1     PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS                    Faculdade de Psicologia               Mariana Má...
2              Mariana Márcia Rezende da CostaHIPERMODERNIDADE, SOFRIMENTO PSÍQUICO E O TRABALHO                   DO ESTA...
3                Mariana Márcia Rezende da CostaHIPERMODERNIDADE, SOFRIMENTO PSÍQUICO E O TRABALHO                      DO...
4                                 AGRADECIMENTOS      Agradeço a meus pais pela oportunidade de realizar esse curso e a co...
5                                      RESUMOEssa   pesquisa    discorre   sobre   a   realidade   do   mundo   profission...
6                                       LISTA DE IMAGENS1 IMAGEM 1 – Senac publicidade 1 ....................................
7                                                     SUMÁRIO1 INTRODUÇÃO ...................................................
81 INTRODUÇÃO                     "Nenhuma época acumulou sobre o homem conhecimentos tão numerosos                     e ...
9       A pesquisa se mostra relevante, pois contribui para a compreensão darealidade psicológica dos estagiários, ratific...
102 A REALIDADE DO TRABALHO NA HIPERMODERNIDADE      O trabalho possibilita a construção de subjetividades correspondentes...
11encontre cada vez mais desamparado, enxergando o outro como um “rival”, querepresenta uma ameaça às suas possibilidades ...
12                     sociais. Estas transformações estão também mudando nossas identidades                     pessoais,...
13       Estabelece-se uma relação causal entre formação e empregabilidade,tornando a corrida por qualificação mais extens...
14produção dominante, faz com que este mesmo trabalho distancie e reforce aindiferença e a solidão entre os homens, já que...
15      O trabalho organiza e dá sentido à existência humana, possibilitando seudesenvolvimento e integração social. Diant...
163 A GERAÇÃO Y E A RELAÇÃO COM O TRABALHO       Segundo Lipkin e Perrymore (2010), “a Geração Y, também conhecida comoGer...
17      Tais mudanças fizeram com que a Geração Y desenvolvesse um olhar maisautocentrado sobre o mundo, o que fez com que...
18erros. Isso reforça a dificuldade deles em lidar com os problemas e inviabiliza oreconhecimento de suas limitações e con...
19tempo livre, a energia e a saúde no trabalho, que deve ser parte da vida, não aprópria vida.” (LIPKIN; PERRYMORE, 2010, ...
20      A instituição de ensino tem como papel mediar e regulamentar a situação deestágio entre aluno e a instituição conc...
21                             Figura 2 – Senac Publicidade 2                                      Fonte: SENAC 2011      ...
22      Porém, o que se nota é que os profissionais Y, na busca por uma colocação,já que não podem fracassar socialmente, ...
23incompatibilidade de valores, dentre outros, tudo isto somado a ainda ter queadministrar sua vida acadêmica.      A inse...
244 ANÁLISE DE DADOS      A análise de dados foi feita a partir do discurso de estagiários, obtidos atravésde entrevistas....
25Todos os entrevistados realizam estágio há no mínimo, 6 meses em organizações einstituições da sociedade belo-horizontin...
26                    “Hoje eu vejo que pessoas qualificadas, que estão sempre se qualificando,                    que se ...
27                    “Sim, porque você quer mostrar serviço, você quer ficar até tarde no                    estágio, que...
28                       Eu me sinto privilegiado por tanta responsabilidade, por tanta confiança que                     ...
29ambiente organizacional e sem eles não é possível se manter trabalhando.Colocações do tipo: “É assim mesmo, vai, vai dar...
30                     “Acho que o importante é a força de vontade para superar desafios, que no                     meu p...
31                      “As experiências que eles me passam, as informações, os exemplos, as                      historia...
32      Todos os estudantes reconhecem a importância do trabalho em equipe,afirmam que crescem e aprendem a lidar com seu ...
33                     “É o meu maior medo no momento é de formar desempregada.                    (intervenção). Meio inc...
34      As respostas dadas sobre alguma desilusão sobre o mundo do trabalhoindicam que a Geração Y muitas vezes, se vê cer...
355 CONCLUSÃO       Através desta pesquisa, foi possível constatar como as relações de trabalhosão atravessadas pelo consu...
36a iludir o profissional, principalmente diante de um mercado tão aquecido para osestagiários, além do histórico de valor...
37      Para que as perguntas sejam esclarecidas, mais pesquisas devem serrealizadas. Quanto à indagação número um, seria ...
38                                  REFERÊNCIASARAUJO, Romilda Ramos de; SACHUK, Maria Iolanda. Os sentidos do trabalho es...
39MAIA, Ana Augusta Ravasco Moreira; MANCEBO, Deise. Juventude, trabalho eprojetos de vida: ninguém pode ficar parado. Psi...
40      APÊNDICE A  ENTREVISTA REALIZADA COM OS ESTUDANTES                        1a. Parte – PERFIL DO ESTAGIÁRIO1. Sexo...
4109. O seu estágio, de modo geral, é atentamente acompanhado pelos seussupervisores?10. Ao longo do último ano de estágio...
4228. Durante o estágio você realizou tarefas que vão além dos objetivos ou âmbito desua graduação?29. A competição com se...
Hipermodernidade, sofrimento psíquico e o trabalho do estagiário
Hipermodernidade, sofrimento psíquico e o trabalho do estagiário
Hipermodernidade, sofrimento psíquico e o trabalho do estagiário
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Hipermodernidade, sofrimento psíquico e o trabalho do estagiário

1,473 views

Published on

Monografia apresentada como requisito para aquisição de título de bacharel em Psicologia na PUC-MG / 2012.

0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
1,473
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
21
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Hipermodernidade, sofrimento psíquico e o trabalho do estagiário

  1. 1. 1 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Faculdade de Psicologia Mariana Márcia Rezende da CostaHIPERMODERNIDADE, SOFRIMENTO PSÍQUICO E O TRABALHO DO ESTAGIÁRIO. Belo Horizonte 2012
  2. 2. 2 Mariana Márcia Rezende da CostaHIPERMODERNIDADE, SOFRIMENTO PSÍQUICO E O TRABALHO DO ESTAGIÁRIO. Monografia apresentada ao Curso de Psicologia da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, como requisito parcial para a obtenção do título de Bacharel em Psicologia. Orientadora: Márcia de Mendonça Jorge Belo Horizonte 2012
  3. 3. 3 Mariana Márcia Rezende da CostaHIPERMODERNIDADE, SOFRIMENTO PSÍQUICO E O TRABALHO DO ESTAGIÁRIO. Monografia apresentada ao Curso de Psicologia da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, como requisito parcial para a obtenção do título de Bacharel em Psicologia. Orientadora: Márcia de Mendonça Jorge ___________________________________________ Márcia de Mendonça Jorge (orientadora) - PUC - MG _________________________________________ Rosana Carvalho de Oliveira (leitora) – PUC-MG Belo Horizonte, 14 de junho de 2012.
  4. 4. 4 AGRADECIMENTOS Agradeço a meus pais pela oportunidade de realizar esse curso e a confiançaem mim. A minha orientadora Márcia de Mendonça Jorge pela disponibilidade em meouvir, orientar e guiar nesse projeto. A leitora Rosana Carvalho de Oliveira pela atenção dada ao meu trabalho epor também me orientar e sugerir melhorias importantes para um bom resultado. A professora Ângela Spesiali Aroeira por fazer com que as primeiras ideiassurgissem e fossem aprimoradas através de diálogos ricos e reflexões maishumanas sob a condição e papel do homem na realidade a qual vivemos. A todos os estudantes que disponibilizaram seu tempo e com boa vontaderealizaram as entrevistas. E a colegas que indiretamente também contribuíram através de sugestões,debates e incentivo.
  5. 5. 5 RESUMOEssa pesquisa discorre sobre a realidade do mundo profissional nahipermodernidade: seus significados, formas de apresentação e maneira de seconsiderar o homem. Foca-se principalmente no trabalho dos estagiários daGeração Y, sobre suas experiências iniciais de atuação profissional, o que incluisuas percepções, vivências e sentimentos numa etapa de descobrimento doambiente e relações trabalhistas. Foram realizadas entrevistas semi estruturadascom estudantes da PUC-MG dos últimos períodos de graduação, dos cursos dePsicologia, Engenharia e Administração a fim de se constatar possíveis dificuldades,angústias e sofrimento psíquico diante da realidade profissional do contextohipermoderno, caracterizado pelo individualismo, consumismo e precarização dohomem. Os resultados mostram que a alta demanda de trabalho e exigênciasconstantes de qualificação já são presentes desde o momento em que o estudanteatua como profissional. Junto a isso, verificou-se como a Geração Y se mostradespreparada e imatura para lidar com essas exigências, tal geração tende ademonstrar altas expectativas, dificuldades de lidar com a frustração e assimilar deforma assertiva as renúncias que a vida profissional exige, como: tempo para olazer, família e amigos, bem como as exigências o trabalho faz: qualificaçãoconstante, competitividade, contato com os outros e responsabilidade.Palavras-chave: hipermodernidade, estágio, Geração Y, trabalho, relações.
  6. 6. 6 LISTA DE IMAGENS1 IMAGEM 1 – Senac publicidade 1 ................................................................... 132 IMAGEM 2 – Senac publicidade 2 ................................................................... 21
  7. 7. 7 SUMÁRIO1 INTRODUÇÃO ................................................................................................... 082 A REALIDADE DO TRABALHO NA HIPERMODERNIDADE .......................... 103 A GERAÇÃO Y A RELAÇÃO COM O TRABALHO ......................................... 164 ANÁLISE DE DADOS ...................................................................................... 244.1 Metodologia ...................................................................................................... 245.1 Perfil dos entrevistados .................................................................................. 245.2 Resultados ....................................................................................................... 255 CONCLUSÃO .................................................................................................... 35REFERÊNCIAS ....................................................................................................... 38APÊNDICE A .......................................................................................................... 40APÊNDICE B .......................................................................................................... 43
  8. 8. 81 INTRODUÇÃO "Nenhuma época acumulou sobre o homem conhecimentos tão numerosos e diversos como a nossa (...). Nenhuma época conseguiu tornar esse saber tão pronta e facilmente acessível. Mas nenhuma época tampouco soube menos o que é o homem." (Heidegger apud Morin, 2005, p. 16) O trabalho organiza e dá sentido à existência humana, possibilitando odesenvolvimento e integração social do sujeito. Diante do contexto socialhipermoderno ele tem representado não apenas a sobrevivência material, comotambém social e psicológica dos indivíduos. O mercado de trabalho segue a lógica da rapidez da informação, dasinovações tecnológicas e da diminuição das fronteiras, necessitando cada vez maisser dinâmico e integrador. Desde então, o capital intelectual se valoriza cada vezmais, isso já desde o momento em que o profissional atua como estagiário, com asempresas qualificando-o e desenvolvendo-o de acordo com seus valores,perspectivas e interesses. Diante de tal realidade, esse momento na trajetória profissional pode se tornarsinônimo de ansiedade, angústia e medo, visto que o jovem estagiário se encontraem meio a uma turbulência de exigências e demandas às quais tem que responderpara que suas perspectivas de carreira tenham a chance de ao menos existirem,tamanha a competitividade e cobrança contínua por qualificação e resultados. Supõe-se que a insegurança quanto ao desenvolvimento da carreira pós-universidade contribui para que os estagiários aceitem se subordinar e produzirmuito acima do possível e adequado, além de realizar, por vezes, trabalhosincondizentes com seus valores e princípios, o que pode gerar sofrimento psíquico. Este trabalho de pesquisa se propôs a compreender como jovens vivenciam aatuação profissional e perspectiva quanto à carreira no mercado de trabalho. Osdados foram obtidos através de entrevistas, realizadas com estudantes que seencontram nos últimos períodos de graduação (7º ao 10º) que fazem estágio, estesque estão se preparando para a carreira pós-formatura. A idade estipulada foi 22 a27 anos, considerando esta como a faixa etária na qual os estudantes de fim decursos se encontram. O sexo é indiferente, variações neste sentido não foraminvestigadas.
