SEGUIMENTO DE RECÉM-NASCIDOS DE EXTREMO
BAIXO PESO
III Jornada de Perinatologia – Maternidade Darcy
Vargas
Na foto: cuidados dos recém-nascidos deixados pelos pais com o Dr. Couney
e equipe de enfermeiras para exposição, iniciand...
Evolução dos cuidados
 Apenas na década de 20 foi
estabelecido o início dos
registros de nascimentos e
mortes
 Na década...
Evolução
neonatal
No final da década de 70, a medicina neonatal americana alcança uma
taxa de 50% de sobrevivência para os...
Desenvolvimento neonatal
 Ao final da década de 90, nos EUA, a expectativa de
sobrevida para prematuros de 750 - 1.000g e...
PREMATURIDADE
PREMATURIDADE
Pré –Termo: neonato < de 37 semanas completas ou < de
259 dias a partir da DUM
Baixo peso ao nascer < 2.500g...
Seguimento neonatal
 Com o aumento da sobrevivência e a busca de
melhorias nos cuidados intensivos neonatais,
principalme...
Seguimento neonatal
 Desta forma passamos a criar rotinas sobre nossos
modos de trabalho em busca de comparações cada vez...
Seguimento neonatal
 A idade deve ser corrigida para 40 semanas de
idade gestacional, subtraindo-se a idade
gestacional d...
Seguimento neonatal
 Vários autores sugerem que a correção da idade
para o acompanhamento adequado do crescimento
e princ...
PREMATURIDADE EXTREMA
RN < 1000g (NIH Neonatal Research Network)
• 17% - paralisia cerebral
• 37% - problemas cognitivos
...
Desenvolvimento Pondero-estatural
Seguimento (Follow-up) neonatal
Os pacientes devem ser agendados com neonatologista ou
pediatra:
• no máximo em 15 dias ap...
Seguimento (Follow-up) neonatal
• Avaliações neurológicas:
Grupo com doença neurológica na UTIN
• 15 dias após a alta hosp...
Seguimento (Follow-up) neonatal
Avaliações psicológicas:
• Interação mãe (pai)-bebê, desenvolvimento motor e
perceptual, s...
Seguimento (Follow-up) neonatal
• O atendimento prestado pelo especialista em
neonatologia minimiza as dúvidas mais freqüe...
Seguimento (Follow-up) neonatal
• A observação e intervenção precoces nestas ou em
novas patologias neonatais, que surgem ...
Seguimento neonatal – Hospital São Lucas RS
Tabela – Análise multivariada avaliando a associação entre doenças e intercorr...
Seguimento (Follow-up) neonatal – Maternidade Darcy
Vargas
• Atualmente são 38 pacientes abaixo de 1000g em
seguimento no ...
Seguimento neonatal – Hospital São Lucas RS
Teste de
Triagem de
Denver
• O teste de triagem de Denver foi aplicado pela eq...
Seguimento neonatal – Hospital São Lucas RS
Teste de
Triagem de
Bayley
• No ambulatório a avaliação do desenvolvimento da ...
Seguimento neonatal – Hospital São Lucas RS
Tabela – Distribuição de Bayley e Denver alterados segundo os grupos de peso d...
Tabela 1 – Descrição dos dados de nascimento e intercorrências perinatais de todos os pacientes com exame neurológico alte...
6 29 875 7 DMH e HV I. Hipotonia axial e atraso global no
desenvolvimento.
7 30 1205 9 ITU maternal, HCV materna,
DMH e se...
Momentos Felizes
Muito Obrigado !!!
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

III Jornada de Perinatologia de Joinville

283 views
162 views

Published on

Published in: Health & Medicine
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
283
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
1
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

