Leão(izis)

723 views

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
723
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
1
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Leão(izis)

  1. 1. Leão Marinho O veículo que não tem focaI SEGURA OSN NÇA IT REFO DI SABILIDADER RESPONM CA UL TU CIDADANIAÇ RA ÉTICAÃ DE SOCIEDADEO A ID AL CI P AR IM CRA CIA D EMO POLÍTICA
  2. 2. Editorial Nononono no n on ononono nono non on on ono no no non ono n Nononono no n on ononono nono non on on ono no no non ono n No- nonono no n on ononono nono non on on ono no no non ono n Nonono- no no n on ononono nono non on on ono no no non ono n Nononono no n on ononono nono non on on ono no no non ono n Nononono no n on ononono nono non on on ono no no non ono n Nononono no n on ononono nono non on on ono no no non ono n No- nonono no n on ononono nono non on on ono no no non ono n Nonono- no no n on ononono nono non on on ono no no non ono n Nononono no n on ononono nono non on on ono no no non ono n Nononono no n on ononono nono non on on ono no no non ono n No- nonono no n on ononono nono non on on ono no no non ono n Nononono no n on ononono nono non on on ono no no non ono n Nononono no n on ononono nono non on on ono no no non ono n No- nonono no n on ononono nono non on on ono no no non ono n Nonono- no no n on ononono nono non on on ono no no non ono n Nononono no n on ononono nono non on on ono no no non ono n Nononono no n on ononono nono non on on ono no no non ono n Nononono no n on ono- nono nono non on on ono no no non ono n Nononono no n on ononono nono non on on ono no no non ono n Nononono no n on ononono nono non on on ono no no non ono n No- nonono no n on ononono nono non on on ono no no non ono n Nonono- no no n on ononono nono non on on Expediente ono no no non ono n Nononono no n on ononono nono non on on ono no no non ono n Nononono no n on ononono nono non on on ono no no non ono n Nononono no n on ono- nono nono non on on ono no no non ono n Nononono no n on ononono nono non on on ono no no non ono n Nononono no n on ononono.2
  3. 3. TÍTULO TÍTULO TÍTULO TÍTULO Luciano Zarur, 46 anos, formado em Jornalismo, com pós- graduação e mestrado em Filo- sofia. Ele que trabalha na área de jornalismo cerca de 20 anos, professor a mais de 15 anos,concede entrevista a Revista Leão Marinho. O tema abordado nesta entrevista é o papel jorna- lístico, histórico das Organizações Globo, princípios editoriais e sua passagem na redação do grupo Marinho.Qual é a sua opinião sobre o Após o militarismo, comojornalismo praticado pelas você analisa o papel políticoorganizações Globo? da Globo?Zarur _ As organizações Glo- Zarur _ Depois da democra-bo é uma marca muito impor- cia, a nova república do go-tante no jornalismo e também verno Sarney e os governosnaquilo que se declarou comu- que o sucederam, Collor emnicação e cultura de massa. O seguida, o impeachment eJornal O Globo tem mais de Fernando Henrique Cardo-80 anos. Já há muito tempo é so, as Organizações Globoum dos principais periódicos se pautam por quase 9 anosde imprensa no Brasil. Contu- sobre oposição ao gover-do, em suas primeiras décadas no de esquerda capitaneadosnão era, havia concorrência por Lula e agora por Dilmamaior, pois aqui no Rio de Ja- Roussef. Apoiadores sempreneiro era a capital federal e do PSDB, caracterizando umo Jornal do Brasil sempre foi apoio de sua linha editorial, oum periódico mais importan- Legenda Legenda Legenda jornal de direita, deixa trans-te. Desde que o JB, há uns 20 parecer, que assim como foianos para cá começou a ter proble- estação de rádio, ainda no Estado na ditadura, o seu apoio ao par-mas financeiros e teve mudança, nos Novo de Getúlio Vargas, em 1944. tido, chamada social democracia.pretentores do periódico, O Globo Em 1964, após o golpe militar, ob-foi avançando e se tornou o princi- teve também a licença de um canal FOTOS: CREDITOpal do Rio de Janeiro e um dos me- do Estado para explorar a parte co-lhores do país, ao