Your SlideShare is downloading. ×
A prática dos 3 rs com eletrônicos
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

A prática dos 3 rs com eletrônicos

548
views

Published on


0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
548
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
11
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. A prática dos 3R’s em programa de gerenciamento de computadores no campus de uma universidade em Curitiba, PR Mirieli A. Zanetti1 Maurício Dziedzic2 Paulo Roberto Janissek3 Resumo Toneladas de resíduos eletro-eletrônicos são descartadas diariamente no meio ambiente sem tratamento adequado. Segundo estimativas de órgãos especializados, o tempo médio de vida útil dos computadores está cada vez menor. Mas a tendência é a redução desses prazos, devido à facilidade de aquisição e a rápida obsolescência. A situação é preocupante, pois estes resíduos são altamente tóxicos, representando um grande risco ao meio ambiente e à saúde humana. Os principais problemas relacionam-se com a lixiviação de metais pesados, quando descartados em lixões e aterros, e a evaporação de substâncias perigosas quando são incinerados de forma inadequada para a recuperação de metais. Algumas substâncias apresentam-se centenas de vezes mais solúveis nos lixiviados de aterros, podendo desta forma atingir um nível considerável de dispersão no ambiente, contaminando o solo e águas subterrâneas. A queima destes resíduos promove a emissão de particulados contendo metais pesados, que apresentam um elevado nível de toxicidade. Através de análise documental, o presente trabalho relata um programa de gerenciamento de computadores em uma universidade em Curitiba, cujo objetivo é prolongar a vida útil desses equipamentos, reduzir a aquisição de equipamentos novos e evitar descartes prematuros, através da prática dos três Rs: O Reuso é praticado no remanejamento dos computadores entre 3 diferentes níveis de usuários, antes de chegar ao final do ciclo, prolongando o tempo de vida dos equipamentos em até 6 anos. Na Redução são reaproveitadas peças provenientes de equipamentos que seriam descartados, evitando novas aquisições desnecessárias. A Reciclagem acontece somente ao final da vida útil do equipamento, quando este não mais atende os padrões mínimos de uso. A saída do campus ocorre através de venda para funcionários, doações ou vendas para empresas especializadas em reciclagem. Palavras-chave: Reuso; redução; reciclagem. 1 Introdução Os produtos eletrônicos e elétricos, apesar de serem bens de consumo duráveis, por se tornarem obsoletos rapidamente têm dado origem a um incremento da geração de resíduos. Em especial, isso tem sido observado para os equipamentos de informática, eletrodomésticos, vídeo e som, equipamentos de iluminação, equipamentos de telefonia móvel e fixa. 1 Mestranda em Gestão Ambiental na Universidade Positivo. mzanetti@up.edu.br 2 Pós-Doutorado em Mecânica dos Fluídos na University of Toronto. dziedzic@up.edu.br 3 Doutorado em Química na Universidade de São Paulo (USP). pjanissek@up.edu.br
  • 2. (WIDMER et al., 2005). Esta rápida obsolescência, segundo alguns autores, é causada por fatores como as inovações tecnológicas, a redução do tempo de vida útil dos produtos, e fatores sociais como a criação de novas necessidades e desejos (COOPER, 2005). Para Bertram et al. (2002), os resíduos de equipamentos elétricos e eletrônicos (REEE), comparados aos outros resíduos, apresentam crescimento mais rápido, o que enfatiza a necessidade de garantir eficientes estratégias de reaproveitamento e reciclagem para esse tipo de resíduos. Todo o ciclo de vida dos equipamentos elétrico-eletrônicos contribui para a insustentabilidade ambiental, pois nos processos envolvidos na produção destes bens, desde a extração de matérias primas até seu descarte, são consumidos recursos naturais não renováveis e energia, além de muitos outros impactos relacionados às emissões de substâncias tóxicas em todas as etapas, agravadas pelo seu descarte prematuro (RODRIGUES, 2007). Diante deste panorama, merecem destaque ações da iniciativa pública e privada que possibilitam