Manual do Aluno Empreendedor

20,290 views
21,109 views

Published on

Guia para elaboração do Plano de Negócios

Published in: Business, Real Estate
1 Comment
5 Likes
Statistics
Notes



  • <b>[Comment posted from</b> http://eusouempreendedor.wordpress.com/2009/01/21/empreender-na-escola-manual-do-aluno/]
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here
No Downloads
Views
Total views
20,290
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
10,111
Actions
Shares
0
Downloads
562
Comments
1
Likes
5
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Manual do Aluno Empreendedor

  1. 1. Guia para elaboração do Plano de Negócios manual do aluno
  2. 2. IDENTIFICAÇÃO DO PROJECTO Entidade Interlocutora CPINAL - Centro Promotor de Inovação e Negócios do Algarve (BIC ALGARVE-HUELVA) N.º e Designação EM055 / ENE - Empreender Na Escola Área de Intervenção Percursos Integrados de Orientação-Formação-Inserção Região Algarve Período de Implementação Junho de 2002 a Maio de 2004 IDENTIFICAÇÃO DO RTP Número ENE/01/2004 ENE/02/2004 Designação Manual do Aluno - Guia para Elaboração do Plano de Negócios DIRECÇÃO GERAL - Dário Dias COORDENAÇÃO DO PROJECTO - Eurídice Cristo CONCEPÇÃO E REDACÇÃO - José Carlos Marques DESIGN/DESENVOLVIMENTO MULTIMÉDIA - Inesting (www.inesting.pt) Contactos: CPINAL - Centro Promotor de Inovação e Negócios do Algarve (BIC ALGARVE-HUELVA) Telefone: +351 289 707 920 Fax: +351 289 781 121 E-mail: geral@bic-ah.com WWW. BIC-AH.COM
  3. 3. manual do aluno Guia para elaboração do Plano de Negócios
  4. 4. Índice 1. Os empresários/promotores_______________________________________________________________09 empresários/promotores 2. A Ideia de Negócio_______________________________________________________________________17 Negócio 3. Plano de Marketing_______________________________________________________________________21 Marketing Pesquisa de Mercado__________________________________________________________________23 Os Clientes________________________________________________________________________25 Os Concorrentes_____________________________________________________________________27 Os Fornecedores_____________________________________________________________________29 O Ambiente Externo (O contexto geral)________________________________________________________30 Conclusões: Oportunidades e Ameaças Externas__________________________________________________33 Estratégia de Posicionamento____________________________________________________________39 4. Políticas de “Marketing-Mix”________________________________________________________________41 “Marketing-Mix” Política de produto/serviço______________________________________________________________43 Política de Preço______________________________________________________________________43 Política de Distribuição_________________________________________________________________44 Política de Comunicação________________________________________________________________45 Gastos de Marketing___________________________________________________________________46 Plano Comercial_____________________________________________________________________47 5. A Construção dos Mapas Financeiros__________________________________________________________49 Financeiros Os Pressupostos Iniciais________________________________________________________________49 O Prazo Médio de Pagamento a Fornecedores:_______________________________________________________49 O Prazo Médio de Recebimento de Clientes:________________________________________________________49 O Prazo Médio de Armazenagem (Stocks):_________________________________________________________50 O Prazo Médio de Detenção de Liquidez_______________________________________________________50 Outros pressupostos______________________________________________________________________50 Cálculo do Investimento Corpóreo, Incorpóreo e das Amortizações_______________________________52 A Previsão de Vendas/Proveitos___________________________________________________________54 O Cálculo de Custos__________________________________________________________________57 Os custos dos produtos e mercadorias vendidas_______________________________________________________57 Os custos com o pessoal____________________________________________________________________58 Os Fornecimentos e Serviços Externos Previsionais_____________________________________________________60 Os Custos Financeiros_____________________________________________________________________61 Cálculo do Fundo de Maneio____________________________________________________________61 O Investimento Total_____________________________________________________________63 O Plano Financeiro_________________________________________________________________64 6. A Conta de Resultados Previsionais Previsionais___________________________________________________67 Conta de Resultados__________________________________________________________________69 Plano de Tesouraria___________________________________________________________________70 Balanço____________________________________________________________________________71 7. A Forma Jurídica da Sociedade e a sua Constituição____________________________________________73 Constituição Constituição Legal da Empresa___________________________________________________________76 8. Plano Contabílistico-Fiscal Contabílistico-Fiscal__________________________________________________________________79 9. Análise Final do Projecto___________________________________________________________________85 Projecto Análise Económico-Financeira___________________________________________________________85 A Análise de Sensibilidade_______________________________________________________________86 Conclusões de Viabilidade______________________________________________________________86 10. Uma Apresentação Vencedora!______________________________________________________________87 Vencedora! 05 empreender na escola
  5. 5. guia de exploração O ENE é um método para o desenvolvimento da cultura empreendedora no Ensino Secundário. O objectivo geral do Projecto ENE é de propor um desafio aos alunos e alunas, o qual consiste na elaboração de um Plano de Negócios até ao final do ano lectivo. Este manual destina-se a desenvolver nos jovens capacidades empreendedoras como a criatividade, a iniciativa e o espírito de equipa e a iniciar os jovens na criação de empresas e foi estruturado de forma a ser um instrumento de apoio à aprendizagem da cultura empreendedora. Partindo do princípio de que as pessoas aprendem “fazendo” o Manual do Aluno propõe a realização de um exercício prático, integrador, que implica a interacção entre indivíduos e entre diversas áreas do saber: a elaboração de um Plano de Negócios. O Manual do Aluno está estruturado em dez capítulos: 1 - Os Empresários / Promotores 2 - A Ideia de Negócio 3 - Plano de Marketing 4 - Políticas de Marketing-Mix 5 - Construção dos Mapas Financeiros 6 - Conta de Resultados Provisionais 7 - A Forma Jurídica da Sociedade e a sua Constituição 8 - Plano Contabilístico-Fiscal 9 - Análise Final do Projecto 10 - Uma Apresentação Vencedora Cada capítulo está divido em sub-capítulos. No início de cada capítulo pode-se ler uma frase conhecida ou um pequeno texto de um autor célebre relacionado com o tema em questão. Cada capítulo inclui uma caixa de texto com fundo em cor, com “lembrete” ou “chamada de atenção” e uma caixa de texto, também com fundo em cor, com questões para levar os alunos (ou outros utilizadores do manual) a reflectir. Alguns capítulos têm ainda outra caixa de texto com informação adicional sobre o assunto em questão. Em todos os capítulos incluem-se imagens ilustrativas dos temas abordados, gráficos, grelhas / tabelas e exemplos que “ilustram” as tarefas que são propostas aos alunos. No capítulo “Construção dos Mapas Financeiros” são apresentados exemplos de todos os mapas relativos ao plano financeiro de uma empresa bem como o exemplo de um organograma. Na parte final do manual encontra-se um glossário com as definições utilizadas ao longo do documento e a explicação de alguns conceitos. Este Manual foi produzido no âmbito do projecto ENE - Empreender na Escola, de Junho de 2002 a Maio de 2004, e co-financiado pela Iniciativa Comunitária EQUAL, Fundo Social Europeu e Ministério da Segurança Social do Trabalho. O Manual do Aluno teve como referência inicial um manual cedido pelo CEIN, SA (BIC de Navarra) e por VALNALON; SA (Parque Tecnológico), foi traduzido e adaptado à realidade portuguesa por professores do ensino secundário e aplicado no ano lectivo de 2002/2003. Após a experimentação da metodologia ENE durante esse ano lectivo, os alunos e os professores envolvidos manifestaram a dificuldade de aplicar, na íntegra, o Manual do Aluno tendo apenas utilizado algumas das fichas aí contempladas e o documento de suporte à elaboração do Plano de Negócios. Tendo em conta estas observações, o Manual do Aluno sofreu algumas alterações tendo-se retirado algumas fichas e tornado a linguagem mais acessível e apropriada ao público-alvo. O documento de suporte à elabora- ção do Plano de Negócios também sofreu melhorias consideráveis: foi completado e tornado mais “user-friendly”, tendo-se autonomizado num documento separado o Manual do Plano de Negócios. manual do aluno guia de exploração 07 Empreender na escola