lado da Folha de mercial de televisão, que veio a seSão Paulo e Estadão. chamar TV Globo. Presta um bom serviço na área de entretenimento e,Como que você analisa o histórico desde sempre, o competente empre-da Rede Globo? sário Roberto Marinho, formado em jornalismo, se alinha aos governosZarur _ As organizações Globo e os de ocasião. Alguns líderes mencio-órgãos de imprensa que pertencem nam isto, como Chateaubriand (As-a ela, eu diria, têm no mínimo uma sis), que teve problemas com o mili-historia controvérsia. Irineu Mari- tarismo por denunciar a TV Globo,nho tinha o jornal que se chamava e o grupo estadunidense TIME“A Noite”. Depois fundou O Glo- Wafe, por ejetar dinheiro para fazerbo e logo depois faleceu. Então, o uma televisão que fosse “simpáti-jovem Roberto Marinho, assumiu ca, amiga, ao regime militar”. Como jornal e teve a competência de isso, a TV entrou no ar quase quetorná-lo extremamente importante precisamente um ano ano depois dopara o Brasil. Em seguida conse- golpe, ou seja, foi parceira mesmoguiu a concessão para operar uma do regime ditador. Legenda Legenda Legenda 3
  4. 4. Como você analisa a Carta dePrincípios Editoriais proposta pe-las Organizações Globo?Zarur _ Está bem redigido. As inten-ções parecem ser as melhores possí-veis, e eu que trabalhei no jornal OGlobo, na rádio CBN e na TV Glo-bo e posso dar um depoimento comalguma propriedade. Eles têm seumanual de ética profissional, e meparece que isto já vem até com cer-to atraso. Talvez se cause estranha-mento que isto venha sido gestadopor tanto tempo e venha a público,agora. Muitos dos tópicos aqui sãode uma obviedade absoluta. Qual-quer estudante de jornalismo sabe-ria. Nós da graduação universitária Legenda Legenda Legendade jornalismo, estudamos ética pro-fissional, ética filosófica, sabemoso que deve ser a fundamentação do “Olho olho olho vel é uma fraude efetivamente, como é algo negativo. E 129 medidas emjornalista, que mesmo que trabalhecomo uma imprensa particular ele é Olho olho olho 2001, quem legislou no governo foi FHC. Ah! É um detalhe? No proces-um agente público que visa melho-rar a cidadania, ajudar a sociedade Olholho olho so para o receptor da mensagem, o leitor do jornal Globo, o que ficará,a se desenvolver com seu trabalhoe apuração das informações, pu- Olhoho olho se algo se mantiver na sua memória, será que tal presidente equivocada-blicação. Contudo, saibamos queexistem alguns princípios óbvios Olho olho olho mente Lula, que foi quem mais usou medidas provisórias, quando na ver-no jornalismo, como por exemplo,a questão da chamada linha edito- Olho oolho” dade em 2001, era o penúltimo ano do governo do Social Democrata.rial, que vejo como algo importan-te sim. Eu só não sei se esta sendo 2010, teriam usado mais as medidas Você trabalhou na Rede Globo?posto em pratica. provisórias, ou seja, teriam tentado Como foi sua passagem? mais governar sem ter de esperarVocê tem algum exemplo que com- que o congresso legislasse e fizes- Zarur _ Sim. Eu não fui ser jorna-prova a lealdade ou a deslealdade? se as leis. E aqui há um equivoco. lista para trabalhar na Globo, ali- Uma reportagem principal do jor- ás eu nem pensava em televisão.Zarur _ Um exemplo há alguns me- nal, em que o ano em que houve o Na década de 80, decidi a ser jor-ses antes de ir a público o editorial, maior número de medidas provisó- nalista. Entrei na faculdade aos 18que o jornal O Globo cometeu um rias foi 2001, que foi posto na conta anos e gostaria de trabalhar no JB.erro colossal, uma fraude ao fazer de Lula. O ex-presidente Fernando Tinha pretensão de ser correspon-uma reportagem domingo chama- Henrique que teve o mandato do dente em Paris, embora eu tivessedo carta, ou seja, a principal ma- mesmo tamanho, dois mandatos na me formado em francês, Inglês, es-téria daquela edição, do dia 15 de verdade de 95 a 2002, eleito e ree- panhol e italiano. Mas comecei atémaio de 2011. Desde o congresso leito, e no ano de 2001 atingiu 129 a lecionar nesta área