativas: os sistemas de liquidação, a câmara de compensação e de contraparte central e os a) Exigir quaisquer elementos e informações, sistemas centralizados de valores mobiliários; examinar livros, registos e documentos, não podendo as entidades supervisionadas b) As instituições de investimento colectivo; invocar segredo profissional; c) As entidades gestoras de fundos de garantia e de b) Exigir quaisquer elementos e informações sistemas de indemnização dos investidores. relativos à estrutura accionista de pessoas colectivas que intervêm nos mercados de 2. A supervisão prudencial é orientada pelos seguintes valores mobiliários; princípios: c) Aceder a registos bancários e a registos de a) Preservação da solvabilidade e da liquidez das intermediação; instituições e prevenção de riscos próprios; https://kiosk.incv.cv 15F007F6-4616-4A97-839B-160AF7E6B2D9
  9. 9. Documento descarregado pelo utilizador Felismino Thomás (10.73.102.134) em 23-02-2012 10:46:36. Documento descarregado pelo utilizador Adilson (10.73.103.139) em 23-02-2012 12:12:13. © Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. I SÉRIE — NO 5 «B. O.» DA REPÚBLICA DE CABO VERDE — 27 DE JANEIRO DE 2012 85 b) Prevenção de riscos sistémicos; Secção IV Registos e difusão de informação c) Controlo da idoneidade dos titulares dos órgãos de gestão, das pessoas que dirigem Artigo 26. º efectivamente a actividade e dos titulares de Registos participações qualificadas. 1. Os registos efectuados pela AGMVM visam o controlo 3. Para efeitos do disposto no número anterior, as de legalidade e de conformidade com os regulamentos dos entidades referidas no n.º 1 são obrigadas a prestar à factos ou elementos sujeitos a registo e a organização da AGMVM as informações que esta considere necessárias supervisão. à verificação, nomeadamente, do seu grau de liquidez e de solvabilidade, dos riscos em que incorrem, incluindo 2. Os registos efectuados pela AGMVM são públicos, o nível de exposição a diferentes tipos de instrumentos salvo quando da lei resulte o contrário. financeiros, das práticas de gestão e controlo dos riscos 3. Os documentos que tenham servido de base aos a que estão ou possam vir a estar sujeitas e das meto- registos são públicos, salvo quando contenham dados dologias adoptadas na avaliação dos seus activos, em pessoais que não constem do registo ou este tenha sido particular daqueles que não sejam transaccionados em efectuado no âmbito de processo de contra-ordenação ou mercados de elevada liquidez e transparência. de averiguações ainda em curso ou que, por qualquer outra causa, estejam sujeitos a segredo. 4. A AGMVM, através de regulamento, concretiza o disposto nos números anteriores. 4. A AGMVM define, através de regulamento, os ter- mos do acesso público aos registos e documentos a que Artigo 24.º se referem os números anteriores. Fiscalização 5. A AGMVM mantém um registo das sanções prin- 1. No exercício de poderes de fiscalização, a AGMVM: cipais e acessórias aplicadas em processos de contra- ordenação, que não é acessível ao público. a) Efectua as inspecções que entenda necessárias 6. Os registos efectuados pela AGMVM podem ser inte- às entidades sujeitas à sua supervisão; grados e tratados em aplicações informáticas, nos termos1 467000 002089 b) Realiza inquéritos para averiguação de e com os limites da lei sobre protecção de dados pessoais. infracções de qualquer natureza cometidas Artigo 27.º no âmbito do mercado de valores mobiliários Difusão de informações ou que afectem o seu normal funcionamento; A AGMVM organiza um sistema informático de difusão c) Executa as diligências necessárias ao de informação acessível ao público, que pode integrar, cumprimento dos princípios referidos no entre outros aspectos, elementos constantes dos seus re- artigo 18º. gistos, decisões com interesse público e outra informação que lhe seja comunicada ou por si aprovada. 