Your SlideShare is downloading. ×
Empreendedorismo significa empreender,
resolver um problema ou situação
complicada. É um termo muito usado no
âmbito empre...
que trabalhem neste setor. Podemos citar
também a área de telecomunicações, com o
avanço da telefonia, e tantas outras.
PR...
PLANO DE NEGÓCIO:
Verificaremos nesta webaula que o Plano de
Negócios faz parte do processo
empreendedor, ao proporcionar ...
Estabelecer uma comunicação
efetiva entre o público interno e o externo.
Muitos acham que um Plano de Negócios
destina-se ...
É uma sociedade constituída por pessoas
que mutuamente se obrigam a contribuir com
bens ou serviços para o exercício de
at...
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Empreendedorismo

1,975

Published on

Empreendimento

Published in: Education
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
1,975
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
22
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Transcript of "Empreendedorismo"

  1. 1. Empreendedorismo significa empreender, resolver um problema ou situação complicada. É um termo muito usado no âmbito empresarial e muitas vezes está relacionado com a criação de empresas ou produtos novos. Empreender é também agregar valor, saber identificar oportunidades e transformá-las em um negócio lucrativo. O conceito de empreendedorismo foi utilizado inicialmente pelo economista Joseph Schumpeter, em 1950. Empreendedorismo é criar riqueza através de novos produtos, novos métodos de produção, novos mercados, novas formas de organização etc. O empreendedor é responsável pelo empreendedorismo, para gerar lucro para a organização, e valor para o cliente. "Ser um empreendedor é executar os sonhos, mesmo que haja riscos. É enfrentar os problemas, mesmo não tendo forças. É caminhar por lugares desconhecidos, mesmo sem bússola. É tomar atitudes que ninguém tomou. É ter consciência de que quem vence sem obstáculos triunfa sem glória. É não esperar uma herança, mas construir uma história... Quantos projetos você deixou para trás? Quantas vezes seus temores bloquearam seus sonhos? Ser um empreendedor não é esperar a felicidade acontecer, mas conquistá-la." Características de um empreendedor Um empreendedor é um indivíduo que não espera as coisas acontecerem, mas é uma pessoa pró-ativa, ou seja, faz as coisas acontecerem. Um empreendedor está altamente motivado, tem boas ideias e sabe como implementá-las de forma a alcançar os seus objetivos. Um empreendedor é alguém que não tem medo de iniciar projetos de uma forma arrojada. Por esse motivo, é bastante comum um empreendedor assumir a direção de uma empresa. Alguém que empreende acredita no seu potencial, apresenta capacidade de liderança e consegue facilmente trabalhar em equipe. Além disso, o empreendedor sabe que um fracasso é apenas uma oportunidade de aprender e ser melhor, e não se deixa abalar com isso. Descrição de Observação Sistemática Observar aspectos, manter registros do que se percebe para chegar a conclusões sobre tópicos que deseja estudar e entender; Estuda-se uma hipótese como uma previsão ou explicação ainda não testada para uma série de fatos; Por meio da observação sistemática podemos coletar e analisar os dados para escolher a melhor explicação para a hipótese considerada. Descrição de Experimentação Experimentação: Método não tão eficaz para se estudar empreendedorismo. É possível usá-la em pesquisas relacionadas ao comportamento de indivíduos. Descrição do Método de Caso Reflexão (método de caso): Envolve a coleta de dados sobre uma organização ou sobre pessoas específicas; Informações são utilizadas para se chegar a conclusões sobre quais fatores influenciaram resultados importantes; Caso vilarejo do Sri Lanka (análise para identificar fatores responsáveis pelo sucesso/insucesso dos habitantes); Os métodos qualitativos permitem capturar a complexidade do processo empreendedor. Ser empreendedor significa saber encontrar e montar os recursos necessários para assumir o empreendimento, assumindo riscos financeiros e legais da propriedade e colhendo as recompensas, ou seja, os lucros do negócio. De acordo com Dornelas (2008, p. 21), ―[...] empreendedores são pessoas diferenciadas, que possuem motivação singular; apaixonadas pelo que fazem, não se contentam em ser apenas mais um na multidão, querem ser reconhecidas e admiradas, referenciadas e imitadas‖. O papel do empreendedor foi sempre fundamental na sociedade, ainda mais na atualidade, quando o avanço tecnológico tem sido tão rápido que requer um número maior de