  6. 6. No ano lectivo de 2003/2004, a Metodologia ENE foi aplicada em 10 Escolas Secundárias do Distrito de Faro. No final desse ano lectivo, através de inquéritos e entrevistas a professores e a alunos, verificou-se a necessidade dos manuais serem, de novo, reformulados. Os utilizadores dos manuais referiram, entre outras, a pouca atractividade dos manuais evidenciada pela falta de imagens e pelo aspecto gráfico em termos gerais (texto e títulos, gráficos, logotipos, tabelas, …) e o carácter pouco “user-friendly” do Manual do Aluno salientado que este devia-se assumir efectivamente como um documento de suporte à elaboração de um plano de negócios, incluindo informação adicional em cada uma das partes. O Manual do Aluno foi então novamente objecto de reformulação, por parte de uma equipa pluri-disciplinar que inclui professores, alunos, técnicos da educação e da formação e representantes do meio empresarial. Este é o livro que se encontra, agora, nas vossas mãos. Utilizem-no e tirem dele o máximo proveito! 08 guia de exploração manual do aluno Empreender na escola
  7. 7. 1. Os empresários / promotores
  8. 8. os empresários / promotores “Conhecer-se a si próprio é conhecer os outros” Provérbio Chinês A transformação de uma boa ideia de negócio numa empresa com perspectivas de sucesso depende, em primeiro lugar, da capacidade empresarial revelada pelo seu promotor (o empresário). Assim, antes de avançares para a realização do teu Plano de Negócios deves efectuar uma reflexão sobre ti próprio, sobre as circunstâncias e condicio- nantes a que tu e os teus eventuais sócios estão sujeitos. O primeiro aspecto a ter em consideração é o relativo aos teus dados pessoais. Deves então redigir o teu Curriculum Vitae onde, para além de informação pessoal, deves dar ênfase às tuas habilitações literárias, formação adicional, experiência e percurso profissional ou outras experiências profissionais que se mostrem relevantes para o negócio a desenvolver. Tal como tu, os teus parcei- ros deverão fazer o mesmo. No final deste capítulo apresentamos-te um exemplo de CV. Para além deste aspecto mais formal da apresentação dos promotores do pro- jecto, a reflexão a fazer deve incidir também sobre outras características pessoais e condicionantes, das quais te destacamos as seguintes: a) Numa pequena empresa a iniciar a actividade onde o empresário tem de ser o “faz-tudo” é necessário que tenhas ou treines algumas qualidades pessoais (o espírito empreendedor). Mas é evidente que um empresário deve ter um certo número de qualidades mas não as pode ter todas. Deves é ter consciência dos teus pontos fortes e dos teus pontos fracos; b) Deves estar consciente de qual é a motivação que te leva a arriscar e a empreender; c) E quais são os objectivos que, a médio ou longo prazo, pretendes atingir com a criação da tua empresa? É que os teus objectivos vão condicionar a evolução do teu negócio, apesar de ao longo do tempo os ideais e a realidade possam direccionar-se para caminhos distintos dos inicialmente programados; d) A envolvente familiar e social é também muito importante no início da tua empresa. Se contares com o apoio da tua família de forma a te permitirem teres mais tempo disponível para o teu negócio, a compartilharem as preocupações e até, eventualmente, a ajudarem nos aspectos financeiros, será um bom factor de equilíbrio e segurança no teu arran- que. O primeiro aspecto a ter em consideração é o relativo aos teus dados pessoais. Deves então redigir o teu Curriculum Vitae onde, para além de informação pessoal, deves dar ênfase às tuas habilitações literárias, formação adicional, experiência e percurso profissional ou outras experiências profissionais que se mostrem relevantes para o negócio a desenvolver. Tal como tu, os teus parceiros deverão fazer o mesmo. No final deste capítulo apresentamos-te um exemplo de CV. manual do aluno os empresários/promotores 11 empreender na escola
  9. 9. Propomos-te, para ajudar à tua reflexão, que preenchas as tabelas seguintes Assinala com uma cruz os Pontos Fortes e os Pontos Fracos que achas que tens: Qual a tua situação actual? Pontos Fortes Pontos Fracos Tempo disponível (Muito ou Pouco) Dinheiro de que dispõe (Muito ou Pouco) Formação/Habilitações Conhecimentos técnicos relacionados com o projecto Conhecimentos do sector e do mercado (Bons ou Medíocres) Competências em matéria de: Marketing Contabilidade Organização Chefia e dinamização da equipa Negociação E a tua personalidade? Pontos Fortes Pontos Fracos Iniciativa e gosto pela responsabilidade (Independência) Capacidade de trabalho (Autodisciplina) Imaginação (Criatividade) Determinação para o teu projecto (Motivação) Capacidade para assumir riscos (Capacidade de risco) Nível de confiança em ti próprio (Autoconfiança) Curiosidade / abertura de espírito (Boa ou Má) Envolvente social Pontos Fortes Pontos Fracos Os amigos e a família são favoráveis ao teu projecto? Conhecidos e amigos podem ajudar-te? Conheces algum empresário? Tens algum contacto com: Clientes Fornecedores Outros intervenientes nos negócios 12 os empresários/promotores manual do aluno empreender na escola
  10. 10. Depois de preencheres o inquérito anterior e as fichas deverás ser capaz de responder às seguintes questões: - Porque querem embarcar nesta aventura? - Que qualidades pessoais farão de ti (e dos teus associados) um bom empresário? - Que conhecimentos de partida têm relacionados com o vosso projecto? - Os conhecimentos são suficientes? Se não, que formação necessitam? - Quais os pontos fortes e quais os pontos fracos relacionados com o teu projecto? - Como vais melhorar ou eliminar os pontos fracos? - Relativamente aos factores condicionantes do arranque do projecto, que soluções pensam adoptar para os reduzir? Sendo o teu um projecto de equipa, cada um dos futuros sócios ou associados deve preencher os Curricula Vitae e os questionários de que te falámos. Devem depois, em conjunto, verificar que contribuição cada um dos parceiros pode trazer para a futura empresa. Podes, por exemplo, construir uma tabela idêntica a esta que a seguir te propomos: Competências Experiência Parceiro Financiamento Clientes Técnicas Profissional Sócio 1 Sócio 2 Sócio 3 Depois de analisados os conhecimentos de cada um dos sócios devem, em conjunto, decidir quem faz o quê dentro da empresa, nas suas diferentes áreas. Propomos-te algumas que têm importância nas organizações empresariais: Recursos Humanos; Finanças; Compras; Marketing; Vendas; Gestão; Informação; Produção, etc. Na página seguinte apresentamos-te um exemplo de um Curriculum Vitae. Nele poderás verificar alguma da informa- ção essencial que um CV deve conter. Também podes, no site seguinte, utilizar o modelo europeu de CV, o que te aconselhamos, pois a tua informação será apresentada de uma forma mais organizada e mais facilmente será interpretada por terceiros: http://europass.cedefop.eu.int manual do aluno os empresários/promotores 13 empreender na escola