2. A AGMVM participa às entidades competentes as infracções de que tome conhecimento e cuja instrução e Artigo 28.º sanção não se enquadrem na sua competência. Despesas de publicação Artigo 25.º Constitui título executivo, a declaração do Conselho Supervisão relativa a publicidade Directivo da AGMVM atestando a realização de despesas com publicações que, segundo a lei, possam por ela ser 1. Compete à AGMVM fiscalizar a aplicação da legis- promovidas a expensas de entidades sujeitas à sua su- lação sobre publicidade relativa às matérias reguladas pervisão. neste diploma, instaurando e instruindo os processos Secção V de contra-ordenação e aplicando as respectivas sanções. Regulação 2. Em relação a material publicitário ilegal, a AGMVM Artigo 29.º pode ordenar: Regulamentos da Auditoria Geral do Mercado de Valores Mobiliários a) As modificações necessárias para pôr termo à ilegalidade; 1. A AGMVM elabora os regulamentos previstos no presente Código. b) A suspensão da acção publicitária; 2. Os regulamentos da AGMVM devem observar os c) A imediata publicação pelo responsável de princípios da legalidade, da necessidade, da clareza e rectificação apropriada. da publicidade. 3. Verificado o incumprimento da ordem a que se refere 3. Os regulamentos da AGMVM são publicados no a alínea c) do número anterior, pode a AGMVM, sem Boletim Oficial de Cabo Verde e no endereço electrónico prejuízo das sanções aplicáveis, substituir-se ao infractor da AGMVM, entrando em vigor na data neles referida na prática do acto. ou cinco dias após a sua publicação. https://kiosk.incv.cv 15F007F6-4616-4A97-839B-160AF7E6B2D9
  10. 10. Documento descarregado pelo utilizador Felismino Thomás (10.73.102.134) em 23-02-2012 10:46:36. Documento descarregado pelo utilizador Adilson (10.73.103.139) em 23-02-2012 12:12:13. © Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. 86 I SÉRIE — NO 5 «B. O.» DA REPÚBLICA DE CABO VERDE — 27 DE JANEIRO DE 2012 4. Os regulamentos da AGMVM que incidam sobre Secção VI matérias relativas a um determinado mercado regula- Cooperação mentado ou sistema de negociação multilateral ou aos instrumentos financeiros nele negociados são também Artigo 34.º divulgados no boletim desse mercado ou sistema. Princípios 5. Os regulamentos da AGMVM que apenas visem A cooperação desenvolvida pela AGMVM deve obedecer regular procedimentos de carácter interno de uma ou aos princípios de reciprocidade, de respeito pelo segredo mais categorias de entidades denominam-se instruções, profissional e de utilização restrita da informação para não são publicados nos termos dos números anteriores, fins de supervisão. são notificados aos respectivos destinatários e entram em vigor três dias após a notificação ou na data nelas Artigo 35. º referida. Cooperação com outras autoridades nacionais Artigo 30.º 1. A AGMVM coopera com outras autoridades nacio- Boletim da Auditoria Geral do Mercado de Valores nais que exerçam poderes de supervisão e de regulação. Mobiliários 2. A cooperação referida no número anterior tem ca- 1. A AGMVM edita periodicamente um boletim, aonde rácter regular e pode traduzir-se: são publicados, nomeadamente: a) Na elaboração e aprovação de regulamentos, b) Os seus regulamentos e instruções; quando a lei lhes atribua competência conjunta; c) As recomendações e os pareceres genéricos; b) Na realização de consultas mútuas; d) As decisões de autorização; c) Na troca de informações, mesmo quando sujeitas a segredo profissional; e) As decisões de registo, se o registo for público. d) Na realização de actos de fiscalização conjunta; 2. O boletim da AGMVM tem formato electrónico.1 467000 002089 e) No estabelecimento de acordos e de procedimentos Artigo 31.º comuns. Recomendações e pareceres genéricos Artigo 36.º Cooperação com instituições congéneres estrangeiras 1. A AGMVM pode emitir recomendações genéricas dirigidas às entidades sujeitas à sua supervisão. 