Your SlideShare is downloading. ×
Artigo tv digital
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Introducing the official SlideShare app

Stunning, full-screen experience for iPhone and Android

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

Artigo tv digital

1,770
views

Published on


0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
1,770
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
72
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. UFBA/IM – Departamento de Ciência da Computação – MAT115 – 2010.2 Salvador, Bahia, dezembro de 2010 TV digital Ana Paula Teixeira*, Ana Valéria Moura*, Marília Lessa* *Graduandas em Biblioteconomia e Documentação Instituto de Ciência da Informação - Universidade Federal da Bahia (UFBA) Av. Reitor Miguel Calmon, s/n, Canela – 40110-100– Salvador – BA – Brasil atanateixeira@gmail.com, anavaleria_131@hotmail.com, lessa.marilia@gmail.comResumo: Aborda a evolução dos aparelhos televisivos e seu modo de transmissão a partir do ponto de vistasocial, tecnológico e econômico. Observa-se uma quebra de paradigmas devido ao rompimento da tecnologiaanalógica para digital. O presente trabalho esclarece diferenças entre os sinais de transmissão e os novosaparelhos de TV, que a princípio parecem ser todos iguais, porém este artigo trás informações específicas decomo diferenciar cada um de acordo com as tecnologias utilizadas para sua fabricação, assim como, aponta asvantagens e desvantagens visando sua aquisição. Ao tempo que é mostrado o Brasil despontando neste âmbitotecnológico, criando softwares para proporcionar a interatividade entre os usuários e os programas televisivosdisponibilizados pelas emissoras. Todavia um novo cenário é traçado, o telespectador deixa de ser um meroindividuo passivo à programação disponíveis pela emissora de televisão e passa a ser um agente participativo.Contudo mostra que a inserção da TV digital no Brasil trás para a população benefícios mercadológicos,fortalecimento da indústria e oferece novos mecanismos de suporte a cultura, educação e saúde.Palavras-chave: Televisão; TV digital; Interatividade.1 Introdução A televisão surgiu como meio de propagar a informação e trazer entretenimento paraa sociedade. Contudo fatores como o crescimento da indústria, o êxodo rural, e a sede dapopulação em ter contato com outras culturas fizeram com que a televisão se propagasseconstituindo novos valores sociais. A TV criou a chamada “cultura de massa” pois permiteque várias pessoas de diferentes etnias, religião ou crença vejam a mesma coisa e ao mesmotempo, logo percebe-se que a televisão possibilitou um fluxo mais rápido da informação. O artigo reúne informações sobre a história da televisão no mundo e no Brasil,contextualizando a evolução do aparelho e da transmissão ao longo do século XX.O paradigma da TV digital é foco desse trabalho. O estudo pautou na descrição dos novosaparelhos televisos, a característica do sinal digital e sua diferença em relação ao analógico,os padrões existentes no mundo e o adotado no Brasil e o impacto socioeconômico dessanova tecnologia no país. Para o desenvolvimento dessa pesquisa contamos com o apoio do Prof. Dr. Celso Saibelda Universidade Federal da Bahia. O pesquisador disponiblizou referências de seus estudose explicou como funciona essa tecnologia e qual o seu futuro para a nação. Saibel destacouos seguintes benefícios na adesão da TV digital: o fortalecimento da indústria, a formaçãode pessoal especializado, novas oportunidades de trabalho, a possibilidade de estender ainclusão digital a toda população e o acesso a uma rede universal de ensino a distância comsignificante impacto educacional e cultural.