  11. 11. Curriculum vitae Se pretenderes Dados Pessoais: adicionar a tua foto Nome: Júlia Figueirinha Gairinhos Residência actual: Av. Conde da Caprichosa nº 24 podes colocá-la aqui. Data de Nascimento: 26.04.78 8700-Olhão Nesse caso deve ser Naturalidade: Faro Telemóvel: 923 444444 tipo passe e actual. Nacionalidade: Portuguesa E-mail: julia@gmail.com Telemóvel: 923 444444 Carta de Condução: Ligeiros e Motociclos Filiação: Jorge Corrêa Gairinhos/Isa Figueirinha Profissão Actual:Técnica Superior de Projectos Comunitários Estado Civil: Solteira Bilhete de Identidade n.º 63584735 de 25/9/2003 pelo arquivo de Identificação de Lisboa Habilitações Literárias: Evita os acrónimos 1996/2000 Universidade de Southampton; incompreensíveis. É Licenciatura em Ciências Políticas/Relações Internacionais, Português e Estudos Latino-Americanos. 1998/1999 Universidade de Coimbra: preferível escreveres os Frequência do 3º Ano da Licenciatura em Estudos Portugueses. nomes por extenso. 1995/1996 Equivalente ao 12º ano na Sydenham High School, G.P .D.S.T., Londres com as disciplinas de Ciência Política, Literatura Inglesa e Alemão. 1994/1995 9º Ano Sydenham High School, G.P .D.S.T., Londres: Francês, Alemão, História, Geografia, Literatura Inglesa, Língua Inglesa, Matemática, Físico-Química e Biologia. Experiência Profissional: Gabinete Coordenador de Projectos Europeus desde 26 de Agosto de 2002; Técnica Superior no Departamento de Projectos Internacionais. Colaboração no Projecto FGD, parceria de aprendizagem sobre e-learning para Adultos, no âmbito do programa Grundtvig 2. Técnica Principal do Projecto ENE Empreender na Escola, um projecto que visa estimular e promover o desenvolvimento de competências Está correcto. Os empreendedoras nos alunos a frequentar o ensino secundário. O projecto é co-financiado pela iniciativa comunitária EQUAL. termos que escreveres noutra língua deve-lo Kalioka Lda. Traduções e Eventos: 2000-2002 fazer em Itálico. Durante os anos de 2000 e 2002 trabalhei em regime Freelance como tradutora e intérprete pelo Gabinete de Tradução Kalioka Lda, com sede em Faro, com incidência nas áreas de turismo, lei civil e criminal e Política Europeia. Julho 2001: Conferência de Imprensa presidida pela QDA, pela Supermodel Eva Herzigova, durante a participação da mesma no Fashion Algarve. 7 de Junho de 2001: Intérprete para o julgamento de dois cidadãos Britânicos numa queixa criminal, além de ter interpretado em diversos casos civis para o Tribunal de Faro e de Loulé (Maio 2003). Ensino: Fevereiro Julho de 2001 Professora de Inglês. Ensinei crianças entre os 4 e 11 anos de idade. S.E.C.A.F/ B.F./ G.N.R., Novembro de 2000. Muito cuidado! São Intérprete para a Brigada Fiscal. imperdoáveis erros Wall Street Institute School of English, 17 de Julho 17 de Outubro de 2000 ortográficos e o mau Professora de Inglês para adultos portugueses e de outras nacionalidades. uso da Língua Four Seasons-Vilamoura, Algarve, Portugal, 1997-1998. Portuguesa. Julho de 1997 Setembro 1998: Recepcionista no Hotel Four Seasons Vilamoura LTD. Yosokochi International (Europe) Ltd. Maio de 1995. Estágio no departamento de Lei Financial numa Companhia Japonesa. Trabalhava na área de adiministrassão geral. É por vezes necessário Línguas: Oral Escrita Leitura Compreensão explicitar melhor as responsabilidades Inglês Fluente Fluente Fluente Fluente assumidas em anteriores funções Português Fluente Fluente Fluente Fluente Francês Médio Básico Médio Médio Alemão Básico Básico Médio Médio Informática: Experiência Informática na óptica do utilizador. Microsoft Word, Power Point e Excel 97 e Excel 97 e 2000, Corel WordPerfect, Internet Explorer e Netscape Navigator. Experiência Complementar: 1997/1998 Presidente da Sociedade Universitária dos Espanhóis, Portugueses e Latino-Americanos U. de Southampton. 1995/1996 Presidente da Associação de Estudantes de Sydenham High School, G.P .D.S.T., Londres Referências: Dr. D. Dias, Director-Geral do GCPE. Av Byron Silva, nº7 2º 8700 Olhão. Tel 289 777777 Fax 289 8888 Dra. M. Marineta, Gerente da Kalioka, Lda R. Braulio B. nº 21, 2º Esq. 8000-225 Faro. Tel./Fax 289 33 14 os empresários/promotores manual do aluno empreender na escola
  12. 12. Pesquisas realizadas junto de empresários bem sucedidos permitiram identificar algumas qualidades especiais comuns a todos eles. Aproveitando essa “receita” montou-se um decálogo do empreendedor de sucesso. Dez items que revelam a personalidade de homens e mulheres que foram à luta e obtiveram o seu lugar no mercado. 1) Assumir riscos: Esta é a primeira e uma das maiores qualidades do verdadeiro empreendedor. Arriscar consciente- mente é ter coragem de enfrentar desafios e de procurar, por si só, os melhores caminhos. É ter autodeterminação. 2) Identificar oportunidades: O empresário de sucesso é curioso e atento às informações, pois sabe que as suas hipóteses melhoram quando o seu conhecimento aumenta. Está atento e percebe, no momento certo, as oportuni- dades que o mercado oferece. 3) Conhecimento: Proveniente de várias fontes, quanto maior é o domínio de um empresário sobre um ramo de negócio, maiores são as suas hipóteses de êxito. 4) Organização: É ter capacidade de utilizar recursos humanos, materiais, financeiros e tecnológicos de forma racional. A desorganização compromete o funcionamento e o desempenho. 5) Tomar decisões: Tomar decisões correctas, na hora certa. É um processo que exige o levantamento de informações, a análise fria da situação, a avaliação das alternativas e a escolha da solução mais adequada. 6) Liderança: Liderar é saber definir objectivos, orientar tarefas, combinar métodos e procedimentos práticos, estimular as pessoas no rumo das metas traçadas e favorecer relações equilibradas dentro da equipa de trabalho, em torno do empreendimento. 7) Dinamismo: Um empreendedor de sucesso nunca se acomoda, para não perder a capacidade de fazer com que simples ideias se concretizem em negócios efectivos. Cultiva o inconformismo diante da rotina. 8) Independência: O empreendedor deve ser livre, evitando proteccionismos que, mais tarde, possam transformar-se em obstáculos aos negócios. Determinar os seus próprios passos, abrir os seus próprios caminhos, é meta importante na busca do sucesso. 9) Optimismo: É uma característica das pessoas que vêem o sucesso, em vez de imaginarem o fracasso. Capaz de enfrentar obstáculos, o empresário de sucesso sabe olhar além e acima das dificuldades. 10) Intuição empresarial: Aquilo que muita gente acredita ser um “sexto sentido”, intuição, faro empresarial, típicos de gente bem sucedida nos negócios é, na verdade, na maioria das vezes a soma de todas as qualidades descritas até aqui. Se o empreendedor reúne a maior parte dessas características terá grandes chances de ter êxito. manual do aluno os empresários/promotores 15 empreender na escola
  13. 13. 2. A Ideia de Negócio
  14. 14. a ideia de negócio “Nada é tão poderoso no mundo como uma ideia cuja oportunidade chegou” Victor Hugo O ponto de partida de qualquer projecto e, portanto, do Plano de Negócio é a tua ideia de negócio. Deves ser capaz de concretizar esta ideia e escrever uma breve descrição, de onde se recolha a base do que queremos analisar. Temos que definir que produtos ou serviços queremos lançar e a quem vamos dirigi-los, ou seja, quem serão os nossos clientes. O mais útil para este passo é que desenhes um quadro de produtos / clientes, como por exemplo, o seguinte, efectuado para uma nova empresa de desenho gráfico: Agências de Clientes / Produtos Particulares PME´s Instituições Editoriais Publicidade Desenho Logotipos X X X X Folhetos e Catálogos X X X Painéis Exteriores X X (Outdoors) Ilustrações Didácticas X X Se em vez de uma única linha de actividades tens várias diz-se que tens várias unidades de negócio. Nesse caso convém que faças um quadro para cada uma e que mantenhas essa divisão durante o resto do Plano de Negócio. Se, pelo contrário, só vais ter um produto ou serviço e só um tipo de clientes a coisa será muito mais fácil. Não te preocupes se ainda há coisas por decidir, para isso serve o Plano de Negócios. Aqui o que fazemos é ver se a actividade que queremos analisar é viável. É preciso identificá-la, pôr-lhe limites, para saber concretamente sobre o que temos de investigar e sobre o que temos de decidir. Mais tarde, conforme avancemos no Plano, podemos decidir alterar partes do que fizemos inicialmente. Pensa que o mais importante é que destaques aquilo que a tua ideia possa ter de diferente sobre as já existentes. Qualquer diferença é válida sempre que os teus futuros clientes a valorizem e que estejam dispostos a pagar por ela. De certeza que já conseguiste identificar as áreas em que tu, a tua ideia, a tua empresa, o teu negócio são muito competentes. Isto é, deves conseguir identificar quais as habilidades, talentos e conhecimentos que tornam a tua ideia forte e competitiva. Deves tomar nota de todas elas. No final destas tarefas deves poder responder a estas perguntas: - Em que produto/serviço estou a pensar? - A quem o vou dirigir? - Que vantagens vou oferecer relativamente aos meus concorrentes? - O cliente valorizará essas vantagens? - Que tamanho da empresa tenho em mente? - Onde me instalarei, no início? manual do aluno a ideia de negócio 19 empreender na escola
  15. 15. 3. Plano de Marketing