no laboratóriodo Holding, o legislativo estaria a medidas provisórias e o pico mais de idiomas da UERJ. Fui para nodeixar que o executivo fizesse o seu alto da estatística. No entanto, o pe- jornal Globo através de uma provatrabalho, então, em entrevista a al- riódico informa que o governo Lula para estagiários de cultura geral,guns parlamentares, o jornal traça como tido 10 anos, de 2001 a 2010. uma redação e uma entrevista comum gráfico, sobre quais presiden- Deve ter sido uma falha? Sim. Eu um dos editorialistas que está lá atétes de Sarney até Lula, de 1989 a diria que é menos provável. O possí- hoje. E eu passei entre centenas de 4
  5. 5. “Olho olho olho Olho olho olho Olholho olho Olhoho olho Olho olho olho Olho oolho” rito dos governos de PT. Por exem- plo, redução do desemprego: eles procuram uma minúcia para dizer que embora nunca tenha existido Legenda Legenda Legenda tanto emprego como agora a maio- ria das vagas que há não é de altocandidatos, só 28 foram aprovados. salário. O que eu costumo dizer é:Comecei como repórter iniciante, pergunte a um desempregado se eleacompanhando repórter, escreven- estaria melhor parado esperandodo meu texto, depois trabalhei na algo melhor? Enfim a pessoa pre-Agencia de Notícias fui repórter, cisa sobreviver. Manter o naciona-chefe de redação da antiga agên- lismo mantido pelo partido e suces-cia de Esporte Express, que hoje em sivamente pela presidente Dilama,dia faz parte do Lance. Fui para TV enfim, acho que está muito difícilGlobo, depois de trabalhar na tele- trabalhar lá. Mas eu não tive essavisão Manchete, onde aprendi muito experiência porque trabalhei lá en-sobre televisão. Fui para o jornal tre 1994 a 1998. Com o governo doO Globo e era repórter de bairro. PSDB era tudo mais simples, maisJá profissional, a TV Globo me cha- fácil, o objetivo deles era falar bem,mou para fazer o curso lá dentro de não criticar.reportagem e edição, eu já houverasido produtor e editor de texto na O que você espera dos princípiosManchete, mas repórter não. Então, editoriais para a sociedade?depois a emissora, me mandava co-brir missões no interior, antiga Ser- Zarur _ Não espero efetivamentera Mar, Friburgo, Teresópolis, eu nada. Não creio que haja nenhu- “Olho olho olhoera professor, com isso, não conse- ma guinada editorial no sentido degui conciliar. sermos ontologicamente corretos, porque é isso que o público quer.Como você se sentia na Redação? Olho olho olho Tomara que eu esteja enganado. HáVocê tem algum relato de mudan- muita pressão aos jornalistas queças de lá para cá? Olholho olho querem desenvolver seu trabalho corretamente e são pressionadosNunca sofri nenhum tipo de censu- Olhoho olho por chefias diretorias a editoriali-ra direta, mas hoje em dia sei que é zar a sua noticia.muito difícil trabalhar lá, por relatode colegas por conta de ser difícil Olho olho olhoextrair algo positivo de uma notícianegativa que tenha sido algum mé- Olho oolho” 5
  6. 6. TÍTULO TÍTULO Texto de apresentação texto de apresentação texto de apresentação texto de apresentação texto de apresentação texto de apresentação texto de apresentação texto de apresentação Correção é aquilo que dá “ “Em aspectos gerais a tentativa de melhorar a credibilidade ou projetar uma imagem e reputação positiva é uma tendência de todas as organizações decredibilidade ao trabalho jor- comunicação, não só a Globo.” nalístico: nada mais danoso para a reputação de um veí- “A perda de credibilidade de qualquer organização que tenha uma parti- culo do que uma reportagem cipação efetiva na sociedade está acontecendo principalmente pelo novo paradig- ma comunicacional que desenvolve cidadãos, já não tão submissos aos desman-errada ou uma análise feita a dos e arrogância das organizações.”partir de dados equivocados. “Hoje, não somos mais, somente, receptores, mas produtores de conte- údo que trocam idéias e opiniões criam fóruns de discussões, graças a interface democrática da WEB. Sendo assim, existi essa tendência do