Your SlideShare is downloading. ×
Abuso e Exploração Sexual
Infanto-juvenil
INTRAFAMILIAR = DENTRO
EXTRAFAMILIAR = FORA
Sem contato físico
• Verbal
Conversas abertas sobre atividades sexuais
destinadas a despertar o interesse ou chocálos.
• T...
Com contato físico
• Atos físicos genitais
Relações sexuais com penetração
(vaginal ou anal), tentativa de
relação sexual,...
Sinais de Alerta!
A
mudança
repentina
de
comportamento pode indicar se uma
criança ou adolescente esta vivendo
uma situaçã...
Sinais de Alerta!
Falando com seu filho ou sua filha:
Saber a hora e a melhor maneira de falar sobre
sexualidade com as crianças é muito
imp...
Direitos Sexuais
• A educação sexual deve começar em casa e na
escola: É importante que a criança cresça
sabendo quais são...
Direitos Sexuais
• Tema polêmico: Em 30/01/13 foi
lançada uma pergunta na Rádio
Globo: “algumas meninas de 12
anos têm hoj...
- Estar bem informado sobre a realidade do
abuso sexual contra crianças e adolescentes.
- Ouvir seus filhos e acreditar ne...
- Procurar informar-se sobre o que sabem e

como lidam com a questão da violência e do
abuso sexual os responsáveis pela c...
Araceli: o símbolo da
violência
• Araceli foi espancada, estuprada, drogada e
morta numa orgia de drogas e sexo. Sua
vagin...
Omitir a denúncia é
crime!
18 de Maio

Dia Nacional de Combate ao Abuso
e Exploração Sexual de Crianças e
Adolescentes
Palestra Violência Sexual contra crianças e adolescentes
Palestra Violência Sexual contra crianças e adolescentes
Palestra Violência Sexual contra crianças e adolescentes
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Palestra Violência Sexual contra crianças e adolescentes

5,025

Published on

Palestra realizada com pais e professores em escolas estaduais e municipais de Campo Verde-MT

2 Comments
5 Likes
Statistics
Notes
  • como fazer para ter acesso a esses seus slides?
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here
  • Sou professora de uma escola publica, irei trabalhar na feira da cultura com os alunos do ensino médio,cujo sub- tema é revolução feminina e inserido nesse, trabalharemos a exploração e abuso sexual, através de slides, portanto é de grande valia esse seu trabalho para nós, gostaríamos de expô-lo se assim você permitir, pois gostamos muito de seu material.
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here
No Downloads
Views
Total Views
5,025
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
384
Comments
2
Likes
5
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Transcript of "Palestra Violência Sexual contra crianças e adolescentes"