  16. 16. plano de marketing Uma vez que já sabemos de que actividade estamos a falar temos de analisar muito bem o meio envolvente no qual ela se desenvolve e tomar decisões sobre como adaptar a nossa futura empresa ao mesmo. Para isso temos de investigar o que rodeará a empresa (clientes, concorrentes…), procurar um espaço que possamos ocupar, desenhar um produto ou serviço que encaixe nesse “vazio”, decidir como dá-lo a conhecer, como torná-lo acessível aos clientes e quanto cobrar por ele. Também temos de ser capazes de saber quanto é previsível que venhamos a vender. Pesquisa de Mercado “Então eu digo: Se conheceres o teu inimigo e te conheceres a ti próprio, em cem batalhas nunca serás derrotado. Quando desconheces o teu inimigo mas te conheces a ti próprio tens tantas hipóteses de vencer como de saíres derrotado. Mas se és ignorante de ti próprio e do teu inimigo, seguramente serás derrotado em todas as batalhas.” Sun Tzu, A Arte da Guerra, c. 400 A.C. É fundamental que conheçamos com profundidade como é, neste momento, esse ambiente externo e como é provável que evolua. Isto é conveniente porque, dessa forma, aumentamos as possibilidades de êxito da nossa ideia. O mais seguro será, para além de utilizar o senso comum, fazer uma investigação com certo rigor, decidir que informação vamos necessitar, onde a poderemos encontrar e como vamos obtê-la. É muito provável que tenhamos de fazer questionários ou entrevistas a pessoas que já estão no terreno. Isto situar-nos-á e dar-nos-á segurança no momento de dar corpo ao nosso projecto. Quem compra? O que compra? . Onde vive; . Características do produto; O TEU . Embalagem do produto; . Qual o perfil (Idade, sexo, PRODUTO . O Preço; rendimento…); OU SERVIÇO . Opções de entrega; . Estilo de vida (Passatempos, férias …); . Prazos. . Personalidade (inovadores, aderem com facilidade, cautelosos, …). Porque é que compra? . Benefícios; . Características especiais. manual do aluno plano de marketing 23 empreender na escola
  17. 17. Deves conhecer bem os teus clientes. Para tal vais ter de recolher informação. Pensa um pouco nas perguntas seguintes: De que informação necessito? Onde a procuro (nos clientes, especialistas no sector, listas de Associações, etc.)? Como a consigo (por entrevistas, questionários, observação…)? Alguns Sites Úteis: - http://www.adi.pt - http://www.fdti.juventude.pt - http://www.agep.pt - http://www.fjuventude.pt - http://www.aip.pt - http://www.iapmei.pt - http://www.ambitur.pt - http://www.iefp.pt - http://www.anje.pt - http://www.ifdep.pt - http://www.antram.pt - http://www.ine.pt - http://www.cfe.iapmei.pt - http://www.iturismo.pt - http://www.dgcc.pt - http://www.min-economia.pt Ambiente Externo da Empresa "Homem da planície, porque sobes tu à montanha? Para melhor olhar a planície…” Provérbio Chinês Primeiro temos de delimitar o nosso âmbito geográfico de actuação e depois ir analisando os diferentes elementos que nos vão afectar. É importante ir passo a passo. Analisamos primeiro os clientes, depois os LISBOA concorrentes. Centramo-nos em cada um ESPANHA e no final resumimos aquilo que nos pareça A2 Alcoutim mais importante dentro do conjunto. Esta última parte faremos separando o que será Aljezur favorável para a nossa empresa do que será Monchique desfavorável. Castro Marim A2 A22 En125 São Brás Vila Real A22 de Alportel de Stº Loulé António Portimão Lagos Alvor Tavira Armação En125 A22 Vale do En125 Carvoeiro de Pera Vilamoura En125 Bispo Albufeira FARO Olhão Zona Geográfica de atendimento (aproximadamente ao concelho de Loulé) 24 plano de marketing manual do aluno empreender na escola
  18. 18. Os Clientes Informação geral Convém, num primeiro passo, ver se os que compram o nosso produto (pagam) são distintos dos que o consomem (os que o usam ou desfrutam). Normalmente, nas empresas pequenas trabalha-se para os clientes directos, ou seja, os compradores, mas sem perder de vista o que querem os consumidores (quem consome o produto). Esta diferença pode parecer-te estranha. Mas é uma situação muito comum. Imagina, por exemplo, que o teu pai resolve comprar-te uma consola de jogos! Neste caso, ele é que paga, mas tu é que utilizas. Ou, outro exemplo, imagina que tu queres ir aprender karaté. O teu pai é que paga o serviço, mas tu é que vais utilizar. Agora que já definiste o sector em que vais actuar e o teu mercado geral, vais necessitar de identificar e clarificar qual a porção desse mercado é o teu alvo. Reflecte sobre as seguintes questões: - Qual é o volume total de consumo do meu produto/serviço, no meu âmbito geográfico (em euros e em unidades…)? - Esse consumo está a crescer muito ou pouco? - Qual o potencial do mercado? - O mercado encontra-se bem fornecido? - Quem compra produtos/serviços como o meu? - Quem o paga é o mesmo que quem o usa? Informação por segmentos Uma vez feita essa distinção (se existe) será muito importante separar todo o conjunto de clientes (normalmente muito diferentes entre si) em grupos que se comportem e queiram algo parecido ao comprar o nosso produto ou serviço. A isto se chama segmentar o mercado. Para isso temos que pensar/averiguar se todos os nossos possíveis clientes vão buscar o mesmo no produto, se o vão comprar por e para o mesmo fim. Se assim for todos os nossos clientes pertencerão ao mesmo grupo de compradores e aqui termina o nosso trabalho de segmentação. Mas isto geralmente é o menos habitual. O normal é que haja diferenças entre clientes, que uns procurem essencialmente rapidez, por exemplo, outros segurança, outros preço, outros atenção, etc.… O que teremos de fazer será juntá-los em grupos diferentes (por exemplo, grandes empresas, instituições locais e indivíduos). Podes, por exemplo, segmentar por cliente segundo o critério da proximidade geográfica (onde vive?) procurando saber em que país, cidade ou bairro vive, quanto tempo levam para chegar ao aeroporto, qual é a temperatura da região onde vive no verão, etc… estas informações para alguns negócios podem não parecer importantes mas para outros são muito importantes. Depois podes considerar também outros factores: qual a idade, o sexo, o tamanho da família, qual o grau de educação, qual a ocupação, qual o rendimento, qual a etnia, qual a nacionalidade, religião, etc… depois, que estilo de vida têm: quais os programas preferidos de televisão, que clubes são da sua preferência, onde passam férias. Todos estes conceitos podem ser muito importantes mas podem ainda ser melhorados se conheceres a personalidade dos teus diversos clientes: são eles jovens e educados, inovadores que correm riscos e usam as novas tecnologias? Ou serão cautelosos, só abertos a argumentos bem justificados? Ou, se calhar, só experimentam novos produtos se forem manual do aluno plano de marketing 25 empreender na escola
  19. 19. aconselhados por amigos? Ou então são muito cautelosos e esperam até ao último momento para adquirir novos produtos! De outra forma podes fazer uma descrição dos teus futuros clientes baseada nos produtos que eles compram e que te permitirá olhar para eles de uma forma a que estarás mais habituado: os teus próprios produtos e serviços. Será uma segmentação do mercado por produtos. Irás então segmentar pelas características dos produtos. Verificarás que quando tu agrupas os clientes em função das características do produto que eles procuram, descobres que eles têm muito em comum. Por exemplo, o que fazem com o produto: se os teus clientes são jovens que compram um computador, é natural que o usem para jogar, mais do que o segmento dos teus clientes que são … menos jovens! Também a frequência com que o usam é diferente! Também é comum os segmentos de mercado identificados com base nos critérios da embalagem reflectirem atributos comuns semelhantes aos segmentos baseados em características do produto: frequência com que o usam, a habilidade em usar o produto, a utilidade, etc … Já o preço (factor importantíssimo!) de um tipo específico de produto ou serviço tende a criar diferentes grupos de clientes. Os clientes que são mais sensíveis ao preço estão num segmento; os que estão dispostos a pagar mais por um certo nível de qualidade estão noutro. Mas o preço não é o único factor financeiro que pode levar a diferentes segmen- tos de mercado. O financiamento disponível, um acordo de troca ou a possibilidade de devolução do dinheiro se o cliente não estiver satisfeito são também factores a ter em consideração. A distribuição e a entrega, assim como a disponibilidade total de horário (por ex. lojas de conveniência) ou disponibili- dade total de local (postos de gasolina); a disponibilidade garantida (nos vídeo-club) podem definir segmentos de mercado baseados no critério da localização onde os clientes efectuam as suas compras. Após termos ordenado os clientes em grupos mais ou menos uniformes, podemos passar a analisar cada um deles. A chave será saber de cada um como compra e, sobretudo, porque compra a um ou a outro concorrente. Pensa que no fim de contas o negócio irá bem ou mal em função do que decida o cliente nesse momento (comprar a ti ou a outro), pelo que compreender as suas razões é o eixo central do teu projecto. Todos os raciocínios que até agora fizeste devem ser adaptados no caso de os teus futuros clientes virem a ser outras empresas. - Como agrupo os clientes em tipos diferentes? - Quantos clientes possíveis há em cada grupo? - Que passos seguem na hora de comprar o produto ou serviço? - Para que compra o produto/serviço cada grupo? - O que consideram importante? - O que os motiva? - Como fazem as suas escolhas? 26 plano de marketing manual do aluno empreender na escola
