• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Organizadora de Eventos Carbono Neutro
 

Organizadora de Eventos Carbono Neutro

on

  • 270 views

 

Statistics

Views

Total Views
270
Views on SlideShare
270
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
7
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Organizadora de Eventos Carbono Neutro Organizadora de Eventos Carbono Neutro Presentation Transcript

    • IDEIAS DE NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS ORGANIZADORA DE EVENTOS CARBONO NEUTRO
    • APRESENTAÇÃO DO NEGÓCIO......................................... 3 Avaliação e Melhorias Contínuas..............................................29 MERCADO........................................................................... 6 Automação........................................................................... 30 LOCALIZAÇÃO.................................................................... 9 Canais de distribuição...................................................... 33 Exigências legais específicas................................. 11 Investimentos...................................................................... 35 SUMÁRIO ESTRUTURA...................................................................... 16 Pessoal.......................................................................... 18 Autônomos................................................................................. 19 Vantagens da contratação de serviços de terceiros.20 Desvantagens que este tipo de contratação pode acarretar................................................................................... 20 Equipamentos............................................................... 21 Fornecedores........................................................................... 22 Matéria Prima/Mercadoria....................................... 25 Organização do processo produtivo................. 27 Capital de giro.................................................................... 37 Custos................................................................................... 39 Diversificação/Agregação de valor........................... 41 Divulgação........................................................................... 43 Informações Fiscais e Tributárias............................... 45 EVENTOS................................................................................. 48 ENTIDADES EM GERAL........................................................... 50 Normas Técnicas................................................................ 52 Dicas do negócio............................................................... 56 Concepção do Evento............................................................ 28 Características específicas do empreendedor.......... 59 Planejamento do Evento...................................................... 28 Bibliografia Complementar...............................................................61 Preparação do Evento........................................................... 28 Glossário.................................................................................................63 Realização do Evento............................................................. 29 Expediente.................................................................................................65
    • APRESENTAÇÃO DO NEGÓCIO ORGANIZADORA DE EVENTOS CARBONO NEUTRO
    • IDEIAS DE NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS Aviso: Antes de conhecer este negócio, vale ressaltar que os tópicos a seguir não fazem parte de um Plano de Negócio e sim do perfil do ambiente no qual o empreendedor irá vislumbrar uma oportunidade de negócio como a descrita a seguir. O objetivo de todos os tópicos a seguir é desmistificar e dar uma visão geral de como um negócio se posiciona no mercado. Quais as variáveis que mais afetam este tipo de negócio? Como se comportam essas variáveis de mercado? Como levantar as informações necessárias para se tomar a iniciativa de empreender? A Lei do Turismo classifica as Organizadoras de Eventos em: organizadoras de congressos, convenções e congêneres de caráter comercial, técnico-científico, esportivo, cultural, promocional e social, de interesse profissional, associativo e institucional. O negócio de organização, produção e promoção de eventos possibilita ao empreendedor inúmeras possibilidades de atuação. Empresa Organizadora de Eventos realiza serviços de gestão, planejamento, organização, promoção, coordenação, operacionalização, produção e assessoria de eventos (Lei do Turismo nº 11.771/2008). As empresas organizadoras de congressos, promotoras de feiras, produtoras de shows e empresas de marketing promocional, também fazem parte desta categoria. Os eventos, de forma geral, podem ser agrupados em: culturais e de negócios. Os eventos culturais fazem parte Turismo Cultural e desdobram-se em atividades turísticas relacionadas ao patrimônio histórico e cultural. Nessa categoria enquadram-se os eventos gastronômicos, religiosos, musicais, de dança, de teatro, exposições de arte, de artesanato e outros. Os eventos de negócios podem ser classificados em tipos e formatos diversos: Feiras (expõe, apresenta ou comercializa produtos e serviços industriais, técnicos, científicos); Rodada de negócios (reuniões pré-agendadas entre produtores e compradores); Convenções (encontros promovidos por empresa ou organização, com objetivo de integração das pessoas); Congressos (promovidos por entidades ou organizações, para discutir temas de uma área ou ramo profissional); Seminários (de caráter estritamente técnico, reúnem pessoas de mesmo nível de qualificação); Conferências (conjunto de palestras formais); Cursos (encontros com finalidade educativa, com tema determinado e objetivo de capacitação, treinamento ou reciclagem); Workshops (reúne pessoas com interesses semelhantes em palestras em que o palestrante expõe sua experiência, associada à realização de atividades práticas); entre outros. A realização de um evento pressupõe o envolvimento de: clientes (que podem ser promotores de eventos, clientes corporativos ou empresa para a qual as Organizadoras de Eventos prestem serviços ou, ainda, os consumidores finais); intermediários (Organizadoras de Eventos, que se associam aos fornecedores para oferecer serviços agregados ao evento); e Fornecedores (empresas e serviços contratados pelos intermediários para dar suporte à realização dos eventos). A empresa organizadora de eventos carbono neutro, além de estar comprometida com os serviços que presta, buscando agilidade, praticidade, 4
    • IDEIAS DE NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS inovação e preços competitivos, deve considerar mudanças de padrões de comportamento, de produção e consumo em toda a sua cadeia produtiva adotando práticas sustentáveis em suas rotinas, antes, durante e depois da realização de cada evento, com o objetivo de redução contínua das suas emissões de gases do efeito estufa (GEE). O processo de organização de um evento carbono neutro está dividido em três momentos distintos: a medição e registro das emissões, implementação de ações e processos que visem a redução de gases de efeito estufa e a compensação das emissões que não puderem ser evitadas. Quantificar a dimensão do impacto e realizar medições, é o passo inicial para promover a gestão e identificar as possibilidades para a redução das emissões. Nesta etapa, podem ser observadas diretrizes apontadas nos protocolos internacionais que tratam do tema, como o Greenhouse Gas Protocol Initiative (GHG Protocol), e, no Brasil, a norma da ABNT NBR ISO 14064-1, que estabelece regras para a concepção, desenvolvimento, gestão e elaboração de inventários de gases do efeito estufa. O segundo passo, diz respeito a adoção de medidas práticas como a redução de resíduos gerados pelo evento, coleta seletiva, reuso ou reciclagem de recursos, economia de energia, promoção da acessibilidade e inclusão social, opção por brindes confeccionados com materiais recicláveis, seleção de prestadores de serviços locais , entre outras, podem tornar o evento mais sustentável, revertendo benefícios tanto para a empresa como para os clientes que demandam eventos carbono neutro. Já a compensação das emissões, podem ser realizadas através do apoio a projetos que trazem benefícios sociais e/ou ambientais, plantio de árvores, entre outras iniciativas. 5
    • MERCADO ORGANIZADORA DE EVENTOS CARBONO NEUTRO