  1. 1. Abuso e Exploração Sexual Infanto-juvenil
  2. 2. INTRAFAMILIAR = DENTRO EXTRAFAMILIAR = FORA
  3. 3. Sem contato físico • Verbal Conversas abertas sobre atividades sexuais destinadas a despertar o interesse ou chocálos. • Telefonemas obscenos A maioria é feita por adultos, do sexo masculino,podendo gerar ansiedade na criança,no adolescente e na família. • Exibicionismo Intenção de chocar a vítima • Voyeurismo Obtém gratificação em observar atos ou órgaos sexuais de outras pessoas. A internet hoje é a grande vitrine para o voyeur. • Outros Mostras vídeos os fotos pornográficas e/ou fotografar crianças nuas ou em posições sedutoras.
  4. 4. Com contato físico • Atos físicos genitais Relações sexuais com penetração (vaginal ou anal), tentativa de relação sexual, carícias nos órgão genitais, masturbação ou sexo oral. • Exploração Sexual Utilização de crianças e adolescentes em atos sexuais para fins comerciais e de lucro. O sexo é fruto de uma troca, seja ela financeira, de favores ou presentes. Redes criminosas = tráfico
  5. 5. Sinais de Alerta! A mudança repentina de comportamento pode indicar se uma criança ou adolescente esta vivendo uma situação de violência
  6. 6. Sinais de Alerta!
  7. 7. Falando com seu filho ou sua filha: Saber a hora e a melhor maneira de falar sobre sexualidade com as crianças é muito importante • Entre 18 meses e 3 anos, ensine o nome das partes do corpo. • Entre 3 e 5 anos, converse com eles sobre as partes privadas do corpo (aquelas cobertas pela roupa de banho) e também como dizer não. Fale sobre a diferença entre “o toque bom e o mal toque”. • Após os 5 anos a criança deve ser bem orientada sobre sua segurança pessoal e alertada sobre as principais situações de risco. • Após os 8 anos deve ser iniciado a discussão sobre os conceitos e as regras de conduta sexual que são aceitas pela família e fatos básicos sobre a reprodução humana
  8. 8. Direitos Sexuais • A educação sexual deve começar em casa e na escola: É importante que a criança cresça sabendo quais são seus direitos, inclusive os sexuais. Existe um mito de referenciar a criança como um anjinho, um ser assexuado, o que acaba fazendo com que a discussão acerca da sexualidade não apareça dentro dos lares nem nas escolas, nas comunidades. Ensine-o a gostar do corpo e a respeitá-lo. Explique que o corpo precisa de cuidado se alguém tentar tocálo, inclusive nas partes íntimas ou ainda pedir para fazer algo no seu corpo ou no de outra pessoa dizer não. • Liberdade com responsabilidade, autonomia, exercício saudável da sexualidade. • Crianças e adolescentes também possuem direitos sexuais:  Educados a utilizar sua sexualidade (comportamentos, emoções, ética) sem violentar o seu corpo e o corpo do outro;  Ser orientados de acordo com a sua idade;  Respeitar sua fase de desenvolvimento;  Não ser violentada ou explorada por um adulto.
  9. 9. Direitos Sexuais • Tema polêmico: Em 30/01/13 foi lançada uma pergunta na Rádio Globo: “algumas meninas de 12 anos têm hoje corpo de mulher. Pensar maldade seria pedofilia por parte dos homens?” É dever de todo adulto zelar pelo desenvolvimento pleno e proteção de crianças e adolescentes. “Um adulto que acusa uma garota de 12 anos de provocar uma situação de abuso sexual está fazendo o inverso do que propõe a doutrina de proteção integral consagrada pela nossa constituição da República Federativa do Brasil e pelo Estatuto da Criança e do Adolescente – ECA: em vez de proteger, está estimulando a violação de seus direitos fundamentais”
  10. 10. - Estar bem informado sobre a realidade do abuso sexual contra crianças e adolescentes. - Ouvir seus filhos e acreditar neles por mais absurdo que pareça o que estão contando. Não dar bronca ou criticá-los é uma atitude repressiva. - Filtre as imagens e conteúdos inadequados para a idade dos filhos. Ex: novelas e programas na TV. Evite atitudes permissivas. - Não culpar a vítima: o agressor sexual tem sempre inteira responsabilidade pelos atos praticados e devem ser punidos, na forma da lei. - Dispor de tempo para seu filho e dar-lhe atenção - Saber com quem seus filhos estão ficando nos momentos de lazer. Conhecer seus colegas e os pais deles
  11. 11. - Procurar informar-se sobre o que sabem e como lidam com a questão da violência e do abuso sexual os responsáveis pela creche, escola, conselheiros religiosos, empregada e babá. - Investir na auto-estima das crianças (elogios, afirmação do seu valor, dar atenção, respeitar, etc) Uma criança segura tem mais facilidade para dizer não e procurar ajuda. - Rua não e lugar de criança! Não deve ser um hábito, normalmente oferece mais atrativos porém oferece muitos perigos. E se deixar de preferência na companhia de um responsável e ensine-o a não se afastar sem sua permissão. - Carona: oriente a não entrar em nenhum automóvel ou sair com alguém sem sua autorização, mesmo que a pessoa diga que você deixou. Isso vale para casa de vizinhos. - Ensine a não aceitar presentes ou outras coisas (de pessoas conhecidas ou não) sem o consentimento dos pais - Ensine a denúnciar! Atitudes protetivas!
  12. 12. Araceli: o símbolo da violência • Araceli foi espancada, estuprada, drogada e morta numa orgia de drogas e sexo. Sua vagina, seu peito e sua barriga tinham marcas de dentes. Seu queixo foi deslocado com um golpe. Finalmente, seu corpo - o rosto, principalmente - foi desfigurado com ácido. Seu corpo ficou guardado dias em um freezer de uma boate.
  13. 13. Omitir a denúncia é crime!
  14. 14. 18 de Maio Dia Nacional de Combate ao Abuso e Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes

×