empreendedores. Juntamente com este avanço, a economia e os meios de produção também se sofisticaram, havendo agora então a necessidade de formalizar conhecimentos que antes eram obtidos empiricamente, pois a competição na economia força os empresários a buscarem novas formas de realizar lucros. O mito do empreendedor-herói é um fenômeno que surgiu devido à relevância das pequenas e médias empresas na economia brasileira (e também de outros países), o que provocou uma reorganização no mercado produtivo e financeiro destes países, muitos passando por períodos de recessão, levando ao fechamento ou desmonte de grandes organizações em unidade menores, e também a migração da ênfase no setor produtivo para o setor de serviços. Talvez por este motivo disseminou-se o mito do ―empreendedor-herói‖, ou seja, aquele que veio para enfrentar as grandes corporações e, com criatividade, determinação e flexibilidade, tornou-se o grande gerador de empregos. Neste sentido, os empreendedores aqui no Brasil conseguiram sobrepujar dificuldades de iniciar um empreendimento próprio sem o menor apoio ou incentivo, apenas com uma ideia na cabeça e muita disposição, tanto para aprender quanto para trabalhar e até mesmo errar, e, em muitos casos, recomeçar. Os empreendedores bem-sucedidos têm motivações diferentes, e medem as recompensas de várias formas: • Idealistas – recompensados pela oportunidade de trabalhar em algo novo e criativo; • Otimistas – têm satisfação pessoal por serem donos de uma empresa; • Trabalhadores aplicados – prosperam com o desafio de construir um negócio maior e mais rentável; • Malabaristas – possuem muita energia e adoram lidar com todos os detalhes de seu próprio negócio; • Sustentadores – aproveitam a oportunidade de conciliar o trabalho com a vida pessoal. Por muito tempo, a maioria das pessoas com emprego tem revelado secretamente para amigos próximos a sua intenção de largar o emprego e tentar a vida sozinho, ou com poucos sócios. Porém, até recentemente estes sonhos eram oprimidos; os tempos mudaram, com o aumento do desemprego causado por várias crises econômicas e pela globalização da economia. Qualquer indivíduo, em algum estágio de sua vida, será um empreendedor. Os empreendedores começam com uma visão, um sonho que às vezes parece inconcebível. Geralmente são pessoas descontentes com o emprego que têm e veem a oportunidade de reunir recursos para iniciar um novo empreendimento. Na atualidade, existem vários motivos para as pequenas empresas serem uma parte tão dinâmica na economia, dentre os quais destacam-se: • Mudanças econômicas: onde a demanda por serviços está em alta devido, principalmente, a uma economia globalizada e dinâmica. Tal situação tem proporcionado ótimas oportunidades de empreendimentos focados para pequenos negócios com menos de 100 funcionários, além da desregulamentação da economia realizada pelo governo, que removeu as barreiras para muitas atividades que antes eram ―monopolizadas‖. • Globalização: atualmente as grandes organizações estão em constante mudança, exigindo agora destas empresas uma postura empreendedora, fazendo com que as mesmas encontrem novas formas de fazer as coisas de forma mais rápida, melhor e mais barata. As empresas estão cortando custos, através da terceirização do trabalho para empresas menores, desfazendo-se, em alguns casos, de operações que são custosas para elas. • Tecnologia: O avanço da tecnologia gerou indústrias totalmente novas, dinâmicas e pujantes, bem como novos métodos de produzir bens e serviços, agora de maneira mais eficiente e eficaz. Quando falamos em tecnologia, não podemos ficar focados tão somente na área da computação, mas sim nas demais áreas, como a biotecnologia, por exemplo, onde notamos grande avanço na pesquisa do genoma humano, gerando assim oportunidades para que se criem empresas
  2. 2. que trabalhem neste setor. Podemos citar também a área de telecomunicações, com o avanço da telefonia, e tantas outras. PROCESSO EMPREENDEDOR A decisão de tornar-se um empreendedor pode ocorrer aparentemente do acaso, mas também surge devido a fatores externos, sociais e ambientais, bem como resultante de aptidões pessoais, ou um somatório de tudo isso. O processo empreendedor inicia-se quando um evento gerador desses fatores possibilita o início de um novo empreendimento. Quando falamos de inovação, a semente do processo empreendedor, a relacionamos basicamente à inovação tecnológica, pois ela tem sido o diferencial no desenvolvimento econômico em nível mundial. O talento empreendedor é resultado