Êxodo - A caminhada do povo de Deus

  • 23,343 views
Uploaded on

Êxodo - A caminhada do povo de Deus …

Êxodo - A caminhada do povo de Deus
Mês da Bíblia 2011

Tema - Travessia : passo a passo, o caminho se faz - (Ex 15-18)
Lema: Aproximai-vos da presença de Deus (Ex 16,9)

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
No Downloads

Views

Total Views
23,343
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
167
Comments
0
Likes
3

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. ÊXODO - A CAMINHADA DO POVO DE DEUS Autoria de ir. Mary Donzellini, mjc http://marydonzellinimjc.blogspot.com/ ÊXODO - A CAMINHADA DO POVO DE DEUS MÊS DA BÍBLIA 2011 TEMA - TRAVESSIA: passo a passo, o caminho se faz - (Ex 15-18) LEMA - Aproximai-vos da presença de Deus - (Ex 16,9) Vivência na caminhada do povo de Deus 1. O deserto na Bíblia 2. Sem água não se faz caminhada 3. Cantando e dançando se faz a caminhada Introdução - O livro do Êxodo apresenta um relato sobre o nascimento histórico dopovo bíblico. Desde o acontecimento principal, que narra a libertação/saída do grupo quevivia escravizado no Egito. Ele conta a história que aconteceu por volta do ano 1250 antesde Cristo, com um grupo de trabalhadores chamados hebreus. Eles sofriam a dominaçãoegípcia no vale do rio Nilo. Ali eram obrigados a trabalhar duro nas obras do faraó (Ex1,11). A formação do livro do Êxodo recolhe aspectos da história do povo bíblico desde asegunda metade do século XIII a.C. até o século V a.C., época da redação final do livro. O livro do Êxodo, identifica os diferentes grupos sociais que, em várias etapas dahistória do povo bíblico, se identificaram com a experiência do grupo que escapou daescravidão do Egito. Uma identificação que se dava porque viviam também a experiência deexploração/dominação e também porque faziam a experiência de um Deus libertador queescuta o clamor dos pobres, que se aproxima deles para iluminá-los e dar-lhes força, nassuas lutas de libertação. Esta é a experiência que mantém a coerência temática em todo o livro, embora osestilos sejam bastante diferenciados e muitas repetições do mesmo evento podem serencontradas. Esta é uma indicação de que o livro do Êxodo é formado de diferentesmomentos da história do povo bíblico e com diferentes estilos literários. Este povo, desde o seu começo, encontram tensões e conflitos formados pelassituações externas e internas, pela diversidade dos grupos sociais e por conflitos emrelação ao poder. O que sustenta o povo e mantém a sua caminhada histórica é a fé noDeus libertador do Êxodo. Esta fé torna o povo mais forte na certeza da presença de Javé na caminhada e geraa resistência e mantém o próprio rumo. Esta certeza também forma a coesão interna dolivro do Êxodo, que narra a história da libertação de um grupo de escravos do Egito comouma ação de Javé, Deus dos pequenininhos, dos pobres, dos explorados e vai gerandooutros êxodos, outras saídas alternativas ao longo da história. 1 - NO DESERTO APRENDE-SE A VIVER DE UM JEITO NOVO Fora do Egito, o povo empreende a marcha pelo deserto sem caminho traçado,caminhando na insegurança, sem água e sem comida. Aqueles que viveram amaravilhosa experiência de conseguir libertar-se da dominação egípcia sentem no desertoo desamparo total. Um povo que acabava de fazer a experiência de libertação fica, de Autoria de ir. Mary Donzellini, mjc
