Your SlideShare is downloading. ×
Ciclo das rochas
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Ciclo das rochas

2,474

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
2,474
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
48
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. ARTIGOO Ciclo das Rochas na Natureza TERRÆ DIDATICA 5(1):50-62, 2009O Ciclo das Rochas na Natureza* Celso Dal Ré Carneiro Instituto de Geociências (Unicamp), Depto. de Geociências Aplicadas ao Ensino cedrec@ige.unicamp.br Pedro Wagner Gonçalves Instituto de Geociências (Unicamp), Depto. de Geociências Aplicadas ao Ensino pedrog@ige.unicamp.br Osvaldo R. Lopes Centro Universitário Moura Lacerda, Ribeirão Preto (SP). Mestre em Ensino e História de Ciências da Terra. geodeko@hotmail.com ABSTRACT THE ROCK CYCLE IN NATURE. Cyclical changes occur permanently on Earth, a dynamic planet where slow or fast changes affect all the materi- als from the surface to the core. Even rocks can not be considered eternal, because they are affected by varying degrees of recycling, as well as minerals and every object else found on Earth. The time scales of the changes are extremely variable, they can be extremely fast or extremely slow. The Rock Cycle belongs to the Tectonic Plates model; it is a complex network of processes, which control changes in the mineral kingdom. This article seeks to expose some fundamental aspects of this intricate chain of interactions, as the processes, the products and the natural environments where they occur. It is given attention to the fact that they take part of other natural cycles, and thus interfere in human life, too. Keywords Geology, Geosciences, teaching-learning, rock cycle, Geosciences teaching. RESUMO Mudanças cíclicas acontecem permanentemente na Terra, um planeta dinâmico onde os materiais, tanto da superfície como do interior, passam por transformações, lentas ou rápidas. Nem mesmo as rochas podem ser consideradas eternas,*Este artigo deve ser referido porque são afetadas por diversos graus de reciclagem, assim como todos os minerais que as como segue: constituem e os demais objetos encontrados na Terra. As escalas de tempo das mudanças Carneiro C. D. R., Gonçalves P. são extremamente variáveis. O Ciclo das Rochas é uma teia complexa de transformações W., Lopes O. R. 2009. O Ciclo da matéria, desde muito rápidas até extremamente lentas, que, em conjunto, no contexto das Rochas na Natureza. da Tectônica de Placas, determinam modificações no reino mineral. Buscando auxiliar o Terræ Didatica, 5(1):50- aprendizado de grande parte da Geologia, abordam-se os processos e produtos do ciclo e 62<http://www.ige.unicamp. br/terraedidatica/> os ambientes naturais em que ocorrem. Tais transformações participam dos demais ciclos naturais e, evidentemente, interferem na vida humana. Palavras-chave Geologia, Geociências, ensino-aprendizagem, Ciclo das Rochas, ensino de Geociências. 50
  • 2. TERRÆ DIDATICA 5(1):50-62, 2009 C. D. R. Carneiro, P. W. Gonçalves, O. R. LopesA Terra é azul... e muito ativa Esferas terrestres A Terra é azul! Para compreender melhor o que acontece no Ciclo das Rochas em nosso planeta, separamos os A exclamação acima é do cosmonauta soviético materiais terrestres e os processos típicos que osYuri A. Gagarin durante o primeiro vôo tripulado afetam em grandes domínios, chamados de esferasem órbita da Terra. Ele foi a primeira pessoa a ver terrestres. Diferentes autores oferecem distintaso planeta do espaço. Hoje, o convívio é natural classificações mas, em linhas gerais, existe certacom as inúmeras imagens diárias produzidas por congruência na grande maioria delas. A diferençasatélites, que nos apresentam detalhes cada vez é às vezes baseada em algum interesse particular demais impressionantes e magníficos. Poucas vezes um dado campo científico especializado. O pontopercebemos o significado dessa observação feita comum é que as definições partem do pressupostopela primeira vez há pouco mais de 40 anos. Que de que a Terra é um todo unificado: o que acon-mudança ocorreu quando o homem pôde ver a tece em uma esfera interfere em todas as demais.Terra toda? Embora o Ciclo das Rochas pertença ao contexto Foi uma mudança radical de perspectiva. da Tectônica de Placas, para facilidade de aborda- Até então, o homem somente observara a gem, faremos aqui um tratamento em separado,Terra a partir do chão, do alto de montanhas ou, para enfatizar a atuação de processos, na interaçãona melhor hipótese, em aviões. São alternativas, entre as várias esferas terrestres:sem dúvida, muito distantes da escala de obser- Atmosfera: engloba os gases que compõemvação feita por Gagarin. Passou-se do acesso a os materiais terrestres. Dentre os processos queobservações fragmentadas de aspectos físicos do acontecem na atmosfera, destaca-se a função deplaneta, como cordilheiras de montanhas ou del- distribuir a energia solar e a umidade em toda atas de grandes rios, como Amazonas e Mississipi, superfície.para a visão de conjunto dos componentes de Hidrosfera: envolve toda a água do planetaum complexo e integrado sistema. Os modernos e os fenômenos relacionados à circulação desseaparatos de observação permitiram concluir que fluido pelos continentes e oceanos, tanto na for-as esferas materiais da Terra participam, em graus ma líquida quanto gasosa (vapor) ou sólida. Nestevariáveis, de múltiplas interações, que envolvem caso costuma-se usar o nome criosfera para a esferaa atmosfera, hidrosfera, geosfera (crosta, manto congelada.e núcleo) e biosfera. O sistema evolui em con- Geosfera: é o nome dado a toda a parte só-junto no decorrer de uma história muito longa, lida da Terra, formada por camadas de distintao Tempo Geológico, que possui 4,5 bilhões de composição material, como a crosta, o manto eanos. Nos últimos milhares de anos, um novo o núcleo, ou camadas cujo comportamento me-personagem, muito ativo, veio se somar aos cânico obedece a certos padrões, como a litosferaparticipantes da evolução do planeta: a esfera e a astenosfera. Na geosfera é possível encontrarhumana ou social. registros das principais mudanças ambientais que A imagem de um planeta