O Monitoramento da Implantação de Projetos Estratégicos Conceitos centrais e casos

5,227 views
5,058 views

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
5,227
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
105
Actions
Shares
0
Downloads
99
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

O Monitoramento da Implantação de Projetos Estratégicos Conceitos centrais e casos

  1. 1. O Monitoramento da Implantação de Projetos Estratégicos Conceitos centrais e casos 8º Congresso Internacional da Qualidade para Competitividade A era do conhecimento na prática
  2. 2. Sumário <ul><li>Conceituação da Gestão Estratégica Orientada para Resultados </li></ul><ul><li>Monitoramento da implantação de projetos estratégicos </li></ul><ul><li>Apresentação de casos </li></ul>
  3. 3. A Nova Gestão Pública Nova Gestão Pública <ul><li>Transparência, participação e controle social </li></ul><ul><li>Orientação para resultados </li></ul><ul><li>Atitude e ambiente empreendedores </li></ul><ul><li>Trabalho em rede </li></ul><ul><li>Profissionalização da gestão </li></ul><ul><li>Articulação de recursos públicos e privados </li></ul><ul><li>Ênfase na regulação, na promoção e na parceria com a sociedade </li></ul>Pressão social por resultados e melhoria da aplicação dos recursos Novos modelos e princípios de gestão Características
  4. 4. A Nova Gestão Pública e a GEOR Nova Gestão Pública Gestão Estratégica Orientada para Resultados - GEOR Alavancar a capacidade da Organização de produzir, avaliar e comunicar resultados relevantes para o seu público-alvo. Objetivo Central
  5. 5. Gestão Estratégica Orientada para Resultados <ul><li>Pilares </li></ul><ul><li>Direcionamento para o público-alvo: tudo começa nas suas demandas e necessidades </li></ul><ul><li>Foco em resultados finalísticos: as ações e iniciativas são estruturadas visando resultados (mudanças reais) de interesse dos clientes </li></ul><ul><li>Visão estratégica: seletividade, foco, integração de esforços próprios e de parceiros e visão de longo prazo </li></ul><ul><li>Intensidade, prontidão e proximidade da ação gerencial </li></ul>
  6. 6. Cadeia de Ações e Resultados Exemplo: Agência de Segurança do Tráfego em Rodovias Reduzir em 10% o número de mortos e feridos por 100.000 habitantes / ano até dezembro de 2006 Resultados Intermediários <ul><li>Reduzir em 15% o número de acidentes por 100.000 veículos registrados até dezembro 2006 </li></ul><ul><li>Ações (exemplos ) </li></ul><ul><li>Aperfeiçoamento da legislação </li></ul><ul><li>Capacitação </li></ul><ul><li>“ Recalls” </li></ul><ul><li>Pesquisa e desenvolvimento em segurança </li></ul><ul><li>Serviço de segurança veicular </li></ul><ul><li>Aumentar em 20% a taxa de utilização do cinto de segurança até dezembro de 2006 </li></ul>Resultado Finalístico <ul><li>Redução da ocorrência de acidentes </li></ul><ul><li>Redução das conseqüências dos acidentes </li></ul>
  7. 7. O projeto orientado para resultados <ul><li>É o instrumento básico da Gestão Estratégica Orientada para Resultados – GEOR </li></ul><ul><li>Visa transformar intenções em resultados concretos </li></ul><ul><li>Materializa uma iniciativa singular </li></ul><ul><li>Mobiliza e articula recursos públicos e privados , isoladamente ou em parceria </li></ul><ul><li>É intensivo em gestão </li></ul>
  8. 8. Resultados intermediários Premissas para Dimensionamento dos resultados <ul><li>Manutenção da mobilização empresarial e das reuniões periódicas dos grupos temáticos </li></ul><ul><li>Manutenção da coordenação dos projetos pelo INTERSIND diante da nova Diretoria que assumirá em Agosto/2004 </li></ul><ul><li>Manutenção da posição do Pólo Moveleiro de Ubá como referência Nacional até 2005 </li></ul><ul><li>Crescimento econômico anual (país e estado) não inferior a 2% ao ano, no período </li></ul>Ações Árvore do projeto APL Ubá – MG - Sebrae VI. Atuar, prioritariamente em ações coletivas,com foco em arranjos