Acv computadores _engema_2010
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Like this? Share it with your network

Share

Acv computadores _engema_2010

on

  • 383 views

 

Statistics

Views

Total Views
383
Views on SlideShare
383
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
5
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Acv computadores _engema_2010 Document Transcript

  • 1. Área Temática: Abordagens e técnicas de gestão ambiental Estratégias para a redução de impactos ambientais no Ciclo de Vida de Computadores: Análise crítica e estudo de caso. Mirieli A. Zanetti RESUMO Os produtos eletroeletrônicos apresentam consideráveis impactos ambientais em todo o ciclo de vida. Para a manufatura de um computador, cerca de 20 metais, 10 tipos de polímeros, vários tipos de óxidos e aditivos são utilizados. Além do esgotamento de reservas para obtenção, alguns materiais são altamente tóxicos. No final de vida, a grande variedade de materiais, presentes em pequenas quantidades, e, sem uma rotulagem adequada ou uma concepção que facilite o reaproveitamento, dificultam o tratamento adequado dos resíduos. Problemas econômicos, relacionados aos custos da logística reversa e do processamento e separação dos materiais também contribuem para que esta etapa não atraia os investimentos necessários. O presente trabalho analisa criticamente as estratégias de redução de impactos no ciclo de vida de computadores e apresenta um estudo de caso com alternativas para os usuários dos equipamentos. Dados do gerenciamento de 5140 computadores, no período de 2005 a 2009, são apresentados. O tempo de utilização foi triplicado em relação à média, e evitado a geração de 18 t de resíduos eletrônicos. Os resultados econômicos, ambientais e sociais obtidos com o prolongamento da vida útil de computadores em uma Universidade são apresentados como exemplos de ações ambientais que podem ser praticadas por usuários corporativos. Palavras-chave: Análise do Ciclo de Vida, prolongamento da vida útil, resíduos eletrônicos. ABSTRACT The electronic products have considerable environmental impacts throughout its life cycle. For a computer manufacture, about 20 metals, 10 polymers, various kinds of oxides and additives are necessary. In addition of reserves depletion on extraction, some materials are highly toxic. At the product end-of-life, the wide variety of materials, present in small quantities, without proper labeling or a design for reuse, avoid the proper treatment of waste. The problems related to the costs of reverse logistics and processing and separation of materials also contribute to not attract the necessary investments. On this paper the strategies to reduce impacts on the computers life cycle are discussed. It is also presented a case study of alternatives for the computers users. Data from the management program of 5140 computers, on the 2005-2009 are presented. The useful life time was tripled in the average, the generation of 18 tons of electronic waste was avoided. The economics, environmental and social achievements, resulting from the university program to extend the computers life time, are presented as an example of environmental action that can be adopted by corporative users. Key Words: LCA, extended life time, electronic waste.
  • 2. 1 INTRODUÇÃO As evoluções tecnológicas, mais especificamente aquelas relacionadas aos sistemas de informação e seus recursos, têm gerado grande preocupação ambiental devido, principalmente, aos impactos ocasionados pela significativa produção e a breve vida útil dos equipamentos, que se tornam obsoletos muito rapidamente, provocando grande incremento na geração de resíduos (WIDMER et al., 2005). As preocupações ambientais também se estendem aos impactos gerados pelos resíduos de eletro-eletrônicos que são descartados sem tratamento adequado. Este tipo de resíduo é nocivo ao meio ambiente e à saúde humana, pois apresenta metais pesados e outras substâncias perigosas na sua composição, que se não tratados de forma adequada, podem comprometer o solo, as águas superficiais e subterrâneas, além de afetar a flora e a fauna. Além do descarte prematuro, todo o ciclo de vida dos equipamentos eletroeletrônicos ocasiona danos ambientais, pois nos processos envolvidos, desde a extração de matérias primas, produção e uso destes bens, até seu descarte, são consumidos recursos naturais não renováveis, água e energia, emitidas substâncias tóxicas em todas as etapas (WIDMER et al., 2005; TURNER; CALLAGHAN, 2006). Diante deste panorama, merecem destaque as ações da iniciativa pública e privada que possibilitam a diminuição do problema, tendo em vista que a solução completa é improvável em curto prazo, pois a utilização de equipamentos eletro-eletrônicos continuará a sua tendência de crescimento (RODRIGUES, 2007). As soluções viáveis são a produção mais limpa, o prolongamento da vida útil, a