a diminuição do problema, tendo em vista que a eliminação total do problema é altamente improvável. A utilização de equipamentos eletro-eletrônicos continuará a sua tendência de crescimento, restando como soluções alternativas que permitam a produção mais limpa, o prolongamento da vida útil e a utilização de materiais e tecnologias que permitam o reaproveitamento e/ou a reciclagem dos componentes ao final da vida útil. O objetivo geral deste trabalho se concentra em analisar como a prática dos 3 R’s podem contribuir na extensão da vida útil dos equipamentos e evitar a rápida obsolescência, bem como o descarte prematuro, na maioria dos casos inadequado, através de um Estudo de Caso que retrata o programa de gerenciamento de computadores numa Universidade em Curitiba, realizado pelos gestores da tecnologia da informação desta instituição, apresentando as alternativas adotadas para maximizar o ciclo de vida de equipamentos eletro-eletrônicos utilizados no campus desta universidade. Os objetivos específicos deste trabalho são os seguintes: apresentar como funciona o fluxo dos resíduos eletroeletrônicos, quais são principais aspectos e impactos, quais os tratamentos adotados pelo Brasil e comunidade internacional e as regulamentações acerca destes resíduos. 2 O Fluxo dos REEE: Ciclo de Vida, Geração de Resíduos e Descarte Estimativas de entidades de defesa do meio ambiente e de empresas de consultoria ligadas ao setor de Informática mostram que, em países desenvolvidos, o tempo médio de
  • 3. vida de um computador é de aproximadamente dois anos, antes da troca por um modelo mais novo. No Brasil, a troca não é tão constante. Estudos apontam que no Brasil os computadores são mantidos por até quatro anos nas empresas e por uma média de cinco anos pelos consumidores domésticos (COTTA, GUARITA E IMBROSI, 2008). Mas a tendência é a redução desses prazos, aliada ao crescimento das vendas dos produtos eletrônicos, mais especificamente computadores. Segundo a Associação Brasileira da Indústria de Elétricos e Eletrônicos (ABINEE, 2008), no primeiro semestre de 2008 o mercado brasileiro de Computadores Pessoais (PC’s) movimentou 5,7 milhões de unidades, registrando crescimento de 31% em comparação ao mesmo período do ano anterior (4,3 milhões). Deste total, 3,9 milhões são desktops e 1,8 milhões são notebooks, sendo que a venda destes últimos teve crescimento de 186%, enquanto as vendas de desktops cresceram 5%. Em termos de descarte, o Programa Ambiental das Nações Unidas, apresenta números alarmantes: 50 milhões de toneladas de lixo eletrônico são geradas anualmente em todo o mundo. Já a Associação Internacional de Recicladores Eletrônicos, apresentou um relatório prevendo que o número de dispositivos eletrônicos que deverão ser descartados entre 2006 e 2010 é de 3 bilhões. Somente nos Estados Unidos, segundo a Agência de Proteção Ambiental (EPA), estima-se que 50 milhões de computadores são descartados anualmente, onde a vida útil é menor, de aproximadamente 2 anos para os computadores, característica típica de um país desenvolvido. Na Europa, segundo a Comissão Européia, em 1998 foram geradas 6.000.000 de toneladas de Resíduos de Equipamentos Elétricos e Eletrônicos (REEE), o que equivale a 4% do fluxo de Resíduos Sólidos Urbanos (RSU). Prevendo um crescimento de 3 a 5% por ano, estima-se que este quantitativo duplicará de 12 em 12 anos (Comissão Européia, 2004). Parte da responsabilidade sobre estes descartes, relacionados aos números supracitados, se dá às estratégias de marketing do mercado, pela disseminação de modismos e também, pela inviabilidade de conserto dificultado pela indústria através da não disponibilização de peças de reposição, ou então quando disponibilizadas, o custo é incompatível com a viabilidade econômica do reparo (RODRIGUES, 2007). Entretanto, ganham importância as discussões acerca da degradação ambiental decorrente desta lógica, pois todo este volume normalmente é disposto juntamente com o lixo doméstico. Assim, no mundo inteiro equipamentos menores e obsoletos são depositados em aterros ou incinerados sem tratamento prévio (VEIT ET AL., 2004).