produtivos locais, através de soluções integradas Foco Estratégico <ul><li>Desenv. de mercados (interno e externo) </li></ul><ul><ul><li>Implantação da Inteligência Comercial </li></ul></ul><ul><ul><li>Apoio à exportação </li></ul></ul><ul><li>Aumento da Produtividade e Redução de Custos (Insumos e Logística) </li></ul><ul><ul><li>Melhoria do processo produtivo </li></ul></ul><ul><ul><li>Compartilhamento do transporte de produtos e de compra de insumos </li></ul></ul><ul><li>Desenvolvimento de Produto </li></ul><ul><ul><li>Qualidade: Implantação de 5S e QT </li></ul></ul><ul><ul><li>Design: capacitação de pessoal, prestação de serviços e difusão do uso do design através da criação de um núcleo de design e da cooperação com outras entidades </li></ul></ul><ul><li>Fortalecimento da Imagem do APL </li></ul><ul><ul><li>Identificação da imagem atual do APL na cadeia de comercialização </li></ul></ul><ul><ul><li>Implantação de iniciativas p/ melhoria imagem </li></ul></ul><ul><li>Acesso ao Crédito </li></ul><ul><ul><li>“ Banco do APL” </li></ul></ul><ul><ul><li>Implantação de Cooperativa de Crédito </li></ul></ul><ul><li>Capacitação em gestão empresarial </li></ul><ul><ul><li>Ampliação do conhecimento nas áreas de gerenciamento financeiro, recursos humanos, produção, marketing </li></ul></ul><ul><li>Capacitação da força de trabalho </li></ul><ul><ul><li>Viabilização de um pacto entre empresas e entidades para elevação do nível de escolaridade </li></ul></ul><ul><li>Aumento de Fornecedores no local </li></ul><ul><ul><li>Incubação de empresas com prioridade para fornecimento de componentes </li></ul></ul><ul><ul><li>Atração de empresas fornecedoras em produtos e serviços </li></ul></ul><ul><li>Melhoria da Infra-estrutura: transportes, recursos hídricos e energia e Relocalização Industrial </li></ul><ul><ul><li>Elaboração de um Plano de Desenvolvimento da Infraestrutura do APL </li></ul></ul><ul><li>Eficiência Ambiental </li></ul><ul><ul><li>Ampliação do programa “Produção mais limpa” no APL </li></ul></ul><ul><ul><li>Estudo e implantação de tratamento e destinação de resíduos sólidos e efluentes industriais </li></ul></ul><ul><li>Fortalecimento da Cooperação e Articulação interna e externa </li></ul><ul><ul><li>Criação e consolidação das iniciativas de cooperação: fórum de desenvolvimento do APL; consórcio de exportação (movexport); cooperativa de crédito; movimento empresarial; central de compras e fretes; ADMUR (Associação de Desenvolvimento dos Moveleiros de Ubá e Região); ADUBAR (Agência de Desenvolvimento de Ubá e Região) </li></ul></ul><ul><ul><li>Capacitação de lideranças </li></ul></ul><ul><li>Desenvolvimento de Alternativas de Suprimento de Madeira </li></ul><ul><ul><li>Implantação de projetos de reflorestamento </li></ul></ul>Cadeia produtiva de móveis no território do APL de Ubá, com ênfase nas micro e pequenas empresas Público Alvo Ampliar o mercado e incrementar a competitividade da cadeia produtiva de móveis do território do APL de Ubá para gerar ocupação e renda de forma sustentável Objetivo Geral Valor Total R$ 4.815.903 Horizonte de Planejamento 3 anos Acordo de resultados aprovado em: 28 de Janeiro de 2004 Valor SEBRAE R$ 1.537.270 Resultados Finalísticos Elevar em 12% o volume físico de vendas de dezembro de 2003 até dezembro de 2004 Indicador: Volume de vendas 1 Elevar em 3% o número de pessoas ocupadas da cadeia produtiva do APL até dezembro de 2004 Indicador: Número de pessoas ocupadas 2 Elevar em 4% produtividade da mão-de-obra de dez/2003 até dez/2004 Indicador: Produtividade da mão-de-obra (no. peças produzidas/ trabalhador) 3 Atingir número de 75 empresas com 5S implantado e de 33 empresas com Qualidade Total até dez/2005 Indicador:Número de empresas com 5S e Qualidade Total implantados 4 Elevar de 30% o faturamento e em 30% o volume físico da produção anual exportada, até dez/2004 Indicador: produção destinada ao mercado externo 5 Reduzir em 5% o