utilização de materiais e tecnologias que permitam o reaproveitamento e/ou a reciclagem dos componentes ao final da vida útil e a orientação ao consumo ambientalmente responsável que motive a escolha desses produtos. Portanto, é necessário avaliar não somente uma parte do problema, mas, toda a cadeia: concepção, produção, uso, final da vida útil, identificando os impactos ambientais e apresentando alternativas para minimizá-los. O presente trabalho apresenta os impactos ambientais do ciclo de vida de um computador, as estratégias de redução de impactos, e detalha, como estudo de caso, as alternativas adotadas pela equipe de TI de uma Universidade em Curitiba, PR – Brasil, para maximizar a vida útil dos computadores através de um programa de reutilização destes equipamentos. 2. REVISÃO DE LITERATURA 2.1 OS COMPUTADORES E AS QUESTÕES AMBIENTAIS A crescente produção e consumo de produtos associados à tecnologia da informação traz consigo uma série de impactos ambientais que podem ser observados em todas as etapas do ciclo de vida destes produtos, que vão desde a extração da matéria prima até o momento do descarte quando o ciclo teoricamente se encerra (IPU, 1998; DUAN et al., 2009). Se por um lado ocorre o desenvolvimento de novas tecnologias e equipamentos, trazendo associados novos impactos ambientais, por outro lado, ocorre também o desenvolvimento de métodos para melhor compreender e enfrentar estes impactos. Um dos métodos que merecem ser destacados é a Análise do Ciclo de Vida (ACV) que possibilita o inventário dos recursos necessários para a fabricação e utilização, bem como as alternativas de final de vida e os impactos ambientais, caracterizados no esgotamento das reservas, e impactos na saúde humana e para o ecossistema (TEKWAWA et al., 1997; SOCOLOF et al., 2001; CROWE et al., 2003).
  • 3. Ao escolher uma estratégia ao final da vida útil para os resíduos de eletroeletrônicos, diversas questões logísticas, econômicas e ambientais devem ser analisadas, levando em conta a composição característica destes equipamentos, que é apresentada na Tab. 1. Tabela 1 - Composição e índice de reciclabilidade dos materiais presentes em um computador (MMC, 1998; EUROPEAN COMMISSION. 2003). Materiais / Substâncias Quantidades por computador (%) de Reciclabilidade Localização no ComputadoMassa (kg) Massa (%) Sílica 5,9224 25,749 0 Vidro Plástico 5,4726 23,793 20 Cabos e gabinetes Ferro 4,8729 21,186 80 Gabinete, CRT Alumínio 3,3735 14,667 80 Gabinetes, CRT Cobre 1,6493 7,171 90 CRT, PCI, condutores Chumbo 1,4993 6,519 5 CRT, PCI (soldas) Zinco 0,5248 2,282 60 CRT, PCI Estanho 0,2399 1,043 70 CRT, PCI Níquel 0,2024 0,880 80 Gabinete, CRT, PCI Bário 0,0075 0,033 0 Painel de vidro CRT Manganês 0,0075 0,033 0 Gabinete, CRT, PCI Prata 0,0045 0,020 98 PCI, conectores, condutores Tântalo 0,0037 0,016 0 Capacitores/PCI Berílio 0,0037 0,016 0 PCI, conectores Titânio 0,0037 0,016 0 Gabinete Cobalto 0,0037 0,016 85 Gabinete, CRT PCI Antimônio 0,0022 0,010 0 Gabinete, CRT, PCI Cádmio 0,0022 0,010 0 Bateria, semicondutores Bismuto 0,0015 0,007 0 Placas de circuito impresso Cromo 0,0015 0,007 0 Gabinete/proteção corrosão Mercúrio 0,0005 0,002 0 Bateria, termostatos Germânio 0,0004 0,002 0 Placas de circuito impresso Índio 0,0004 0,002 60 Placas de circuito impresso Ouro 0,0004 0,002 99 PCI, conectores, condutores Rutênio 0,0004 0,002 80 Placas de circuito impresso Selênio 0,0004 0,002 70 Placas de circuito impresso Gálio 0,0003 0,001 0 Placas de circuito impresso Arsênio 0,0003 < 0,001 0 Placas de circuito impresso Paládio 0,0001 < 0,001 95 PCI, conectores Vanádio < 0,0001 < 0,001 0 Tubos de raios catódicos Ródio < 0,0001 < 0,001 50 Tubos de raios catódicos Platina < 0,0001 < 0,001 95 PCI, conectores, condutores Total (kg) 23,80 Alguns estudos (IPU, 1998; WILLIAMS; KUEHR, 2003, AHLUWALIA, 2007; DUAN et al., 2009) indicam que os impactos ambientais mais significativos do ciclo de vida de um computador, ocorrem durante as fases de utilização do mesmo. Na sequência, são listadas as etapas de extração de matérias-primas e de disposição final. Isto significa que, estratégias
  • 4. adequadas no final da vida útil, podem influenciar nas outras fases, possibilitando a redução dos impactos em todo o ACV de um computador. O reaproveitamento de materiais ao final da vida útil pode proporcionar ganhos econômicos, sociais e ambientais ao se re-inserir na cadeia os materiais já processados, evitando desta forma desperdício de energia e matéria-prima. Várias das substâncias incorporadas aos computadores, conforme Tab. 1, podem trazer riscos à saúde humana devido aos efeitos toxicológicos em diferentes níveis, quando em contato com o ser humano, seja no momento da fabricação, utilização ou descarte. No caso da destinação em aterros, os resíduos poderão causar sérios problemas, pois as águas ácidas que se encontram com freqüência em aterros dissolvem