da percepção, direção, dedicação e muito trabalho, pois onde há talento há dedicação, oportunidade de crescer, de diversificar e desenvolver novos negócios. Sem talento, as ideias se assemelham a uma semente no deserto, ou seja, não vinga, pois não há água para que cresça. De acordo com Dornelas (2008, p. 27-28, grifo do autor), com base nestas premissas é possível definir as seguintes fases em um processo empreendedor: 1 Identificar e avaliar a oportunidade É a parte mais difícil, pois existe uma lenda ―... segundo a qual a oportunidade é como um velho sábio barbudo, baixinho e careca, que passa ao seu lado. Normalmente você não o nota... Quando percebe que ele pode ajudá-lo, tenta desesperadamente correr atrás do velho e, com as mãos, tocá-lo na cabeça para abordá-lo. Mas quando ¿nalmente você consegue tocá-lo na cabeça, ela está toda cheia de óleo e seus dedos escorregam, sem conseguir segurar o velho, que vai embora...‖ 2 Desenvolver o Plano de Negócios Talvez seja o que mais dê trabalho para os empreendedores de primeira viagem, visto que envolve vários conceitos que devem ser entendidos e expressos de forma escrita, em poucas páginas, dando forma a um documento que sintetiza toda a essência da empresa, sua estratégia de negócio, seu mercado e competidores, como vai gerar receitas e crescer etc. 3 Determinar e captar os recursos necessários É consequência do que foi feito e planejado no Plano de Negócios, uma vez que a captação dos recursos pode ser feita de várias formas e por meio de várias fontes distintas. Atualmente, com a globalização das economias e os mercados mundiais, e com a estabilização econômica do país, o Brasil passou a ser visto como um celeiro de oportunidades a serem exploradas pelos capitalistas, ainda mais com a elevação do país ao status de grau de investimento pelas agências internacionais que avaliam os riscos de investir nos países. Isso vem ocorrendo nos setores onde as empresas podem crescer rapidamente, como o de empresas de tecnologia, e já está mudando todo um paradigma de investimentos no Brasil, o que é saudável para o país e para os novos empreendedores que estão surgindo. 4 Gerenciar a empresa criada Parece ser a parte mais fácil, pois as outras já foram feitas. Mas não é bem assim, pois cada fase do processo empreendedor tem seus desa¿os e aprendizados, e, às vezes, o empreendedor identi¿ca uma excelente oportunidade, elabora um bom Plano de Negócios e ―vende‖ a sua ideia para investidores que acreditam nela e concordam em ¿nanciar o novo empreendimento. Porém, quando é hora de colocar as ações em prática, começam a surgir os problemas: os clientes não aceitam tão bem o produto, surge um concorrente forte, um funcionário- chave pede demissão, uma máquina quebra e não existe outra para repor, en¿m, problemas vão existir e precisarão ser solucionados. Aí é que entra o estilo de gestão do empreendedor na prática, que deve reconhecer suas limitações e saber, antes de qualquer coisa, recrutar uma excelente equipe de pro¿ssionais para ajudá- lo a gerenciar a empresa, implementando ações que visem a minimizar os problemas e identi¿cando o que é prioridade e o que é crítico para o sucesso do empreendimento. CARACTERÍSTICAS DO EMPREENDEDOR O empreendedor realmente é a pessoa que consegue fazer com que as coisas aconteçam, pois possui uma grande sensibilidade para negócios, tino comercial e financeiro e, também, uma grande capacidade de identificar oportunidades. Com isso, o empreendedor transforma ideias em algo real, palpável, tanto para seu benefício como para a sociedade. Com criatividade aliada a um elevado nível de energia, o empreendedor mostra tanto sua perseverança como sua imaginação para transformar uma ideia simples e mal estruturada em algo concreto e de sucesso no mercado. Schumpeter (apud CHIAVENATO, 2006, p. 5) afirma que ―o empreendedor é a pessoa que destrói a ordem econômica existente graças à introdução no mercado de novos produtos/serviços, pela criação de novas formas de gestão ou pela exploração de novos recursos materiais e tecnologias‖. Assim sendo, o empreendedor é a essência da inovação no mundo. Porém, nem todo empreendedor busca um novo objetivo ou meta na sua vida, uma vez que há pessoas que entram em negócios para escapar de algum fator ambiental, ou seja, fatores ambientais que encorajam ou impulsionam as pessoas a iniciar novos negócios. Knight (apud CHIAVENATO, 2006, p. 7) ―os definiu como empreendedores de refugiados‖. Para ele, existem vários tipos de refugiados, e ele os classificou conforme o Quadro 1.