III Jornada de Perinatologia de Joinville

  1. 1. SEGUIMENTO DE RECÉM-NASCIDOS DE EXTREMO BAIXO PESO III Jornada de Perinatologia – Maternidade Darcy Vargas
  2. 2. Na foto: cuidados dos recém-nascidos deixados pelos pais com o Dr. Couney e equipe de enfermeiras para exposição, iniciando uma fase de feiras de exposição de recém-nascidos no início da década de 20.
  3. 3. Evolução dos cuidados  Apenas na década de 20 foi estabelecido o início dos registros de nascimentos e mortes  Na década de 50 o início do estudo da deficiência de surfactante como base para doença das membranas hialinas inicia uma enorme redução na mortalidade neonatal  Virginia Apgar desenvolve o escore de APGAR Cuidado Intensivo
  4. 4. Evolução neonatal No final da década de 70, a medicina neonatal americana alcança uma taxa de 50% de sobrevivência para os neonatos com peso de 900g e idade gestacional de 27 semanas Prematuridade extrema: 22-28 semanas
  5. 5. Desenvolvimento neonatal  Ao final da década de 90, nos EUA, a expectativa de sobrevida para prematuros de 750 - 1.000g e de 500 - 749g situava-se em torno de 85% e 45%, respectivamente; enquanto no Brasil, a Rede Brasileira de Pesquisas Neonatais mostrava, nesta época, sobrevida de 66-73% na faixa de 750-1.000g, e de 9-44% na faixa de 500-749. Rugolo LM. Crescimento e desenvolvimento a longo prazo do prematuro extremo. J Pediatr (Rio J). 2005;81(1Supl):S101-S110.
  6. 6. PREMATURIDADE
  7. 7. PREMATURIDADE Pré –Termo: neonato < de 37 semanas completas ou < de 259 dias a partir da DUM Baixo peso ao nascer < 2.500g Muito baixo peso ao nascer < 1.500g Extremo baixo peso ao nascer < 1.000g Incrivel baixo peso ao nascer < 750g ( micropremie ? ) Prematuridade extrema: 22-28 semanas
  8. 8. Seguimento neonatal  Com o aumento da sobrevivência e a busca de melhorias nos cuidados intensivos neonatais, principalmente sob o aspecto humano, aumentam questionamentos sobre a qualidade de vida futura destes pacientes e seu crescimento adequado ao longo da internação hospitalar e no seu seguimento pós alta.
  9. 9. Seguimento neonatal  Desta forma passamos a criar rotinas sobre nossos modos de trabalho em busca de comparações cada vez mais próximas dos ambientes onde a sobrevivência com qualidade de vida está ocorrendo.
  10. 10. Seguimento neonatal  A idade deve ser corrigida para 40 semanas de idade gestacional, subtraindo-se a idade gestacional de nascimento determinada por data de última menstruação, ecografia obstétrica pré-natal precoce ou idade gestacional pediátrica através do método de Ballard modificado.
  11. 11. Seguimento neonatal  Vários autores sugerem que a correção da idade para o acompanhamento adequado do crescimento e principalmente do desenvolvimento neurológico seja realizada até 2 anos de idade e nos pacientes abaixo de 750 g até os 3 anos de idade corrigida.
  12. 12. PREMATURIDADE EXTREMA RN < 1000g (NIH Neonatal Research Network) • 17% - paralisia cerebral • 37% - problemas cognitivos • 2% - surdez • 2% cegueira  RN < 26 sem: somente 1 em 5 não apresenta alguma limitação aos 6 anos
  13. 13. Desenvolvimento Pondero-estatural
  14. 14. Seguimento (Follow-up) neonatal Os pacientes devem ser agendados com neonatologista ou pediatra: • no máximo em 15 dias após a alta hospitalar • mensalmente até completarem 4 meses (1,2,3 e 4 meses) • aos 6 meses • trimestralmente até completarem 18 meses (9,12,15 e 18 meses) • semestralmente até completarem 5 anos (2, 2½, 3, 3½, 4, 4½, e 5 anos) • anualmente até completarem 8 anos (6, 7 e 8 anos)
  15. 15. Seguimento (Follow-up) neonatal • Avaliações neurológicas: Grupo com doença neurológica na UTIN • 15 dias após a alta hospitalar • mensalmente até completarem 3 meses (1, 2 e 3 meses) • trimestralmente até completarem 12 meses (6, 9 e 12 meses) • semestralmente até completarem 8 anos Grupo de recém-nascidos sem doença neurológica: • trimestralmente até completarem 12 meses (3, 6, 9 e 12 meses) • anualmente até completarem 8 anos
  16. 16. Seguimento (Follow-up) neonatal Avaliações psicológicas: • Interação mãe (pai)-bebê, desenvolvimento motor e perceptual, suporte familiar: • 15 dias após a alta hospitalar • bimensalmente até completarem 6 meses (2, 4 e 6 meses) • trimestralmente até completarem 18 meses (9, 12, 15 e 18 meses) • anualmente até completarem 8 anos • Desenvolvimento cognitivo: • bi-anualmente, a partir dos 4 anos, até completarem 8 anos (4, 6 e 8 anos)
  17. 17. Seguimento (Follow-up) neonatal • O atendimento prestado pelo especialista em neonatologia minimiza as dúvidas mais freqüentes através da antecipação das datas de aparecimento de sinais clínicos de patologias esperadas, como por exemplo a anemia da prematuridade, trazendo tranqüilidade e conforto para os familiares, o que só pode ser feito através de vários estudos de observação clínica e trabalhos de seguimento neonatais.