    • IDEIAS DE NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS O mercado de eventos, em geral, começou aquecido já no início de 2012, com crescimento da taxa de ocupação dos grandes centros de eventos nas principais capitais brasileiras em relação ao mesmo período do ano passado. A promulgação da Lei do Turismo, aliada a outras políticas, como a qualificação profissional, o aumento do crédito, em conjunto com a captação dos dois principais megaeventos esportivos internacionais – a Copa do Mundo FIFA 2014 e os Jogos Olímpicos de 2016 – representam conquistas significativas para o setor e podem consolidar o Brasil como um dos prin¬cipais destinos turísticos mundiais. Em 2012, o mercado brasileiro de feiras e eventos deve movimentar cerca de R$ 4,8 bilhões, o equivalente a um aumento de 37% em relação ao valor apurado no ano anterior, de acordo com avaliação da União Brasileira dos Promotores de Feiras (Ubrafe). Com o aumento dos investimentos nos próximos anos, principalmente em infraestrutura, prevê-se que haverá um impacto positivo na competitividade brasileira no mercado interna¬cional de eventos. A Fundação Getúlio Vargas (FGV), em pesquisa sobre o impacto econômico dos eventos internacionais realizados, observou que a maior parte deles pertence ao segmento médico (28%), de tecnologia (17%) e biotecnologia (11%), seguidos de Meio Ambiente, Educação, Social, Esporte e outros (44%). A cidade de São Paulo é o destino mais procurado para negócios, eventos e convenções (51,3%), seguido pela cidade do Rio de Janeiro (23,9%). Segundo a Organização Mundial do Turismo (OMT), um evento internacional pode demandar serviços de mais de 50 segmentos da economia, como transporte, hospedagem, lazer, alimentação, comércio, entre outros. A adoção de modelos de produção e consumo capazes de combater o aquecimento global são uma tendência mundial e se revelam em todos âmbitos da sociedade. A conservação dos recursos naturais, o combate ao desperdício e o uso de fontes de energia renováveis, são a chave para uma economia de baixo carbono e podem representar oportunidades de negócio. A economia verde é um desafio para as empresas e representa, ao mesmo tempo, uma ameaça e grandes oportunidades. Entre as oportunidades estão a redução de custos com maior eficiência no consumo de energia e insumos, reaproveitamento de resíduos nos sistemas de produção, maior eficiência operacional e logística. O desenvolvimento sustentável está relacionado como a melhoria da imagem das companhias, associada à governança corporativa. No entanto, ainda que a questão ambiental seja uma preocupação dos empreendedores da área de organização de eventos, a falta de fornecedores, bem como a informação sobre o tema, é um obstáculo no avanço das iniciativas. Pesquisas realizadas entre 2007 e 2011, mostram que o percentual de empresas atuantes no Brasil que afirmam ter uma política ambiental subiu de 58% para 64%. A relevância alcançada pelo tema é percebida pela atribuição de responsabilidade na estrutura de comando: em 2007, 52% das empresas relataram que a gestão ambiental era assunto estratégico, enquanto que, em 2011, este percentual representou 75%. Diante deste cenário, a Empresas Organizadoras de Eventos com foco em sustentabilidade devem preocupar-se em desenvolver estratégias que articuladas com clientes e fornecedores, bem como estabelecer parcerias com os demais componentes da cadeia produtiva do segmento de turismo, para difundir a cultura da sustentabilidade. 7
    • IDEIAS DE NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS Considerando que este mercado ainda é pouco explorado, o empreendedor deve manter-se sintonizado com as inovações da área e, especialmente, desenvolver práticas sustentáveis no seu próprio negócio como forma de atestar sua capacidade para atender as demandas da clientela. O nó da rede de negócios da Cadeia Produtiva do Turismo, da qual fazem as Empresas Organizadoras de Eventos, engloba, também, as Casas de Espetáculos, Centros de Convenções e Prestadoras de Serviços de Infraestrutura para Eventos. O Turismo Sustentável, baseado nas dimensões econômica – sociocultural – ambiental, leva em conta aspectos de qualidade que se expressam nas seguintes áreas, de acordo com a OMT e o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA): viabilidade econômica, prosperidade local; qualidade do emprego; equidade social; satisfação do visitante; controle local; bem estar da comunidade; riqueza cultural; integridade física; integridade biológica; eficiência dos recursos; e integridade do meio ambiente. Como a abrangência e o impacto das atividades turísticas são relevantes para as políticas públicas, o poder público atua na formulação de políticas de incentivo aliadas ao planejamento, regulamentação e fiscalização do setor. Da perspectiva privada, destaca-se a atuação dos Convention & Visitors Bureaux, organizações não governamentais, sem fins lucrativos, que visam promover o aumento do turismo através da atração de negócios e eventos e contribuir para a organização do setor. Estas organizações reúnem informações sobre a estrutura da cidade ou região, atrações turísticas, entre outras, que auxiliam na captação dos eventos e no desenvolvimento de ações visando a implantação de uma estratégia de inteligência competitiva local que promova o desenvolvimento socioeconômico. 8
    • LOCALIZAÇÃO ORGANIZADORA DE EVENTOS CARBONO NEUTRO
    • IDEIAS DE NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS Considerando-se a natureza da prestação do serviço, é possível dispensar a locação de um ponto comercial e concentrar o negócio na internet, já que a maior parte das vendas pode ser realizada por meio de um website ou no cliente. Neste caso, o empreendedor poderá lançar mão de uma estrutura provisória, de acordo com o projeto a ser desenvolvido, ou mesmo associar-se a outra empresa do ramo para atender a demanda. Neste caso, recomenda-se a estruturação de um escritório na casa do empreendedor, onde possam ser alocados equipamentos e móveis necessários ao exercício da atividade. Evitam-se, assim, os gastos fixos decorrentes de aluguel comercial. Ao se decidir pela localização geográfica (cidade ou estado) de uma empresa organizadora de eventos o empreendedor deve considerar fatores tais como: proximidade dos fornecedores e acesso a matérias-primas, atuação da concorrência, proximidade dos clientes e mercado consumidor, infraestrutura do imóvel escolhido e custos envolvidos na instalação e operação do negócio, dentre outros. Devem ser analisadas a existência das pré-condições para o segmento de Turismo de Negócios e Eventos, dentre as quais podem ser destacadas: grau de desenvolvimento econômico local, existência de centros tecnológicos e acadêmicos de excelência, inovação tecnológica, acessibilidade terrestre e aérea, ocorrência frequente de eventos técnico-científicos nacionais e internacionais, existência de feiras de negócios regulares, infraestrutura geral e infraestrutura turística, com destaque para equipamentos relacionados à realização de eventos (hotéis com salas, centros de convenções e exposições). Cabe ressaltar que, na medida em que a empresa de organização de eventos adquira maior inserção no mercado, poderá ser requisitada a aprestar seus serviços em qualquer localidade diferente de sua base de origem. 10
    • Exigências legais específicas ORGANIZADORA DE EVENTOS CARBONO NEUTRO
    • IDEIAS DE NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS Montar um negócio com base na internet não é juridicamente diferente de um tradicional, uma vez que também exige a observância de procedimentos legais, tais como: Registro da empresa De forma geral, a primeira providência é procurar um contador – profissional legalmente habilitado para elaborar os atos constitutivos da empresa, auxiliá-lo na escolha da forma jurídica mais adequada ao seu projeto e preencher os formulários de inscrição exigidos pelos órgãos públicos. O contador pode informar também sobre a legislação tributária pertinente ao negócio. Mas antes de contratá-lo, certifique-se de que este prestador de serviço seja um profissional habilitado no Conselho Regional de Contabilidade e de que não existam reclamações registradas contra ele. Dê preferência aos contadores que ofereçam, além de assessoria fiscal e tributária, outros serviços contábeis. Para legalizar a empresa, o empreendedor deverá cumprir as seguintes etapas: a) Registro da empresa nos seguintes órgãos: • Junta Comercial; • Secretaria da Receita Federal (CNPJ); • Secretaria Estadual de Fazenda; • Prefeitura do Município para obter o alvará de funcionamento; • Enquadramento na Entidade Sindical Patronal (a empresa ficará obrigada a recolher a Contribuição Sindical Patronal anualmente); • Cadastramento junto à Caixa Econômica Federal no sistema “Conectividade Social – INSS/FGTS”. • Corpo de Bombeiros Militar. b) Visita à prefeitura da cidade onde pretende montar sua empresa para fazer a consulta de local e emissão das certidões de Uso do Solo e Número Oficial. Na maioria dos municípios brasileiros, as atividades econômicas são regulamentadas em conformidade com o Plano Diretor Urbano (PDU). É o PDU que determina o tipo de atividade que pode funcionar no imóvel escolhido por você. Portanto, esse é um passo fundamental para avaliar a localização da empresa. CADASTUR Com a promulgação da Lei Geral do Turismo, em 2008, tornou-se obrigatório o cadastro obrigatório no Sistema de Cadastro dos Empreendimentos, equipamentos e profissionais da Área de Turismo (CADASTUR). O CADASTUR contempla os prestadores de serviços turísticos constituídos na forma de empresário individual, as sociedades empresárias, sociedades simples e os serviços sociais autônomos que prestem serviços turísticos remunerados e que exerçam atividade econômica relacionadas à cadeia produtiva do turismo. Em conformidade com o Decreto Lei 5.406/05, o Ministério do Turismo realiza o Cadastro dos Prestadores de Serviços Turísticos, em parceria com os Órgãos Oficiais de Turismo Delegados de competência nas 27 Unidades da Federação (UF). 12