  • 2. ÊXODO - A CAMINHADA DO POVO DE DEUS Autoria de ir. Mary Donzellini, mjc http://marydonzellinimjc.blogspot.com/repente, desconcertado diante das necessidades básicas da vida, como a sede (15,22-27), a fome (16,1-16), a exigência de repartir para sobreviver, de não ter “olho grande”(16,17-20), a necessidade de descansar (16,22-27), de se organizar de formadescentralizada e participativa (18,13-26). Mas esta etapa de aprendizagem não foi uma aventura mais fácil do que a saída doEgito. No deserto, o povo se confrontou com seus próprios limites. Aparece claramente atentação de acomodar-se diante da dominação. A saudade das panelas de carne do Egitosinaliza para esta tendência (16,2-3). A dureza da caminhada pelo deserto entorta avisão, destrói o sonho, torna amarga a vida. Até o objetivo da saída do Egito foideturpado. Com a visão destorcida pelo sofrimento e tendo ainda na cabeça a ideologiado faraó, o povo confronta Moisés, acusando-o de traição: “Certamente nos trouxestes aeste deserto para fazer toda esta multidão morrer de fome” (16,3). Onde foi parar a bandeira da “terra prometida”? Aqui, transparece a experiência dacrise, da desesperança, da sombra ou treva que impedem uma pessoa ou um grupo dever a realidade como ela é. Isso acontece também em nossa vida e na caminhada. As crises em nossa vidatornam-se uma oportunidade para entrarmos em comunicação mais profunda com nossarealidade pessoal, deixando-nos confrontar por nossos próprios limites. A experiência daslimitações pessoais é graça que nos torna mais humanos na medida em que integramosessas limitações, buscando superá-las pacientemente. Ela nos ajudará a acolher asoutras pessoas com seus limites e dons, para fazermos juntos uma caminhada libertadorae humanizadora em direção à plenitude da vida. Também as crises familiares,comunitárias, são graças. Sem elas não se faz o caminho passo a passo. Moisés diz ao povo desanimado na caminhada no deserto: “Aproximai- vos da presença do Senhor” (16,9). Espiritualidade - fazer uma experiência de deserto. Procurar sentir-se só com Deus,superando a angústia da solidão, procurando viver como o povo no deserto. Não levarnem pão, nem água. Em grupos - levantar os aspectos de nossas vidas que se assemelham com estetexto do Êxodo, partinhando a nossa experiência de deserto, motivada pelos nossoirmãos que muitas vezes vivem na solidão. 2- SEM ÁGUA NÃO SE FAZ CAMINHADA Esta extrema necessidade da água para a vida e caminhada do povo hoje é luz paraperceber melhor os sentidos do texto sobre o qual estamos meditando (Ex 15,22-27).Estes versículos se abre com a falta de água - “Eles se dirigiram para o deserto de Sur ecaminharam três dias no deserto sem encontrar água” (v.22) - e se fecha com a suafascinante abundância: “Então chegaram a Elim onde havia doze fontes e setentapalmeiras” (v. 27). Desta maneira, a temática da água forma o tema da relação entre Deus e o povo(v.25b). Os mandamentos que Deus dá ao povo -”Foi lá que lhes fixou um estatuto e umdireito” (v.25c) - tornam-se ferramentas que o ajudam na defesa da vida e na construçãodas relações de respeito e de cuidado dentro da comunidade. Estas relações fazem partedo compromisso do povo com o projeto de Deus. Fazem parte da aliança. Autoria de ir. Mary Donzellini, mjc
  • 3. ÊXODO - A CAMINHADA DO POVO DE DEUS Autoria de ir. Mary Donzellini, mjc http://marydonzellinimjc.blogspot.com/ E o tema da água serve bem para mostrar qual é a relação de Deus com ospequenos, com os oprimidos. Antes de o povo hebreu sair do Egito, Javé feriu o Rio Nilo,e suas águas se transformaram em sangue (Ex 7,17). Lá, no grande império dadominação e da morte, já não havia água potável. Depois da saída (Êxodo), quando opovo já estava cansado e desanimado, caminhando durante três dias sem encontrarágua, Javé cura as águas amargas (15,26) e sacia a sede do povo, que retoma acaminhada até alcançar as doze fontes e as setenta palmeiras (15,27), um oásis onde aágua sacia a sede, as tâmaras das palmeiras alimentam e nutrem o povo, dando sombraque possibilita o descanso e renova as forças para seguir adiante. Passo a passo o povo peregrino vai descobrindo a diferença entre o Império Egípcio eo deserto onde se encontram. O Egito era lugar de morte e o deserto, apesar de todos osdesafios, torna-se um lugar de cura, de vida, de esperança do encontro com Deus. Espiritualidade - Provocar a sede de Deus na vida diária. Em grupos - Recordar o tema da Campanha da Fratenidade deste ano. Visando aeconomia e o cuidado que devemos ter sobre a água de nosso planeta. 