1. No exercício das suas atribuições, a AGMVM coo- pera com as instituições congéneres ou equiparadas de 2. A AGMVM pode formular e publicar pareceres gené- outros países. ricos sobre questões relevantes que lhe sejam colocadas por escrito pelas entidades sujeitas à sua supervisão. 2. A AGMVM pode celebrar com as referidas institui- Artigo 32.º ções acordos bilaterais ou multilaterais de cooperação, tendo nomeadamente em vista: Publicação consolidada de normas a) Recolha de elementos relativos a infracções A AGMVM publica anualmente o texto actualizado das contra o mercado de instrumentos financeiros normas legais e regulamentares respeitantes às matérias e de outras cuja investigação caiba no âmbito reguladas neste Código e em legislação complementar. das atribuições da AGMVM; Artigo 33.º b) Troca de informações necessárias ao exercício das respectivas funções de supervisão ou Auto-regulação de regulação, nomeadamente, registos e 1. Nos limites da lei e dos regulamentos, as entidades relatórios referentes às operações efectuadas gestoras dos mercados regulamentados, dos sistemas de em bolsa e depoimentos de pessoas, quer de negociação multilateral, dos sistemas de liquidação, de forma voluntária, quer quando intimadas para contraparte central ou de compensação e dos sistemas o efeito pela autoridade com competências de centralizados de valores mobiliários podem regular au- supervisão; tonomamente as actividades por si geridas. c) Consultas sobre problemas suscitados pelas respectivas atribuições; 2. As regras estabelecidas nos termos do número anterior que não sejam sujeitas a registo, assim como d) Formação de quadros e troca de experiências no aquelas que constam de códigos deontológicos aprovados âmbito das respectivas atribuições. por entidades gestoras e por associações profissionais de intermediários financeiros, devem ser comunicadas 3. Os acordos a que se refere o número anterior podem à AGMVM. abranger a participação subordinada de representantes https://kiosk.incv.cv 15F007F6-4616-4A97-839B-160AF7E6B2D9
  11. 11. Documento descarregado pelo utilizador Felismino Thomás (10.73.102.134) em 23-02-2012 10:46:36. Documento descarregado pelo utilizador Adilson (10.73.103.139) em 23-02-2012 12:12:13. © Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. I SÉRIE — NO 5 «B. O.» DA REPÚBLICA DE CABO VERDE — 27 DE JANEIRO DE 2012 87 de instituições congéneres de país estrangeiro em actos intermediação financeira, à liquidação e à compensação da competência da AGMVM, quando haja suspeita de de operações, às ofertas públicas de valores mobiliários violação de lei daquele país. e aos emitentes deve ser completa, verdadeira, actual, clara, objectiva e lícita. 4. A cooperação a que se refere o presente artigo deve ser desenvolvida nos termos da lei e das convenções 2. O disposto no número anterior aplica-se seja qual internacionais que vinculam o Estado de Cabo Verde. for o meio de divulgação e ainda que a informação seja inserida em conselho, recomendação, mensagem publi- 5. O disposto no presente artigo é aplicável, com as citária ou relatório de notação de risco. necessárias adaptações, às relações decorrentes da par- ticipação da AGMVM em organizações internacionais. 3. O requisito da completude da informação é aferido Artigo 37.º em função do meio utilizado, podendo, nas mensagens publicitárias, ser substituído por remissão para docu- Assistência a instituições congéneres estrangeiras mento acessível aos destinatários. 1. A AGMVM partilha informação e presta assistên- Artigo 40.