    • IDEIAS DE NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS Registro de domínio para internet A criação de website requer o registro de um nome de domínio “.com.br”. Para tanto, consulte o site do Registro de Domínios para a Internet no Brasil – Registro.Br, do Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI). Nele, encontra-se o Contrato para registro de domínio do Registro.Br e a regulamentação vigente, para consulta e download. Os procedimentos para registro podem ser efetuados diretamente pelo interessado. Também é possível utilizar serviços de empresa especializada. Tendo em vista a presença cada vez mais forte das redes sociais na vida das pessoas, sugere-se que o empreendedor procure nomes que também estejam disponíveis no Orkut, no Facebook e no Twitter. Consulte o sistema de pesquisas, para ter certeza de que o nome pretendido não esteja registrado ou se é uma marca registrada no Instituto Nacional de Patentes Industriais. Se o resultado da pesquisa sinalizar “Domínio disponível para registro”, significa que o domínio poderá ser registrado. Caso contrário, você terá que registar outro nome. Antes de iniciar a operação no sistema de registro, é necessário efetuar um cadastro. Para tanto, está disponível o tutorial “Cadastrando-se como usuário do sistema de registro”. Regras sintáticas que um domínio deve seguir: • • Caracteres válidos são [A-Z;0-9], o hífen, e os seguintes caracteres acentuados: à, á, â, ã, é, ê, í, ó, ô, õ, ú, ü, ç; • Não pode conter somente números; • Para fins de registro, estabelece-se uma equivalência na comparação de nomes de domínio. O mapeamento será realizado convertendo-se os caracteres acentuados e o cedilha, respectivamente, para suas versões não acentuadas e o “c”, e descartando os hifens. Somente será permitido o registro de um novo domínio quando não houver equivalência a um domínio pré-existente, ou quando o solicitante for a mesma entidade detentora do domínio equivalente. Especificamente para o domínio .NOM.BR é necessário a escolha de 2 nomes, ou seja: NOME1.NOME2.NOM.BR. Um nome de domínio não contém www. Ou seja, não peça o registro de “www.xyz.com.br”, o correto será apenas “xyz.com.br”. Para o registro de um domínio existe um valor a ser retribuído, referente à manutenção pelo período de um ano. Atualmente, ele é de R$ 30,00. As instruções para o pagamento são enviadas no e-mail de confirmação do registro do domínio. Os valores são os mesmo para todos os domínios de primeiro nível (DPNs) – “.com.br” (atividades comerciais), “.emp.br” (pequenas e microempresas), “.net.br” (atividades comerciais) – sejam para pessoas jurídicas, profissionais liberais ou pessoas físicas. Tamanho mínimo de 2 e máximo de 26 caracteres, não incluindo a categoria, por exemplo: no domínio XXXX.COM.BR, esta limitação se refere ao XXXX; 13
    • IDEIAS DE NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS O mobile site da empresa poderá utilizar a mesma URL do site convencional. Para tanto, o site deverá possuir um script que reconheça o browser e redirecione para a URL do site móvel, que geralmente se hospeda em “m.nomedosite.com.br” ou “www.nomedosite.com.br/mobile”. O empreendedor também poderá comprar um domínio com extensão “.mobi”, criada pela DotMobi. Preço: R$ 60,00 por ano, com validade internacional. Clique para acessar o site da DotMobi Em ambos os casos, entretanto, especialistas alertam sobre a necessidade da empresa informar aos usuários e clientes acerca de sua presença na web móvel. Recomenda-se que a divulgação do mobile site seja feita pelos canais de comunicação e relacionamento da empresa – e-mail, newsletter, etc. De acordo com a Associação Brasileira de Empresas de Eventos ABEOC, a legislação abaixo afeta as Empresas de Organização de Eventos: Leis Lei Geral do Turismo n.º 11.771/08: que dispõe sobre a Política Nacional de Turismo, define as atribuições do Governo Federal no planejamento, desenvolvimento e estímulo ao setor turístico; revoga a Lei no 6.505, de 13 de dezembro de 1977, o Decreto-Lei 2.294, de 21 de novembro de 1986, e dispositivos da Lei 8.181, de 28 de março de 1991; e dá outras providências. Com base na LGT – Lei Geral do Turismo, somente poderão exercer a atividade no setor de eventos as denominadas Organizadoras de Eventos. É a partir da publicação desta lei que o setor de eventos foi reconhecido e considerado uma atividade econômica na chamada cadeia produtiva do turismo ao lado da hotelaria, agências de turismo, transportadoras turísticas; parques temáticos; e acampamentos turísticos. Lei 12.232, de 29 de abril de 2010: que dispõe sobre as normas gerais para licitação e contratação pela administração pública de serviços de publicidade prestados por intermédio de agências de propaganda e dá outras providências. Lei Complementar 116, de 31 de julho de 2003: que dispõe sobre o Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza, de competência dos Municípios e do Distrito Federal, e dá outras providências. Decretos Decreto Lei nº 7.381, de 02/12/2010: que regulamenta a Lei nº 11.771, de 17 de setembro de 2008, que dispõe sobre a Política Nacional de Turismo, define as atribuições do Governo Federal no planejamento, desenvolvimento e estímulo ao setor turístico, e dá outras providências. Decreto Lei nº 5.406, de 30/03/2005: que regulamenta o cadastro obrigatório para fins de fiscalização das sociedades empresárias, das sociedades simples e dos empresários individuais que prestam serviços turísticos remunerados, e dá outras providências. Decreto Lei nº 89.707, de 25/03/1984: que dispõe sobre as empresas prestadoras de serviços para a organização de congressos, convenções e seminários e eventos congêneres, e dá outras providências. 14
    • IDEIAS DE NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS Portarias Portaria 130 do Ministério do Turismo, de 26 de julho de 2011: que institui o Cadastro dos Prestadores de Serviços Turísticos – Cadastur, o Comitê Consultivo do Cadastur – CCCad e dá outras providências. Portaria 138 do Ministério do Turismo, de 11 de Agosto de 2011: que estabelece procedimentos relativos à prestação de contas de convênios e instrumentos congêneres celebrados no âmbito do Ministério do Turismo, e dá outras providências. Portaria 129 do Ministério do Turismo, de 28 de dezembro de 2007: que estabelece regras e critérios para apoio a projetos de promoção de eventos e divulgação do turismo brasileiro no mercado nacional. Resoluções Resolução Normativa do CNTUR nº 14, de 23/11/1984: que estabelece, para fins do art. 3º, da Lei 6.505/77, e de acordo com o parágrafo único, do art. 2º, e com o art. 13º do Decreto 89.707/84, as condições operacionais para a prestação de serviços remunerados para a organização de congressos, convenções, seminários e eventos congêneres, a que estarão sujeitas as empresas que exerçam ou venham a exercer essa atividade. Recomenda-se ao empreendedor, a observação do conjunto de leis municipais que tratam do tema. 15
    • ESTRUTURA ORGANIZADORA DE EVENTOS CARBONO NEUTRO
    • IDEIAS DE NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS A empresa poderá criar uma estrutura virtual, o que lhe conferirá mobilidade e independência, já que a maioria dos clientes serão atendidos em suas próprias empresas, pela internet ou telefone. Ainda assim, a oferta de serviços de organização de eventos sustentáveis requer uma pequena estrutura física. A área deve ser suficiente para abrigar a instalação de cadeiras, mesas ou estações de trabalho, estantes ou armários para guardar livros e outros materiais de consulta. O local deve estar conectado à uma rede de banda larga para acesso à internet. 17
    • Pessoal ORGANIZADORA DE EVENTOS CARBONO NEUTRO
    • IDEIAS DE NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS Considerando que uma empresa organizadora de eventos atua na gestão, planejamento, organização, promoção, coordenação, operacionalização, produção e assessoria de eventos, os demais serviços relacionados a eventos serão contratados de fornecedores especializados. Para a empresa começar a operar, será necessário, além do dono, mais um funcionário especialista em vendas e finanças. Espera-se do especialista em vendas e finanças que aporte ao negócio sua experiência em análise e gestão de projetos, orçamento empresarial, contabilidade financeira entre outras. São ainda requisitos para este profissional: responsabilidade, senso de organização, agilidade e flexibilidade para negociação de preços de produtos e serviços, capacidade de planejar, executar e controlar estratégias comerciais e financeiras. É recomendável que tenha visão multidisciplinar e experiência na condução e motivação de equipes. Também deve possuir boas noções de tecnologia da informação (TI), marketing, compras, psicologia de vendas, atendimento ao cliente, logística e operações. Raciocínio lógico, bom senso e criatividade para encontrar as melhores soluções, conhecimento dos recursos, linguagem e técnicas aplicadas à internet e às redes sociais são características essenciais. Boa redação, atualização tecnológica e domínio dos idiomas inglês e espanhol completam o perfil deste profissional. Predisposição às mudanças e ao aprendizado constante também são fundamentais. É essencial que o empreendedor inclua no seu sistema de informações um cadastro de profissionais autônomos capacitados nas diferentes áreas de produção de eventos que poderão ser contratados a qualquer tempo para trabalhar, conforme a demanda. Especialistas em marketing digital, mídia social, web design, sustentabilidade, entre outros, devem fazer parte desse cadastro, bem como fornecedores de produtos ecológicos, estruturas metálicas, móveis, equipamentos eletrônicos, prestadores de serviços de montagem, pintura, decoração, iluminação, segurança e materiais gráficos. Quanto ao dono, espera-se que aporte à empresa sua experiência em organização de eventos, gestão, negociação de preços com fornecedores, planejamento, execução e controle das estratégias comerciais e financeiras do empreendimento. Sempre que possível, ele deve participar de seminários, congressos e cursos direcionados ao seu ramo de negócio para manter-se atualizado com as tendências do setor. No início das operações, o ideal é que o empreendedor contrate serviços terceirizados e execute, ele próprio, a gestão administrativo-financeira. Autônomos Uma das principais dúvidas dos empreendedores diz respeito à contratação de pessoas físicas (profissionais autônomos) ou jurídicas (empresas) para prestação de serviços sem vínculo empregatício. A fim de diminuir os encargos sociais, as empresas buscam a “terceirização”. No entanto, é fundamental estar atento ao tipo de atividade que pode ser terceirizada. Não é possível contratar terceiros para realizarem serviços relacionados às atividades que justificaram a criação da empresa. A contratação pode abranger atividades intermediárias da contratante, desde que não haja relação de emprego entre as partes. Ou seja, a relação entre contratante e contratado não pode ser como aquela existente entre patrão e empregado, caracterizada pelos elementos de subordinação, habitualidade, horário, pessoalidade e salário. 19