  9. 9. 9 A pesquisa se mostra relevante, pois contribui para a compreensão darealidade psicológica dos estagiários, ratificando a importância da Psicologia emmapear e subsidiar esses profissionais num momento de vida que se tornaangustiante e aversivo. Também contribui para que novas práticas de gestão sejamrealizadas e as empresas tenham uma visão mais clara sobre as expectativas dosestagiários, futuros profissionais. O primeiro capítulo aborda a realidade do trabalho na hipermodernidade, ouseja, como as relações trabalhistas se configuram frente ao contexto neoliberal ecapitalista existente. Foram investigados, como o homem reage a essas exigências,como se torna uma mercadoria passível de ser consumida, como seu valor se tornairrisório frente a oferta de produtos cada vez mais dinâmicos, eficientes edescartáveis, mesmo que esse produto seja o próprio homem. O segundo capítulo discorre sobre o que vem a ser a “Geração Y”, suahistória, características e posturas. Discorreu-se sobre seus limites e capacidadesfrente a realidade do mundo do trabalho. O capítulo também apresenta o conceito deestágio, sua finalidade e características. Aprofundou-se sobre a questão darealidade do trabalho na hipermodernidade em relação ao trabalho do estagiário,contextualizando sobre a alta competitividade, a hiper demanda de qualificação esucesso na carreira já na fase da formação profissional. O último capítulo trata da análise de dados. Entrevistas semi-estruturadasforam realizadas com estudantes dos cursos de Psicologia, Engenharia eAdministração e buscou-se, através da fala dos estagiários, compreender arealidade e percepção de trabalho dos estudantes, possíveis dificuldades e maneirasde lidar com elas.
  10. 10. 102 A REALIDADE DO TRABALHO NA HIPERMODERNIDADE O trabalho possibilita a construção de subjetividades correspondentes a cadaépoca histórica, o que significa que “é pelo trabalho que o homem se faz homem,constrói a sociedade, transforma-a e faz a história” (ARAÚJO; SACHUK, 2007, p.55). A forma de produção dominante dita à organização do trabalho dedeterminada conjuntura social, o que implica em posturas e ideologias próprias queinfluenciam no investimento e nas considerações sobre o trabalhador. As diretrizeseconômicas articulam as políticas e ideias dominantes em cada contexto histórico,subsidiando as manifestações coletivas e individuais. Na sociedade capitalista e globalizada impera a inovação tecnológica, arapidez da informação, o narcisismo e o consumo. Os valores são instáveis emanipulados pela publicidade e a mídia. As fronteiras são encurtadas, a culturaprevalecente é a do efêmero e do individualismo. As identidades são adaptadas aosinteresses políticos e econômicos, referências já não existem ou são mutáveis.Identidade hoje é sinônimo de processo, contínuo e inconstante. Bauman (2010)refere-se há esses tempos, como o mundo líquido “porque, como todos os líquidos,ele jamais se imobiliza nem conserva sua forma por muito tempo.” O consumo é acelerado e personalizado, torna tudo descartável, inclusive ostrabalhadores. Esses que, ao produzir desenvolvem suas faculdades, também asconsomem no mesmo processo, gastando sua energia, força e afeto. O trabalhadorse encontra em meio a um círculo vicioso, no qual precisa produzir para consumir eao mesmo tempo consumir para manter a produção ativa e gerar lucros. ParaLawson citado por Bauman (2010), “compramos coisas como sinais do quequeremos ser e de como queremos que os outros pensem que somos. O quecompramos misturou-se profundamente à nossa identidade. Agora somos o quecompramos.” Na hipermodernidade as ofertas de relacionamento, cultura, informação,estilos, dentre outros, são diversas, “o homem indiferente não se apega a nada, nãotem uma certeza absoluta, está preparado para tudo e as suas opiniões sãosusceptíveis de modificações rápidas: para conseguirem um tal grau desocialização”, (LIPOVETSKY, 2005, p. 42). Prevalece o relativismo, a indeterminação e a descontinuidade. O ser humanobusca mais do que nunca o reconhecimento. Tais fatores fazem com que ele se
  11. 11. 11encontre cada vez mais desamparado, enxergando o outro como um “rival”, querepresenta uma ameaça às suas possibilidades de ascensão e sucesso, inclusiveprofissional; laços sólidos deixam de ser construídos. A sobrevivência agora não é apenas econômica, mas social e psicológica, otrabalho mais do que nunca, torna-se a possibilidade da obtenção de realizaçãopessoal. Segundo Borsoi, [...] quando o trabalho começa a fazer parte efetiva da vida das pessoas, ele se torna tão significativo (ou quase) quanto às relações amorosas que elas constroem e – a meu ver, não seria exagero dizer - tão necessário quanto o sono. Sem trabalho, não teremos como satisfazer necessidades básicas do nosso corpo e da nossa fantasia. [...] (BORSOI, 2007, p.106) Nota-se que a realidade sócio-profissional se torna cada vez maisperturbadora, exigindo das empresas grandes investimentos não apenastecnológicos, mas intelectuais para se manterem no mercado, além da adoção depráticas mais agressivas e inovadoras. O capital humano se torna estratégico paraque as organizações se desenvolvam e mantenham-se atualizadas e competitivas.Os investimentos em captação de mão de obra qualificada com posteriordesenvolvimento delas é cada vez mais valorizado. O trabalhador tem que se adaptar e operar segundo as movimentadas leis domercado, envolvendo-se numa rede de mudanças e contradições contínuas, sendocontrolado pelo que ainda pode alcançar, produzir e “doar” à empresa. “Agora cabe aos atuais e futuros empregados “se automonitorarem”, serem seus próprios observadores a fim de assegurar que seu desempenho é convincente e aprovável pelos compradores – e que continuará a merecer a aprovação caso estes mudem de desejos, gostos e preferências [...]” (BAUMAN. 2010, p.120) A lógica capitalista é reproduzida nos relacionamentos profissionais, otrabalhador se torna uma mercadoria, passível de ser consumida, inclusivesubjetivamente. E como todo produto ofertado, está sujeito a ser descartado namedida em que se torna menos “rentável, prático e inovador” assim como objetos,tecnologia e serviços. Um tipo diferente de mudança estrutural está transformando as sociedades modernas no final do século XX. Isso está fragmentando as paisagens culturais de classe, gênero, sexualidade, etnia, raça e nacionalidade, que, no passado, nos tinha fornecido sólidas localizações como indivíduos
  12. 12. 12 sociais. Estas transformações estão também mudando nossas identidades pessoais, abalando a ideia que temos de nós próprios como sujeitos integrados. Esta perda de um ‘’sentido de si’’ estável é chamada, algumas vezes, de deslocamento - descentração dos indivíduos tanto de seu lugar no mundo social e cultural quanto de si mesmos – constitui uma ‘’crise de identidade’’ para o indivíduo (HALL, 2006, p.9). O tempo para a reflexão sobre as próprias escolhas neste contexto corre noritmo da urgência, tudo tem que ser decidido e resolvido em tempo hábil, todas asoportunidades são consideradas sem uma avaliação mais crítica e racional. Acomplexidade das relações atuais de trabalho nesse cenário mutante e deimpensáveis possibilidades responde de maneira condizente com as posturas eideologias ditadas pela forma de produção capitalista. Os profissionais, inclusive os que estão iniciando a carreira como osestagiários, estão sempre em estado de alerta, num devir constante, envolvidosnuma série de começos, ingressando em empresas muitas vezes sem ponderar seelas atendem suas demandas de aprendizado e cultura, e se estão de acordo comseus valores e busca de realização profissional, tudo isto para não fracassar frente àfamília, amigos, professores, etc. Assim, o mundo do trabalho torna-se, de forma rápida e surpreendente, um complexo monstruoso, que se por um lado poderia ajudar, auxiliar o homem em sua qualidade de vida, por outro lado – patrocinado pelos que mantém o controle do capital, da ferramenta diária que movimenta a escolha de prioridades, avassala o homem em todos os seus aspectos. Alguns são absorvidos, exigidos, sugados. Outros alçados a postos de poder e de liderança que reproduzem o capital virtual. (CAPITÃO; HELOANI, 2003, p.103) Tal realidade contribui para a emergência de sofrimento psíquico, que tende aser reforçado pelo discurso ideológico de que o indivíduo é o único responsável peloseu desenvolvimento profissional, ou seja, é ele o provedor de meios para seusucesso, através do esforço e de sua competência. Tal discurso tende a culpabilizaro indivíduo por suas derrotas e dar mérito a suas vitórias, sendo subsidiado pelafalsa ideia de que apenas a dedicação romperá com as fronteiras econômicas esociais. Retoma-se assim a visão da teoria do capital humano, na qual: O processo de escolaridade era interpretado como um elemento fundamental na formação do capital humano necessário para garantir a capacidade competitiva das economias e, consequentemente, o incremento progressivo da riqueza social e da renda individual. (GENTILLI apud LEMOS et aL. 2009, p. 371)
  13. 13. 13 Estabelece-se uma relação causal entre formação e empregabilidade,tornando a corrida por qualificação mais extensa e penosa, o que tende a moldar oprofissional às expectativas e exigências do setor produtivo. O trabalhador se vêcercado por diversas possibilidades, sem que elas representem qualquer garantia desegurança. Seu conhecimento fica sujeito a mudanças rápidas e é desvalorizado namedida em que novas práticas vão surgindo. O profissional tem que se avaliar,atualizar e modificar constantemente, pois a única certeza é a mudança. Os processos seletivos estão cada vez mais impessoais e se tornamangustiantes frente à altíssima concorrência que assola ainda mais as relaçõesinterpessoais, tornando o outro fonte de preocupação e acompanhamento constante.O grau de pessimismo tende a se elevar e a autoestima a decair, pois o olhar sevolta para as competências e qualificações do concorrente, mais do que para as dopróprio sujeito. Figura 1 – Senac Publicidade 1 Fonte: SENAC 2011 Surge assim um paradoxo, através do trabalho “o sujeito tem acesso aoreconhecimento de si mesmo e, simultaneamente, pela via da alteridade, aoinelutável reconhecimento do outro.” (VIEIRA et al, 2007, p.156), porém, ocorre quea lógica hipermoderna somada a organização do trabalho ditada pela forma de