  20. 20. Critérios de compra O Plano de Marketing servir-te-á para tomar muitas decisões. O melhor é que listes as características do produto ou serviço em que estás a trabalhar e averigues a importância que cada tipo de cliente dá a cada característica. Podes valorizar de 1 a 10 (de menos a mais importante) e registar numa tabela. Vamos então fazer este exercício para a empresa de desenho gráfico de que já falámos: Clientes / Particulares Particulares Empresas Instituições Características (Adultos) (Jovens) Rapidez do serviço 3 8 7 1 Atendimento pessoal 10 7 2 4 Serviço pós-venda 5 2 10 3 Documentação auxiliar 2 1 3 8 Formação para a utilização 6 1 8 8 Preço 6 10 4 6 Os Concorrentes Um concorrente é uma empresa que fornece os mesmos produtos que a nossa empresa. Para conheceres “o inimigo” deves identificar, listar e caracterizar os teus principais concorrentes. O teu futuro dependerá de que fornecedores os teus clientes escolham (tu ou outros). Os clientes farão isto naturalmente: procurando e comparando. Tem em conta que o teu produto ou serviço sempre será bom ou mau em função da comparação que se faça com os da concorrência. Necessitas saber quem são os teus concorrentes, o que têm de bom e descobrir em que podes ser melhor do que eles, sempre desde o ponto de vista do cliente, porque é ele que decide. Quando fizeres este estudo tem em atenção que a concorrência pode surgir de várias formas e que os seguintes aspectos devem ser tomados em consideração: . No mercado por ti escolhido, de que maneira é definido um produto ou serviço competitivo? . Como é que esse produto/serviço “ideal” se parece com o teu e com os dos outros? . De que maneira ele é diferente do teu e dos da tua concorrência? . A concorrência é especialista ou oferece uma variedade alargada de produtos? . Quais as características do teu produto que satisfazem o teu Segmento/Mercado Alvo? . Quais os pontos fortes e fracos da concorrência que tu podes explorar? . Quão inovador és? Comparado com a concorrência, ajustas-te rapidamente às mudanças tecnológicas? . Que imagem o consumidor associa à concorrência? manual do aluno plano de marketing 27 empreender na escola
  21. 21. Preço: . Qual é a estratégia de preço do concorrente? 100 90 Livros . Como é o teu preço em relação aos do teu concorrente? 80 . O preço tem algum espaço para poder ser aumentado? Volume de Vendas 70 Cd’s 60 50 DVD Local: 40 . Onde está o teu concorrente? 30 . Como é a tua localização em relação à dele? 20 10 . Ele tem espaço para crescer? 0 Conc. Conc. Conc. Conc. A B C D Promoção: Concorrentes . De que maneira a concorrência publicita os seus produtos? . Quanto eles gastam em publicidade? . Qual a mensagem? . A publicidade da concorrência é efectiva? Gestão: Evolução das Vendas Anuais . Como é a equipa de Gestão da tua concorrência? . Possuem conhecimentos e são competentes? 8000 7000 . Como é que recrutam o pessoal? 6000 . Oferecem treino e formação ao seu pessoal? 5000 Livros . Qual a política de salários? 4000 DVD 3000 2000 Cd’s Finanças: 1000 . O negócio do concorrente é lucrativo? 0 1º 2º 3º 4º . Qual é a facturação anual? Qual é a sua quota de mercado? trim trim trim trim . Os teus concorrentes investem em Investigação & Desenvolvimento? . Quem são os seus sócios? Que participações têm no capital? . Qual é o Fluxo de Caixa? Ou seja, deves ter um conhecimento o mais profundo possível da tua concorrência. Tenta agora responder às perguntas seguintes: - Quais são os seus segmentos de mercado? - Que gama de produtos têm? - Que imagem têm junto do público? - Em que aspectos são bons e menos bons? - O que há de especial nos produtos que comercializam? - Quais são as perspectivas futuras? - Onde estão localizados? - Qual a sua zona de atracção? - Quantas pessoas trabalham para eles? - Qual o seu valor de vendas? - Porque os clientes escolhem entre um e outro dos nossos concorrentes? - Quanto pagam por estes produtos ou serviços? - Estão satisfeitos com os teus concorrentes actuais? - Mudam facilmente de um dos teus concorrentes para outro? - São duros ou brandos quando estão a negociar? - Que prazos de pagamento têm? 28 plano de marketing manual do aluno empreender na escola
  22. 22. Deves então fazer uma análise da tua concorrência, relacionando o que querem os teus clientes com o que oferecem os teus concorrentes. Poderás fazer um quadro onde anotes as características do produto ou serviço que querem os clientes (já o tens do capítulo anterior) e averigues como os clientes avaliam cada um dos teus concorrentes em cada característica. Podes avaliar de 0 a 10 (de mau a muito bom). Continuando com o exemplo anterior da nova empresa de desenho gráfico, poder-se-à construir a seguinte tabela: Clientes Concorrente Concorrente Concorrente Concorrente Empresa Características A B C D Desenho Rapidez de serviço 10 6 2 4 2 Atendimento pessoal 3 9 6 4 3 Serviço pós-venda 8 8 10 1 47 Documentação auxiliar 2 2 4 1 10 Formação para a utilização 2 2 5 3 8 Preço / económico 5 6 7 10 6 Os Fornecedores Os fornecedores são os agentes económicos que te poderão fornecer matérias-primas, componentes, mercadorias e serviços. Deves manter boas relações com os teus fornecedores e ambos poderão ganhar. Diz-se que, quando um negócio só é bom para uma das partes, então é mau negócio. Não os tentes enganar porque eles tentarão fazer-te o mesmo! Deves, no entanto, manter alguma atenção nas pressões competitivas existentes entre os teus fornecedores de forma a te poderes assegurar de que estás a comprar com a melhor relação preço/qualidade. Assim, e nesta fase de realização do teu Plano de Negócios, deveremos saber quem são e ver se são importantes, porque vamos gastar muito dinheiro com eles e porque os fornecedores são cruciais para que saia bem o que queremos fazer ou oferecer aos nossos clientes. Após uma análise cuidada às tuas diferentes possibilidades de fornecedores deverás saber responder às seguintes questões: - O volume de compras é importante neste negócio? - E a qualidade das compras, influencia muito no que se vai oferecer? - É fácil aceder aos fornecedores? - Que relacionamento têm com os nossos concorrentes? - Os fornecedores podiam chegar a ser nossos concorrentes? - São duros ou brandos a negociar? - Que condições de pagamento podemos pedir? - Que vantagens e inconvenientes há em trabalhar com os diversos fornecedores? manual do aluno plano de marketing 29 empreender na escola
  23. 23. O Ambiente Externo (O contexto geral) Uma vez que já viste o que te afecta dentro da tua própria actividade, tens de ampliar um pouco a tua visão e detectar o que pode ser importante para o teu negócio no ambiente social, económico, político, legal que o rodeia e que, certamente, influenciará a sua capacidade de obter lucros. O empresário deve estar preparado para detectar as tendências e desenvolvimentos importantes que influenciarão a evolução do mercado. O melhor é ir ponto por ponto e reflectir sobre o que te pode afectar. Pode ser uma nova lei, um novo estilo de vida, condições climáticas… depende muito de que tipo de projecto é o teu. Um exemplo muito comum é o facto de que as leis de protecção do ambiente serem cada vez mais restritivas tornando obrigatórios uma série de investimento das empresas nesta área, o que se tem traduzido em oportunidades de negócio para as empresas do sector. - E da situação política, legal, fiscal… o que afecta o meu negócio em particular? (ex. alargamento da U.E.) - E da situação económica do meu meio?(diminuição do poder de compra) - E da situação social, estilos de vida, costumes, alterações demográficas…? - Mudanças tecnológicas que me afectem particularmente. - E em termos de ambiente natural e clima… o que pode influenciar no meu negócio? Conclusões: Oportunidades e Ameaças Externas Neste capítulo há que fazer um grande esforço de síntese. Temos que resumir tudo o que temos visto ao longo da análise do meio envolvente para recolher o que é, realmente, determinante. Vamos separar aquilo que nos parece positivo para nós (a que se costuma chamar oportunidades) daquilo que nos parece que nos pode afectar negativamente (ameaças). - De tudo o exposto anteriormente o que pode ser positivo para o meu negócio? - E negativo? Para cada tendência ou evolução verificada o empresário necessita de identificar as oportunidades e ameaças que lhe estão associadas. As oportunidades poderão ser classificadas segundo a sua atractividade e a sua probabilidade de sucesso e as ameaças conforme o seu grau e importância ou probabilidade de ocorrência. 30 plano de marketing manual do aluno empreender na escola
