Benefícios do ultra som na celulite
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Benefícios do ultra som na celulite

on

  • 5,167 views

 

Statistics

Views

Total Views
5,167
Views on SlideShare
5,167
Embed Views
0

Actions

Likes
1
Downloads
50
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Benefícios do ultra som na celulite Benefícios do ultra som na celulite Document Transcript

  • 1 Benefícios do ultra-som terapêutico no tratamento do fibro edema gelóide Wildemizia da Silva Serra 1 ws.serra@hotmail.com Dayana Priscila Maia Mejia2 Pós-graduação em Fisioterapia Dermato-Funcional - Faculdade ÁvilaResumoO fibro edema gelóide (FEG) é conhecido popularmente por um termo como celulite,considerada uma doença do tecido conjuntivo, pode-se afirmar que há diversos fatores quecolaboram para o quadro dessa afecção inestética, como por exemplo, fatores genéticos,étnicos, sexuais, hormonais e emocionais.O FEG possui graus variados, pode apresentaraspectos e localizações diferentes. Neste estudo, realizou-se o levantamento bibliográficocom foco em no ultra-som terapêutico. Pesquisou-se os artigos nas bases de dadoseletrônicas National Library of Medicine (Medline), Scientific Electronic Library Online(SciELO). Para tal estudo, traçou-se como objetivo: esclarecer os benefícios do ultra-somterapêutico no tratamento do fibro edema gelóide. Então, concluiu-se que, dentro dosrecursos utilizados no tratamento do FEG,o ultra-som, devido suas ações e efeitos biofísicosespecíficos,vem destacando-se como um dos mais utilizados. No tratamento do fibro edemagelóide, utiliza-se ultra-som de 3 MHz, pois tem como efeitos fisiológicos a ação tixotrópicasobre géis, despolimerização da substância fundamental, deslocamento de íons, aumento dapermeabilidade das membranas, melhor reabsorção de líquidos, aperfeiçoamento dairrigação sanguínea e linfática, aumenta a produção e melhora a orientação das fibrascolágenas do tecido. Portanto, o ultra-som pode ser utilizado no tratamento do fibro edemagelóide, uma vez que suaviza o grau de acometimento.Palavras-chave:Fisioterapia, Fibro edema gelóide; Ultra-som.1.IntroduçãoProvavelmente o ultra-som seja o recurso físico que mais caracteriza o ato da fisioterapianuma clínica ou consultório especializado. Graças ao conhecimento dos seus efeitos, esserecurso tem ultrapassado as indicações das lesões do tecido músculo esquelético, estandodisponível para outras disfunções teciduais.O fibro edema gelóide (FEG) é uma afecção inestética desagradável aos olhos, do ponto devista estético, acarreta problemas álgicos nas zonas acometidas e diminuição das atividadesfuncionais. È uma afecção que provoca uma série de complicações, além de dores intensas eproblemas emocionais. Dentro dos recursos utilizados no tratamento do FEG, o ultra-som,devido suas ações e efeitos biofísicos específicos, vêm destacando-se como um dos maisutilizados. Devido a esse quadro, houve o interesse em realizar a presente pesquisa.O termo celulite popularmente conhecido é considerado inadequado, a denominação fibroedema gelóide foi escolhida para figurar nesse compêndio,pois retrata de forma abrangente osachados histopatológicos descritos por diversos autores. A princípio o nome fibro edemagelóide era acrescido pelo termo subcutâneo,apontando assim a hipoderme como único tecido1 Pós-graduação em Fisioterapia Dermato-Funcional.2 Graduada em Fisioterapia, Especialista em Metodologia do Ensino Superior, Mestrado em bioética e direitoem saúde.
