Universidade Federal de UberlândiaInstituto de EconomiaBacharelado em Relações InternacionaisTeoria das Relações Internaci...
Diferenças entre o Realismo Clássico e o Neorrealismo       A elaboração da teoria realista se dará no século XX a partir ...
neorrealismo também conhecido como realismo estrutural, avança no que dizrespeito às interações interno externo, mas não i...
Existe uma divisão significativa entre os realistas estruturais,que se reflete naquestão da quantidade suficiente de poder...
potências a atuarem de maneira agressiva, não é sempre com essas intençõesque elas interagem.
ReferênciasDINIZ,Eugenio. “Política Internacional:” guia de estudo das abordagensrealistas e da balança de poder. 2007.MIN...
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Novo realista tri i

670

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
670
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
16
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Novo realista tri i

  1. 1. Universidade Federal de UberlândiaInstituto de EconomiaBacharelado em Relações InternacionaisTeoria das Relações Internacionais IMarinara Moreira Oliveira OS REALISTAS DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS Trabalho apresentado à disciplina Teoria das Relações Internacionais sob a orientação da professora doutora Marrielle Maia Alves Ferreira, como requisito parcial de avaliação. Uberlândia, Outubro de 2012.
  2. 2. Diferenças entre o Realismo Clássico e o Neorrealismo A elaboração da teoria realista se dará no século XX a partir dostrabalhos de E.H. Carr (Vinte Anos de Crise) e Hans Morgenthau (A Políticaentre as Nações), mas a sua base de pensamento nascida Ciência políticapossuirá origens antigas. Hans Morgenthau (A Política entre as Nações)definiu, “o realismo é uma teoria que explica como a política internacionalrealmente é uma luta interminável pelo poder”. Os Estados são os únicosatores para essa corrente teórica, alem disso, esses atores decidemracionalmente sobre a relação de custo beneficio, procurando no mínimo deautopreservação maximizar seu poder. Nesse sentido, a preocupação centralna agenda do Estado é sua sobrevivência e segurança. O cenário internacionalé caracterizado pela anarquia, pois não existe uma entidade superior aosEstados que possua monopólio legitimo do uso da força. Waltz critica a lógicaclássica de que o sistema internacional seja o somatório das capacidadesindividuais de cada Estado. Se assim fosse, não haveria como o própriosistema se auto regular o que é um contra senso. O Neorrealismo de Waltz é baseado em “propor leis gerais paraexplicar os eventos no sistema internacional. Simplificando explanações decomportamento porque acham que saberiam explicar e prever melhortendências gerais” (MINGST, 1999). De acordo com a visão neorrealista, osistema internacional é a estrutura dentro da qual se processam as RelaçõesInternacionais, delimitando a atuação dos agentes, isto é, os Estados, segundoparâmetros da socialização e da competição. Ou seja, sistema é constituídode estrutura e de unidades em interação. O sistema determina as ações dos atores que, por sua vez, influenciamas transformações da estrutura a partir de suas ações em um argumento decerta forma circular. A socialização se refere ao compromisso do Estado acertas regras de conduta e a competição é o equilíbrio de poder. Em qualqueruma destas condições, predomina para os Estados a lógica do self-help . Deacordo com esta lógica, os Estados somente podem contar consigo mesmospara sua proteção e sobrevivência e, mais do que nações expansionistas,convertem-se em defensores de posição. (PECEQUILO,2010). Esse
  3. 3. neorrealismo também conhecido como realismo estrutural, avança no que dizrespeito às interações interno externo, mas não investe muito na resolução dosdilemas relativos à cooperação dos estados.Unidade, Sistema e Estrutura. Levando em consideração que o sistema é constituído de estrutura ede unidades em interação. Os Estados são as unidades que são os principaisatores internacionais, pois só eles conferem aos demais os caminhos e a basepara que haja fluidez no sistema (DINIZ, 2007). A teoria sistêmica proposta por Waltz não analisa as característicasindividuais de cada unidade que interage dentro do sistema, mas sim os efeitosresultantes dessa interação - efeitos