º cia a instituições congéneres ou equiparadas de outros países relativas a investigações e infracções de qualquer Informação auditada natureza cometidas no âmbito do mercado de valores mobiliários ou que afectem o seu normal funcionamento e 1. Deve ser objecto de relatório elaborado por auditor quaisquer outras infracções da competência da AGMVM, independente a informação financeira anual contida em independentemente de a infracção ter ocorrido ou não documento de prestação de contas ou em prospectos que: em Cabo Verde. a) Devam ser submetidos à AGMVM; 2. A assistência prestada pela AGMVM a instituições congéneres ou equiparadas de outros países e a partilha de b) Devam ser publicados no âmbito de pedido informação mencionada no número anterior é realizada de admissão à negociação em mercado mesmo que os factos que se encontram a ser investigados regulamentado; ou pela instituição congénere ou equiparada de outro país ou sobre os quais o pedido de informação recai não c) Respeitem a instituições de investimento colectivo.1 467000 002089 consubstanciem uma infracção ou violação de leis ou 2. Se os documentos referidos no número anterior incluírem regulamentos do Estado de Cabo Verde. previsões sobre a evolução dos negócios ou da situação Artigo 38.º económica e financeira da entidade a que respeitam, o Tratamento da informação relatório do auditor deve pronunciar-se expressamente sobre os respectivos pressupostos, critérios e coerência. As informações recebidas pela AGMVM nos termos dos artigos anteriores só podem ser utilizadas: 3. No caso de a informação intercalar ou as informações financeiras trimestrais ou semestrais terem sido sujeitas a) Para exame das condições de acesso à actividade a auditoria ou a revisão limitada, é incluído o relatório dos intermediários financeiros; de auditoria ou de revisão, caso não o tenham sido, é b) Para supervisão da actividade dos intermediários declarado tal facto. financeiros e para supervisão dos mercados Artigo 41.º de instrumentos financeiros; Dever de comunicação pelos auditores c) Para instrução de processos e para aplicação de sanções; 1. Os auditores que prestem serviço a intermediário d) No âmbito de recursos interpostos de decisões do financeiro ou a empresa que com ele esteja em relação membro de governo responsável pela área das de domínio ou de grupo ou que nele detenha, directa ou Finanças, da AGMVM ou do Banco de Cabo indirectamente, pelo menos, 20 % (vinte por cento) dos Verde, tomadas nos termos das disposições direitos de voto ou do capital social, devem comunicar aplicáveis às entidades sujeitas à respectiva imediatamente à AGMVM os factos respeitantes a supervisão; esse intermediário financeiro ou a essa empresa de que tenham conhecimento no exercício das suas funções, e) Para dar cumprimento a deveres de quando tais factos sejam susceptíveis de: colaboração com outras entidades ou para o desenvolvimento de acções de cooperação. a) Constituir crime ou ilícito de mera ordenação social que estabeleça as condições de CAPÍTULO III autorização ou que regule, de modo específico, Informação actividades de intermediação financeira; Artigo 39.º b) Afectar a continuidade do exercício da actividade Qualidade da informação do intermediário financeiro; ou 1. A informação respeitante aos instrumentos financeiros, c) Justificar a recusa da certificação das contas ou às formas organizadas de negociação, às actividades de a emissão de reservas. https://kiosk.incv.cv 15F007F6-4616-4A97-839B-160AF7E6B2D9
  12. 12. Documento descarregado pelo utilizador Felismino Thomás (10.73.102.134) em 23-02-2012 10:46:36. Documento descarregado pelo utilizador Adilson (10.73.103.139) em 23-02-2012 12:12:13. © Todos os direitos reservados. A cópia ou distribuição não autorizada é proibida. 88 I SÉRIE — NO 5 «B. O.» DA REPÚBLICA DE CABO VERDE — 27 DE JANEIRO DE 2012 2. O dever de comunicação imposto pelo presente arti- Artigo 46.º go prevalece sobre quaisquer restrições à divulgação de Função do registo informações, legal ou contratualmente previstas, e o seu cumprimento de boa fé não envolve qualquer responsa- O registo na AGMVM tem como função assegurar o bilidade para os respectivos sujeitos. controlo prévio dos requisitos para o exercício de cada uma das actividades de intermediação financeira e per- Artigo 42.