composto por terras ocorreram e ocorrem na Terra (Fig.1).emersas (continentes) separadas por oceanos e Crosta: é a camada externa da geosfera cujamares tornou-se insuficiente para interpretar a composição a distingue do manto e núcleo, masrealidade, de modo que devemos, hoje, “olhar” seu comportamento mecânico permite considerá-a Terra como um sistema integrado. Análises la parte da litosfera.baseadas na longa história geológica do planeta Litosfera: é o envoltório sólido rochoso ex-tornaram-se imprescindíveis para entender a terno do planeta. Inclui a crosta (continental ecomplexidade e as interações dos processos na- oceânica) e a parte mais externa do manto superior.turais e humanos e antever suas possíveis con- Os processos e transformações na litosfera ocor-sequências. O Ciclo das Rochas faz parte desse rem lentamente, permitindo que funcione comocontexto dinâmico cujo estudo permite até mes- um campo transitório, geologicamente falando,mo fazer previsões de acontecimentos futuros onde interagem os fenômenos da superfície e docom a agricultura, o solo, o clima, os oceanos, e interior do planeta.a disponibilidade de recursos minerais. Manto e núcleo: são as esferas rochosas in- 51
  • 3. O Ciclo das Rochas na Natureza TERRÆ DIDATICA 5(1):50-62, 2009 Uma história de mudanças geológicas e ambientais A Terra, ao contrário do que muitos pensaram antes do advento da Geologia, é um planeta geo- logicamente ativo e em constante transformação; trocas de matéria e energia mudam os limites entre as esferas terrestres, sua composição e suas características. A moderna Tectônica Global busca analisar o comportamento dinâmico da Terra em conjunto com processos inter-relacionados, como o magmatismo e o vulcanismo, a sedimentação, o metamorfismo, os abalos sísmicos (terremotos) e a formação de recursos minerais. Os limites dos continentes modificam-se em dezenas de milhões de anos, e as placas se movimentam gradualmente, movidas pelo calor interno. Em paralelo, os agentes externos, movidos pela força da gravidade e pelo ca- lor do Sol, reduzem a amplitude do relevo à medida que mecanismos climáticos causam transformações mecânicas e químicas, traduzidas nos processos deFigura 1 – Estrutura interna da Terra, com indicação intemperismo, que formam novos minerais e de- das camadas crosta, manto e núcleo (externo e sagregam rochas, e de erosão e sedimentação, que interno). Observar que a crosta distingue-se do esculpem e moldam novas formas de relevo. manto; a parte mais externa deste, em conjunto com a crosta, compõe a litosfera Os processos que fazem parte do Ciclo das Rochas são interconectados. Materiais deslocados, como as rochas, os sedimentos e os solos, são os produtos do ciclo. Cada etapa cumprida pode sig-ternas. Embora sejam inacessíveis à observação nificar o ponto de partida de outra. O conjunto,direta pelo homem, sabe-se que são responsáveis inesgotável, faz parte de outros ciclos ainda maispor muitos fenômenos observados na superfície, vastos, como o ciclo de formação e evolução decomo o magnetismo terrestre ou a contínua emis- continentes e montanhas. Uma maneira talvezsão de calor, desde o interior quente. mais eficaz de propor uma subdivisão didática que Biosfera: compreende todos os organismos facilite o entendimento do ciclo é precisamente avivos, dos reinos animal, vegetal, protista, bacteria ideia de processos e produtos.e fungi. Podemos subdividir a matéria viva, devido A história do desenvolvimento da modernaàs formas peculiares de organização material, em Geologia pode ser iluminada pelas conclusões dodois grandes domínios – a biosfera e a esfera social naturalista britânico James Hutton (1726-1797).–, que se mantêm intimamente relacionadas. Ele desenvolveu um modo peculiar de reconhe- Antroposfera ou noosfera: a esfera social é cer, sistematizar e interpretar muitas marcas dei-formada pelas sociedades humanas e os processos xadas por acontecimentos passados, registradossuperficiais que promovem. A ideia de interação em rochas e outros materiais. Para alguns de seusno âmbito de Sistema Terra exige abordar a noos- contemporâneos, ele fora capaz de “conversar comfera integrada com as demais esferas, de modo a se as rochas”.visualizar a Terra como resultado de mútuas intera- Hutton observou muitos vestígios marinhosções. Enquanto a biosfera se transforma mediante espalhados pelos planaltos escoceses. Na época,mecanismos explicados pela teoria da evolução, a essas marcas eram explicadas por significativoesfera social – da qual fazemos parte – modifica-se rebaixamento do nível do mar. Neste momentosobretudo por meio de instrumentos culturais e ele se perguntou: para onde teria ido tanta água?que podem ser explicados pela economia, política Como não obteve resposta, supôs que o continentee formas de organização social. tivesse sido levantado e os depósitos acumulados 52
  • 4. TERRÆ DIDATICA 5(1):50-62, 2009 C. D. R. Carneiro, P. W. Gonçalves, O. R. Lopesmuito tempo atrás no fundo mar foram soergui- foram desgastados. Uma boa ideia, cuja veracidadedos centenas de metros acima de onde teriam sido precisaria ser provada...formados. Fôra igualmente mais atento do que Quando Hutton visitou o vale do rio Jed, emseus contemporâneos em valorizar a erosão e os 1787, na Escócia, observou uma sequência de ro-mecanismos de rebaixamento do relevo, que se- chas cujas camadas não estavam depositadas hori-riam responsáveis pela acumulação de materiais zontalmente e umas em cima das outras, como erano fundo dos oceanos, ao lado dos continentes comum. Não eram sequer paralelas entre si, porquepara, longo tempo depois, serem empurrados para exibiam uma descontinuidade (termo usado maiscima e formar novos continentes. Seu engenhoso tarde, depois da morte de Hutton). Na falta de umaesquema cíclico de destruição e construção de explicação adequada, Hutton expôs uma ideia bas-continentes foi a pedra de toque explorada até hoje tante original: as camadas inferiores, depositadas noem modelos muito mais complexos e detalhados. fundo do mar, foram com o tempo compactadas,Na época, Hutton não podia responder a uma dobradas e elevadas; com a fragmentação e