  14. 14. 14produção dominante, faz com que este mesmo trabalho distancie e reforce aindiferença e a solidão entre os homens, já que ao se tornar maior o nível deexigências por qualificação, aumenta-se também proporcionalmente o nível decompetitividade. Sendo assim, o outro se torna opositor, representando mais um obstáculo aser superado, o que acentua e ratifica o individualismo hipermoderno. O trabalho como regulador social é fundamental para a subjetividade humana, e essa condição mantém a vida do sujeito; quando a produtividade exclui o sujeito podem ocorrer as seguintes situações: reatualização e disseminação das práticas agressivas nas relações entre os pares, gerando indiferença ao sofrimento do outro e naturalização dos desmandos administrativos; pouca disposição psíquica para enfrentar as humilhações; fragmentação dos laços afetivos; aumento do individualismo e instauração do pacto do silêncio coletivo; sensação de inutilidade, acompanhada de progressiva deteriorização identitária; falta de prazer; demissão forçada; e sensação de esvaziamento. (CAPITÃO; HELOANI, 2003, p. 106) O controle agora segue a lógica da sociedade hipermoderna  através dasedução  no “sentido em que o processo de personalização reduz os quadrosrígidos e coercivos, funciona suavemente jogando a cartada da pessoa individual, doseu bem-estar, da sua liberdade, do seu interesse próprio.” (LIPOVETSKY, 2005, p.19). O trabalho seguindo essa lógica integra não apenas a dimensão material,mas toma para si a dimensão afetiva entre empresa e trabalhador, fazendo com queperfis de profissionais sejam idealizados no estereótipo de “super-homens”, queconseguem se superar a cada momento. Esta imagem é vendida e se torna um ideala ser atingido, o que, do contrário, faz do trabalhador um incapaz. O marketing feito pelas empresas a fim de atrair o profissional  que quandoestagiário se mostra mais propenso a ser seduzido  faz com que essesprofissionais se identifiquem com a organização, com sua marca, valores eobjetivos, tomando estes como seus. O apelo se torna subjetivo e se estende após acontratação do profissional, a produção é atrelada ao afeto, à imaginação e àsensibilidade. Ao reconhecer a subjetividade como fonte de produção de riqueza, as empresas estimulam o exercício da invenção no cotidiano do trabalho com o objetivo de transformar seus resultados em novas mercadorias, que serão produzidas em série e posteriormente consumidas pela população, que engloba também os próprios inventores. (MANSANO, 2009, p. 519)
  15. 15. 15 O trabalho organiza e dá sentido à existência humana, possibilitando seudesenvolvimento e integração social. Diante da possibilidade de não inserção nomercado profissional, não apenas distúrbios físicos podem se manifestar, mastambém psicológicos, visto que a crise pode afetar a condição subjetiva dotrabalhador, tornando-o desconfiado, paranóico e pouco solidário em razão da rotinade concursos em que vive e que assombra como nunca suas relações de trabalho. [...] É por meio do trabalho que o homem se autoproduz: desenvolve habilidade e imaginação, aprende a conhecer as forças da natureza e ao desafiá-las, conhece suas próprias forças e limitações, relaciona-se com os companheiros e vive o afeto de toda relação, impõe-se uma disciplina. (ARAÚJO; SACHUK, 2007, p.55) A ruptura entre trabalho e afeto pode desalojar o sujeito e transparecer emsentimentos de desvalorização e incapacidade, com críticas profundas a si mesmo,insatisfação e medo em relação à carreira, distanciamento social e culpa, o indivíduopassar a trabalhar apenas para atender a um interesse e imposição coletiva. “Trabalhar é impor à natureza a nossa face, o mundo fica mais parecido 16conosco e, portanto, nossa subjetividade depositada ali, fora de nós, nosrepresentando.” (CODO, 1993, p. 190). Sendo assim, infere-se que o trabalho deveproporcionar autonomia ao sujeito, liberdade de expressão e principalmenteidentificação com as tarefas que realiza e com o produto delas. Através do trabalho o homem completa sua formação social, ética e política,descobre novas possibilidades e maneiras de se portar e lidar com o mundo. Elerepresenta uma instância privilegiada de inserção social, que comparece, de modo decisivo, para as produções da subjetividade, possuindo papel fundamental na construção de projetos de vida dos jovens que possibilitem o desenvolvimento de trajetórias e narrativas consistentes. (MAIA; MANCEBO, 2010, p.378)
  16. 16. 163 A GERAÇÃO Y E A RELAÇÃO COM O TRABALHO Segundo Lipkin e Perrymore (2010), “a Geração Y, também conhecida comoGeração Millennials, Geração da Internet e iGeração”, nasceu, embora haja poucoconsenso, entre os anos de 1980 e 2000. Concebidos na era digital e democrática,jovens dessa geração estão presenciando profissionalmente o modelo hipermodernode organização do trabalho. Tais jovens cresceram junto com o desenvolvimento dainternet e da informática, além do desenvolvimento de grandes potencias mundiais.Essa geração se encontra imersa em tecnologia, sendo bombardeada porinformações, fatos e ideias a todo o tempo. Os jovens da geração Y se caracterizam pelo dinamismo, inovação,criatividade, crença em seus próprios valores e imediatismo. Mostram-se capazes degrande performance e aprendizado. Almejam simultaneamente diversaspossibilidades, precisando constantemente de novos desafios para continuarmotivados. Visam à realização profissional em consonância com a realizaçãopessoal, ou seja, buscam não o equilíbrio entre elas, mas a interação, o que significaque o ambiente de trabalho é como uma extensão de sua vida e não ela própria. Representam o perfil da sociedade hipermoderna, (...) sociedade aberta, plural, levando em conta os desejos dos indivíduos e aumentando a sua liberdade combinatória. A vida sem imperativo categórico, a vida kit modulada em função das motivações individuais, a vida flexível da época das combinações, das opções, das fórmulas independentes tornadas possíveis por uma oferta infinita.” (LIPOVETSKY, 2005, p. 19) São filhos da geração X, criada com um estilo de educação mais rígida ecategórica, educação esta que foi contestada, o que gerou mudanças na maneira daGeração X perceber, lidar e atuar no mundo, principalmente na criação de seusfilhos Y. Os pais da Geração Y procuraram se concentrar em desenvolver um bom relacionamento com seus filhos, dando-lhes apoio, força e proteção incondicional, além de proporcionar os meios para que eles crescessem e se expressassem livremente. Essa revolta parental, junto com as mudanças culturais dos últimos 20 anos (mudanças acadêmicas, sociais, políticas, ambientais, globais, tecnológicas), produziu grandes mudanças na criação da Geração Y e em seu subseqüente comportamento profissional. (LIPKIN; PERRYMORE, 2010. p. 3)
  17. 17. 17 Tais mudanças fizeram com que a Geração Y desenvolvesse um olhar maisautocentrado sobre o mundo, o que fez com que atuem nele com maior crítica,ousadia e vontade de se sobressair frente aos outros, independentemente dasdiferenças de idade, sexo ou capacitação, seja ela técnica ou comportamental. “Aspessoas da Geração Y foram criadas com uma grande base de autoestima. A elasera dito que podiam ser e fazer o que quisessem, o que, por sua vez, gerou umapopulação consciente de seus pontos fortes.” (LIPKIN; PERRYMORE, 2010. p. 12). Os Y são bastante proativos, informados e criativos, com boa desenvolturasocial, porém, também se caracterizam por serem bastante exigentes, afoitos porgratificações, feedbacks e retornos rápidos sobre seu trabalho, comportamento eexpectativas. Devido à autoinflação do ego, fruto da super proteção de seus pais, quetiveram presença marcante em suas decisões, protegendo-os e orientando-osconstantemente sobre diversas circunstâncias, dificuldades, medos ou dúvidas,esses jovens foram mal preparados para lidar com a realidade, possuem umatendência maior a dependência, insegurança e falta de confiança. Necessitam de constantes orientações e recompensas para se sentiremreconhecidos e valorizados, já que cresceram ouvindo muitos elogios e poucascríticas que proporcionassem o aprendizado para lidar com a frustração. Quando recebemos recompensas e elogios por um desempenho abaixo da média, desenvolvemos expectativas de reconhecimento por tudo o que fazemos. Essas expectativas vão ficando casa vez maiores com a idade se não forem corrigidas. (LIPKIN; PERRYMORE, 2010, p. 70) Diante disso, os jovens tornaram-se muito sensíveis ao fracasso e asdificuldades encontradas podem fazer com que não levem adiante muitos projetos,sua motivação e compromisso com o trabalho sejam afetados, além de abalar suaautoconfiança. Esses jovens necessitam desenvolver a paciência e a capacidade derenunciar a reforços positivos de curto prazo. Os preceitos hipermodernos tendem a medir o valor de um profissional deacordo com o desempenho e resultados que apresentam, o que tende a intensificara angústia dos jovens, visto que eles crescem sem visualizar outra opção que nãoseja a vitória. Estão condenados a sempre ter de responder de maneira satisfatória atodas as demandas, sem fraquejar ou ter tempo de aprender e/ou refletir com os
  18. 18. 18erros. Isso reforça a dificuldade deles em lidar com os problemas e inviabiliza oreconhecimento de suas limitações e consequentemente a possibilidade de trabalhá-las, para assim desenvolver o autoconhecimento. No mundo profissional, os Y exigem que as normas e cultura das empresassejam revistas, solicitam flexibilidade, menos formalidade e rigidez quanto avestimentas, etiqueta e hierarquia, porém, tratando-se do ambiente tradicional detrabalho, essa Geração, muitas vezes, tende a ser vista como prepotenteinconsistente e ansiosa. Como foram criados sendo o centro das atenções, os jovens podemapresentar dificuldades em se adaptar às rotinas de trabalho, regimento interno,forma de se comunicar e hierarquia da organização, sendo pouco realistas eexigindo ser reconhecidos rapidamente, por seu talento e não pelo tempo de carreirae experiência adquirida. A elevação da autoestima a qualquer custo acabou dando lugar a ideia de que as falhas não vêm de dentro, mas de fora, o que dificulta autorregulação independente e a capacidade de aprender com os erros. (LIPKIN; PERRYMORE, 2010, p. 24) Quando percebem que não podem promover mudanças na proporção eâmbito que esperam, a nova geração de profissionais tende a se sentirdecepcionada, interpretando, muitas vezes, precipitadamente, que estão sendosubaproveitados, o que faz com que não permaneçam por muito tempo num mesmotrabalho ou que se recusem a fazer tarefas que julgam banais ou que percamprogressivamente a motivação e o empenho. Esses jovens tendem a ser profissionais que sabem trabalhar em equipe,prezando por líderes coerentes, justos e empáticos, os quais muitas vezes sãovistos como mentores, substitutos dos pais. Sendo assim, a importância que osnovos profissionais dão ao trabalho tende a ser mais ideológica do que econômica.Para eles, os valores da empresa devem ser compatíveis com seus valorespsicossociais. Os “Y” tendem a buscar trabalhos que permitam o estabelecimento devínculos afetivos positivos e sua fonte de satisfação no trabalho se encontra nosrelacionamentos, nas possibilidades de aprendizado, desenvolvimento eprincipalmente na identificação com as tarefas realizadas. “A Geração Y valoriza o