  24. 24. A questão é colocar uns poucos pontos, umas frases breves, em cada um dos dois blocos. A distinção entre ameaça e oportunidade muitas vezes é relativa e depende do que façamos perante ela. Para separá-las não resta mais do que sentido comum, não se enganar e saber que a arte de converter realmente as ameaças em oportunidades pode ser muito positiva para o futuro negócio. Não é necessário que corrijas todas as fraquezas do negócio nem que destaques todas as suas forças. A grande questão que se põe é se o negócio deve ficar limitado a essas oportunidades em que possui as forças exigidas ou se deve adquirir forças para explorar outras oportunidades melhores. Deves ter em mente que os pontos fortes só podem ser considerados verdadeiramente fortes se as tuas capacidades e recursos estiverem alinhados com os teus Factores Críticos de Sucesso (FCS). Podes entender estes FCS como as habilidades e os recursos que a empresa precisa de ter, necessariamente, para vencer, como por exemplo: a tecnologia mais moderna; o serviço mais simpático; a melhor localização; o marketing mais brilhante, … deves limitar a tua lista de FCS's a não mais que 4 ou 5. Em seguida vamos apresentar-te uma check-list para análise de desempenho das Forças e Fraquezas. CHECK-LIST PARA ANÁLISE DE DESEMPENHO DAS FORÇAS E FRAQUEZAS Desempenho Grau de Importância Força Força não Fraqueza Fraq. Não Neutro ALTA MÉDIA BAIXA Importante importante Import. Importante MARKETING 1. Reputação da empresa 2. Quota de mercado 3. Qualidade do produto 4. Qualidade do serviço 5. Eficácia do preço 6. Eficácia da distribuição 7. Eficácia da promoção 8. Eficácia da força de vendas 9. Eficácia da Inovação 10. Cobertura Geográfica FINANÇAS 11. Custo / Disp. de Capital 12. Fluxo de Caixa 13. Estab. Financeira PRODUÇÃO 14. Instalações 15. Capacidade 16. Hab e força de trabalho 17. Hab de produção pontual 18. Hab técnica de produção ORGANIZAÇÂO 19. Visão de liderança 21. Dedicação dos funcionários 23. Orientação empreendedora 24. Flexib./Respons. manual do aluno plano de marketing 31 empreender na escola
  25. 25. Com a análise que efectuaste, identificando os pontos fortes e pontos fracos e analisadas as oportunidades e ameaças, pode-se obter uma matriz, chamada de matriz SWOT iniciais de (strengths, weaknesses, opportunities e threats) ou seja , pontos fortes, pontos fracos, oportunidades e ameaças. Pode ser representada pelo esquema seguinte: ANÁLISE SWOT INTERNA Oportunidades 2 3 Capitalizar Melhorar EXTERNA 4 1 Ameaças Vigiar Eliminar Pontos Fortes Pontos Fracos A mudança é a única constante em qualquer negócio, sector, mercado … Como consequência a análise SWOT não pode ser feita uma única vez. É uma ferramenta extremamente útil e deve ser utilizada continuamente com o objectivo de nos elucidar sobre qual o caminho a ser seguido e o que deve ser feito. A estratégia SWOT resume-se em eliminar os pontos fracos em áreas onde existem riscos e fortalecer os pontos fortes em áreas onde se identificam oportunidades. Na página seguinte vamos apresentar-te um exemplo de análise SWOT de uma nova empresa nas áreas tecnológicas. 32 plano de marketing manual do aluno empreender na escola
  26. 26. EXEMPLO DE UMA ANÁLISE AMEAÇAS OPORTUNIDADES Trata-se de uma análise meramente exemplificativa de - elevada incerteza quanto - lançamento de novos uma eventual empresa que à real posssibilidade de equipamentos com a seria criada por jovens com aceitação pelos potenciais tecnologia necessária; formação informática e que clientes; - ausência de conteúdos quereriam criar um negócio - investimentos elevados adaptados ao mercado que consistiria em criar e com rápida evolução nacional aplicações informáticas (p. ex. tecnológica; jogos…) para aplicação em - previsivel crescimento telemóveis da última geração. - mercado controlado por exponencial do mercado; grandes empresas; - os promotores são - apostar fortemente - apostar fortemente na altamente qualificados e numa imagem jovem, divulgação dos seus estão muito motivados; dinãmica e de qualidade produtos; com rigor; - forte estrutura de - efectuar parcerias com FORÇAS capitais próprios para o - apostar fortemente na outras áreas do saber arranque da empresa; formação dos seus (história, antropologia, quadros sociologia…) - sector hi-tech com um previsivel crescimento - constituir parcerias com - manter ritmo elevado de exponencial; outras empresas, software apresentação de ideias e houses, universidades produtos novos - falta de experiência e de - as fraquezas ao nível da - as fraquezas ao nível da formação empresarial dos gestão e a pouca gestão e a pouca promotores; experiencia comercial experiencia comercial FRAQUEZAS podem inviabilizar a podem inviabilizar o - pouco conhecimento do superação das ameaças aproveitamento das mercado do sector das latentes oportunidades existentes. aplicações informáticas para telemóveis; Estratégia de Posicionamento Até agora o que fizemos foi planear o negócio e analisar a situação. A partir deste ponto temos de começar a tomar decisões sobre o futuro da nossa empresa. A primeira será saber a quem vou dirigir os meus produtos ou serviços, ou seja, quem os pode comprar, para depois saber adequar a esses públicos os meus esforços comerciais e de comunicação. Pensa que os recursos são limitados, tanto de dinheiro como de tempo, e terás de destiná-los aos clientes nos quais terás mais possibilidades de êxito e aos que possam ser mais importantes para a tua sobrevivência. Recorda que já tens os clientes separados em grupos que querem coisas distintas entre eles (os segmentos) e sabemos o que e como estão os concorrentes oferecendo os seus produtos e serviços aos clientes. Nos possíveis desajustes que possas ver, onde possas trazer algo melhor, é onde tens que procurar o teu nicho de mercado. Poderás decidir abordar um grupo de clientes, dois, três… ou até todos, mas sabendo que se procuram coisas diferentes terás de lhes oferecer produtos ou serviços diferentes. Mas cuidado, a tua empresa tem de ter uma identidade, um carácter, uma personalidade própria. Se misturas coisas muito distintas acabarás não fazendo nada concreto. manual do aluno plano de marketing 33 empreender na escola
  27. 27. Independentemente dos segmentos que escolhas tens de transmitir uma ideia forte e clara ao mercado, passar uma mensagem de conjunto, um argumento de venda único, terás de conseguir que os clientes, quando pensam na tua empresa, lhes ocorra uma ideia clara à cabeça (rapidez, amabilidade, personalização, proximidade, força, tranquilida- de, garantia de qualidade…), esse será o teu posicionamento, a base das tuas vantagens competitivas. Agora tenta formular o teu Planeamento Estratégico do Negócio começando pela Visão da Empresa A declaração de visão é a declaração da direcção em que a empresa pretende seguir, ou ainda, um quadro do que a empresa deseja ser. Trata-se ainda da personalidade e carácter da empresa. Assim a declaração de visão de uma empresa deverá reflectir as aspirações da empresa e as suas crenças. Os leitores da declaração de visão da empresa deverão interpre- tar o teu negócio como uma pessoa: como alguém de quem se gosta, em quem se confia e em quem se pode acreditar. Ou seja a declaração de visão da tua empresa ajudará os outros a vê-la como tu a vês e não como algo de impessoal ou apenas palavras num pedaço de papel. Não estabelece nem expressa fins quantitativos, mas prevê a motivação, o caminho a seguir, a imagem e a filosofia que guiam a empresa. É a resposta às questões: para onde vamos? Qual o nosso destino? Eis alguns exemplos de declarações de visão de empresas conhecidas que te poderão ajudar a formular a visão da tua própria empresa: “Mudar o mundo através da tecnologia.” Apple Computer, Inc. “Ser reconhecida como a empresa mais criativa do mundo.” 3M “Construir um site onde todos possam comprar qualquer coisa.” Amazon.com “Ser o líder mundial em imagem.” Kodak “Um lugar cativante para investir, para fazer as compras e para trabalhar.” Armazéns Sears “Eliminar os abusos contra o meio ambiente e promover soluções ambientais.” Greenpeace 34 plano de marketing manual do aluno empreender na escola