  • 4. 3 Aspectos e Impactos Ambientais dos REEE Os REEE, se descartados de forma inadequada, ou incinerados, devido às substâncias tóxicas existentes na sua composição, têm grande potencial de comprometer solos, águas superficiais e subterrâneas, além de afetar flora e fauna. Portanto, merece classificação na classe I da norma brasileira, NBR 10.004/2.004, exatamente pelos riscos ambientais a que expõe, não só os meios físicos e biológicos, mas o próprio meio antrópico. Dados apresentados pela Comissão Européia (2004) mostram que os principais problemas relacionam-se com a lixiviação e a evaporação de substâncias perigosas quando determinados dispositivos são destruídos. Na sua composição estão presentes substâncias tóxicas como metais pesados que ao serem depositados em aterros, poderão sofrer lixiviação para o solo e águas subterrâneas. Algumas destas substâncias apresentam-se 200 vezes mais solúveis nos lixiviados de aterro do que em água destilada, podendo desta forma atingir um nível considerável de dispersão no ambiente. As águas ácidas que se encontram com freqüência em aterros dissolvem quantidades significativas de íons chumbo, provenientes de vidro partido, como o vidro dos tubos de raios catódicos. Perdas de plastificantes, decorrentes da deposição de PVC em aterros, representam grande potencial de danos à saúde humana e ao ambiente. A possível queima destes resíduos promove a emissão de metais e de outras substâncias químicas, tais como dioxinas e furanos, que apresentam um elevado nível de toxicidade (Comissão Européia, 2004). A composição de um computador (PC) é um exemplo da grande diversidade de materiais e da presença de substâncias tóxicas, muitas delas ainda sem alternativas de reciclagem, conforme indica a tabela 1. Tabela 1: Composição percentual e índice de reciclabilidade dos materiais componentes de um computador (Microelectronics and Computer Technology Corporation, 2000): Material (%) do Peso Total Índ. Recicla- bilidade(%) Localização Sílica 24,9 0 Vidro Alumínio 14,2 80 Circuito Integrado, solda e bateria Cobre 6,9 90 Condutores Chumbo 6,3 5 Semicondutores Zinco 2,2 60 Bateria Estanho 1,0 70 Circuito Integrado Níquel 0,8 80 Estrutura, Encaixes Manganês 0,031 0 Estrutura, encaixes Bário 0,030 0 Válvula Eletrônica Prata 0,018 98 Condutores
  • 5. Ouro 0,016 98 Conexão, Condutores Berílio 0,015 0 Condutivo térmico, conectores Cádmio 0,009 0 Bateria, chip, semicondutores, estabilizadores Cromo 0,006 0 Decoração, proteção contra corrosão Mercúrio 0,002 0 Bateria, ligamentos, termostatos, sensores 4 O Tratamento dos REEE na Comunidade Internacional e no Brasil Na China o sistema de reciclagem não se presta exclusivamente ao lixo eletrônico. Um problema grave naquele país é a prática ilegal de recebimento dos despejos vindos de países ricos, principalmente dos Estados Unidos, que justifica o envio de seus computadores obsoletos com o propósito da Inclusão Digital. Tal prática, na verdade, trata-se de uma atividade mal intencionada, pois é uma forma barata de resolver a questão (BEIRIZ 2005). Sem legislação própria e subsídios para tratar de um lixo caro e tóxico, este acaba sendo reciclado com métodos primitivos causando graves problemas ambientais e na saúde da população (EUA EXPORTAM, 2007). O desmantelamento dos componentes é feito de forma manual, geralmente por crianças e mulheres sem nenhuma proteção. O que tem valor comercial é vendido e o restante acaba sendo queimado, agravando a situação. Na Índia, a maior parte dos resíduos provém dos fabricantes e, da mesma forma que a China, o trabalho é manual sem qualquer proteção e instrumentos específicos; geralmente mulheres e as crianças estão envolvidas nessas operações. O destino também é o mesmo: o que não pode ser vendido é queimado a céu aberto ou depositado em aterros (ARTONI, 2005). O procedimento inadequado adotado nestes países para recuperar os metais, faz com que componentes tóxicos como o cádmio e o mercúrio contaminem água, solo e ar. Entretanto, vários países já perceberam que este lixo, tratado de forma correta, pode trazer retornos financeiros interessantes. O Departamento de Defesa dos Estados Unidos está desenvolvendo um estudo detalhado sobre como conseguir um melhor proveito econômico da reciclagem do lixo eletrônico (BEIRIZ 2005). Os países da União Européia, por sua vez, decidiram implementar medidas destinadas a prevenir a produção destes resíduos e a fomentar a sua reutilização, reciclagem e outras formas de valorização, com vista à redução da sua quantidade e, ao mesmo tempo, melhorar os resultados ambientais dos agentes econômicos envolvidos na sua gestão. Estas medidas fazem parte da diretiva WEEE (WAST ELECTRICAL, 2005), onde os fabricantes se tornam responsáveis pelo ciclo-de-vida dos seus produtos, arcando com os custos de coleta seletiva, transporte, tratamento e reciclagem