custo médio de insumos até dezembro de 2004 Indicador: custo médio de insumos 6 Reduzir em 30% o prazo de entrega e 10% o custo médio de transporte de produtos, até dezembro de 2004 Indicadores: prazo e custo médios de transporte de produto 7 SEBRAE Missão de Lojistas Rodada de Negócios Gestão pela Qualidade Implantação de Linhas Específicas de Crédito (“Banco do APL”) Inteligência Comercial Realização de benchmarking de competitividade Curso como vender mais e melhor (CVMM) Desenvolvimento do Design Realização da FEMUR 2004 Programa Produção Mais Limpa Licença Ambiental Capacitação para exportar Curso de Pró-Design Capacitação em Gestão Empresarial Elevação do nível de escolaridade da força de trabalho Consolidação de Central de Compras Otimização do Processo Produtivo Parceiros Central de Frete Aumento de Fornecedores Locais Campanha Interna do Polo Sistema de Informações do APL Cooperativa de Crédito Ampliação do Esforço Exportador Plano de Desenvolvimento da Infraestrutura do APL Fortalecimento Institucional do INTERSIND do INTERSIND Fortalecimento da Imagem do APL Projeto de Reflorestamento De acordo com as Prioridades Estratégicas Sebrae
  9. 9. Tipologia de projetos orientados para resultados <ul><li>Projetos orientados para resultados finalísticos </li></ul><ul><ul><li>Capacidade de provocar transformações de interesse para o público-alvo </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Exemplo: projetos destinados ao aumento de exportações </li></ul></ul></ul><ul><li>Projetos orientados para produtos </li></ul><ul><ul><li>Resultam em bens ou serviços de interesse do público-alvo </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Exemplo: projetos para construção de hospitais </li></ul></ul></ul>
  10. 10. Tipologia de projetos orientados para resultados Entregas para a sociedade Produtos Resultados finalísticos Recursos Ações Projetos orientados para resultados finalísticos Projetos orientados para produtos Grupo sinérgico de projetos orientados para produtos
  11. 11. Sumário <ul><li>Conceituação da Gestão Estratégica Orientada para Resultados </li></ul><ul><li>Monitoramento da implantação de projetos estratégicos </li></ul><ul><li>Apresentação de casos </li></ul>
  12. 12. O ciclo de gestão do projeto Resultados para o público-alvo Estruturação e Contratualização Avaliação Monitoramento Gerenciamento Fazer Acontecer
  13. 13. Monitoramento <ul><li>Atividade sistemática que visa provocar decisões para eliminar restrições à implantação do projeto </li></ul>Tomada de decisão Acompanha-mento Interpretação das informações
  14. 14. Monitoramento <ul><li>Verificação sistemática da situação atual </li></ul><ul><li>Busca de informações mais completas e confiáveis </li></ul><ul><li>Comparação com o planejado </li></ul><ul><li>Reconhecimento da influência do ambiente externo </li></ul><ul><li>Conhecimento de potencialidades e limitações do ambiente interno </li></ul><ul><li>Alertas aos responsáveis </li></ul><ul><li>Restrições e Providências </li></ul><ul><li>Acionamento da cadeia decisória </li></ul>Tomada de decisão Acompanha-mento Interpretação das informações
  15. 15. Sistema Integrado de Monitoramento e Gestão Monitoramento do Ambiente Externo Monitoramento do Ambiente Interno Avaliação Qualitativa Avaliação Quantitativa Monitoramento Estratégico Monitoramento Operacional Resultados Operacionais Andamento do Processo Andamento dos Projetos Decisões e Medidas Corretivas ou Pró - ativas Externo Interno Qualitativos Quantitativos Monitoramento Sistemático dos Ambientes Monitoramento Sistemático dos Ambientes Monitoramento Estratégico Operacional Resultados Operacionais Monitoramento do Processo Monitoramento dos Projetos Decisões e Medidas Corretivas ou Pró - ativas Sistemas gerenciais informatizados Monitoramento Sistemático dos Ambientes Monitoramento Sistemático dos Resultados