    • IDEIAS DE NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS Vantagens da contratação de serviços de terceiros • Mais participação dos dirigentes nas atividades-fim da empresa; • Concentração dos talentos no negócio principal da empresa; • Maior facilidade na gestão do pessoal e das tarefas; • Possibilidade de rescisão do contrato conforme as condições preestabelecidas; • Controle da atividade terceirizada por conta da própria empresa contratada. Desvantagens que este tipo de contratação pode acarretar • Sofrer autuação do Ministério do Trabalho e ações trabalhistas em caso de inobservância das obrigações mencionadas no item acima; • Fiscalização dos serviços prestados para verificar se o contrato de prestação de serviços está sendo cumprido integralmente, conforme o combinado; • Risco de contratação de empresa não qualificada. Antes da contratação, recomenda-se verificar se o pessoal disponibilizado pela empresa terceirizada consta como registrado, e se os direitos trabalhistas e previdenciários estão sendo respeitados e pagos. 20
    • Equipamentos ORGANIZADORA DE EVENTOS CARBONO NEUTRO
    • IDEIAS DE NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS Na era da mobilidade, o empreendedor poderá optar por equipamentos que possam ser facilmente transportados e com conexão à internet (smartphones, notebooks, netbooks, tablets, entre outros), com os quais poderá realizar o seu trabalho. O armazenamento dos dados (sistema de informações) poderá ser feito em serviços de computação em nuvem (cloud computing), com acesso em qualquer lugar, a qualquer hora. O acesso ao sistema de informações, programas, serviços e arquivos é realizado de forma remota, através da internet. Outros equipamentos necessários para a montagem da empresa: Convém que o empreendedor busque informações junto aos fabricantes para conhecer o tempo médio de obsolescência dos equipamentos. Assim, ele poderá realizar a análise de custo-benefício para sua aquisição (se novos ou usados), bem como planejar a reposição quando necessária. Fornecedores Apple Clique para acessar o site da Apple Associação Linux Brasil Clique para acessar o site da Linux Brasil Microcomputadores com acesso à internet em alta velocidade Modens para conexão à internet via rede móvel 3G Impressora multifuncional Casas Bahia Clique para acessar o site da Casa Bahia CTIS Digital Telefones celulares Móveis e utensílios de escritório Clique para acessar o site da CTIS 22
    • IDEIAS DE NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS Giroflex Dell Clique para acessar o site da DELL Etna Móveis Clique para acessar o site da Giroflex Hewlett-Packard (HP) Clique para acessar o site da Etna Extra Clique para acessar o site da HP IBM Clique para acessar o site do Extra Fnac Clique para acessar o site da IBM Lojas Americanas Clique para acessar o site da Fenac Free Software Foundation Clique para acessar o site da Free Spftware Clique para acessar o site da Lojas Americanas Magazine Luiza Clique para acessar o site da Magazine Luiza 23
    • IDEIAS DE NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS Marelli Ambientes Racionais Submarino Clique para acessar o site da Marelli Microsoft Clique para acessar o site do Submarino Tok&Stok Clique para acessar o site da Microsoft Opera Clique para acessar o site da Tok&Stok Walmart Clique para acessar o site da Opera Clique para acessar o site da Walmart Ponto Frio Clique para acessar o site do Ponto Frio Positivo Informática Clique para acessar o site da Positiva 24
    • Matéria Prima / Mercadoria ORGANIZADORA DE EVENTOS CARBONO NEUTRO
    • IDEIAS DE NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS A atividade de organização de eventos não prescinde de informações atualizadas nas seguintes áreas: • Redes e sistemas informatizados; • Softwares e equipamentos de automação; • Legislação tributária e sistema fiscal nacional; • Contabilidade e gestão; • Mercado (fluxos e processos de venda). Informação e Conhecimento De forma simplificada, podemos dizer que a informação é o dado que faz sentido, faz diferença. Já o conhecimento, pode ser definido como um conjunto de informações aplicadas em um determinado contexto, gerando novas experiências e informações. O conhecimento nas organizações, não se encontra apenas nos documentos, bases de dados e sistemas de informação, mas também nos processos de negócio, nas práticas dos grupos e na experiência acumulada das pessoas. Desta forma, o empreendedor deve considerar a gestão do conhecimento como uma ferramenta para a gestão sustentável do negócio. 26
    • Organização do processo produtivo ORGANIZADORA DE EVENTOS CARBONO NEUTRO
    • IDEIAS DE NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS ------ Concepção do Evento Atividades • Estabelecimento das características gerais do evento: -- Definição do produto; -- Definição do tema central; -- Definição do objetivo do evento; -- Estabelecimento de data e duração do evento; -- Definição da programação e término; -- Definição do público alvo, quantificação e qualificação; -- Definição das necessidades áudio visuais; -- Atividades sociais; -- Infraestrutura; -- Clima (perfil) do evento; -- Briefing para o local e localização; -- Definição dos recursos disponíveis financeiramente; -- Estratégias de divulgação; -- Infra Estrutura (Web). • Design e software – Divulgação; Decoração; Equipamentos; Logística e Transporte; Alimentação. Sumário dos valores por categoria. Planejamento do Evento Atividades • Planejamento e Dimensionamento dos recursos necessários (definição quantitativa e qualitativa dos itens necessários para a realização do evento); • Elaboração de listas padronizadas conforme insumos, materiais e serviços; • Seleção das atividades críticas, e estabelecimento de cronograma detalhado das atividades do evento (com a data de início e a duração de cada item do evento). Este documento deverá ser utilizado durante todo a fase de realização do evento; Definição das equipes envolvidas. • Lista quantitativa de insumos e serviços e as características gerais do evento, com as características mais importantes do evento; • • Preenchimento dos Check Lists por categoria (quantificação e qualificação dos itens selecionados); Preparação do Evento • Definição com quantificação, qualificação e estimativa de gastos de todos os itens necessários no evento: -- Infraestrutura; -- Local do Evento; -- Material de Escritório – Papelaria; -- Gráfica; Atividades • Emissão das Ordens de compra e contratos; • Elaboração e Desenvolvimento do Site do Evento; • Preparação da Infraestrutura; 28
    • IDEIAS DE NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS • Confirmação, instrução e treinamento para os Serviços contratados; • Verificação do andamento dos equipamentos listados; • Confecção do Material Gráfico e outros para divulgação. Realização do Evento Atividades • Divulgação; • Transformação do site para divulgação dos resultados; • Elaboração do relatório final. Desmontagem do Local; • • Cronograma com CheckList das atividade da desmontagem; • Criação de um banco de dados; Término e encerramento do evento; • • Preparação e realização da Pesquisa; • Indicadores de resultados do evento; Realização do Evento; • • Cronograma com CheckList das atividades da realização do evento; • Avaliação dos resultados do evento; Montagem do evento in loco; • • Cronograma com CheckList das atividades da montagem do evento; • Atividades Verificação do andamento das acomodações e deslocamentos; • Avaliação e Melhorias Contínuas Relatório diário de não-Conformidades e ações. 29
    • Automação ORGANIZADORA DE EVENTOS CARBONO NEUTRO