  3. 3. PLANO DE NEGÓCIO: Verificaremos nesta webaula que o Plano de Negócios faz parte do processo empreendedor, ao proporcionar uma ferramenta para o planejamento e desenvolvimento do negócio, ou seja, explorar em um relatório as potencialidades e riscos inerentes ao empreendimento. Através do Plano de Negócios o empreendedor poderá planejar suas ações, tomar as decisões e determinar as ações da sua empresa, identificando os riscos e ameaças, propondo medidas para minimizá-los, verificar as oportunidades, pontos fortes e pontos fracos em relação ao seu concorrente e o ambiente em que está inserido. No Plano de Negócios deverão constar as informações necessárias para a avaliação da evolução do empreendimento, iniciando com as mais pessoais, as informações do empreendedor, para que seja traçado o seu perfil, seu interesse, objetivos e outros. Também deverá conter: o nome do projeto ou da empresa; resumo do projeto (será a última parte) relatando os propósitos do Plano de Negócios e os objetivos da empresa; levantamento completo sobre o mercado em que a empresa será (ou está) inserida, relatando as necessidades do cliente, informações referentes ao fornecedor e identificar os concorrentes diretos. É preciso ainda realizar a descrição da empresa, relatar seus pontos fortes e fracos – sugerindo ações para maximizar os pontos fortes e minimizar os pontos fracos; explicar o porquê do produto ou serviço ou a mudança empresarial proposta obterem sucesso – informando as suas oportunidades e localização da empresa – relatando se o local é estratégico, permite alterações (se permitir, quais serão realizadas). Apoiado no diagnóstico organizacional descrito na unidade de estudo anterior, após os dados relatados acima, outros itens do Plano de Negócios serão: a elaboração de um plano para as atividades de marketing e vendas, relato contendo as informações de cada um dos setores da organização, as atuais necessidades de fundos e projeções financeiras e alguns dados operacionais a serem incluídos como anexo. IMPORTÂNCIA DO PLANO DE NEGÓCIOS Devido a programas específicos de capacitação de empreendedores, o Plano de Negócios tornou-se o foco principal, porém deve-se tomar cuidado em não colocar números fora da realidade, recheando-o de entusiasmo, pois, pior que não planejar é fazê-lo de forma errada e, ainda, de forma consciente. O Plano de Negócios pode e deve ser usado por todo e qualquer empreendedor que queira transformar seu sonho em realidade, seguindo um caminho logico e racional. Mas apenas a razão e o raciocínio logico não são suficientes para determinar o sucesso do negócio, pois a arte de administrar não seria mais arte, e assim não passaria de seguir uma atividade preestabelecida, onde o administrador nunca utilizaria o seu feeling de administrador. Existem algumas atividades que devem ser seguidas por todo empreendedor, onde a arte está no fato de como o empreendedor traduzirá esses passos em um documento que resume e explore as potencialidades do negócio, juntamente com os riscos inerentes a ele. O Plano de Negócios é uma ferramenta que se aplica tanto no lançamento de novos empreendimentos quanto no planejamento de empresas maduras. Geralmente é escrito como parte dos requisitos de aprovação de um empréstimo, ingresso em incubadoras, financiamentos governamentais, etc., onde é feito apenas para essa finalidade, às pressas, sem muito aprofundamento e recheado de números fantasiosos. É necessário então conscientizar-se de que o Plano de Negócios deve ser o cartão de visitas do empreendedor, podendo ser também seu cartão de desqualificação. Para ser um cartão de visitas, o mesmo deve sempre ter à mão o Plano de Negócios de seu empreendimento, elaborado de maneira cuidadosa e sempre estar atualizado, uma vez que o ato de planejar é dinâmico e corresponde a um processo cíclico. Todo Plano de Negócios deve ser elaborado e utilizado seguindo algumas regras, mas que não são estáticas e dão ao empreendedor meios para usar sua criatividade ou seu bom senso, dando ênfase a um ou outro aspecto que mais interessa ao público-alvo do Plano de Negócios em questão. Em caso de empresas já consolidadas, o mesmo deve mostrar não apenas aonde a empresa quer chegar, mas também como ela está no momento, apresentando os dados dos seus atuais indicadores de desempenho. Outro ponto importante é que ele não deve estar apenas focado no aspecto financeiro, devendo também se ater a indicadores de mercado, capacitação interna e operacional, ou