estruturais. Como a teoria sistêmica nãose preocupa com as causas das interações, mas com os resultados dessas,Waltz define estrutura a partir de três aspectos: ordenação, especificação dasfunções das unidades e a distribuição de recursos entre as unidades (WALTZ,2002). Uma estrutura pode ser ordenada por subordinação (quando há umaunidade superior às demais e que, de alguma forma, orienta a ordenação),onde teremos um sistema hierárquico; e, por outro lado, pode ser ordenadopor coordenação, o que leva a um sistema anárquico (WALTZ, 2002). Conforme o grau de diferenciação das unidades que interagem nosistema, podemos classificá-las, segundo Waltz, como, por exemplo,em unidades altamente diferenciadas, onde teremos, logo, uma estrutura comsistema diferenciado; ou então, unidades pouco especializadas, tornandoo sistema, concentrador ou pouco diferenciado. (WALTZ, 2002). As unidades em interação no sistema disputam pela apropriação decapacidades, ou indiretamente, pelas possíveis vantagens que seriam obtidaspor essas capacidades, apontadas por Waltz como recursos sistêmicos. Emsistemas hierárquicos a competição por recursos sistêmicos é controlada pelaunidade-mor; em sistemas anárquicos, a disputa torna-se o fator delimitador dopróprio sistema, já que a própria competição por recursos sistêmicos justifica ocomportamento das unidades em interação e suas aspirações. (WALTZ, 2002).Diferenças entre Neorrealismo Defensivo e Ofensivo
  4. 4. Existe uma divisão significativa entre os realistas estruturais,que se reflete naquestão da quantidade suficiente de poder.Neorrealismo defensivo De acordo com Waltz, “a sobrevivência é um pré-requisito paraalcançar qualquer objetivo que os Estados possam ter (...) o motivo dasobrevivência é visto como base de ação num mundo onde a segurança dosEstados não é garantida e não como uma descrição realista do impulso queestá por detrás de qualquer ato do estado” (WALTZ, 2002). A segurança se dáatravés de uma balança de poder defensiva. Para Waltz, o sistema internacional tem uma disposição a punir osatores que intentam alterar a distribuição de poder, restabelecendo o equilíbrioanterior. Assim, as tentativas de maximizar o poder individual seriamimprudentes. O neorrealista defensivo não consegue resolver o dilema desegurança, já que um ator não consegue convencer o outro de que está searmando defensivamente. Metas de segurança de curto prazo e metas dedefesa militar são priorizadas em relação às metas econômicas. Entretanto, nolongo prazo, o desenvolvimento econômico é procurado.Neorrealismo Ofensivo: John Mearsheimer, está inserido dentro do Realismo, que é baseado navisão do indivíduo como egoísta e sedento de poder. Assim são os Estados,que agem de modo unitário na busca de seu próprio interesse nacional definidoem termos de poder. A anarquia e a ausência de hierarquia são característicasde um ambiente internacional, onde cada ator se preocupa com suasobrevivência (MINGST, 1999). Mearsheimer, não nega os pressupostosbásicos de Waltz. Todavia, aponta que a lógica de ação dos atores não é oequilíbrio e a ação defensiva, mas, a busca pelo incremento de poder. Aindaargumenta que os Estados devem estar sempre procurando oportunidadespara adquirir mais poder, maximizando-o até atingir a hegemonia, pois é amelhor forma de garantir a sobrevivência (MEARSHEIMER, 2001). Potenciais países hegemônicos no jogo de poder de alta densidadetrazem consigo situações danosas para a paz e ordem estável do status quomundial. (MEARSHEIMER, 2001). O autor ao longo de sua obra, tenta apontarpara o fato de que por mais que o sistema internacional induza as grandes
  5. 5. potências a atuarem de maneira agressiva, não é sempre com essas intençõesque elas interagem.
  6. 6. ReferênciasDINIZ,Eugenio. “Política Internacional:” guia de estudo das abordagensrealistas e da balança de poder. 2007.MINGST, Karen A. “Princípios de Relações Internacionais”. Traduzido porArlete Simille Marques. Rio de Janeiro: Elsevier, 2009.PECEQUILO, Cristina S. “Manual do Candidato Política Internacional”.Brasília: Funag, 2010.SARFATI, Gilberto. “Teoria de Relações Internacionais”. São Paulo: Saraiva,2006.WALTZ, Kenneth Neal. “Theory of international politics”. 1979. Edição emPortuguês: Gradiva, 2002.MEARSHEIMER, John. “The Tragedy of Great Power Politics”. Nova Iorque,WW Norton, 2001.

×