  • 2. UFBA/IM – Departamento de Ciência da Computação – MAT115 – 2010.2 Salvador, Bahia, dezembro de 20102 Histórico A história da televisão remonta o século o final do século XIX e início do século XX.Esse invento contou com a colaboração de diversos colaboradores. Na década de 1920dois sistemas foram desenvolvidos para televisão – mecânico e o eletrônico. Em 1928 JohnBaird construi a primeira televisão mecânica para câmaras de televisão baseado no disco deNipkow inventado por Vladimir Zworykin. Esse sistema era composto por uma lâmpada eum disco igual ao primeiro que girava à mesma velocidade. A Luz produzida pela lâmpadavariava de acordo com a intensidade da corrente recebida, produzindo assim a imagemoriginal. A televisão eletrônica é o modelo atual que utiliza os raios catódicos obtido comkinoscópio. Este aparelho foi desenvolvido em 1923. A televisão mecânica foi posta de ladoem 1930. A Segunda Guerra Mundial impulsionou o aprimoramento da TV e é desse período osurgimento da televisão a cores. O surgimento das emissoras também é dessa época. Canaiscomo a BBC, CBS e CGT abriam as portas para a transmissão de programas e eventosesportivos. Houve melhora na rede de transmissão que passou de 60 linhas para até 405. No Brasil a TV foi introduzida em 1950 por Assis Chateaubriand também criador daprimeira emissora de televisão.2.2 Impacto social A televisão é considerada um aparelho multimídia por acoplar várias funções entre elas:som, leitura, visão, escrita entre outros. O surgimento desse invento no início do século XXabalou a forma de transmissão da informação que até aquele momento era feita pelo rádio epela escrita. Existem várias correntes ideológicas que estudam o impacto da televisão na humanidade.Algumas enfatizam os malefícios e outras os benefícios. Filósofos como Pierre Bourdieu(1997) afirma “que a televisão é o pior mal da civilidade, onde é impossível pensar; é ocenário do espetáculo incessante, onde a comunicação morre em prol do contato, e onde oreal se esvai na auto-preferência do meio”. Contudo podemos citar benefícios como: levara informação a lugares longínquos, educação à distancia – tele aula, geração de emprego,fortalecimento da pesquisa.4. Tipos de transmissão A transmissão ou difusão é o envio de conteúdo seja ele em áudio, vídeo ou dados de umprovedor para outros pontos, neste caso os receptores e logo depois os espectadores. Osmeios de difusão mais comuns são o via satélite, cabo e radiodifusão (chamado tambémde difusão terrestre). A principal vantagem do uso de cabos é a boa largura de banda parao canal de difusão e para o canal de retorno, facilitando a interação entre telespectador e oprovedor do serviço, mas a grande desvantagem do uso de TV a cabo é que á transmissão sóalcança as residências que estão interligadas fisicamente. O uso da difusão por satélite tem com vantagem o alcance do sinal que pode alcançar oslugares mais remotos do Planeta, não possui grandes custos, no entanto, esse meio de difusãoapresenta dificuldade de estabelecer um canal de retorno entre o telespectador e o provedor. A difusão terrestre apresenta como vantagem o fato deste meio ser usado atualmente pelostelevisores convencionais, assim é possível estabelecer a migração entre telespectador de TVconvencional para a TV digital interativa. E tem como desvantagens o fato de possuir menoslargura de banda disponível, logo a quantidade de canais e serviços interativos é menor queos outros tipos de difusão, e assim como nos satélite neste tipo de difusão há problemas comaquestão do retorno.
