• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
O campo de ação da psicologia organizacional
 

O campo de ação da psicologia organizacional

on

  • 4,159 views

 

Statistics

Views

Total Views
4,159
Views on SlideShare
4,159
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
19
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    O campo de ação da psicologia organizacional O campo de ação da psicologia organizacional Document Transcript

    • 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETOCOORDENAÇÃO DO CURSO DE BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA“O CAMPO DE AÇÃO DA PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL” MARCOS MARCELO SOARES Orientadora: Profa. Dra. Tania Rossi Garbin Resenha do Fórum 1- Apresentada à Universidade Federal de Ouro Preto da Disciplina: Psicologia Organizacional – EAD 347 Itapevi-SP 2012
    • 2 UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETOCOORDENAÇÃO DO CURSO DE BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA“O CAMPO DE AÇÃO DA PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL” MARCOS MARCELO SOARES Resenha do Fórum 1- Apresentada à Universidade Federal de Ouro Preto da Disciplina: Psicologia Organizacional – EAD 347 Itapevi-SP 2012
    • 3 SUMÁRIO PáginaCAPITULO 1: INTRODUÇÃO................................................................................ 04CAPITULO 2: O HOMEM NO CONTEXTO DO TRABALHO............................... 06CAPÍTULO 3: CONCLUSÃO................................................................................. 08REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS..................................................................... 09
    • 4CAPITULO 1: INTRODUÇÃO No início da Era Industrial, as Pessoas Trabalhavam sozinhase em pequenos grupos onde As relações de trabalho poderiam ser facilmenteresolvidas. Além disso, trabalhavam sob condições dolorosas trabalhavam muito enuma realização utópica. As Pessoas tinham uma visão limitada do papel que osadministradores poderiam desempenhar nas organizações. A Força de Trabalho era composta de agricultura e artesãos ea produção era parte da vida social das pessoas. As Empresas hoje em função quadro político econômico muitasvezes tem que recorrer as alterações estruturais impostas. A Empresa hoje, especificamente a pública tem colocado em“foco” um novo contexto organizacional. Graças ao surgimento da tecnologia, houvea necessidade do aperfeiçoamento das pessoas em termos de habilidades, cedendolugar a uma nova estrutura de autoridade, à saber; 1- PESSOAS = Para servir ao contribuinte: Trabalho,habilidades, compromisso, esforço. 2- AUTARQUIAS PÚBLICAS = Para servir as necessidades dacoletividade: Educação, Emprego, Educação, Saneamento Básico, Segurança,etc.As Três Etapas das Organizações no decorrer do séc. XX: Período Industrialização Industrialização Era da Clássica Neoclássica Informação Estrutura Burocrática Departamentalização FlexívelOrganizacional Cultura Foco no passado Foco no presente Foco no futuroOrganizacional
    • 5 Ambiente Estático Intensificação das MutávelOrganizacional mudanças Modo de Líder Pessoas como Pessoas como Pessoas como com pessoas fator de produção Recursos Seres Pró-ativos Denominação Relações ARH Gestão de industriais pessoas Tabela 1: As Três Etapas das Organizações A organização do trabalho possibilita o advento das relaçõesentre os sujeitos que fazem parte de um determinado contexto organizacional etambém da cultural vigente. Tais relações se mantêm segundo paramentos que necessitamde uma revisão sistemática das variáveis vigentes. Hoje existe um paradigma de uma visão holística que despontagradativamente o trabalho e que extrapola os limites sociopolíticos e que caracterizauma relação humanizada. Há uma necessidade de rever as concepções sobre o trabalho,para que se possam delinear novas perspectivas de organização na Organização,especialmente quando esta Organização, trata de bens públicos onde todos osinvestimentos devem ser feitos de forma, equilibrada, responsável e transparente,qual objetivo que deve permear as relações de trabalho, de orientação e naPsicologia Organizacional, trabalhar o desenvolvimento humano, para melhor poderatender a necessidade da população. Sim, é neste ínterim que o campo daPsicologia Organizacional deve atuar: No desenvolvimento dos potenciais humanosdos colaboradores públicos na promoção da oferta de serviços ao cidadão de formaabrangente, competente e eficaz.