erosão,pergunta-chave: quais seriam os mecanismos que as bordas verticais foram expostas e a ação contínuamovem o ciclo de destruição e construção de rochas do processo retirou e transportou muito material;e continentes? Hoje, supomos que a Tectônica de o nível topográfico dessas camadas rochosas foiPlacas organiza uma sequência satisfatória de mui- ficando cada vez mais baixo até que novos sedi-tos eventos particulares que ocorrem em diferentes mentos devem ter sido depositados e consolidados,escalas de tempo e de espaço. sem serem dobrados. Por fim, deve ter havido uma James Hutton encontrou um modo seguro segunda elevação do lugar.de identificar ciclos e processos na longa história Hutton concluiu que no vale do rio Jed (Fig. 2)geológica do nosso planeta: determinadas feições há provas de que os processos naturais se repetemgeológicas oferecem as “pistas” necessárias para em ciclos, ao longo de muito tempo. A região fôrao reconhecimento de fenômenos e contar uma o fundo de um oceano onde se acumularam sedi-história do que aconteceu de modo similar ao que mentos, posteriormente deformados no interiorfazem historiadores diante de medalhas, moedas, da Terra. A elevação, desgaste e erosão das rochasurnas funerárias, etc., para relatar a história da formou gradativamente um novo local de deposiçãoAntiguidade. de sedimentos. As mudanças no ambiente percebi- Hutton concebeu uma resposta bastante ori- das por Hutton fazem parte de uma cadeia cíclicaginal, envolvendo o calor interno da Terra que de eventos cuja duração é da ordem de centenas deseria capaz de levantar continentes e consolidar milhões de anos. Hutton comprovou transforma-as rochas, as quais, por sua vez, formariam novos ções do passado do planeta mediante a leitura dassolos e novas superfícies, sujeitas a intemperismo e marcas impressas nas rochas. Foi como se tivesseerosão. Os detritos por sua vez seriam recarregados descoberto uma “máquina do tempo” para o passa-para o fundo dos oceanos, onde se transformariam do longínquo da história da Terra, dando um passoem novas rochas. Ao desenvolver a ideia de machi- importante para desvendar processos relacionadosna mundi, James Hutton percebeu, por exemplo, às forças internas da Terra. Apenas no século XIXque muitas mudanças na Terra são imperceptíveis as ideias de Hutton foram popularizadas, quando opara nós, porque ocorrem de modo muito lento: escocês Charles Lyell (1797-1875) publicou o livrocálculos aproximados do volume de sedimentos Principles of Geology em 1830.transportados pelos rios para o fundo dos oceanos O reconhecimento de vários ciclos de destrui-indicam quantidades imensas, mas só foram feitos ção e construção de continentes, em um mesmono século XX. No assoalho marinho os detritos local, indicavam que o tempo da natureza era muitosão acumulados e compactados para se transfor- longo. Muitos contemporâneos acreditavam que amar mais tarde em rochas consolidadas. Muitas história da Terra possuía poucos milhares de anos.coisas estão se modificando: os minerais das rochas Isso era absolutamente incoerente com as des-estão se renovando; solos são levados pela erosão, cobertas de Hutton. Lyell avançou os estudos detransformando-se em sedimentos, e outros estão se Hutton e detalhou algo que havia sido desconside-formando. No ciclo da natureza a água removeria rado: o conteúdo de fósseis presentes nas camadasmateriais para o fundo do mar e o calor levantaria terrestres (as marcas de seres vivos do passado quenovos continentes para ocupar o lugar daqueles que ficaram registradas nas rochas). 53
  • 5. O Ciclo das Rochas na Natureza TERRÆ DIDATICA 5(1):50-62, 2009 do comportamento dinâmico do planeta, reunindo em suas explanações o conjunto dos processos de magmatismo, sedimentação, metamorfismo e de deformação de rochas no interior da crosta, que são os principais causadores das atividades sísmicas e terremotos... A paisagem da Terra muda ao longo de cen- tenas, milhares ou milhões de anos. Além de não observarmos diretamente os processos, pode ser que a semelhança entre a nova paisagem e a an- terior dificulte a comparação, fazendo-nos pensarFigura 2 – Representação artística da discordância que nada mudou. observada por Hutton no vale do rio Jed, perto de Edimburgo (Fonte URL: http://www.dukelabs.com/ A primeira dificuldade decorre das diferenças Abstracts and Papers/1CManual0209.htm) entre as escalas dos fenômenos e de observação feita pelo homem. Cuidemos, pois, das escalas de tempo dos processos naturais. A sequência faunística conhecida no final doséculo XVIII revelava a existência de animais pre-téritos muito diferentes dos atuais. Os seres vivos Tempo Geológicoacham-se classificados segundo suas característicase por meio de semelhanças e diferenças com outros A mensuração do Tempo Geológico era umseres vivos; todos aqueles animais não poderiam grande problema que opôs Hutton a seus contem-pertencer a um único quadro taxionômico. Isso porâneos, ao longo de um debate que se estendeuindicava a necessidade de terem existido em épocas pelo século XIX. Hutton e sucessores propuseramdiferentes. Em um só tempo, as camadas rochosas que a Terra devesse ser mais antiga do que se imagi-poderiam ser reconhecidas e organizadas e o tempo nava, mas não havia um método seguro para avaliarprecisava necessariamente ser muito mais longo quanto tempo seria esse. Mesmo o conhecimentodo que se imaginava, o tempo da Terra deveria ter das mudanças na vida, observadas por meio dosmilhões de anos. fósseis, não trazia informes quantitativos sobre a O famoso livro de Charles Lyell trouxe abun- formação das camadas. Somente a descoberta dadante informação sobre os fósseis e permitiu or- radioatividade no final do século XIX e sua aplica-denar de forma convincente o Tempo Geológico ção para avaliar a idade das rochas forneceu indíciosem eras. Isso foi decisivo para popularizar entre os de quanto dura cada era geológica.naturalistas a ideia de que a história da Terra era Para compreendermos a dinâmica do planeta,muito longa – como Hutton imaginara. a concepção de Tempo Geológico é essencial, pois A evolução vertiginosa do conhecimento geo- a duração do conjunto de