  28. 28. Clarificada que está a visão da empresa, cuja formulação se destina ao exterior, isto, é para os outros, deves reflectir sobre a Missão da Empresa Que se trata de uma declaração que deve reflectir a razão de ser da tua empresa, qual o seu propósito, o que é que faz. Missão significa responder “Para que existimos?” e é dirigida ao interior da própria empresa. Uma boa declaração de missão deve ser simples, concisa (com, no máximo, duas sentenças ou um pequeno parágrafo) e de fácil entendimento por todos os colaboradores da organização. Eis alguns exemplos de declarações de missão que te podem ajudar a perceber o conceito e a ajudar a formular a tua própria declaração de missão: “A nossa missão é servir alimentos de qualidade, com rapidez e simpatia, num ambiente limpo e agradável.” McDonald´s “A missão da Cruz Vermelha é melhorar a qualidade de vida humana; aumentar a autoconfiança e a preocupação com os outros; é ajudar as pessoas a evitar emergências; preparar-se para elas e enfrentá-las.” Cruz Vermelha Internacional “A nossa missão é alegrar as pessoas.” Disney “A nossa missão é fazer contribuições técnicas para o avanço e bem-estar da humanidade.” Hewlett-Packard “A nossa missão é fornecer protecção e decoração, através de tintas, para os mercados da Construção Civil, Repintura Auto e Indústria, satisfazendo e antecipando as necessidades dos seus Clientes de modo mais eficiente, eficaz e rentável que os seus concorrentes.” Tintas Robbialac Definidas que estão a visão da tua empresa e a sua missão deves agora debruçar-te sobre os Objectivos e Metas Muito se têm confundido estes dois conceitos. A principal diferença entre metas e objectivos é que os objectivos indicam as intenções gerais da empresa e o caminho básico para chegar ao destino que tu desejas. Já as metas são as acções específicas mensuráveis que constituem os passos para se atingir os objectivos. As metas devem ser definidas de forma quantitativa, ou seja, devem ser metas específicas, mensuráveis, alcançáveis, relevantes e com horizontes temporais bem definidos. manual do aluno plano de marketing 35 empreender na escola
  29. 29. Por exemplo: Se o objectivo de uma empresa fabricante de brinquedos é ter brinquedos prontos para o Natal, as suas metas serão uma lista de tarefas que deverão ser realizadas em primeiro lugar, tais como: embalagens, design, publicidade, distribuição e fabrico. Ou seja Os objectivos são resultados abrangentes com os quais a empresa assume um compromisso definitivo. Por eles compromete os seus recursos dinheiro e pessoas necessários para alcançar os resultados pretendidos. Os objectivos ditam as opções de negócio e orientam os processos de decisão em toda a organização. Criam um elo entre as acções da empresa e a sua missão. Já as metas fornecem detalhes sobre o que deve ser feito e quando. Como geralmente estão associadas a números e datas, é fácil verificar se foram alcançadas. Não existem metas isoladas. Devem ser inseridas nos contextos dos objectivos mais amplos. Ou seja as metas devem ser SMART: ESpecíficas; Mensuráveis; Atingíveis; Relevantes; Temporais Uma maneira fácil de diferenciar metas de objectivos é relacionar objectivos com palavras (esboçando o quadro geral) e metas com números (complementando-o com os detalhes específicos)! Resumindo, tem-se: . Objectivos são resultados mais abrangentes que a empresa assume o compromisso de alcançar; . Metas são as etapas necessárias para se alcançarem os objectivos Eis alguns exemplos relacionados com a nossa hipotética empresa de desenho gráfico: Penetração de Mercado: Objectivo: “Conquistar 25% do mercado de desenho gráfico na cidade de Faro, até ao final do ano de 2007.” Para isso a empresa estabelece os seguintes objectivos: Metas: 1) Abrir um novo espaço comercial, junto da Universidade, até Dez de 2005; 2) Ampliar e reequipar a loja junto da Câmara Municipal até Março de 2006; 3) Implementar sistema digital de contacto para transferência de ficheiros junto dos principais 20 clientes até Março de 2006; Eis mais um Diversificação: Ocorre quando a empresa se move para um mercado de novos e diferentes produtos, seja devido à estagnação do mercado actual ou à impossibilidade de crescimento do mesmo; Objectivo: “Conquistar 50% do mercado das fotocópias e impressões de grande volume nos próximos três anos” Metas: 1) Implementar serviço de processamento contabilístico nas instalações da Penha até ao final de 2005; 2) Adquirir impressora de grande volume: Janeiro de 2006; 3) Conquistar um cliente institucional cada três meses durante os próximos dois anos; 4) Abrir serviços na Gambelas, totalmente informatizados, até Abril de 2006; 5) Efectuar protocolos com Universidades, Escolas e Associações de Estudantes até final de 2005. 36 plano de marketing manual do aluno empreender na escola
  30. 30. Até aqui já definiste a missão e a visão da tua empresa e também definiste já as metas e os objectivos que procuram cumprir a tua missão em direcção à visão declarada. Agora deves formular um plano que te permita atingir os objecti- vos estabelecidos. Ou seja precisas de Formular estratégias Para serem implementadas na tua empresa. Existem diversos tipos de pensamento estratégico, mas Michael Porter resumiu-as em três tipos genéricos que fornecem um bom ponto de partida: 1) A Liderança total em custos: a empresa deve fazer um grande esforço para reduzir ao máximo os seus custos de produção e distribuição, o que lhe permitirá oferecer melhores preços aos seus clientes; 2) A Diferenciação: a empresa deve concentrar os seus esforços para alcançar um desempenho fora-de-série numa determinada área de benefício para o cliente: por exemplo deve esforçar-se para ser líder em qualidade ou design; 3) Foco: a empresa deve abordar um ou mais segmentos de mercado menores, em vez de ir atrás de um grande mercado. Deve tentar ser líder nesse pequeno segmento de mercado. Assim que desenvolveres as principais estratégias da empresa, deves pensar e adoptar programas de apoio detalhados com responsáveis, áreas envolvidas e recursos e prazos definidos. Ou seja deves passar à fase de Implementação Uma estratégia clara e programas de apoio bem delineados podem ser inúteis se a empresa falhar na sua implementa- ção cuidadosa. Segundo a consultora McKinsey o modelo para o sucesso empresarial (conhecido como o modelo 7-S) é composto por estratégia, estrutura, sistemas, estilo, pessoal, habilidades e valores compartilhados. Quando estes elementos estão presentes as empresas são, geralmente, mais bem sucedidas na implementação da sua estratégia. À medida que implementa a sua estratégia a empresa deve ter Feed-back e controle Para controlar os resultados e manter sob vigilância os seus ambientes internos e externos, que mudam de forma e com velocidades diferentes. Mas que, de certeza, mudarão. E quando isso acontecer será necessário rever a sua implementação, programas, estratégias ou, até, objectivos. manual do aluno plano de marketing 37 empreender na escola
  31. 31. Esquematicamente, o processo de planeamento estratégico do negócio (Kotler,1999) pode ser representado assim: Análise do Ambiente Externo (oportunidades e ameaças) Declaração de Visão e Formulação de Metas e Formulação de Estratégia Implementação Missão do Negócio Objectivos Análise do Ambiente Interno (forças e fraquezas) Feedback E Controle 38 plano de marketing manual do aluno empreender na escola
  32. 32. 4. Políticas de “Marketing-Mix”
