0
PARALISIA CEREBRAL
Alunos
             Jéssica Santana
            Fernanda Oliveira
             Sonival Teixeira
             Juciara Vitór...
DEFINIÇÃO
                                         O termo paralisia
                                        cerebral (PC...
HISTÓRICO
    Em 1860 o DR. William Litlle descreveu
       pela primeira vez o que era paralisia
    cerebral e relacion...
ETIOLOGIA
                                                •
                                      O desenvolvimento do
   ...
 Dentre os fatores
                                 potencialmente
                            determinantes de lesão
   ...
 A etiologia da paralisia cerebral é multifatorial. Dividem-se
  os vários fatores em três grupos:
 1- Pré-natais (duran...
3-Pós-natais
Asfixia
Traumatismos
 cranianos
Infecções do sistema
 nervoso (ex.
 meningites)

6/17/2010     copyright ...
TIPOS DE PARALISIA
    O tipo de alteração do movimento observado
     está relacionado com a localização da lesão no
   ...
TIPOS
 Espástica - Quando a lesão está localizada na área
  responsável pelo início dos movimentos voluntários, trato
  p...
 Na PC, a forma espástica é a
      mais encontrada e freqüente em
             75% dos casos.




6/17/2010     copyrigh...
PARTES DO CORPO AFETADAS

    A Paralisia Cerebral atinge diversas regiões do
                          cérebro.
  Depen...
6/17/2010   copyright 2006 free template from   13
                     brainybetty.com
6/17/2010   copyright 2006 free template from   14
                     brainybetty.com
CARACTERÍSTICAS CLÍNICAS
     As crianças com PC têm como
           principal característica o
        comprometimento m...
DIAGNÓSTICO
       Dificuldade de sucção, tônus muscular
     diminuído, alterações da postura e atraso para
        firm...
 Reflexo de Moro -
    quando a criança é
   colocada deitada de
   costas em uma mesa
     sobre a palma da
      mão de...
PREVENÇÃO
   Acompanhamento pré-natal
      regular e boa assistência ao
   recém-nascido na sala de parto
     diminuem ...
TRATAMENTO
        O tratamento em suas diferentes
       modalidades envolve profissionais de
      várias áreas e a fam...
Estimulação do
 Neurodesenvolvimento
Atividades Físicas
Treinamento nas
 Atividades de Vida Diária
Meios Alternativos ...
 O principal objetivo é estimular o
       desenvolvimento de padrões funcionais de
          movimento através de experi...
 Vários trabalhos demonstraram que um bom
        relacionamento afetivo pais-criança favorece o
         processo de des...
 Atividades físicas bem orientadas promovem o
    alongamento e o fortalecimento muscular, favorecem
      melhor desempe...
A ESPASTICIDADE
  Muitos profissionais que se dedicam à área da reabilitação
       consideram que o tratamento da espast...
O TRATAMENTO MEDICAMENTOSO

 Limita-se, em geral, ao uso de anticonvulsivantes,
         quando necessários e mais rarame...
PROGNÓSTICO
   A paralisia cerebral nem
   sempre causa incapacitação
      profunda. Ainda que
      crianças com parali...
EDUCAÇÃO
 Dependendo do potencial cognitivo, ou seja, da
  capacidade para aprender, uma criança com PC pode
  estar apta...
A criança/jovem com paralisia cerebral deve beneficiar de
     áreas que possibilitem e auxiliem o seu desenvolvimento,
  ...
ASPECTOS PSICOSSOCIAIS
 A impossibilidade para correr, jogar bola, e andar de bicicleta
  vai aos poucos dando à criança ...
 A melhora da criança com PC é lenta e demanda um
    constante equilíbrio dos familiares e dos profissionais, entre
    ...
REFERÊNCIAS
 http://www.sarah.br/paginas/doencas/po/p_01_paralis
  ia_cerebral.htm
 http://www.nacpc.org.br/paralisia_ca...
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Paralisia cerebral

15,595

Published on

Slide sobre a paralisia cerebral.

