Your SlideShare is downloading. ×
Qorpo santo e a qoisa poética
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Introducing the official SlideShare app

Stunning, full-screen experience for iPhone and Android

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

Qorpo santo e a qoisa poética

250
views

Published on


0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
250
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
1
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. 15/11/2006 23:41:00 Qorpo-Santo e a Qoisa Poética Por Anderson Dantas Ainda permanece no silêncio a grande e misteriosa obra do escritor gaúcho Qorpo-Santo, nascido José Joaquim Campos Leão. E senão no silêncio, sua nau criadora merece mais discussão nos campos onde se embrenhou: poesia, teatro, prosa, relatos autobiográficos, de um escritor que espantou as letras no distante município de Triunfo. Na publicação da Editora Perspectiva (1988), o autor Eudynir Fraga verifica que a Crítica Moderna aponta nos caminhos da obra de Qorpo-Santo, o inusitado das composições, afinando-se com as dramaturgias modernas do Teatro do Absurdo e/ou Vanguarda. Em certo momento ainda vai mais longe, creditando a Qorpo-Santo a invenção do Teatro do Absurdo e não a Ionesco, como muitos acreditam. Muitas pesquisas, encontros e desencontros também fizeram a autora Denise Espírito Santo reunir parte da obra desaparecida do escritor gaúcho, que ficou dispersa no Sul do Brasil. É sabido que boa parte de sua produção foi escrita em 1860 e que em 1877 Qorpo-Santo decide abrir sua própria tipografia. Então, edita seus manuscritos, reunindo tudo que havia escrito até então em nove volumes que ele intitularia curiosamente Ensiqlopédia ou Seis Mezes de Huma Enfermidade, escrito desta forma em obediência à ortografia que o próprio autor inventara: Os trambulhões em que tenho vivido desde 1864 julho, até o presente 1875 Septembro – obrigam-me a publicar o que hei escripto desde Julho de 1862 – sem ordem quanto às dactas; sem distinção do que produzi antes de assignar-me Corpo Santo, e depois que assigno este nome: sem dividir completamente – proza, de verso como pretendia. O farão meus filhos, se tiverem gosto para estas couzas. Escolhi a próprio gosto, alguns poemas do insólito escritor que assim compartilho, extraído do belo livro Poemas de Qorpo-Santo, organizado por Denise Espírito Santo, pela editora Contra Capa. TRIPAS Chiam-se as tripas, Quais as fritas Em frigideiras Carnes terneiras! Ou qual caldeirão De grão camarão, Ao fogo fervendo, Barulho fazendo! Ou qual de água, Mareta em praia, Sempre rolando, Rumores causando!
  • 2. Ou qual o vapor Águas sulcando! Águas saltando, Rodas molhando! Ou qual de vapor Grande estridor, Águas sulcando As rodas saltando! LIVROS Se os meus livros – abrires, Muito acharás – para rires; Muito também tem – para chorar; E muitíssimo – pra lamentar! Algum tanto há que aprender; E muito talvez para saber! VIDA MORAL Estou sempre estudando, Estou sempre gozando, Estou sempre nadando Em mares extensos, Em mares suspensos, Em mares imensos MULHERES EXTRAVAGANTES Só sabem gastar; Não sabem encher, Ao fogo botar - Panela a ferver! Só sabem comer, Não sabem fazer: Ao fogo botar Arroz temperar! Só sabem sujar, Não sabem lavar; A roupa bater, E branca fazer! Só sabem beber: Não sabem encher, Ou potes botar De água a fartar!
  • 3. Sabem servir-se - Facas, colheres, Estas mulheres E depois, rir-se. Deixando ficar Na cinza; criar Grossa ferrugem, Que as mãos sujem! Pratos se servem, Mas não se os lavam; Antes os babam!... - Coisa incrível! Chão não se varre, Menos soalho. Filhas, bandalho, É vosso viver!... A este traste, Cujo engaste, - É pele de cão. - Corro a tição! Dar-lhe-ei com pau, A ver se o mingau - Das ventas tira: Longe atira! Nesta suvela, Toco chinela; Não se derreter; Trabalhar, cozer! Esta gamela Sempre à janela Prostituta está. Mister levará Bons socos, tantos, Com os longos mantos, Finos bordados, Se façam picados! A esta rota, Que anda de toca. Meto taboca Dentro da boca! Da outra que tem A boca torta, Bato na porta Cabeça morta!
  • 4. A tal corruira, - Parece mentira! A saia vestira - Ornada de embira! A boca de lontra, Quando se encontra Com cheia tigela, A mete na guela! A língua de trapo, De cobra ou sapo; - Está sempre palrando, - Está taramelando! DITO Antigo é o dito; - Sempre ri – se o diabo, Quando infeliz pobre - Ao feliz dá; ao rico! VIDA Dizem que – viver é doce; Dizem que viver é agru! - É ilusão, Em que vivem tantos entes; Eu digo – impertinentes – Campos Leão Viver – é doce: E sempre – doce! Se assim não fosse, Tudo se – ia! Ninguém se ria! Ninguém vivia! Anderson Dantas, gaúcho como Campos Leão (mediúnico?!) Publicou os livros SCHATTEN, Gravuras Nocturnas (poemas) e A Leveza de Leonardo (Novela) e possui uma dezena de livros inéditos de poemas, contos e novelas. Na web possui o blog: http://albumzutico.blogspot.com e participa do blog e grupo de discussão http://linguaepistolar.blogspot.com. Atualmente mora em Florianópolis, Santa Catarina, Brazil. E-mail: anderson.dantas.ilha@gmail.com FONTE: http://www.cronopios.com.br/site/poesia.asp?id=1931