Planejamento

21,036 views
20,904 views

Published on

Projeto Experimental - BIC
Ag. Criaativa

Published in: Economy & Finance, Business
0 Comments
6 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
21,036
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
10
Actions
Shares
0
Downloads
96
Comments
0
Likes
6
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Planejamento

  1. 1. 3.1 Análise Situacional3.1.1 Ambiente econômico O Brasil começou o ano se recuperando da crise imobiliária que seiniciou nos Estados Unidos e afetou o mundo todo. Considerando a crise o paísfoi um do menos afetados e começou a se reerguer no final do ano passado ehoje mostra números expressivos em seu ambiente econômico. O Índice de Atividade Econômica da instituição (IBC-Br) do BancoCentral, mostra que a economia brasileira continuou a se acelerar este ano.Durante o ano o indicador (após ajustes sazonais) registrou aumento de 0,27%.O índice vem crescendo desde janeiro de 2009. Os números do BC (BancoCentral) mostram que a atividade cresceu fortemente de janeiro a abril de2010, na comparação com igual período do ano de 2009 – quando a economiabrasileira sentiu os efeitos da crise financeira internacional. Nesta comparação,o indicador avançou 10,5%, também após ajustes sazonais.Na comparação de abril deste ano, contra o mesmo mês de 2009, ocrescimento do IBC-Br foi de 10,87%. O IBC-Br é um indicador criado para tentar antecipar o resultado doProduto Interno Bruto (PIB) e ajudar a autoridade monetária na definição dataxa básica de juros (Selic). O índice do BC incorpora estimativas para aagropecuária, da indústria e do setor de serviços, além dos impostos. Em maio, antes da divulgação do resultado do PIB, o BC informou que oIBC-Br avançou 9,84% no primeiro trimestre, sobre igual período do anopassado. Posteriormente, o IBGE informou que o PIB avançou 9% nestacomparação. O IBC-Br também é uma das ferramentas utilizadas pelo Banco Centralpara definir a taxa básica de juros da economia brasileira. Atualmente, os jurosbásicos estão em 10,25% ao ano, após duas elevações seguidas de 0,75 pontopercentual cada.
  2. 2. O BC vai manter a taxa básica de juros em 10,75% ao ano até o fim de2010, retomando o ciclo de aperto monetário no início de 2011, com duas altasde 0,5 pontos percentuais.IPCA-15 e IPCA-E O Índice de Preços ao Consumidor Amplo-15 (IPCA-15) teve variação de0,19% em junho, taxa inferior à de maio (0,63%). Com esse resultado, avariação do IPCA-E (acumulado do IPCA-15) ficou em 1,30% no segundotrimestre deste ano, pouco abaixo do segundo trimestre de 2009 (1,33%), efechou o primeiro semestre de 2010 com 3,35%, resultado superior ao de igualperíodo do ano anterior (2,49%). Considerando os últimos 12 meses, o índiceficou em 5,06%, abaixo dos 12 meses imediatamente anteriores (5,26%). Emjunho de 2009, o IPCA-15 havia sido 0,38 %. Vindo da alta de 1,00%, registrada no mês de maio, para uma queda de0,42% em junho, o grupo alimentação e bebidas constituiu-se no responsávelpela forte desaceleração do IPCA-15 de um mês para o outro. Excetuando-seapenas as regiões metropolitanas de Recife e Belém, onde os alimentosmostraram relativa estabilidade (0,04% e 0,01%, respectivamente), nas demaisáreas os preços estiveram em queda, chegando a -0,87% em Belo Horizonte. Alguns alimentos ficaram bem mais baratos, como tomate (de -11,08%em maio para -16,30% em junho), batata inglesa (de 17,83% para -11,06%),açúcar cristal (de -2,71% para -11,76%) e refinado (de -0,22% para -9,49%).Além disso, o feijão carioca (de 31,75% em maio para 6,66% em junho) eoutros feijões subiram bem menos. Entretanto, mesmo com os alimentos semqueda, o item refeição fora teve aumento de 0,95% em junho, repetindo avariação registrada em maio, e ficou com a maior contribuição no mês: 0,04pontos percentual. Conforme mostra a tabela a seguir, não só o grupo dos alimentosdesacelerou de um maio para junho.
  3. 3. Apenas os artigos de residência (de 0,03% em maio para 0,73% emjunho), com destaque para eletrodomésticos (de 0,73% para 0,98%) emobiliário (de -0,23% para 0,91%), e o grupo das despesas pessoais (de0,58% para 0,61%) apresentaram resultados superiores aos de maio. O itemcigarro, com variação de 1,88%, em razão de reajuste de preços nas marcasde um dos fabricantes, foi destaque nas despesas pessoais. Com isso, o agrupamento dos não alimentícios teve variação de 0,37%em junho, abaixo dos 0,52% de maio. O litro do etanol (de -2,87% para -7,59%) ficou ainda mais barato,influenciando os preços da gasolina (de 0,45% para -0,69%). Outros produtos eserviços também apresentaram menor ritmo de crescimento de maio parajunho, a exemplo dos remédios (de 2,14% para 0,84%) e dos salários dosempregados domésticos (de 1,12% para 0,58%). Dentre os índices regionais, os maiores foram os de Brasília e Salvador,ambas com 0,41%. Em Brasília, sobressaíram as passagens aéreas, cuja altade 13,44% levou à contribuição de 0,16 pontos percentual na área. EmSalvador, aumentos na energia elétrica (2,38%) e na taxa de água e esgoto(3,83%), com 0,06 ponto percentual cada, geraram contribuição de 0,12 pontopercentual. O menor índice regional foi registrado na região metropolitana dePorto Alegre (-0,04%), destacando-se a queda de 0,72% nos preços dosalimentos. Para o cálculo do IPCA-15, os preços foram coletados no período de 14de maio a 14 de junho e comparados com aqueles vigentes de 14 de abril a 13de maio. O indicador refere-se às famílias com rendimento de 1 a 40 saláriosmínimos e abrange as regiões metropolitanas do Rio de Janeiro, Porto Alegre,Belo Horizonte, Recife, São Paulo, Belém, Fortaleza, Salvador e Curitiba, alémde Brasília e Goiânia. A metodologia utilizada é a mesma do IPCA; a diferençaestá no período de coleta dos preços.Fonte: IBGEEmprego e renda
  4. 4. O IBGE divulgou que, em junho, o emprego na indústria registrouresultados positivo consecutivo ao avançar 0,5%. Na comparação com 2009, aalta foi de 4,9%, a mais elevada desde o início da série histórica, em 2001. Nosegundo trimestre como um todo, no entanto, o ritmo de crescimento foi menordo que no primeiro (1,6% contra 1,3%). Com esses resultados divulgados, o indicador acumula aumento de2,4% no primeiro semestre. O rendimento médio real dos trabalhadores das seis principais regiõesmetropolitanas do país encolheu 0,9% em maio na comparação com abril. Essafoi a primeira retração registrada no ano, aponta o IBGE (Instituto Brasileiro deGeografia e Estatística).De abril para maio, a renda cresceu apenas para os trabalhadores da indústria(3,7%) e da construçao (2,1%). O Dieese calcula todo o mês um valor “ideal” do salário mínimo, levandoem conta o preceito constitucional sobre o atendimento das necessidadesbásicas de alimentação, moradia, saúde, educação, entre outros itens.