  19. 19. 19tempo livre, a energia e a saúde no trabalho, que deve ser parte da vida, não aprópria vida.” (LIPKIN; PERRYMORE, 2010, p. 3) Segundo a pesquisa da Cia de Talentos citada por Oliveira (2010), para osjovens da geração Y um dos principais motivos para escolher uma empresa na qual trabalhar é um ambiente agradável, que não intimida, mas promove o bem-estar e o respeito, no qual o trabalho é quase um lazer com constante movimento criativo e um bom relacionamento com os colegas. (CIA DE TALENTOS apud OLIVEIRA, 2010, p. 66) Essa geração necessita agregar sentido ao que realiza, envolvendo-se ematividades prazerosas, que lhe proporcionem relações amistosas, possibilidades deascensão e desenvolvimento rápido. O trabalho deve ser sinônimo de desafio,autonomia, flexibilidade e realização pessoal. Atualmente, o primeiro momento em que organizações e a geração Y,enquanto estudantes se relacionam através de vínculos de trabalho, ocorre naexperiência de estágio. A Lei 11.788/2008 (BRASIL, 2008) no parágrafo 1º do artigo1, define o estágio como sendo um ato educativo escolar supervisionado,desenvolvido no ambiente de trabalho, que visa à preparação para o trabalhoprodutivo de educandos. Ainda de acordo com a legislação, no parágrafo 2º do artigo 1, o estágio visaao aprendizado de competências próprias da atividade profissional e àcontextualização curricular, objetivando o desenvolvimento do educando para a vidacidadã e para o trabalho. Nota-se que a lei estabelece como propósito da experiência de estágio, nãoapenas o aprendizado, mas também o compromisso social, ou seja, a contribuiçãodo profissional para o exercício da cidadania. Segundo Zubiri citado por Perelló(1998), O estágio, como prática, forma a base e o resultado da educação, pois transforma o pensamento, o conhecimento, em mercadorias e serviços elementares à sustentação e a expansão de qualquer grupo humano. Pensar e realizar o pensamento será o fundamento da prática – estágio. (ZUBIRI apud PERELLÓ, 1998, p.25)
  20. 20. 20 A instituição de ensino tem como papel mediar e regulamentar a situação deestágio entre aluno e a instituição concedente, assim como avaliar a experiência deestágio quanto à adequação à formação cultural e profissional do educando. Porém, o que se observa é que a prática de estágio em algumasorganizações não cumpre seu papel de educar e formar cidadãos mais conscientessobre sua contribuição social. Isto significa que muitas vezes, o trabalho realizado noestágio ultrapassa as atividades próprias da área de conhecimento do curso degraduação do estudante, utilizando-o como funcionário administrativo. Os jovens profissionais motivados e sedentos por qualificação, que semostram capazes de “oxigenar” e renovar a organização, inovando-a ao apresentarideias criativas, trazer soluções práticas e promover a descontração no ambiente,muitas vezes têm sido considerados como um meio de se obter “mão de obrabarata”. Também representam para a empresa, a possibilidade de formarprofissionais conforme suas normas e cultura, treinando-os a reproduzir e adaptaresses preceitos a qualquer situação. Sendo assim, o objetivo do estágio, que é odesenvolvimento e formação do educando para a vida cidadã e profissional não seconcretiza. O jovem ao ingressar no mercado de trabalho como estagiário, já sente epercebe como o nível de exigências por competências, sejam elas técnicas oucomportamentais têm se elevado. As organizações almejam um profissional pronto ecompleto em curto espaço de tempo, que seja capaz de gerar lucros a qualquercusto (dele), isto já desde a experiência de estágio. Muitas empresas cobram aperformance de um profissional sênior dos estagiários, porém os tratam eremuneram como um profissional júnior. Diante de tal realidade, esse momento na trajetória profissional pode se tornarsinônimo de ansiedade, angústia e medo, visto que o jovem estagiário se encontraem meio a uma turbulência de exigências e demandas às quais tem que responderpara que suas perspectivas de carreira tenham a chance de ao menos existirem,tamanha a alta competitividade e cobrança contínua por qualificação e resultados. Adificuldade que esses jovens têm de lidar com o fracasso é duplicada diante dasexigências sociais.
  21. 21. 21 Figura 2 – Senac Publicidade 2 Fonte: SENAC 2011 A geração Y, que tanto preza qualidade de vida e identificação com otrabalho, agora se vê fazendo escolhas, muitas vezes contrárias às suas convicções,a fim de garantir seu lugar no mercado profissional. Os sacrifícios feitos em razão daorganização, sustentados pelos ideais e representações que a revestem, mostram-se válidos principalmente pela relevância social que têm para as pessoas as quais,essa geração, necessita provar sua capacidade e, inclusive, para si mesma, já quecresceu cercada de elogios. O desespero pela sobrevivência social e psicológica fazcom que seus valores sejam adaptados e o trabalho, muitas vezes, torna-sedesprovido de prazer e significado. Atualmente, a legislação estabelece que a jornada de estágio extracurricularpara estudantes do ensino superior terá duração máxima de seis horas diárias,perfazendo um total de 30 horas semanais, com contrato de duração máxima dedois anos, carga horária que não poderá ser excedida e deverá ser compatível coma jornada escolar do aluno. O estudante com contrato de estágio superior a um anotem direito a férias remuneradas, preferencialmente em consonância com o recessoescolar.
  22. 22. 22 Porém, o que se nota é que os profissionais Y, na busca por uma colocação,já que não podem fracassar socialmente, sujeitam-se a rotinas longas, estressantese desgastantes, tanto físicas como emocionais. Seu trabalho não se encerra com ofim da jornada diária e os prazos e cobranças muitas vezes fazem com que otrabalho seja “levado para casa”, privando o sujeito de horas de descanso ou estudo. Soma-se a isto, a ilusão e sedução da sociedade capitalista, que associasucesso profissional apenas a boa remuneração e status social. O adestramento social já não se efectua através da coerção disciplinar nem mesmo da sublimação; efectua-se por meio da auto-sedução. O narcisismo, nova tecnologia de controlo flexível e autogerido, socializa dessocializando, põe os indivíduos de acordo com um social pulverizado, glorificando o reino da plena realização do Ego puro.” (LIPOVETSKY, 2005, p. 53) O jovem estagiário se depara muitas vezes com tarefas delegadas que vãocontra seus valores, perspectivas e capacidade de produção. A rotina de estudos,lazer, amigos e demais interesses agora se chocam com a rotina da organização. Esse princípio de realidade adentra e fere o psiquismo humano, fazendo com que as pessoas sintam-se exigidas; o sentimento de impotência e de desvalorização, que leva as pessoas pouco resistentes a degenerar-se rapidamente, avilta de si qualquer potencial humano que pudesse se somar as conquistas da civilização. (CAPITÃO; HELOANI, 2003. p.103) A realidade sócio-histórica na qual o estagiário está envolvido cobra altaperformance em curto espaço de tempo, impõe uma rotina de constante formação eatualização. O estagiário tem que ser ao mesmo tempo flexível, ousado, dinâmico,criativo e maduro, características essas que já fazem parte do repertóriocomportamental da Geração Y, mas frente a alta concorrência tem que serconstantemente otimizados. Os gestores traçam o perfil comportamental de seu estagiárioestrategicamente, com o objetivo de treinar o mais rápido e eficazmente possível ojovem profissional para trazer resultados para a empresa. Porém, o caminho entre a admissão do estagiário e o momento em que elepode ser promovido na empresa, torna-se muitas vezes angustiante, cansativo edesesperador, já que sua efetivação depende de sua performance. Nesse processo,o estudante tem que lidar com pressões, cobranças excessivas, chefias autoritárias,estresse, desvalorização, dificuldades nos relacionamentos interpessoais,
  23. 23. 23incompatibilidade de valores, dentre outros, tudo isto somado a ainda ter queadministrar sua vida acadêmica. A insegurança quanto ao seu futuro profissional pode fazer com que o jovemestagiário aceite se subordinar às condições de trabalho desgastantes e produzirmuito além de suas possibilidades. Isto para tentar garantir um possível emprego.Essa situação pode desencadear sofrimento psíquico, visto que há umdesvencilhamento entre o afeto e o trabalho na medida em que o modo de produção separa o produtor de seu produto, transforma os trabalhos diferentes, portanto portadores de subjetividades diferentes em iguais, mercadoria como qualquer outra a ser vendida no mercado, transformação do trabalho em força de trabalho, impedindo a subjetivação do indivíduo no trabalho e empurrando o ser subjetivo do homem para fora da fábrica, restrito ao lar. (CODO, 1993, p.193) A competitividade e demanda de exigências tendem a ser naturalizadas eencaradas como fatores que devem ser vencidos a todo custo. Diante dessasdificuldades, os jovens tendem a não visar a alterar ou questionar a realidade naqual vivem  comportamento típico e esperado dessa geração mas apenasadaptar-se a ela. Ao jovem profissional cabe apenas conviver com o movimentocontínuo de incertezas quanto ao futuro e aproveitar ao máximo as oportunidades,mesmo que elas sejam efêmeras e angustiantes.