processos e fenôme-lógico desde os tempos de Hutton e Lyell, nesses nos terrestres exerce papel decisivo nos ciclos depouco mais de duzentos anos, permitiu a cons- transformação do Sistema Terra. Qualquer feiçãotrução de uma teoria mais geral sobre a dinâmica geológica ou rocha representa uma série de even-da Terra, denominada Tectônica Global. Desde o tos naturais que estão situados em um intervaloreconhecimento, nos anos 1960, de que a superfície de tempo específico da história geológica da Terra.da Terra acha-se dividida em placas litosféricas que Para facilitar nosso estudo, utilizaremos uma clas-se movimentam segundo certos padrões (ver “O sificação simplificada em ciclos e processos, quemovimento das Terras” em Ciência Hoje número permite que esses eventos sejam comparados con-30). No Brasil, existem muitas comprovações des- forme as sequências de intervalos de tempo (Costases movimentos (Ver “O Sertão Já Virou Mar” em e Inda 1992). A classificação é arbitrária e artificial,Ciência Hoje número 122, “Vulcões no Brasil” em porque um processo que aparece em uma catego-Ciência Hoje número 62 e “Participação do Brasil ria pode estar necessariamente incluído na outra.na grande revolução das Geociências”, em Terrae Processos e ciclos interagem uns com os outros deDidatica, volume 1). modo complexo. Por outro lado, a classificação tem A Tectônica Global oferece visão integradora a vantagem de revelar processos que observamos 54
  • 6. TERRÆ DIDATICA 5(1):50-62, 2009 C. D. R. Carneiro, P. W. Gonçalves, O. R. Lopesdiretamente ou temos notícia pelos jornais e canais e inundações com depósitos de inunditos [sedi-de TV daqueles difíceis de reconhecer. De fato, mentos ligados a inundações] e escorregamentos;os processos e ciclos mais lentos são identificados cataclismas vulcânicos e depósitos de tufos e piro-somente por meio de evidências indiretas, já vez clastos inconsolidados; depósitos tecnogênicos eque não temos acesso à observação direta da longa modificações do meio ambiente pela esfera antró-cadeia de fenômenos envolvidos. pica (incêndios, desmatamentos, poluição do ar e Ciclos de duração extremamente longa, águas superficiais etc.).medidos em dezenas de milhões a bilhões de anos Períodos excessivamente curtos, medidospassados. Processos evolutivos da crosta, manto e em segundos, minutos e horas. Tempestades enúcleo da Terra; formação de continentes, ilhas e furacões, terremotos e tsunamis; correntes deáreas oceânicas; deriva continental; formação de turbidez; cataclismas vulcânicos; deslizamentos ecadeias montanhosas devido a colisões entre placas; avalanches; impacto de meteoritos; catástrofes emerosão e aplainamento das cadeias de montanhas; geral; depósitos tecnogênicos e modificações dotransgressões e regressões em escala continental; fa- meio ambiente pela esfera antrópica (incêndios,ses orogenéticas (formação de montanhas ou terras poluição sonora etc.).emersas) e metalogenéticas (formação de recursosminerais); surgimento da vida e criação da atmos-fera, estratosfera etc.; evolução das espécies etc. Modelo esquemático Ciclos de duração longa, medidos em váriasdezenas, em centenas de milhares até alguns mi- O Ciclo das Rochas (Fig. 3) constitui um modolhões de anos. Ciclos climáticos globais de longa sintético de representar as inúmeras possibilidadesduração; oscilações climáticas entre eras glaciais e pelas quais, ao longo do Tempo Geológico, um tipointerglaciais no sistema terrestre; desenvolvimento de rocha pode transformar-se em outro. Podemosde solos muito espessos; variações no sistema de considerá-lo um conjunto de processos permanentescorrentes oceânicas profundas; intemperismo quí- de reciclagem, uma vez que a quantidade de matériamico extensivo; evolução das espécies; mudança do planeta é a mesma há milhões de anos. Pensemosno sentido de movimento das placas tectônicas; em alguns átomos de carbono: em milhões de anos,flutuações eustáticas (do nível do mar em relação eles já podem ter feito parte de vários ciclos (do ar,às terras emersas) com amplitudes acima de 100 m; da água, das rochas, dos seres vivos). Seguindo essevariações de excentricidade da órbita da Terra; in- raciocínio, podemos imaginar que os próprios áto-versão do campo magnético. mos que compõem o nosso corpo já foram muitas Processos de duração média, medidos em outras coisas, inclusive estrelas e rochas.séculos a poucos milhares de anos. Variações climá- Na figura 4 o esquema foi simplificado porticas globais; formação de planícies de inundação; Lopes (2007), a partir da figura 3, para elaboraçãovariações da linha de costa; assoreamento de lagos; de um jogo didático. A estrutura do jogo (Lopes eformação de solos de 0,5 a 2,0 m de espessura; pre- Carneiro 2009) permite dois níveis de dificuldade,cessão e variações na inclinação do eixo da Terra; sendo direcionado para alunos de ensino superiordepósitos tecnogênicos (lixo, esgotos, efluentes em disciplinas de Geologia Introdutória. Na resolu-industriais e rejeitos em geral, etc.) e modificações ção do problema, os participantes competem entredo meio ambiente pela esfera antrópica. si, em grupos pequenos. O problema prático a ser Processos de duração curta, medidos em resolvido pelos jogadores é construir o modelo doano, vários anos e décadas. Formação da camada de Ciclo das Rochas, pelo gradual preenchimento dohúmus do solo; variações climáticas sazonais; varia- diagrama. O jogo envolve os seguintes elementos:ção da calota polar; crescimento anual dos animais e tabuleiro, cartas geológicas, cartas-dicas e um dadovegetais; depósitos tecnogênicos e modificações do comum de seis faces.meio ambiente pelo homem (poluição do ar e daságuas superficiais e subterrâneas); subsidências. Processos de duração muito curta, me- Reciclagem permanentedidos em meios-dias, dias e semanas. Ciclo dasmarés e depósitos correlatos; variação diurna de As rochas são uma espécie de memória ina-temperatura devido à rotação da Terra; tempestades nimada do planeta, porque guardam registros das 55
