• Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
854
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2

Actions

Shares
Downloads
1
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. SE... Cícero Lins de Moura Automático Inês Vieira
  • 2. Cícero Lins de Moura. Nasceu no ano de 1945, na cidade de Olinda PE. Possui uma vasta obra de literatura de cordel, destacando-se por seu texto ritmado e irônico. Além de cordelista, é técnico em Comunicação Visual, Desenhista, Pintor, Cartazista, Artesão e Humorista. Atualmente, conta com 270 poemas... Seu universo é explorar temáticas irreverentes como A Rola Misteriosa, O Pijama Suspeito entre outros.
  • 3. A literatura de Cordel é um tipo de poesia popular, no qual os textos são impressos em papeis rústicos e expostos para a venda pendurados em cordas. Bastante disseminada na região Nordeste do Brasil, a literatura de cordel se desenvolveu de forma diferente, sendo encontrada raramente exposta pendurada em barbantes. O folheto, como é conhecido pelo povo nordestino, é caracterizado por rimas simples, ilustrações em xilogravuras e venda livre em diversos locais.
  • 4.   Se, quando a barra quebrasse e o sol se acendesse, somente o bem se acordasse, quando o dia amanhecesse nesse meu torrão bendito. Seria bem mais bonito, só amanhecer sorrindo, com todo mal esquecido, para sempre adormecido, e o amor colorindo. SE...
  • 5. Quando o dia escurecesse e o sol se apagasse, se o homem agradecesse, se todo homem orasse, pedindo, a cada dia, justiça, sabedoria, a bem de sua grandeza; Se o homem procedesse de forma que merecesse o perdão da natureza.
  • 6. Se acabasse a violência; Se só a boa tendência dominasse nossa gente; Se o povão evoluísse, saindo dessa mesmice, seria tão diferente. Se a tristeza sorrisse; Se todo mundo cantasse; Se fosse só de alegria o choro que alguém chorasse;
  • 7. Se eu pudesse ir e vir, com segurança, sem medo, pelas ruas da cidade, sem testemunhar degredo, no diurno, ou noturno , sem tênis e sem coturno querendo me assaltar sem legião de mendigos sem exemplos de castigos, sem tanta gente a chorar. Olinda. PE
  • 8. Se assim como brilha o sol o bom destino brilhasse para todo irmão vivente, e cada um trabalhasse, ganhasse o seu sustento; não mais houvesse lamento de alguém desabrigado; Se fosse reconhecido todo valor investido por quem pegou no pesado.
  • 9.   Se os homens fossem sábios; Se não houvesse indecência na “gerência nacional”, nos homens da Previdência; na Presidência, enfim. Se tudo não fosse assim, seria um paraíso... Se não houvesse a tristeza do filho da safadeza, que já nasceu sem juízo.
  • 10. Que bom seria, se fosse, doce, gentil, sublimado, todo mundo neste mundo; todo mundo inspirado, dotado de poesia... Ah! Meu Deus, que bom seria, se fosse como eu quisesse: Se tudo que Deus falasse, todo mundo escutasse, e todo mundo fizesse.   Cícero Lins de Moura. Julho 2007
  • 11. Música: Felicidade (Leandro Júnior) Imagens: Internet [email_address] www.mensagensvirtuais.com.br