mercado em criar ca- Deve-se perseguir o furo nais de comunicação de acordo com as particularidades dos públicos de interesse com objetivo de projetar e consolidar uma imagem e reputação positiva, que na jornalístico, a informação maioria das vezes não condiz com o que se efetivamente faz.” exclusiva, em primeira mão, mas jamais se descuidar Ricardo Bressanm, dos outros atributos da in- formação de qualidade: aisenção com que é produzida, ouvindo-se todos os ladosnela envolvidos, e a correçãodos dados nela apresentados. Notícia errada ou enviesada falta imagens! não é furo; é um golpe na credibilidade do veículo; “ “Os veículos de comunicação são empresas de comunicação, elas aten- “O jornalismo é aquela dem os interesses comerciais de seus donos. E a Globo não é diferente disto. Ela atende aos interesses econômicos políticos e financeiros da Rede Globo e faz atividade que permite um jornalismo baseado nisto e não baseado no que realmente deveria ser a questão primeiro conhecimento de da mediação.” todos esses fenômenos, os complexos e os simples, com “O poder de fiscalização, chamado quarto poder, deveria ser obrigação da mídia, tornar público os acontecimentos, mas este poder acaba que simples-um grau aceitável de fidedig- mente se torna mais um poder.”nidade e correção, levando-seem conta o momento e as cir- Ivana Gouveia, 43 anos, mestre em comunicação e culturacunstâncias em que ocorrem. e coordenadora de jornalismo da Faculdade CCAA É, portanto, uma forma de apreensão da realidade.” 6
  7. 7. TÍTULO TÍTULO “Pratica jornalismo todo “Segundo a Legislação Brasileira, o jornalismo é um serviço voltado ao meio veículo cujo propósito cen-social, para a nação. Portanto é uma prestação de serviço “municiar” a sociedade tral seja conhecer, produzircom informação.” “Em minha tese de doutorado, derrubei muitos mitos do jornalismo, como a conhecimento, informar. Oimparcialidade e a subjetividade; e o que a Globo tinha como pensamento era veículo cujo objetivo centralque a verdade era a matéria prima do jornalismo. Mas agora, estão priorizando seja convencer, atrair adeptos,a realidade como coisa explorada. Não há mal algum em tomar parte das coisas, defender uma causa, faz pro-pois acho absolutamente normal o veículo ter uma determinada posição políticae manifestar isso, portanto que seja no lugar correto, ou seja, no editorial ou em paganda. Um está na órbita doartigos. O que não acho errado é manifestar no lugar da notícia, pois assim dis- conhecimento; o outro, da lutatorce os fatos para chegar a posição do veículo. Não é ético misturar informação político-ideológica.com opinião”. Peri Cota, jornalista, professor e coordenador do curso de jornalismo das Faculdades Integradas Hélio Alonso (FACHA). “Isenção é a palavra-cha- ve em jornalismo. E tão pro- blemática quanto “verdade”. Sem isenção, a informação fica enviesada, viciada, perde qualidade. Diante, porém, da pergunta eterna – é pos- sível ter 100% de isenção? “As informações precisam ser sempre apuradas e aprofundadas, para que nãoseja dada margem a dúvidas e contradições. A credibilidade é primordial.” – a resposta é um simples não. Assim como a verdade é “Já houve, como sabemos, manipulação, principalmente, quando falamos do inexaurível, é impossível queperíodo das Diretas Já e da era Collor, apesar dos mais ferrenhos defensores da alguém possa se despir total-“Vênus platinada” negarem e mascararem um pouco esses acontecimentos. Po-rém, a partir do governo FHC, essas questões começaram a mudar um pouco, pois mente do seu subjetivismo.”a ética e a democracia começaram a ser mais levadas em consideração”. “O Jornalismo foi obtendo uma essência mais investigativa e defensora dos “Nenhum veículo dasdireitos da sociedade. A cidadania, a ética, o combate à corrupção, foram sendo Organizações Globo farácada vez mais incorporados aos meios midiáticos, até se tornarem o que são hoje, uso de sensacionalismo, anão só meios de informação, mas também, de revelação de