  • 7. O Ciclo das Rochas na Natureza TERRÆ DIDATICA 5(1):50-62, 2009Figura 3 – Esquema de Ciclo das Rochas (Modif. de URL: http://rst.gsfc.nasa.gov/Sect2/rock_cycle_800x609.jpg)alterações e dos fenômenos ocorridos ao longo da removida pela ação da erosão, muitas vezes em lo-história geológica. Por meio das rochas podemos cais que há muito tempo deixaram de ser desertos,deduzir as condições atuantes no Sistema Terra na como é o caso dos campos de dunas dos arenitosépoca em que foram geradas. Tomemos um exem- Botucatu, que hoje encerram reservas subterrâneasplo: areias de deserto são muito particulares. Seus importantíssimas de água doce na América do Sul,grãos bem arredondados e foscos de tanto colidir o chamado Aquífero Guarani (Fig. 5). Os tipos deuns com os outros acabam acumulados em dunas. rochas, seus arranjos particulares e sua composiçãoDessa maneira, podemos reconhecer como os cli- revelam o ambiente desértico do passado.mas do passado foram muito distintos do que os do Para explicar como funciona o Ciclo das Rochaspresente. Em vastas regiões do Estado de São Paulo (Fig. 3) podemos começar pelo intemperismo, o pro-os climas foram quentes e secos há cerca de 100 mi- cesso de transformação ou modificação das rochaslhões de anos atrás. Como sabemos isso? Desertos quando expostas à atmosfera e à hidrosfera.existentes no passado deixaram esses vestígios. A Alguns fatores determinam, ao longo do tempo,relação entre areia e rocha (arenito), no caso de um o tipo e a intensidade do intemperismo, a saber: oantigo deserto, pode ser estabelecida estudando-se clima, devido ao calor do Sol e à umidade das in-os processos, como os mecanismos de soterramento tempéries (que por sinal lhe emprestam o nome),e compressão causados pelo peso das camadas que o crescimento de organismos (fauna e flora), e osse depositaram acima da areia, ou de fluidos que acidentes de relevo, devido à infiltração e drena-cimentaram seus espaços vazios, até fazer com gem da água ou sua movimentação superficial, queque ela se transformasse em rocha. Muito tempo pode ser mais ou menos rápida, dependendo da in-depois, a rocha pode aflorar ou ter sua cobertura clinação das encostas. O último fator essencial a ser 56
  • 8. TERRÆ DIDATICA 5(1):50-62, 2009 C. D. R. Carneiro, P. W. Gonçalves, O. R. Lopes Erosão/ Intemperismo Rochas ígneas Transporte extrusivas Sedimentos Soerguimento Vulcanismo/ e Exposição Consolidação Deposição e Diagênese Rochas sedimentares Intrusão/ Cristalização Metamorfismo Rochas MAGMA metamórficas FUSÃOFigura 4 – Representação esquemática do Ciclo das RochasFigura 5 – Indicação da área aproximada ocupada pelo paleodeserto Botucatu. 1 – Rochas mais antigas (embasamento); 2 – Cobertura sedimentar de diversas idades; 3 – Cadeia Andina; 4 – Camadas sedimentares do paleodeserto (Modif. de Carneiro 2007) 57
  • 9. O Ciclo das Rochas na Natureza TERRÆ DIDATICA 5(1):50-62, 2009considerado é o tempo, pois quanto mais longo o fera como um dos principais gases-estufa. Quantotempo que a rocha fica exposta a esses agentes, mais maior a quantidade de húmus, menor o risco deintensas e profundas serão as transformações. aquecimento global (Warshall 2000, p. 193). O calor, a umidade, os organismos e o relevo A cadeia de processos de intemperismo podedeterminam o grau de atuação de cada um dos três atuar sobre qualquer rocha (ígnea, metamórfica,processos básicos de intemperismo: físico, químico sedimentar) exposta à superfície da Terra. O intem-e biológico. O intemperismo físico, ou desagrega- perismo faz com que as rochas percam a coesão,ção, altera o tamanho ou a forma dos minerais sem fator que facilita o papel da erosão em promovermudar radicalmente a composição mineralógica. desgaste desses materiais e seu transporte. Ao se-Denominamos intemperismo químico, ou decom- rem deslocadas, as partículas recebem o nome deposição, toda ação que altera a composição química sedimentos. Estes são transportados e depositadosda rocha, transformando os minerais primários da em depressões do relevo ou levados até o fundorocha em minerais secundários. A ação dos seres do mar (como James Hutton havia corretamentevivos contribui para acentuar o intemperismo físico avaliado). O principal agente de erosão são os riosou químico, tanto mecânica quanto quimicamente, e córregos que denudam os continentes. Na super-por meio de substâncias produzidas pelos organis- fície da Terra o processo de erosão tem início pelosmos, ou geradas a partir de sua decomposição. De chamados movimentos de massa, que são desloca-uma região para outra da Terra, dependendo das mentos de grandes volumes de materiais pelo efeitocondições climáticas, de distribuição da vida e das gravitacional, em direção à base das encostas. Outroformas de relevo, acima citadas, há predomínio tipo de deslocamento muito comum ao longo dasde modificações físicas, químicas ou bioquímicas. encostas são os movimentos de partículas isoladas, A rocha, quando passa por processos intempéri- levadas pela água da chuva e pelas enxurradas. Oscos, forma camadas de materiais desagregados onde rios constroem canais, que podem ter tamanhosse formam os solos, processo que recebe o nome grandes ou pequenos, dependendo da inclinaçãode pedogênese. O material solto torna possível do trecho de encosta e do volume de água dispo-desenvolver-se a vida de plantas e pequenos animais nível. Ao longo desses canais os rios movimentamque por sua vez contribuem para a decomposição, sedimentos, muitas vezes com grande turbulência.ao formar o húmus. A moderna preocupação com Rios com grande volume de água e alta declivi-uma Terra sustentável levou as Geociências a migrar dade possuem grande capacidade de transporte edo conceito de solos como “materiais inertes e in- movimentam partículas sedimentares de todos osconsolidados” utilizados na engenharia para a ideia tamanhos. Nos trechos onde a declividade se reduz,dinâmica dos solos como a pele viva do planeta, ou a velocidade das águas se reduz também. Mesmopedosfera. Essa visão, mais próxima da dos ecologistas que o volume de água seja grande, a competência do(Warshall 2000), reúne ainda os pontos-de-vista da fluxo diminui, e determinadas partículas de maiorfertilidade, resistência à erosão e suporte físico, tão tamanho acabam sendo depositadas. A capacidadeimportantes para