  18. 18. Seguimento (Follow-up) neonatal • A observação e intervenção precoces nestas ou em novas patologias neonatais, que surgem após o uso de novas terapias só podem ser concretizadas através do seguimento neonatal especializado. • Existem alterações que ainda irão surgir e que teremos que estar preparados para associá-las aos cuidados intensivos neonatais realizados.
  19. 19. Seguimento neonatal – Hospital São Lucas RS Tabela – Análise multivariada avaliando a associação entre doenças e intercorrências perinatais com óbito. Doenças e Intercorrências perinatais RR* (IC 95%) p APGAR de 5° < 4 5,6 (2,2 – 14,3) < 0,001 Doença de membrana hialina 4,7 (2,4 – 9,4) < 0,001 Pneumonia 2,1 (1,0 – 4,5) < 0,03 Convulsões 1,5 (0,5 – 4,5) .4 Ductus arteriosus patente 1,2 (1,0 – 3,7) .4 Enterocolite 1,2 (0,6 – 2,6) .6 Idade gestacional < 28 sem 1,1 (0,4 – 2,7) .8 Escape de ar pulmonar 1,0 (0,5 – 1,7) .9 Hemorragia intracraniana 0,9 (0,5 – 1,7) .8 Peso de nascimento < 1000g 0,9 (0,3 – 2,4) .8 * RR = risco relativo entre densidades de incidência de óbito obtido em modelo de regressão de azares proporcionais (Modelo de Cox); IC: intervalo de confiança.
  20. 20. Seguimento (Follow-up) neonatal – Maternidade Darcy Vargas • Atualmente são 38 pacientes abaixo de 1000g em seguimento no ambulatório de seguimento de extremo baixo peso. • Tem uma média de 27 semanas de idade gestacional ao nascimento. • Tem um peso médio de 805g de nascimento. • O paciente mais antigo da coorte nasceu em junho de 2008.
  21. 21. Seguimento neonatal – Hospital São Lucas RS Teste de Triagem de Denver • O teste de triagem de Denver foi aplicado pela equipe de neurologia infantil vinculada ao ambulatório de follow-up neonatal. • O teste baseia-se na observação direta do que a criança é capaz de fazer e no relato dos pais ou da pessoa que lida habitualmente com a criança. A avaliação é feita em 4 grandes áreas do desenvolvimento: • motora grosseira • motora fina adaptativa • pessoal-social • linguagem
  22. 22. Seguimento neonatal – Hospital São Lucas RS Teste de Triagem de Bayley • No ambulatório a avaliação do desenvolvimento da criança também foi realizada através das Escalas Bayley de Desenvolvimento Infantil, segunda edição (Bayley Scales of Infant Development - BSID II). O teste foi aplicado em crianças com a idade corrigida mínima de 6 meses e idade corrigida máxima de 38 meses. • A BSID-II foi aplicada pela equipe de psicologia vinculada ao Ambulatório de Follow-up Neonatal, a qual possuía treinamento e experiência na aplicação do teste. Considerou-se como teste normal os RNs que tiveram escores iguais ou superiores a 85, moderadamente alterados os RNs que tiveram escores ≥ 75 e < 85, sendo o teste gravemente alterado quando o escore foi < que 75.
  23. 23. Seguimento neonatal – Hospital São Lucas RS Tabela – Distribuição de Bayley e Denver alterados segundo os grupos de peso de nascimento por idade gestacional Teste de Avaliação AIG PIG p n = 59 n = 26 Bayley alterado 5 (8)* 1 (4) .66 n = 66 n = 30 Denver alterado 7 (11) 1 (3) .42 n: número total de pacientes acompanhados em cada grupo. * número total e (percentual)
  24. 24. Tabela 1 – Descrição dos dados de nascimento e intercorrências perinatais de todos os pacientes com exame neurológico alterado no follow-up, e anormalidades dos testes de neurodesenvolvimento. Paciente IG PN APGAR 5° Intercorrências Perinatais Anormalidades nos testes de neurodesenvolvimento 1 23 675 7 ECN I, DBP, ductus patente, pneumonia e sepse cultura +. Hipotonia axial e atraso na linguagem. 2 23 650 3 DMH, DBP, HV III, ductus patente, e sepse cultura +. Atraso global no desenvolvimento e hiporreflexia generalizada. 3 26 905 5 DMH, ECN I, DBP e HV I. Atraso global no desenvolvimento, hipotonia axial e escore de Bayley < 85. 4 27 855 8 DMH, DBP, HV III, ductus patente e hidrocefalia. Paralisia cerebral e escore de Bayley < 85. 5 29 920 6 Descolamento de placenta, DMH, HV I, ECN I, ductus patente e sepse cultura +. Escore de Bayley < 85. IG: idade gestacional em semanas; PN: peso de nascimento em gramas; ECN: enterocolite necrosante; DBP: displasia broncopulmonar; DMH: doença de membrana hialina; HV: hemorragia ventricular; ITU: infecção de trato urinário; HCV: hepatite C e BR: bolsa rota.
  25. 25. 6 29 875 7 DMH e HV I. Hipotonia axial e atraso global no desenvolvimento. 7 30 1205 9 ITU maternal, HCV materna, DMH e sepse cultura +. Atraso na linguagem. 8 31 1320 7 Oligohidrâmnio, BR > 24h, ECN I e sepse cultura +. Escore de Bayley < 85. 9 32 1500 7 Ductus patente. Estrabismo, hipotonia axial, diplegia espástica e escore de Bayley < 85. 10 32 1020 5 ITU materna, uso de misoprostol,hidrocefalia, DMH, DBP, HV IV e sepse cultura +. Quadriparesia espástica e escore de Bayley < 85.
  26. 26. Momentos Felizes
  27. 27. Muito Obrigado !!!

×