Your SlideShare is downloading. ×
Informativo I Notas do Congresso
Informativo I Notas do Congresso
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Informativo I Notas do Congresso

357

Published on

Informativo oficial do Congressos Brasileiro e Latino-Americano e do Caribe de Prevenção e Fóruns

Informativo oficial do Congressos Brasileiro e Latino-Americano e do Caribe de Prevenção e Fóruns

Published in: Health & Medicine
1 Comment
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
357
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
1
Comments
1
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Notas do Congresso 31 de agosto Informativo Diário nº 3 Representante do Conasems destaca Unaids diz que Brasil continua sendo exemplo avanços na política brasileira de aids no combate à aids O fim da aids está relacionado à expansão do acesso ao tratamento em larga escala. É o que afirma o diretor do Escritório Executivo do Programa Conjunto das Unidas para o HIV e Aids (UNAIDS), em Genebra (Suíça), Luiz Antônio Loures, que está em São Paulo participando do congresso. Segundo ele, o programa brasileiro de aids, hepatites virais e DST segue sendo um exemplo de resposta à aids, em nível não só regional (América Latina), mas também mundial. “É preciso fazer uma recuperação histórica do papel que o programa brasileiro teve para levar a resposta mundial até onde ela está hoje. Pela primeira vez, há um mês, na Conferência Internacional de Washington, o mundo começou a falar sobre o fim da aids, que hoje pode ser uma realidade em um futuro que nós podemos começar a ver, a vislumbrar”, diz.Foto: Luís Oliveira/Ascom-MS Loures afirma que o primeiro país do mundo a desenvolver e a expandir o acesso ao tratamento no Hemisfério Sul foi o Brasil. “Foi o exemplo brasileiro que possibilitou que o tratamento na África, na Ásia e em outros países em desenvolvimento fosse expandido. Hoje, essa é uma realidade global que nos permite, mais uma vez, falar sobre o fim da “Se analisarmos esses anos de SUS (Sistema “O principal espaço de diálogo com o governo aids”, destaca. Único de Saúde), fizemos muito mais do que se não é por meio do Departamento (de DST, O programa do Ministério da Saúde permite, pode fazer. O problema é que vemos apenas Aids e Hepatites Virais), e sim na atuação com de acordo com o representante do Unaids, entrar nossos interesses individuais”. Com essa fala, conselhos de saúde”, disse. Em sua explanação, em uma nova fase de pesquisas para encontrar o representante do Conselho Nacional de ainda complementou: “quem vai conseguir uma resposta à aids. “E nessa nova fase nós temos Secretarias Municipais de Saúde (Conesems), mudar um pouco o que estão chamando de que abrir também um novo debate: quais são as Gilson Carvalho, abriu a Conversa Afiada sucateamento da resposta à epidemia somos prioridades, as direções que vão nos possibilitar partir “Sociedade civil e governo: governança e nós, pessoas que vivem com HIV/aids”. do ponto que estamos e chegar eventualmente ao cidadania”, na manhã dessa quinta-feira (30), Eduardo Barbosa, diretor-adjunto do fim da doença. E nada melhor do que começar um no congresso. Departamento de DST, Aids e Hepatites debate intenso nesse sentido dentro do Brasil, que é Gilson ressaltou que o Brasil foi muito Virais do Ministério da Saúde, lembrou que o País que possibilitou que nós chegássemos onde ousado ao tornar a rede pública de saúde o diálogo com a sociedade civil é histórico e estamos hoje”, enfatiza. acessível a toda a população. “Quem viveu antes se mantém até o momento. “Quando a aids Crianças vivendo com aids da Constituição de 1988 sabe que dependíamos surgiu, mobilizou diversos atores sociais. E Dados do Programa Conjunto das Nações da caridade para ajudar as pessoas. Hoje temos nós sempre tivemos e criamos, de maneira Unidas sobre HIV/AIDS (Unaids) mostram que hoje mais de 200 mil pacientes em tratamento para a