  5. 5. Em junho, esse valor estimado atingiu R$ 2.092,36, ou 4,1 vezes o atualsalário mínimo. Em maio, o salário mínimo “ideal” foi calculado em R$ 2.157,88e em junho do ano passado, R$ 2.046,99. A quantidade de trabalhadores sem ocupação aumentou levemente emmaio. Mesmo assim, foi o menor índice para o mês desde 2002. A taxa de ocupação subiu 0,2%, para 7,5% – o menor nível para um mêsde maio desde o início da PME (Pesquisa Mensal de Emprego) do IBGE. Ocontingente de desocupados ficou em 1,8 milhão e a de ocupados, em 21,9milhões. Cerca de 1,8milhão de pessoas foi o contingente dedesempregados registrado no mês de maio no país, segundo o IBGE.Varejo As vendas no comércio no país em junho cresceram 1%, na comparaçãocom maio, segundo dados divulgados nesta quarta-feira pelo IBGE (InstitutoBrasileiro de Geografia e Estatística). O resultado completa dois mesesconsecutivos de crescimento no volume de vendas após a forte queda do mêsde abril. Em relação a junho de 2009, houve alta de 11,3%. No acumulado dejaneiro a junho, houve avanço de 11,5% na comparação com igual intervalo noano passado. No acumulado dos últimos 12 meses até junho, as vendascresceram 9,3%. O resultado do semestre é o melhor de toda a série histórica, iniciada em2001, superando inclusive o segundo semestre de 2009, que alcançou 7,2%. OIBGE ressaltou que no primeiro semestre de 2009 a economia brasileira sofriaa influência da crise financeira internacional. Somente em meados do segundosemestre daquele ano que a economia começa a se estabilizar, com suasatividades se aproximando dos patamares do período pré-crise. A receita nominal de vendas no comércio teve expansão de 0,5% emjunho, na comparação com o mês anterior. Em relação a junho de 2009, a
  6. 6. receita do comércio aumentou 14%, com destaque para o setor deequipamentos e material para escritórios, informática e comunicação, quecresceu 5,4%, com ajuste sazonal. As vendas no comércio varejista ampliado --que inclui ainda odesempenho das vendas de veículos e motos, partes e peças e material deconstrução apenas no varejo-- subiram 0,8% em junho, frente a maio. Nacomparação com junho de 2009, houve alta de 6,9%. As vendas de veículos e motos, partes e peças caíram 0,6% nacomparação com maio, e 9,5% ante o mesmo mês do ano passado.Já as vendas de material de construção no varejo registraram retração de 3,1%sobre maio, mas subiram 12,2% sobre junho de 2009. Na comparação com junho de 2009, todas as atividades pesquisadasregistraram crescimento no volume de vendas. No confronto com maio, cincodas 10 atividades subiram.SUPERMERCADO A categoria que inclui supermercados, hipermercados respondeu por50% do crescimento do varejo em junho. O setor cresceu 1,5% em volume devendas em relação a maios. Contra junho de 2009, o desempenho teveexpansão de 11,9%. Os números mostram o varejo voltando a crescer, comose esperava, recuperando toda a queda do ano passado, alimentado peloaumento da renda, do emprego e ampliação do crédito.Economia Mudial Dados dos últimos dias mostram queda de produção industrial,investimentos, vendas no varejo, importação e exportação. A China estácomeçando a desacelerar. O crescimento no primeiro trimestre foi de11,9%. No segundo, de 10,3%. A previsão de uma consultoria para o últimotrimestre é de 9%. E para o ano que vem, um crescimento do PIB de 8,3%.
  7. 7. Os números continuam sendo fortes, mas para a China, é pouco. Muitasmudanças estão ocorrendo lá, como por exemplo, o movimento trabalhista. Hámuitas greves, exigências de aumento de salários, que já subiram 17%. Isso ébom. Tudo o que acontece na China reflete aqui no Brasil, porque vendemosmuito para o país. O minério de ferro está puxando a exportação brasileira esteano, porque a China aumentou a importação. Mas o país está fechando duas mil indústrias do setor da indústriapesada por razões ambientais. É uma briga entre as províncias, que nãoquerem o fechamento, e o governo central, que manda fechar por serempoluidoras. Os Estados Unidos estavam crescendo, mas sem criação de emprego.Isso significa que o empresário estava com medo de que a recuperação não sesustentasse. Realmente, no segundo trimestre, os dados são de desaceleraçãoforte dessa recuperação, tanto que o Banco Central americano soltou umrelatório dizendo que a recuperação está muito pior do que se imaginava. Ou seja, as duas maiores economias do mundo estão com dificuldades,com problemas nesse momento. Quando saem notícias ruins sobre a economia internacional, algunscomeçam a falar de duplo mergulho, uma volta do ambiente de crise, enquantooutros dizem que é assim que a economia se comporta na volta de umarecessão. No começo do ano, todo mundo estava satisfeito, porque algumaseconomias se recuperavam, mas no segundo trimestre, tivemos notícias ruinsde desaceleração, o que afetou o mercado. Os EUA tiveram queda daexportação, aumento grande do déficit comercial, porque eles não estãoconseguindo competitividade. Tudo isso aumenta a preocupação com a economia internacional, quecontinua complicada mesmo. O Brasil vai bem, mas o mundo está esquisito. Osprincipais pontos de preocupação envolvem as duas maiores economias domundo: os EUA não estão conseguindo se recuperar e a China começa a
  8. 8. desacelerar. Não vai haver uma crise como a de 2008, mas teremos mais umperíodo de redução do ritmo de crescimento mundial.3.1.2 Ambiente DemograficoCusto de vida tem variações distintas segundo a renda De acordo com cálculos realizado pelo DIEESE (Departamento deIntersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômico ) em julho, a inflaçãomedida no município de São Paulo teve aumento de 0,14%, com alta de 0,12pontos percentuais (pp) em relação a junho (0,02%), de acordo com o Índice doCusto de Vida ICV .Os dados do mês mostraram significativa diferença nastaxas, segundo o poder aquisitivo das famílias,sendo ligeiramente negativanas famílias com renda média de R$377.49(variação de -0,01%), pequena paraas com rendimento médio de R$ 934,17 (0,05%) e bem maior para as queganham em média R$ 2.792,90 (0,21%) Os principais aumentos foram verificados nos grupos Habitação (0,85%) eSaúde (1,03%).Despesas Pessoais (0,54%) e Transporte (0,07%) registraramtaxas mais baixas, enquanto ocorreram variações negativas para Alimentação(- 0,77%), Vestuário (- 0,62%) e Equipamento Doméstico(- 0,49%). A alta na habitação foi resultado dos reajustes nos subgrupos locação,impostos e condomínio(1,76%) e conservação do domicílio (2,08%), o primeirodevido ao aumento dos aluguéis (3,08%) e o segundo, conseqüência, da mãode obra da construção civil (3,20%); apenas estes dois itens contribuíram com0,15 pp no cálculo da taxa de julho. No grupo saúde, foi verificado aumento no subgrupo referente àassistência médica (1,25%) resultado, principalmente, do reajuste no itemseguro e convênio médico (1,33%) que, sozinho,contribuiu com 0,12 pp para ainflação de julho. O subgrupo dos medicamentos e produtos farmacêuticos(0,18%) teve pouca alteração em seus valores.