3. CANTANDO E DANÇANDO SE FAZ A CAMINHADA O canto de Míriam faz parte do livro do Êxodo (15,1-21). O texto diz o que aconteceupor volta do ano 1250 antes de Cristo, com um grupo de trabalhadores chamadoshebreus. Eles sofriam a dominação egípcia no vale do rio Nilo. Ali eram obrigados atrabalhar duro nas obras do faraó (Ex 1,11). Os hebreus eram marginalizados e explorados pelo faraó e seus capangas. Mas elesse organizaram e fugiram para se libertar (Ex 14,2-5). A organização era difícil por causado controle que o faraó exercia através dos seus capatazes. Moisés se destaca comolíder, com a força de Javé-Deus, e ajuda o povo. O fato de que o povo conseguiu sair doEgito atingiu o poder opressor no coração. Houve perseguição militar, mas os hebreusconseguiram sair livres do mar Vermelho, enquanto o exército do faraó com seus carros ecavalos foi eliminado no mar. Está aí a grande vitória! Míriam retoma a primeira estrofe do canto “de Moisés e dos filhos de Israel”, umaespécie de refrão que o povo cantava nas celebrações e reuniões. O refrão contém oresumo do canto. Isto nos permite afirmar que Míriam assume todo o conteúdo do canto. Mas esse canto não é só de Moisés, nem só de Míriam, e sim de todo o povo oprimidoa caminho da libertação. Podemos dizer que Míriam dá ao canto o seu jeito próprio demulher. Ela interpreta a mensagem e dá o seu recado a seu modo: toca, dança e canta.Puxa a festa da libertação do povo, começando com as mulheres. Interessante é observarque, em todas as outras passagens do Êxodo, as mulheres não são mencionadasclaramente. Estavam incluídas na expressão “os filhos de Israel”. Ao falar com destaquedas mulheres, os versículos 20 e 21 revelam a importância da mulher na caminhada dalibertação. Elas também têm motivos para celebrar, porque sabem se organizar e lutar aolado dos homens. Elas conseguem aparecer, falar e expressar sua vida através deMíriam. Conseguem ter vez e voz nessa história da libertação de toda forma deescravidão. Miriam aparece como “primeira porta-estandarte” da história. As mulheres, seguindo-acomo sambistas, passam a fazer parte do carnaval da vida dos libertados, Miriam é a“porta-estandarte”; Deus é a “bandeira. Ela leva e é levada por Deus: Deus da justiça e oDeus da história. Portanto, celebrar, cantar, festejar o Deus da libertação, faz parte davida da mulher. Autoria de ir. Mary Donzellini, mjc
  • 4. ÊXODO - A CAMINHADA DO POVO DE DEUS Autoria de ir. Mary Donzellini, mjc http://marydonzellinimjc.blogspot.com/ Como Miriam cantemos: Viva, viva a mulher desta nação! Que vai levando no ventre asemente nova da libertação. Espiritualidade - Sempre agradecer a Deus os favores recebidos -Rezar o salmo 103. ANALISANDO E RELENDO O TEXTO Na sociedade patriarcal, a fertilidade era tida como bênção de Deus. Mas, como osmeninos eram vistos como futura ameaça aos senhores do Egito, era necessário matá-los. O faraó, porém, não entendia a razão de os meninos hebreus sobreviverem. Asparteiras explicaram que as mulheres hebréias eram vigorosas e davam à luz antes dachegada delas. O Livro do Êxodo, continua: Deus recompensou as parteiras. O povo continuoucrescendo e tornando-se muito forte. Como as parteiras temeram a Deus, deu-lhestambém família numerosa (1,20-21). Nesse segundo livro do Pentateuco, o Êxodo, encontramos várias mulheres emparalelo aos filhos de Jacó. Essas mulheres garantiram o futuro das doze tribos de Israel. As parteiras foram as primeiras: elas asseguraram o nascimento do libertador, Moisés.E Deus abençoou as com grandes famílias, que seguiram Moisés no momento dalibertação. O capítulo 2 do Êxodo apresenta Jocabed, a mãe de Moisés: um homem da casa deLevi casou-se com uma mulher de seu clã. A mulher concebeu e deu à luz um filho. Aover que