  16. 16. Fundamentos do monitoramento <ul><li>Tem que ser visto como um processo de apoio ao gerente de projeto para aumentar a sua capacidade de execução </li></ul><ul><li>Tem que ser exercido, sobretudo, pelo responsável direto do projeto, mas também por todos os integrantes da linha decisória </li></ul><ul><li>Deve ser realizado de modo sistemático e contínuo e provocar decisões em tempo hábil </li></ul><ul><li>Depende fundamentalmente da qualidade e atualidade das informações geradas no ambiente operacional </li></ul><ul><li>Deve ser um mecanismo de aprendizado e melhoria contínua </li></ul><ul><li>Deve ter uma visão prospectiva </li></ul><ul><li>Deve ser seletivo e focado nos projetos e ações mais relevantes </li></ul>
  17. 17. Elementos do modelo de monitoramento <ul><li>Identificação e explicitação da linha decisória </li></ul><ul><li>Formalização e sistematização do processo de monitoramento </li></ul><ul><li>Estruturação e operação de um escritório de projetos ou rede de monitoramento </li></ul><ul><li>Operação de sistema informatizado de gestão estratégica de projetos em tempo real  informações atualizadas, tempestivas e customizadas </li></ul><ul><li>Reuniões de monitoramento sistemáticas </li></ul>
  18. 18. Linha decisória do projeto P P P P P P P P C1 C2 C3 P P Níveis de monitoramento Foco Problemas Portifólio Estruturais / complexos Carteiras ou agrupamentos Sistêmico e fora da alçada do gerente Projeto Localizado e dentro da alçada do gerente
  19. 19. Formalização e sistematização do processo de monitoramento <ul><li>Identificação e explicitação do fluxo de decisão e disseminação de informações </li></ul><ul><li>Definição das atividades e ferramentas do monitoramento </li></ul><ul><li>Definição dos insumos e produtos do processo de monitoramento </li></ul>
  20. 20. Processo de Tomada de Decisão Gerente do projeto Solução Proposição da Solução Identificação e análise do Problema Acionamento Presidente Linha decisória Gerente Restrições Existentes Restrições potenciais Gestão das restrições
  21. 21. Escritório de Projetos ou Rede de Monitoramento <ul><li>Tem a função de induzir e apoiar a tomada de decisão </li></ul><ul><li>Produz e alimenta a linha decisória com informações analisadas e atualizadas sobre os projetos e carteiras </li></ul><ul><li>Tem a função de apoiar o gerente de projetos na resolução de restrições </li></ul><ul><li>Identifica e dissemina boas práticas entre os gerentes </li></ul>
  22. 22. Sistema informatizado de gestão estratégica de projetos em tempo real <ul><li>Instrumento “vivo” de Gestão Estratégica de Projetos </li></ul><ul><li>Ferramenta de comunicação entre tomadores de decisão para solução de restrições </li></ul><ul><li>Disponível na WEB para permitir o acesso em qualquer lugar </li></ul><ul><li>Visa integrar e padronizar a estruturação e gestão de projetos </li></ul>www.sigeor.sebrae.com.br
  23. 23. Visão global da carteira de projetos Visão Global da Carteira de projetos
  24. 24. Informações atualizadas, tempestivas e customizadas <ul><li>Importantes para apoiar a tomada de decisão </li></ul><ul><li>Devem ser customizadas para cada ator da linha decisória </li></ul><ul><li>Melhoram consideravelmente a qualidade da decisão </li></ul><ul><li>Devem ser produzidas e disseminadas com uma periodicidade constante </li></ul>
  25. 25. Reuniões Periódicas de Monitoramento <ul><li>Organizadas pelo Escritório de Projetos ou Rede de monitoramento </li></ul><ul><li>Funcionam como marcos periódicos do monitoramento </li></ul><ul><li>Têm foco exclusivo na tomada de decisão e remoção de obstáculos </li></ul><ul><li>Devem ser curtas e periódicas </li></ul><ul><li>Demandam preparação prévia rigorosa </li></ul><ul><li>Devem ser seletivas (projetos e ações relevantes) </li></ul>
  26. 26. Processo de preparação e follow up das reuniões 2. Análise Sistema de gestão de projetos 3. Preparação da reunião 4. Realização da reunião 5. Medidas de gestão 6. Follow up 1. Seleção dos projetos Remoção de obstáculos

×