quantidades significativas de metais pesados, como por exemplo, o chumbo proveniente do vidro dos tubos de raios catódicos (CROWE et al., 2003). Os plásticos contendo retardantes de chama à base de bromo como os PBB e PBDE apresentam-se 200 vezes mais solúveis nos lixiviados de aterro do que em água destilada, podendo desta forma atingir um nível considerável de dispersão no ambiente (CE, 2000). Além disso, a incineração destes materiais pode promover emissões de metais e de substâncias químicas como dioxinas e furanos, que apresentam um elevado nível de toxicidade. E quando determinados dispositivos são destruídos, como por exemplo, os monitores LCD pode ocorrer a liberação do mercúrio, que é volátil e extremamente tóxico (CE, 2000). 2.2 IMPACTOS AMBIENTAIS NO CICLO DE VIDA DE UM COMPUTADOR Alguns estudos de ACV de computadores (IPU, 1998; GREEN ELECTRONICS COUNCIL, 2009; WILLIAMS; KUEHR, 2003, DUAN et al., 2009), permitem observar que a utilização e a montagem (incluindo a extração e transformação de matérias-primas e a produção componentes) geram significativamente mais impactos do que as demais etapas, conforme mostra a Fig. 1. Figura 1 – Identificação das etapas da ACV de maior impacto ambiental e as pontuações atribuídas a cada uma delas (DUAN et al., 2009). A utilização, considerando cinco anos de vida útil, é considerada a etapa de maior impacto por alguns autores (IPU, 1998; HIKWAMA, 2005; DUAN et al., 2009) devido ao consumo de energia elétrica, que nesta etapa é significativamente maior do que nas outras etapas do ciclo de vida do produto. No cálculo dos impactos são contempladas todas as formas de geração, transformação e distribuição energia elétrica utilizada. E os impactos ambientais e sociais resultantes (IPU, 1998; HIKWAMA, 2005). Todavia, o impacto gerado nesta etapa não está somente nas formas de geração de energia e suas respectivas matrizes, -20 -10 0 10 20 30 40 50 Montagem Distribuição Utilização Final Vida Útil Pt Saúde Humana Ecossistema Recursos
  • 5. mas sim na energia consumida, que depende da quantidade de horas de utilização e da eficiência energética dos componentes de um computador. A manufatura é a etapa que representa o segundo maior risco ao meio ambiente, pois são considerados a extração das matérias-primas e seu processamento, a produção dos componentes e finalmente a montagem dos computadores (IPU, 1998; HIKWAMA, 2005; DUAN et al., 2009). Quanto à etapa final da vida útil, pesquisas realizadas indicam que esta etapa requer um estudo em particular, relacionando todos os impactos envolvidos nas diferentes alternativas de descarte e toda a logística envolvida no processo, bem como as diferentes opções de tratamento (IPU, 1998; GREEN ELECTRONICS COUNCIL, 2009). Por este motivo, é assumida como sendo uma etapa incerta, em especial quanto à fração do computador que é reciclada, sendo provavelmente superestimada na maioria dos casos (DUAN et al., 2009). Devido a estas incertezas, a maioria dos estudos assume o padrão europeu para cálculo dos cenários de disposição, onde 63% dos PCs são enviados para aterros, 22% para incineração e 15% para reciclagem. (IPU, 1998; GREEN ELECTRONICS COUNCIL, 2009; WILLIAMS; KUEHR, 2003, DUAN et al., 2009). Este percentual de reciclagem assumido nos estudos ACV de computadores é responsável pela pontuação negativa apresentada na Fig. 1, denominado “crédito”, que se refere à reinserção dos materiais na cadeia através da reciclagem evitando desta forma a extração e tratamento de novos materiais e suas respectivas emissões, minimizando os impactos decorrentes desta etapa (HISCHIER et al., 2005). Porém, segundo Hischier et al. (2005), mesmo que este percentual de reciclagem não ocorresse, ainda assim esta etapa seria menos impactante que as etapas de utilização e manufatura. 3. METODOLOGIA Para a realização deste trabalho, foi realizada pesquisa de natureza aplicada sendo a abordagem qualitativa e quantitativa, com objetivo exploratório e na forma de um estudo de caso. A Fig. 2 apresenta uma representação da metodologia aplicada ao trabalho desenvolvido. Figura 2 - Esquema representativo da metodologia aplicada ao trabalho desenvolvido T T T ACV Manufatura Distribuição Utilização Final da Vida Útil Reuso Reciclagem Incineração Aterro Identificação de alternativa específica Estudo de Caso Quais são os ganhos com o programa de reutilização dos computadores da UP? Coleta de dados - Inventário Resultadose Discussão