seja, fatores que mostram a capacidade da empresa em alavancar os seus resultados financeiros no futuro. O QUE É UM PLANO DE NEGÓCIOS? É o estudo de viabilidade de seu empreendimento, ou seja, analisa-se se será viável, ou não, nosso empreendimento. É o documento que descreve o que você planeja fazer, qual o rumo a seguir. É um estudo que devemos realizar com a máxima cautela, pois afinal, esse plano irá ajudar você na realização das melhores tarefas essenciais para sua empresa, como, por exemplo: na busca de um novo sócio, fazer um empréstimo bancário, atrair investidores potenciais. Segundo Dornelas (2008) o Plano de Negócios é uma ferramenta de gestão usada para descrever seu negócio, sendo um importante documento, através do qual o empreendedor consegue planejar e tomar decisões a respeito do futuro da empresa, tornando-se um poderoso guia que norteará todas as ações de seu negócio. Muitos acreditam que somente deve realizar um Plano de Negócios quem está abrindo um novo empreendimento. Cabe, aqui, então, esclarecer que o Plano de Negócios pode e deve ser utilizado por qualquer empresa, independentemente do seu porte e do seu segmento. E não somente para a criação de um novo negócio. Assim, uma empresa que já esteja estabelecida, e que pretenda ampliar seus negócios, pode fazer uso deste instrumento para buscar novos sócios, fazer um empréstimo, atrair novos investidores potenciais, como também na construção de uma boa imagem junto aos funcionários, fornecedores, clientes e comunidade. Dornelas (2008) diz que o Plano de Negócios é um documento usado para descrever um empreendimento e o modelo de negócio que o sustenta. Sua elaboração envolve um processo de aprendizagem e autoconhecimento, permitindo ao empreendedor situar-se no seu ambiente de negócio. Os aspectos-chave que devem ser focados em um Plano de Negócios são: 1. Em que negócio você está? 2. O que você realmente vende? 3. Qual é o seu mercado- alvo? Segundo Chiavenato (2007, p. 132), ―O Plano de Negócios — business plan — descreve a ideia de um novo empreendimento e projeta os aspectos mercadológicos, operacionais e financeiros dos negócios propostos, geralmente, para os próximos três ou cinco anos. Seu preparo permite a análise da proposta e ajuda o futuro empreendedor a evitar uma trajetória decadente que o levará do entusiasmo à desilusão e ao fracasso‖. Neste momento, imagino que sua cabeça deve estar cheia de pensamentos acerca deste objetivo que você realizou. E, com certeza, você elencou várias atividades ou ações que teve que fazer para atingir seu objetivo. Com as organizações isto não é diferente. As organizações também necessitam estabelecer objetivos para conquistar, e, para isto, elas devem planejar. É através da realização do planejamento e de uma excelente execução que as organizações vão obtendo suas conquistas. Segundo Dornelas (2006, p. 99), de acordo com estudos da Harvard Business School, ―[...] um Plano de Negócios deve ser escrito porque aumenta em 60% as chances de sucesso do negócio, sendo assim a empresa deverá lucrar mais, na média, se o empreendedor dispor de um planejamento adequado‖. Com o uso do Plano de Negócios, o empreendedor pode: Entender e estabelecer as metas e objetivos para o seu negócio; Gerenciar de forma mais eficaz a empresa tomando decisões mais acertadas; Monitorar o dia a dia da empresa e, quando necessário, tomar ações corretivas; Buscar financiamentos junto a instituições financeiras, governo, órgãos fomentadores do empreendedorismo, investidores, capitalistas de risco, etc...; Identificar oportunidades e transformá-las em diferenciais competitivos para o negócio;
  4. 4. Estabelecer uma comunicação efetiva entre o público interno e o externo. Muitos acham que um Plano de Negócios destina-se unicamente a investidores e bancos, porém vários são os públicos-alvo de um Plano de Negócios, dentre os quais: Mantenedores de incubadoras: essenciais para a liberação de financiamento. Ex: governo, associações, etc. Parceiros estratégicos: necessários para definição de estratégias e discussão de formas de cooperação entre as partes; Bancos: são os que fazem a liberação de financiamentos de máquinas e equipamentos, capital de giro, imóveis, etc.; Investidores: capitalistas de risco, pessoas físicas, bancos de investimentos, angels, BNDES, governo, etc.; Fornecedores: importantes para negociação na compra de mercadorias, matéria-prima, etc.; A empresa internamente: importante para o estabelecimento da