• Like
  • Save
Educação e redes sociais Michely Cristina de Oliveira
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Educação e redes sociais Michely Cristina de Oliveira

on

  • 515 views

As redes sociais tem sido uma ferramenta de acesso a informações diversas, uma ferramenta de uso de cooperação para a aprendizagem e interação. Apresentado o projeto onde aponta as vantagens que ...

As redes sociais tem sido uma ferramenta de acesso a informações diversas, uma ferramenta de uso de cooperação para a aprendizagem e interação. Apresentado o projeto onde aponta as vantagens que podem proporcionar a aprendizagem de forma clara e objetiva da influência da mesma no desenvolvimento educacional.
Através de projetos governamentais de inclusão digital e a diversidade de dispositivos práticos de acesso, os recursos oferecidos por essas redes podem auxiliar na educação e na transmissão de conhecimento através do contato entre pessoas de diferentes níveis sociais, culturais, políticos, econômicos e educacionais. Os professores podem sanar dúvidas de alunos a qualquer hora, de qualquer lugar, promover atividades em grupo para aumentar a interação entre os alunos e compartilhar conhecimentos e experiências.
EDUCAÇÃO E REDES SOCIAIS
De que forma as redes sociais podem auxiliar
e complementar o aprendizado.

Statistics

Views

Total Views
515
Views on SlideShare
515
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
10
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft Word

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Educação e redes sociais Michely Cristina de Oliveira Educação e redes sociais Michely Cristina de Oliveira Document Transcript

    • [Digite aqui] FACULDADES INTEGRADAS DO VALE DO RIBEIRA Michely Cristina de Oliveira EDUCAÇÃO E REDES SOCIAIS De que forma as redes sociais podem auxiliar e complementar o aprendizado REGISTRO - SP 2012
    • [Digite aqui] FICHA CATALOGRÁFICA Educação e redes sociais: de que forma as redes sociais podem auxiliar e complementar o aprendizado. / Michely Cristina de Oliveira Registro, 2.012 – 14 páginas. Trabalho de Conclusão de Curso – UNISEPE – UNIÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SERVIÇOS, ENSINO E PESQUISA LTDA. Curso de LETRAS. Professor Orientador: Jacob Elias Mancio 1. Educação 2. Redes Sociais 3. Recusos educacionais
    • [Digite aqui] EDUCAÇÃO E REDES SOCIAIS De que forma as redes sociais podem auxiliar e complementar o aprendizado.
    • [Digite aqui] FACULDADES INTEGRADAS DO VALE DO RIBEIRA Michely Cristina de Oliveira EDUCAÇÃO E REDES SOCIAIS De que forma as redes sociais podem auxiliar e complementar o aprendizado. Relatório Técnico-Científico apresentado às Faculdades Integradas do Vale do Ribeira – UNISEPE como requisito parcial para a obtenção de Licenciatura em Letras – Português/Inglês. REGISTRO, 2012
    • [Digite aqui] Índice 1. Introdução.......................................................................................................................6 1.1. A educação no ambiente virtual.................................................................................7 2. Desenvolvimento............................................................................................................7 2.1As redes sociais e a educação....................................................................................8 2.1.1 Twitter.........................................................................................................................9 2.1.2 Facebook..................................................................................................................10 2.1.3 Blog...........................................................................................................................10 2.2. As redes e a facilidade de informações de conhecimento....................................10 3. Recomendações...........................................................................................................11 3.1 Skoob...........................................................................................................................11 3.2 Laifi...............................................................................................................................12 4. Conclusão......................................................................................................................13 5. Referências Bibliográficas...........................................................................................14
    • [Digite aqui] Resumo: As redes sociais tem sido uma ferramenta de acesso a informações diversas, uma ferramenta de uso de cooperação para a aprendizagem e interação. Apresentado o projeto onde aponta as vantagens que podem proporcionar a aprendizagem de forma clara e objetiva da influência da mesma no desenvolvimento educacional. Através de projetos governamentais de inclusão digital e a diversidade de dispositivos práticos de acesso, os recursos oferecidos por essas redes podem auxiliar na educação e na transmissão de conhecimento através do contato entre pessoas de diferentes níveis sociais, culturais, políticos, econômicos e educacionais. Os professores podem sanar dúvidas de alunos a qualquer hora, de qualquer lugar, promover atividades em grupo para aumentar a interação entre os alunos e compartilhar conhecimentos e experiências. Abstract: Social networking has been a tool for accessing various information, a tool for the use of cooperative learning and interaction. Presented the project which highlights the benefits they can provide learning clearly and objectively the influence of the same educational development. Through government projects of digital inclusion and diversity of practical devices to access the resources offered by these networks can assist in education and knowledge transmission through contact between people of different social, cultural, political, economic and educational. Teachers can answer questions from students anytime, from anywhere, to promote group activities to increase interaction between students and share knowledge and experiences.