  • 6. 3.1 Escopo, Coleta e Tratamento dos Dados O estudo contemplou todos os computadores do campus da Universidade no período de 2005 a 2009 e a quantidade de alunos matriculados neste período. Também foi realizado um levantamento sobre o número de computadores para uso acadêmico, como salas de aula e laboratórios e aqueles alocados para uso de funcionários e professores e suas respectivas configurações técnicas. Foram utilizados registros históricos da equipe de TI da Universidade, responsável pelo parque tecnológico da Instituição. Foram analisadas planilhas, documentos financeiros, planejamentos de compras e bancos de dados dos sistemas de estoque e patrimonial para obtenção de informações sobre a rotatividade dos computadores no campus. Para isso, foram analisados os registros sobre as quantidades de computadores reutilizados; ou seja, a destinação interna dada a cada computador movimentado no período analisado. Também foram obtidos dados sobre o número de computadores novos adquiridos no período e também aqueles removidos do programa, destinados à venda para funcionários ou para empresas especializadas em reciclagem. Com a finalidade de se vislumbrar o ganho ambiental ao se reduzir a geração de resíduos, foi multiplicado o número total de computadores removidos no período pela massa de um computador. Os ganhos econômicos foram avaliados pelo capital que a Universidade deixou de investir na aquisição de computadores novos através da reutilização, multiplicando- se o número de computadores reutilizados no período por um custo médio de U$ 700,00. 4. RESULTADOS 4.1 Estratégias disponíveis para a Redução de Impactos dos Computadores Para a redução dos impactos ambientais relacionados ao ciclo de vida (ACV) dos computadores, merecem destaque as seguintes alternativas:  Produção Limpa: a substituição de resíduos perigosos como o chumbo e os retardadores de chamas indicados pela Diretiva RoHs na manufatura é uma alternativa que contribui para a minimização dos impactos ambientais e danos s à saúde humana. Duan et al. (2009), apontam que as substâncias perigosas mesmo em pequenas quantidades, têm potencial para causar graves danos ambientais. Sobre as substâncias perigosas, Eugster (2008) também pondera que, mesmo após a entrada em vigor da Diretiva RoHs, ainda teremos problemas com os resíduos perigosos nas próximas décadas.  Eco-projeto: Projeto para o Meio Ambiente (Design for Environmental - DfE) é o termo utilizado para designar o desenvolvimento de produtos sustentáveis desde a sua concepção até a sua disposição final. Manzini e Vezzoli (2005) indicam a necessidade de se aprimorar os processos e os produtos na etapa de manufatura, através do projeto sustentável de computadores (Eco-projeto). Projetos ecológicos visam um menor uso de materiais, diminuindo massa e volume e contribuindo igualmente para a redução das embalagens e transporte na fase de distribuição. É também meta do Eco-projeto melhorias contínuas e a facilidade de posterior desmontagem dos equipamentos, gerando ganhos ambientais pela utilização eficiente e racional, prolongamento da vida útil e recuperação dos recursos, como matéria-prima e energia.  Reciclagem: é uma das alternativas de destinação final que permite a recuperação de metais e menor consumo de energia no processo, conforme afirma Duan et al. (2009). A presença de substâncias tóxicas nos computadores dificulta a recuperação do valor econômico, como, por exemplo, dos metais raros e preciosos. A presença em pequenas
  • 7. quantidades nos componentes, e a dificuldade de desmontagem, torna muitas vezes a recuperação de materiais inviável, além dos riscos de contaminação ambiental das pessoas que os manejam. As principais preocupações ambientais são referentes às emissões e à geração de resíduos (IPU, 1998; WILLIAMS; KUEHR, 2003; GREEN ELECTRONICS COUNCIL, 2009).  Reutilização – Extensão da Vida Útil: Segundo Crowe et al. (2003), as partes podem ser reutilizadas para a mesma função anterior ou para uma nova atribuição. Segundo Rodrigues (2007), entre as estratégias para a redução da geração de resíduos, discute-se a questão do prolongamento da vida útil como forma de desaceleração dos ciclos de produção, consumo e descarte. O reuso, portanto, pode ser entendido como uma opção sustentável na fase de descarte, uma vez que o equipamento que tenha sido reparado ou remanufaturado deixaria a condição de resíduo, passando a ter uma segunda vida útil. O estudo realizado pela comunidade européia (IPU, 1998), recomenda há mais de uma década a extensão da vida útil e a utilização dos princípios do Eco-projeto, cujos efeitos representam ganhos ambientais em todas as etapas da ACV. Um argumento que se opõe à reutilização é o fato de que os maiores impactos ambientais são gerados durante a etapa de utilização e que a reutilização implica no uso de equipamentos obsoletos, na maioria das vezes com eficiência energética reduzida, que continuam em funcionamento por vários anos (FONSECA, 2007).  