  24. 24. 244 ANÁLISE DE DADOS A análise de dados foi feita a partir do discurso de estagiários, obtidos atravésde entrevistas.4.1 Metodologia A presente pesquisa teve caráter exploratório, foi realizada buscando “oaprimoramento de ideias, a familiarização com o problema proposto, ou seja, atomada de conhecimentos do tema a ser estudado.” (FARIA, 2007, p. 31). O métodoutilizado para análise foi o qualitativo; para a coleta de dados foram realizadasentrevistas semi-estruturadas. Participaram da pesquisa alunos dos cursos de Psicologia, Administração eEngenharia, cursos que foram escolhidos por representar, na PUC-MG, cada umdeles, três áreas de conhecimento: Saúde, Humanas e Exatas. Os estudantes foramescolhidos aleatoriamente nos períodos finais da graduação (7º e 8º ou 9º ou 10º),pois a intenção da pesquisa foi obter informações de estagiários que já estejamprestes a se formar e a entrar no mercado de trabalho. A idade estipulada foi de 22 a27 anos, considerando esta como a faixa etária predominante em que os estudantesde fim de curso se encontram. Não se considerou o sexo dos entrevistados,variações neste sentido não foram investigadas. Foram realizadas 12 entrevistas, 4estudantes de cada curso anteriormente citados foram selecionados. As entrevistas foram realizadas individualmente pela pesquisadora no horáriode aula dos alunos. Buscou-se com o instrumento conhecer a opinião dosestagiários sobre suas vivências profissionais e perspectivas de carreira. O relatórioda pesquisa foi organizado através da análise qualitativa das respostas e falas dosestagiários.4.2 Perfil dos entrevistados As entrevistas foram realizadas durante o mês de março/abril, com dozeestudantes do ensino superior: quatro estudantes do curso de Psicologia, quatro deEngenharia e quatro do curso de Administração, estudantes que se encontram nosperíodos finais da graduação (7º ao 10º). A escolha dos entrevistados foi aleatória.
  25. 25. 25Todos os entrevistados realizam estágio há no mínimo, 6 meses em organizações einstituições da sociedade belo-horizontina. Segue abaixo o perfil da populaçãopesquisada: Quadro 1 – População pesquisadaIDENTIFICAÇÃO IDADE SEXO PERÍODO CURSO TEMPO NO ATUAL ESTÁGIO A.C.M 23 Feminino 10º Psicologia 1 ano e 10 meses M. M. A. O. 23 Feminino 10º Psicologia 6 meses M. K.S 27 Feminino 9º Psicologia 1 ano K. C. O. R. 24 Feminino 9º Psicologia 1 ano e 11 meses C. R. D. G. 24 Masculino 10º Engenharia 2 anos E. O. C 24 Feminino 10º Engenharia 1 ano e 5 meses C. R. A. A. 22 Masculino 9º Engenharia 1 ano R. M. R 24 Masculino 9º Engenharia 1 ano e 1 mês L. F. P. 22 Feminino 8º Administração 11 meses L. D. S. 23 Feminino 8º Administração 6 meses R. N. M. 20 Feminino 7º Administração 6 meses N. R 23 Feminino 7º Administração 1 ano e 4 meses Fonte: Dados da Pesquisa4.3 Resultados Nos relatos dos entrevistados, nota-se que todos os estudantes avaliam suasexperiências de estágio como proveitosas, há um consenso de que o estágioproporciona aprendizado e oportunidade de crescimento. Observa-se nasafirmações que os estudantes tendem a enxergar no estágio um meio de secapacitar e de se preparar para o mercado e que sem ele, suas perspectivas deingresso no mercado de trabalho seriam bem menores. Segundo eles, o estágio ajudou a adquirir competências necessárias para oexercício competente e autônomo da profissão; a maioria deles ressaltouprincipalmente o quanto se desenvolveram tecnicamente, porém enfatizaram quemuito ainda precisa ser estudado. Nota-se que o discurso da qualificação é bastantepresente; ela nunca é suficiente e está sempre em processo.
  26. 26. 26 “Hoje eu vejo que pessoas qualificadas, que estão sempre se qualificando, que se preocupam com sua formação, têm lugar no mercado sim...” (M K. S. – Estudante de Psicologia) “Então o negócio é sempre você estar correndo atrás, sempre tentando mudar de emprego, ir pra uma empresa melhor, que te valoriza mais, que tem uma possibilidade de você seguir carreira lá dentro, pra tentar melhorar a situação.” (C .R. A. A – estudante de Engenharia) “Quanto mais você quiser se capacitar, você que tem que ir atrás, principalmente como estagiário, eu vejo isso até um pouco em empregado, mas estagiário é muito maior (intervenção) Porque estagiário é escraviário, eles não querem ficar gastando muito dinheiro com um possível profissional, que eles não têm certeza se vai permanecer ou não na organização.” (L. F. P. – estudante de Administração) A maioria dos estagiários afirmou se sentir desgastado com a rotina deestágio e estudo. Todos eles apontaram dificuldades em administrá-la, informandoque não conseguem distribuir assertivamente o tempo que possuem pelasatividades que têm que realizar, visto que o estágio ocupa grande parte de suaspreocupações. Além disso, todos demonstraram que com o estágio em seu dia-a-dia, o tempo para lazer, família e amigos diminuiu, fazendo com que eles tivessemque estabelecer prioridades, abrindo mão de sua vida social para adiantar algumaatividade de estágio ou estudar algum conteúdo de disciplina atrasado ou qualqueratividade que não pode ser feita durante a semana. “É muito complicado, principalmente final de semestre, é desesperador, parece que eu não vou dar conta, dá vontade de largar tudo, de parar tudo...” (K. C. O. R. - Estudante de Psicologia) “Ah a gente sente né, porque o tempo reduz, então a você tem prioridades, então às vezes o tempo de estágio é o tempo que você tinha pra ficar com seus colegas, que você tinha que ficar com sua família principalmente, era o tempo que “cê” tinha até pra você mesmo, “pro cê” descansar e tudo e aí você não tem mais, e aí o tempo que você tem livre você tem que priorizar outras coisas, por exemplo, da faculdade que antes você tinha o tempo do estágio pra fazer e que agora você não tem mais, então você acaba que tem que priorizar determinadas coisas e sua vida social fica bem de lado.” (A. C. M. – Estudante de Psicologia) “A partir do momento que a gente leva mais a sério o profissional a gente deixa algumas coisas de lado, então no meu caso foi uma escolha no decorrer desse meu processo de aprendizado, é eu deixei de namorar pessoas pra se dedicar ao ambiente de trabalho, porque eu tenho certeza que nenhuma pessoa ia gostar ou a família ou os amigos ia gostar de me ver o tempo todo preocupado com o ambiente de trabalho, preocupado com o dia-a-dia, então eu já deixei sim de sair, ter lazer, já deixe de freqüentar algumas aulas, já deixe de viajar, de curtir o final de semana mesmo por questão de trabalho” (C. R. D. G. – Estudante de Engenharia)
  27. 27. 27 “Sim, porque você quer mostrar serviço, você quer ficar até tarde no estágio, quer ficar correndo atrás, eu faço inglês e tenho que estar aqui (faculdade). Quando vai chegando à reta final, mais você deixa a faculdade de lado.” (L. F. P. – estudante de Administração) O excesso de trabalho também foi muito relatado, principalmente pelasestudantes de Psicologia. Nota-se que a alta performance tão cobrada no mercadode trabalho, já atinge os profissionais desde quando eles atuam como estagiários. Onúmero alto de demandas demonstrou ser um fator de ansiedade e desgaste físico epsíquico: “Tinha vez que eu tinha que contratar quase cinquenta pessoas, cem pessoas, tinha que viajar pra fazer a contratação, tinha que chegar, ver os testes, fazer os laudos, ainda cuidar das outras vagas mesmo. Eu cheguei a pensar:, gente eu não vou aguentar, é muita coisa né?.” (K. C. O. R. - Estudante de Psicologia) “Junto com a faculdade fica muito pesado, tem semanas que é mais tranqüilo, mas têm semanas, por exemplo, essa semana pra mim é complicado, tem muita prova, muito trabalho, mas eu acabo conciliando porque eu não quero abrir mão do estágio, Estágio pra mim é muito importante, justamente pelo que eu te disse, de em me preparar pro mercado de trabalho, então eu concilio. Vai chegando final de semestre eu emagreço, mais ou menos uns quatro, cinco quilos, todo final de semestre eu emagreço, de tanta correria, de tanta loucura, mas eu gosto, eu vou lidando com isso. (M. K.S. – Estudante de Psicologia)” “Às vezes a minha chefe me dá atividades demais, atividades assim que eu ainda não estou preparada para tomar uma decisão sozinha sem ninguém, sem ela, e... e aí eu fico com medo de não conseguir atender as expectativas dela, né?” (K. C. O. R. - Estudante de Psicologia) “Eu ficava atoa em casa e de uma hora pra outra eu comecei a estudar e trabalhar, mesmo que fosse seis horas, no início foi um impacto.” (M. M. A. O. – estudante de Psicologia) Verifica-se nas falas que as estudantes sofrem psiquicamente com aspressões no trabalho. Delas são cobrados resultados como de um profissional jáformado e experiente. Nota-se que essa pressão somada ao medo de não agradarao outro, são fonte de insegurança e ansiedade. A própria ideia de nãoresponderem a todas às demandas em tempo útil representa uma ameaça às suaschances de contratação. “Mesmo sendo estagiário, as cobranças para entrega das tarefas impostas são comuns no meu estágio atual.” (R. M. R. - Estudante de Engenharia) “Eu, como estagiário também cubro férias de colaboradores, são profissionais ali que devem estar a seus vinte, trinta anos, não sei, quase aposentando, mas com a ausência deles, é em modo de email formalizado, em que o estagiário né, será responsável por tal projeto ou pela tal gestão.
