Projeto de pesquisa sobre Inclusão
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Projeto de pesquisa sobre Inclusão

on

  • 28,560 views

projeto do tcc disponibilizado neste site.

projeto do tcc disponibilizado neste site.

Statistics

Views

Total Views
28,560
Views on SlideShare
28,543
Embed Views
17

Actions

Likes
2
Downloads
146
Comments
0

1 Embed 17

http://bibliotecacoroneljoaomaia.blogspot.com 17

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Projeto de pesquisa sobre Inclusão Projeto de pesquisa sobre Inclusão Document Transcript

  • UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO – RIO DE JANEIRO INTELIGÊNCIA EDUCACIONAL E SISTEMA DE ENSINO / IESDE-PR PROGRAMA DE ESPECIALIZAÇÃO DOCENTE / CURITIBA - PR PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO INCLUSIVA A PRODUÇÃO DE VÍDEO NA ESCOLA: INSTRUMENTO DE INCLUSÃO E APRIMORAMENTO DO SENSO CRÍTICO Gladis Xavier Maia Turma 030432200001 Tutora: Maria das Graças de Campos Triunfo, RS, dezembro de 2004.
  • 2 SUMÁRIO Tema................................................................................................................................ 03 Problema .........................................................................................................................04 Objetivo Geral..................................................................................................................05 Objetivos Específicos......................................................................................................06 Justificativa.................................................................................................................. ...07 Bibliografia.......................................................................................................................09
  • 3 1. TEMA A produção de vídeo na escola, como instrumento de sensibilização e motivação para o sucesso da inclusão na escola pública regular de Ensino Fundamental e Ensino Médio e aprimoramento do senso crítico dos alunos, especialmente em relação às TVs comerciais, através da inter-relação da Educação/Comunicação, constituindo um cam- po de intervenção social: a Educomunicação, um paradigma em construção, na América Latina.
  • 4 2. PROBLEMA As mudanças pelas quais a sociedade contemporânea vem passando com os avanços da tecnologia – especialmente em pleno contexto da implantação da Inclusão na escola brasileira - preocupa a quantos se interessam pela eficiência do ensino, na medi- da que ocasionam modificações vultosas nos campos da Educação e da Comunicação. A primeira tornando-se obsoleta em seus métodos e enfoque e despreparada na qualifica- ção de seus agentes e a segunda mostrando-se, por vezes, perniciosa, principalmente por estar sujeita a regras do mercado que não se coadunam com os valores da educa- ção e da ética sustentados pelos educadores. Parece natural, que essas mudanças aproximem as duas áreas de atuação - Educação e Comunicação - pelas necessidades convergentes que suscitam e, isto já está acontecendo, através do trabalho de vários estudiosos de ambas as áreas – em nível autodidata, com ou sem apoio público, na efetivação de suas pesquisas e projetos envolvendo os meios de comunicação de massa - especialmente junto ao NCE/ECA/USP Núcleo de Comunicação e Educação, da Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo, coordenado pelo professor Dr. Ismar de Oliveira Soares, que vem traba- lhando, através de pesquisas que visam reunir tudo que vem sendo desenvolvido nesta área, em toda a América Latina, passando a constituir um novo campo de estudo, ou pa- radigma nascente : a Educomunicação, a serviço do ensino.