  • 6. destes resíduos. A diretiva também obriga as indústrias a agirem em duas frentes: reduzir a toxidade dos produtos e desenvolver métodos para um pós-uso eficaz. A produção de eletrônicos com solda livre de chumbo data desde o início dos anos 1990 e teve êxito graças à criação de uma rede de inovação que cobre instituições diversas, como universidades, institutos de pesquisa, associações industriais. Os principais fabricantes de equipamentos eletroeletrônicos realizaram medidas para redução dos impactos ambientais nas áreas de eficiência energética, redução de substâncias perigosas, eficiência de recursos e reciclabilidade. As medidas incluem ainda a redução do uso de materiais através da miniaturização; o prolongamento da vida útil do produto via reuso de componentes e facilidade na desmontagem. No Brasil, pesquisas revelam que a maior parte dos resíduos eletrônicos tem um fim semelhante aos resíduos comuns, ou seja, os aterros. O destino do lixo especial também depende da política de cada município e na maior parte do país existem falhas no tratamento e disposição final. No entanto, em vários municípios esta realidade está mudando, e já existem várias empresas especializadas na coleta e destinação de resíduos perigosos. 5 Legislação e Regulamentação A Comunidade Européia preocupa-se com resíduos contendo substâncias perigosas desde os anos 1970 e promulgou, em 2003, dois regulamentos (WAST ELECTRICAL, 2005) importantes para tratar do problema: a Diretiva 2002/96/CE sobre Resíduos de Equipamentos Eletroeletrônicos (WEEE) e a Diretiva 2002/95/CE sobre a Restrição do Uso de Substâncias Perigosas (RoHS). Essas exigências incorporam a responsabilidade do produtor (produtor, distribuidor ou importador) e têm impactos globais. Em vigor desde 2006, com o objetivo de prevenir e diminuir os resíduos de uma lista de equipamentos eletro-eletrônicos selecionados segundo o estágio atual de análise científica. Fundamenta-se nos princípios do poluidor- pagador, da precaução e da responsabilidade estendida do produtor. A responsabilidade do produtor está associada às etapas de coleta seletiva, tratamento, recuperação, reciclagem e financiamento. No Brasil não há uma legislação específica para tratamento e gerenciamento de resíduos perigosos - apenas ações isoladas de estados e municípios. No tocante às normas ambientais sobre resíduos perigosos destacam-se as provenientes do CONAMA que devem
  • 7. ser respeitadas enquanto leis federais. Mais especificamente, pode-se citar a Resolução nº 257 para a destinação de pilhas, baterias e lâmpadas (CONAMA. RESOLUÇÃO, 1999). Quanto aos demais componentes, aguarda-se a aprovação da Política Nacional de Resíduos Sólidos, atualmente em tramitação (BEIRIZ, 2005). No estado do Paraná, foi aprovada a Lei Estadual 18.851/08, que obriga as empresas produtoras, distribuidoras e as que comercializam equipamentos de informática a cuidarem da destinação final dos equipamentos comercializados por elas no final de sua vida útil, dando- lhes uma destinação adequada. Os fabricantes devem emitir nota de entrada dos resíduos, sendo uma das vias encaminhada à Secretaria Estadual de Meio Ambiente para controle e fiscalização (PARANÁ DISCUTE, 2007). 6 A Política dos 3R’s A compreensão da necessidade de gerenciamento integrado dos resíduos sólidos propiciou a formulação da chamada Política dos 3R’s - recebendo essa nomenclatura devido à junção das palavras “Reduzir”, “Reutilizar”, e “Reciclar” (MUNIZ, 2007). O enfoque inicial da política dos 3R´ s estava nas ações de redução e reutilização do lixo para se construir uma via na busca por uma relação homem-meio ambiente mais harmônica. A reciclagem seria apenas o último passo neste processo de “minimizar” o lixo (LAYRARGUES, 2005). Segundo Vilhena e Albuquerque (2007), os 3Rs compõem uma metodologia básica para utilização dos recursos naturais, combate ao desperdício e introdução da reciclagem, tornando-se um convite à reflexão sobre a utilização de insumos e às ações pró-ativas de cuidados com o meio ambiente. Muniz (2007) ressalta que há dois modos de ação derivados da Política dos 3R’s: o primeiro prioriza a redução e a reutilização; o outro prioriza a reciclagem. Ele explica o primeiro modo de ação, ressaltando a importância do aumento da vida útil com a recuperação dos bens deteriorados e a reutilização de materiais descartados, onde ambas são estratégias mais eficientes que a reciclagem, pois demandam menos energia para conversão. Afirma ainda que aumentar a vida útil de um produto significa reduzir pela metade o consumo de energia, água, matérias-primas e a poluição gerada. Em relação ao último modo, a reciclagem, devido a interesses econômicos tornou-se a principal ferramenta e não mais uma coadjuvante como os demais. É comum vermos campanhas que ao invés de promoverem a conscientização