  28. 28. 28 Eu me sinto privilegiado por tanta responsabilidade, por tanta confiança que a própria empresa e os gestores me dão, mas ao mesmo tempo eu não me sinto confortável, pois são responsabilidades muito grandes e que podem acarretar, não sei, demissão até mesmo pra pessoa que me passou.” (C. R. D. G. – estudante de Engenharia) “O pessoal eles acham que é um faz tudo dentro da empresa, então a gente acaba tomando antipatia.” (L. D. S. – estudante de Administração) Quanto a ter que tomar medicação para conseguir responder ao esforço,tensão e/ou estresse sentidos durante o estágio, apenas uma estudante informouque isso foi necessário: “Tive que tomar antidepressivo, comecei também o acompanhamento psicológico por causa de estágio, porque eu não conseguia lidar bem com a equipe, eu achava que eles eram... que eles exigiam mais do que eu podia dar. E assim, eu acho que em estágio tem que ter um tempo, por exemplo, lá eles exigem muito de mim coisa que eu não sabia, não sei, eles fazem muita pressão.” (L. D. S. - Estudante de Administração) A concorrência que os estudantes enfrentam, a instabilidade do mercado detrabalho e a insegurança quanto ao futuro são fatores que contribuem para oaumento do nível de ansiedade, receio do mundo profissional e falta de confiança nofuturo. “O mundo do trabalho muitas vezes não é justo, não é justo assim. Nem sempre a pessoa cresce só por competência ou só por mérito dela, mas tem uma série de fatores que às vezes uma pessoa que não é tão competente e passa na sua frente e cresce mais dentro de um lugar do que você.” (A. C. M. – Estudante de Psicologia) “hoje em dia, o mercado está altamente competitivo e cada vez exige mais do empregado e... queira ou não o que prevalece no mercado hoje é a indicação né... quanto maior sua networking, melhor sua possibilidade de emprego garantido e não mais só por sua própria competência, é lógico que você tem que ter sua competência, tem que ter um currículo bacana e além disso agora tá tendo essa, uma outra concorrência que seria as indicações, Se você conhece alguém forte numa empresa você acaba entrando lá. Então você tem que dar o dobro do seu potencial pra conseguir alguma coisa, às vezes fica sendo desgastante, mas é você não desistir.” (E. O. C. – Estudante de Engenharia) “Sim, eu acho que é uma disputa mais na teoria, de conhecimento, prática, teórica, é ruim, aí você chega a pessoa tá num período maior, tem um conhecimento mais amplo, ta aplicando na prática o que já viu na teoria, então acaba sendo mais competitivo, se volta mais por interesse, eu já posso ser contratada, tenho mais tempo que você, sendo que eu não terminei o curso.” (L. D. S. – estudante de Administração) Na fala dos estudantes, foi possível perceber como se tornou naturalizado odiscurso de que o excesso de trabalho, cobrança e esforço são práticas típicas do
  29. 29. 29ambiente organizacional e sem eles não é possível se manter trabalhando.Colocações do tipo: “É assim mesmo, vai, vai dar certo” (N. R. - estudante deAdministração) são comuns, o que reforça o ideal social de que para se conseguirum lugar no mercado de trabalho, o profissional deve habituar-se a rotinasdesgastantes, mascaradas pelas representações sociais de que “sofrer” no trabalhoé comum. “Hoje eu acredito que tem um maior desgaste mental, por causa da pressão, você tem que entregar aquilo tudo na hora e correndo.” (C. R. A. A. – Estudante de Engenharia) “O meu tempo diminuiu bastante nos estudos, pra dedicações a graduação, mas em contrapartida eu acho que eu ganho muito; aquela preocupação de fazer mais o filme, pra ter uma garantia da contratação.” (E. O. C. – Estudante de Engenharia) “No dia-a-dia, o psíquico foi bem abalado e por isso que eu falei que eu tento separar essa parte pessoal com o trabalho. O estresse também conta, as preocupações contam, as noites mal dormidas contam e então eu acho que a demanda a preocupação no trabalho também influenciam.” (C. R. D. G. – Estudante de Engenharia) Os estudantes enfatizaram a questão do receio de não conseguir apresentarresultados ou responder pelas responsabilidades: “Sobre os procedimentos, também encontrei dificuldades nas primeiras vezes de realizá-los, e um pouco de insegurança também, com medo de algo dar errado, pois a responsabilidade é um pouco grande.” (N. R. - Estudante de Administração) “Você tem que estar preparado pra qualquer coisa, então quando você estiver formado e tiver um emprego na área você vai ter umas situações que não vai ter mais desculpas, ah eu sou estagiário então eu posso deixar pra amanhã. Você tem que resolver aquilo e a sua vida vai ser dedicada a empresa, você tem que ficar bem antes, o tempo todo” (C. R. A. A– Estudante de Engenharia) O discurso ideológico de que o indivíduo é o único responsável pelo seudesenvolvimento profissional, ou seja, é o provedor de meios para seu sucesso,através de seu esforço e de sua competência foi identificado na fala dosparticipantes. Eles atribuem apenas a si a responsabilidade pelo sucesso de suacarreira e afirmam que se esforçam o quanto podem: “Sou uma pessoa determinada, e gosto do que faço, assim espero ter uma carreira profissional digna, com responsabilidade e determinação. Digo espero, mas farei o possível para ser assim.” (K. C. O. R. - Estudante de Psicologia)
  30. 30. 30 “Acho que o importante é a força de vontade para superar desafios, que no meu ponto de vista é essencial, pois a teoria vista em sala de aula é só um suporte para o dia-a-dia. O diferencial está em saber lidar com as pessoas e passar segurança. Mesmo que o assunto ou trabalho imposto seja novidade no momento em que é passado, cabe ao profissional ter a capacidade de achar a melhor solução não medindo esforços para tal.” (N. R. - Estudante de Administração) “Eu quero me preparar mais, e a gente sabe que um curso superior não é nada, a gente tem que se especializar e estudar cada vez mais.” (M. K. S. – Estudante de Psicologia) “Olha, porque a questão da competição eu tenho, porque eu comecei muito tarde. Eu sinto que eu poderia estar bem mais capacitada.” (L. F. P. – estudante de Administração) Nota-se também que os estudantes entrevistados tendem a dirigir sua carreirapara as exigências do mercado, baseando-a no que, naquele momento, é julgadocomo o melhor curso, treinamento e caminho a se seguir. “Me mantenho informado das necessidades do mercado profissional atual e futuro. Assim, tento me direcionar no mercado e me aprimorar, tento buscar os requisitos exigidos atualmente, com objetivo de fazer o que gosto no lugar certo.” (R. M. R. - Estudante de Engenharia Eletrônica) Quando perguntados se mudariam de estágio, os entrevistados disseram quenão, isso ocorreria apenas se já ingressassem na nova empresa com a possibilidadede serem efetivados. Esse fator possivelmente foi influenciado pelo fato de que abusca por um estágio no final do curso acarretaria um grande desgaste, visto que asoportunidades de mercado são menores, o que torna a rotina de seleção maisangustiante. Além de que muitos não trocariam “o certo pelo duvidoso”, já queesperam ser contratados, depois de formados, pelas empresas em que atuam. Os estudantes afirmaram que percebem que estão sendo reconhecidos namedida em que seus gestores os estimulam e elogiam, o que ratifica o quanto aGeração Y necessita ser incentivada e encorajada para se sentir mais autoconfiantee capaz. “Através de resultado, de elogio da Mary (supervisora) e dos clientes também, dessa forma” (M. K. S. – Estudante de Psicologia). A importância da relação com profissionais mais experientes foi bastanteexpressada. Os gestores são vistos como referenciais de conduta eprofissionalismo.
  31. 31. 31 “As experiências que eles me passam, as informações, os exemplos, as historias que eles já passaram e o que acontece no dia-a-dia com certeza são excelentes, é... para o meu futuro e não só as partes positivas as negativas também, eu também erro e nos erros eles também comentam, apresentam nos relatórios que é feito mensalmente, é também valorizado, as críticas construtivas.” (C. R. D. G. – Engenharia) “Muito, porque a medida do possível eles estão transmitindo conhecimento e você a medida em que vai tendo a convivência você vai captando, vendo o jeito que eles resolvem os problemas, executam as tarefas, então eu acho muito importante.” (L. F. P. – estudante de Administração) Porém, quando questionados sobre o empenho dos gestores em orientar eacompanhar atentamente o estágio, muitos estudantes se sentem insatisfeitos.Nota-se que tendem a se sentir perdidos em suas atividades, sem saber ao certo seestão realizando-as de maneira assertiva. Segundo eles, os supervisores do estágiopoderiam indicar com maior frequência e clareza os erros e/ou maneiras novas oumais práticas de realizar a tarefa. Segundo os estagiários, falta de tempo e realidadeda empresa, foram os motivos apontados pelas organizações em que atuam, parajustificar a falha na supervisão de estágio. Esses discursos são mais presentes na fala das estudantes de Administraçãoe Psicologia, acredita-se que isso ocorre pelo fato de que esses cursos são maisteóricos e amplos didaticamente, o que já não ocorre no curso de Engenharia, querequer acompanhamento constante, pois depende de cálculos e medidas exatas. “Não, não mesmo. Lá questão de horário é muito flexível, eles não estavam muito preocupados com os estagiários” (R. N. M. – estudante de Administração “Lá é muito corrido, então tem coisa que você tem que pegar e procurar outras pessoas pra fazer. Sinto mais falta de ser me repassado tarefas mais complexas que me ajudariam na minha formação.” (L. F. P. – estudante de Administração) “Atentamente não. (intervenção) Atentamente pra mim é aquela pessoa que tá sempre ali, tá sempre perguntando, sempre te supervisionando, tem a preocupação de te dar um feedback, isso não acontece, não é uma coisa constante.” (A. C. M. – estudante de Psicologia) “Sim, existe um programa de acompanhamento dos meus supervisores e padrinhos, em que ocorre uma avaliação a cada dois meses e encontro com todos os estagiários referentes à área de engenharia, a qual é discutido todas as questões em relação à evolução, opiniões e como posso te dizer... e também defeitos da empresa.” (C. R. D. G. – estudante de Engenharia)