  33. 33. políticas de “marketing-mix” “Na fábrica produzimos cosméticos, nas perfumarias vendemos sonhos” Charles Revlon Tens de continuar a ver tudo desde o ponto de vista do teu futuro cliente e decidir que produtos e serviços será mais interessante oferecer, como vais torná-los acessíveis aos que os quiserem comprar, a que preço os vais vender e como vais conseguir chegar aos teus clientes. O mais importante em todas estas decisões é que sejas coerente, que umas decisões se apoiem nas outras. Se te apercebeste que os clientes dão importância a uma coisa, que estão insatisfeitos porque não a encontram e decidiste dirigir-te a eles e posicionares-te como a solução para esse problema, agora tens de encontrar a forma deles se aperceberem de que existes e que ofereces justamente o que eles procuram, de fazer chegar até eles esse produto (ou serviço) e de lhes cobrar um preço interessante para eles e para ti. Política de produto/serviço A tua projecção no mercado começa por aquilo que vais oferecer. A primeira coisa que tens de fazer é, pensando no que quer o cliente e no posicionamento que escolheste, decidir que leque de produtos e serviços vais oferecer, se te vais centrar em algo muito concreto ou se vais oferecer coisas diversas. Se te decides por um leque muito estreito de produtos, estarás a optar por um negócio especialista, que dá uma margem de lucro grande, mas pouco volume de vendas. Se preferires abarcar um campo maior, o teu negócio aproximar-se-á mais de um negócio mais generalista, mais próximo de dar uma margem de lucro pequena mas com um volume de vendas elevado. Seguindo com o exemplo da empresa de desenho (utilizado nos capítulos anteriores), a sua expressão generalista poderia ser: Desenho Edição Ilustrações Anúncios Spots Vídeos Apresentações Notas de logotipos Catálogos Imprensa Televisão Empresa Multimedia Imprenssa e a sua versão especialista seria, por exemplo: Ilustrações Uma vez decidido o leque de actividades a oferecer, temos que pensar que características queremos que tenham os nossos produtos, os seus atributos. Será como um desdobramento do posicionamento do que quer o cliente. Pode ser que, por exemplo, tenhamos decidido posicionarmo-nos como ágeis, ou seja ter um serviço rápido, com resposta em 48 horas, atenção personalizada, com flexibilidade de horários de serviço, com assistência técnica extra baseada na Internet. manual do aluno políticas de “marketing-mix” 41 empreender na escola
  34. 34. Não te deves esquecer que um produto/serviço é adquirido pelas suas funções mas também pela imagem que transmite ou pelos resultados que determina. Devem, pois, ser cuidadas todas as características do produto, nomeadamente a embalagem, o design, a marca e, quanto aos serviços, os resultados que são esperados pelos clientes que os adquirem (por ex. um “pub” além de vender bebidas, vende principalmente um certo tipo de “ambiente”) . Assim, a adequação e descrição dos produtos oferecidos devem ser feitas na perspectiva do cliente e não te deves esquecer de dois pormenores: primeiro que existem relações de afinidade e de complementaridade entre os produtos (existe por exemplo alguma relação entre “papel para impressora” e “tinteiros para impressora”) que é conveniente listar e explorar e depois que não te deves esquecer das seguintes regras: - A linguagem utilizada para descrever os produtos deve ser perceptível pelos clientes; - A gama de produtos deverá estimular os clientes a comprar não só um produto mas vários; - A especialização e a exclusividade são da maior importância. Sobretudo em empresas de muito pequena dimensão a especialização, criatividade, carácter inovador e personalização constituem verdadeiros “trunfos” face à concorrência de unidades de maior dimensão. - Vou oferecer muitos produtos ou serviços diferentes? - Vou oferecer muitas opções dentro de cada produto ou serviço? - Que produtos e serviços concretos vou colocar no mercado? - Quando vou lançar cada um? - Que características vão ter? - Que nome de marca vou colocar? - Vou acompanhá-los com o quê: embalagem, serviço pós-venda…? - Vou ter algum sistema para ir melhorando os produtos/serviços ou ir lançando novos? 42 políticas de “marketing-mix” manual do aluno empreender na escola
  35. 35. Política de Preço Das variáveis de marketing o preço é aquela que preocupa mais os comerciantes, já que está intimamente ligado à qualidade e credibilidade do produto comercializado. Muitos dos criadores de empresas iniciam os negócios pratican- do preços baixos, como forma de publicitar o novo negócio, e como forma de entrar no mercado. Esta atitude pode ter resultados positivos mas apresenta dois inconvenientes: pode transmitir uma imagem de “baixa qualidade” (a ideia que existe é que o que é caro é que é bom!) e, em segundo lugar, torna-se muito difícil aumentar posteriormente os preços sem perder clientes. De qualquer forma, temos de pôr um preço aos nossos produtos. A primeira coisa que necessitamos é decidir que unidade ou unidades vamos usar para cobrar. Pode ser por unidade de produto, por hora de serviço, por mês de aluguer, por comissão ou uma combinação de todas elas. A segunda coisa é fixar o nível dos preços. Para fazê-lo temos que ter em conta três coisas: 1. O que o cliente está disposto a pagar. 2. O que cobra a concorrência. 3. As nossas diferenças em relação à concorrência. Recorda que o preço é um comunicador muito importante. As pessoas associam produtos bons a preços caros e produtos maus a preços baixos, sobretudo se sabem pouco do assunto. O mais normal é que exista uma relação entre o teu posicionamento, o que ofereces e o que queres cobrar por isso. É pois necessário e importante que conheças os preços que os clientes estão habituados a pagar, quanto estarão dispostos a pagar e quais são os preços praticados pelos concorrentes. A fórmula mais comum utilizada pelos empresários para fixar os seus preços de venda é a aplicação directa e mecânica de um coeficiente multiplicador (conhecido normalmente como margem) ao preço de compra ou ao custo do artigo. Mas deves estar consciente de que pode não ser este o melhor método pois o resultado final poderia situar-se acima ou abaixo do preço de aceitação do consumidor e a concorrência pode estar a praticar preços diferentes o que traria repercussões na imagem da empresa. - Que nível de preços vou estabelecer com respeito ao que os meus clientes estão dispostos a pagar, em relação aos meus concorrentes? - Como vou fazer que eles evoluam no tempo? - Com base em que conceitos vou cobrar? - Que condições de cobrança vou estabelecer? Política de Distribuição Quer estejas a pensar num produto ou num serviço o cliente tem de poder aceder a ele. Sobre este assunto o primeiro que terás de decidir é que zona vais cobrir, até onde vão chegar os teus esforços para tornar acessível o produto ou serviço. Uma vez definido isto coloca-te outra vez no lugar do teu cliente potencial. Pensa em onde e quando irá buscar o teu produto ou serviço. Tu tens de estar aí. Pode ser que o faça tratando directamente contigo (como seria para a compra de aço ou de um corte de cabelo) ou através de alguém (como por exemplo a compra de leite numa mercearia ou a contratação dos serviços de uma decoradora externa numa loja de móveis). manual do aluno políticas de “marketing-mix” 43 empreender na escola
  36. 36. Em função de onde procures o cliente, o número de clientes que vais ter, se os clientes se encontram dispersos ou concentrados, se exigem muita ou pouca atenção, o posicionamento que queres ter, etc., deverás optar por mais ou menos intermediários para tornar o teu produto acessível. Se a visita dos clientes forma parte do acesso ao teu produto ou serviço, terás de definir em que tipo de local te vais instalar (povoação, bairro, tipo de rua...). É melhor, no entanto, que não entres em detalhe sobre a dimensão do local, instalações... uma vez que farás isso no Plano de Investimentos. Já sabes que em muitos negócios de atendimento ao público a localização pode ser crucial. - Zona geográfica que vais atender. - Intermediários que vão participar. - Vais tentar que participem todos os intermediários possíveis ou vais seleccionar alguns? - Que relação vais estabelecer com esses intermediários? - Tipo de local/instalação do negócio. Política de Comunicação Mais uma vez tens de viajar pela mente do cliente. Pensa, agora, como ele é, como pode ver o teu produto ou serviço e que mensagem o poderia animar a comprá-lo. Tens de pensar tanto no que vais lhe transmitir como no seu estilo, na linguagem, etc. Já tens o destinatário e a mensagem. Mas como chegas até ele? Agora tens de pensar no que fazem os nossos clientes, o que lêem, o que vêem, ouvem, por onde passam, onde se reúnem… tens de procurar encontrar um meio de chegar até eles que os una, que os associe. Para comunicar-lhes o que queres podes encontrar uma diversidade de caminhos: um anúncio numa publicação especial, uma entrevista num programa de rádio, uma jornada informativa numa feira, um plano de visitas pessoais com catálogo, brochuras, folhetos publicitários … Deves também ter em atenção que a comunicação com os clientes se faz em diversos níveis, e que esta comunicação tem especial importância em áreas de venda ao público ou em áreas e meios de contacto directo com clientes e fornecedores. É que a comunicação visa dois objectivos: 1. um objectivo de longo prazo que é o de conferir uma imagem, uma identidade própria à empresa; 2. um outro objectivo de curto prazo que é o de assegurar a atracção em redor de uma acção promocional. 44 políticas de “marketing-mix” manual do aluno empreender na escola

×