  • 8. sobre a diminuição do consumo e a reutilização de materiais, ressaltam a importância da reciclagem como a única alternativa viável, pois desta forma, tudo pode ser consumido, desde que seja reciclado. Ou seja, de uma forma geral, as finalidades comerciais da reciclagem se sobrepõe aos fins ambientais (MUNIZ, 2007). Entretanto, não deve ser encarada como um processo solitário ou inviável. Pelo contrário, as ações engajadas de redução, reutilização e reciclagem são complementos na busca por soluções cada vez mais adequadas ao destino dos resíduos sólidos, no caso deste trabalho, dos resíduos eletro-eletrônicos, principalmente se aliadas à educação ambiental. Seguem abaixo descritas as principais ações desta política e suas principais características:  Reutilização - extensão da vida útil: As partes podem ser reutilizadas para a mesma função anterior ou para uma nova atribuição. Em alguns casos pode passar por um processo de remanufatura, o que significa passar por processos que possibilitem que seja utilizado como novo (LUIZIO, 2004). O reuso, portanto, pode ser entendido como uma forma sustentável na fase de descarte, uma vez que o equipamento integralizado tenha sido reparado ou remanufaturado deixaria de estar na condição de resíduo, passando a ter uma segunda vida útil. Rodrigues (2007) também afirma que o reuso de equipamentos pode ocorrer por intermédio de: • Repasse informal do equipamento obsoleto dentro de uma mesma organização, entre familiares ou através de doações a terceiros (indivíduos, organizações sociais etc.); • Venda a empresas privadas que compram os equipamentos pós- consumo para consertá-lo e revendê-lo; • Remanufatura: existem empresas que se dedicam a consertar os equipamentos usados que passam por processos de reformulação, que envolvem desmontagem de componentes e revisão, adquirindo desempenho de equipamentos novos.  Redução: Segundo Rodrigues (2007), entre as estratégias para a redução da geração de resíduos pós-consumo, discute-se a questão do prolongamento da vida útil dos bens duráveis, como forma de desaceleração da velocidade dos ciclos de produção e consumo e descarte, sendo a durabilidade considerada “uma das mais óbvias estratégias para a redução de resíduos e aumento da produtividade dos materiais”.
  • 9.  Reciclagem: É caracterizada por uma série de processos que vão desde a coleta especial até a pré-produção dos materiais reciclados. (RODRIGUES, 2007). 7 ESTUDO DE CASO: Gerenciamento de Computadores em uma Universidade em Curitiba, PR. Este trabalho apresenta dados sobre o programa e as alternativas adotadas em uma Universidade em Curitiba, PR, para tratar da questão dos Equipamentos Eletro-Eletrônicos. Tendo em vista a complexidade, a variedade e o grande número destes equipamentos, somente os computadores foram abordados, não sendo incluídos outros equipamentos como projetores, impressoras e monitores. O campus da Universidade tem similaridade com outros geradores de resíduos eletrônicos, mas apresenta uma estrutura organizacional específica e interessante, por se tratar de uma instituição de Ensino que atende diversos cursos com demandas de equipamentos de informática (configurações) específicas. A Universidade, no que tange à gestão dos computadores que fazem parte do seu parque tecnológico, enfatiza a Política dos 3Rs: Redução, Reutilização e Reciclagem. Várias ações são realizadas com o objetivo de promover o prolongamento da vida útil de seus equipamentos, reduzindo descartes prematuros e, por conseqüência, danos ambientais. O Departamento de Informática da Universidade é responsável pelo parque tecnológico da Instituição, e desenvolveu uma metodologia de gerenciamento de resíduos baseada em níveis de organização, destino e distribuição dos equipamentos. Inicialmente é feito um estudo prévio do padrão tecnológico dos computadores a serem adquiridos associados às exigências dos softwares utilizados por cada um dos 26 cursos de graduação ofertados pela instituição. Alguns cursos necessitam de softwares específicos para controle de equipamentos e para algumas práticas laboratoriais, demandando computadores de maior velocidade de processamento, capacidade de memória e armazenamento. No total, a Universidade possui um total de 2.715 computadores (dados de agosto 2008) distribuídos em 52 laboratórios de informática e demais ambientes que possuam equipamentos de informática, como salas de aula, laboratórios específicos, biblioteca, ambientes administrativos utilizados por funcionários, ambientes acadêmicos utilizados pelo corpo docente, escritórios-modelo, entre outros.