    • IDEIAS DE NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS Considerando que a informação e o conhecimento são insumos essenciais, o empreendedor deve compreender a importância dos Sistemas de Informação para a empresa atingir plenamente seus objetivos. monitoramento de informações que oferecem suporte à gestão de negócios de uma organização, tanto em relação ao comércio e colaboração com outras empresas, como ao atendimento direto com o cliente. Um Sistema de Informação pode ser definido como um conjunto de componentes, relacionados entre si, trabalhando de forma articulada para coletar, recuperar, processar, armazenar e distribuir informações com a finalidade de facilitar o planejamento, o controle, a coordenação, a análise e o processo decisório em organizações. De forma mais abrangente, um sistema de informação envolve os sistemas de telecomunicações, incluindo o software e hardware utilizados. A automação é um aspecto relevante para o negócio, já que boa parte do processo de organização de eventos sustentáveis fará uso intensivo de hardware, software e internet. Automatizar equivale a informatizar todas as operações internas da empresa e integrá-las com fornecedores, bancos, Fisco, entre outros. Visto de outro modo, Sistemas de Informação são processos administrativos constituídos de subsistemas inter-relacionados que podem ser: produção/ serviço, venda, distribuição, materiais, financeiro, recursos humanos e outros, capazes de gerar subsídios estratégicos para a empresa. Por isso, a automação precisa ser entendida pelo empreendedor como um investimento necessário para aperfeiçoar sua gestão e obter eficiência e produtividade. Alguns benefícios proporcionados pela automação: • Segundo a Wikipédia, os Sistemas de Informação podem ser classificados em: Sistema de Informação Operacional, que tratam das transações rotineiras da organização, encontradas em todas as empresas automatizadas; Sistema de Informação Gerencial (BI - Business Intelligence), que agrupam e sintetizam os dados das operações da organização para facilitar a tomada de decisão pelos administradores; Sistema de Informação Estratégico, que integram e sintetizam dados de fontes internas e externas, utilizando ferramentas de análise e comparação complexas, simulação e outras facilidades para a tomada de decisão da cúpula estratégica da organização; e os Sistemas de Informação Comerciais/Negociais (CRM- Customer Relationship Management), que referem-se ao processo de coleta, análise, compartilhamento e Rapidez na verificação de informações; • Redução de tarefas manuais; • Melhoria nos índices de satisfação dos clientes; • Facilidade para apuração de resultados; • Aumento da produtividade; • Melhorias na gestão do negócio; • Redução da burocracia; • Agilidade na apuração dos impostos; • Eficiência no processo de fiscalização. 31
    • IDEIAS DE NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS No campo gerencial, a automação facilita o controle de diversos processos – administrativo, caixa, financeiro, entre outros. Por isso, é recomendável a adoção de um sistema informatizado para quem esteja abrindo um negócio, mesmo que pequeno. Além de fácil utilização, um software gerencial deve incorporar, dentre outros, itens como: • Cadastro: clientes, funcionários, fornecedores; • Movimentos: orçamentos, vendas e serviços; • Relatórios: serviços a executar, vendas por cliente, vendas por período, vendas a receber, estoque, aniversariantes do mês; • Consultas: preços, recebimentos, pagamentos, vendas; • Gráficos: evolução das vendas, despesas, pagamentos; • Financeiro: controle de caixa, cheques recebidos, cheques emitidos, controle de despesa, contas a pagar, controle de funcionários, compras; • Segurança: backup dos dados. O processo de automação consome, em média, entre 5% e 8% do investimento inicial do negócio. Antes de se decidir pelo sistema a ser utilizado, o empreendedor deve avaliar o preço cobrado, o serviço de manutenção, a conformidade em relação à legislação fiscal municipal e estadual, a facilidade de suporte e as atualizações oferecidas pelo fornecedor. 32
    • Canais de distribuição ORGANIZADORA DE EVENTOS CARBONO NEUTRO
    • IDEIAS DE NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS Este segmento se caracteriza por entregar os serviços diretamente ao demandante. Portanto, não existem intermediários envolvidos no processo de torná-los disponíveis aos clientes. Cabe ao dono do negócio definir e estabelecer o fluxo dessa distribuição. 34
    • Investimentos ORGANIZADORA DE EVENTOS CARBONO NEUTRO
    • IDEIAS DE NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS Investimento compreende todo o capital empregado para iniciar e viabilizar o negócio até o momento em que ele se torna autossustentável. Pode ser caracterizado como: • Investimento fixo: engloba o capital empregado na compra de imóveis (se for o caso), equipamentos, móveis, utensílios, instalações, reformas, veículos; • Investimentos pré-operacionais: são todos os gastos ou despesas realizadas com projetos, pesquisa de mercado, registro da empresa, decoração, honorários profissionais e outros. O investimento varia de acordo com o porte do empreendimento. Uma microempresa de organização de eventos sustentáveis, estabelecida em uma área de 20 m² na residência do empreendedor, exige um investimento inicial estimado em R$ 14.000,00, a ser alocado majoritariamente nos seguintes itens: • Adequação do local e compra de mobiliário – R$ 2.000,00; • Equipamentos – R$ 8.000,00; • Abertura da empresa e divulgação inicial – R$ 4.000,00. As informações aqui prestadas servem apenas como referência, a partir de um exemplo hipotético. Os valores acima irão variar conforme a região geográfica que a empresa irá se instalar, necessidade de reforma do imóvel, tipo de mobiliário, etc. Para uma informação mais apurada sobre o investimento inicial, sugere-se que o empreendedor utilize o modelo de plano de negócio disponível no SEBRAE. 36
    • Capital de giro ORGANIZADORA DE EVENTOS CARBONO NEUTRO
    • IDEIAS DE NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS Capital de giro é o montante de recursos financeiros que a empresa precisa manter para garantir fluidez dos ciclos de caixa. O capital de giro funciona com uma quantia imobilizada no caixa (inclusive banco) da empresa para suportar as oscilações de caixa. Um fluxo de caixa, com previsão de saldos futuros de caixa deve ser implantado na empresa para a gestão competente da necessidade de capital de giro. Só assim as variações nas vendas e nos prazos praticados no mercado poderão ser geridas com precisão. O capital de giro é regulado pelos prazos praticados pela empresa, são eles: prazos médios recebidos de fornecedores (PMF); prazos médios de estocagem (PME) e prazos médios concedidos a clientes (PMCC). Estima-se em R$ 10 mil o capital de giro necessário para a abertura de uma microempresa de eventos sustentáveis. Quanto maior o prazo concedido aos clientes e quanto maior o prazo de estocagem, maior será sua necessidade de capital de giro. Portanto, manter estoques mínimos regulados e saber o limite de prazo a conceder ao cliente pode melhorar muito a necessidade de imobilização de dinheiro em caixa. Se o prazo médio recebido dos fornecedores de matéria-prima, mão-de-obra, aluguel, impostos e outros forem maiores que os prazos médios de estocagem somada ao prazo médio concedido ao cliente para pagamento dos produtos, a necessidade de capital de giro será positiva, ou seja, é necessária a manutenção de dinheiro disponível para suportar as oscilações de caixa. Neste caso um aumento de vendas implica também em um aumento de encaixe em capital de giro. Para tanto, o lucro apurado da empresa deve ser ao menos parcialmente reservado para complementar esta necessidade do caixa. Se ocorrer o contrário, ou seja, os prazos recebidos dos fornecedores forem menores que os prazos médios de estocagem e os prazos concedidos aos clientes para pagamento, a necessidade de capital de giro é negativa. Neste caso, deve-se atentar para quanto do dinheiro disponível em caixa é necessário para honrar compromissos de pagamentos futuros (fornecedores, impostos). Portanto, retiradas e imobilizações excessivas poderão fazer com que a empresa venha a ter problemas com seus pagamentos futuros. 38
    • Custos ORGANIZADORA DE EVENTOS CARBONO NEUTRO
    • IDEIAS DE NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS São todos os gastos realizados na produção de um bem ou serviço e que serão incorporados posteriormente ao seu preço de venda, tais como: aluguel, água, luz, salários, honorários profissionais, despesas de vendas, matéria-prima e insumos consumidos no processo de produção, depreciação de maquinário e instalações. O cuidado na administração e redução de todos os custos envolvidos no negócio indica que o empreendedor poderá ter sucesso ou insucesso, na medida em que encarar como ponto fundamental a redução de desperdícios, a compra pelo melhor preço e o controle de todas as despesas internas. Quanto menores os custos, maior a chance de ganhar no resultado final do negócio. Seguem algumas categorias referenciais, com intuito de exemplificar a proporcionalidade dos gastos. • Telefones e acesso à internet – R$ 1.550,00; • Assessoria contábil – R$ 622,00; • Recursos para manutenções corretivas – 5% do custo do equipamento ao ano; • Despesas com vendas e divulgação – em torno de 3% das vendas. 40
    • Diversificação/ Agregação de valor ORGANIZADORA DE EVENTOS CARBONO NEUTRO