  • 2envolvido,o que é um erro,sendo,portanto,desmembrado deste.Foi observado que os tecidoscutâneos e adiposos são afetados em diversos graus,portanto comprovadamente ocorre nestadisfunção uma série de alterações estruturais da derme (GUIRRO E GUIRRO, 2002).Na Fisioterapia Dermato- Funcional, o ultra-som também desempenha papel importante,produzindo lipólise em tecidos adiposos, com fundamentação, bem como aplicação direta nospós- operatórios de intervenções da cirurgia plástica.Para o estudo dos benefícios do ultra-som terapêutico no tratamento do fibro edema gelóidetraçou-se como objetivo geral: esclarecer os benefícios do ultra-som terapêutico no tratamentodo fibro edema gelóide.Os objetivos específicos são: Comentar a anatomia do sistemategumentar; apresentar a definição e etiologia do fibro edema gelóide; verificar ascaracterísticas do ultra-som utilizado na fisioterapia dermato-funcional; Já o problema é:Quais são os Benefícios do ultra-som terapêutico no tratamento do fibro edema gelóide?O estudo trata-se de uma revisão bibliográfica. A busca por livros e artigos para a pesquisa foirealizada no período de novembro de 2011 à março de 2012. Pesquisou-se os artigos nasbases de dados eletrônicas National Library of Medicine (Medline), Scientific ElectronicLibrary Online (SciELO).O ultra-som é definido como uma vibração acústica inaudível de alta frequência capaz deproduzir efeitos fisiológicos térmicos e não térmicos .O ultra-som terapêutico é eficaz quandocombinado há combinação de um meio de acoplamento adequado com a técnica de contatodireto (PRENTICE, 2004).O uso do ultra-som requer alguns procedimentos técnicos, básicos,a fim de possibilitar aperfeita interação da onda com os diferentes tecidos.Cabe ao profissional selecionarpreviamente todos os parâmetros a serem ajustados no equipamento (AGNES,2007)..2. Anatomia do sistema tegumentarO sistema tegumentar é constituído pela pele e tela subcutânea, juntamente com os anexoscutâneos. O tegumento recobre toda a superfície do corpo e é constituído por uma porçãoepitelial, a epiderme,e uma porção conjuntiva,a derme.Abaixo e em continuidade com aderme está a hipoderme,tela subcutânea,que embora tenha a mesma origem e morfologia daderme não faz parte da pele,a qual é formada apenas por duas camadas.A a pele é compostapela camada da epiderme e a camada da derme (GUIRRO E GUIRRO, 2002).De acordo com Borges (2006), dentre as suas inúmeras funções, a pele confere proteção aoorganismo contra agentes físico-químicos do ambiente e os microorganismos parasitas. Aepiderme é subdividida (da superfície para a profundidade) em 5 camadas:estrato córneo(camada corneificada);extrato lúcido (camada clara); estrato granuloso (camadagranulosa);estrato espinhoso ou malpighiano (camada espinhosa) e o estrato germinativo oubasal (camada regenerativa) A derme contém a maior parte das estruturas vivas da pele,sendoresponsável por sua elasticidade e resistência.Apresenta corpúsculos sensoriaistáteis,terminações nervosas e receptores de frio e calor.Seus vasos sanguíneos sãoresponsáveis pela nutrição e pela oxigenação – tanto das células dérmicas quanto dasepidérmicas.Na epiderme, as diferentes camadas que a constituem mostram as fases pelas quais passam ascélulas que vão sendo substituídas continuamente, nas camadas superficiais elas morrem e seconvertem em escamas de queratina. A derme é rica em fibras colágenas e elásticas queconferem à pele sua capacidade de distender quando tracionada, voltando o estado original,desde que cesse a tração. A derme é ricamente irrigada, com extensas redes capilares, vasos
  • 3linfáticos e nervos (DANGELO E FATTINI, 2002).Todos os estudos sobre o sistema tegumentar consideram a hipoderme parte dapele,embora,para diversos autores,ela não seja uma das camadas da pele.Composta por célulasdo tipo adipócitas,está situada abaixo da derme,sendo rica em gordura e vasossanguíneos.Apresenta-se como um tecido conjuntivo frouxo, e a gordura que armazenaconstitui uma reserva de energia.Além disso,atua também como isolante térmico (BORGES,2006).3.Fibro edema gelóidePara descrever ou definir o fibro edema gelóide é preciso ficar clara a inadequação do termocelulite para designar esta afecção, pois o sufixo “ite” é indicativo de inflamação, o que nãodefine o seu verdadeiro significado. Na verdade, trata-se de uma desordem localizada quecompromete o tecido dérmico e subcutâneo com alterações musculares e lipodistróficos comresposta esclerosante, que resulta no inestético aspecto macroscópico (GUIRRO E GUIRRO,2002).O termo “celulite” foi inicialmente usado em 1920 para apresentar uma alteração estética dasuperfície cutânea. Desde então, foram recomendados outros nomes mais descritivos; estescompreendem o Fibro Edema Gelóide (FEG) Lipoesclerose Nodular, Paniculopatia Edemato-Fibroesclerótica (PEFE),Paniculosidade,Lipodistrofia Ginóide (LDG) e outros (BORGES,2006).Guirro e Guirro (2002), afirmam que o fibro edema gelóide é considerada uma infiltraçãoedematosa do tecido conjuntivo subcutâneo, não inflamatória, seguida de polimerização dasubstância fundamental, que infiltrando-se nas tramas, produz uma reação fibróticaconsecutiva.Alteração inflamatória dolorosa do sistema celular no sentido médico ( estrito do termo, ascelulite reagrupa na verdade toda uma entidade antomoclínica que vai da banal infiltraçãonodular (pele de laranaja) até a volumosa adiposidade