Eficiência energética: Conforme apontado por alguns estudos ACV de computadores já desenvolvidos (IPU, 1998; WILLIAMS; KUEHR, 2003; GREEN ELECTRONICS COUNCIL, 2009; DUAN et al., 2009), a redução do consumo de energia é a principal estratégia de minimização de impactos. Entre as alternativas se recomenda a fabricação de computadores e monitores com melhor eficiência energética e uma ampla e efetiva conscientização dos consumidores sobre os danos causados ao utilizar os computadores de forma indiscriminada, devido ao desperdício de energia. A redução também é possibilitada através da configuração dos equipamentos para permitir acionar um modo de economia de energia quando ficam sem utilização acima de um tempo pré-estabelecido (WILLIAMS; KUEHR, 2003; HIKWAMA, 2005; DUAN et al., 2009).  Lógistica Reversa: Leite (2003) comenta que a Logística Reversa surge como importante ferramenta no gerenciamento integrado dos resíduos sólidos e possibilita que os materiais, antes depositados em aterros ou lixões, sejam reintroduzidos na cadeia de produção. Desta forma, a Logística Reversa acrescenta três movimentações potenciais à logística da cadeia de suprimentos: a reutilização e recuperação dos produtos e a reciclagem de materiais – que podem significar a redução no uso de recursos e um meio para retorno e reuso de resíduos gerados. Porém, problemas econômicos, relacionados aos custos da logística reversa e do processamento e separação dos materiais, além da ausência de legislação específicas, também contribuem para que esta etapa não atraia os investimentos necessários. 4.2.1 Resultados do Estudo de Caso A universidade possuía em dezembro de 2009 um total de 2.556 computadores, distribuídos em 52 laboratórios de informática (1670 computadores), 183 salas de aula (183 computadores), biblioteca e administração (703 computadores). O programa de gerenciamento descrito neste trabalho visa a reutilização dos computadores através de remanejamentos entre usuários, realizado mediante estudo técnico prévio em relação ao padrão tecnológico, associados às exigências dos softwares utilizados por cada um dos 26 cursos de graduação ofertados pela instituição. Alguns cursos necessitam
  • 8. de softwares específicos para controle de equipamentos e para algumas práticas laboratoriais, demandando computadores de maior velocidade de processamento, capacidade de memória e armazenamento. Através deste planejamento são tomadas as decisões de compra e reutilização de computadores para os diversos cursos. Para exemplificar o estudo técnico realizado pela equipe de TI da Universidade, o Quadro 1 mostra quais são os requisitos recomendáveis de hardware de acordo com a indicação dos fabricantes dos softwares utilizados. Nível de Utilização Requisitos de hardware para os softwares utilizados Configuração típica por categoria de computador Exemplos de Softwares 1 - Processador 64 bits (Core 2 Duo, Quad ou superior) - 2 GB de RAM (memória) - 80 GB de HD - Placa de Vídeo com 256MB - Processador Core 2 Quad - 4 GB de RAM - HD 160GB - Placa de Vídeo com 1GB - Windows XP - Unigraphics - Solid Egde - Catia - 3D Studio 2 - Processador 32 bits (Celeron, Pentium IV ou Dual Core) - 1 GB de RAM (memória) - 40 GB de HD - Placa de Vídeo com 64MB - Processador Pentium IV - 2 GB de RAM - 80 GB de HD - Placa de Vídeo de 256MB - Windows XP - Corel Draw - Photoshop - Indesign - Illustrator 3 - Processador 32 bits (Celeron, Pentium IV ou Dual Core) - 1 GB de RAM (memória) - 40 GB de HD - Processador Celeron N2* - 2 GB de RAM - 160 GB de HD - Windows XP - Office 2007 - Visio 2007 - Internet Explorer 7 *Celeron Nova Geração: Equivalente a um Processador Pentium IV 1.8GHz Quadro 1 - Estudo técnico dos requisitos recomendáveis de hardware. A metodologia desenvolvida pela equipe de TI é baseada em níveis de organização e distribuição dos computadores, os quais são divididos em três níveis hierárquicos:  Nível alto de exigência: são os computadores que executam programas robustos e que precisam de um excelente desempenho do equipamento. Estes computadores são utilizados principalmente nos cursos de engenharia e desenho.  Nível moderado de exigência: são os computadores que necessitam de uma configuração convencional (médio), pois os programas utilizados não exigem muito desempenho de hardware. Estes computadores são utilizados, por exemplo, nos cursos de administração e direito.  Nível básico de exigência: são os computadores com a configuração básica ou de menor desempenho, que não necessitam de programas específicos, sendo utilizados somente como ferramentas de trabalho na confecção de planilhas eletrônicas, redação de textos e acesso ao correio interno e internet. São exemplos de usuários destes computadores os funcionários administrativos. O reuso dos computadores é praticado entre os diferentes níveis de utilização, pois computadores que não atendem mais os usuários que demandam máquinas com alto desempenho são remanejados para aplicações com demanda moderada (intermediários). Ainda é possível, e efetivamente praticado para muitos computadores, uma terceira reutilização, quando os computadores passam de usuários intermediários para usuários cujas necessidades são atendidas por computadores com configuração básica.