Published in: Health & Medicine
0 Comments
3 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
15,595
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
523
Comments
0
Likes
3
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Transcript of "Paralisia cerebral"

  1. 1. PARALISIA CEREBRAL
  2. 2. Alunos Jéssica Santana Fernanda Oliveira Sonival Teixeira Juciara Vitório Maria Marlene Milena Graciele Jeane Cazumbá Psicologia 1° Sem. 6/17/2010 copyright 2006 free template from 2 brainybetty.com
  3. 3. DEFINIÇÃO  O termo paralisia cerebral (PC) é usado para definir qualquer desordem caracterizada por alteração do movimento secundária a uma lesão não progressiva do cérebro em desenvolvimento.  Ocorrem durante o desenvolvimento fetal ou no momento próximo ao 6/17/2010 copyright 2006 free template from nascimento. 3 brainybetty.com
  4. 4. HISTÓRICO Em 1860 o DR. William Litlle descreveu pela primeira vez o que era paralisia cerebral e relacionou estas alterações com a hipóxia perinatal o dos traumas de parto como fatores determinantes de lesões cerebrais irreversíveis. A expressão paralisia cerebral foi praticamente cunhada por Freud em 1897, onde a expressão empregada foi paralisia cerebral infantil. 6/17/2010 copyright 2006 free template from 4 brainybetty.com
  5. 5. ETIOLOGIA • O desenvolvimento do cérebro tem início logo após a concepção e continua após o nascimento. Ocorrendo qualquer fator agressivo ao tecido cerebral antes, durante ou após o parto, as áreas mais atingidas terão a função prejudicada e dependendo da importância da agressão, certas alterações serão permanentes caracterizando uma lesão não progressiva. 6/17/2010 copyright 2006 free template from 5 brainybetty.com
  6. 6.  Dentre os fatores potencialmente determinantes de lesão cerebral irreversível, os mais comumente observados são infecções do sistema nervoso, hipóxia (falta de oxigênio) e traumas de crânio. O desenvolvimento anormal do cérebro pode também estar relacionado com uma desordem genética, e nestas circunstâncias, geralmente, observa-se outras alterações primárias além da cerebral. 6/17/2010 copyright 2006 free template from 6 brainybetty.com
  7. 7.  A etiologia da paralisia cerebral é multifatorial. Dividem-se os vários fatores em três grupos:  1- Pré-natais (durante gravidez)  Toxemia gravídica  Mal formações do sistema nervoso central  Distúrbios metabólicos graves (ex. diabetes)  Infecções  Anemias graves  Hipertensão arterial  2- Perinatais  Traumatismo no parto  Sofrimento fetal  Distúrbios circulatórios cerebrais  Nascimento prematuro  Recém nascidos de baixo peso 6/17/2010 copyright 2006 free template from 7 brainybetty.com
  8. 8. 3-Pós-natais Asfixia Traumatismos cranianos Infecções do sistema nervoso (ex. meningites) 6/17/2010 copyright 2006 free template from 8 brainybetty.com
  9. 9. TIPOS DE PARALISIA O tipo de alteração do movimento observado está relacionado com a localização da lesão no cérebro e a gravidade das alterações depende da extensão da lesão. A PC é classificada de acordo com a alteração de movimento que predomina. Formas mistas são também observadas. 6/17/2010 copyright 2006 free template from 9 brainybetty.com
  10. 10. TIPOS  Espástica - Quando a lesão está localizada na área responsável pelo início dos movimentos voluntários, trato piramidal, o tônus muscular é aumentado, isto é, os músculos são tensos e os reflexos tendinosos são exacerbados.  Atáxica – A paralisia cerebral atáxica está relacionada com lesões cerebelares ou das vias cerebelares. Como a função principal do cerebelo é controlar o equilíbrio e coodenar os movimentos  Com Movimentos Involuntários - Quando a lesão está localizada nas áreas que modificam ou regulam o movimento, trato extrapiramidal, a criança apresenta movimentos involuntários, movimentos que estão fora de seu controle e os movimentos voluntários estão prejudicados. 6/17/2010 copyright 2006 free template from 10 brainybetty.com
  11. 11.  Na PC, a forma espástica é a mais encontrada e freqüente em 75% dos casos. 6/17/2010 copyright 2006 free template from 11 brainybetty.com