comunicação interna entre gerência com o Conselho de Administração e com os colaboradores; Clientes: essenciais para venda do produto e/ou serviço e publicidade da empresa; Sócios: usados para o convencimento em participar do negócio e formalização da sociedade. Segundo Dornelas (2008) 70% das micro e pequenas empresas encerram suas atividades nos primeiros anos de negócio, sendo que as principais causas são: a ausência da realização de um planejamento adequado ao negócio, problemas encontrados na gestão da empresa (fluxo de caixa, comercialização do produto, desenvolvimento de produto, entre outros), poucas políticas de apoio às micro e pequenas empresas, ambiente econômico e problemas pessoais. Dornelas (2008) comenta que o Plano de Negócios é uma ferramenta de gestão usada para descrever seu negócio. Um importante documento, através do qual você consegue planejar e tomar decisões a respeito do futuro de sua empresa, tendo como base o seu passado, sua situação atual em relação ao mercado, aos clientes e à concorrência. Um poderoso guia que norteará todas as ações de sua empresa. Com o Plano de Negócios é possível identificar riscos, ou seja, ameaças, e propor medidas para minimizá-las, como também identificar oportunidades; os pontos em que está inserido; conhecer seu próprio negócio e definir estratégias de marketing para seus produtos e serviços; analisar a performance financeira, avaliar investimentos e o retorno sobre o capital aplicado. Podemos verificar que na literatura temos diversos conceitos a respeito de Planos de Negócios, porem neste contexto considero que o mesmo é um documento que agrega e organiza informação prática e atualizada para a constituição de um projeto ou para a solução de seus problemas. Neste interim, um Plano de Negócios eficiente contem uma gama informações a respeito dos processos do negócio em si – características, partes envolvidas, oportunidades, restrições, ameaças, pontos fortes e fracos, previsões e projeções financeiras, análise do mercado, analise de fornecedores, analise de concorrência e de parceiros comerciais, etc... Em suma dados, dados, dados! Assim sendo você necessita obtê-los de forma atualizada e suficientemente precisa, caso contrário, seu Plano de Negócios terá pouca valia. E é sobre isso que trataremos a seguir. Vale a pena lembrar que um plano de negocio e é um documento vivo, que é adaptável a novas situações e um dos seus principais objetivos é o de a equipe, os investidores, bancos, fornecedores, parceiros comerciais e até mesmo os clientes de que o seu negócio é viável e pode ser vantajoso a eles. O projeto deve ser objeto de um estudo de rentabilidade, no sentido de verificar se as receitas, líquidas de despesas associadas ao projeto de investimento, compensam ou não o montante inicialmente gasto... Uma grande dificuldade enfrentada é em consequência da natureza dos planos de negócios. Tratam de ideias ainda não realizadas e, assim, não podem se basear em históricos ou em estatísticas próprias para realizar sua previsão. O maior desafio esta em obter dados de organizações do mesmo ramo de atividades, ou extrapolar a partir de outros dados, de forma consistente, objetiva e convincente. Dê toda a atenção que for necessária ao sumário executivo, pois ele é uma das últimas partes a concluir, mas deve estar bem no início do documento. Muitas pessoas lerão apenas o resumo e avaliarão por ele se o seu negócio vale ou não a busca de maiores detalhes. Conquiste o leitor em cada linha do seu resumo! Fale, nele, sobre os objetivos, as razões de sucesso, e apresente os números principais, sem exagerar na densidade das informações. conhecer seus competidores bem como as suas estratégias de negócios? <<<<<<< .mine QUESTÕES LEGAIS Ao pensarmos em iniciar/abrir um negócio ou ampliar seu negócio atual, torna-se necessário saber inicialmente com quem poderemos contar e com quem enfrentaremos os futuros desafios, ou seja, quem são os nossos aliados. Você, como empreendedor, pode fazer todo o trabalho sozinho, mas também contar com aliados: os sócios do negócio. Há várias formas jurídicas para abrir uma empresa, com diferentes tipos de sócios, dentro da legislação sobre o assunto, agora modificada pelo novo Código Civil. Para que você possa iniciar as atividades e operações da empresa, é necessário que a mesma seja legalmente estabelecida e constituída. A legislação brasileira distingue as pessoas físicas das pessoas jurídicas. Onde a pessoa física é o indivíduo ou pessoa