laterotrocanteriana ou subglútea(XHARDEZ,2001).Conforme Avram (2004),apud Arriero el al (2008), o FEG é uma afecção inestéticafrequentemnte incidente na população como um todo, sendo o gênero feminino o maisacometido, tendo uma prevalência entre 85% e 98% em todas as raças. Essa prevalência édemonstrada após o marco da puberdade.Segundo Ullmann et al., 2004), a celulite é considerada uma doença do tecido conjuntivo,inicia-se com um quadro edematoso (originado da palavra edema, que significa acúmulo delíquido), evoluindo de forma fibroesclerótica, levando ao comprometimento do tecidogorduroso.Bacelar et al., (2006),afirma que o fibro edema gelóide é conhecido popularmente comocelulite, caracterizado como uma doença que atinge uma estrutura que pode apresentarnódulos com variações de tamanho e localização, podendo apresentar dor, acompanhada ounão na diminuição da função do membro acometido.3.1 EtiologiaSegundo Guirro e Guirro (2002),de modo geral, pode-se descrever uma etiologia para o fibroedema geóide,enumerando e subdividindo os fatores que possivelmente desencadeiam oprocesso em três classes:
  • 4  Fatores predisponentes: genéticos, idade, sexo,desequilíbrio hormonal.  Fatores determinantes: estresse, fumo, sedentarismo, desequilíbrios glandulares, perturbações metabólicas do organismo em geral, maus hábitos alimentares, disfunção hepática.  Fatores condicionantes: perturbações hemodinâmicas locais que podem aumentar a pressão capilar,dificultas a reabsorção linfática,favorecer a transudação linfática nos espaços intersticiais.Os principais hormônios envolvidos no fibro edema gelóide: o estrógeno,que aumenta apermeabilidade e diminui o tônus muscular,levando prejuízo a circulação;a insulina,que élipogênica; a prolactina,que aumenta a retenção hídrica no tecido adiposo e as catecolaminasque em altas concentrações e na presença do estrógeno ativam os alfa-receptoreslipogênicos.Já o tabagismo diminui o fluxo da microcirculação favorecendo a lipogênese,alémde aumentar a produção de radicais livres, diminuindo o sistema de defesa doorganismo(KEDE E SABATOVICH,2004).Esse autor aponta ainda que o consumo de álcooltambém estimula a lipogênese e a baixa ingestão de água e fibras dificultando ofuncionamento intestinal, levando a estase venosa.A origem do distúrbio celular (verdadeira degeneração escleroadiposa do tecido celular lasso)poderá ser hormonal, renal,hepatodigestiva,tóxica e sobretudo circulatória, o sedentarismodesempenhando menos acometimentos.É encontrada com frequência nas mulheres e seacompanha frequentemente por uma hipotonia de determinados grupos musculares (dosglúteos e pelvicotrocantéricos) (XHARDEZ,2001).Segundo Borge (2006),a celulite é uma alteração topográfica da pele que aconteceprincipamente em mulheres na região pélvica,MMII e abdômen.Esse autor ainda destaca, quehistopatologicamente,a celulite apresente três fases:  Alteração dos adipócitos associada à estase linfática e proliferação dos fibroblastos.  Fibrose,colagenases e neoformações dos capilares acontecem com micro-hemorragia focal e hiperqueratose folicular.Ocorre edema moderado, e isso pode causar o aparecimento do aspecto de “casca de laranja”;e  A terceira fase inclui as alterações prévias,como também esclerose do septo fibroso,do tecido subscutâneo e da derme profunda,causando o aparecimento dos “furinhos”.A textura granular à palpação da área afetada corresponde aos nódulos no tecido subcutâneo visto histopatologicamente.Segundo Guirro e Guirro (2002),considerando o fibro edema gelóide separadamente,sob trêsdiferentes pontos de vista,o histológico,etiopatogênico e o clínico,teremos três diferentesdefinições importante:Histologicamente é uma infiltração edematosa do tecido conjuntivo,não inflamatória,seguidade polimirização da substância fundamental que infiltrando-se nas tramas,produz uma reaçãofibrótica consecutiva.Etiologicamente é um processo reativo da substância fundamental seqüente a uma alteraçãodo meio interno,favorecido por causas locais e gerais,em virtude do qual asglicosaminoglicanas (antes denominadas mucopolissacarídeos) que interagem sofrem umprocesso de hiperpolimirização.
  • 5Ainda segundo Guirro e Guirro (2002), as macromoléculasextracelulares,glicosaminoglicanas,quando unidas por ligação covalente unem-se às proteínastranformando-se então em moléculas denominadas de proteoglicanas. As glicosaminoglicanasapresentam propriedades hidrofílicas e são as principais responsáveis pela pressão osmósticaintersticial.Já as proteoglicanas atuam na produção de colágeno pelos fibroblastos,bem comono seu arranjo tridimensional.Além disso,as proteoglicanas possuem a capacidade deincrementar o depósito de colágeno e reconstituir a matriz extracelular.Mudanças no estado ecomposição química matricial intersticial influenciam profundamente as células e os tecidoscomo um todo.Vários são os fatores que podem causar alterações nas proteoglicanas damatriz variações topográficas (vinculadas à espécie,caracteres individuais e regionais),idade(Maior quantidade na fase embrionária e evidentemente,menor na senil,gestação (aumento naprodução de ácido hialurônico e gicosaminoglicanas),estrógenos (aumentos de ácidohialurônico e condroitinsulfúrico),diaberes (redução na produção de glicosaminiglicas eaumento da heparina),hipotoriodismo.Ortonne et al (2008) apud Arriero el al,(2008), analisaram diversas características clínicas