  12. 12. PARTES DO CORPO AFETADAS  A Paralisia Cerebral atinge diversas regiões do cérebro.  Dependendo de onde ocorre a lesão e da quantidade de células atingidas, diferentes partes do corpo podem ser afetadas, alterando o tônus muscular, a postura e provocando dificuldades funcionais nos movimentos.  Pode gerar movimentos involuntários, alterações do equilíbrio, do caminhar, da fala, da visão, da audição, da expressão facial. Em casos mais graves pode haver comprometimento mental. 6/17/2010 copyright 2006 free template from 12 brainybetty.com
  13. 13. 6/17/2010 copyright 2006 free template from 13 brainybetty.com
  14. 14. 6/17/2010 copyright 2006 free template from 14 brainybetty.com
  15. 15. CARACTERÍSTICAS CLÍNICAS  As crianças com PC têm como principal característica o comprometimento motor, que influencia no seu desempenho funcional. A PC pode ser classificada por dois critérios: pelo tipo de disfunção motora presente, ou seja, o quadro clínico resultante, que inclui os tipos extrapiramidal ou discinético), atáxico, misto e espástico; e pela topografia dos prejuízos, ou seja, localização do corpo afetado, que inclui tetraplegia ou quadriplegia, monoplegia, paraplegia ou diplegia e hemiplegia. 6/17/2010 copyright 2006 free template from 15 brainybetty.com
  16. 16. DIAGNÓSTICO  Dificuldade de sucção, tônus muscular diminuído, alterações da postura e atraso para firmar a cabeça, sorrir e rolar são sinais precoces que chamam a atenção para a necessidade de avaliações mais detalhadas e acompanhamento neurológico. 6/17/2010 copyright 2006 free template from 16 brainybetty.com
  17. 17.  Reflexo de Moro - quando a criança é colocada deitada de costas em uma mesa sobre a palma da mão de quem a examina, a retirada brusca da mão causa um movimento súbito da região cervical. 6/17/2010 copyright 2006 free template from 17 brainybetty.com
  18. 18. PREVENÇÃO  Acompanhamento pré-natal regular e boa assistência ao recém-nascido na sala de parto diminuem a possibilidade de certas crianças desenvolverem lesão cerebral permanente. Por outro lado, muitas das crianças que superam situações críticas com a ajuda de recursos sofisticados das terapias intensivas neonatais modernas, principalmente os prematuros, sobrevivem, mas com seqüelas neurológicas. 6/17/2010 copyright 2006 free template from 18 brainybetty.com
  19. 19. TRATAMENTO  O tratamento em suas diferentes modalidades envolve profissionais de várias áreas e a família. A PC não tem cura, mas seus efeitos podem ser minimizados. O objetivo principal deve ser promover o maior grau de independência possível. 6/17/2010 copyright 2006 free template from 19 brainybetty.com
  20. 20. Estimulação do Neurodesenvolvimento Atividades Físicas Treinamento nas Atividades de Vida Diária Meios Alternativos de Comunicação e Locomoção Tratamento da Espasticidade Uso de órteses Cirurgias Ortopédicas 6/17/2010 copyright 2006 free template from 20 brainybetty.com
  21. 21.  O principal objetivo é estimular o desenvolvimento de padrões funcionais de movimento através de experiências neurosensoriais. A estimulação cognitiva deve ter início em conjunto com a motora. 6/17/2010 copyright 2006 free template from 21 brainybetty.com
  22. 22.  Vários trabalhos demonstraram que um bom relacionamento afetivo pais-criança favorece o processo de desenvolvimento. Além disso, os programas de estimulação desenvolvidos por pais comprovaram ser mais efetivos. Entretanto, problemas emocionais, falta de conhecimento sobre o real significado de uma lesão cerebral irreversível e programas inadequados dificultam uma participação positiva. 6/17/2010 copyright 2006 free template from 22 brainybetty.com
  23. 23.  Atividades físicas bem orientadas promovem o alongamento e o fortalecimento muscular, favorecem melhor desempenho motor e interferem de maneira positiva com relação ao desenvolvimento emocional e social.  Natação, dança, ginástica, futebol, equitação ou outras atividades esportivas são, indiscutivelmente, muito mais benéficas para determinado grupo de crianças do que tratamentos fisioterápicos realizados dentro de um hospital ou centro de reabilitação. 6/17/2010 copyright 2006 free template from 23 brainybetty.com