    • [Digite aqui] Introdução As redes sociais têm um potencial incrível para gerar interação, trabalhos em grupos e em redes, que são alguns dos desejos principais em educação. Se de um lado pode haver resistências por parte dos próprios alunos em misturar estudo no lugar em que eles se divertem, de outro lado eles já sabem utilizá-las, estão familiarizados com vários recursos, acesso com frequência, o que facilita atividades realizadas nas redes. Apartir da minha experiência numa biblioteca municipal no auxilio a alunos de educação básica em pesquisas escolares, e na minha experiência de uso das redes sociais como ferramentas de estudo, interação educacional, notei que os olhares da educação voltados para esta ferramenta em potencial estão obsoletos. A escola e seus educadores não veem nas redes sociais as excelentes opções que está propícia quando utilizada corretamente e com interessada e preparada orientação. Pessoas de todas as idades e classes sociais, que possuem contas nessas redes sociais participam ativamente: compartilham, expõem opiniões, indicam e recebem indicações de todo o tipo de mídia, e aderem a quilométricas “experiências de mundo”. A realização compromissada e interessada dessas atividades por parte de crianças, jovens, adultos e idosos, prova que podemos não apenas ter uma aula interessante e proveitosa com redes sociais, mas, também que estas podem ser uma boa ferramenta de complementação e reforço de aprendizado. De certa maneira, a instituição de ensino sempre enxergou as redes sociais como inimigas dos estudos graças ao potencial dispersivo que esta tem. Mesmo após adicionar à sua prática educacional conteúdo crítico sobre a rede, a escola sempre se manteve paralela ao potencial educacional para o desenvolvimento de um aluno crítico, participativo, colaborador, desenvolvedor e conectado, propiciado discretamente por essas redes, sem fazer uso de fato.Alguns professores já utilizam o mural do facebook para dar recados, e deixar lembretes sobre as aulas, e também para linkar conteúdo extra, de aprofundamento, ou de iniciação. Esses links também podem ser utilizados no twitter, que está sendo também adotado nas escolas por uma de suas particularidades: como nenhum texto ali pode ultrapassar 140 caracteres, os alunos são desafiados a exprimir idéias com concisão - habilidade revelada por grandes gênios da história e tão requerida nos tempos modernos. Este se revelouuma ótima ferramenta para debate, visto
    • [Digite aqui] que é em tempo real e sua ordem de postagens é organizada. Para trabalhar síntese, o twitter com sua regra de apenas 140 caracteres por postagens faz-se útil. Já para o trabalho com textos mais longos (como poemas, artigos, reportagens) existe o blog, que além de permitir o uso do português padrão, dispõe de várias ferramentas de digitação semelhantes a dos softwares mais usados em computadores pessoais e de empresas. Esse trabalho tem por finalidade apontar as oportunidades que as redes sociais oferecem à educação como instrumento de aprendizagem, compreensão cognitiva e letramento, ao desenvolver alunoscríticos, participativos, articuladores, proativos, comunicativos e proficientes em produções textuais. Visando atividades nas redes dentro e fora das salas de aula, já que o aluno tende a ser mais criativo em ambientes informais. A educação no ambiente virtual Os paradigmas contemporâneos da educação não atendem as necessidades atuais do aluno, considerando a velocidade e quantidade de informações em circulação. O conhecimento tornou ousadamente dinâmico. Precisamos então fazer novas conexões de fatos e informações. As tecnologias