era um belo menino, manteve-o escondido durante três meses. Não podendoescondê-lo por mais tempo, pegou uma cesta de papiro, calafetou-a com betume e piche,pôs dentro dela o menino e deixou-o entre os juncos na margem do Rio Nilo. Jocabed, a mãe de Moisés e, como as outras mulheres, estão na base da libertaçãodo Povo de Deus. Ela era filha da tribo de Levi. Sua coragem e fé em Deus salvou o seufilho Moisés, que tiraria o povo da escravidão no Egito. Jocabed teve de enfrentar um grande dilema. O faraó ordenara que todos os filhoshomens dos judeus fossem atirados ao Nilo. A fé e a coragem de Jocabed encontraram ocaminho para salvar Moisés. Ela é uma das três mulheres — Sara, Raab e Jocabed —que figuram na galeria das heroínas da fé em Israel. Jocabed foi obrigada a colocar em risco o seu filho, o menino Moisés. O faraó do Egitohavia ordenado que todo recém-nascido judeu do sexo masculino fosse lançado no rioNilo (Ex 1,22). Jocabed pôs sua fé em prática e resolveu esconder o menino por trêsmeses. Depois teve de assumir um novo risco de fé. Deixou o filho amado entre os juncosà beira do rio. Esse gesto é o instrumento da Providência divina que salvou aquele que seria olibertador do Povo de Deus. Moisés, salvo das águas, tornou-se o libertador do povoescravizado no Egito. A mãe de Moisés e a irmã dele foram mais duas mulheres que conspiraram paradefendê-lo. A irmã, observando de longe, viu a filha do faraó se banhar no rio. Porcompaixão, a princesa ignorou as ordens do pai e mandou salvar o belo menino. Êxodo 2,9-10 relata: A filha do faraó disse à mulher: “Leva este menino, amamenta-opara mim, e eu te pagarei o teu salário”. [...] Quando o menino estava crescido, levou-o àfilha do faraó, que o adotou como filho. Ela deu-lhe o nome de Moisés [...]. Autoria de ir. Mary Donzellini, mjc
  • 5. ÊXODO - A CAMINHADA DO POVO DE DEUS Autoria de ir. Mary Donzellini, mjc http://marydonzellinimjc.blogspot.com/ Mais uma vez, foram as mulheres que ignoraram as leis do faraó e garantiram o futurodo Povo de Deus. A filha do faraó não era judia, nem conhecia o Deus de Abraão. Movidapor compaixão, ela tirou o menino das águas e garantiu seu futuro, diz que ele seráchamado Moisés, pois foi tirado das águas. Nós sabemos que foi ele quem tirou seu povoda escravidão. “Pela fé, Moisés, recém-nascido, foi escondido por seus pais durante três meses,porque viram a beleza do menino e não tiveram medo do decreto do rei... ( ler Hb 11,23-29). Séfora, filha do sacerdote Jetro, era a esposa de Moisés, o libertador do Povo deDeus. Pai e filha encontravam-se em Madiã, quando Moisés fugiu do Egito pela primeiravez. As sete filhas do sacerdote Jetro (ou Ragúel) foram ao poço ara dar de beber aorebanho do pai. Outros pastores tentaram expulsá-las. Moisés as defendeu. E, assim, osacerdote convidou Moisés para se hospedar com a família. Êxodo 2,21-22, lemos: [...] e Ragúel [ou Jetro] deu-lhe sua filha Séfora casamento. Elateve um filho, a quem ele chamou Gérson, pois disse: “Tornei-me hóspede em terraestrangeira”. Os madianitas eram um povo árabe e habitavam no deserto, o sul da Transjordânia. Opovo do deserto era muito hospitaleiro e sempre protegia os forasteiros. Jetro e Séforaforam muito importantes no desenvolvimento religioso de Moisés. Séfora foi a mãe dos dois filhos de Moisés. O primeiro, Gérson, é a lembrança porMoisés ser estrangeiro em Madiã. O nome do segundo filho, Eliezer, significa o Deus domeu pai é minha ajuda e me libertou da espada do faraó. A mulher de Moisés, Séfora, é apresentada numa narrativa que explica o sentidoreligioso da circuncisão. Depois de receber a vocação de Deus em Madiã, Moisés voltoupara o Egito com a mulher c o primeiro filho.O nome Séfora significa pássaro. É sob suasasas que Moisés encontra proteção. Êxodo 4,24-26, diz: “Durante a viagem, num lugar de pousada o Senhorencontrou-se com Moisés e queria matá-lo. Séfora, então, pegou