Your SlideShare is downloading. ×
Escola lócus de emancipação
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Escola lócus de emancipação

1,028

Published on

Published in: Education
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
1,028
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
9
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. ESCOLA COMO ESPAÇO DE EMANCIPAÇÃO SOCIAL: UMA LEITURA A PARTIR DE PAULO FREIRE PROFª MESTRANDA MARICLEI PRZYLEPA
  • 2. PROBLEMATIZAÇÃO A ESCOLA DE HOJE?
  • 3. A EDUCAÇÃO DE HOJE?
  • 4. "Não é possível refazer este país, democratizá-lo, humanizá-lo, torná-lo sério, com adolescentes brincando de matar gente, ofendendo a vida, destruindo o sonho, inviabilizando o amor. Se a educação sozinha não transformar a sociedade, sem ela tampouco a sociedade muda."
  • 5.  Romper com a concepção “bancária” de educação presente hoje no sistema educacional. Essa educação não contribui para a compreensão e, nem tampouco, para a superação das contradições do real que oprime e marginaliza a maioria dos indivíduos. A educação “bancaria” não compreende o conhecimento como um processo em construção, mas sim, como uma “mera” transmissão de saberes, referendando valores e conhecimentos “úteis” para a manutenção das contradições existentes na sociedade.
  • 6.  Na concepção “bancária” a educação é o ato de depositar, de transferir, de transmitir valores e conhecimentos, não se verifica nem pode verificar-se a superação dos problemas, conflitos e das contradições sociais. Pelo contrário, refletindo a sociedade opressora, sendo dimensão da “cultura do silêncio”, a “educação” “bancária” mantém e estimula a contradição. (FREIRE, (2005, p. 67)
  • 7.  Freire (1996) ressalta a necessidade de romper com os padrões formais da educação, buscando uma prática crítico-educativa. Essa desacomodação na estrutura organizacional da escola requer uma prática pedagógica diferente, concebida na ação-reflexão-ação, nutrida de atitudes críticas e transformadoras por parte dos envolvidos. Apesar de não ser essa uma tarefa fácil, acredita-se que o “verdadeiro” educador deva estar “tomado” por essa busca/luta, não como expectador, mas, sim, como sujeito e protagonista, acreditando que um mundo mais humano, justo, igual se faz necessário é possível e a educação, se não é a única, é a maior e melhor “arma” para essa luta.
  • 8. Freire (2005) “se a educação sozinha não transforma a sociedade, sem ela, tampouco, a sociedade muda”. (p. 29) Salienta que a luta contra-hegemônica é tarefa de homens que ousam pronunciar verdadeiramente a palavra: A existência humana, não pode ser muda, silenciosa, nem tampouco pode nutrir-se de falsas palavras, mas de palavras verdadeiras, com que os homens transformam o mundo. Existir, humanamente, é pronunciar o mundo, é modificá-lo. O mundo pronunciado, por sua vez, se volta problematizado aos sujeitos pronunciantes, a exigir deles novo pronunciar. Não é no silêncio que os homens se fazem, mas na palavra, no trabalho, na ação-reflexão. (FREIRE 2005, p. 78)
  • 9. Freire (1967) concebe a educação como prática da liberdade. A relação do homem com o mundo concerto não é só uma questão de existir . Agir nele e essa ação humana contribui para a dominação e a humanização da realidade e para a produção da cultura: A partir das relações do homem com a realidade, resultantes de estar com ela e de estar nela, pelos atos de criação, recriação e decisão, vai ele dinamizando o seu mundo. Vai dominando a realidade. Vai humanizando-a. Vai acrescentando a ela algo de que ele mesmo é o fazedor. Vai temporalizando os espaços geográficos. Faz cultura. (FREIRE, 1967, p. 43)
  • 10.  Freire (1967), ressalta a necessidade de uma permanente atitude crítica com sendo o “único modo pelo qual o homem realizará sua vocação natural de integrar-se no mundo, superando a atitude do simples ajustamento ou acomodação, apreendendo temas e tarefas de sua época”. (p.44) A consciência crítica do homem torna-o não um mero espectador do processo histórico, pelo contrário, torna-o cada vez mais sujeito, na medida em que, crítico capta as contradições sociais do real e, desta forma, poderá ter uma atitude crítica que levará a superação dessas contradições e a sua libertação. A educação: homem construirá a sua consciência crítica que o libertará do estado de opressão social, porém, essa libertação não virá de uma educação “bancária”, muito pelo contrário, só a educação problematizadora será capaz de formar essa consciência no homem.
  • 11.  A educação “bancária” serve à dominação, mantendo a contradição educador-educandos, nega a dialogicidade. Implica uma espécie de anestesia, inibindo o poder criador dos educandos. A educação problematizadora serve a libertação e a superação dessa contradição, afirma a dialogicidade. Caráter autenticamente reflexivo, implica um constante ato de desvelamento da realidade”. (FREIRE, 2005, p.80) [...] a prática “bancária”, implicando o imobilismo [...] faz reacionária, enquanto a concepção problematizadora, que, não aceitando um presente “bem comportado”, não aceita igualmente um futuro pré-dado, enraizando-se no presente dinâmico, se faz revolucionária. (FREIRE, 2005, p. 84)
  • 12.  Na concepção de educação como prática da liberdade o diálogo problematizador começa quando educador-educando encontram-se em uma situação pedagógica, ou seja, o conteúdo programático da educação é dialogado e não imposto aos sujeitos. “[...] diálogo, problematizador, o conteúdo programático [...] não é uma doação ou uma imposição [...], mas a devolução [...], sistematizada e acrescentada ao povo daqueles elementos que lhe entregou de forma desestruturada” (FREIRE, 2005, p. 96- 97) . “É na realidade mediatizada, na consciência que dela tenhamos educadores e povo, que iremos buscar o conteúdo programático da educação” (p. 101).
  • 13.  FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1996. ____________. Educação como Prática da Liberdade. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1967. ____________. Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2005.

×