  9. 9. Os gastos com alimentação (- 0,77%) registraram a maior variaçãonegativa, com queda em todos os seus subgrupos: produtos in natura e semi-elaborados (-1,47%); indústria alimentícia (-0,34%) e alimentação fora dodomicílio (-03%). No subgrupo indústria da alimentação (-0,34%) chama atenção a relativaestabilidade nos preços de seus componentes, exceto pelas quedasacentuadas no açúcar (-7,00%) e no leite longa vida (-5,03%). A alimentaçãofora do domicílio (-0,03%) apresentou redução no preço médio da refeiçãoprincipal (-0,30%) e alta nos lanches (0,35%). Os recuos nos grupos Vestuário(-0,62%) e Equipamento Doméstico (-0,49%) foram gerais, sendo maisacentuados nas roupas (-0,79%) e nos eletrodomésticos (-0,62%).
  10. 10. Comportamento dos preços em 2010 Educação e Leitura (5,08%) e Saúde (5,48%) são os grupos com taxasacumuladas superiores à inflação (3,36%), neste ano. Aumentos semelhantesao índice geral foram observados para Habitação (3,93%) e Alimentação(3,54%) e taxas negativas ou pequenas nos grupos Transporte (1,10%),Recreação (- 0,30%), Vestuário (- 0,48%) e Equipamento Doméstico (- 0,73%). A taxa do grupo Educação e Leitura (5,08%) não deve ter alteraçãosignificativa no restante de 2010, pois é apenas no início de cada ano que asescolas costumam reajustar seus valores. O aumento na Saúde (5,48%)resultou de elevações ocorridas tanto na assistência médica (5,50%) como nosmedicamentos e produtos farmacêuticos (5,45%). Os subgrupos da Habitação (3,93%) não tiveram comportamentohomogêneo, apresentando elevações acentuadamente maiores para a
  11. 11. conservação (7,12%) e a locação, impostos e condomínio (6,49%) frente à daoperação do domicílio (1,91%). Na Alimentação (3,54%) as altas tiveram origem, principalmente, nosprodutos in natura e Semi-elaborados (4,29%), com taxa elevada no item grãos (21,14%)devido ao extraordinário aumento do feijão (75,53%). Os demais itens variaramem torno da inflação geral com oscilações tipicamente sazonais. Os aumentos no subgrupo da indústria alimentícia (1,60%) forammenores. Mesmo assim, entre seus produtos encontra-se o leite longa vida queteve alta de 21,01% e os óleos que apresentaram queda acentuada, de -10,91%. O subgrupo da alimentação fora do domicílio apresentou aumento de5,38%,com taxas semelhantes para refeições principais (5,36%) e lanches(5,41%). Pequenas variações de preço foram observadas, em 2010 nosgrupos: Transporte (1,10%), Recreação (- 0,30%), Vestuário (- 0,48%) eEquipamento Doméstico (- 0,73%), sendo mais acentuadas nos subgrupostransporte individuais (- 3,24%), rouparia (- 1,92%) e roupas (- 1,08%).Comportamento dos preços nos últimos 12 meses Os aumentos verificados entre agosto de 2009 e julho deste ano deram-se de maneira bastante heterogênea entre os grupos, subgrupos e itens quecompõem o ICV-DIEESE. Para uma inflação da ordem de 5,21%, as maioresaltas foram apuradas nos grupos Saúde (8,22%) e Habitação (5,84%). Comvariações semelhantes ao índice geral, observou-se Educação e Leitura(5,61%), Transporte (5,07%) e Alimentação (4,98%). Taxas negativas foramdetectadas nos grupos: Equipamento Doméstico (- 1,77%) e Vestuário (-0,82%). No grupo Saúde (8,22%), seus subgrupos apresentaram taxas acimada inflação, principalmente na assistência médica (8,98%). Já osmedicamentos e produtos farmacêuticos (5,34%) subiram pouca coisa maisque a taxa geral.
  12. 12. A alta no subgrupo locação, impostos e condomínio (9,62%), incluído nogrupo Habitação (5,84%), deveu-se aos acentuados reajustes em todos osseus itens: locação (7,65%), IPTU (14,88%) e condomínio (9,69%). Asvariações dos demais subgrupos foram: 3,52% para a operação e 8,06% paraa conservação do domicílio.Na Educação e Leitura (5,61%), a alta teve origemna educação (5,95%), dado que a leitura (0,22%) teve pouca alteração em seupreço. O aumento no Transporte (5,07%) foi mais acentuado no subgrupocoletivo (12,24%) e menos para o individual (2,04%). Na Alimentação (4,98%),as taxas dos subgrupos referentes aos produtos in natura e semi-elaborados(6,56%) e alimentação fora do domicílio (7,56%) foram elevadas, enquanto ada indústria da alimentação (1,69%) foi bem inferior. Alguns alimentosmerecem destaque: limão (81,16%), cebola (60,69%), feijão (42,24%), alho(31,82%) e açúcar (22,64%). Quedas acentuadas foram detectadas para o leitelonga vida (- 22,51%) e óleos (- 7,25%).diminuições de preços foramobservadas para o Equipamento Doméstico (- 1,77%) e o Vestuário (- 0,82%).Os destaques, entre os subgrupos foram para os eletrodomésticos (- 3,44%) ea rouparia (- 2,77%), no primeiro grupo e roupas (- 2,06%), no segundo.3.1.3 Ambiente Sócio Cultural Constantemente passamos por mudanças, tanto sociais comocomportamentais, e assim vamos evoluindo e transformando a sociedade emque vivemos. Podemos notar que hoje em dia muitas coisas que eramconsideradas um “tabu” para as famílias, como por exemplo falar de sexo ouhomossexualidade, hoje são encaradas com perfeita naturalidade pelasociedade. Somos expostos atarvés de diversos meios à esses assuntos eassim moldando noss opinião e quebrando alguns preconceitos. Outro ponto que estamos mergulhando de cabeça é a questão dodesenvolvimento sutentável, a maioria da população abre os olhos para aquestão ambiental. Estamos nos reeducando, mudando hábitos que agridem
  13. 13. ao meio ambiente. Essa conscientização vêm ganhando força e as empresascada vez querem mostrar que são engajadas com o meio ambiente. Além disso, estamos passando por uma revolução tecnológica, onde aspessoas “acessam” ao mundo através da internet, fazendo com que conheçaculturas diferentes, tenham as informações que procuram com facilidade,transaçãoes bancárias, compras e como se já não fosse bastante coisas aspessoas estão desenvolvendo um novo hábito de conhecer, fazer amigosatravés de redes sociais. Há a sociedade real, em que ela vive e também a virtual onde serelaciona com pessoas dos mais diferentes lugares do mundo. E esse acessocomeça cada vez mais cedo segundo uma pesquisa do Instituto Brasileiro deOpinião Pública e Estatística (IBOPE), 28,5 milhões de brasileiros navegaramna internet em dezembro do ano passado. Desses, quatro milhões eramcrianças de dois a onze anos. Há dez anos, crianças pequenas representavam apenas 6% daspessoas que usavam internet em casa. O computador possibilita, cada vezmais, a socialização das crianças. Nas redes sociais, como Orkut e Facebook,as crianças representam 10% das visitas. Ou seja: um em cada dez usuáriosdesses sites tem até onze anos de idade.Internet Em abril, o número de usuários ativos em residências foi de 28,7milhões, segundo o IBOPE Nielsen Online. Desses, 57,3% usaram conexõesacima de 512 Kb*. Em janeiro, 54,1% dos usuários ativos em casa usavamconexões superiores a 512 Kb. O maior crescimento vem ocorrendo entre as conexões de 512 Kb a 2Mb, que passaram de uma participação de 41,3% em janeiro para 43,8% dosusuários ativos em abril. O número de usuários da faixa de 512 Kb a 2 Mb, queera de 11,8 milhões em janeiro, chegou a 12,6 milhões em abril.