intelectuais da pós-modernidade – com seus suportes hipertextuais, interconectados, interativos e múltiplos – questionam a escola e sua compartimentalização disciplinar, suas grades curriculares tão pouco propícias ao diálogo entre os saberes. Desenvolvimento O mundo digital no qual cada navegante é autor de seus próprios percursos,questiona a escola e sua incapacidade de personalização (RAMAL, 2002, p. 15). Na segunda parte do século XX uma crescente especialização nas escolas fez com que os conhecimentos fossem mais profundos, porém menos amplos. Mas hoje é necessário deixar de lado a preocupação com o acúmulo de conhecimentos, focando na sua construção a partir de informações pesquisadas dentro contextos e reflexões. Assim a internet, conecta a outras possibilidades digitais permite o acesso a bancos de informação que se expandem em grande espaço de informações. Nesse contexto, os professores devem assumir posturas novas e diferenciadas, ensinando e levando o educando a aprendizagem de forma colaborativa, na investigação
    • [Digite aqui] e na pesquisa as informações existentes na rede, estimulando e motivando a interação dos mesmos. As comunidades virtuais são os pontos de encontro, os potentes ambientes desocialização utilizados por grupos de indivíduos inseridos no espaço virtual e, por isso, repletos da aspiração por contato, que por intermédio das possibilidades de troca proporcionada por ele proclamam a queda das barreiras geográficas que impediam o desejo de compartilhamento responsável por unir usuários situados nas mais diversas partes, em torno de comunidades. Lévy (1999) tece os seguintes comentários a respeito destes aspectos: A cibercultura é a expressão da aspiração de construção de um laço social, que não seria fundado nem sobre links territoriais, nem sobre relações institucionais, nem sobre as relações de poder, mas sobre a reunião em torno de centros de interesses comuns, sobre o jogo, sobre o compartilhamento do saber, sobre a aprendizagem cooperativa, sobre processos abertos de colaboração. O apetite para as comunidades virtuais encontra um ideal de relação humana desterritorializada, transversal, livre. As comunidades virtuais são os motores, os atores, a vida diversa e surpreendente do universal por contato. (Lévy, 1999. p. 130). Vivemos o contexto dinâmico da cibercultura, ou seja, um mundo complexo marcado por princípios básicos que orientam o crescimento do espaço virtual, tais como interatividade, redes sociais, interconexão e inteligência coletiva. (LÉVY, 1999). Este por sua vez, funciona como novo meio de comunicação caracterizado não apenas pela infraestrutura material da comunicação digital, mas também pelo universo oceânico de informações disponibilizadas naweb. A internet, antes território restrito aos momentos de lazer, passa a ser usada para transmitir conteúdo, complementar o que é dito em sala de aula e tirar dúvidas dos estudantes. Há iniciativas tanto em escolas de educação básica quanto no ensino superior. A informática assume um papel de suma importância, pois funciona como agente de propagação de conhecimento, colocando-se a serviço da educação. Ela funciona como um meio didático, na medida em que pode oferecer representação específica de um saber, facilidades de manuseio, feedback e uma possibilidade para acompanhar, a distância, a construção de um procedimento realizado pelo aluno, observando suas incerteza, hesitações, até que ele encontre o seu caminho. (NETO, Hermínio Borges). O ambiente virtual passa a ser então uma nova ferramenta de ensino, tão importante quanto a educação formal. A diferença concentra-se sobretudo na metodologia.