eestruturais da pele de mulheres com FEG grau dois, sugerindo que as mesmas têm impactosobre o envelhecimento da pele. Além disso, a relação entre sobrepeso e a proporção cintura-quadril são pontos-chave para prevenir sua aparição. Esse estudo mostrou ainda um aumentoda prega cutânea e espessura total de pele (incluindo hipoderme) de cerca de 30% napopulação de grau dois independentemente da idade.Segundo Xhardez (2001), o fibro edema gelóide possui três fases: 1º fase, apresenta restoscelulares mal drenados pelo sistema linfático acumulam-se no tecido conjuntivo edesencadeiam uma reação exsudativa.Já na 2º fase há restos celulares que vão se organizarcom colágeno.Enquanto na 3º fase esclerosa e formar endurecimento subcutâneo que sãodolorosos.Considerando o fibro edema gelóide separadamente,sob três diferentes pontos de vista,ohistológico,etiopatogênico e o clínico,teremos três diferentes definições importantes.Histologicamente é uma infiltração edematosa do tecido conjuntivo,não inflamatória,seguidade polimirização da substância fundamental que infiltrando-se nas tramas,produz uma reaçãofibrótica consecutiva.Peña e Pérez (2005) apud Arriero el al (2008),relatam que se o fibro edema gelóide fosseinfluenciado pelo volume de tecido adiposo poderíamos afirmar que os homens e as mulherescom quantidades iguais de tecido adiposo na extremidade inferior mostrariam espessuras dapele semelhantes, o que não ocorre. Por exemplo,nas mulheres, os depósitos de gordura estãolocalizados abaixo da pele em regiões separadas por tecido conjuntivo. Quando as células degordura crescem devido ao aumento dos depósitos de lipídios, os compartimentos contendoadipócitos crescem, enquanto as paredes do tecido conectivo permanecem iguais, causando aaparência característica do quadro. Já em homens, esse quadro raramente ocorre, uma vez queseus depósitos adiposos se estruturam de maneira diferente .3.2 Localização do fibro edema gelóideConforme afirma Guirro e Guirro (2002), o fibro edema gelóide pode atingir qualquer partedo corpo, exceto as palmas das mãos,as plantas dos pés e o couro cabeludo. São atingidascom maior frequência a porção superior das coxas, interna e externamente,a porção internados joelhos,região abdominal,região glútea e porção superior dos braços, antero eposteriormente.
  • 6Segundo Campos apud Oenning e Braz (2002), as mulheres são mais atingidas pelo fibroedema gelóide,por apresentarem duas vezes mais células adiposas que o homem. Oaparecimento pode acontecer após a puberdade, em função das alterações hormonaisocorridas nesse período. A falta de exercício diminui a capacidade circulatória, diminuindo adrenagem e a oxidação de toxinas.4. Avaliação do fibro edema gelóideAvalia-se o fibro edema gelóide com uma ficha iniciando com a inspeção, buscando poratrofias, presença de nódulos ou placas hipertróficas, localização de gordura, estrias, varizes,varicoses. Verifica-se a aparência da pele se há um aspecto de “casca de laranja”, e se acoloração da pele está acetinada, dentre outros. Enfatiza-se ainda que durante o exame físico,a inspeção deverá ser efetivada com o paciente em posição ortostática, porque na posição dedecúbito ocorre acomodação dos tecidos o que pode disfarçar o grau de acometimento dotecido.O FEG é diagnosticado por múltiplos exames, entretanto o mais simples é o “teste emcasca de laranja”, que consiste em comprimir o tecido adiposo entre os dedos polegar eindicador ou entre as palmas das mãos, a pele se assemelhar-se-á com aspecto de uma cascade laranja, com aparência rugosa. Existem ainda exames complementares como, termografia,xerografia, ecografia bidimensional e exame anatômico patológico. ((BARROS, KELLER,GUIRRO, GUIRRO,et al., apud MENEZES, SILVA,RIBEIRO, 2009).5. Tratamento do fibro edema gelóideSegundo Xhardez (2001) o tratamento clínico é etiológico e sintomático, sendo muitoimportante as regras de higiene alimentar. Qualquer dos tratamento tanto clínicos quantofisioterapêutico nunca serão definitivos. Será necessário um acompanhamento regular, dofibro edema gelóide dependendo muito de um verdadeiro estado celulítico difícil de sercontrolado.O tratamento do fibro edema gelóide em 15 paciente do sexo feminino, entre 20 e 35 anos,utilizando o ultra-som associado a fonoforese e a endermologia, observou-se uma redução noFEG de grau 1 e 2, e um melhor aspecto no de grau 3, como resultado, 40% das pacientesobtiveram redução em todas suas medidas, 20% em 4 medidas, 13.33% em 3 medidas,13.33% em 2 medidas e 13.33% obtiveram um aumento das mesmas (TOGNI,2006).Weimann (2004) realizou uma pesquisa com 10 pacientes, aleatoriamente, formando doisgrupos, onde o primeiro grupo foi submetido à terapia com ultra-som, e o segundo grupo nãorecebeu nenhuma intervenção terapêutica no período. O ultrasom foi utilizado na freqüênciade 3 MHz, no modo contínuo, com dose de 1,2 W/cm², e foi aplicado por 7 minutos em cadaglúteo. O tratamento consistiu de 20 sessões, realizadas 3 vezes por semana, em diasalternados. Todas as voluntárias foram submetidas à avaliação inicial, para verificar o tipo egrau do fibro edema gelóide apresentado. Com o término do tratamento proposto novaavaliação foi realizada e revelou que a utilização do ultra-som mostrou-se eficaz notratamento do fibro edema gelóide, uma vez que diminuiu o grau de acometimento.6. Ações do ultra-somO ultra-som terapêutico pode induzir respostas clinicamente significativas em células, tecidose órgãos por meio de efeitos térmicos e biofísicos. O UST terapêutico aumenta a temperatura