  • 10. Várias configurações de laboratório, incluindo área física, número de computadores e programas instalados estão disponíveis, sendo algumas características dos Laboratórios de Informática descritas na tabela 2. Tabela 2: Algumas características dos Laboratórios de Informática da Universidade. Área física (m2 ) No micros / laboratório (média) No de laboratórios No total de computadores 65-84 22 10 221 94 28 22 620 105-120 36 10 362 155-160 28 8 230 220 100 1 220 Totais 51 1.653 Os processos de aquisição, remanejamento e destinação final dos computadores do campus são descritos na figura 1. O objetivo deste processo é prolongar a vida útil dos equipamentos a fim de evitar desperdícios e descartes prematuros, através da prática dos 3 R’s: Computador Novo Programas “pesados” Computador 2o Uso Softwares específicos Baixo desempenho Computador 3o Uso Uso básico upgrade reaproveitamento upgrade reaproveitamento Tipo de computador Alto Engenharias, Arquitetura, Desenho Industrial Médio Demais Cursos, como Direito, Administração Biologia, Baixo Secretarias, Biblioteca, Administrativo Nível de Utilização Usuário Típico Tempo Médio de vida 2 anos 1 a 2 anos 1 a 2 anos Doação Venda para Reciclagem Baixa do ativo no controle Patrimonial Reuso Reaproveitamento Reciclagem Figura 1. Esquema representando os processos de aquisição, remanejamento e destinação dos computadores na Universidade. Reutilização: É praticado no remanejamento entre os diferentes níveis de usuários, pois computadores que não atendem mais os usuários que demandam máquinas com alto desempenho passam para usuários com demanda moderada (intermediários). Ainda é
  • 11. possível, e praticado para muitos computadores, uma terceira reutilização, quando os computadores passam de usuários intermediários para usuários (ou laboratórios) cujas necessidades são atendidas por computadores com configuração básica. Redução: Devido ao grande número de computadores existentes, e ao sistema de controle adotado pelo departamento de informática, é possível um alto índice de reaproveitamento de peças que estejam em boas condições de uso e que sejam compatíveis com os demais equipamentos. Assim, por exemplo, a capacidade de um computador pode ser melhorada pela adição de mais memória ou disco rígido, reduzindo desta forma a aquisição de peças novas e evitando aquisições desnecessárias. Reciclagem: A reciclagem acontece somente ao final da vida útil do equipamento, quando não existe mais a possibilidade de se manter dentro dos padrões mínimos de uso. A venda da sucata é realizada para uma empresa de reciclagem especializada em eletro- eletrônicos. Através deste programa, obtêm-se uma redução do número de equipamentos novos e o prolongamento da vida útil dos computadores usados, que, além de reduzir o descarte de REEE, permite uma significativa economia de recursos. Os resultados obtidos através deste programa podem ser analisados na tabela 3, que apresenta para o período de 2003 a 2007, as aquisições, remanejamentos e baixas (destinação final) dos computadores no campus. Tabela 3: Aquisições, remanejamento e remoção de computadores realizadas pelo departamento de informática da Universidade. ANO AL UNOS GR ADUAÇ ÃO Novos R emanejados removidos total (a) 2003 8120 363 65 47 1404 2004 8392 70 137 81 1474 2005 8547 280 112 182 1754 2006 8429 304 85 344 2058 2007 8355 657 503 379 2715 médias no período 8369 335 180 207 1881 % do total de computadores 18 10 11 NÚME R O DE C OMPUTADOR E S (a) Total de computadores existentes no campus. A figura 2 representa graficamente as médias praticadas para remanejamento, remoção e aquisição de novos computadores para o campus.