uma agricultura sustentável. Nes- de transporte de muitos rios pode ser extrema-sa concepção focalizam-se os quatro componentes mente grande, como é o caso do Amazonas, quedo solo: (a) materiais inorgânicos resultantes do leva até o mar grandes volumes de argilas, siltes eintemperismo dos minerais; (b) gases procedentes areias todos os anos.da atmosfera e da atividade química e biológica no O gelo é outro agente de erosão que promovesolo; (c) líquidos na forma de soluções que partici- desgaste nas rochas pela chamada erosão glacial.pam de todos os processos; (d) materiais orgânicos Nas montanhas cobertas pela neve, quando a caparepresentados por seres vivos e matéria orgânica é muito espessa, a geleira se move para baixo,morta. Com efeito, além da matéria orgânica, cuja removendo todo o material mole (solos ou sedi-presença pode ser extremamente variável, devemos mentos) do caminho. Esses seixos e pedaços delevar em conta os gases e líquidos que compõem o rochas riscam a superfície das rochas resistentessolo, essenciais para a sustentação da vida. O húmus abaixo da geleira, que faz, portanto, uma autênticanos solos, além de representar nutrientes armaze- “raspagem” superficial (Ver “Geleiras no Brasil enados de modo seguro para sustentar a vida, são os parques naturais de Salto e Itu” em Ciência Hojetambém um modo de reter carbono na forma de número 112). O poder destrutivo do gelo não podemoléculas complexas, e evitar seu retorno à atmos- ser comparado a qualquer outro agente superficial, 58
  • 10. TERRÆ DIDATICA 5(1):50-62, 2009 C. D. R. Carneiro, P. W. Gonçalves, O. R. Lopescomo no caso das avalanches de neve, um tipo de As rochas sedimentares são formadas pela de-erosão glacial extremamente rápida, em que a neve posição e diagênese de sedimentos provenientes dedespenca do alto das montanhas, retira o material outras rochas ou de materiais de origem biogêni-das encostas e destrói tudo que ficar no caminho. ca, ou ainda da precipitação química de minerais.Por outro lado, na maior parte da história da Ter- Rochas sedimentares como calcários e diatomitosra os registros indicam que as áreas cobertas por são formados por processos químicos/bioquímicos.geleiras são muito restritas (como se observa no Além das rochas sedimentares, existem dois outrospresente). grandes grupos de rochas: as rochas ígneas, ou O vento, por sua vez, é capaz de selecionar magmáticas, e as metamórficas. A distinção entrecuidadosamente os sedimentos e ao mesmo tempo elas é feita de acordo com os processos geradores.remover partes menos resistentes da superfície das Entretanto, há variações nas condições de formaçãorochas. Sua ação, concentrada sobretudo nos deser- das rochas com mesma origem genética, resultan-tos e em zonas litorâneas, onde as velocidades dos do em diversos tipos de rochas em cada grupo. Asventos são maiores e o fluxo é relativamente con- principais características distintivas entre os trêstínuo, consegue nivelar a superfície das encostas e grupos de rochas são mostradas no quadro 1.formar dunas e outras feições muito características Quando as placas litosféricas se movimentam(Ver “Botucatu: o grande deserto brasileiro” em durante o Tempo Geológico, as rochas sedimen-Ciência Hoje número 143). tares (assim como outras rochas metamórficas A sedimentação é o processo de acumulação e ígneas) podem ser levadas a ambientes muitodos sedimentos em depressões, chamadas bacias diferentes daqueles sob os quais se formaram.sedimentares, onde, dependendo das condições Qualquer rocha submetida à ação de altas pressõese da profundidade a que os sedimentos são sub- e temperaturas, além da percolação de fluidos, passametidos, o peso dos sedimentos acumulados e a por transformações dos minerais que as consti-movimentação de fluidos provocam compactação tuem, além de modificar sua estrutura, tornando-e cimentação dos materiais. A transformação de se orientadas. Essas propriedades definem umaum sedimento em rocha sedimentar é chamada rocha metamórfica. Rochas sedimentares, enter-diagênese. radas a profundidades suficientes e submetidas aoQuadro 1 – Características dos principais tipos de rochas (Carneiro et al. 2003) MAGMÁTICAS SEDIMENTARES METAMÓRFICAS 1. Aspecto maciço ou compacto 1. Geralmente friáveis e riscáveis 1. Aspecto foliado ou maciço com o canivete. Aspecto maciço ou em camadas 2. Grãos imbricados, sem deixar 2. Grãos não-imbricados, 2. Grãos imbricados ou firme- poros (exceto em algumas ro- apresentando poros ou cimento. mente justapostos chas vítreas, vulcânicas, como Fragmentado (alguns casos pedra-pomes) maciço) 3. Constituintes com formas ir- 3. Constituintes com formas 3. Constituintes com formas regulares ou geométricas devido arredondadas ou ovaladas. geométricas ou irregulares. à cristalização. Nunca mecanica- Por vezes angulosos (pedaços Raramente arredondados mente arredondados quebrados). Raramente com formas geométricas 4. Distribuição espalhada e ho- 4. Distribuição espalhada e 4. Distribuição dos compo- mogênea; ausência de camadas homogênea dos grãos. Comum nentes em bandas. Por vezes ou estratos camadas, estratificação e fósseis dobradas 5. Ausência de orientação ou 5. Grãos não-orientados 5. Frequentemente há orien- foliação dos grãos tação dos componentes, com foliação da rocha 59