falcatruas, tornando-se deformação da realidade dedefensores da verdade, contribuindo para uma maior transparência. A imprensaestá mais livre, estando em seu pleno direito”. modo a causar escândalo e explorar sentimentos e emo- “Qualidade é essencial e a sede pelo “furo” pode descambar para uma informa- ções com o objetivo de atrairção incompleta e precipitada. O fato precisa ser mostrado, mas, posteriormente,deve ser destrinchado para uma melhor compreensão da notícia”. uma audiência maior. O bom jornalismo é incompatível Felipe Simão, 29 anos, Jornalista. Editor-chefe da Folha Dirigida com tal prática. Algo distinto, e legítimo, é um jornalismo popular, mais coloquial, às vezes com um toque de hu- mor, mas sem abrir mão de informar corretamente” 7
  8. 8. O QUE É JORNALISMO? Por Camila dos Reis Santos Os três poderes da Repú- Periodicidade - consisteblica, o legislativo, o judiciá- no espaço de tempo fixo erio e o executivo, têm como determinado entre uma edi-objetivo organizar a socie- ção e outra de um veículodade para garantir os direi- jornalístico. Há jornais diá-tos dos cidadãos. Segundo o rios, semanais e até mensais,historiador Rainer Sousa, o mas é a regularidade que de-Poder Executivo tem a fun- fine a periodicidade.ção de observar as demandas Atualidade – consisteda esfera pública e garantir na veiculação de notíciasos meios cabíveis para que atuais, ou seja, fatos que te-as necessidades da coleti- nham acontecido no espaçovidade sejam atendidas no de tempo entre uma edição einterior daquilo que é deter- outra do jornal.minado pela lei. Por sua vez, Publicidade – é a capaci-o Poder Legislativo congre- dade que um veículo tem dega representantes políticos tornar os assuntos públicos.que estabelecem novas leis. Universalidade – Con-Dessa forma, ao serem elei- siste na diversificação dostos pelos cidadãos, os mem- assuntos que devem ser vei-bros do legislativo se tornam culados em jornal.porta-vozes dos anseios e in- Em síntese a notícia éteresses da população como um relato de fatos ou acon-um todo. Além de poder fis- tecimentos atuais de inte-calizar o cumprimento das resse e importância paraleis por parte do Executivo. sociedade. Ela não é umO Poder Judiciário tem por acontecimento, ainda quefunção julgar, com base nos assombroso, mas a narraçãoprincípios legais, de que for- desse acontecimento.ma uma questão ou problema O jornalismo é dotado deserá resolvido. três teorias, a Teoria do Espe- O Jornalismo é o Quarto lho, A teoria OrganizacionalPoder. Tem o papel de guar- e a Teoria do Newsmaking.dião dos direitos dos cida- A Teoria do Espelho pres-dãos e atua na mediação de supõe que as notícias sãotornar público o que é pú- como elas são, porque a rea-blico. A expressão foi cria- lidade assim as determina.Oda para qualificar, de modo dever do jornalista é de in-livre, o poder das mídias ou formar e informar significado jornalismo em alusão aos outros três poderes do Estado buscar a verdade acima de qualquer coisa.democrático. Se referindo a uma multiplicidade de formas “É para contornar essa simplificação em torno dade fazer jornalismo, as Organizações Globo publicam o que “verdade” que se opta aqui por definir o jornalismoé o “seu” jornalismo: como uma atividade que produz conhecimento. Um co- “De todas as definições possíveis de jornalismo, a que as nhecimento que será constantemente aprofundado, pri-Organizações Globo adotam é esta: jornalismo é o conjunto meiro pelo próprio jornalismo, em reportagens analíti-de atividades que, seguindo certas regras e princípios, pro- cas de maior fôlego, e, depois, pelas ciências sociais,duz um primeiro conhecimento sobre fatos e pessoas.” em especial pela História. Dizer, portanto, que o jorna- O jornalismo tem a notícia como sua matéria prima. A lismo produz conhecimento, um primeiro conhecimen-notícia tem como principais características a periodicidade, to, é o mesmo que dizer que busca a verdade dos fatos.”atualidade, publicidade e universalidade. Organizações Globo. 8