uma faca de pedra,cortou o prepúcio do filho, tocou-o nas virilhas de Moisés e disse: “Tu és para mim ummarido de sangue”. E o Senhor deixou-o em paz, quando disse: “marido de sangue”, emrelação à circuncisão (antiga aliança). Quando o patriarca Jacó retornou da Mesopotâmia, foi atacado por um anjo e lutoucom este durante toda a noite. Da mesma maneira no presente texto, Deus lutou comMoisés, que foi salvo pela ação da mulher. O povo do deserto de Madiã circuncidava seus filhos para protegê-los deinfecções. Moisés, porém, não circuncidou Gérson. Foi sua mulher, Séfora, quemconservou o sentido do ritual da circuncisão e imediatamente circuncidou pai e filho. Essanarrativa é a explicação popular da prática da circuncisão entre o povo judeu até hoje. Miriam , a irmã de Moisés, está entre as mulheres que constituem a retaguarda doÊxodo, ou a libertação do Povo de Deus. Ela é uma das que salvaram a vida de Moisésdesde o nascimento dele no Egito. Ex 2 - a mãe de Moisés, deixou-o na margem do rio. A irmã do menino ficouparada, a distância, para ver o que ia acontecer. A filha do faraó desceu para se banharno rio [...] Ela viu a cesta no meio dos juncos e mandou que uma criada a apanhasse. Autoria de ir. Mary Donzellini, mjc
  • 6. ÊXODO - A CAMINHADA DO POVO DE DEUS Autoria de ir. Mary Donzellini, mjc http://marydonzellinimjc.blogspot.com/Quando abriu a cesta, viu a criança [...] Ficou com pena dele e disse: “É uma das criançasdos hebreus”. A irmã do menino disse, então, à /ilha do faraó: “Queres que eu vá chamaruma mulher hebréia, que possa amamentar o menino?” — “Vai”, respondeu-lhe a filha dofaraó. E a menina foi chamar a mãe do menino [...] A mulher levou o menino e o criou. Reparem que Miriam, a irmã de Moisés, é apresentada como figura importante nahistória do êxodo do Povo de Deus. A primeira coisa que chama a atenção é que ela fazparte do grupo de mulheres que possibilita a libertação dos hebreus, cativos no Egito. As parteiras, a mãe dos meninos perseguidos, a filha do faraó e suas servas, e asirmãs das crianças ameaçadas formam a retaguarda do grande acontecimento dalibertação dos cativos. Miriam salvou seu irmão Moisés, aquele que libertaria o povoescravo. A irmã de Moisés, Miriam, é lembrada como uma das líderes da libertação do povodo Egito. Ela é chamada com esse nome no Êxodo, 15, 20-21, Miriam, a profetiza, irmãde Aarão, apanhou um tamborim, e atrás dela saíram todas as mulheres tocandopandeiro e dançando, enquanto Miriam lhes repetia:“Cantai ao Senhor porqueestupenda foi a vitória; o e cavaleiro ele jogou no mar!” Miriam é a primeira mulher a ser chamada profetiza na Bíblia . Assim ela se tornao modelo idealda tradição profética das mulheres no Antigo e no Novo Testamento. O livro do Deuteronômio afirma que Moisés era o maior dos profetas e, por causadisso, sua irmã tornou-se a primeira das profetizas. A profetiza é uma mulher que agecomo porta voz de Deus, recebendo a mensagem dele e proclamando-a de acordo comseu desígnio para o povo. Poucas mulheres do Antigo Testamento receberam esse título honroso. A profetiza Miriam, irmã de Moisés e de Aarão, era importante na vida litúrgica dopovo. Nas liturgias antigas todo o povo participava, tocando instrumentos, cantando edançando. Nessa tradição, as mulheres profetizas criavam cânticos de louvor e lideravam o povona dança litúrgica. O capítulo 15 do Êxodo apresenta o cântico de Miriam que faz parte deuma longa tradição que inclui os cânticos de Débora e de Ana, a mãe de Samuel, e ceiecelebra o grande amor de Deus para com seu povo. Israel chamava o amor fiel e compassivo de Deus Esse amor é o próprio ser deDeus. O povo é redimido e libertado do porque é por demais amado por ele. Os faraós deste mundo têm o poder dos exércitos e das .armas. A Bíblia, porém,insiste: não há força mais poderosa do que o amor de Deus! O livro do profeta Miquéias (6,3-4) apresenta