  • 11. O Ciclo das Rochas na Natureza TERRÆ DIDATICA 5(1):50-62, 2009calor interno da Terra e a pressões dirigidas, terá fundido, de alta temperatura, em torno de 700 acomo consequência a reorientação dos minerais, 1200o C, proveniente do interior da Terra, resul-no processo denominado metamorfismo. As rochas tante do aquecimento e fusão das rochas sob altasmetamórficas são formadas por transformações na temperaturas e em determinadas condições e locaismineralogia, química e estrutura de rochas já exis- da litosfera ou astenosfera. Muitas vezes o magmatentes, devido a mudanças nos parâmetros físicos carrega consigo metais valiosos e, portanto, jazidas(pressão e temperatura principalmente) e químicos de vários metais como ouro, platina, cobre e esta-diferentes das condições diagenéticas. As rochas re- nho podem associar-se a corpos de rochas ígneas.sultantes do processo de metamorfismo dependem As rochas ígneas têm sua origem no resfriamen-do tipo de rocha e sua composição mineralógica, to do magma, nas quais o tamanho dos cristais ge-e as principais transformações são a recristalização ralmente é proporcional ao tempo de resfriamentode minerais e, ou, formação de novos minerais e do magma: quanto mais lenta a cristalização de umdeformações na estrutura das rochas (dobras, fo- magma, maiores os tamanhos dos cristais forma-liação, lineação etc.). dos. Existem três tipos de rochas ígneas: plutônicas Durante a deposição, diagênese e metamorfis- ou intrusivas, subvulcânicas ou intrusivas rasas emo progressivo de um sedimento argiloso (tama- vulcânicas ou extrusivas. O magma pode migrarnho do grão menor que 0,002 mm), ele passa por dos locais onde se originou para regiões da crostauma série de etapas. As rochas envolvidas nessas terrestre onde a pressão seja menor, alojando-setransformações permanecem no estado sólido, e como intrusão magmática. Uma intrusão podepodem formar rochas sedimentares, como o argilito variar em tamanho e forma; quando atinge gran-ou folhelho, ou podem dar origem a rochas meta- des proporções constitui uma câmara magmática.mórficas, como a ardósia, filito, xisto e gnaisse. Se as Nessas condições o resfriamento lento do magmacondições de metamorfismo forem muito intensas, favorece o processo de cristalização dos minerais,as rochas podem se fundir, parcial ou totalmente, e dando origem a rochas ígneas plutônicas como osgerar magmas. Estes, ao se solidificar, darão origem granitos.a novas rochas ígneas. Somente rochas que tenham As rochas ígneas vulcânicas, também conheci-atingido alta temperatura, equivalente à dos gnais- das como efusivas, se formam quando a migraçãoses, poderiam atingir condições extremas capazes do magma alcança a superfície da Terra, por proces-de realizar a fusão parcial ou total do material. O sos associados ao tipo de vulcanismo atuante. Nosmagma assim formado, se for resfriado lentamente, vulcões, o magma, que agora pode ser chamado dedará origem a uma rocha plutônica; caso contrário, lava, atinge a superfície da crosta e se resfria rápidose for extravasado na superfície da Terra, formará ao entrar em contato com a temperatura ambiente,uma rocha vulcânica. com a consequente consolidação das rochas. Os Raríssimas vezes, sob condições naturais, um basaltos são as rochas vulcânicas mais comuns.sedimento pode ser transformado, repentinamen- Devido à solidificação praticamente instantâneate, em material fundido. Quando há impactos de (consolidação), não há tempo para os cristais secorpos celestes de grande porte, nas proximidades desenvolverem, sendo muito pequenos, invisíveisda área impactada pode haver fusão instantânea de a olho nu (<<1 mm). Para situações em que orochas e materiais, mas esse fenômeno tem dis- magma se cristaliza no interior da crosta, próximotribuição extremamente limitada na Terra. Quan- à superfície, mas com resfriamento um pouco maisdo ocorre intrusão de uma grande massa ígnea lento que o das rochas vulcânicas, podem se formar(magma), pode haver nas vizinhanças da intrusão cristais de tamanho pequeno (~1 mm), visíveis aa fusão parcial do material adjacente. Mesmo sob olho nu. Rochas deste tipo são denominadas rochastais condições extremas, um eventual sedimento subvulcânicas, como o diabásio. Os termos “extru-acabaria por sofrer algum tipo de metamorfismo. sivo”, “vulcânico”, “subvulcânico”, “hipoabissal”,As condições que determinam fusão de material du- “intrusivo” e “plutônico” devem ser utilizados nasrante o metamorfismo progressivo são o aumento descrições geológicas de corpos ígneos (Motoki ede temperatura, a diminuição de pressão ou a in- Sichel 2006) sem, entretanto, assumir correlaçãotrodução de água no sistema, que rebaixa o ponto direta entre o modo de ocorrência geológica e ade fusão de diversos minerais. profundidade de colocação de um corpo ígneo, O magma é um líquido parcial ou totalmente porque muitas rochas ígneas formadas em profun- 60
  • 12. TERRÆ DIDATICA 5(1):50-62, 2009 C. D. R. Carneiro, P. W. Gonçalves, O. R. Lopesdidade podem ter se cristalizado mais rapidamente sob a ação de um ou mais agentes que provocame portanto podem apresentar textura fina. desequilíbrios. As transformações, por sua vez, re- O derradeiro processo que nos resta expor presentam respostas a fluxos de energia na Terra.são os movimentos da litosfera que promovem o Se por um lado é bem aceita a constatação de queaparecimento das rochas na superfície. Quando o Sol constitui a fonte primária de energia dos pro-partes das cadeias de montanhas são erodidas, o cessos intempéricos, erosivos e de sedimentação, oalívio de peso da parte superior da crosta faz com reconhecimento da fonte dos processos internos doque exista um “empuxo” da parte inferior e a su- planeta não foi uma tarefa assim tão simples.perfície da crosta seja soerguida. Os processos ero- Admitindo a influência do calor interno da Ter-sivos revigoram sua atuação e o Ciclo das Rochas ra, Hutton introduziu o conceito de plutonismo (deé realimentado. Plutão, deus do fogo na mitologia greco-romana) a Os continentes se desenvolveram ao longo do partir de observações de metamorfismo de conta-Tempo Geológico, sendo muitas vezes receptores to entre rochas ígneas e sedimentares, bem comode materiais do manto, graças à atividade magmá- detalhadas descrições de amostras examinadas aotica, que os transfere para a superfície da Terra. O microscópio.Ciclo das Rochas, idealizado pelo naturalista Ja- A relação dinâmica entre os agentes e as con-mes Hutton, representa o conjunto de processos figurações da parte mais externa do planeta, inter-cíclicos que atuam na geração e transformação de ligadas naturalmente à Tectônica Global, constituirochas, bem como suas relações com os processos o motor do Ciclo das Rochas.de soerguimento e exposição de rochas na crosta, As relações envolvidas no Ciclo das Rochas sãoa partir da ação de esforços internos. mais complexas do que a concepção simplificada O entendimento de conceitos subjacentes aos dos modelos acima. Diversos produtos não foramprocessos relacionados ao Ciclo