  • 9. A partir do segundo ano de utilização, os computadores de alto desempenho recebem atualizações a fim de substituírem os computadores de médio desempenho, e estes por sua vez, os de baixo desempenho. Finalmente, após seis anos de uso, em média, os computadores são descartados através de doações, ou são vendidos a preços simbólicos para funcionários objetivando a inclusão digital, ou então são vendidos para empresas de reciclagem especializadas em eletroeletrônicos. As peças provenientes de computadores obsoletos e removidos, desde que estejam em boas condições de uso e que sejam compatíveis com os demais equipamentos, são reutilizadas em outros equipamentos ainda em uso. O método descrito é ilustrado pelo fluxograma da Fig. 3. Figura 3 - Fluxograma dos processos de aquisição, reutilização e destinação dos computadores da Universidade. Os resultados obtidos através do programa podem ser analisados na Tabela 2, que apresenta um resumo dos dados para o período de 2005 a 2009. Através dos dados da Tabela 2 é possível observar que dentro do período analisado, o programa conseguiu reutilizar praticamente o mesmo número de computadores que foram removidos. Com essa política, as aquisições de computadores novos permaneceram, em média, cerca de 50% do total de computadores movimentados no período. Estes valores refletem o esquema apresentado na Figura 3 mostrando que, com o programa integrado, ocorre um prolongamento da vida útil do computador de quatro a seis anos. Além da redução de resíduos, ocorre uma economia significativa de recursos devido à redução do número de aquisições de equipamentos novos.
  • 10. Tabela 2 - Aquisições, reutilizações e remoções de computadores na Universidade no período de 2005 a 2009. Ano Alunos Computadores Total PCs Taxa Crescimento Novos Reutilizados Removidos Computadores Alunos Número cumulativo (anos anteriores) 1400 2005 9583 286 124 72 1614 - 5,7 2006 9574 539 153 324 1829 13,3 5,6 2007 9476 499 319 344 1984 22,9 4,5 2008 10210 524 163 356 2152 33,3 12,6 2009 10762 710 421 306 2556 58,4 18,7 Totais no Período 2558 1180 1402 5140 % em relação ao total 49,8 23,0 27,3 100,0 Esta alternativa pode ser adotada sem prejudicar o desempenho dos computadores e as necessidades dos usuários, pois estes recebem novos equipamentos ou atualizações em média a cada dois anos. Este é o tempo de vida médio para computadores comerciais de acordo com alguns estudos (WIDMER et al., 2005). A Figura 4 apresenta os dados do período, destacando as tendências no período para cada tipo de ação adotada pelo programa. As barras negativas indicam o número de computadores removidos do campus neste mesmo período, subtraindo- se do total de computadores que permaneceram. (a) (b) Figura 4 - Quantidades de computadores novos, reutilizados e removidos no período de 2005- 2009. (a) números totais em cada ano; (b) médias (%) no período. Na Fig. 4 é possível observar a linha de tendência da taxa de crescimento no número de computadores da Universidade no período analisado, partindo de 1614 computadores em 2005 para um total de 2556 computadores em 2009. Também é possível observar que o programa permitiu diminuir a aquisição de computadores novos, embora, no período, o número total de computadores teve uma taxa de aumento maior do que o número total de alunos. 1614 1829 1989 2152 2556 -600 -400 -200 0 200 400 600 800 1000 1200 1400 2005 2006 2007 2008 2009 Removidos Remanejados Novos Total NúmerodeComputadores % do total Reutilizados 23% % do Total Novos 50% % do Total Removidos 27%
  • 11. Ganhos Ambientais do Programa O programa de gerenciamento, além de promover o aumento da vida útil dos computadores de até seis anos, também promoveu a economia de recursos, evitando em 50% as aquisições de novos computadores. Outro aspecto relevante, do ponto de vista ambiental, é a redução da quantidade de resíduos, demonstrada na Tabela 4. Estes dados confirmam a estratégia de gerenciamento de resíduos conhecida como “três Rs”: reduzir, reutilizar e reciclar, cuja prioridade é a não geração ou a redução dos resíduos. Tabela 4 - Quantidades de resíduos provenientes de computadores removidos e reutilizados no período 2005 a 2009. Ano Massa PCs Removidos (kg) Massa PCs Reutilizados (kg) Massa PCs novos (kg) 2005 1.714 1 3.947 2006 7.712 3.642 7.438 2007 