Your SlideShare is downloading. ×
Parque farroupilha por qsanto
Parque farroupilha por qsanto
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Parque farroupilha por qsanto

175

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
175
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
1
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Parque Farroupilha - Redenção O parque na Imprensa Por falar em calçadas por QORPO QORPO-SANTO/ Outubro de 1868 Matéria e fotos publicadas na Zero Hora, de 26 de março de 2005, Caderno Cultura, Página 4 Que obra maravilhosa, que riquíssimo passeio esboçaríamos para que a Câmara Municipal1 mandasse edificar na Várzea2 desta cidade, se eu visse que seus cofres regurgitavam de ouro? Paredões com colunas, jarros, figuras etc., à esquerda, à direita, e no fim, formando assim as ruas com tais frentes. Árvores dentro plantadas, ores assentos, chafarizes, e tudo mais, como jardins, etc., que pudesse encantar a vista, agradar o olfato, alegrar a imajinação, e recrear o espírito. Mas esta obra de tão jeral utilidade para os habitantes desta capital não pode, ao meu ver, nem deve, em vista das necessidades urjentíssimas a que a Câmara tem de atender - da praça da Independência3 para dentro -, ter começo, antes de decorridos , estes mais próximos vinte anos. Fique porém em memória todos que me lerem - que sou de opinião que um belo, um magnífico passeio público naquela - é preferível à edificação que por tantas vezes se tem tentado. É preferível - porque não faltam, e até abundam terrenos não edificados dentro da cidade, que mais que muito convém edificar para aformoseamento, e beleza desta. É aformoseamento, preferível em bem da salubridade de todos, recreio, etc. Penso haver lembrado à Câmara desta capital - tudo quanto feito, começado, ou providenciado a respeito - muito pode concorrer para utilidade jeral e encher de glória seus Vereadores, cobertos de bênçãos pelos comunícipes; e por isso não sei se terei readores, mais ocaziões de lembrá-la mais algum benefício público, mais algum modo de la distinguir-se por seus importantíssimos serviços de todos quantos se hão sentado nos se bancos que tão dignamente ocupam. namente Creio haver cumprido o meu dever - sem haver faltado para com a Câmara, nem mesmo à menor regra de civilidade; não me haver servido de termo algum qe a possa ofender; se porém muito contra a minha vontade - tal houve - peço-lhe disso desculpa, certo de não espontaneidade de minha intenção! Notas 1. A Câmara Municipal era o órgão administrativo da cidade, durante o Império.
  • 2. 2. Grande área alagadiça, onde hoje está o parque Farroupilha. 3. Na área da atual Praça Argentina, mas mais extensa. Sobre o autor Para um maluco como Qorpo-Santo, nada melhor que um pequeno texto seu sobre um sonho, quase um delírio para a época: transformar a Várzea em um passeio público. Um texto especulativo, elaborado quem sabe em um transe de projetos para embelezar a cidade. (Foram mantidas as singularidades de sua escrita, como o "j" em lugar do "g" de mesmo som, os travessões de mera ênfase, os saborosos "etc.", até as oscilações entre "que" e "qe", esta última a forma que postulava como correta, numa reforma ortográfica que ele defendeu bastante.) Texto especulativo como poucos na época, e já cheio de autocrítica, porque logo se censura e joga para duas décadas depois a hipótese de gastar dinheiro público com tal desejo. De todo modo, vale anotar que ele apresenta, em sua maluquice, um argumento bem razoável: pelo que dá a entender, já havia tentativas de urbanizar a Várzea, construir nela, coisa que Qorpo-Santo considera equivocada por haver terrenos "dentro da cidade", quer dizer, da linha que hoje é a Duque de Caxias em direção à Alfândega e ao Gasômetro, o que hoje se chama de Centro. Para felicidade nossa, seu desejo se cumpriu: de fato aqueles campos encharcados viraram o parque da Redenção, que oficialmente se chama parque Farroupilha, nome este que, além de marcar a nossa velha obstinação em voltar ao lugar do crime histórico, a Guerra dos Farrapos, simboliza o tardio momento em que se cumpriu a vontade do infeliz dramaturgo. Porque foi apenas em 1935, quando se organizou uma enorme exposição comemorativa ao centenário do começo daquela guerra, que o charco deixou definitivamente de existir, em seu lugar entrando um parque público que é nosso orgulho, prazer de nosso olfato e agrado de nossa vista. Exatamente como ele queria. Qorpo-Santo nasceu José Joaquim de Campos Leão, na cidade de Triunfo, em 1829, viveu uma atormentada existência por algumas cidades do Rio Grande do Sul, fixando-se em Porto Alegre, onde faleceu, em 1883. Solitário ao ponto da incomunicação e acuado por um processo judicial movido por sua esposa, foi interditado judicialmente, mas conseguiu fazer publicar textos novos e republicar outros antigos a partir de 1877, num emaranhado composto por peças de teatro de grande (às vezes descontrolada) criatividade, palpites sobre todas as coisas, reflexões sobre educação (ele foi professor), poesias, muitas lembranças de sua sofrida vida e muita coisa mais, conjunto a que ele deu o nome de Ensiqlopédia ou Seus Meses de uma Enfermidade.

×