das Rochas con- representados, como, por exemplo, as variações detinua a desafiar a capacidade e a engenhosidade de tipos de rochas formadas por precipitação química,investigação dos geocientistas. Ademais, o ciclo as inúmeras possibilidades de composição mine-possui ligações que podem ser estabelecidas com ralógica dos magmas (basáltico, granítico, alcalinooutros ciclos interligados, como os da água e do etc.) e os variados tipos de rochas metamórficas quecarbono. Uma consequência do Ciclo das Rochas podem ser geradas, de acordo com a natureza daé o fato de que os processos envolvidos determi- rocha original. Abordar em pormenores as amplasnam a existência de bens minerais úteis ao homem, relações envolvidas no Ciclo das Rochas dependeou responsáveis por diversos desastres ambien- de conhecimentos geológicos específicos que ul-tais, relacionados às dinâmicas interna e externa trapassam os objetivos do presente artigo.do planeta. Além disso, em paralelo a esse ciclo,desenvolve-se o ciclo de formação e destruição demontanhas (orogênese). Leitura recomendada Almeida F.F.M.de. 2005. Participação do Brasil na grande revolução das Geociências. Terrae Didati-O motor do Ciclo das Rochas ca, 1(1):44-49. URL: <http://www.ige.unicamp. br/terraedidatica/v1n1/t_didatica_2005_v01n01_ As rochas dos continentes e dos fundos dos p044-049_almeida.pdf/>. Acesso 16.09.2008.oceanos constituem registros das transformações Almeida F.F.M.de, Carneiro C.D.R. 1995. Geleiras norelacionadas ao Ciclo das Rochas, que funciona Brasil e os parques naturais de Salto e Itu. Ciência Hoje, 19(112):24-31.desde os primórdios da história geológica da Terra, e Almeida F.F.M.de, Carneiro C.D.R. 1998. Botu-acompanham a evolução do planeta. Para entender catu: o grande deserto brasileiro. Ciência Hoje,qual é o motor que realiza as transformações, é pre- 24(143):36-43. Outubro 1998.ciso tratar das fontes de energia dos processos ter- Carneiro, C.D.R. 2007. Viagem virtual ao Aqüíferorestres. As fontes são, essencialmente, três: a energia Guarani em Botucatu (SP): Formações Piram-proveniente do Sol, a energia (calor) proveniente do bóia e Botucatu, Bacia do Paraná. Terrae Didatica,interior do planeta e a gravidade. O ciclo envolve, 3(1):50-73. URL: http://www.ige.unicamp.br/pois, as três fontes de energia mencionadas. terraedidatica/v3n1/TD3_viagem%20virtual%20 Os materiais terrestres estão continuamente ao%20aquifero.pdf. Acesso 16.09.2008. 61
  • 13. O Ciclo das Rochas na Natureza TERRÆ DIDATICA 5(1):50-62, 2009Carneiro C.D.R., Toledo M.C.M.de, Almeida Preto, 59(1):13-23, jan/mar. 2006. F.F.M.de. 2004. Dez motivos para a inclusão de Warshall P 2000. Four ways to look at earth. In: R.L. . temas de Geologia na Educação Básica. Rev. Bras. Frodeman, ed. 2000. Earth matters: the Earth Geoc., 34(4):553-560. Sciences, phylosophy and the claims of com-Carneiro C.D.R., Brito-Neves B.B.de Amaral I.A.do, munity. Upper Saddle River, Prentice Hall, p. Bistrichi C.A. 1994. O Atualismo como princípio 189-204. metodológico em Tectônica. Bol. Geoc. Petrobrás. 8(2/4):275-293Carneiro C.D.R., Mizusaki A.M.P Almeida F.F.M.de. ., Fontes de consulta na Web 2005. A determinação da idade das rochas. Terrae Didatica, 1(1):6-35. URL: http://www.ige.uni- Os sítios abaixo contêm informações úteis para camp.br/terraedidatica/v1n1/t_didatica_2005_ se conhecer o significado e origem dos termos e v01n01_p006-035_carneiro.pdf/ classificações das rochas e seu papel na históriaCarneiro C.D.R., Almeida F.F.M.de. 1996. O Sertão geológica da Terra. Já Virou Mar. Ciência Hoje, 21(122):40-50.Carneiro C.D.R., Almeida F.F.M.de. 1989. Vulcões Alden A. s.d. About Metamorphic Rocks. Sítio About. no Brasil. Ciência Hoje, 11(62):29-36. com. URL: http://geology.about.com/cs/basics_Costa L. A. M. da, Inda H. A. V. 1992. Fundamentos da roxmin/a/aa011804c.htm. Acesso 18.05.2009. geologia pós-moderna. Rio de Janeiro: CPRM. 8p. BBC Education. s.d. The Rock Cycle: Activity. URL: (Série Sinopses, DGH/S/A004-92). http://www.bbc.co.uk/schools/ks3bitesize/scien-Frodeman R.L. ed. 2000. Earth matters: the Earth ce/chemistry/rock_cycle_act.shtml. Acesso Sciences, phylosophy and the claims of commu- 18.05.2009. nity. Upper Saddle River: Prentice Hall. 209p. Ciclo das Rochas. URL: http://ciencias3c.cvg.com.pt/Gonçalves P .W., Carneiro C.D.R. 2000. Os ciclos da ciclo_das_rochas.htm. Acesso 18.05.2009. natureza. In: Carneiro C.D.R. ed. Geologia. São Ciclo das Rochas. URL: http://rst.gsfc.nasa.gov/Sect2/ Paulo: Global/SBPC. p. 6-10. (Série Ciência Ho- rock_cycle_800x609.jpg. Acesso 18.05.2009. je na Escola). Glossário Geológico Ilustrado (IG/UNB). GlossárioLopes O.R. 2007. Jogo “Ciclo das Rochas”: um recurso Geológico. URL: http://www.unb.br/ig/glossario/. lúdico para o ensino de Geociências. Campinas: Acesso 18.05.2009. Inst. Geoc., Univ. Est. Campinas. 131p. (Dissert. Magalhães L.C.de. s.d. Poesia sobre o ciclo das ro- Mestr. Ensino e Hist. Ciências da Terra). chas. URL: http://www.unb.br/ig/causos/po-Lopes O.R., Carneiro C.D.R. 2009. O jogo “Ciclo das esia_sobre_o_ciclo_das_rochas.htm. Acesso Rochas” para ensino de Geociências. Rev. Bras. 18.05.2009. Geoc., (submetido). Mineropar. Minerais do Paraná. s.d. Geologia na escola.Mioto J.A., Hasui Y. 1983. O movimento das terras. Pôsteres. URL: http://www.mineropar.pr.gov.br/ Ciência Hoje, 5(30):42-48. modules/conteudo/conteudo.php?conteudo=98.Morin E. 2001. Os sete saberes necessários à educação do Acesso 18.05.2009. futuro. 4. Ed. Trad. Catarina E.F. da Silva e Janne Rochas. http://www.rc.unesp.br/museudpm/rochas/ Sawaya; Rev. técn. Edgard A. Carvalho. São Paulo: introducao.html. Acesso 18.05.2009. Cortez, Brasília: UNESCO. 118p. Rock Cycle. http://en.wikipedia.org/wiki/Rock_cycle.Motoki A., Sichel S. 2006. Avaliação de aspectos Acesso 18.05.2009. texturais e estruturais de corpos vulcânicos e The Rock Cycle Conundrum. s.d. The rock cycle software, subvulcânicos e sua relação com o ambiente de version 1.4. London: WallopWare & Hamstead cristalização, com base em exemplos do Brasil, School. URL: http://earthsci.org/freeware/fre- Argentina e Chile. REM: R. Esc. Minas, Ouro ewar.html. Acesso 18.05.2009. 62

×