  14. 14. O tempo médio por pessoa do uso do computador domiciliar entre osque têm conexões de até 128 Kb foi de menos de 39 horas em abril, enquantoentre os que dispõem de mais de 8 Mb o tempo passou de 47 horas.IBOPE NIELSEN Abril 2010 O número de usuários ativos em residências ou no local de trabalho emabril de 2010 foi de 36,6 milhões de pessoas, ou 3,4% menos que no mês demarço. A categoria Viagens manteve-se em crescimento e evoluiu 2,8% emrelação ao mês anterior, registrando 19,1 milhão de usuários únicos no trabalhoe em residências. “Além do aumento do uso de serviços de mapas, tambémhouve crescimento do número de usuários de sites de hotéis, atraídos porpromoções e anúncios publicitários”, informou José Calazans, analista de mídiado IBOPE Nielsen Online.
  15. 15. A pesquisa AdRelevance, que monitora a publicidade veiculada nainternet brasileira, registrou em abril o total de 4.176 campanhas publicitárias,realizadas por 1.616 anunciantes. O acesso à internet em qualquer ambiente (residências, trabalho,escolas, lan-houses, bibliotecas e telecentros), considerando os brasileiros de16 anos ou mais de idade, chegou a 67,5 milhões de pessoas no quartotrimestre de 2009.Redes Sociais Os sites de redes sociais no Brasil sempre foram um terreno dominadopelos mais jovens, tendência que se repetiu em outros países. Os internautascom até 24 anos em todo o mundo estão entre os primeiros a mergulhar nasredes sociais que fazem sucesso. No Brasil, após a predominância dos jovens,incentivando e massificando seu uso, começa a crescer a participação de
  16. 16. adultos de mais de 35 anos nesses sites. Em fevereiro, segundo o IbopeNielsen Online, o número de visitantes únicos do Orkut foi de 26,9 milhões; doTwitter, 8,8 milhões; e do Facebook, 8 milhões. Ao juntar a audiência única dostrês sites, considerandoque parte dos visitantes frequenta mais de um deles, ototal de pessoas que visitam pelo menos uma dessas redes sociais chegou a28,5 milhões, no trabalho e em domicílios. Em relação a maio de 2009, mês em que o Ibope Nielsen Online inicioua medição de internet nos dois ambientes, isso significa um crescimento de13% no número de usuários nos três sites. Ao separar esses internautas poridade, encontram-se mais pessoas acima de 35 anos do que jovens até 24anos. Em maio de 2009, dos 25,2 milhões de visitantes de Orkut, Twitter eFacebook, 37% tinham até 24 anos de idade e 36% eram maiores de 35 anos.Em fevereiro de 2010, o grupo de usuários até 24 anos representava 36%,enquanto os adultos de 35 anos em diante já chegavam a 38%. Ou seja, dos3,3 milhões de novos usuários adquiridos por esse grupo de sites, 1,9 milhãodeles tinham 35 anos ou mais. Enquanto entre os jovens até 24 anos oaumento foi de 9%, entre os adultos acima de 35 anos esse índice foi de 21%. Na análise por cobertura, constata-se que entre os jovens o maiorcrescimento recente da participação em redes sociais ocorreu entre ascrianças. Em maio de 2009, 60% das crianças de 2 a 11 anos que estavamonline entraram pelo menos uma vez no Orkut, no Twitter ou no Facebook. Emfevereiro de 2010, esse índice passou para 72%. Dos jovens online de 12 a 24anos, 87% estão frequentando esses sites. E, nos últimos meses, a coberturados internautas de 35 a 49 anos subiu de 70% para 76%.
  17. 17. A força das redes sociais é tão intensa que empresas já aderiramanalistas para monitorarem esse ramo. Há uma resposta rápida caso sejapostado alguma reclamação, crítica ou informação de descontentamento emalguma dessas redes. A E.Life, empresa brasileira de inteligência de mercado e gestão derelacionamento em redes sociais, fez um levantamento entre os dias 1º dejaneiro e 10 de março de 2010 para monitorar as categorias de mercado maiscriticadas pelos usuários do Twitter a partir do hashtag #fail – expressão quesignifica “algum tipo de falha, fracasso, reprovação ou até certodesapontamento por algo esperado”. No caso de produtos e serviços, “FAIL”refere-se ao não-cumprimento de um objetivo, atingindo de forma negativa asexpectativas do consumidor. Mais de 1,35 milhão de tweets com #fail (hashtag)foram registrados sobre a insatisfação dos tuiteiros em relação a produtos eserviços de 19 categorias que contemplam 165 empresas. O levantamento foirealizado por meio do TweetMeter, software desenvolvido pela própria E.Lifepara monitorar os comentários no microblog em tempo real. As dez categorias mais citadas foram operadoras de telefonia (fixa ecelular), informática, aparelhos de celular, supermercados, alimentos,eletroeletrônicos, provedores de internet, bancos, seguradoras e cartões, TV acabo e companhias aéreas. Segundo o levantamento o uso do #fail foirelacionado à aquisição de serviços e produtos. No caso das operadoras de telefonia, a insatisfação foi relacionada aoatendimento, a cobertura/acesso e ao preço. Em informática, as reclamaçõesforam sobre os sistemas operacionais e programas que param de funcionar ouforçam a interrupção do trabalho e perda de informações. Um aspectoimportante nessa categoria é que os usuários fazem comparações sobrefunções, licenças, versões, lançamentos de diferentes marcas de softwares ousistemas operacionais. Ainda segundo o levantamento da E.Life, na categoriaaparelhos de celular, o foco das reclamações concentra-se nos smartphones,
  18. 18. principalmente por conta dos aplicativos. Na categoria supermercados, o buzzé amplo. O hashtag #fail foi utilizado pela falta de produtos, filas, problemas deconservação, marcas próprias e comparações entre produtos considerados“Premium”. Segundo o estudo, produtos e serviços da categoria alimentos sãoamplamente comentados no Twitter. Já na categoria eletroeletrônico, o estudomostra comentários que caracterizam a decepção com a aquisição dosprodutos, já que muitos são caros, demandam mais tempo de pesquisa antesde efetuar a compra e geram grande expectativa nos consumidores. Os provedores de internet também recebem críticas. Destaque para asreclamações sobre velocidade e quedas no serviço, atendimento e dificuldadede cancelamento de assinaturas. O levantamento revelou que na categoriabancos, seguradoras e cartões, as queixas referem-se ao atendimento e aosprodutos e serviços oferecidos. Na categoria TV a Cabo, os tuiteiros criticam,principalmente, a programação, além de reclamar do conteúdo. As principaisreclamações na categoria companhias aéreas mencionam a dificuldade nascompras pela internet, principalmente em promoções.