  • 7do tecido, a taxa de metabolismo local e a atividade enzimática. E pode reduzir a viscosidadedos exudatos,abrir canais linfáticos e aumentar a circulação,o que ajuda a reduzir o edema(PRENTICE,2004). Segundo Machado (1991),o ultra-som atua como catalisador,acelerando as reaçõesquímicas,e aumentando a condutibilidade das reações. Produz pH alcalino pelo aumento dacirculação e das trocas.Possui também ação tixotrópica ou coloidoquímica,transforma colóidegel em sol,o que aumenta a elasticidade dos tecidos que carecem de água,favorecendo ahidratação tecidual, favorece a extensibilidade dos tecidos conjuntivos, pelo aumento daviscoelasticidade.Pesquisas recentes fornecem respostas a muitos resultados e conclusões contraditórias deinúmeros relatos prévios com base clínica ou laboral da literatura. Mesmo havendorelativamente pouca evidência científica documentada pela comunidade clínica a respeito daeficácia do UST,ele é muito utilizado (PRENTICE,2004).Como regra geral, o tempo de tratamento com o US é de 5 minutos por área,sendo que,emáreas corporais grandes,a região (em cm2),será dividida pela ERA 5cm2 (valor equivalente aERA da maioria dos ultra-sons).Exemplo:Área de 15 cm x 15cm= 75cm2.Dividindo a área aser tratada pela ERA,obtém-se o tempo = 75cm2 dividido por 5cm2 = 5 min.Para garantir que o máximo de energia ultra-sônica, seja transmitida ao paciente, a face dotransdutor deve estar paralela à pele,de modo que o ultra-som atinja a superfície em ângulo de90 graus.A reflexão na interface ar-tecido pode ser aplicando-se o ultra-som com uma gentede acoplamento para excluir o ar da área entre o paciente e o transdutor.O gel hidrossolúvelparece ter as propriedades mais desejáveis a um bom agente de acoplamento(PRENTICE,2004).Segundo Agnes (2007),para que seja considerado um produto apropriado para o acoplamentoexige-se que esse seja: Bom condutor das ondas ultra-sônicas; Facilite o deslizamento do transdutor; Não se coagule, não forme bolhas e nem resseque; Não irrite a pele; Tenha custo benefício.Segundo Rodrigue e Guimarães (1998), no mecanismo de ação do ultra-som os fatores maisimportantes são; Movimentos mecânicos dentro dos complexos celulares, inclusive com grandes células, até o interior das mesmas. Este movimento é determinado essencialmente pela amplitude oscilatória e a aceleração ,ambas dependentes da freqüência,conduzindo sempre a um atrito interno que é na maioria das vezes de natureza viscosa; A produção de calor que resulta dessa fricção constitui o fator decisivo na absorção. Por essa razão, o coeficiente de absorção é diretamente proporcional ao coeficiente de fricção interna e da frequência sonográfica; Hiperemia na zona capilar e pré-capilar por vasodilatação arterial que pode atribuir-se, em parte, diretamente à excitação dos plexos vasculares. A acentuação do metabolismo intercelular por aumento da permeabilidade da membrana celular;
  • 8 Efeito químico por rompimento de largas molecular em cadeia, ionização e, por conseguinte formação de radiossais e nitritos; Ação sobre o sistema neurovegetatitivo sobre os gânglios espinais, as raízes raquidiana posteriores, o simpático e a ação reflexa.Em relação ao tempo são dois os fatores importantes,a duração,máxima do tratamento nãodeve exceder 15 minutos por terapia.Tempos maiores não aceleram nem fazem ocorrer efeitosespecíficos desejáveis (RODRIGUE E GUIMARÃES,1998).Já para Guirro e Guirro (2002), otempo de aplicação e a intensidade da radição do ultra-som devem ser mensurados.Comoregra geral pode-se estabelecer o tempo de dois minutos para áreas próximas de10cm2.Enquanto a intensidade varia segundo o efeito desejado e o tecido a seestimulado,sendo sua ação tanto mais profunda quanto for a intensidade.6.1 Diretrizes para o uso seguro do equipamento de ultra-somEmbora o ultra-som seja uma modalidade relativamente segura quando aplicadaadequadamente, o fisioterapeuta deve esta consciente das várias contra-indicações eprecauções que seu uso envolve.Para que o UST,seja eficaz,o fisioterapeuta deve estar atentoaos parâmetros corretos de aplicação,como intensidade,frequência,duração e extensão da áreaa ser tratada (MACHADO,2002)A técnica do manuseio do transdutor seja provavelmente a maior responsável pelos feitosterapêuticos do ultra-som a qual requer do profissional além de cuidados muita pacientedurante o tempo que está executando essa tarefa.O transdutor deverá esta em contatoconstante coma pele,com movimentos leve e ritmos,exercendo moderada pressão. Odeslizamento do transdutor é facilitado por meio especial o qual também é imprescindívelpara maior penetração e absorção do US (AGNES,2007).Segundo Prentice (2004), as seguintes diretrizes de tratamento ajudam a garantir a segurançado paciente:  Interrogar o paciente contra-indicações ,talentos prévios;  Posicionar o paciente confortavelmente;  Inspecionar partes a serem tratadas;  Utilizar um transdutor de tamanho adequado;  Determinar a frequencia;  Ajustar o ciclo de trabalho;  Aplicar o meio de acoplamento na área;  Determinar o tempo de aplicação;  Manutenção do contato entre pele e o aplicador.  Ajustar a intensidade;  Terminar a aplicação (colocar os dias em zero, limpar o gel);  Inspecionar a área, questionar o paciente;  Registrar parâmetros do tratamento.