  • 3. UFBA/IM – Departamento de Ciência da Computação – MAT115 – 2010.2 Salvador, Bahia, dezembro de 20104.1 Sinal analógico x Sinal digital Pode-se ressaltar como diferenças entre o sinal analógico e o sinal digital o fato de que umé passível de interferência (ruído aleatório) e o outro não tem perda.Para o sinal analógico quanto mais o sinal for copiado e transmitido, e quanto maiorfor à distância do sinal, mais ruído terá sobre o sinal original, resultando em distorção,interferência e até a total perda do sinal. Todavia, o sinal digital pode ser copiado,armazenado, reproduzido e transmitido sem perda da informação. O sinal Analógico ocupa uma faixa de freqüência bem maior, sua definição de imagem éde 480 linhas horizontais com um padrão de som estéreo. Já o sinal digital possui uma taxade freqüência bem menor que o sinal analógico e seu formato de definição da imagem são osmesmos da TV analógica.5 TV a cabo A TV a cabo se distingue da TV aberta em vários aspectos, mas a principal diferença é ofato da televisão a cabo ser capaz de carregar muito mais transmissões e controlar quem podeou não pode receber um sinal de televisão. O sinal de distribuição a cabo só é transmitidopara assinantes através de uma rede de fibra ótica ou cabos coaxiais.6 TV por satélite Consiste na utilização de satélites para a transmissão do sinal da TV. A televisão porsatélite vem para solucionar os problemas referentes ao alcance e distorção da transmissão,pois é feita através de satélites que ficam em orbita da Terra, assim há muitos mais clientesrecebendo o sinal. Os sistemas de televisão por satélite transmitem e recebem sinais de rádio utilizandoantenas especializadas as parabólicas de satélite.Veja a figura abaixo: Figura1: Os componentes Para se ter a TV por satélite é necessário comprar a parabólica e o receptor, estesequipamentos dá aos clientes – espectadores as ferramentas para captar estações estrangeiras,transmissões ao vivo e diversas outras coisas transmitidas por meio de satélites. Estesserviços da TV por satélite proporcionam aos seus clientes uma programação exclusiva que
  • 4. UFBA/IM – Departamento de Ciência da Computação – MAT115 – 2010.2 Salvador, Bahia, dezembro de 2010não se destinava necessariamente às audiências de massa. As funções básicas dos equipamentos de transmissão e recepção são: ● Satélites: recebem os sinais da estação de transmissão e o retransmitem para o solo. ● Parabólica: capta o sinal do satélite (ou múltiplos satélites na mesma região do céu) e o envia para o receptor na casa do espectador. ● Receptor: processa o sinal e o envia para um aparelho de televisão comum. 7. TV digital A TV digital é uma evolução da TV analógica, proporcionando uma melhoria naqualidade das transmissões de vídeo e áudio e, além de oferecer interatividade com ostelespectadores, recepção do sinal em aparelhos móveis e a possibilidade de uma mesmaemissora transmitir, em um único canal, diversos programas. A transmissão de sinais é deforma digital, um sistema que aumenta a garantia de resultados da imagem e som de melhorqualidade para o telespectador. Trata-se de uma nova plataforma de comunicação baseada em tecnologia digital paratransmissão de sinais. Há a combinação de características tradicionais da TV analógicacom algumas funcionalidades de um computador pessoal, logo, será possível acessar a redemundial de computadores a partir de um aparelho de televisão. 8. Padrões da Tv digital Japão x EUA e Europa Existem três padrões mundiais de sistema de televisão digital o DVB (Digital VideoBroadcasting) padrão europeu, o ATSC (Advanced Television Systems Committee) padrãoamericano e o ISDB (Integrated Services Digital Broadcasting) padrão japonês.Estes padrões adotam diferentes características para modulação para o sinal de difusão.Observe as características de cada padrão abaixo: ● Padrão ATSC – Estados Unidos: Apresenta flexibilidade em termos de resolução de imagem, se preocupando com uma televisão de alta definição, no entanto, não permite aplicações móveis e portáteis, devido a uma série de fatores tais como: modulação, entrelaçamento temporal e inflexibilidade na configuração dos parâmetros de transmissão. ● Padrão DVB – União Européia: Privilegia a múltipla programação, a interatividade e novos serviços. Apresenta mobilidade de transmissão sem grandes diferenciais para a qualidade obtida nos aparelhos analógicos. Comporta transmissão em dispositivos móveis, no entanto, não funciona satisfatoriamente, principalmente no modo hierárquico, quando transmite ao mesmo tempo para televisão em alta definição e sistemas móveis. ● Padrão