8.188 7.593 6.886 2008 8.474 3.880 7.231 2009 7.284 10.021 9.798 Total 33.371 28.087 35.300 Os dados da Tabela 4 mostram que no período, a geração de resíduos provenientes dos computadores removidos foi de 33 t. O programa de reutilização possibilitou uma redução considerável na geração de resíduos eletrônicos, ao evitar que 28 t fossem descartados entre 2005 a 2009. Os números da tabela 4 impressionam, uma vez que estas quantidades dificilmente são visualizadas, tendo em vista que, como acontece na maioria das empresas, a substituição de equipamentos não ocorre de uma só vez, mas de maneira gradual ao longo do período. O papel potencial da extensão da vida útil na redução da utilização de recursos e diminuição da geração de resíduos deve ser discutido e melhor explorado. Apesar das vantagens, o tema tem atraído relativamente pouco interesse de pesquisadores até o momento, permanecendo ainda confusa a discussão sobre se a comunidade acadêmica o considera central ou periférico para a sustentabilidade (COOPER, 2005). 4.3.3.2 Contabilização dos Ganhos Sociais e Econômicos do Programa Os ganhos econômicos podem ser avaliados pelo capital que a Universidade deixou de investir na aquisição de computadores novos através da reutilização, que no período somam um total de 1180 equipamentos, onde o custo (U$) médio do período (2005 – 2009) na aquisição de um novo foi de aproximadamente U$ 700,00. Ou seja, a Universidade evitou um gasto de U$ 826.000,00. Os resultados obtidos mostram que os ganhos vão além da esfera ambiental, uma vez que 90% dos computadores removidos são vendidos a custos mínimos aos funcionários, ou então são doados para ONGs, contribuindo para a inclusão digital. Sobre os ganhos sociais, algumas questões pertinentes devem ser questionadas, como é o caso da possibilidade da inclusão digital, onde muitas vezes esta prática pode ser interpretada como uma forma simplista e mal intencionada de resolver a questão dos resíduos provenientes de computadores (CROWE et al., 2003). Além disso, deve estar relacionada com a motivação e à capacidade para a utilização das tecnologias da informação de forma crítica e empreendedora. Também deve favorecer a apropriação da tecnologia de forma consciente, de modo que o indivíduo possa usufruir de seus recursos de maneira plena (FONSECA, 2007).
  • 12. Frente a estas afirmações, este artigo questiona a ação social adotada pela Universidade ao repassar os seus computadores obsoletos aos funcionários ou outras organizações. Se por um lado exercita a responsabilidade social e proporciona a aquisição de tecnologias, por outro lado não fornece subsídios técnicos e assistência quando da aquisição do equipamento e também não informa sobre as possibilidades de um descarte adequado. 5 CONCLUSÃO Os principais impactos ambientais de computadores, de acordo com a Análise do Ciclo de Vida, estão na fase de utilização, decorrentes da utilização de energia. Entre as estratégias de redução de danos ambientais, este trabalho recomenda a fabricação de computadores com melhor eficiência energética e uma ampla e efetiva conscientização dos consumidores. O consumidor pode contribuir na fase de utilização do computador, evitando o desperdício que representa deixá-lo ligado de forma desnecessária. O consumidor pode ainda contribuir nas outras etapas, fazendo escolha por produtos que obedeçam as diretivas ambientais, prolongando o tempo de vida útil e impedindo o descarte inadequado ao final do ciclo. Os resultados também indicam a necessidade, por parte dos fabricantes, de se aprimorar os processos e os produtos na etapa de manufatura, através de projetos sustentáveis de computadores (Eco-projeto). Projetos ecológicos visam um menor uso de materiais, e a produção de equipamentos que permitam melhorias contínuas, prolongamento da vida útil e a facilidade de posterior desmontagem e recuperação de recursos. A substituição de resíduos perigosos como o chumbo e os retardadores de chamas indicados pela Diretiva RoHs na manufatura é uma alternativa que contribui para a minimização dos impactos ambientais e danos causados à saúde humana. O trabalho indica também alternativas para o setor corporativo, ao apresentar, como estudo de caso, o programa de gerenciamento de computadores realizado pelo Departamento de Informática de