    • IDEIAS DE NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS Agregar valor significa oferecer produtos e serviços complementares, diferenciando-se da concorrência e atraindo o público-alvo. Não basta possuir algo que os produtos e serviços concorrentes não ofereçam. É necessário que esse algo mais seja reconhecido pelo cliente como uma vantagem competitiva e aumente o seu nível de satisfação com o produto ou serviço prestado. As mudanças climáticas são uma realidade comprovada cientificamente e constituem a mais séria ameaça ao bem-estar humano e aos ecossistemas naturais no momento presente. O Brasil, pela sua importância econômica, sua liderança na geração de energia proveniente de fontes renováveis, entre outros fatores, pode exercer um papel protagonista na construção de uma economia de baixa intensidade de carbono. Assim, a incorporação dos princípios de sustentabilidade torna-se um diferencial importante, uma vez que cresce o número de consumidores conscientes que valorizam os serviços fornecidos com o mínimo (ou nenhum) impacto ao meio-ambiente e à saúde dos seres vivos, a partir de matérias-primas naturais renováveis ou reaproveitáveis. O consumidor valoriza cada vez mais as questões ambientais em sua decisão de compra. Ele espera das empresas que, além de serem agentes produtivos, sejam agentes sociais e ambientais, contribuindo ativamente para o desenvolvimento da sociedade. Com o objetivo de mobilizar, sensibilizar e articular lideranças empresariais para a gestão e redução das emissões de GEE, a gestão de riscos climáticos e a proposição de políticas públicas e incentivos positivos no contexto das mudanças climáticas, a iniciativa Empresas Pelo Clima – EPC, colocou à disposição do setor uma plataforma que auxilia a identificar e contabilizar todas as emissões de gases de efeito estufa (GEE) da organização, utilizando a metodologia GHG Protocol (mensuração); a mapear das oportunidades e riscos e estabelecer estratégias, planos e metas para a gestão de emissões (gestão): e implementar processos inovadores dentro da organização que visem redução de GEE, além de ações de compensação (redução). Como ponto de partida, a empresa organizadora de eventos de carbono neutro, poderá buscar oferecer serviços que observem o uso de fontes renováveis de energia e/ou utilizem os recursos energéticos de forma mais eficiente, entre outras iniciativas. A título de sugestão, seguem algumas medidas que podem ser incorporadas para garantir eficiência financeira e atender aos requisitos de sustentabilidade: • Avaliar o consumo e eficiência energética dos equipamentos; • Dar preferência a dispositivos do tipo “Energy Star” ou com outros “selos verdes”; • Virtualizar os servidores; • Doar ou reciclar equipamentos que forem substituídos; • Usar fontes alternativas de energia sempre que possível; • Realizar descarte ecologicamente correto dos equipamentos ao final de sua vida útil; • Incentivar o trabalho remoto junto aos prestadores de serviços terceirizados. 42
    • Divulgação ORGANIZADORA DE EVENTOS CARBONO NEUTRO
    • IDEIAS DE NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS O empreendedor deve sempre entregar o que foi prometido e, quando puder, superar as expectativas do consumidor. Ao final, a melhor propaganda será feita pelos clientes satisfeitos e bem atendidos. Recomenda-se a elaboração e implantação de um plano de comunicação do negócio pelo menos três meses antes de começar a operar. Estratégias dirigidas às redes sociais mostram-se muito adequadas nessa etapa. Por meio delas, o empresário poderá compartilhar conteúdos relacionados ao segmento em que irá atuar. No Twitter, por exemplo, é possível esclarecer dúvidas em 140 caracteres. Vídeos postados no YouTube costumam provocar impacto nos internautas e têm enorme poder de disseminação. Caso seja interesse do empreendedor, um profissional de marketing e/ou comunicação poderá ser contratado para desenvolver campanhas de divulgação específicas. Abaixo, algumas ações mercadológicas eficientes e de custo acessível: • Montar um website com a oferta de serviços e divulgação dos valores empresariais; • Publicar anúncios em jornais e revistas de bairro; • Anunciar em sites de busca, que geram maior volume de tráfego e vendas. 44
    • Informações Fiscais e Tributárias ORGANIZADORA DE EVENTOS CARBONO NEUTRO
    • IDEIAS DE NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS • As atividades de organização e promoção de feiras, leilões, congressos, convenções, conferências e exposições comerciais e profissionais, incluindo ou não o fornecimento de pessoal para operar a infraestrutura dos lugares onde ocorrem esses eventos; • A gestão de espaço para exposição para uso de terceiros; • A organização de festas e eventos, familiares ou não, inclusive festas de formaturas. Esse segmento poderá optar pelo SIMPLES Nacional - Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos e Contribuições devidos pelas ME (Microempresas) e EPP (Empresas de Pequeno Porte), instituído pela Lei Complementar nº 123/2006, desde que a receita bruta anual de sua atividade não ultrapasse a R$ 360.000,00 (trezentos e sessenta mil reais) para micro empresa e R$ 3.600.000,00 (três milhões e seiscentos mil reais) para empresa de pequeno porte e respeitando os demais requisitos previstos na Lei. Nesse regime, o empreendedor poderá recolher, segundo o que está previsto no Art. 4º, da Resolução CGSN n.º 94, os tributos e contribuições listados abaixo, por meio de apenas um documento fiscal – o DAS - Documento de Arrecadação do Simples Nacional, que é gerado no Portal do SIMPLES Nacional: Clique para acessar o site da Receita • IRPJ – Imposto de Renda da Pessoa Jurídica; • CSLL – Contribuição Social sobre o Lucro; • PIS – Programa de Integração Social; • O segmento de ORGANIZADORA DE EVENTOS CARBONO NEUTRO, assim entendido pela CNAE/IBGE (Classificação Nacional de Atividades Econômicas) 8230-0/01 como atividade de SERVIÇOS DE ORGANIZAÇÃO DE FEIRAS, CONGRESSOS, EXPOSIÇÕES E FESTAS: COFINS – Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social; • INSS – Contribuição para a Seguridade Social relativa a parte patronal; • ICMS – Imposto sobre Operações Relativas a Circulação de Mercadorias e sobre Prestações de Serviços e Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação; • ISS – Impostos sobre Serviços de Qualquer Natureza. Conforme a Lei Complementar n.º 123/2006, as alíquotas do SIMPLES Nacional, para esse ramo de atividade, que estão previstas no Anexo IV da referida Lei, variam de 4,5% a 16,85%, dependendo da receita bruta auferida pelo negócio. No caso de início de atividade no próprio ano-calendário da opção pelo SIMPLES Nacional, para efeito de determinação da alíquota no primeiro mês de atividade, os valores de receita bruta acumulada devem ser proporcionais ao número de meses de atividade no período. Se o faturamento no primeiro mês de atividade da empresa, o faturamento for igual ou superior a R$ 300.000,00 (trezentos mil reais), que multiplicado pelo número de meses compreendidos entre o início de atividade e final do respectivo ano-calendário, considerada as frações de meses como mês inteiro. (Art. 3º, Resolução CGSN n.º 94). No ano-calendário de abertura da empresa se exceder esse limite de faturamento de R$ 300.000,00 (trezentos mil reais) mensais, até o percentual de 46
    • IDEIAS DE NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS 20% a exclusão se dará no ano seguinte, no entanto se esse excesso for superior a 20% a exclusão ocorrerá no mesmo exercício e retroagirá até o mês de início de atividade da empresa. MEI (Microempreendedor Individual): para se enquadrar no MEI o CNAE de sua atividade deve constar e ser tributado conforme a tabela da Resolução CGSN nº 94/2011 – Anexo XIII. Clique para acessar o site da Receita Neste caso, este segmento pode se enquadrar no MEI, conforme Resolução 94/2011. Para este segmento, tanto ME ou EPP, a opção pelo SIMPLES Nacional poderá ser vantajosa sob o aspecto tributário. Mas para assegurar dessa vantagem o empreendedor deverá buscar apoio técnico especializado, visando avaliar o efeito desse enquadramento. O optante pelo SIMPLES Nacional encontra facilidades para cumprimento das obrigações acessórias. Fundamentos Legais: Leis Complementares 123/2006 (com as alterações das Leis Complementares n.º 127/2007, 128/2008 e 139/2011) e Resolução CGSN – Comitê Gestor do Simples Nacional nº 94/2011. 47
    • EVENTOS ORGANIZADORA DE EVENTOS CARBONO NEUTRO
    • IDEIAS DE NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS Mostra Internacional de Turismo – MIT EBS – Evento Business Show São Paulo Clique para acessar o site da MIT Clique para acessar o site da EBS Brazil Promotion – Road Show Belo Horizonte – Rio de Janeiro – Recife Equipotel Nordeste 2012 Recife Clique para acessar o site da Brazil Promotion Clique para acessar o site do Equipotel Brazil Promotion São Paulo – Brasil Expoeventos Lisboa – Portugal Clique para acessar o site da Brazil Promotion Clique para acessar o site da Expoeventos Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável – Rio+20 Rio de Janeiro Clique para acessar o site da Rio+20 49
    • ENTIDADES EM GERAL ORGANIZADORA DE EVENTOS CARBONO NEUTRO
    • IDEIAS DE NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS Associação Brasileira das Locadoras de Automóveis (Abla) Clique para acessar o site da ABLA Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel) Clique para acessar o site da ABRASEL Associação Brasileira de Empresas de Eventos Clique para acessar o site da ABEOC Confederação Brasileira de Convention & Visitors Bureaux Clique para acessar o site da Confederação Brasileira Instituto Brasileiro de Hospedagem (IBH) Clique para acessar o site do IBH Ministério do Turismo Clique para acessar o site do Ministério do Turismo Associação Brasileira de Transportes Aéreos Regionais (Abetar) Clique para acessar o site da ABETAR 51
    • Normas Técnicas ORGANIZADORA DE EVENTOS CARBONO NEUTRO
