CRER NO CENTRO DE PORTUGAL:
um ambicioso desafio colectivo
Pedro Manuel Saraiva
(presidente@ccdrc.pt)

Centro Cultural Cer...
COORDENAR e DESENVOLVER
o CENTRO de PORTUGAL
O Ponto de Partida

A Região Centro no Contexto Nacional
Portugal

Municípios
Área
(Km2 )

População, 2011
PIB, 2010

Regi...
O Desígnio Central para 2014-2020
As Prioridades Estratégicas Nucleares

Criar Valor Acrescentado
Reforçar a Coesão Territorial
Gerar, Captar e Reter Talent...
Ambição

Representar 20% do PIB Nacional
Situar-se como Innovation Leader (RIS)
Diminuir em 10% Assimetrias Territoriais
T...
Alguns Trunfos
CENTRO DE PORTUGAL

9 instituições de ensino superior
14 incubadoras de empresas
4 centros tecnológicos
6 p...
Alguns Trunfos

Regional Innovation Scoreboard 2012
Alguns Trunfos
Viseu em 1º, Castelo Branco em 4º, Leiria em 8º e Coimbra em 10º
Alguns Trunfos
Conciliar a Cidade e as Serras
“Mas o que a Cidade mais deteriora no homem é a
inteligência, porque ou lha ...
RIS3 - Estratégias de Investigação e Inovação
para Especialização Inteligente
Especialização inteligente: “estabelecer pri...
Quem?

Modelo de governação

Os atores do sistema de inovação “quadrupla hélice” - os quatro pilares do
ecossistema de ino...
Ecossistema Regional de Inovação e Empreendedorismo
Promover Atitudes e Mentalidades

Colisões Positivas e Construtivas
Re...
PONTO DE CHEGADA

“An attractive regional image:
bring your brains and your family too…”
Mikel Landabaso (DG Regio)
Crer2020
Crer2020
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Crer2020

155

Published on

estratégia de desenvolvimento regional para o futuro do
Centro de Portugal

Published in: News & Politics
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
155
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
1
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Transcript of "Crer2020"

  1. 1. CRER NO CENTRO DE PORTUGAL: um ambicioso desafio colectivo Pedro Manuel Saraiva (presidente@ccdrc.pt) Centro Cultural Cerâmica Arganilense 4 de dezembro de 2012
  2. 2. COORDENAR e DESENVOLVER o CENTRO de PORTUGAL
  3. 3. O Ponto de Partida A Região Centro no Contexto Nacional Portugal Municípios Área (Km2 ) População, 2011 PIB, 2010 Região Centro % 308 100 32,5 92.212 28.199 30,6 10.561.614 2.327.580 22,0 172.571 32.161 18,6 30.920 6.112 19,8 (milhões de euros) Exportações de Bens, 2011 (milhões de euros)
  4. 4. O Desígnio Central para 2014-2020
  5. 5. As Prioridades Estratégicas Nucleares Criar Valor Acrescentado Reforçar a Coesão Territorial Gerar, Captar e Reter Talento Dar Vida e Sustentabilidade a Infraestruturas Existentes Consolidar a Capacitação Institucional
  6. 6. Ambição Representar 20% do PIB Nacional Situar-se como Innovation Leader (RIS) Diminuir em 10% Assimetrias Territoriais Ter 40% da População Jovem com Formação Superior Taxa de Desemprego Inferior a 70% da Média Nacional
  7. 7. Alguns Trunfos CENTRO DE PORTUGAL 9 instituições de ensino superior 14 incubadoras de empresas 4 centros tecnológicos 6 parques de ciência e tecnologia 70.000 empresas Rede polinucleada de cidades médias Distribuição Setorial e Geográfica
  8. 8. Alguns Trunfos Regional Innovation Scoreboard 2012
  9. 9. Alguns Trunfos Viseu em 1º, Castelo Branco em 4º, Leiria em 8º e Coimbra em 10º
  10. 10. Alguns Trunfos Conciliar a Cidade e as Serras “Mas o que a Cidade mais deteriora no homem é a inteligência, porque ou lha arregimenta dentro da banalidade ou lha empurra para a extravagância.” CENTRO DE PORTUGAL
  11. 11. RIS3 - Estratégias de Investigação e Inovação para Especialização Inteligente Especialização inteligente: “estabelecer prioridades, a nível regional, numa série de setores/tecnologias/áreas de conhecimento potencialmente competitivos e geradores de novas atividades, num contexto global, e tendo em conta a especialização de outras localizações”. RIS 3: “agendas de transformação económica integradas de base local, que partem da identificação das características e ativos específicos de cada região para, através de um processo participado por todas as partes interessadas, estabelecerem uma visão de futuro sustentável para o território”. Como? METODOLOGIA 1. RIS 3 5. instrumentos 3. visão 2. definição de um modelo de governação: participação e liderança elaboração de uma visão global, partilhada, para o futuro da região 4. identificação das prioridades 5. 2. processo 6. monitorização análise do contexto regional e do potencial de inovação 3. 1. análise definição do policy mix (combinação de instrumentos e políticas) e do plano de ação 6. integração de mecanismos de monitorização e avaliação 4. prioridades
  12. 12. Quem? Modelo de governação Os atores do sistema de inovação “quadrupla hélice” - os quatro pilares do ecossistema de inovação: instituições do sistema científico e tecnológico, empresas, administração pública e sociedade Centros de investigação, Universidades Empresas (PME, micro, grandes, indústria & serviços, indústrias criativas, ...) Clusters Agências de desenvolvimento Incubadoras Entidades financiadoras Administração Pública (nacional/regional/local) Consumidores, utilizadores, ONG O modelo quadrupla hélice representa uma evolução para uma política de inovação sistémica, aberta, centrada no utilizador/consumidor.
  13. 13. Ecossistema Regional de Inovação e Empreendedorismo Promover Atitudes e Mentalidades Colisões Positivas e Construtivas Reduzir Cataliticamente Energias de Ativação Promover Interações Saudáveis e Frutíferas “You are what you share” Charles Leadbeater
  14. 14. PONTO DE CHEGADA “An attractive regional image: bring your brains and your family too…” Mikel Landabaso (DG Regio)
  1. A particular slide catching your eye?

    Clipping is a handy way to collect important slides you want to go back to later.

×