  32. 32. 32 Todos os estudantes reconhecem a importância do trabalho em equipe,afirmam que crescem e aprendem a lidar com seu temperamento diante do fato deque necessitam dos outros para realizar seu trabalho. “Eu acho que a gente aprende muito trabalhando em equipe, eu sou uma pessoa muito impaciente, você acaba adquirindo algumas habilidades necessárias quando você trabalha em equipe.” (R. N. M. – estudante de Administração) As estudantes de Administração afirmaram que realizam ou já realizaramatividades que vão além do âmbito de sua graduação: “É lá na Caixa às vezes você tinha que comprar um cafezinho... Isso não me incomodava, mas incomodava muita gente lá dentro. Às vezes eu levava como um favor.” (R. N. M. – estudante de Administração) “Várias, o famoso escraviário, tira o Xerox, monta uma pasta. No meu primeiro mês de estágio eu fiquei arrumando trinta armários, fazendo o 5S, era o 5S braçal, de ficar lá arrumando, não tinha ninguém pra parar e me ensinar, pra me dar um curso.” (L. F. P. – estudante de Administração) Nota-se que conflitos entre gerações são presentes. Muitos estudantes daGeração Y se sentem frustrados diante da resistência e divergência de opiniões deprofissionais mais experientes. “Aí você estuda pra você ter um planejamento estratégico, pra você conseguir desenvolver alguma coisa com mais facilidade, aí a outra pessoa como ela já trabalha muito com aquilo há muito tempo, ela acha que tem um limite pra aquilo, não deixa ir além, então no caso, o que eu quero passar pra ir além é barrado.” (L. D. S. – estudante de Administração) Todos os estagiários demonstraram receio de não conseguir arrumar umemprego depois de formados, principalmente os do curso de Administração.Acredita-se que isso ocorre pelo fato do curso em questão ser um dos maispresentes no Brasil, o que amplia sua concorrência. Diferenciar-se nessa área exigeum esforço muito grande, além dos profissionais terem que competir com outros decursos técnicos ou que se especializam na área sem ser formados nela. “Eu tenho muito medo, acho que todos que estão formando têm medo sim de sair da faculdade e não conseguir um emprego.” (N. R. – estudante de Administração)
  33. 33. 33 “É o meu maior medo no momento é de formar desempregada. (intervenção). Meio incompetente mesmo, porque o mercado está muito apertado. Talvez o que eu poderia ter feito é ter começado estágio bem mais cedo, ter começado muito tarde isso me prejudicou um pouco.” (L. F. P. – estudante de Administração) “Pela falta mesmo de experiência e prática, porque hoje em dia eles pedem curso, pedem pós-graduação e pedem muita experiência na área e as vezes eu fico com medo, com receio né.” (M. M. A. O. – estudante de Psicologia) Verificou-se através dos relatos que os estagiários, em sua maioria, sentem-se preparados para a vida profissional pós-universidade, porém têm consciência deque para se manter no mercado de trabalho terão que competir e se qualificarconstantemente. Os estudantes demonstram como o relativismo e asdescontinuidades da época hipermoderna transparecem no campo do trabalho. Asmudanças são contínuas, manter-se atualizado requer estudo e esforço constante,isto sem saber até quando será suficiente ou capaz de garantir sua posição. Eu me sinto preparada sim. Nos primeiros dias ou semanas num trabalho acho que será tempo de adaptação (mas em todo local ou profissão existe isso), e com o tempo sei que “pegarei o jeito” e me acostumarei com o serviço. Entretanto acho que será necessário um pouco de estudo ao decorrer dos tempos, para estar sempre atualizada. (N. R. - Estudante de Administração) “Não 100%. Pela responsabilidade, eu acho que eu não atingi um nível bom ainda e pela minha capacidade técnica, qualificação mesmo. Hoje por mais que minha vontade de ser contratada é gigantesca, num lugar de analista, porque é um cargo bom pra um recém formado, por mais que a minha vontade é ser analista, eu no lugar da minha gerente eu não me contrataria, porque eu não tenho um nível em comparação aos demais profissionais, que seria um nível bom pra atuação das tarefas que tem que ser realizadas.” (L. F. P. – estudante de Administração) Nessa questão, as respostas dos estudantes de Administração se mostraramser mais otimistas e imperativas. Boa parte dos que responderam afirmaram já ter acapacidade necessária para assumir grandes responsabilidades. “Acredito. Porque eu acho que hoje, eu consigo assimilar, depois das experiências também e também com a experiência teórica da faculdade, hoje se qualquer pessoa colocar uma empresa na minha mãe eu consigo lidar assim, ter autonomia e tato em todas as áreas.” (L. D. S. – estudante de Administração) “Na verdade a única coisa que me falta é um cursos de inglês, eu acho que é só isso.” (R. N. M. – estudante de Administração)
  34. 34. 34 As respostas dadas sobre alguma desilusão sobre o mundo do trabalhoindicam que a Geração Y muitas vezes, se vê cercada de responsabilidades para asquais não foi preparada. “Sim, com certeza, você às vezes entra num lugar pensando assim, não vou mudar minha vida, vou receber, agora posso fazer de tudo. Aí com o emprego gera despesa, ai com a despesa já vem aquela responsabilidade, mas eu tenho que pagar aquela conta, tem que pagar isso, tenho que parar em tal lugar, tem que pegar... você tem que ter limite de horário, você não pode ultrapassar nada, você é obrigado a ter mais responsabilidade do que você é acostumado.” (C. R. A. A. – Estudante de Engenharia) “A dificuldade em ver que você está crescendo, pô agora tenho que saber administrar o meu dinheiro, não é o meu pai que me dá mais. Tenho que começar a pensar no meu futuro, quero ser contratada, quero me tornar uma profissional, será que eu vou ter aquele impacto: Vou ser uma profissional, vou ter meu carro, ter minha casa, você vê que não é isso. É muita ilusão que a gente cria na cabeça da gente. Não você vai custar a ter sua casa, você vai custar a chegar. Você vê que quanto mais você trabalha, quanto mais você está no mercado, isso como estagiária que eu to falando, você vê melhor a realidade, de como que é, de quanto é difícil você alcançar maiores níveis, maiores patamares, profissionalmente falando.” (L. F. P. – estudante de Administração) “Eu conheço muita coisa e não conheço nada o que eu eles falam né, aí é mais difícil, aí você tem que saber em que área você vai atuar, o que você vai fazer, se eu consigo emprego ou não... é difícil, acho que em todo 8º período.” (L. D. S. – estudante de Administração) “Financeiramente sim, eu acho que a maioria dos estagiários de administração são muito mal valorizados, mas eu acho que é mais por causa da concorrência, tem muito curso de administração, então por causa da concorrência os salários do estágio são muito baixos. Mas só isso.” (R. N. M. – estudante de Administração) “Sim, um pouquinho da concorrência e até mesmo do profissional de Psicologia que se desvaloriza. Questão de como trabalhar, de aceitar algumas coisas. Nem é aceitar, é de expor o trabalho, de valorizar o nosso trabalho.” (M. M. A. O. – estudante de Psicologia) Nota-se que os jovens se deslumbram com a possibilidade de conseguir aindependência financeira, porém a realidade que constatam os assustam, faz comque eles tomem consciência das responsabilidades da vida adulta de forma penosae decepcionante. Suas respostas demonstram a imaturidade para lidar com seuorçamento, com a administração de seu tempo, planejamento em longo prazo,dentre outros.
  35. 35. 355 CONCLUSÃO Através desta pesquisa, foi possível constatar como as relações de trabalhosão atravessadas pelo consumo, individualismo e indiferença hipermodernos. Otrabalho que deveria ser um local de expressão das potencialidades humanas tendea se tornar fonte de sofrimento, visto a alta competitividade e desvalorizaçãoconstante do saber do trabalhador, que é subjugado na medida em que novoscursos, tecnologias e qualificações vão surgindo. No caso dos estagiários, a situação se torna mais aversiva, uma vez que agama de opções, sejam elas de estudo, conhecimento e oportunidades são aindamaiores, o que faz com que a preparação para o mundo do trabalho se torne maisconfusa e nômade, já que nunca se sabe o que é suficiente. Esta pesquisa visou demonstrar como os futuros profissionais tendem aresponder às demandas do mercado, à competitividade e às exigências feitas. Nota-se que entre eles há pouca ou nenhuma crítica quanto à perversidade dessarealidade; para os estudantes, o discurso da competência tornou-se natural,cabendo apenas a eles sobreviver e se adaptar ao mercado. Os estagiáriosentrevistados não demonstraram claramente uma consciência social a respeito deseu papel e capacidade de mudar esses preceitos e nenhuma pontuação a respeitode alterar o sistema foi feita. Esperava-se que os estudantes de Psicologiamanifestassem algo a respeito, já que no curso de graduação debates em torno dotema trabalho e subjetividade são constantemente realizados, porém isso não foiverificado. Ressalta-se também que o curso de graduação do estudante nãonecessariamente é fator relevante para a reflexão da realidade do trabalho e seupapel nela. Como foi dito, mesmo os estudantes de Psicologia que têm maior acessoa esse tipo de tema e estudam a subjetividade humana, não demonstram críticaquanto ao porquê de seguirmos essa lógica; que ideologias permeiam as relaçõesde trabalho e o que reproduzimos da realidade hipermoderna. Isso fica ainda mais explícito nas colocações dos estudantes de Engenharia,os quais não se mostraram capazes de perceber essa realidade, apenas sesubmetem a ela e sentem seu peso. Neste caso, supõe-se que fatores como:reconhecimento social das empresas em que atuam e do curso em questão tendem
  36. 36. 36a iludir o profissional, principalmente diante de um mercado tão aquecido para osestagiários, além do histórico de valorização da profissão e remuneração atraente. Ainda sobre a consideração social dos cursos em questão, é notável quePsicologia e Administração não se situam no mesmo patamar de valorização socialcomo Engenharia e é perceptível na fala dos entrevistados dessas áreas a diferençae consideração social quanto à forma como eles enxergam e acreditam naspossibilidades de sucesso de sua carreira. Observa-se que os estagiários tendem a assumir a visão da teoria do capitalhumano, estabelecendo uma relação causal entre formação e empregabilidade.Todos eles deixaram claro que com determinação e força de vontade conseguirãoconsolidar sua carreira. Apesar de demonstrar segurança quanto a assumirresponsabilidades, é sabido que terão que se qualificar constantemente para semanterem no mercado. Os resultados demonstraram como o discurso da competência, da qualidadee do “super homem” foram internalizados pelos jovens estagiários, fazendo com queeles acreditem ser comum ter que suportar rotinas desgastantes e desleais a fim degarantir sua colocação no mercado. Parece estar enraizado na mentalidade dosestudantes e na da sociedade hipermoderna, a ideia de que “sofrer” faz parte docaminho para o sucesso, que é comum todos os novatos terem que se sujeitar aexcessos de trabalhos, cobranças e responsabilidades, a fim de futuramente seremrecompensados. Diante da constatação de que os jovens profissionais ainda nãodesenvolveram uma consciência crítica sobre a precarização do trabalho que sejacapaz de modificar o círculo vicioso em que se encontram enquanto estagiários,levantam-se duas questões similares:1. Esses jovens profissionais que passam pela situação de sofrimento no trabalhohoje, serão os mesmos profissionais que futuramente contribuirão para o sofrimentode seus futuros estagiários?2. Os jovens que sofreram há alguns anos atrás em suas experiências de estágio,são os profissionais que hoje sugam e cobram excessivamente dos novatos?