    • IDEIAS DE NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS Norma técnica é um documento, estabelecido por consenso e aprovado por um organismo reconhecido que fornece para um uso comum e repetitivo regras, diretrizes ou características para atividades ou seus resultados, visando a obtenção de um grau ótimo de ordenação em um dado contexto. (ABNT NBR ISO/IEC Guia 2). Participam da elaboração de uma norma técnica a sociedade, em geral, representada por: fabricantes, consumidores e organismos neutros (governo, instituto de pesquisa, universidade e pessoa física). Toda norma técnica é publicada exclusivamente pela ABNT – Associação Brasileira de Normas Técnicas, por ser o foro único de normalização do País. 1. Normas específicas para uma Organização de Eventos de Carbono Neutro: ABNT NBR 15948:2011 – Mercado voluntário de carbono – Princípios, requisitos e orientações para comercialização de reduções verificadas de emissões. Esta Norma especifica princípios, requisitos e orientações para comercialização de reduções verificadas de emissões (RVE) no mercado voluntário de carbono brasileiro. Ela inclui requisitos para elegibilidade das reduções de emissões, transparência de informações, e registro de projetos e de RVE (título). ABNT NBR ISO 14064-1:2007 – Gases de efeito estufa Parte 1: Especificação e orientação a organizações para quantificação e elaboração de relatórios de emissões e remoções de gases de efeito estufa. Esta parte da ABNT NBR ISO 14064 especifica princípios e requisitos no âmbito da organização para a quantificação e para a elaboração de relatórios de emissões e remoções de gases de efeito estufa (GEE). Inclui determinações para o projeto, o desenvolvimento, o gerenciamento, a elaboração de relatórios e a verificação de um inventário de GEE da organização. ABNT NBR ISO 14064-2:2007 – Gases de efeito estufa Parte 2: Especificação e orientação a projetos para quantificação, monitoramento e elaboração de relatórios das reduções de emissões ou da melhoria das remoções de gases de efeito estufa. Esta parte da ABNT NBR ISO 14064 especifica princípios e requisitos, e oferece orientação para a elaboração de projetos para quantificação, monitoramento e relato de atividades de redução de emissões ou melhoria da remoção de gases de efeito estufa. Inclui requisitos para o planejamento de um projeto de gases de efeito estufa, identificando e selecionando fontes, sumidouros e reservatórios de gases de efeito estufa relevantes para o projeto e o cenário de referência ( linha de base), monitorando, qualificando, documentando e relatando o desempenho de projetos de GEE e administrando a qualidade dos dados. ABNT NBR ISO 14064-3:2007 – Gases de efeito estufa Parte 3: Especificação e orientação para a validação e verificação de declarações relativas a gases de efeito estufa. Esta parte da ABNT NBR ISO 14064 especifica princípios e requisitos e fornece orientação para aqueles que estão conduzindo ou administrando a valida- 53
    • IDEIAS DE NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS ção e/ou verificação de declarações de gases de efeito estufa (GEE). Ela pode ser aplicada na quantificação organizacional ou de projeto de GEE, incluindo quantificação, monitoramento e elaboração de relatórios de GEE realizados de acordo com a ABNT NBR ISO 14064-1 ou a ABNT NBR ISO 14064-2. 2. Normas aplicáveis na execução de uma Organização de Eventos de Carbono Neutro: ABNT NBR 15842:2010 – Qualidade de serviço para pequeno comércio – Requisitos gerais. Esta Norma estabelece os requisitos de qualidade para as atividades de venda e serviços adicionais nos estabelecimentos de pequeno comércio, que permitam satisfazer as expectativas do cliente. ABNT NBR 5413:1992 Versão Corrigida:1992 – Iluminância de interiores. Esta Norma estabelece os valores de iluminâncias médias mínimas em serviço para iluminação artificial em interiores, onde se realizem atividades de comércio, indústria, ensino, esporte e outras. ABNT NBR 5419:2005 – Proteção de estruturas contra descargas atmosféricas. Esta Norma fixa as condições de projeto, instalação e manutenção de sistemas de proteção contra descargas atmosféricas (SPDA), para proteger as edificações e estruturas definidas em 1.2 contra a incidência direta dos raios. A proteção se aplica também contra a incidência direta dos raios sobre os equipamentos e pessoas que se encontrem no interior destas edificações e estruturas ou no interior da proteção impostas pelo SPDA instalado. ABNT NBR 12693:2010 – Sistemas de proteção por extintores de incêndio. ABNT NBR 5626:1998 – Instalação predial de água fria. Esta Norma estabelece os requisitos exigíveis para projeto, seleção e instalação de extintores de incêndio portáteis e sobre rodas, em edificações e áreas de risco, para combate a princípio de incêndio. ABNT NBR 5410:2004 Versão Corrigida: 2008 – Instalações elétricas de baixa tensão. Esta Norma estabelece as condições a que devem satisfazer as instalações elétricas de baixa tensão, a fim de garantir a segurança de pessoas e animais, o funcionamento adequado da instalação e a conservação dos bens. Esta Norma estabelece exigências e recomendações relativas ao projeto, execução e manutenção da instalação predial de água fria. As exigências e recomendações aqui estabelecidas emanam fundamentalmente do respeito aos princípios de bom desempenho da instalação e da garantia de potabilidade da água no caso de instalação de água potável. ABNT NBR 9050:2004 Versão Corrigida: 2005 – Acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos. 54
    • IDEIAS DE NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS Esta Norma estabelece critérios e parâmetros técnicos a serem observados quando do projeto, construção, instalação e adaptação de edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos às condições de acessibilidade. ABNT NBR IEC 60839-1-1:2010 – Sistemas de alarme – Parte 1: Requisitos gerais – Seção 1: Geral. Esta Norma especifica os requisitos gerais para o projeto, instalação, comissionamento (controle após instalação), operação, ensaio de manutenção e registros de sistemas de alarme manual e automático empregados para a proteção de pessoas, de propriedade e do ambiente. ISO/FDIS 20121 – Event sustainability management systems – Requirements with guidance for use. Nota: Trata-se de um projeto de norma ISO em estágio final (FDIS), o qual a ABNT vem acompanhando e tornando-se norma ABNT adotará como norma brasileira (ABNT NBR ISO 20121). 55
    • Dicas do negócio ORGANIZADORA DE EVENTOS CARBONO NEUTRO
    • IDEIAS DE NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS O empreendedor precisa estar atento ao grau de satisfação dos clientes, buscando identificar qual a percepção que eles têm em relação à qualidade e diferencial dos serviços oferecidos. Para tanto, pode realizar pequenas pesquisas de satisfação, utilizando formulários online objetivos, que permitam extrair as informações desejadas. Ele também deve criar mecanismos que captem as ideias dos colaboradores e parceiros, além de manter uma postura aberta para receber qualquer observação que chegar à empresa. Avaliar ou visitar concorrentes diretos ajuda na hora de adequar a estrutura do negócio com base em casos reais. Não é razoável utilizar todos os recursos financeiros na montagem da empresa. Recomenda-se manter algumas reservas para garantir o capital de giro do empreendimento. Casar boas ideias com serviços e atendimento de qualidade pode levar uma empresa a se diferenciar das concorrentes. Recrutar funcionários criativos pode ajudar a alavancar os negócios. Aspectos que ajudam a estabelecer uma relação de fidelidade e confiança com os clientes: • Atuação transparente; • Assegurar que os serviços contratados sejam cumpridos de maneira eficiente; • Estar bem informado para bem informar; • Prestar informações completas, objetivas, claras. Outros aspectos que devem ser considerados: • Trabalhar com flexibilidade e agilidade para atender às expectativas dos clientes; • Oferecer rapidez, objetividade e presteza nos serviços; • Ser coerente e oferecer os serviços de acordo com o que é contratado com o cliente; • Compreender o perfil do evento e estar preparado para aceitar e propor ideias inovadoras; • Lidar com imprevistos, oferecendo soluções rápidas e objetivas; Procure concentrar a movimentação bancária de sua empresa em apenas uma instituição. Desta forma, aumentam as chances de você conseguir reduzir os custos das transações ou até mesmo de obter isenção de algumas tarifas. • Ao fechar o contrato, fornecer informações sobre as condições de cancelamento dos serviços contratados; • Reconhecer e antecipar as necessidades e o desejos dos clientes; De acordo com o Banco Central do Brasil, o custo para cada serviço deve ser previsto em contrato. Antes de alterar qualquer valor fixado, o banco deverá avisar o cliente com um mês de antecedência, no mínimo. • Estruturar-se para atender às pessoas com deficiência; • Atuar com ética, zelando pela imagem do cliente; Tarifas bancárias Cada vez mais as PMEs negociam com os bancos as tarifas cobradas pelos serviços, uma vez que estes valores apresentam enorme variação. 57