  19. 19. E-commerce Segundo levantamento do instituto comScore, a América Latina teve omaior crescimento em audiência na web com relação ao restante do mundo.Mas isso não é, necessariamente, algo positivo. A A.L. representa 8% daaudiência global, a Europa 28%, Ásia Pacífico 39% e América do Norte 17%.Ficamos à frente apenas da África, com 7%. O Brasil cresceu 23% no últimoano em acessos domésticos ou do trabalho, locais mais utilizados paracompras on-line. Dentre as categorias com destaque estão o setorautomobilístico, viagens, classificados e varejo. O tempo gasto pelos brasileiros na web é o maior, fator influenciado pelanão existência ainda de banda larga em grande escala. Falando-se ematividades on-line, na A.L., as buscas estão em primeiro lugar, com 85,5% e oacesso às redes sociais em segundo, com 81,9%, seguidos por e-mail,entretenimento e mensagens instantâneas. A atividade de compras ficou emsétimo lugar, com 62,1%, que se equipara à média mundial, o que demonstraque o e-commerce na região ainda está em crescimento se comparado aosEUA que tem 83,6%. Outro dado interessante é que 98% das pessoas quevisitam sites de e-commerce também visitaram sites de buscas no mesmoperíodo. A média de buscas feitas na América Latina supera a de todos os outroscontinentes, sendo que os campeões são Colômbia, México e Venezuela. OGoogle é a empresa com maior participação por aqui, com uma média de 65%,em relação a 50%, no restante do mundo. Comparação de preços é um itemmuito importante. Na América Latina ele alcança a média de 21,5% dasatividades, próximo à mundial de 23,7%. Nesse quesito, os americanos estãona frente, com 39%, e os brasileiros se destacam em segundo, com 33,8%,sendo o Buscapé líder nesse campo. Dentre as categorias de compras que o Brasil está acima da média naAmérica Latina estão livros, lojas de departamentos, esportes, filmes,
  20. 20. cosméticos, perfumes e shoppings. E as que ficam abaixo são hardware, florese presentes, música, tickets, brinquedos, joias e bens de luxo, o que demonstraoportunidades a serem exploradas. O País é líder no e-commerce, embora tenha apenas 35% da audiência,e contou com 61% dos gastos na região, em 2009. Um fato interessante é que95% dos nossos ‘e-buyers’ adquirem produtos de sites na própria AméricaLatina, principalmente do Brasil. Comparando, por exemplo, com Porto Rico,em que 95% das compras são provenientes de fora da América Latina,podemos crer que nossa performance se deve a fatores não apenascomerciais, mas também culturais.3.1.4 Ambiente Natural O derramamento de óleo é uma grande catástrofe ambiental que atingeos oceanos desde o início do século. Estes derramamentos acontecem pordiversos motivos: acidentes com navios petroleiros, rompimento de cascos, emais recentemente com a explosão de uma plataforma de petróleo no Golfo doMéxico.Cinco mil barris (quase 800 mil litros) de petróleo jorram diariamente nomar do Golfo depois da explosão de uma plataforma em Abril desse ano. O vazamento é cinco vezes maior que o previsto e foi consideradocatástrofe nacional pelo governo norte-americano. Os impactos ambientais deum derramamento de óleo são enormes,a mancha de óleo se propaga pelomar, matando milhares de peixes, aves e corais, além de contaminar a água.Apesar de ser uma catástrofe no Brasil temos vários outro problemaconsiderados enormes como o saneamento básico atualmente apenas 8% doesgoto doméstico é tratado no Brasil e o restante é despejado diretamente noscursos d’ água. Um relatório da ONU revela que as regiões costeiras, sul e sudeste doBrasil, são as mais poluídas do mundo. 40 milhões de pessoas vivem no litorallançando 150 mil litros de esgoto por dia ou 6 bilhões de litros de esgoto semtratamento
  21. 21. Os poucos investimentos do governo nessa área são inexplicáveis, umavez que, para cada dólar investido no saneamento básico, 4 dólares sãoeconomizados com a prevenção de doenças que requerem internaçõesSegundo dados preliminares do relatório a ser apresentado na RIO+10, a faltade saneamento básico responde por 65% das internações nos hospitais dopaís . Outro trágico fator ambiental é o lixo,cada brasileiro produz 1 Kg de lixodoméstico por dia, ou seja, se a pessoa viver 70 anos terá produzido em tornode 25 toneladas. Se multiplicarmos pela população brasileira, pode-se imaginara dimensão do problema que em sua maioria ainda é lançado a céu aberto. NoBrasil, cerca de 85% da população brasileira vive nas cidades. Com isso, o lixose tornou um dos grandes problemas das metrópoles. Pela legislação vigente,cabe às prefeituras gerenciar a coleta e destinação dos resíduos sólidos. De acordo com o IBGE, 76% do lixo é jogado a céu aberto sendo visívelao longo de estradas e também são carregados para represas deabastecimento durante o período de chuvas. Embora muito esteja se fazendonesta área em nível mundial, ainda são poucos os materiais aproveitados noBrasil onde é estimada uma perda de cerca de 4 bilhões de dólares por ano.Mas, há indícios de melhora na área no país onde se tem como melhorexemplo as latas de alumínio, cuja produção é 63% reciclada. O lixo industrialapresenta índices maiores de reciclagem. De acordo com a FIRJAN, no estadodo Rio de Janeiro 36-70% das indústrias reciclam seus dejetos. Podemos citar também outro problema muito sério no Brasil é odesmatamento que inclusive ele é desencadeador de outros problemas, eBrasil é o líder em desmatamento mundial de acordo com um levantamentodivulgado pela PNAS (Política Nacional de Assistência Social) No períodoforam desmatados 165 mil quilômetros quadrados de floresta, o equivalente a3,6% das perdas de florestas no mundo todo. O segundo país que mais perdeuflorestas foi o Canadá, com o desmate de 160 mil km². A ação do homem edesastres naturais são as principais causas da perda de florestas.No mundotodo, a cobertura vegetal diminuiu 3,1% entre 2000 e 2005. Foram 1,01 milhão
  22. 22. de km² desmatados, o que sugere crescimento de 0,6% ao ano.O estudo sebaseou em observações por satélite de pesquisadores das Universidades deDakota do Sul e do Estado de Nova York. Acompanhe os dados mês a mês e a série histórica do desmatamentona Amazônia, segundo o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) -Atualizado em 20/7/2010 O desmatamento e a queimada de florestas e matas também colaborapara este processo. Os raios do Sol atingem o solo e irradiam calor naatmosfera. Como esta camada de poluentes dificulta a dispersão do calor, oresultado é o aumento da temperatura global. Embora este fenômeno ocorra deforma mais evidente nas grandes cidades, já se verifica suas conseqüênciasem nível global. Derretimento de gelo nas calotas polares: uma das consequências doaquecimento global.Conseqüências do aquecimento global- Aumento do nível dos oceanos: com o aumento da temperatura no mundo,está em curso o derretimento das calotas polares. Ao aumentar o nível daáguas dos oceanos, podem ocorrer, futuramente, a submersão de muitascidades litorâneas;- Crescimento e surgimento de desertos: o aumento da temperatura provoca amorte de várias espécies animais e vegetais, desequilibrando váriosecossistemas. Somado ao desmatamento que vem ocorrendo, principalmenteem florestas de países tropicais (Brasil, países africanos), a tendência éaumentar cada vez mais as regiões desérticas do planeta Terra;- Aumento de furacões, tufões e ciclones: o aumento da temperatura faz comque ocorra maior evaporação das águas dos oceanos, potencializando estestipos de catástrofes climáticas;-Ondas de calor: regiões de temperaturas amenas tem sofrido com as ondasde calor. No verão europeu, por exemplo, tem se verificado uma intensa ondade calor, provocando até mesmo mortes de idosos e crianças.