  37. 37. 37 Para que as perguntas sejam esclarecidas, mais pesquisas devem serrealizadas. Quanto à indagação número um, seria interessante que os jovens emquestão fossem acompanhados em suas carreiras, para que as mudanças quanto amaneira de pensar o campo profissional e o futuro possam ser percebidas, paraassim, responder à questão proposta. Quanto à pergunta número dois, uma pesquisa com profissionais queempregam estagiários pode ser realizada para que suas opiniões sobre a prática egerenciamento do estágio sejam conhecidas, além de seu papel no desenvolvimentodo estudante. Através de entrevistas, pode-se investigar como os profissionaisveteranos internalizaram sua experiência de estágio e como isso pode ter refletidono tratamento e formação dada aos estagiários que hoje supervisionam. Os jovens entrevistados demonstram como a Geração Y necessita sersubsidiada e amparada em suas questões. Muitos dos estagiários se sentemperdidos quanto ao rumo de sua vida, de como construí-la e principalmente quecaminhos seguir para que não fracassem. Os jovens tendem a fantasiar, a criarexpectativas muito altas e quando se deparam com a realidade, ratificada pelotrabalho, assustam-se e revêem com cautela e receio suas aspirações. Nota-se queesse processo de constatação da realidade, é angustiante, demanda do jovem umarevisão de seus valores e principalmente da concepção de mundo a qualacreditavam. Percebe-se que os estudantes entrevistados são muito sensíveis ao fracasso,pois acreditam que seu valor depende de seus resultados ou desempenho e apenaseles são os responsáveis por isso. O egocentrismo típico dessa geração agoraretorna de forma negativa a eles e chega um momento em que seus pais não podemestar sempre por perto. Constata-se que o pacote: realidade hipermoderna, trabalho precarizado e umrepertório comportamental dependente e imaturo da geração Y, tendem a tornar arealidade, principalmente a profissional dos estagiários, mais frustrante, aversiva edecepcionante, o que gera sofrimento psíquico. Tais profissionais precisam de apoioe segurança, necessitam de pessoas que os ajudem a persistir e criar alternativaspara se mudar a realidade. Do contrário, a tendência é que se tornem profissionaisinstáveis, atuem em trabalhos desprovidos de sentido e adoeçam frente àsdemandas tanto profissionais quanto sociais de sucesso.
  38. 38. 38 REFERÊNCIASARAUJO, Romilda Ramos de; SACHUK, Maria Iolanda. Os sentidos do trabalho esuas implicações na formação dos indivíduos inseridos nas organizaçõescontemporâneasMeanings attributed to labor and their implications in contemporaryorganizations. REGE-USP, São Paulo, v. 14, n. 1, mar. 2007 . Disponível em<http://www.revistasusp.sibi.usp.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1809-22762007000100006&lng=pt&nrm=iso>. acessos em 12 set. 2011.BAUMAN, Zygmunt. 44 cartas do mundo líquido moderno. Rio de Janeiro: Zahar,2011. 226p.BRASIL. Lei 11.788, de 25 de setembro de 2008. Dispõe sobre o estágio deestudantes. Diário Oficial da União, Brasília, 25 set. 2008.BORSOI, Izabel Cristina Ferreira. Da relação entre trabalho e saúde à relação entretrabalho e saúde mental. Psicol. Soc., Porto Alegre, v. 19, n. spe, 2007 .CODO, Wanderley; SAMPAIO, José Jackson Coelho; HITOMI, Alberto Haruyoshi.Individuo, trabalho e sofrimento: uma abordagem interdisciplinar. Petropolis:Vozes, 1993. 280p.CRESWELL. John W. Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo emisto. Porto Alegre: Artmed, 2007. 2ª Ed.DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Felix. O que é a filosofia? São Paulo: Editora 34,2005 [1992], 279p.HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A,2006, 102pFARIA, Ana Cristina de; CUNHA, Ivan da; FELIPE, Yone Xavier. Manual práticopara elaboração de monografias: trabalhos de conclusão de curso, dissertações etese. Petrópolis: Vozes, São Paulo: Ed. Universidade São Judas Tadeu, c2007. 87 p.HELOANI, José Roberto; CAPITAO, Cláudio Garcia. Saúde mental e psicologia dotrabalho. São Paulo Perspec., São Paulo, v. 17, n. 2, June 2003 . Available from<http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-88392003000200011&lng=en&nrm=iso>. access on 17 Aug. 2011.LEMOS, Ana Heloisa da Costa; DUBEUX, Veranise Jacubowski Correia; PINTO,Mario Couto Soares. Educação, empregabilidade e mobilidade social: convergênciase divergências. Cad. EBAPE.BR, Rio de Janeiro, v. 7, n. 2, jun. 2009 .Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1679-39512009000200012&lng=pt&nrm=iso>. acessos em 23 ago. 2011.LIPOVETSKY, Gilles. A era do vazio: ensaios sobre o individualismocontemporâneo. Barueri: Manole, 2005.
  39. 39. 39MAIA, Ana Augusta Ravasco Moreira; MANCEBO, Deise. Juventude, trabalho eprojetos de vida: ninguém pode ficar parado. Psicol. cienc. prof., Brasília, v. 30, n.2, jun. 2010 . Disponível em<http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-98932010000200012&lng=pt&nrm=iso>. acessos em 29 out. 2011.MANSANO, Sonia Regina Vargas. Transformações da subjetividade no exercício dotrabalho imaterial. Estud. pesqui. psicol., Rio de Janeiro, v. 9, n. 2, set. 2009 .Disponível em <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1808-42812009000200016&lng=pt&nrm=iso>. acessos em 31 ago. 2011.MORIN, Edgar. O método 5: a humanidade da humanidade : a identidadehumana. 3. ed. Porto Alegre: Sulina, 2005OLIVEIRA, Sidnei. Geração Y: o nascimento de uma nova versão de líderes. SãoPaulo: Integrare, 2010PERELLÓ, Jorge S. Pedagogia do estágio: experiências de formação profissional.Belo Horizonte: Imprensa Oficial, 1998PERRYMORE, April; LIPKIN, Nicole. A geração Y no trabalho: como lidar com aforça de trabalho que influenciará definitivamente a cultura da sua empresa. Rio deJaneiro: Elsevier, 2010. 232 p.SATO, Leny; BERNARDO, Márcia Hespanhol. Saúde mental e trabalho: osproblemas que persistem. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 10, n. 4, dez.2005 . Disponível em<http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232005000400011&lng=pt&nrm=iso>. acessos em 23 ago. 2011.SENAC. Entidade educacional de direito privado. Disponível em:http://www.facebook.com/photo.php?fbid=335792926458099&set=a.202891776414882.42682.182126448491415&type=3&theater. Acesso em: 02 de mai. 2012VIEIRA, Carlos Eduardo Carrusca; BARROS, Vanessa Andrade; LIMA, Francisco dePaula Antunes. Uma abordagem da psicologia do trabalho, na presença do trabalho.Psicol. rev. (Belo Horizonte), Belo Horizonte, v. 13, n. 1, jun. 2007 . Disponívelem <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1677-11682007000100010&lng=pt&nrm=iso>. acessos em 01 out. 2011.
  40. 40. 40 APÊNDICE A  ENTREVISTA REALIZADA COM OS ESTUDANTES 1a. Parte – PERFIL DO ESTAGIÁRIO1. Sexo: ( ) Feminino ( ) Masculino2. Idade: ____________3. Curso de graduação: ______________________4. Período do curso o qual você se encontra: ________________5. Em quantas instituições você fez estágio? _________Quanto tempo em cada uma delas?1ª Instituição ( ) menos de 3 meses ( ) de 3 a 6 meses ( ) de 9 a 1 ano ( ) de 1a 2 anos ( ) Outros _______2ª Instituição ( ) menos de 3 meses ( ) de 3 a 6 meses ( ) de 9 a 1 ano ( ) de 1a 2 anos ( ) Outros _______3ª Instituição ( ) menos de 3 meses ( ) de 3 a 6 meses ( ) de 9 a 1 ano ( ) de 1a 2 anos ( ) Outros _______6. Estado Civil:a) Casado d) Amigadob) Solteiro e) Viúvoc) Desquitado/ divorciado/ separado7. Se você é casado, responda há quanto tempo?a) Há mais de 01 ano.b) Entre um e três anos.c) Entre 3 e 5 anos.d) Entre 5 e 10 anos.e) Há mais de 10 anos.8. Número de filhos?a) Sem filhos d) 03 filhosb) 01 filho e) 04 filhosc) 02 filhos f) 05 filhos ou mais 2ª. PARTE – VIVÊNCIAS E PERCEPÇÕES DO ÚLTIMO ANO DE ESTÁGIO
  41. 41. 4109. O seu estágio, de modo geral, é atentamente acompanhado pelos seussupervisores?10. Ao longo do último ano de estágio você acredita que adquiriu as competênciasnecessárias para o exercício competente e autônomo da sua profissão?11. O estágio contribuiu positivamente para a sua auto-imagem (auto-estima, maiorauto-confiança)?12. O desenvolvimento de um trabalho em conjunto com outros profissionais maisexperientes foi importante na sua formação?13. Você teme a possibilidade de não conseguir arranjar um emprego uma vezconcluído o curso?14. Você sente que o estágio te levou a crescer como pessoa?15. Você tem receio do mundo profissional (competição, mau ambiente de trabalho,não ser capaz de me relacionar com os outros profissionais)?16. Para você, o ano de estágio implicou um maior desgaste físico?17. Para você, o ano de estágio implicou um maior desgaste psíquico?18. Você sentiu dificuldades em compreender o funcionamento / valores / interessesda organização em que faz estágio?19. Foi difícil trabalhar em equipe na instituição que você faz estágio?20. Com o estágio em sua rotina, você deixou de participar como antes de atividadesde lazer ou sentiu falta de maior contato com as pessoas de quem mais gosta?21. Você se sentiu tenso (a) no seu dia-a-dia de estágio?22. Você se sente reconhecido e valorizado em seu estágio?23. Você teve que tomar medicação para conseguir responder ao esforço, tensãoe/ou estresse sentidos durante o estágio?24. Você sentiu dificuldades em adaptar aos horários de estágio (rígidos,incompatíveis com transporte, incompatibilidade com seus horáriospessoais/familiares/escolares)?25. Você acredita que o exercício profissional do estágio que realiza poderácontribuir para seu desenvolvimento profissional?26. Se voltasse atrás (ou pudesse) teria escolhido outra instituição para estagiar?27. Você sentiu dificuldades em “sintonizar” com os outros profissionais (formas de“ler” a realidade, postura profissional, questões éticas)?
  42. 42. 4228. Durante o estágio você realizou tarefas que vão além dos objetivos ou âmbito desua graduação?29. A competição com seus colegas de estágio foi, para você, motivo de dificuldade?30. A realidade do mundo profissional lhe trouxe algumas desilusões?31. O que você acha necessário para que seu estágio seja bom ou ainda melhor?32. Você acredita estar preparado para o mercado de trabalho? Por quê?

×