inovadora, espaços de diálogo muito mais existem, em todo o mundo, mais de dois milhões de aids. Isso não é utopia, é realidade”, enfatizou. frequentes do que nos outros setores do pessoas com menos de 15 anos de idade vivendo José Marcos de Oliveira, que vive com HIV governo”, afirmou. A lacuna, na avaliação com HIV ou aids. Se falar sobre esse assunto e há 25 anos, concorda que os avanços foram do diretor-adjunto, é a mobilização conjunta sobre o tratamento aos infectados já é complicado inegáveis. “A política de aids foi um divisor de das organizações não governamentais para os adultos, imagine quando os pacientes são águas na garantia dos direitos humanos de toda em prol da luta contra a epidemia. “Falta crianças e adolescentes. Esse desafio foi o centro a população”, disse. Ele acredita que a sociedade solidariedade da sociedade civil na luta pela dos debates da mesa redonda “A criança vivendo civil precisa compreender melhor o que é saúde causa, para que os interesses sejam os da com HIV/Aids”, que ocorreu na manhã desta pública e como a aids se insere nesse contexto. coletividade”, concluiu. quinta (30), durante o congresso.
  • 2. Articulação com outros movimentos sociais deve ser prioridade NOTAS pelos medicamentos. Precisamos admitir que a As organizações que lutam contra o HIV-aids na luta pelo acesso à saúde não diz respeito só aos Catálogo da sociedade civil América Latina têm de ampliar sua articulação com portadores de HIV, e que aids é também questão outros movimentos da sociedade civil para construir de acesso a emprego, moradia e educação O Departamento de DST, Aids e Hepatites uma pauta comum de reivindicações baseada na luta porque ninguém conserva a saúde sem isso”. Virais está realizando um mapeamento por equidade, direitos humanos e desenvolvimento, A necessidade de garantir investimentos nacional das organizações da sociedade civil e se quiserem evitar que o tema saia da agenda movimentos sociais que trabalham com DST, HIV, para a formação de novas lideranças foi o internacional e do horizonte dos governos locais. Esta aids e hepatites virais, para produzir o Catálogo ponto destacado por Toni Reis, presidente Nacional de OSC e Redes Comunitárias – foi uma das principais conclusões do painel “Crise de da Associação Brasileira de Gays, Lésbicas Brasil 2012. No documento constarão dados e liderança, quem tem a palavra?”, que ocorreu nesta e Transexuais (ABGLT). Segundo ele, com a informações atualizados, que possam servir de quinta-feira (30), no congresso. crise econômica internacional e a redução do subsídios para o desenvolvimento de ações mais “Precisamos evoluir e ampliar o diálogo com financiamento para o combate à aids, foram qualificadas na promoção de direitos humanos outros movimentos sociais porque o HIV já não eliminados todos os recursos para formação e articulação com as OSCs e Movimentos. Para é prioridade mundial. Se cochilarmos, sairá da de quadros e fortalecimento das organizações as instituições serem incluídas no Catálogo é agenda”, advertiu Violeta Ross, da Rede Boliviana sociais. “Só com líderes bem formados seremos preciso preencher um questionário (disponível de Pessoas com HIV. em http://www.aids.gov.br/node/51717) e capazes de ampliar nossa capacidade de diálogo, Enrique Chaves, do Observatório Latino- enviar para o e-mail catalogo2012osc@ estabelecer o que temos em comum e negociar aids.gov.br, aos cuidados da área de Direitos americano AID for Aids, foi incisivo na mesma o que é de fato essencial”, disse. Humanos, Risco e Vulnerabilidade (DHRV), até direção: “Não basta mais lutar pelo preservativo e o dia 10 de setembro. Arena da Juventude Planos são necessários para Sexualidade, DST, HIV/Aids e gravidez na o enfrentamento à aids adolescência. Esses foram os temas trabalhados  de forma dinâmica pelo grupo Transando Saúde, no espaço Arena da Juventude. No evento, O diretor-adjunto do Departamento de jovens respondiam