  23. 23. Alertam à sociedade brasileira para a gravidade da proposta da bancadaruralista no Congresso Nacional (PLs 1876/99 e 5367/09) que tramita emcomissão especial formada por maioria de parlamentares ligados aoagronegócio. A proposta revoga ou modifica as principais Leis ambientaisbrasileiras, como o Código Florestal brasileiro, a Lei de Política Nacional deMeio Ambiente, a Lei de Crimes e Infrações Contra o Meio Ambiente e a Lei doSistema Nacional de Unidades de Conservação. Os principais instrumentos de gestão ambiental em vigor como a criaçãode unidades de conservação, as reservas florestais legais, as áreas depreservação permanente, o licenciamento ambiental, o Conselho Nacional deMeio Ambiente poderão ser revogados ou enfraquecidos para atenderexclusivamente por encomenda setorial dos ruralistas. Às vésperas de uma das mais importantes reuniões internacionais detodos os tempos (Conferência do Clima em Copenhague, em dezembro), quetratará de mecanismos e compromissos com a redução de emissões de gasesde efeito estufa, a bancada ruralista, com a conivência do governo federal,insiste em colocar em pauta e em ritmo acelerado propostas que põem emsério risco as principais leis brasileiras, em especial a que regulamenta ocontrole do desmatamento em todos os biomas brasileiros. Ressalte-se que o desmatamento é responsável por mais de 50% dasemissões brasileiras. As organizações abaixo assinadas pedem ao Presidenteda República e ao Presidente da Câmara dos Deputados o empenhonecessário para que os Projetos de Lei aqui referidos (PL 1876/99 e 5.367/09)sejam rejeitados, ou que, no mínimo, sejam objeto de amplo debate nacional etramitem ordinariamente nas comissões temáticas pertinentes viabilizandoassim a participação ativa e informada de todos os setores interessados nodesenvolvimento sustentável no Brasil. As principais leis ambientais brasileiras - Lei da Mata Atlântica, Lei deGestão de Florestas Públicas, Lei de Crimes e Infrações Contra o MeioAmbiente, Lei do Sistema Nacional de Meio Ambiente, Lei de Gerenciamentode Recursos Hídricos, Lei de Informações Ambientais e Lei do Sistema
  24. 24. Nacional de Unidades de Conservação - foram objeto de amplo debate noCongresso Nacional, sendo inadmissível que este governo permitamodificações de leis tão importantes para o desenvolvimento nacionalsustentável sem um amplo e aberto debate nacional.Associação Preserve aAmazônia, Apremavi, Amigos do Futuro, Conservação Internacional, FundaçãoSOS Mata Atlântica, Gambá – Grupo Ambientalista da Bahia, Greenpeace,Grupo de Trabalho Amazônico, Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia(IPAM), Instituto Socioambiental (ISA), Instituto de Pesquisas Ecológicas, Redede ONGs da Mata Atlântica, SOS Pantanal, Sociedade Mundial de ProteçãoAnimal Em declaração publicada pelo jornal O Globo, o presidente Lula diz quenão é possível para o Brasil cumprir as metas de desmatamento zero. A liderança do governo levou essas declarações a sério e votou juntocom a bancada ruralista na proposta de desmontar a legislação brasileira, disseMario Mantovani, diretor de mobilização da SOS Mata Atlântica.3.1.6 Ambiente tecnológico A cada dia que passa nos deparamos com novas tecnologias, coisasque adquirimos há 1 mês atrás se tornam desatulizadas. Podemos perceberessa constante mudança em aparelhps tecnológicos, como TV, celulares,computadores etc. É possível hoje assistirmos programas com qualidade de imagem eáudio, através do sinal digital e já as fala do sinal 3D, cujo aparelhos já estão àvenda. Estamos também na onda dos smartphones, mp20 e etc. Podemosassistir tv digital, usar internet, ter disponibilidade de utilizar duas linhas e aindaoutras tantas funções que hoje são consideradas básicas em um celular, comocamêras digitais que chegam à 9 megapixel. Os computadores, note e netbooks tomaram conta da vida dapopulação, são coloadas à disposição da população internet wi-fi em ambientespúblicos para uso comum.
  25. 25. O mercado de bens virtuais, objetos não físicos adquiridos para uso emcomunidades virtuais, jogos online ou smartphones, vem registrandocrescimento expressivo nos últimos anos – nos EUA, por exemplo, o volume decompras deve somar nada menos que US$ 1,6 bilhão em 2010, metade delesprovenientes dos social games, como Farmville e Buddy Poke. Para 2012,apenas o mercado de jogos online deve faturar US$ 5 bilhões no mundo. Para medir a penetração desse mercado e identificar as principaiscaracterísticas do consumo de itens virtuais no Brasil, a Sophia Mind, empresade pesquisa e inteligência de mercado do grupo Bolsa de Mulher, entrevistou,em março 1.543 mulheres provenientes das cinco regiões do País. O resultadomostra que 18% delas já aderiram ao consumo de bens virtuais, o que confirmao grande potencial de crescimento do mercado também por aqui,acompanhando a tendência mundial. A alta penetração das redes sociais e oaumento do uso dos smartphones no Brasil fazem do mercado de itens virtuaisuma área bastante promissora para 2010. Características de consumo – De acordo com a pesquisa, das brasileirasque já aderiram ao consumo de bens virtuais, 40% o fazem de formaconstante, pelo menos uma vez por mês. O Facebook é o site onde maiscompram (29%), seguidos do iPhone e sua oferta de aplicativos (18%). Os bens mais consumidos são os presentes virtuais (45%), itens ouavatares para dar a outros usuários da mesma rede social. Dos bensconsumidos, 57% estão relacionados a jogos online. O preço médio pago porproduto é US$ 20. Potencial de crescimento – Na pesquisa, 81% das entrevistadasgostariam de receber mais presentes virtuais, e 77% das que já consumiramitens virtuais afirmaram que estão dispostas a comprá-los novamente. Osdados comprovam o grande potencial do mercado, que tende a crescersignificativamente quando a venda estiver atrelada a fatores que reforçam apercepção de ganho no mundo real, indicam as mulheres. A pesquisa aindarevelou que 72% delas comprariam mais bens virtuais se recebessemdescontos em produtos reais, e 64% se ganhassem também um bem físico.