ISDB – Japão : É considerado o mais avançado, pois possui alta definição, mobilidade e flexibilidade, logo se adequa a recepção portátil de dados e imagens. Este padrão tem uma intensa convergência, suporta modulação digital de alta qualidade e engloba conceitos de alta definição. Possibilita uma gama de serviços, confere benefícios aos radiofusores e fabricantes de receptores.8.1 SBTVD – Sistema Brasileiro de Televisão Digital O sistema de brasileiro de televisão aberta pode ser considerado um dos maiores do mundoe, entre as características mais relevantes, podemos citar a gratuidade do acesso.Para permitir o acesso à nova TV digital foi criado o middleware uma camada de softwareresponsável por manter a compatibilidade entre os sistemas computacionais e as aplicaçõesinterativas, ele surgiu com a necessidade de resolver o problema da combinação de TV
  • 5. UFBA/IM – Departamento de Ciência da Computação – MAT115 – 2010.2 Salvador, Bahia, dezembro de 2010tradicional com a interatividade, textos é gráficos. No Brasil esta camada de softwareé chamada de Ginga e tem como objetivo, dar suporte na interação dos usuários com oconteúdo televisivo e a incorporação de funcionalidades e serviços. O Sistema Brasileiro de TV Digital Terrestre escolheram o padrão japonês, o ISDB(Integrated Services Digital Broadcasting) devido principalmente a sua flexibilidade emobilidade, estas características abria uma leque de possibilidades e particularidades parao desenvolvimento de aplicações interativas dentro do ambiente da TV Digital, utilizando omiddleware Ginga.Foi lançado o decreto Nº 4.901, de 26 de novembro de 2003, que instituiu o SistemaBrasileiro de TV Digital (SBTVD). E dentre suas leis se destacam: ● promover a inclusão social, a diversidade cultural do País por meio do acesso à tecnologia digital, visando à democratização da informação; ● propiciar a criação de rede universal de educação à distância; ● estimular a pesquisa e o desenvolvimento e propiciar a expansão de tecnologias brasileiras e da indústria nacional relacionadas à tecnologia de informação e comunicação; ● planejar o processo de transição da televisão analógica para a digital, de modo a garantir a gradual adesão de usuários a custos compatíveis com sua renda; É evidente que o decreto além de estabelecer diretrizes para a transição do sistemaanalógico para o digital, deixa claro que o avanço tecnológico não se restringe a apenas atroca de equipamentos, visando também à inclusão social.Quanto aos benefícios esperados do Programa Brasileiro de TVD são: ● Redução da dependência tecnológica. ● Incentivo à produção de softwares e conteúdo regional e local, novas oportunidades de negócio. ● Promoção da Cultura Digital. ● Melhor capacidade de articulação e negociação.11 Equipamentos Para que um aparelho de televisão receba o sinal digital, e necessário possuir umaantena UHF e um conversor que também é conhecido como Set-Top Box, no qual pode serinterno ou externo. O conversor é um equipamento que faz a ligação entre a antena UHFe o televisor, sendo que ao conectá-lo na antena, este recebe o sinal digital e o transformaem um sinal que o televisor com tecnologia analógica consegue processar. A antena UHFé um elemento de extrema importância para a captação do sinal digital, mesmo com todatecnologia envolvida na qualidade digital de alta definição.12 Tipos de Telas Com a evolução dos processos de fabricação e novos inventos, os monitores de televisãosofreram várias mudanças. Ficaram menos volumosos, assim não ocupando tanto espaço nasala, a imagem e o som passaram a ter mais qualidades, entre outros. Existem diversos tiposde telas no mercado, porém neste artigo só iremos abordar alguns deles.12.1 TV de tubo (CRT- Cathode Ray Tube) Foram os primeiros aparelhos a serem fabricados cerca do ano de 1929 por VladimirZworykin. Tratava-se de um tipo específico de tubo de raios catódicos, que iria ser usadopara os primeiros sistemas práticos de televisão. Suas principais características são: ● Volumosas e pesadas; ● Maior consumo de energia; ● Excelente ângulo de visão.