individual com seus direitos e obrigações perante o Estado. Já a pessoa jurídica é uma associação de duas ou mais pessoas em uma entidade, com seus direitos e obrigações próprios e, desta forma, distintos daqueles indivíduos que a compõem. Toda empresa funciona como uma pessoa jurídica, qualquer que seja a sua constituição jurídica. A CONSTITUIÇÃO JURÍDICA DE UMA EMPRESA Como já sabemos, as empresas podem assumir diferentes formas e tamanhos, porém, do ponto de vista jurídico, as sociedades empresariais são classificadas em duas formas jurídicas básicas: o empresário e a sociedade empresária. A forma empresária é representada por um único proprietário; já a sociedade empresária é decorrência da associação de duas ou mais pessoas, que constituem uma entidade com personalidade jurídica distinta daquela dos indivíduos que a compõem. EMPRESÁRIO É o conceito que reúne dois elementos conjuntos: atividade econômica e um estabelecimento. Desta forma, o empresário exerce profissionalmente uma atividade econômica organizada para a produção ou circulação de bens ou serviços, substituindo o conceito de firma individual do velho Código Comercial. Assim sendo, uma situação em que a empresa é representada por um único empresário ou proprietário, que responde totalmente pelos seus negócios. Geralmente trata-se de uma pequena empresa, na qual o proprietário toma todas as decisões e dirige a empresa sozinho ou com alguns poucos empregados. O capital da firma individual é oriundo de recursos próprios ou de empréstimos em curto prazo. A quantidade de firmas individuais que existem no mercado é impressionante, mas no que diz respeito ao volume de faturamento de todas as empresas no país, a sua participação é relativamente pequena. De acordo com o novo Código Civil, algumas mudanças ocorreram. O Estatuto da Micro e Pequena Empresa (MPE) e o Simples conceituam micro e pequena empresa, porém nada comentam sobre o termo ―pequeno empresário‖. O novo Código Civil oferece algumas vantagens ao pequeno empresário, porém não o define nem estabelece se o porte relaciona-se às MPEs do Estatuto (Lei nº 9.841/99) ou do Simples (Lei nº 9.317/96). Ainda segundo o novo Código Civil, o empresário é o nome dado à empresa individual. Uma sociedade forma-se quando duas ou mais pessoas se associam e constituem uma entidade com personalidade jurídica distinta daquela dos indivíduos que a compõem. As sociedades são também chamadas de sociedades comerciais ou sociedades de pessoas. Sociedades são empresas constituídas de dois ou mais proprietários que se associam no mesmo negócio, com o objetivo de obter lucro. Segundo o novo Código Civil, há duas espécies de sociedades: a sociedade simples e a sociedade empresária. SOCIEDADE SIMPLES
  5. 5. É uma sociedade constituída por pessoas que mutuamente se obrigam a contribuir com bens ou serviços para o exercício de atividade econômica e a dividir entre si os resultados, não tendo por objeto o exercício de atividade própria de empresário. A sociedade simples é considerada pessoa jurídica e substitui o antigo conceito de empresa individual e também a antiga sociedade de capital e indústria, que deixa de existir. A administração da sociedade simples envolve novos aspectos, onde o sócio- gerente deixa de ser o principal responsável pelos atos da empresa e passa a ter uma função secundária, isto é, passa a ser o subordinado do administrador, pessoa que pode, se quiser, nomear o empregado de sua confiança para exercer a função de gerente. SOCIEDADE EMPRESÁRIA As empresas com forma jurídica de sociedade empresarial podem apresentar-se sob diferentes formas, de acordo com os interesses dos sócios e também do tipo do negócio. A sociedade empresária é aquela que exerce profissionalmente atividade econômica organizada para a produção ou circulação de bens ou de serviços, constituindo elemento de empresa. É considerada pessoa jurídica. No Quadro 1 demonstramos as principais formas de sociedade empresária. Quadro 1 – Formas de sociedade empresária A BUSCA DE FINANCIAMENTO Muitos empreendedores dizem que, no Brasil, obter financiamento é algo muito complicado, devido às exigências estabelecidas pelos agentes financiadores (bancos, financeiras, etc.) e também por causa das altas taxas de juros cobradas e pela dificuldade em honrar os pagamentos depois de concretizado o acordo. O Brasil não é um exemplo de financiador de pequenas empresas, porém algumas atitudes por parte do empreendedor também deveriam ser tomadas para mudar tal