uma Universidade. Foram detalhados os resultados obtidos para o período de cinco anos (2005–2009). O programa propicia o prolongamento da vida útil dos computadores, cuja média corporativa de 2 anos é ampliada para 6 anos, ao se reutilizar cerca de 25% do total de computadores utilizados no período. Ao evitar a demanda de novas aquisições, foi possível uma economia de aproximadamente U$ 826.000,00, e a redução de 28 t na geração de resíduos eletrônicos. Assim, a reutilização de computadores, é uma alternativa viável, de fácil implementação, que não ocasiona prejuízo nas demandas técnicas das máquinas, permitindo minimizar os danos causados ao longo do ciclo de vida dos computadores e obter ganhos ambientais, sociais e econômicos. A inclusão digital de funcionários e comunidade faz parte dos ganhos sociais, pois 90% dos computadores removidos do campus no período analisado foram doados ou repassados a funcionários. 6 REFERÊNCIAS AHLUWALIA, P.; NEMA, K. A life cycle based multi-objective optimization model for the management of computer waste. Resources Conservation and Recycling. V. 51 n. 4, 2007. COOPER, T. Slower Consumption. Journal of Industrial Ecology, Vol. 9 nº 1-2, Massachusetts Institute of Technology and Yale University, 2005. CROWE, M.; ELSER, A.; GOPFERT, B.; MERTINS, L.; MEYER, T.; SCHMID, J.; SPILLNER, A.; STROBEL, R. Waste from electrical and electronic equipment (WEEE):
  • 13. Quantities, dangerous substances and treatment methods. Europe Environment Agency, 2003. DUAN, H.; EUGSTER, M.; HISCHIER, R.; STREICHER-PORT, M.; LI, J. Life cycle assessment study of a chinese desktop personal computer. Science Total Environment 407, 2009. EUROPEAN COMMISSION. Directorate General Environment: Study on External Environmental Effects Related to the Life Cycle of Products and Services – Appendix 2, Case Studies, 2003. FONSECA, C. da, Ecodesign e a Reutilização de Computadores. Dissertação (Mestrado) – Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto, Porto, Portugal, 2007. GREEN ELECTRONICS COUNCIL. Closing the Loop Electronics Design to Enhance Reuse/Recycling Value – Final Report, 2009. HIKWAMA, B. P. Life cycle assessment of a personal computer. [USQ Project] (Unpublished), 2005. HISCHIER, R.; WAGER, P.; GAUGLHOFER, J. Does WEEE recycling make sense from an environmental perspective? The environmental impacts of the Swiss take-back and recycling system for waste electrical and electronic equipment (WEEE). Environmental Impact Assess. Rev.:25(5):525–39, 2005. IPU & ATLANTIC CONSULTING. LCA Study of the Product Group Personal Computers in the EU Eco-label Scheme. LCA Study Version 1.2, 1998. LEITE, P. R. Logística Reversa - Meio ambiente e Competitividade. São Paulo: Prentice Hall, 2003. MANZINI, E.; VEZZOLI, C. O desenvolvimento de produtos sustentáveis: Os requisitos ambientais dos produtos industriais. São Paulo: Editora da universidade de São Paulo, 2005. MICROELECTRONICS AND COMPUTER TECHNOLOGY CORPORATION - MCC –. Computer Industry and Technology Profile. EPA 744-R-98-005, 1998. OFFICIAL JOURNAL OF THE EUROPEAN UNION. DIRECTIVE 2002/95/EC OF THE EUROPEAN PARLIAMENT AND OF THE COUNCIL of 27 January 2003 on the restriction of the use of certain hazardous substances in electrical and electronic equipment, 2003. RODRIGUES, A. C. Impactos Socioambientais dos Resíduos de Equipamentos Elétricos e Eletrônicos: Estudo da Cadeia Pós-Consumo no Brasil. Santa Bárbara d’ Oeste, SP: [s,n], 2007. Dissertação (Mestrado) - Universidade Metodista de Piracicaba, Programa de Pós Graduação em Engenharia de Produção, UNIMEP, 2007. SOCOLOF, M. L.; OVERLY J. G.; KINCAID L. E.; GEIBIG J. R. Desktop Computer Displays: A Life Cycle Assessment: Technical Report (EPA/744-R-01-004a and EPA/744- R-01-004b [appendices]), 2001. TEKWAWA, M.; MIYAMOTO, S.; INABA, A. Life cycle assessment: an approach to environmentally friendly PCs. Electronics and the environment. Proceedings of the IEEE international symposium. San Francisco, CA, U.S.A; 1997.
  • 14. WIDMER, R. et al. Global perspectives on e-waste, Environmental Impact Assessment Review, Volume 25, n. 5. Elsevier, 2005. WILLIAMS, E.; KUEHR, R. Computers and Environment. Understanding and managing their impact. Publicações acadêmicas, Eficiência na Indústria e séries de ciência. Dordrecht, NL, 2003.