    • IDEIAS DE NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS • Comunicar-se em outras línguas, em função do nicho de mercado em que sua empresa atua – inglês e espanhol são requisitos; • Compreender o cliente para oferecer serviços customizados; • Fornecer ao cliente confirmação, por escrito, dos serviços contratados: valor, forma de pagamento, período de realização, serviços incluídos, serviços não incluídos; • • Estabelecer uma rede de relacionamentos para dar flexibilidade e produtividade aos eventos; • Abolição de garrafas de água individuais; • Guardanapos recicláveis ao invés de papel; • Presentes e brindes com produtos recicláveis; • Impressão de documentos em tinta à base de soja; • Aproveitamento da iluminação natural do ambiente; • Escolha de um hotel comprometido com a responsabilidade ambiental; • Oferecer a terceiros os materiais excedentes e os desperdícios resultantes dos eventos, de forma a serem reutilizados ou reciclados; • Reutilização de materiais de uma determinada reunião, evitando a produção de peças diferentes para cada evento corporativo; • Substituição dos tradicionais cartões de papel por cartões eletrônicos; • Contratação de serviços de buffet com cardápio de refeições locais, orgânicas e sazonais; • Reaproveitamento de cenários. Cumprir prazos. Para tornar um evento sustentável, o empreendedor poderá tomar algumas medidas: • Diminuição dos excessos, por exemplo: sobra de material gráfico, papéis, materiais descartáveis, entre outros; • Separação de resíduos através de cestas de coleta seletiva; • Utilização de materiais naturais, recicláveis e biodegradáveis, como cânhamo e plásticos a base de milho, que podem ser utilizados para tudo – desde tapetes para estandes até bolsas, crachás e cordões; • Utilização de recursos compartilhados como o transporte público e distribuidores a granel para condimentos e produtos de higiene; • Utilização de iluminação em LED (diodo emissor de luz), a tecnologia é aplicada para iluminar bares, mesas, lustres e paredes inteiras, com a vantagem de mudar a cor da superfície a qualquer momento gastando muito menos energia que refletores convencionais; • Programas de reunião resumidos, se possível, transmitidos via web; 58
    • Características específicas do empreendedor ORGANIZADORA DE EVENTOS CARBONO NEUTRO
    • IDEIAS DE NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS É recomendável que o empreendedor possua algumas características básicas como: • Ter sólidos conhecimentos em sustentabilidade e organização de eventos; • Pesquisar e observar permanentemente o mercado em que está atuando, promovendo ajustes e adaptações no negócio; • Conhecer as tendências de mercado, estar sempre disposto a inovar e promover mudanças; • Saber administrar as áreas internas da empresa; • Saber demonstrar capacidade de organização e gerenciamento para planejar e acompanhar o desempenho da empresa; • Acompanhar o desempenho dos concorrentes; • Saber negociar, vender benefícios e manter clientes satisfeitos; • Ter visão clara de onde quer chegar e manter o foco definido da atividade empresarial; • Ter coragem para assumir riscos calculados; • Ser persistente e não desistir dos objetivos traçados; • Perceber novas oportunidades e agir rapidamente para aproveitá-las; • Possuir serenidade e autocontrole emocional para liderar equipes. 60
    • Bibliografia Complementar
    • IDEIAS DE NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS LABUQUERQUE, Adão Eudes. Planejamento das relações públicas. Porto Alegre : Sulina, 1983. CHINEM, Rivaldo. Marketing e divulgação da pequena empresa. São Paulo : Senac, 2006. Sites relacionados: Clique para acessar o site da FGV COSTA, Nelson Pereira. Marketing para empreendedores: um guia para montar e manter um negócio. Rio de Janeiro: Qualitymark, 2003. LEMES JUNIOR, Antônio Barbosa, PISA, Beatriz Jackiu. Administrando micro e pequenas empresas. Rio de Janeiro : Elsevier, 2010. NUNES, Marina Martinez. Cerimonial para executivos. Porto Alegre : Sagra e Luzzato, 1996. Clique para acessar o site da Sustainable Information Tchnology Clique para acessar o site da ABNT KUNSCH, Margarida M. Krohling. Planejamento de relações públicas na comunicação integrada. São Paulo: Summus, 2003. TEIXEIRA FILHO, Jayme. Gerenciando conhecimento. Rio de janeiro : SENAC, 2000. YOUNG, Trevor L. Manual de gerenciamento de projetos. São Paulo : La Selva, 2008. Clique para acessar o site da Ethos Clique para acessar o site da GHG Clique para acessar o site do Mundo RP Clique para acessar o site do Viaje Legal 62
    • IDEIAS DE NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS Glossário Briefing: É a coleta de todas as informações disponíveis relativas ao projeto, visando a fornecer aos profissionais envolvidos uma visão ampla, profunda de todos os seus aspectos. Cerimonial: conjunto de diretrizes preestabelecidas que precisa ser conhecido e observado em eventos. Crédito de carbono: Compensações de emissões de GEE podem ser convertidas em créditos de carbono quando usadas para cumprir uma meta imposta externamente. Um crédito de GEE é um instrumento conversível e transferível normalmente conferido por um programa de GEE. Certificação ambiental: Comprovação documentada do cumprimento dos compromissos assumidos por uma organização em respeito ao meio ambiente através de sua política ambiental e de seu sistema de gestão ambiental. Emissões: Liberação de gases de efeito estufa (GEE) para a atmosfera. Fator de emissão: Fator que permite que as emissões de GEE sejam estimadas a partir de uma unidade disponível de dados de atividade (por exemplo, toneladas de combustível consumido, toneladas de produção produzida) e emissões absolutas de GEE. Imagem: Conceito ou conjunto de opiniões subjetivas de um indivíduo, do público ou de um grupo social, sobre uma organização, uma empresa, um produto, uma marca, uma instituição, uma personalidade etc. Inventário: Lista qualificada de emissões e fontes de GEE de uma organização. Painel Intergovernamental sobre Mudança do Clima (sigla em inglês: IPCC): Organização internacional de cientistas da mudança climática. O papel do IPCC é avaliar as informações científicas, técnicas e socioeconômicas relevantes à compreensão do risco da mudança climática antrópica. Pegada ecológica: A Pegada Ecológica de um país, de uma cidade ou de uma pessoa, corresponde ao tamanho das áreas produtivas de terra e de mar necessárias para gerar produtos, bens e serviços que sustentam determinados estilos de vida. Em outras palavras, a Pegada Ecológica é uma forma de traduzir, em hectares (ha), a extensão de território que uma pessoa ou toda uma sociedade “utiliza”, em média, para se sustentar. Público: conjunto de indivíduos cujos interesses comuns são atingidos pelas ações de uma organização, instituição ou empresa, e cujos atos afetam direta ou indiretamente os interesses da organização. Protocolo: ordem hierárquica que determina as regras de conduta de governos e seus representantes em ocasião oficial ou particular. Gases de Efeito Estufa (GEE): Para os fins destas normas, GEEs são os seis gases listados no Protocolo de Kyoto: dióxido de carbono (CO2); metano (CH4); óxido nitroso (N2O); hidrofluorcarbonos (HFCs); perfluorcarbonos (PFCs); e hexafluoreto de enxofre (SF6). Protocolo de Kyoto: Protocolo à Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (sigla em inglês: UNFCCC). Requer que os países listados no seu Anexo B (nações desenvolvidas) cumpram metas de redução de emissões de GEE relativamente aos seus níveis de emissões de 1990 durante o período 2008-2012. GHG Protocol: Metodologia internacional para a realização de inventários de gases de efeito estufa corporativos, desenvolvida pelo World Resources Institute(WRI) em associação com o World Business Council for Sustainable Development(WBCSD). Responsabilidade Social da Empresa (RSE): gestão definida pela ética e transparência da empresa com os públicos aos quais se relaciona, e pela firmação de metas empresarias compatíveis com o desenvolvimento sustentá- 63
    • IDEIAS DE NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS vel da sociedade, preservando recursos ambientais e culturais para gerações futuras, respeitando a diversidade e promovendo a redução das desigualdades sociais. Staklholders: grupos de indivíduos, organizações ou companhias que afetam e/ou são afetados pela companhia, por exemplo, acionistas, clientes, empregados, parceiros de negócios, ONGs e comunidade local. SEO (Search Engine Optimization): conjunto de técnicas que visam a “otimizar” as páginas do site para conseguir uma classificação mais elevada nos resultados de pesquisa, através do processo de seleção de expressões e palavras-chave específicas associadas ao site Wireless: é a transferência de informação sem a utilização de cabos ou fios. 64
    • IDEIAS DE NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS Expediente Diretor de Administração e Finanças José Claudio Silva dos Santos © 2012. Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas – Sebrae Todos os direitos reservados A reprodução não autorizada desta publicação no todo ou em parte constitui violação dos direitos autorais (Lei nº 9.610) INFORMAÇÕES E CONTATO Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas – Sebrae Unidade de Capacitação Empresarial SGAS 605 – Conjunto A – 70200-904 – Brasília – DF Telefone: (61) 3348 7453 – Fax: (61) 3347 4938 www.sebrae.com.br Presidente do Conselho Deliberativo Roberto Simões Gerente da Unidade de Capacitação Empresarial Mirela Malvestiti Coordenação Rômulo Leite Melo Wilson Correia de Azevedo Junior Equipe Técnica Tiago Batista Bezerra de Alencar Autor Dayane Rabelo Projeto Gráfico Grupo Informe Comunicação Integrada Diretor-Presidente Luiz Eduardo Pereira Barretto Filho Diretor-Técnico Carlos Alberto dos Santos 65