  • 96.2 Contra-indicações do aparelho de ultra-som:  Fragilidade vascular;  Região craniana;abdominal na mulher grávida;gônadas;]fraturas não consolidadas,calos dolorosos,cartilagens de conjugação,enxertos recentes;  Tumores malignos,tuberculose,doenças infecciosas e inflamação agudas,diabetes,hipoestesias profundas,problemas da sensibilidade termoanalgésica;  Rupturas musculares antes da reabsorção do hematoma (risco de calcificação do hematoma),enxertos ósseos e de pele recentes,fraturas não consolidadas,tromboflebites(risco de mobilização do êmbolo);  Próteses seladas (risco de descolamento);6.3 Ultra-som no fibro edema gelóideNo campo da fisioterapia,denominamos ultra-som as oscilações cinéticas ou mecânicasproduzidas por um transdutor vibratório que se pálida sobre a pele com finsterapêuticos,atravessando-a e penetrando no organismo em diferentes profundidades(AGNES, 2007).O ultra-som tem sido empregado com a finalidade terapêutica, sendo que essa modalidade deenergia, quando aplicada no homem tem se revelado eficiente na resolução de muitas formasde lesões. O equipamento de ultra-som terapêutico (UST) consiste de um gerador de correnteelétrica de alta frequência, conectado a uma cerâmica piezoelétrica sintética que se deformana presença de um campo elétrico (GUIRRO E GUIRRO,2002).No tratamento de fibro edema gelóide,utiliza-se ultra-som de 3 MHz,porque praticamentetoda energia vai ser absorvida aproximadamente a quatro centímetros deprofundidade.Aumentando a frequência, diminui-se o comprimento de onda,ocorrendo oaumento da absorção em nível superficial (MACHADO,2002).A determinação da potência da emissão da onda do US tem relação dieta com o local da suaabsorção além dos efeitos biológicos.Para que os efeitos sejam obtidos será necessário que asondas sejam maximamente absorvidas num determinado local e para que isso ocorra oprimeiro passos era a escolha da frequência de emissão da onda.De fato,existe uma relaçãoentre a frequência de emissão e potência para definir o campo de ação econsequentemente,quanto mais elevada a potência maior a profundidade que a onda iráatingir. Por exemplo,caso pretendemos usar o US para tratar quadro de celulite,primeirodevemos escolher a frequência de emissão que tenha maior absorção no tecido subcutâneo epara tal,essa será de 3 MHz.O segundo passo é escolher a potencia dessa emissão,pois o efeitos ser alcançado será basicamente a tixotropia e para que isso aconteça deverá haverconsideravelmente efeito térmico.Então apetência deve ser em torno de 0,8 até 1,0 MHz eemitida de forma contínua (AGNES,2007)Segundo Machado (2002), o ultra-som (US) pode ser aplicado de forma contínua ouintermitente (pulsátil),dependendo to tipo de enfermidade em tratamento.A forma contínuaproduz 50% de efeito térmico e 50% de efeito mecânico, e o US pulsado produz açãomecânica sem produzir calor (atérmico).A frequência do US é um fator determinante naabsorção de calor pelo tecido,como ocorre com o ultra-som de 3MHz,em que a energia ultra-sônica é praticamente absorvida no nível superficial.