  9. 9. TÍTULO TÍTULO Pela Teoria Organizacional, o quanto a evolução futura.trabalho jornalístico é dependente Quanto ao grau e nível hierárqui-dos meios utilizados pela organi- co das pessoas envolvidas, estamoszação. E o fator econômico é exa- falando de pessoas públicas. Veja-tamente o mais influente de seus mos as considerações para estes:condicionantes. O jornalismo é um _ “Pessoas públicas – celebrida-negócio e como tal busca o lucro. des, artistas, políticos, autoridadesPor isso a organização está mais religiosas, servidores públicos emfundamentalmente voltada para o cargos de direção, atletas e líderesbalanço contábil. empresariais, entre outros – por de- A Teoria do Newsmaking é finição, abdicam em larga medida deconstituída através dos critérios de seu direito à privacidade. Além dis-noticiabilidade. Isto é, fatores que so, aspectos de suas vidas privadasinfluenciam a produção de notí- podem ser relevantes para o julga-cias. Diante da imprevisibilidade mento de suas vidas públicas e parados acontecimentos, as empresas jornalísticas precisam a definição de suas personalidades e estilos de vida e, porcolocar ordem no tempo e no espaço. Para isso, estabe- isso, merecem atenção. Cada caso é um caso, e a decisãolecem determinadas práticas unificadas na produção das a respeito, como sempre, deve ser tomada após reflexão,notícias e dessas práticas que se faz ocupar a teoria do de preferência que envolva o maior número possível denewsmaking. Dentre os critérios de noticiabilidade estão pessoas” Organizações Globo.os critérios relativos ao conteúdo, critérios relativos ao Já nos critérios relativos ao produto, deve-se levar emproduto e os critérios relativos ao público. conta a brevidade e objetividade; atualidade e novidade; Nos critérios relativos ao conteúdo deve-se levar em qualidade da história a ser contada; equilíbrio e capaci-conta o grau e nível hierárquico das pessoas envolvidas dade de entretenimento.no acontecimento; impacto sobre a nação e seu interesse Quanto a atualidade e novidade entramos no assun-nacional; quantidade de pessoas envolvidas no aconteci- to agilidade, que é de vital importância para o exercí-mento.; relevância e significatividade do acontecimento cio da profissão. TÍTULO TÍTULO Para as Organizações Globo seus bais” do jornalismo atuam de maneira transparentes em suas ações e emprofissionais devem estar afinados tendenciosa, manipuladora as infor- seus propósitos”.com isenção, agilidade e correção. mações para interesses particulares, Dentre outros, os princípios Pau-A indicação veio através da carta de como políticos e econômicos. ta o mito da imparcialidade no jor-princípios. Mas embora tenham sido Ao expressarem o que pensam nalismo carta faz referencia a estedivulgadas em agosto com grande re- dos profissionais “globais”, alguns assunto. “Os veículos jornalísticospercussão, uma enquete com os alu- estudantes entrevistados se manifes- das Organizações Globo devem ternos da Facha Méier comprovou que taram dizendo: a isenção como um objetivo cons-maioria não leu e nem sabe do que - “Tecnicamente eficientes, mas a ciente e formalmente declarado.se trata. ética nem sempre é exercida com o Todos os seus níveis hierárquicos, Foram ouvidos 60 alunos dos cur- profissionalismo”. nos vários departamentos, devemsos Jornalismo e Publicidade, sendo - “Grandes profissionais, mas em levar em conta este objetivo em to-que 46% afirmaram não conhecer o sua maioria, marionetes articuladas das as decisões”.conteúdo carta. Porém mais de 60 % pelos princípios da organização”. Os estudantes na pesquisa nãoconcorda que os profissionais da casa No editorial é imposto que o pro- concordam com a carta, pois aponta-são excelentes, talentosos, compe- fissional deve sempre ser isento e ram que 83,3% acreditam que a redetes dentre outras qualidades, mas que leal com a informação. “Os veículos Globo é parcial, logo 16,7% acha que15%, portanto, acreditam que os “glo- das Organizações Globo devem ser é imparcial. 9

×