  26. 26. O custo dos produtos e a necessidade de se sentirem seguras nascompras online também são fatores decisivos para elas: 86% dasconsumidoras disseram que, se os preços fossem mais baixos, elascomprariam mais, e 75% elevariam o consumo se considerassem o ambientede transação online mais seguro.3.2 Análise da concorrência Tabela dos Concorrentes Diretos Esferográfica Compactor Molin Ponta BIC Cristal Regular Média Produto BIC Faber-Castell Cia de Molin Empresa Canetas CompactorLançamento 1950 1967 2000 1008 – 1031 Possui Há 4 modelos Há 2 Modelos apenas 1Quantidade de canetas Não Possui de Canetas modelo de Bic caneta Cristal Soft Esferográfica Cristal 34fc ponta Pocket, Top 2000 fina Variedade Cristal Pocket BICHOS Não Possui Esferográfica Scents, 34fc teen Cristal Fina
  27. 27. Suas fabricas próprias são no Brasil, Fábrica África do Sul, unidade Fabricação Espanha, Cedrinho Rio de Rio de Estados São Carlos - Janeiro Janeiro Unidos, SP Grécia e México. Ponta Média Ponta Média Ponta Média Ponta Média 1mm 1mm 1mm 1mmPropriedades Largura da Largura da Largura da Largura da Físicas Linha Linha Linha Linha 0,4mm 0,4mm 0,4mm 0,4mm Papelão (perguntarEmbalagem para o ProfessorCiclo de Vida Maturidade Maturidade Maturidade Maturidade Metragem de Metragem de Metragem de Metragem de Vida útil Escrita Escrita Escrita EscritaCapacidade de Escrita 2390 1454 1381 1757 Tabela dos Concorrentes Diretos Esferográfica Compactor Molin Ponta BIC Cristal Regular Média Preço Os preços Os Preços Compactor Molin caneta veriam de Variam de Canetas esferográfica R$0,70 à R$0.80 à esferográficas transp. Azul R$1,25. R$1.50. azul caixa 50
  28. 28. Se for uma Se for uma R$ 0,70 unidades Valor caixa com 50 caixa com 50 Unitário R$14.90 unidades sai unidades sai R$ 0,60 por R$20,69 por R$ 22,30. Unitário Tabela dos Concorrentes Diretos Esferográfica Compactor Molin Ponta BIC Cristal Regular Média Praça As canetas As canetas As canetas Tem venda Esferográficas Esferográficas Esferográficas em 160 da empresa da empresa da empresa países. Em Faber Castell CompactorDistribuição Molin sua todos os sua sua distribuição é continentes. distribuição é distribuição é em todo Brasil em todo Brasil em todo Brasil As Canetas das empresas Bic, Faber Castell, Compactor e Molin são comercializadas em todas as redes varejista de todo o Brasil. Podendo comprar o produto nos principais mercadosPontos de vendas e nas melhores papelarias ou através da internet nos seguintes sites: Kalunga.com, Submarino e Lojas americanas entre outras.
  29. 29. Tabela dos Concorrentes Diretos Esferográfica Compactor Molin Ponta BIC Cristal Regular Média Promoção Meios TV aberta TV aberta Não possui Não possui TV Aberta, TV Aberta, internet, internet, Internet Internet Veículos revista revista, jornal Apenas cem Apenas emEstá na Mídia? período de período de Não possui Não possui volta às aulas volta às aulas É realizada Campanha É realizada de Produto, campanha Tipos de para Não possui Não possui Institucional e Campanha divulgação de produto das linhas de canetas Sim em Sim emHouve ação de período de período de Não possui Não possui Promoção volta às aulas volta às aulas Ações de Sim em Sim emmerchandising período de período de Não possui Não possui volta às aulas volta às aulas
  30. 30. 3.3 Análise SWOTPontos Fortes 1. BIC tem um lema empresarial de se dedicar a venda e distribuição deprodutos que são populares, descartáveis e freqüentemente utilizados. 2. O BIC tem uma excelente reputação e uma linha de esferográfica,produzindo e distribuindo todos os seus produtos em todo o mundo. 3. Variedade de produtos – A BIC oferece uma variedade de produtos emsuas três linhas, como por exemplo: diferentes canetas coloridas, canetas comtamanhos de pontas diferentes, linhas de barbear para homens e mulheres eisqueiros. 4. Excelente relação empresa e empregado - com grandes benefícios,remuneração e ótimo ambiente de trabalho. Cada trabalhador é incentivado adesenvolver seu serviço com orgulho compreendendo cada etapa do processo. 5. Grande parte da força de trabalho está envolvida na verificação de controle– a BIC acredita que a qualidade é a chave para o seu sucesso, e só tendo umrigoroso sistema de controle, uma empresa pode alcançar os níveis deperfeição que o BIC possui. 6. A BIC opera em grandes volumes, reduzindo o risco de aumento doscustos das matérias-primas e mão de obra e aumento da taxa de rotatividade.7. Utiliza os canais de compra e venda já existentes para novos produtos. 8. Posicionamento e distribuição Global - a empresa utiliza produções locaisem diferentes partes do mundo a fim de reduzir os custos de distribuição. 9. Participação da posição geográfica - caso tenham desempenho ruim emuma área, as vendas em outra área podem ser suficiente para manter acimaseu share de mercado.Pontos Fracos 1. Concorre com empresas que estão muito mais concentrados em uma linhade produto enquanto a BIC está envolvida em três mercados.
  31. 31. 2. Tem seu próprio capital e tem aversão a empréstimos, isso reduz aschances de investir e expandir e aumentar a possibilidade de uma aquisiçãomajoritária. 3. A BIC não é agressiva o suficiente em termos de expansão - a dimensãoglobal da empresa que vende mais de 160 países só tem cerca de 8000pessoas e não procuram por expansão. 4. Possui apenas uma estrutura corporativa enquanto atua em três mercados,gerando falta de flexibilidade.Oportunidades1. O E-Commerce pode ser utilizado o poder da internet para vender. 2. Utilização de mídias sociais para ter um relacionamento mais próximo comos consumidores.Ameaças1. A preocupação ambientalista de produtos descartáveis2. Falsificação de esferográficas que acabam entrando no país de forma ilegal.3.4 Definição do Público alvoDemográfico O nosso produto BIC Cristal, tem um público alvo amplo e diversificadodevido a fatores como idade, classe social e nível de escolaridade. Mas mesmoexistindo estes fatores o nosso produto foi criado para atender todosigualmente, satisfazendo suas necessidades e expectativas perante o produto. Definimos que a Bic Cristal tem como foco atender tanto homens comomulheres estudantes, casado, solteiro, de faixa etária entre 15 a 25 anos e declasses sociais A,B,C,D, .Como a caneta Bic tem um preço acessívelpodemos atingir todos independente do seu status social pois a caneta podeser utilizada pelo chefe da empresa como pelo Office boy que entregadocumentos e realiza os serviços bancários da empresa.