  • 10Rossi e Vergnanini, (2000) apud Arriero el al,(2008),em relação à diminuição dos fatoresagravantes do fibro edema gelóide é de fundamental importância acompanhar a dieta, realizarexercícios regulares e evitar o uso de contraceptivos não-hormonais. Além disso, é importanteo controle de ansiedade e estresse.Segundo Guirro e Guirro (2002), o uso do ultra-som também está relacionado aos seus efeitosfisiológicos associados à sua capacidade de veiculação de substãncias através da pele(fonoforese).Entre od diversos efeitos,pode-se destacar a neovascularização,aumento dacirculação,rearranjo e aumento da extensibilidade das fibras colágenas,e melhora daspropriedades mecânicas do tecido.O metabolismo pode ser modificado,contando-se que háum acentuado aumento da permeabilidade das membranas biológicas que torna possível apenetração de fármacos no tecido.No estudo de Pedro (2007) foi selecionada 10 participantes, do sexo feminino, submetidas àavaliação para verificar o grau, o tipo do fibro edema gelóide, o perímetro da coxa, circulaçãosanguínea e análise fotográfica, antes e após a intervenção. A abordagem do tratamentoconstituiu-se de 20 sessões, realizadas diariamente, usando o ultra-som terapêutico em umafrequência de 3 MHz, no modo contínuo, com dose de 1,0 W/cm2, em ambos os membrosinferiores. A fonoforese à base de cafeína foi empregada na região lateral do membro inferioresquerdo. Os resultados da pesquisa demonstraram diminuição significativa da perimetriaentre os membros inferiores, aumento da vascularização em ambos os membros, porém maisacentuada no esquerdo, demonstrada através da placa termossensível.Normalmente,trata-se a celulite com fonoforese,utilizando-se o ultra-som de 3 MHz no modocontínuo,devido a maior ação tixotrópica.Deve-se ressaltar a importância da qualidade dosprodutos utilizados na fonoforese para o tratamento da celulite,pois o produto escolhidopoderá facilitar ou dificultar a ação do campo ultra-sônico na afecção tratada.Verifica-se naprática clínica protocolos dando conta de doses terapêuticas que giram em torno de 1,2 a1,5W/cm2 .Polacow et al apud Borges (2006),relataram que a fonoforese foi capaz de acelerara permeação do tiratricol acentuando sua ação lipolítica,reduzindo com isso a espessura dotecido adiposo na hipordeme.Esse fato é de extrema importância no tratamento da celulitequando ela está associada à gordura localizada.A técnica de fonoforese consiste no método direto,utilizando-se uma substância compropriedades terapêuticas em forma de gel como meio de acoplamento.Objetivando com issoa introdução de substâncias medicamentoso-cosméticas através da pele,mediante a energiaultra-sônica.Compreende a técnica mais usada na terapêutica dermato-funcional,principalmente no tratamento da celulite,empregando produtos cosméticos principalmentecom ação lipolítica e estimulante da circulação.No caso da fisioterapia dermato-funcional,onde a celulite tem o maior emprego da fonoforese,recomenda-se o uso do ultra-som contínuo,por usa ação tixotrópica nos nódulos celulíticos.Os agentes ativos maisconhecidos utilizados na fisioterapia dermato-funcional são:anticelulíticos a base ecafeína,silanóis,thiomucase,ácido triiodotiroacético,incluindo os produtos com efeitos paracirculação a base de histamina,castanha da índia,centelha asiática,hera,cavalinha,ginko biloba(BORGES,2006).7. MetodologiaO estudo trata-se de uma revisão bibliográfica. Sendo a busca por livros e artigos para apesquisa foi realizada no período de novembro de 2011 à março de 2012. Pesquisou-se osartigos nas bases de dados eletrônicas National Library of Medicine (Medline), Scientific
  • 11Electronic Library Online (SciELO). As palavras-chave utilizadas foram: Fisioterapia, Fibroedema gelóide; Ultra-som.8. ResultadoSegundo estudo realizado por Togni (2006), o fibro edema gelóide é avaliado como umapatologia multifatorial por ser determinada por efeitos hormonais, predisposição genética,inatividade, dietas inadequadas, obesidade,distúrbios posturais, bem como tabagismo.Em meio aos recursos, o ultra-som associada à fonoforese oferece grande eficácia, poispromovem expressivas alterações fisiológicas no tecido acometido pela fibro edema gelóide.Há uma gama muito extensa de indicações do ultra-som, sendo que, seu uso em estética estáacendendo pela obtenção de excelentes resultados conseguidos em determinadas patologias,tais como, o fibro edema gelóide e em tecido cicatricial (PINTO, GUIRRO, GUIRRO, apudMENEZES, SILVA,RIBEIRO, 2009). O ultra-som terapêutico no comércio nacional caracteriza-se por mostrar-se com frequênciasde 1,0 ou 3,0 MHz, estando disponível ultimamente também em 5 MHz.A intensidade podemudar entre 0,1 e ,,0 watts por centímetros quadrados.Mais atualmente alguns equipamentosforam projetados para oferecer limites de intensidades mais compatíveis com a prática clínicaas quais variam de 0,01 a 2,0 W/cm2 .Estes equipamentos estão mais próximos da práticaterapêutica,uma vez que raramente utilizam-se doses superiores a 2W/cm2 .A frequencia de 5MHz é indicada excepcionalmente para área de dermatologia por apresentar uma pequenacapacidade de penetração nos tecidos biológicos.No caso do fibro edema gelóide se empregaa aplicação móvel pro contato direto, a qual consiste em manter o cabeçote emissor do ultra-som em contato direto com a pele que se deseja tratar, como regra geral pode-se estabelecer otempo de dois minutos para áreas próximas de 10 cm2 (GUIRRO e GUIRRO apud KUHNEN,e SILVA, 2010).A dose do ultra-som é expressa em W/cm2.Em geral para o tratamento do fibro edema gelóiderecomenda-se iniciar com doses baixas e aumentar a intensidade progressivamente (ROSSIapud KUHNEN, e SILVA, 2010).No tratamento do FEG utiliza-se o ultra-som, pois tem como efeitos fisiológicos a açãotixotrópica sobre géis, despolimerização da substância fundamental, deslocamento de íons,aumento da permeabilidade das membranas, melhor reabsorção de líquidos, aperfeiçoamentoda irrigação sanguínea e linfática, aumenta a produção e melhora a orientação das fibrascolágenas do tecido (MENEZES, SILVA,RIBEIRO, 2009)
  • 12ConclusãoO fisioterapeuta dermato-funcional deve conhecer o comportamento físico e fisiológico doultra-som para prescrição correta nas diversas afecções.O fibro edema gelóide é considerada uma infiltração edematosa do tecido conjuntivosubcutâneo e possui uma etiologia multifatorial, na qual causas atuam em cima de condiçõesgenéticas favoráveis, que associados a diversos fatores endógenos e exógenos,desencadeiamuma reação, em cascata lenta e progressiva que atingem a região do tecido dermo-subdérmico.Pode ser observado de acordo com a pesquisa realizada, que a utilização do ultra-somterapêutico no tratamento do FEG, está vinculado aos seus efeitos fisiológicos e, pode-sedestacar a neovascularização como aumento da circulação, rearranjo e aumento daextensibilidade das fibras de colágeno e melhora das propriedades mecânicas dotecido,metabolismo tecidual pode ser modificado,pode aumentar a permeabilidade dasemmbranas biológicas,sendo essa o principal fator que torna possível a penetração defármacos no organismo.O ultra-som também tem a capacidade de veiculação de substãnciasatravés da pele,conhecida como fonoforese.Através dessa pesquisa, concluiu- se que o tratamento do fibro edema gelóide com o ultra-som terapêutico é eficaz na amenização e diminuição do quadro de FEG.