perguntas e respostas DST, Aids e Hepatites Virais, Eduardo Barbosa, sobre DST e aids e, à medida que acertavam os participou, nesta quinta (30), do debate assuntos relacionados às doenças, avançavam “Diálogos sobre os planos de enfrentamento no jogo.Foto: Ademir Melo à aids para mulheres e HSH”. Segundo ele, Juventude e sexualidade o plano direcionado aos homens que fazem sexo com homens (HSH), Gays e Travestis Foi lançado, nesta quinta-feira (30), o teve uma construção bastante coletiva, com curso de educação a distância “Juventudes, Sessi Girl, Nina Cash, Drindry Buck e Send Buck, integrantes do sexualidades e prevenção das DST/Aids”, a participação de movimentos sociais e grupo Esquadrão Drag Queen, realizam show durante o congresso, voltado a profissionais da área de educação conscientizando os espectadores sobre a preservação do meio discutido na esfera do Conselho Nacional de e da saúde. A iniciativa foi desenvolvida pelos ambiente, cuidado com o corpo e prevenção das DSTs e aids. Saúde (CNS). ministérios da Saúde, da Educação, pelo “É imprescindível destacar, também, Serpro e pela Unesco. O objetivo da formação, que esse plano foi pactuado nas esferas gratuita e com duração de 40 horas, é ampliar de gestão junto aos secretários de saúde as competências desses profissionais para estaduais e municipais. Até agora 26 estados trabalhar com jovens e adolescentes na já tinham elaborado seus planos e o Amapá promoção da saúde e prevenção de doenças. está prestes a apresentar o seu também”, “Com o curso, vamos poder ampliar ações que já vinham sendo desenvolvidas para esses explicou. Eduardo destacou que o Ministério profissionais”, destaca o diretor-adjunto do da Saúde e a Secretaria de Políticas para as Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais, Foto: Luís Oliveira/Ascom-MS Mulheres já estão trabalhando juntos para Eduardo Barbosa. elaborar o Plano direcionado às mulheres e aos transexuais. Pastoral da Aids O diretor-adjunto enfatizou que não Nesta quinta-feira (30), houve o lançamento é possível realizar qualquer atividade do documentário “ A vida é maior que a aids, sem o envolvimento do gestor local na a história da Pastoral da Aids”. O vídeo conta implementação das políticas. “Esses planos os dez anos de história da Pastoral, um projeto são políticas indutoras. O Ministério da da Igreja Católica que, juntamente com o Saúde tem o papel de buscar identificar quais Ministério da Saúde, vem realizando ações no campo de prevenção, diagnóstico precoce e as lacunas existentes e as necessidades acompanhamento das pessoas que vivem com para cumprir determinadas políticas. E, a o vírus. partir disso, fazer alianças para poder se concretizar na ponta. Da mesma forma como A tenda Paulo Freire foi palco do debate sobre identidade de gênero. não é possível não ter os apoios específicos Achados e Perdidos O bate-papo reuniu pessoas de múltiplos olhares e experiências de vida sobre superação de preconceito. Entre os convidados estava dos gays, travestis, transexuais, mulheres. A seção de achados e perdidos agora está o cartunista Laerte Coutinho. Em conversa descontraída, liderou Os planos cumprem o papel de colocar na funcionando no setor de credenciamento do a discussão sobre padrões de gênero e sexo. Por meio de intenso pauta as necessidades que precisam ser Pavilhão Oeste. trabalho de conscientização em quadrinhos, chamou a atenção da sociedade para questões de direitos humanos, sobretudo entre alcançadas e os caminhos que precisamos lésbicas, gays, bissexuais, travestis, transexuais e transgêneros. percorrer”, ressaltou. EDIÇÃO: Gabriela Campos REDAÇÃO: Daniela Brito, Mônica Plaza e Simone Mateos Colaboração: integrantes da Rede Nacional de Adolescentes e Jovens Comunicadores (RENAJOC) e equipe da Revista Viração. - PROJETO GRÁFICO E DIAGRAMAÇÃO: Marcos Cleuton REVISÃO: Angela Martinazzo COORDENAÇÃO: Hércules Barros CONTATO: imprensa@aids.gov.br

×