  24. 24. A ESPASTICIDADE  Muitos profissionais que se dedicam à área da reabilitação consideram que o tratamento da espasticidade pode amenizar as dificuldades de muitas crianças com PC. No entanto, nenhum dos recursos até então utilizados é perfeito. Muitas crianças podem melhorar em alguns aspectos, mas continuam com dificuldades para realizar o movimento. Muitos dos tratamentos, hoje disponíveis, estão ainda em nível de pesquisa. Isto porque, a real eficácia e os resultados a longo prazo não foram até o momento demonstrados. Isto faz com que certos tipos de abordagem permaneçam restritas a determinados grupos ou instituições que desenvolvem pesquisas na área médica. Além disso, outros fatores limitantes são o alto custo e principalmente os riscos de alguns meios de tratamento. 6/17/2010 copyright 2006 free template from 24 brainybetty.com
  25. 25. O TRATAMENTO MEDICAMENTOSO  Limita-se, em geral, ao uso de anticonvulsivantes, quando necessários e mais raramente medicamentos psiquiátricos para tentar o controle dos distúrbios afetivos-emocionais e da agitação psicomotora ligada à deficiência mental.  Os medicamentos mais utilizados no tratamento da espasticidade são o baclofen, o diazepam, o clonazepan, dantrolene, a clonidina, a tizanidina, a clopromazina e também a morfina. 6/17/2010 copyright 2006 free template from 25 brainybetty.com
  26. 26. PROGNÓSTICO  A paralisia cerebral nem sempre causa incapacitação profunda. Ainda que crianças com paralisa cerebral grave possam ser incapazes de andar e precisem de cuidado extensivo por toda a vida, outras com paralisia cerebral moderada podem ser apenas levemente desajeitadas e não precisam de assistência especial. 6/17/2010 copyright 2006 free template from 26 brainybetty.com
  27. 27. EDUCAÇÃO  Dependendo do potencial cognitivo, ou seja, da capacidade para aprender, uma criança com PC pode estar apta a freqüentar a escola regular em classe compatível com sua faixa etária.  Algumas crianças, apesar de mostrarem capacidade para aprender, necessitam ensino especial devido a distúrbios sensoriais. Algumas das instituições citadas possuem modalidades de atendimento especializado para crianças com deficiência visual ou auditiva. 6/17/2010 copyright 2006 free template from 27 brainybetty.com
  28. 28. A criança/jovem com paralisia cerebral deve beneficiar de áreas que possibilitem e auxiliem o seu desenvolvimento, tais como:  Terapia da Fala  Terapia Ocupacional  Psicomotricidade  Apoio Psicológico  Fisioterapia  Áreas de Expressão  Atividades Aquáticas  Massagens  Informática  Actividades da Vida Diária 6/17/2010 copyright 2006 free template from 28 brainybetty.com
  29. 29. ASPECTOS PSICOSSOCIAIS  A impossibilidade para correr, jogar bola, e andar de bicicleta vai aos poucos dando à criança a noção de "ser diferente". Na idade escolar, muitas delas já estão conscientes de suas dificuldades e poderão necessitar de ajuda para melhor lidarem com os sentimentos de tristeza ou as diversas perdas ocasionadas pela condição de "ser diferente". 6/17/2010 copyright 2006 free template from 29 brainybetty.com
  30. 30.  A melhora da criança com PC é lenta e demanda um constante equilíbrio dos familiares e dos profissionais, entre o que se quer e o que é possível, e cabe à equipe que trata da criança uma atitude de apoio aos familiares com o objetivo de fortalecê-los para que possam realizar os cuidados adequados.Este processo torna-se mais fácil quando pais e profissionais de saúde trabalham em busca dos mesmos objetivos. 6/17/2010 copyright 2006 free template from 30 brainybetty.com
  31. 31. REFERÊNCIAS  http://www.sarah.br/paginas/doencas/po/p_01_paralis ia_cerebral.htm  http://www.nacpc.org.br/paralisia_causas.htm  http://www.wgate.com.br/conteudo/medicinaesaude/f isioterapia/variedades/paralisia_cerebral.htm  http://adam.sertaoggi.com.br/encyclopedia/ency/articl e/000716.htm#  http://www.unifesp.br/dneuro/neurociencias/vol12_1/ paralisia_cerebral.htm 6/17/2010 copyright 2006 free template from 31 brainybetty.com
  1. A particular slide catching your eye?

    Clipping is a handy way to collect important slides you want to go back to later.

×