Museus da nova geração: que futuro para a musealização dos objectos e espaços sagrados?

226 views
175 views

Published on

1.o Congresso Internacional de Europæ Thesauri: Trésors d’Église, Trésors d’Europe. Beja, 22 nov. 2006
A musealização do objecto religioso, para lá de se assumir como meio de preservação do património desafecto, ganhou, nos últimos tempos, novas perspectivas e objectivos, sobretudo em acções de iniciativa eclesiástica: a investigação em torno do objecto passa pela elucidação dos aspectos históricos, materiais, formais e estilísticos, mas também pelos conceitos simbólicos, litúrgicos e teológicos que o informam; a exposição procura evidenciar o objecto mas, em simultâneo, contextualizá-lo no domínio do sagrado, fazendo prevalecer a função e o significado originais.
Prefigura-se que estes parâmetros passem a nortear os desígnios dos museus de arte com espólio religioso e dos espaços religiosos com vivência museológica, elucidando públicos diversificados e distantes das referências culturais de matriz cristã que informam esse património.

Published in: Art & Photos
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
226
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
9
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Museus da nova geração: que futuro para a musealização dos objectos e espaços sagrados?

  1. 1. M U S E U S D A I G R E J A : Q U E F U T U R O ?
  2. 2. M U S E U S D A I G R E J A : Q U E F U T U R O ?
  3. 3. Musealização de objectos religiosos 1.º Período: Actividades paramuseológicas 2.º Período: de 1834 a 1910 Criação de museus de arte de âmbito nacional 3.º Período: de 1910 à ultima década do século XX Tesouros eclesiásticos Coleccionismo 4.º Período: desde a última década do século XX Criação de museus e exposições de iniciativa eclesiástica Criação de museus de arte de âmbito regional Periodização dos três primeiros períodos a partir da proposta cfr. TEIXEIRA, Madalena Brás – Os primeiros museus criados em Portugal, p. 186.
  4. 4. Exposição Encontro de Culturas, Lisboa, 1994.. Fotos: Mário Soares, 1994. Musealização de objectos religiosos: museografia narrativa
  5. 5. Exposição Encontro de Culturas, Lisboa, 1994.. Fotos: Mário Soares, 1994. Fichas de comentário Textos informativos Ampliações fotográficas Musealização de objectos religiosos: museografia narrativa
  6. 6. Exposição Fons Vitæ, Pavilhão da Santa Sé, Expo’98.. Fotos: Arquivo da Mediateca Intercultural, Lisboa, 1998. Musealização de objectos religiosos: museografia sistemáticaMusealização de objectos religiosos: museografia sistemática
  7. 7. Exposição 500 Anos das Misericórdias, Lisboa, 2000.. Fotos: Arquivo da Mediateca Intercultural, Lisboa, 2000. Musealização de objectos religiosos: museografia cenográfica
  8. 8. Exposição Fons Vitæ, Pavilhão da Santa Sé, Expo’98.. Fotos: Arquivo da Mediateca Intercultural, Lisboa, 1998.
  9. 9. “4.2. Interpretação dos elementos expostos “Os museus devem velar para que toda a informação disponibilizada seja, não apenas fundamentada e exacta, mas também que reflicta de forma adequada as crenças dos grupos representados. “4.3. Exposição de objectos «sensíveis» “Os restos humanos e os objectos sagrados devem ser apresentados segundo as normas profissionais, tendo em conta, sempre que conhecidos, os interesses e crenças das comunidades e grupos étnicos ou religiosos de origem, com a maior sensibilidade e respeito pela dignidade humana de todos os povos.” ICOM – Code de déontologie pour les musées, 2004, s/p. ICOM – Código Deontológico
  10. 10. Século VI Século XII Século XVI O T E M P L O E O A L T A R
  11. 11. O T E M P L O E O A L T A R
  12. 12. O T E M P L O E O A L T A R
  13. 13. O T E M P L O E O A L T A R
  14. 14. O T E M P L O E O A L T A R
  15. 15. O T E M P L O E O A L T A R
  16. 16. Mundo celeste Mundo terrestre Submundo das trevas O T E M P L O E O A L T A R
  17. 17. centro do templo centro do universo O T E M P L O E O A L T A R
  18. 18. Lugar do sacrifício O T E M P L O E O A L T A R
  19. 19. O T E M P L O E O A L T A R Lugar da comunhão
  20. 20. O T E M P L O E O A L T A R
  21. 21. Natália Correia Guedes Professora, Faculdade de Ciências Humanas, Universidade Católica Portuguesa, Lisboa, PT Maria Isabel Roque Investigadora, Universidade Lusíada, Lisboa, PT Beja, 2006-11-23

×