Cap 6 O Processo De Design De InteraçãO
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Cap 6 O Processo De Design De InteraçãO

on

  • 3,561 views

 

Statistics

Views

Total Views
3,561
Views on SlideShare
3,546
Embed Views
15

Actions

Likes
0
Downloads
78
Comments
1

1 Embed 15

http://www.slideshare.net 15

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
  • Grande Marcelo Bitencourt, parabéns pelo post deste capitulo, gostaria de saber se vc nao tem sobre o abordagens centradas no usuario capitulo 9, e o avaliaçao capitulo 10. Abraço
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Cap 6 O Processo De Design De InteraçãO Cap 6 O Processo De Design De InteraçãO Presentation Transcript

  • Grupo 7 Cap. 5 – Compreendendo como as Interfaces Afetam os Usuários Cap. 6 - O processo de design Adriana Matos Glaucio Diniz Marcelo Bitencourt
  • Cap 6 - O processo do Design de interação
    • É uma atividade prática e criativa, com o objetivo de desenvolver um produto que ajude os usuários a atingir suas metas
  • O que é o Design de interação?
    • Design é um plano ou esquema concebido na mente, com intuito de ser posteriormente executado.
    • No Design de interação as preocupações direcionam o desenvolvimento mais do que as preocupações técnicas, com a abordagem centralizada no usuário.
  • Atividades básicas do design de interação
    • Identificar necessidades e estabelecer requisitos
    • Desenvolver designs alternativos
    • Construir versões interativas
    • Avaliar designs
  • Características-chave do processo do design
    • Foco no usuário
    • Critérios de usabilidade específicos
    • Iteração
  • Algumas questões práticas do processo de design
    • Quem são os usuários?
    • O que queremos dizer com necessidades?
    • Como criar designs alternativos?
    • Como escolher uma alternativa de design?
  • Algumas questões práticas do processo do design
    • Usuários:
        • Usuário primário
        • Usuário secundário
        • Usuário terciário
  • Algumas questões práticas do processo do design
    • Necessidades:
        • É imperativo que usuários representativos do grupo-alvo real sejam consultados
  • Algumas questões práticas do processo do design
    • Designs alternativos
    • Precisam ser gerados
    • Captados
    • Avaliados pelos usuários
  • Algumas questões práticas do processo do design
    • Com escolher uma alternativa de design ?
    • Para que a escolha seja bem sucedida, o design deve ser expresso de forma com a qual os usuários possam interagir.
  • Modelo de ciclo de vida
    • O termo é utilizado para representar um modelo que capta um conjunto de atividades e a maneira como elas se relacionam.
    • Tais modelos são populares entre desenvolvedores e gerentes.
  • Modelo de ciclo de vida para design de interação
    • Esse modelo incorpora a iteração e encoraja o foco centrado no usuário.
  • Modelo Simples de design de interação (Re) Design Identificar necessidades/ estabelecer requisitos Construir uma versão interativa Avaliar Produto final
  • Modelo de ciclo de vida em engenharia de software
    • Modelo Cascata
    • Modelo Espiral
    • Modelo de Desenvolvimento de Aplicações (RAD)
  • Modelo Cascata
  • Modelo Espiral
  • Modelo RAD
  • Modelo de ciclo de vida em IHC
    • Interação Homem-computador
        • Modelo de ciclo de vida Estrela
  • Modelo de ciclo de vida em IHC
    • Interação Homem-computador
        • Modelo de ciclo de vida da engenharia de usabilidade – abordagem mais estruturada – tradição da engenharia de usabilidade
  • Referências
    • PREECE, Jennifer; ROGERS, Yvonne; SHARP, Helen. Design de interação: além da interação homem-computador. Porto Alegre: Bookman, 2005. cap. 6. p. 161-217.