  • 5 3. OBJETIVO GERAL Implementar procedimentos voltados à apropriação dos meios e das linguagens de comunicação, abrangendo os professores da Rede Municipal de Ensino de Triunfo que estão cursando as duas turmas de pós-graduação de Educação Inclusiva do IESDE, com a finalidade de capacitá-los como educomunicadores – profissionais aptos a elaborarem as ações comunicativas de inter-relação da Educação/Comunicação no espaço educa- tivo, seja através da coordenação e gestão do processo ou assessorando os outros Edu- cadores no adequado uso dos recursos de comunicação ou ainda, promovendo ele mes- mo o uso, cada vez mais intenso, da tecnologia de produção de vídeo como um recurso tecnológico que facilita a produção cultural, o resgate da cidadania e a inclusão da diver- sidade, na medida que remete o sujeito singular para o espaço coletivo e plural da cultura e da comunicação.
  • 6 4.OBJETIVOS ESPECÍFICOS Utilizar a produção de vídeo no espaço educativo e na comunidade circunscrita à Escola como: 4.1. recurso tecnológico a serviço da formação de valores solidários e democráticos para a transformação do ambiente em que vivem; 4.2. recurso apropriado ao desenvolvimento do currículo, seja através de conteúdos pro- gramáticos das mais variadas disciplinas ou através de projetos que visem promover campanhas sociais e humanitárias, em prol da ética e da mudança de comportamento em relação aos preconceitos de qualquer natureza; 4,3. objeto de estudo e de poder que precisa ser conhecido, para que seus mecanismos sejam dominados, enquanto linguagem e estudo das tecnologias, favorecendo o espírito crítico do aluno, especialmente em relação ás TVs comerciais; 4.4. instrumento de aprendizagem da modalidade de trabalho em equipe, onde deve im- perar o respeito às diferenças, para um bom relacionamento entre as partes; 4.5. instrumento de motivação para provocar o desejo no aluno de freqüentar a escola, evitando a evasão; 4.6. instrumento que contempla com maior facilidade os diferentes gostos, habilidades e capacidades dos sujeitos , no processo de ensino-aprendizagem, já que possibilita um trabalho bastante diversificado,envolvendo pré-produção, produção e pós-produção, e várias linguagens e conseqüentes formas de apreender as mensagens produzidas a se- rem comunicadas e re-trabalhadas posteriormente.
  • 7 5. JUSTIFICATIVA Considerando-se que: # os recursos tecnológicos clássicos como o rádio e a televisão tiveram dificuldades de ser absorvidos pelo campo da educação, especialmente por seu caráter lúdico e mercantil, que ocasionou a resistência dos educadores em dialogar com a tecnologia, bem como sua necessidade de reverter-se este quadro para que a escola esteja mais situada para a vanguarda do que para a obsolescência; # o vídeo, ao contrário das aulas expositivas é um método que aproxima, ao possibilitar a releitura do cotidiano, com suas linguagens múltiplas superpostas e interligadas auxilian- do na informação, sem fragmentá-la, tornando a sua mensagem essencialmente senso- rial e visual, residindo aí a sua maior força, atuando através da música, do desenho, da fotografia, da palavra falada e escrita, do gestual, do teatro, da dança, etc., enrique- cendo a aprendizagem e a comunicação, facilitando a exposição de um tema; # na cabeça do aluno vídeo não é aula, umbilicalmente ligado à TV , relacionado ao lazer, colabora para que o aluno aprenda brincando, por assim dizer, motivo pelo qual precisa ser aproveitada essa expectativa positiva para atraí-lo para os assuntos que interessam ao planejamento pedagógico; # é muito difícil resistir aos apelos da linguagem da propaganda em qualquer meio de comunicação, com suas estratégias usadas para criar o apelo ao consumo, embrulhadas em pura sedução e convencimento, especialmente na TV, onde conta com o reforço considerável da força da imagem em movimento, e que esta linguagem, por isso mesmo, deve ser um objeto de estudo nas escolas;