  32. 32. Psicográfico Vimos que este público são decisores no processo de compra temhábitos semelhantes mesmo existindo as diferenças que foram citadas, osmesmos gostam de viajar, estudar, sair com amigos, freqüentar lugares como(restaurantes, cinemas, parques de diversões), tem gosto eclético referente agosto musical, mas existem alguns que gostam ou curtem apenas um estilopodemos citar exemplos como (funk, sertanejo, rock, eletrônico), o nossopúblico gosta e tem como hábito regular de acessar redes sociais (Orkut, facebook,internet, e-mail, twitter, youtube) e como isso cada vez mais estamosconectados ao mundo tecnológico e sabemos que através desse poderosomeio de comunicação o nosso publico alvo expressa suas idéias, opiniões eatém influenciam (no modo de agir, vestir, falar), pessoas que os “seguem “nas redes sociais, entendemos que podemos utilizar desses hábitos tãosemelhantes para conseguir, e assim atingir os objetivos e propósitos de nossacampanha.3.5 Diagnóstico A BIC Cristal tem uma grande vantagem em relação às concorrentesque é a comprovação, através de estudos, que ela escreve até três vezes maisque as esferográficas similares. Além disso, com a pesquisa realizadaconstatamos que seu público reconhece essa qualidade da esferográfica BICCristal. Com isso, o ideal é trabalhar com esse diferencial da caneta, sempremostrar ao seu público que ela escreve mais, porém não queremos fazercomparações com suas concorrentes.3.6 Objetivos de Campanha3.6.1 Objetivos de marketing
  33. 33. Impulsionar as vendas e consolidar liderança na categoria de canetas eassim, conquistar o reconhecimento como referência no segmentomercadológico. A empresa não sentiu os efeitos da crise econômica no Brasil e, no anopassado, apresentou um aumento de 15% em vendas, na comparação com oano anterior. Por isso, para este ano, a BIC Brasil está com metas agressivasde crescimento, baseadas na estratégia de aumento de distribuição, excelênciano atendimento, inovação e fortalecimento da marca no Brasil. Por isso, desejamanter a mesma proporção de crescimento, ou seja, aumentar em 15% suasvendas em relação ao ano anterior.3.6.2 Objetivos de comunicação Toda a comunicação da empresa somente é feita em período de volta àsaulas e durante esse período outras marcas também investem emcomunicação. Por isso, o objetivo de comunicação da empresa é se destacarcomo líder e a mais eficiente na categoria em que se apresenta.3.7 Estratégias de Criação3.7.1 Promessa básica Segundo estudos complementares, solicitados pela BIC, do CentroTecnológico Falcão Bauer se destaca a superioridade da esferográfica BICCristal em diversas áreas pesquisadas, além de ser uma empresa consolidadae com uma ótima reputação. Um ponto forte que BIC utiliza é sua DURABILIDADE, em suas caixasconsta a informação que a BIC Cristal escreve três vezes mais que as outrasesferográficas testadas nesses estudos. Portanto a promessa básica é sua durabilidade.
  34. 34. 3.7.2 Reason why Em 2006 a BIC procurou o Centro Tecnológico Falcão Bauer pararealizar ensaios complementares aos estabelecidos na norma. Desta forma,Foram realizados ensaios com metodologias estabelecidas na NBR 15236(norma pela qual o laboratório Falcão Bauer já está acreditado junto aoInmetro). São eles: Ensaios Físicos / Mecânicos (Queda, Pontas Agudas,Bordas Cortantes, Componentes Pequenos, etc), Químicos (Metais Pesados) eMicrobiológicos. Além disso, foram desenvolvidos ensaios complementarespara atendimento às especificações BIC, como por exemplo: Ensaios deVazamento, Lavagem e Secagem, Viscosidade, Identificação da Matéria-Prima,Performance, etc. Então utilizaram um dado que mostrava que a BIC Cristal escreve até 3vezes mais em relação às outras esferográficas comparadas.3.7.3 Conceito Tendo base sua promessa básica, adotaremos como conceito “Durável”.3.7.4 Tema / Slogan Seguindo as solicitações do nosso cliente, manteremos o slogan “BIC, éassim que se escreve”.3.7.5 Estratégias de campanha Utilizaremos uma campanha de informação, trazendo as vantagens e osbenefícios da esferográfica BIC Cristal.3.7.6 Tipos de campanha
  35. 35. Realizaremos uma campanha de propaganda divulgando ao máximo obenefício imediato do produto.3.7.7 Apelo Uniremos o apelo racional ao emocional. Ao mesmo tempo em quepassaremos informações do produto, utilizaremos o lado emocional para secomunicar com o público alvo.3.8 Estratégias de mídia3.8.1 Abrangência da campanha A campanha terá âmbito nacional, pois a empresa atua todo territóriobrasileiro. Porém, alguns meios serão regionais, pois há variações de leis etambém hábitos da população.3.8.2 Período da campanha A campanha terá duração de oito meses, iniciando em Janeiro e seestendendo até Agosto. Porém, as veiculações só acontecerão em Janeiro,Fevereiro e início de Março e após esse período alguma veiculações no final deJunho e durante o mês de Julho. Esses períodos são considerados os pontos altos, pois ocorre a volta àsaulas.3.8.3 Perfil dos meios e veículos Todos os meios irão abranger o perfil do nosso público alvo, utilizaremosmeios, eletrônicos, impressos e digital.
  36. 36. Em meios impresso, utilizaremos revistas juvenis. Em TV e rádioutilizaremos programas que são direcionados aos adolescentes.3.8.4 Meios e veículos sugeridos Impresso Eletrônicos Digital Capricho Globo Blogs Todateen SBT Orkut MTV Twitter Band Youtube Hotsite3.9 Estratégias de Promoção Realizaremos promoções para os públicos internos, externos eintermediários. Para o público interno desenvolveremos uma ação de incentivo àsvendas, onde os representantes comerciais serão gratificados com ingressoscaso atinja as metas propostas. Para o público externo será desenvolvimento uma ação tanto de vendasquanto de relacionamento com o consumidor. Será colocado à venda um Packcom quatro canetas e o consumidor poderá trocar por um suporte de canetasdo BIC Boy acrescentando R$ 2,00. E para os intermediários foi desenvolvido uma ação onde forneceremoscamisetas aos funcionários que atuam no setor de papelaria das rede Kalungana cidade de São Paulo. - Ações de merchandising Merchandising PDV
  37. 37. Um dos pontos que mais sustentam a BIC Cristal como a mais vendidaem todo o território é o fato de sua logística de distribuição ser muito bemplanejada e executada e o trabalho constante de merchandising nos pontos devenda. Por isso, manteremos um grande investimento em matérias de PDV. Merchandising TV Teremos ótimas oportunidades de merchandising em programas quesão destinados ao nosso público alvo, a TV é um dos meios mais consumidospor nosso público, portanto realizaremos ações neste meio. Utilizaremos programas como reality shows e minisséries comoMalhação, ambos exibidos na rede Globo de televisão.3.10 Cronograma de campanha

×