    • 6CAPÍTULO 2: O HOMEM NO CONTEXTO DO TRABALHO Nas Relações que o homem estabelece com o trabalho e coma organização, devem ser considerados os seguintes aspectos. *Relação com o individuo/Individuo *Relação individuo/Grupo *Relação Grupo/Grupo *Relação Grupo/Organização *Relação Organização/ Meio Ambiente Os Conhecimentos e experiências sociais e profissionais maisdeterminam o Comportamento assumido pelo Individuo no contexto profissional esociológico. As interações entre o Homem e o Trabalho passam peloCrivo das relações com o mundo. O autoconhecimento, o resgate da auto estima aliados aodesenvolvimento da instituição ajudam o individuo a perceber-se como um seratuante e com condições poder influenciar e de ser influenciado, propiciandomelhores condições de “QVT” (Qualidade de Vida no Trabalho). Outro Aspecto são as relações de poder e os conflitos comoforma de aprendizado no trabalho. Segundo Melo (2006), Em nossos dias o desafio é fazer comque os poucos recursos sejam melhores administrados, que através de novasestratégias e do uso das novas tecnologias gestacionais disponíveis o trabalho nestesetor se torne mais agradável e menos maçante.
    • 7 As ações do endomarketing aliadas as perspectivas deoportunidades de mercado deverão ser incorporadas pelas ações assumidaspelos Administradores Públicos, sem falar dos inúmeros fatores Legais dos quaisas autarquias públicas estão sujeitas, especialmente nas relações de trabalho,que deve ser sempre o alvo das ações psicológicas nas organizações, trabalharna motivação do colaborador, estimular a motivação de forma exógena eendógena, através de conceitos de reforço/estimulo, bem como lançar dos mãosdos mesmos meios, de maneira inversamente proporcional, na correção dasdeficiências, baixa qualidade de trabalho que geram, mal prestação de serviçosbásicos ao contribuinte e porque não dizer; gera prejuízo econômico ao próprioservidor que poderá vir a usufruir destes serviços, ele ou os seus familiares domal serviço prestado, muitas vezes cujo ator da problemática é o própriocolaborador.
    • 8CAPÍTULO 3: CONCLUSÃO Concluindo, podemos ser enfáticos e dizer, que odesenvolvimento de um bom trabalho de Psicologia Organizacional, podemelhorar e muito o clima da organização/autarquia, estimular a motivaçãoendógena e exógena dos colaboradores de forma que estes venham prestarserviços de qualidade à população. Fazer com que as pessoas (Colaboradores), envolvidasdireta ou indiretamente no processo de administração e execução de tarefas,tomem consciência de que o bom andamento do serviço público, que geralmenteno Brasil é de péssima qualidade, depende muito das atitudes por eles prestadosatravés do trabalho que prestam a população, meio que inclusive ele mesmo estáinserido. A Psicologia Organizacional, também pode fazer com que oservidor público, vista a camisa da organização, ou seja, que este indivíduo seinsira na missão, valores e objetivos da organização, e com isso produzaresultados mais significativos. Outrossim, podemos finalizar dizendo que aPsicologia pode trabalhar no desenvolvimento do C.H.A. (Conjunto de Habilidadese Atitudes) dos Colaboradores, criando e desenvolvendo nestes, a busca, nãoapenas da própria promoção individual, mas da melhoria da qualidade de vidacoletiva.
    • 9 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICASCHIAVENATO, Idalberto. Administração de Recursos Humanos – FundamentosBásicos. São Paulo, Atlas S.A., 1999.CHIAVENATO, Idalberto. Gestão de Pessoas – O novo papel dos recursoshumanos nas organizações. Rio de Janeiro, Campus, 1999.DOS SANTOS,Clézio Saldanha. Introdução a Gestão Pública. São Paulo, EditoraSaraiva,2006.MELO, Frederico Jorge Gouveia de. Admissão de Pessoal no Serviço Público:procedimentos, restrições e controles. Belo Horizonte: Fórum, 2006. pg. 48/49.