Miriam como grande testemunha dalibertação do Povo de Deus. (Meu povo, que te fiz eu? Ou em que te maltratei, responde-me! Pois eu te fiz sair da terra do Egito, [...] e à tua frente mandei Moisés, Aarão e Maria[Miriam] Nós costumamos cantar este salmo do profeta Miquéias na sexta-feira da Paixão.Ele narra o diálogo entre Deus e o seu povo. Deus sempre agiu para fazer bem ao seupovo. O êxodo foi o grande ato de Deus que libertou da escravidão. Miriam vivenciou esseato de Deus ao lado de Moisés e de Aarão. O seu testemunho a colocou ombro a ombrocom as grandes figuras da história do povo de Deus. E a sua ação mostrou que esse Povo era formado por pessoas iguais: homens emulheres que se uniam para comprovar a libertação de todo o povo oprimido e Autoria de ir. Mary Donzellini, mjc
  • 7. ÊXODO - A CAMINHADA DO POVO DE DEUS Autoria de ir. Mary Donzellini, mjc http://marydonzellinimjc.blogspot.com/escravizado. Miriam foi a mulher que testemunhou e celebrou a libertação comofundamento da vida do povo de Deus. Mais tarde, a sociedade monárquica e patriarcal afirmava que as mulheres de Israelpoderiam ser profetizas, mas sempre subordinadas à liderança dos homens. Para o povo de Israel, os Dez Mandamentos sempre tiveram papel central. Neles,vemos o homem, o marido era o “dono” da casa e de toda a família. A esposa pertencia aele. O mandamento, então, faz referência às “posses” de um homem a casa, o escravo, oboi, o jumento e a mulher. Mais uma vez vemos as mulheres fortes, corajosas, libertadoras e profetizas navida de seu povo. Mas a mentalidade da época conservava ainda os preconceitos. No final do Êxodo 35,22, vemos o lugar e a função importante das mulheres naconstrução manutenção do templo sagrado. Lugar da presença de Deus. Vieram [...]mulheres, e todos generosamente traziam, broches, brincos, anéis, colares e toda sortede objetos de ouro, que cada um oferecia com um gesto diante do Senhor. Todas as mulheres que tinham habilidade para a tecelagem, teceram e trouxeramos tecidos: a púrpura violeta, vermelha e carmesim e o linho fino. Todas as mulheresdispostas e a contribuir para as obras do Senhor para tanto teceram pêlos de cabra. [...]Todos [...] e mulheres dispostos a contribuir para as obras que o Senhor tinam mandadoexecutar por meio de Moisés, trouxeram do Egito. A Bíblia chama de “habilidosas” ou “sábias” as mulheres que sabem trabalhar notear. Em todo o antigo Oriente Médio, a produção de tecidos eraespecialidade de mulheres bem treinada. Com seus bens materiais e talento, as mulheresmanifestaram sua gratidão a Deus. Deus salvou a vidade seus filhos homens e libertou todo o povo da escravidão no Egito. relação à circuncisão. Quando o patriarca Jacó retornou da Mesopotâmia, foi ata-‟ i.lo por um anjo e lutoucom este durante toda a noite. Da ..... .111.1 maneira no presente texto, Deus lutou comMoisés, que l”i „..ilvo pela ação da mulher.A MULHER NA ORIGEM DO POVO DE DEUS O povo do deserto de Madiã circuncidava seus filhos para protegê-los de infecções.Moisés, porém, não circuncidou Gérson. Foi sua mulher, Séfora, quem conservou osentido do ritual da circuncisão e imediatamente circuncidou pai e filho. tos a contribuir para as obras que o Senhor tinha mandado executar por meio deMoisés, trouxeram ao Senhor contribuições espontâneas. No começo do Livro do Êxodo, as escravas foram enviadas à procura de jóias eroupas para a viagem no deserto. E na hora (Ir preparar o santuário, as mulheresentregaram a Moisés tudo u que trouxeram do Egito. A Bíblia chama de “habilidosas” ou “sábias” as mulheres 1 1 uc sabem trabalhar notear. Em todo o antigo Oriente Médio, .1 produção de tecidos era especialidade demulheres bem treina-‟!,r.. Com seus bens materiais e talento, as mulheres manifesta-i.niisua gratidão a Deus. Ele salvou a vida de seus filhos ho-e libertou todo o povo daescravidão no Egito. Autoria de ir. Mary Donzellini, mjc