  • 12. Gerenciamento dos Computadores 18; 46% 10; 25% 11; 29% Novos Remanejados removidos Figura 2: Médias (% em relação ao total) no período de 2003-2007 para as alternativas de remanejamento, remoção e aquisição de novos computadores no Campus. Vale ressaltar que o programa conseguiu remanejar praticamente o mesmo número de computadores descartados. Com essa política, as aquisições de computadores novos permaneceram, em média, abaixo de 20% do total de computadores existentes no Campus, no período de 5 anos que o levantamento de dados foi realizado. Estes valores refletem o esquema apresentado na figura 2, mostrando que, com o programa integrado, o tempo médio de um computador no Campus é de 5 anos, sem prejudicar o desempenho das máquinas e as necessidades dos usuários, pois estes recebem novas máquinas ou atualizações em média a cada 2 anos. A figura 3 apresenta as porcentagens relativas à aquisição de computadores novos, remanejados ou removidos, considerando somente estas 3 opções. 2003 2004 2005 2006 2007 Remanejados removidos Novos 0 10 20 30 40 50 60 70 80 Totalnoano(%) Figura 3: Porcentagens de computadores novos, removidos e reaproveitados no período de 2003-2007 no Campus da Universidade.
  • 13. Ao longo do período, o número de computadores remanejados foi sempre expressivo em relação às aquisições de computadores novos, sendo quase o dobro para o ano de 2004. Durante este período, o número total de alunos nos cursos de graduação permaneceu praticamente o mesmo, porém o número de alunos para cada computador passou de 5,78 em 2003 para 3,1 em 2007. Este número é apenas indicativo, já que o número total de computadores inclui os computadores utilizados por funcionários administrativos e professores. No entanto, ao se considerar o total de 1653 computadores disponíveis nos laboratórios de informática, conforme dados da tabela 2, tem-se um computador para cada 37 alunos, sem considerar que estes alunos estão divididos em 2 turnos (manhã e noite), o que melhora esta relação. 7 Conclusão Os equipamentos eletro-eletrônicos representam grande risco ao ambiente e à saúde das pessoas devido ao seu curto ciclo de vida útil, à sua composição apresentando vários componentes tóxicos, e ao descarte inadequado. Em muitos casos, o reaproveitamento de alguns componentes, como os metais, é realizado de maneira amadora, sem nenhum critério ou proteção das pessoas diretamente envolvidas. Diante deste quadro alarmante, várias iniciativas vêm sendo apresentadas em diversas esferas. São exemplos, legislações específicas e programas de gerenciamento de resíduos especiais adotados por empresas. Na Universidade foco do presente estudo, o departamento de Informática desenvolve um programa integrado para maximizar o ciclo de vida dos equipamentos eletro-eletrônicos, diminuindo assim a aquisição de equipamentos novos e a geração de resíduos. Esse programa inclui o cadastro dos laboratórios e usuários e a demanda por máquinas de alto, médio e baixo desempenho. Este programa enfatiza o reuso de computadores e o reaproveitamento de componentes e a redução na aquisição de novos equipamentos, permitindo que cada usuário receba atualizações ou novas máquinas em média a cada 2 anos. Dessa forma, em termos gerais, o gerenciamento de computadores realizado pelo departamento de informática permite atender a demanda dos usuários e laboratórios, sem aumentar significativamente a produção de REEE, pois cada computador passa por 3 níveis de utilização, tendo uma vida útil de até 6 anos, até ter a sua saída do Campus, através de programas de doação ou vendas para empresas especializadas em reciclagem.