  • 6. UFBA/IM – Departamento de Ciência da Computação – MAT115 – 2010.2 Salvador, Bahia, dezembro de 201012.2 LCD (Liquid Crystal Display) É uma tela plana comumente grande que possui um perfil de aproximadamente 3centímetros de espessura em seu lado mais estreito. Há dois tipos entre os quais se podemescolher uma tela plana: cristal líquido e plasma. No televisor de LCD, existe uma iluminação traseira (back light) atrás da tela de cristallíquido feita por uma lâmpada tipo fluorescente. A tela de LCD já é utilizada há algumtempo em dispositivos portáteis como relógios digitais, calculadoras, mp4, câmeras digitais ecelulares. No entanto possuem algumas peculiaridades como: ● Por possuir uma tela plana, elimina as distorções de imagem dos monitores do tipo tubo de raios catódicos, (que têm suas telas curvas); ● Consomem menos energia; ● O tamanho da tela é limitado (40 polegadas).12.3 Plasma O ângulo de visão de uma tela de plasma é semelhante ao dos televisores de tubo. Suatela formada por células com gás em seu interior, que emitem ondas eletromagnéticasquando excitadas pela corrente elétrica. A televisão de plasma é digital e suas imagens sãoconsideravelmente boas, porém não podem ser consideradas de alta definição, pois existemvárias TVs de plasma de 42 polegadas que possuem resolução de 852 x 480 pixels, ouseja, 480 linhas horizontais, e para ter uma boa qualidade, teriam que ter resolução de 720linhas horizontais. Entretanto é necessário considerar alguns aspectos relacionados a estesaparelhos: ● Melhor uniformidade da luz em todas as partes da tela; ● Emissão de luz pelas células da tela, proporcionando melhor brilho, contraste e resolução; ● Aparelho com maior profundidade e mais pesado.12.4 LED TV (Light Emitter Diodes) A TV de LED é a combinação de duas tecnologias: tela de LCD com iluminação por LED.Esta tela emprega na sua composição um painel de diodos emissores de luz que permite umaqualidade de imagem ainda maior. Outro fator em destaque é que para a sua fabricação sãoutilizados materiais que não agridem o meio ambiente. Algumas características desta TV são: ● Economia de energia, em até 40%; ● Mega contraste que propicia imagens mais claras e definidas; ● Extremamente fino e leve.12.5 TV 3D São televisores com tecnologia LED, LCD ou plasma, porém exibem imagens em trêsdimensões, que com o auxílio de óculos especiais promove uma sensação de que a imagemestá “saltando” da tela. Algumas vantagens desta tecnologia são: ● Proporcionar uma imagem mais próxima da realidade da visão humana, em três dimensões. ● Oferece recursos disponíveis em modelo de alta definição.Desvantagem: ● Após muitas horas assistindo à TV, o telespectador pode ficar com a vista cansada.13 Qualidade de imagem e som A resolução é o elemento que garante a nitidez da imagem. Todavia, as constituiçõesdas imagens em uma TV podem ser feitas por: escaneamento progressivo(p) ou por
  • 7. UFBA/IM – Departamento de Ciência da Computação – MAT115 – 2010.2 Salvador, Bahia, dezembro de 2010entrelaçamento(i). A primeira elimina estágios de correção, tornando as imagens mais nítidas,já a segunda passa por um processo que gera algumas imperfeições na imagem. Entretanto aresolução de um sinal de TV varia de acordo com o formato ou padrão utilizado. Deste modosegue abaixo alguns tipos: ● HD Ready: Indica que um aparelho pode receber sinais digitais em (720p ou 720i); ● Full HD: Fornece melhor qualidade das imagens de alta definição (1.920 x 1.080p), porém é necessário possuir aparelhos com sinal de padrão 1080. Ex: Blu Ray, playstation 3; ● Quad Full HD: Proporciona resoluções quatro vezes maiores que um televisor Full HD. Apresenta 3840 X 2160p dentro da tela, somando mais de oito milhões de pontos.14 Interatividade Ocorre quando o telespectador ou usuário deixa de assistir passivamente o que asemissoras de TV definem em sua programação, e passa a interagir com o conteúdo televisivo.Com o controle remoto, por exemplo, os usuários, podem fazer compras responder a testes,acessar mais informações sobre os programas, comprar produtos anunciados entre outros. O Google está investindo pesado nesta questão da interatividade. A Sony fechou umcontrato com o Google e em outubro começaram a vender televisores com o Google TVjá embutido. O Google quer transformar aparelhos de TV em computadores nos quais aspessoas naveguem na internet, façam buscas e principalmente cliquem em links patrocinados.Estes aparelhos já vêm com o android 2.2 e o navegador Chrome instalados, nos quaispermite acessar a internet e executar aplicativos online enquanto se assiste a um programa.15 Futuro da TV digital Alguns especialistas em mídias dizem que as TVs irão ser ainda mais interativas, que astelas terão tecnologias com uma nitidez ainda maior, que a televisão irá ligar com o estalardos dedos e ainda que se possa assistir a programas em 3D sem precisar dos óculos especiais.Contudo são fronteiras a serem quebradas entre o mundo real e o virtual com a finalidade depropiciar um novo modo de vida para toda a humanidade.16 Conclusão Pecebemos uma evolução constante nos recursos tecnológicos destinados a comunicaçãoe informação, é evidente a importância da televisão na construção de uma sociedadeinterativa, além de sua contribuição para inclusão digital e melhoria na qualidade de vida,principalmente na sociedade brasileira, um país de vasta extensão territorial. A interatividade, mobilidade e a portabilidade estarão ainda mais presente na TV digital,juntamente com o surgimento de aparelhos de TVs ainda mais modernas. Entretanto coma inserção da internet neste cenário, é necessário o desenvolvimento de tecnologias queproporcione segurança para o usuário que efetuar transições utilizando a internet na TV.ReferênciasFONSECA, Willian. O Full HD já está ficando ultrapassado! Confira a nova tecnologiaem resolução de televisores. 2009. Disponível em:<http://www.baixaki.com.br/tecnologia/2462-o-full-hd-ja-esta-ficando-ultrapassado-confira-a-nova-tecnologia-em-resolucao-de-televisores.htm>. Acesso em: 29 nov. 2010.