  • 13ReferênciasAGNES ,JONES. Eletrotermoterapia Teoria e Prática. Rio Grande do Sul: Orium, 2007.ARRIEIRO,Arthur Nascimento; PIRES,Viviane Araújo;XAVIER, Murilo.Fibroedemagelóide: etiopatogenia, avaliação e aspectos relevantes – uma revisão de literatura.UFVJ – Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri. XIII Encontro Latino Americanode Iniciação Científica e IX Encontro Latino Americano de Pós-Graduação – Universidade doVale do Paraíba,2008.BACELAR, Vanessa Correia Fernandes; VIEIRA, Maria Eugênia Senra. Importância davacuoterapia no fibro edema gelóide. Revista Fisioterapia Brasil, Vol. 07 Nº 06, p. 440-443, Dez 2006.DANGELO, J.G.; FATTINI, C. A. Anatomia humana básica. 2ed. São Paulo: Atheneu,2002.GUIRRO, E.; GUIRRO, R. Fisioterapia dermato-funcional: fundamentos recursospatologias. 3. ed. São Paulo: Manole, 2002.KEDE, M. P. V. E SABATOVICH, O. Dermatologia Estética. São Paulo, Atheneu, 2004.KUHNEN,Ana Paula.;SILVA, Felipe Lacerda. Efeitos fisiológicos do ultra-som terapêuticono tratamento do fibo edema gelóide.Curso de cosmetologia e estética da Universidade doVale do Itajaí.2010. Santa Catarina.Disponível em:http://siaibib01.univali.br/pdf/Ana%20Paula%20Kuhnen.pdf.Acesso em 15 fev 2012.MACHADO, Dr Clauton M. Eletrotermoterapia : Prática. 3ª ed. São Paulo: Pancast Editora,2002.OENNING,Elaine Pickler,;BRAZ,Melissa Medeiros Efeitos obtidos com a aplicação doultra-som no tratamento do fibro edema gelóide – FEG (celulite). Trabalho de Conclusãodo Curso de Fisioterapia da Universidade do Sul de Santa Catarina. 2002. Disponível em:<http://www.fisio-tb.unisul.br/Tccs/02b/elaine/ artigoelainepickleroenning.pdf> . Acesso em:11 de julho de 2011.PEDRO, A. P. S. A utilização da fonoforese associada à cafeína no tratamento do fibroedema gelóide. Trabalho de Conclusão de Curso de Fisioterapia da Universidade Regional deBlumenau. FURB, 2007.
  • 14PRENTICE, William E. Modalidades terapêuticas para fisioterapeutas. Artmed: SãoPaulo, 2ªRODRIGUES, Meirelles,GUIMARÃES,CosmeS.Manual de RecursosFisioterapêuticos.Edgar Revinter.1998.MENEZES, Raphaelle Curtinaz,; SILVA, Sinara Gonçalves da.;RIBEIRO,Elisiê Rossi.Ultra-som no Tratamento do Fibro Edema Gelóide.Revista Inspirar. Volume 1.Número1.Junho/julho de 2009.TOGNI, A. Avaliação dos efeitos do ultra-som associado a fonoforese e endermologia notratamento do fibro edema gelóide. Monografia. Universidade do Sul de Santa Catarina.Tubarão, 2006.WEIMANN, L. Análise da eficácia do ultra-som terapêutico na redução do fibro edemagelóide. Trabalho de Conclusão de Curso do curso de Fisioterapia do Centro de CiênciasBiológicas e da Saúde da Universidade Estadual do Oeste do Paraná. UNIOESTE– CAMPUSCASCAVEL, 2004.ULLMANN, Dora; Reis, Telmo; Steibel, Vera. Princípios Básicos da Medicina Estética.São Paulo. 2004.