  • 14. 8. Referências ARTONI, Camila. O Lado B da Tecnologia. Revista Galileu, set. 2005. Seção Meio Ambiente. Disponível em: <http://revistagalileu.globo.com/Galileu/0,,ESD875-1707- 0,00.html >. Acesso em: 19 nov. 2007. BEIRIZ, Fernando Antonio Santos. Gestão Ecológica de Resíduos Eletrônicos – Proposta de Modelo Conceitual de Gestão. Niterói, RJ: 2005. Originalmente apresentada como dissertação de mestrado, Universidade Federal Fluminense, 2005. Disponível em: <http://www.bdtd.ndc.uff.br/tde_arquivos/14/TDE-2006-10-06T135439Z- 462/Publico/Beiriz.pdf>. Acesso em: 20 nov. 2007. BERTRAM, M. et al., 2002. The contemporary european copper cycle: waste management subsystem. Ecological Economics 42, 43–57. COMISSÃO Européia, Diretiva 2002/96/CE do Parlamento Europeu, de 11 de Março de 2004. Disponível em <http://eur- lex.europa.eu/Notice.do?mode=dbl&lang=pt&ihmlang=pt&lng1=pt,mt&lng2=bg,cs,da,de,el,e n,es,et,fi,fr,hu,it,lt,lv,mt,nl,pl,pt,ro,sk,sl,sv,&val=343031:cs&page=#top>. Acesso em 12 de Jun de 2007. CONAMA. Resolução 257, de 30 de Junho de 1999. Disponível em: <http://www.mma.gov.br/port/conama/res/res99/res25799.html>. Acesso em: 23 nov. 2007. COOPER, T. Slower Consumption. Journal of Industrial Ecology, Vol. 9, nº 1-2, p. 51-67, Massachusetts Institute of Technology and Yale University, 2005. COTTA, T. P.; GUARITA, A.; IMBROSI, D. Riscos dos lixo eletrônico, disponível em <http://www.secom.unb.br/bcopauta/meioambiente17.htm>, acesso 23 ago. 2008. FIGUEIREDO, Paulo Jorge Moraes. A sociedade do lixo: os resíduos, a questão energética e a crise ambiental. São Paulo: UNIMEP, c1994. 240 p. LAYRARGUES, R.S.C.; CASTRO, R.S. Educação ambiental: repensando o espaço da cidadania. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2005. LUIZIO, Mónica. Gestão de equipamentos elétricos e eletrônicos – Proposta para um modelo de gestão de REEE em Portugal. Originalmente apresentada como dissertação para obtenção do título de Licenciatura em Engenharia Ambiental, Instituto Nacional Técnico, 2004. MUNIZ, Rafael Ninno. Educação, Energia e Movimentos Sociais. Disponível em: < http://rafaelninno.googlepages.com/EducaaoeEnergiamaio2007.pdf>. Acesso em: 12 jul.2007. OLIVEIRA, Elizabeth. Contaminação: Pilhas e Baterias. Disponível em: <http://www.abetre.org.br/noticia_completa.asp?NOT_COD=759> Acesso em: 21 nov. 2007. PARANÁ (Estado). Agência Nacional de Notícias. Paraná discute destinação do lixo eletrônico. Curitiba, 22 nov. 2007. Disponível em: <http://www.agenciadenoticias.pr.gov.br/modules/news/article.php?storyid=30675>. Acesso em: 23 nov.2007.
  • 15. REALFF, Matthew J.; RAYMOND, Michele; AMMONS, Jane C. E- waste an opportunity. Giving Obsolete Electronics New Life. Materials Today, January 2004. Disponível em: <http://imt.cmg.net/newsletter.html?id=1071776093&y=us=TRIMTN406aec869c006&SMSE ESSION=NO&SMSESSION=NO>. Acesso em: 19 nov. 2007. RODRIGUES, Angela Cassia. Impactos Socioambientais dos Resíduos de Equipamentos Elétricos e Eletrônicos: Estudo da Cadeia Pós-Consumo no Brasil. Santa Bárbara d’ Oeste, SP:[s,n], 2007. Originalmente apresentada como dissertação de mestrado, Universidade Metodista de Piracicaba, Programa de Pós Graduação em Engenharia de Produção, UNIMEP, 2007. Acesso em: 20 nov. 2007. VILHENA, Renata Maria Paes de; ALBUQUERQUE, Ana Cristina B. Modernização da gestão: implantação de licitações sustentáveis, 2007. Disponível em: < http://www.clad.org.ve/fulltext/0057925.pdf >. Acesso em: 15 jul. 2009. WAST Electrical and Electronic Equipament – WEEE. Disponível em: <http://www.weee- recycle.com/home.html>. Acesso em: 20 nov. 2007. WIDMER, R. et AL. Global perspectives on e-waste, Environmental Impact Asssment Review, Volume 25, n.5, 2005, P. 436-458 Elsevier. ZIGLIO, Luciana Aparecida Lotti. Convenção de Basiléia e o destino dos resíduos industriais no Brasil. São Paulo, SP: 2005. Originalmente apresentada como dissertação de mestrado, Universidade de São Paulo, 2005. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8136/tde-17032006-171602/> Acesso em: 22 nov. 2007.

×