º mitir a organização da supervisão. Responsabilidade dos auditores Artigo 47.º Pelos danos causados aos emitentes ou a terceiros Processo de registo por deficiência do relatório ou do parecer elaborados por 1. O pedido de registo deve ser acompanhado dos docu- auditor respondem solidária e ilimitadamente: mentos necessários para demonstrar que o intermediário a) Os contabilistas certificados e outras pessoas financeiro possui os meios humanos, materiais e técnicos que tenham assinado o relatório ou o parecer; indispensáveis ao exercício da actividade em causa. b) As sociedades de auditores e contabilistas e 2. A AGMVM, através de inspecção, pode verificar a outras sociedades de auditoria, desde que os existência dos meios a que se refere o número anterior. documentos auditados tenham sido assinados 3. O registo só pode ser efectuado após comunicação por um dos seus sócios. pela autoridade competente, certificando que o interme- Artigo 43.º diário financeiro está autorizado a exercer as actividades requeridas. Normalização de informação 4. Não é exigível a apresentação dos documentos que 1. Ouvida a Ordem dos Auditores e Contabilistas já estejam em poder da AGMVM ou que esta possa obter Certificados, a AGMVM pode, através de regulamento, em publicações oficiais ou junto da autoridade nacional definir regras, harmonizadas com padrões internacionais, que concedeu a autorização ou a quem a autorização foi sobre o conteúdo, a organização e a apresentação da comunicada. informação económica, financeira e estatística utilizada em documentos de prestação de contas, bem como as 5. As insuficiências e as irregularidades verificadas no1 467000 002089 respectivas regras de auditoria. requerimento ou na documentação podem ser sanadas no prazo fixado pela AGMVM. 2. A AGMVM deve estabelecer regras destinadas a Artigo 48.º assegurar a compatibilização da informação a prestar, nos termos do número anterior, por intermediários fi- Indeferimento tácito nanceiros sujeitos também à supervisão levada a cabo O registo considera-se recusado se a AGMVM não o no domínio bancário e segurador. efectuar no prazo de 30 (trinta) dias a contar: CAPÍTULO IV a) Da comunicação da autorização; e Intermediários financeiros b) Da data da recepção do pedido ou de informações complementares que tenham sido solicitadas. Artigo 44.º Artigo 49.º Intermediários financeiros Recusa de registo São intermediários financeiros em instrumentos fi- 1. O registo é recusado se o intermediário financeiro: nanceiros as pessoas colectivas cuja actividade, habitual e profissionalmente exercida, consista na prestação, a a) Não estiver autorizado a exercer a actividade de terceiros, de serviços de investimento, ou no exercício de intermediação a registar; actividades de investimento. b) Não demonstrar que possui as aptidões e os meios Artigo 45.º indispensáveis para garantir a prestação Requisitos de exercício das actividades em causa em condições de eficiência e segurança; 1. O exercício profissional de qualquer actividade de c) Tiver prestado falsas declarações; intermediação financeira depende: d) Não sanar insuficiências e irregularidades do a) De autorização concedida pela autoridade processo no prazo fixado pela AGMVM. competente; 2. A recusa de registo pode ser total ou parcial. b) De registo prévio na AGMVM. Artigo 50.º 2. A AGMVM organiza uma lista das instituições de Suspensão do registo crédito e das empresas de investimento que exerçam actividades de intermediação financeira em Cabo Verde Quando o intermediário financeiro deixe de reunir em regime de livre prestação de serviços. os meios indispensáveis para garantir a prestação de https://kiosk.incv.cv 15F007F6-4616-4A97-839B-160AF7E6B2D9

×