  • 8. UFBA/IM – Departamento de Ciência da Computação – MAT115 – 2010.2 Salvador, Bahia, dezembro de 2010NENO, Mylène. Saiba como escolher sua TV de alta definição para a Copa do Mundo.Disponível em: <http://g1.globo.com/tecnologia/noticia/2010/04/saiba-como-escolher-sua-tv-de-alta-definicao-para-copa-do-mundo.html> Acesso em: 01 dez 2010.R7 tecnologia e ciência. 2010. Especialistas dizem que TV do futuro será ligada comum estalar dedos. Disponível em:<http//noticias.r7.com/tecnologia-e-ciencia/noticias/especialistas-dizem-que-tv-do-futuro-sera-ligada-com-um-estalar-dedos-20101203.html>.Acesso em: 03 dez 2010.BRAIN, Marchall. Como funciona a TV digital. Disponível em:< http://eletronicos.hsw.uol.com.br/televisao-digital7.htm>. Acesso em: 03 dez. 2010.LETHBRIDGE, Tiago. O Google vai à guerra. Exame, São Paulo, v. 44, n. 14, p. 20-30,ago. 2010.Entenda os diferentes tipos de transmissão da TV de alta-definição.2004. Disponível em: <http://www1.folha.uol.com.br/folha/informatica/ult124u17459.shtml>. Acesso em: 06 dez.2010.Padrões de Middleware para TV Digital: Conclusões. Disponível em:< http://www.teleco.com.br/tutoriais/tutorialtvdpadrao/pagina_5.asp> Acesso em: 06 dez. 2010.FERNANDES ,Jorge; LEMOS, Guido; SILVEIRA, Gledson. Introdução à TelevisãoDigital Interativa:Arquitetura, Protocolos, Padrões e Prática. 2004. Apresentado na Jornadade Atualização em Informática do Congresso da Sociedade Brasileira de Computação.Salvador. Anais do JAI—SBC.OLIVEIRA, Etienne César Ribeiro de; ALBURQUEQUE, Célio Vinícius Neves de.TV Digital Interativa: Padrões para uma nova era. Instituto de Computação. UniversidadeFederal Fluminense (UFF) – Niterói, RJ – Brasil.BAIXAKI, 2010. Disponível em: <http://www.baixaki.com.br/tecnologia/2397-historia-da-televisao.htm#topo>. Acesso em: 07 dez. 2010.BOURDIUE, Pierre. Sobre televisão. Madrid: Anagrama, 1997.SAIBEL, Celso Alberto; VILAR, Antonio Carlos. Desenvolvimento de aplicações para TVDigital Interativa com Ginga: Abordagem Procedural e Abordagem Declarativa. Disponívelem: <http://www.tvdi.inf.br/index.php?s=artigos>. Acesso em: 07 dez. 2010
  • 9. UFBA/IM – Departamento de Ciência da Computação – MAT115 – 2010.2 Salvador, Bahia, dezembro de 2010
  • 10. UFBA/IM – Departamento de Ciência da Computação – MAT115 – 2010.2 Salvador, Bahia, dezembro de 2010