    • [Digite aqui] As redes sociais e a educação Há alguns anos, as redes sociais eram consideradas o futuro da internet, e de fato atualmente elas representam ampla capacidade de comunicação e conexão social, que possibilita uma transição de informações de escala considerável. Esse volume de informações está distribuído em diversos assuntos como: notícias, curiosidades, dicas do cotidiano e também o dia a dia dos usuários e celebridades. Com a evolução da tecnologia, a internet já está acessível através de projetos governamentais de inclusão digital aumentando a rapidez da informação e facilidade de acesso, seus meios de acessos são até mesmo em dispositivos de bolso. Assim, consequentemente, com maior velocidade de transmissão de dados, maior é o volume de informações nas redes sociais. Todavia, é preciso educar os usuários, para que possam filtrar o conteúdo das informações recebidas, visando o uso das redes sociais de forma ética e responsável. Alcançada essa filtragem, a interação entre os meios de comunicações, educadores e educandos torna-se mais segura em relação às informações irrelevantes ao aprendizado e ao convívio social. Os recursos oferecidos por essas redes podem auxiliar na educação e na transmissão de conhecimento através do contato entre pessoas de diferentes níveis sociais, culturais, políticos, econômicos e educacionais. Os professores podem sanar dúvidas de alunos a qualquer hora, de qualquer lugar, promover atividades em grupo para aumentar a interação entre os alunos e compartilhar conhecimentos e experiências. Alguns colégios, a maioria particular, fazem uso simples de tais redes, colocando ali informações como calendário de aulas e avisos. Muitas vezes, incluem ainda exercícios e o conteúdo das aulas, recurso que vem se prestando a aproximar os pais da vida escolar. Twitter Para exemplificar a mudança no tipo de informação que transita na rede é apresentado como exemplo o Twitter, onde no início eram postados pensamentos e o que um usuário estava fazendo em determinado momento. Atualmente, são postadas notícias, informações essenciais e comunicação direta com pessoas importantes. Praticamente todos os telejornais das principais emissoras de televisão brasileira possuem perfis no Twitter, que deixam seus seguidores informados de novidades na política, economia, esportes, entre outras.
    • [Digite aqui] A regra de apenas 140 caracteres por postagem nos leva a refletir sobre a decisão de uso da escrita culta, ou alguma variação linguística, pendendo até mesmo para as abreviações, exercitando produção de textos sintéticos de modo muitas vezes intuitivo. A concentração de informações, facilidade de troca e dados, discussões online em tempo real e o acesso rápido são características a serem exploradas na educação, pois o professor pode passar informações, vídeos, links com conteúdo para download, responder dúvidas e divulgar notícias sobre os temas a serem estudados. Facebook O facebook conta com uma infinidade de aplicativos, que satisfazem diversas áreas de interesse, inclusive a educação. Existem diversos aplicativos nesta área para uso de alunos, professores e de uso comum, dentre os quais podem se destacar alguns como o Notely e o Study Groups voltados para o uso dos alunos, o Mathematical Formulas para o uso docente e o WorldCat (COLLEGEDEGREE.COM, 2008). Estes aplicativos têm como função auxiliar os estudantes e professores para que exista uma maior interação aluno- aluno e aluno-professor, além de oferecer opções de busca, dicas de aprendizagem e organização. No facebook, os alunos podem debater o assunto e tirar duvidas, assim como no twitter. Blog Para a prática da produção textual, temos ainda o blog como ferramenta eficiente no letramento virtual. Em Barros, (2005) temos a seguinte afirmação sobre esta ferramenta. “... os blogs representam uma excelente oportunidade para educadores promoverem a alfabetização através de narrativas e diálogos. As característicasdos blogs, como o espaço personalizado que fornece, e os links dentro de uma comunidade on-line, criam um excelente contexto deomunicação mediada porcomputador para expressão individual e interações colaborativas no formato denarrativas e diálogos.” (Barros, 2005) O blog sendo um gênero escrito específico da web tem grande valor em termos de desenvolvimento do exercício do pensamento crítico, podendo também abranger outros gêneros, exigindo apenas pequenas adaptações. As redes e a facilidade de informações