  • 8 # a aprendizagem da “leitura” das peças publicitárias veiculadas na TV é tão importante na formação de um telespectador crítico, quanto o estudo e análise dos noticiários e das telenovelas, onde depois de estabelecidas as diferenças entre ficção e realidade, podem ser discutidos os modelos de comportamentos apresentados ali, até porque uma parce- la considerável da população os copia e copiados podem virar hábitos que forjam es- paços alienígenos na cultura local, com sua peculiar criação de modas; # os alunos que apresentam NEE, Necessidades Educativas Especiais, não são somente aqueles portadores de deficiência física ou mental, mas todos aqueles que apresentam alguma dificuldade de aprendizagem e que precisam ser motivados mais intensamente e o vídeo é muito bom nisto; # a escola inclusiva necessita caminhar rumo à escola para todos, onde seja celebrada a diferença e atendidas as NEE, através de uma pedagogia centrada no aluno, dando oportunidades curriculares que se adaptem a sujeitos com diferentes interesses e capaci- dades e que o vídeo tem mais facilidade para abranger um leque maior de interesses; # a escola inclusiva tem a responsabilidade de assegurar que o aluno deficiente seja um membro integrante e valorizado na sala de aula ou no grupo e que a produção de vídeo pode inseri-lo até mesmo como assunto, tema, matéria de estudo - no caso o próprio deficiente pode ser entrevistado - ou seus familiares, na sua impossibilidade - outras pessoas acometidas da mesma ou de outras deficiências que são exemplos de supera- ção ao conseguirem se inserir satisfatoriamente na sociedade, suas famílias, a defi- ciência em si, os especialistas que tratam dela e outros quaisquer elementos a ela liga- dos, justifica-se este projeto.
  • 9 6. BIBLIOGRAFIA BABIN, P. ; KOULOUMDJIAN.M.F. Os novos modos de compreender : a geração do audiovisual e do computador. Trad. Maria Cecília Oliveira Marques. São Paulo: Edições Paulinas, 1989. BEZERRA, W. Manual do telespectador insatisfeito. São Paulo: Summus Editorial, 1999. BOSI, E. Cultura de massa e cultura popular: leituras de operárias. 4. ed. Rio de Janeiro: Vozes, 1977. CARVALHO, R.E. Removendo barreiras para a aprendizagem: educação inclusiva. 3. ed. Porto Alegre: Editora Mediação, 2003. ___________Educação inclusiva:com os pingos nos “is”. Porto Alegre: Editora Mediação, 2004. FELTRIN, A.E. Inclusão social na escola: quando a pedagogia se encontra com a diferença. São Paulo: Paulinas, 2004. FERRES, J. Vídeo e Educação. 2. ed. Porto Alegre. Artes Médicas, 1996. ________. Televisão e Educação. Porto Alegre: Artes Médicas, 1996. FREIRE.P.; FREI BETO. Essa escola chamada vida: depoimentos ao repórter Ricardo Kotscho. 11. ed. 3. impressão. São Paulo: Editora Ática, 2001. _________. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 28. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2003. STAINBACK, S.; STAIMBACK, W. Inclusão: um guia para educadores. Porto Alegre: Artmed, 1999. MACHADO, A. A arte do vídeo. São Paulo: Brasiliense, 1988. MANTOAN, M.T.E. e colaboradores. A integração de pessoas com deficiência: contribuições para uma reflexão sobre o tema. São Paulo: Memnon Edições Científicas
  • 10 Ltda, 1997. _________. Inclusão escolar : o que é? por quê? como fazer? São Paulo: Editora Moderna, 2003. MITTLER, P. Educação inclusiva: contextos sociais. Porto Alegre: Artmed, 2003. MORAN, J.M. Leituras dos meios de comunicação. São Paulo: Edições Pancast, 1993. _______. Como ver Televisão. São Paulo:Edições Paulinas, 1991. _______. Mudanças na comunicação pessoal. 2. ed. São Paulo: Edições Paulinas, 2000. _______.; MASETTO, M. e BEHRENS, M. Novas tecnologias e mediação Pedagógica. 7. ed. Campinas: Papirus, 2003. MORIN, E. A cabeça bem-feita: repensar a reforma reformar o pensamento. Trad. Eloá Jacobina. 8.ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2003. _______. Cultura de massas no século XX: o espírito do tempo – 1 neurose. 4. ed. Rio de Janeiro: 1977. _______. Cultura de massas no século XX: o espírito do tempo – 2 necrose. 4. ed. Rio de Janeiro: 1977. Penteado, H.D. televisão e escola: conflito ou comparação? São Paulo: Cortez Editora, 1991. STAINBACK, S.; STAIMBACK, W. Inclusão: um guia para educadores. Porto Alegre: Artmed, 1999. WERNECK,C. Ninguém mais vai ser bonzinho na sociedade inclusiva. Rio de janeiro: WVA, 1997. _________ . Sociedade inclusiva: quem cabe no seu todos? Rio de janeiro: WVA, 1999.