Your SlideShare is downloading. ×
Curiosidades da escrita[1]
Curiosidades da escrita[1]
Curiosidades da escrita[1]
Curiosidades da escrita[1]
Curiosidades da escrita[1]
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Curiosidades da escrita[1]

2,063

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
2,063
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
16
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Pictografia O desenvolvimento na habilidade do desenho surgiu no período de 30.000 a 25.000 a.C., quando a cultura da Antiga Idade da Pedra passou para o estágio do Paleolítico Superior. Os desenhos, de rabiscos feitos com os dedos na argila úmida, evoluíram para formas mais elaboradas, onde passaram a ser utilizadas as cores e a escala para representar grupos, bem como artifícios que davam a ilusão de movimento. Representavam, em sua maioria, animais correndo, saltando, pastando, ruminando ou enfrentando caçadores. Apesar de exprimirem senso estético, supõe-se que não foram produzidos exclusivamente com esse fim, já queexistem indícios da prática da magia. Nesses desenhos ou nessas marcas já existe o germe de alguma coisa parecida com um rudimento da escrita, sem, no entanto, constituir um sistema regular de notação da linguagem ou mesmo um ponto de partida histórico da escrita propriamente dita.
  • 2. Escrita Cuneiforme Sistema de escrita que surgiu na Babilônia, em meados do quarto milênio a.C. Consistia nagravação de caracteres, com haste de ponta quadrada, em tabletes de argila úmida posteriormente cozidos ao forno, resultando em incisões em forma de cunha, razão pela qual foi denominada de escrita cuneiforme. Tratava-se inicialmente de um sistema pictográfico que gradualmente se transformou em um conjunto de sinais silábicos e fonéticos onde eram empregados centenas de diferentes sinais. Desse sistema de escrita, no entanto, não se derivou nenhum alfabeto.
  • 3. HieróglifosA escrita hieroglífica utilizava imagens para representar objetos concretos e, para representar idéias abstratas, empregava o princípio do rébus, que consistia em decompor as palavras em sons e representar cada som por uma imagem. Como essas imagens eram freqüentemente mal interpretadas, já que o mesmo som era utilizado em várias palavras, foram introduzidos mais dois sinais, sendo um para indicar como elas deveriam ser lidas e outro para lhes dar um sentido geral. Os hieróglifos eram escritos em vários sentidos, da esquerda para a direita, da direita da esquerda ou mesmo de cima para baixo. A colocação das palavras, do ponto de vista gramatical, era seqüencial, primeiro o verbo, seguido pelo sujeito e pelos objetos direto e indireto. Além da hieroglífica, os egípcios desenvolveram mais duas formas de escrita:hierática - escrita cursiva utilizada na maior parte dos textos literários, administrativos e jurídicos; demótico - forma simplificada da escrita hierática, utilizada em documentos jurídicos.
  • 4. Escrita AlfabéticaA escrita, até chegar aos sistemas alfabéticos atualmente utilizados, passou por um longo processo de evolução,com inúmeras mudanças e transformações. Essa evolução foi marcada pelo surgimento do sistema de escritaideográfica (cuneiforme, hieroglífico e chinês), que foi gradualmente conduzido para o fonetismo, sistema onde aspalavras passaram a ser decompostas em unidades sonoras.O fonetismo aproximou, portanto, a escrita de sua função natural que é a de interpretar a língua falada, a línguaoral, a língua considerada como som. Dessa forma o sinal se libertaria do objeto e a linguagem readiquiriria a suaverdadeira natureza que é oral. Decompondo o som das palavras, o homem percebeu que ela se reduzia aunidades justapostas, mais ou menos independente umas das outras e nitidamente diferenciáveis. Daí surgiramdois tipos de escrita: a silábica, fundamentada em grupos de sons e a, alfabética, onde cada sinal corresponde auma letra.A escrita alfabética foi difundida com a criação do alfabeto fenício, constituído por vinte e dois signos quepermitiam escrever qualquer palavra. Adotado pelos gregos, esse alfabeto foi aperfeiçoado e ampliado passando aser composto por vinte e quatro letras, divididas em vogais e consoantes. A partir do alfabeto grego surgiramoutros, como o gótico, o etrusco e, finalmente o latino, que com a expansão do Império Romano e o domínio domundo ocidental, se impôs em todas as suas colônias.
  • 5. Manuscritos – Idade Média Manuscrito: documento em pergaminho ou papel; livro escrito a mão. A cópia de manuscritos, nos monastérios da Idade Média, estava incluída entre os principais deveres dos monges, pois era considerada um exercício espiritual, utilizado para aprimorar suas virtudes e realçar seus merecimentos sobrenaturais. Durante a Idade Média o livro era praticamente uma exclusividade da Igreja, todas as grandes abadias possuíam um scriptorium, onde eramconfeccionados os manuscritos, desde a preparação do pergaminho até às ilustrações, que tinham fundamental importância, tanto como elemento decorativo como para representar graficamente os textos.Nesse período o rolo foi substituído pelo códex, antepassado medieval do livro atual, feito com texto manuscrito em folhas encartadas, dobradas ecosturadas, formando uma espécie de caderno. Esses livros eram confeccionados como verdadeiras obras de arte, as encadernações, assim como as ilustrações, eram executadas por artistas com a utilização de placas de marfim, cobre, prata e ouro maciço com incrustações de pedras preciosas. O formato luxuoso manteve-se por toda a Idade Média, principalmente durante a Renascença Carolíngia ou o Império Otoniano. Manuscritos do Mar MortoOs Manuscritos do mar Morto constituem a maior descoberta arqueológica do século 20, segundo os estudiosos. Os pergaminhos reúnem os maisantigos documentos bíblicos já encontrados e os textos que descrevem o cotidiano de uma comunidade que há 2 mil anos vivia isolada no deserto de Qumran, em Israel, e cujas práticas foram absorvidas pelo nascente cristianismo. Essas preciosidades poderão ser vistas no Rio de Janeiro e em São Paulo, no segundo semestre de 2004. Exposição Pergaminhos do Mar Morto: um Legado para a Humanidade. Museu Histórico Nacional - Rio de Janeiro de 20 de agosto a 9 de outubro de 2004 Estação Pinacoteca - São Paulo de 29 de outubro de 2004 a 30 de janeiro de 2005

×