    • [Digite aqui] Em geral, as redes sociais são circuladoras de informação. Através da interação entre os usuários a informação é transmitida, para todos em volta, e todos se tornam transmissores. O único filtro para esta informação são os usuários, que escolhem repassar apenas as informações que lhe forem relevantes.Segundo Castells, 2003: Rede é um conjunto de nós interconectados. […] Redes são estruturas abertas capazes de expandir de forma ilimitada, integrando novos nós desde que consigam comunicar-se dentro da rede, ou seja, desde que compartilhem os mesmos códigos de comunicação […] (CASTELLS, 2003, p. 566) Nessa circulação de informações temos espaços de interação, onde através da comunicação, os usuários podem discutir fatos, debater ideias e expor opiniões. Portando as redes sociais são espaços de mobilização, pois partindo da comunicação, do acesso à informação e o compartilhamento de interesses, a rede se torna um espaço de mobilização social, portanto de aprendizado coletivo. Recomendações As ferramentas apontadas aqui podem ser usadas tanto dentro das aulas, como fora, em complementação aos estudos. Há ainda redes sociais especificas para o desenvolvimento de leitura e conhecimento, já populares entre os usuários das redes sociais. Skoob Lançada em janeiro de 2009 por Lindenberg Moreira, é uma rede social colaborativa brasileira para leitores. Após uma típica divulgação boca a boca, o site cresceu e se tornou um ponto de encontro para leitores e novos escritores, que trocam sugestões de leitura e organizam reuniões em livrarias. Atualmente permite interatividade com outras redes sociais e lojas de comércio eletrônico.Seu nome significa Books (“livros”, em inglês) ao contrário. Após a criação de um perfil, é possível listar o que você está lendo, o que já leu, o que pretende ler, o que está relendo e quais livros foram abandonados, formando uma estante virtual. Em 27 de Janeiro de 2012, o site tinha mais de 420.000 usuários. É uma forma bem interessante de compartilhar entre os alunos os livros que estão sendo lidos, recomendar livros e autores e participar de grupos, aumentando assim a interatividade entre eles e também com outras pessoas que participam dessa rede social. Além de poderem exercitar a escrita em síntese escrevendo resenhas para livros já
    • [Digite aqui] lidos, os alunos podem ter contato com livros interessantes que ainda não conhecem, aumentando assim o seu interesse para a leitura. O Skoob é um exemplo de rede social que inaugura quadros extremamente fecundos relacionados à socialização da leitura e da produção textual, por serem estas as finalidades para as quais foi criada. O usuário do Skoob em um ambiente fortemente colaborativo deleitura e escrita marca o surgimentode aspectos ainda mais impactantes relacionadas ao potencial das comunidades virtuais como ambientes dos quais podem ser retirados desdobramentos de fato muito proveitosos, sob diversosprismas. Não só marca a reunião virtual de usuários que compartilham o interesse pela leitura, e os novos meios de socializá-la decorrentes disso, mas permite a discussão sobre as transformações sofridas no modo como os usuários passam a tratar a leitura e a produção de textos fora do ambiente da rede. Semelhantemente, e abordando as redes em termos de generalização, o exemplo decorrente do Skoob nos faz atentar para o fato de que elas, além de proporcionarem novos conceitos em termos de movimentação social, sobretudo constituem-se como meios