cenário. O empreendedor deve utilizar a sua capacidade de planejar e a habilidade de negociação e também seu networking no intuito de identificar as melhores alternativas no mercado para injetar capital em seu negócio. Os tipos de financiamento são divididos em dívida (dinheiro emprestado é obtido junto com alguma garantia dada) ou equidade (é uma quantia de capital injetado na empresa em forma de ativo). Na maior parte dos negócios faz-se a opção por dívidas de longo prazo ou por equidade de capital, a fim de preparar o crescimento da empresa. A grande vantagem do empréstimo é que o processo é simples e rápido, onde o empreendedor não precisa abrir mão das ações da empresa, isto é, ter vários sócios, como na equidade. A desvantagem está no risco envolvido quando se contrai uma dívida muito maior, uma vez que não se tem certeza de que o negócio vai crescer o suficiente para horar seus compromissos. Neste caso, não há uma regra que defina qual a melhor opção. Os empreendedores de sucesso combinam a dívida com a equidade, e para tanto o mesmo deve conhecer as opções existentes, bem como os riscos envolvidos. Em um negócio no estágio inicial, geralmente as melhores opções para os empreendedores são os empréstimos e as economias pessoais da família e amigos,angel investors (pessoas físicas), entrar em incubadoras de empresas, programas governamentais, etc. (Quadro 2), uma vez que os bancos, as financeiras e empresas de leasing exigem altas taxas de juros para efetuar os empréstimos, o que inviabilizaria o empreendimento. Em qualquer modalidade, o Plano de Negócios é a principal ferramenta que o empreendedor possui para a busca de capital, pois é pela análise dele que os investidores irão decidir ou não por aplicar recursos na empresa. Quadro 2 – Opções para a obtenção de financiamento inicial INCUBADORAS DE EMPRESAS As incubadoras são empresas sem fins lucrativos destinadas a amparar o estágio inicial de empresas nascentes que se enquadram em determinadas áreas de negócio. Também podem ser definidas como um ambiente flexível encorajador, onde são oferecidas facilidades para a instalação e crescimento de novos empreendimentos, além de proporcionar assessoria na gestão técnica e empresarial do novo negócio. A incubadora oferece a possibilidade de serviços compartilhados, tais como laboratórios, telefone, internet, fax, copiadoras, correios, água, luz, segurança, aluguel de área física etc. Desta forma, uma incubadora é um mecanismo de aceleração do desenvolvimento de empreendimentos, geralmente mantido por entidades governamentais, universidades, etc. FRANQUIA (FRANCHISING) A franquia refere-se ao licenciamento do uso de marcas. Constitui a transferência para um segundo empresário de toda a história de sucesso de determinada marca, incluindo, entre outros itens, o repasse de informações nos campos de tecnologia, gestão do negócio, treinamento e merchandising. Franqueador é quem concede e vende a franquia, seja pessoa física ou jurídica. Geralmente, o franqueador desenvolve e experimenta na prática o conceito do negócio e a tecnologia de operação que o envolve, e concede a franquia, autorizando o franqueado a fazer uso dela na implantação, administração e operação de um negócio que deverá funcionar de acordo com aquele conceito. Franqueado é quem adquire a franquia, seja pessoa física ou jurídica, pagando ao franqueador, quase sempre, uma taxa inicial, além de royalties periódicos e outros valores. O franqueado é o responsável pela instalação, operação e administração da franquia, atuando conforme as normas ditadas pelo franqueador. Ele banca todos os custos de instalação e todas as despesas de operação e administração da franquia. Segundo Stewart (apud DORNELAS, 2001), o administrador é semelhante ao empreendedor, pois ambos compartilham de três características principais: demandas, restrições e alternativas. Mas Dornelas (2001) tem uma visão diferente, ao afirmar que "todo empreendedor necessariamente deve ser um bom administrador para obter sucesso, no entanto, nem todo bom administrador é um empreendedor." Sendo assim, podemos dizer que o administrador é orientado para o planejamento e controle, é mais centrado em como melhorar os processos, as análises e a qualidade da empresa. Já o empreendedor é visionário, diferenciado, apaixonado pelo que faz, possuindo uma motivação singular, não quer ser mais um na multidão, ao contrário, quer ser reconhecido e admirado. É por meio de uma idéia que o empreendedor inova.

×