dotados de um imenso potencial, que precisa ser explorado e utilizado como ferramenta para a construção modos também novos de aprender. Laifi Professores podem diversificar suas aulas utilizando os recursos oferecidos pelo Laifi. A ferramenta é gratuita e possibilita a criação de conteúdos de uma forma bastante didática. Fácil de usar, o laifi permite que os professores organizem os seus conteúdos de maneira gráfica e esquematizada, como se fosse uma enciclopédia visual. O Laifi já surgiu focado no apelo visual. Graças a sua forma gráfica, baseada no conceito de historicidade, facilita as ligações entre elementos relacionados, construindo uma verdadeira rede de informações. Esse é um dos propósitos desse site: proporcionar a ação colaborativa entre os usuários, disseminando o conhecimento em todas as áreas. Não possuindo o rigor técnico de uma wikipédia, o Laifi apresenta ingredientes que o tornam mais atrativos como a beleza, a utilidade, a praticidade e a emoção, dinamizando assim o ensino. O usuário monta seu Laifi incluindo textos, imagens e vídeos sobre o assunto de sua preferência, podendo permitir que o público(ou apenas os contatos selecionados) participem da elaboração de seus laifis. Dessa forma, inicia-se uma interação na qual
    • [Digite aqui] incluem informações, imagens e vídeos sobre os mais variados acontecimentos e assuntos existentes. Mais do que uma rede social, o Laifi não oferece apenas entretenimento, mas principalmente valoriza a inteligência coletiva, proporcionando cultura, educação e a disseminação do conhecimento em todas as áreas.Os Laifis criados pelo professor podem ser apresentados aos alunos de diferentes formas: 1) Na escola ou faculdade, por meio de retroprojetor. 2) Convidando os alunos para se cadastrarem no Laifi (o site oferece uma opção para enviar os convites, na coluna da direita). Ao enviar os convites, os alunos se cadastram e já são adicionados automaticamente como contatos do professor. 3) O professor autoriza a exibição pública do Laifi, os alunos poderão visualizá-lo sem se cadastrar.Fornecendo aos alunos o link para um determinado Laifi (Exemplo:http://laifi.com/viewLaifi.php?id_laifi=397). Conclusão Mais do que transmitir informação, a educação visa preparar para o futuro, desenvolver capacidades, cognitivas, afetivas e sociais. Observa-se que, diante da emergência cada vez maior das ferramentas tecnológicas, o ensino e a aprendizagem estão permeando não só a sala de aula, espaço físico e espaço virtual, mas também as redes de comunicação e socialização na disseminação das informações e na criação do conhecimento. Essa aproximação que as redes sociais permitem e a sua consequente incorporação aos ambientes de educação, confirmam um pressuposto de Piaget, que acreditava que o conhecimento não advém nem dos sujeitos nem dos objetos, mas de suas interações. Assim sendo, a base da educação está em garantir uma participação ativa na construção das abordagens, cobrando-se um grau de compromisso e dedicação tanto do educador como dos demais participantes, fazendo com que os espaços de troca sejam extensões dos próprios estudantes.
    • [Digite aqui] Referencias Bibliográficas: LÉVY, P. As tecnologias da inteligência. São Paulo: Ed. 34, 1993. LÉVY, Pierre. Cibercultura. 1.ed. São Paulo: 34, 1999. 264p COLLEGEDEGREE.COM. The Facebook Classroom: 25 Facebook Apps That Are Perfect for Online Education. 2008. Disponível em: http://www.collegedegree.com/library/college-life/15-facebook-apps-perfect-foronline- education. Acesso em 15/10/2012. NETO, Hermínio Borges. Uma Classificação Sobre a Utilização do Computador Pela Escola.Disponível em: http://www.multimeios.ufc.br/arquivos/pc/preprint/Uma_classificacao.pdf Acesso em 16/10/2012 BARROS, Moreno Albuquerque de. Ferramentas informacionais para educação e alfabetização: considerações acerca do uso dos blogs como tecnologia educacional. Disponível em: http://rabci.org/rabci/sites/default/files/blogs.pdf. Acesso em 16/10/2012