Luís%20 Vaz%20de%20 Camões[1]

3,447 views
3,227 views

Published on

Published in: Travel
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
3,447
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
136
Actions
Shares
0
Downloads
72
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Luís%20 Vaz%20de%20 Camões[1]

  1. 2. <ul><li>Nesta entrevista de 10 perguntas pretende-se conhecer melhor quem foi o maior escritor da história de Portugal, ele o autor de ”Os Lusíadas”. Quase 430 anos após a sua morte, Luís de Camões conta-nos como foi a sua vida e como foi o escritor que marcou quatro séculos dos portugueses. </li></ul>
  2. 3. <ul><li>Bruno: Quando e onde nasceu, o senhor, Luís Vaz de Camões, o grande escritor português e autor d’ “Os Lusíadas”? </li></ul><ul><li>L.Camões: Já morri há 429 anos e só agora é que me perguntam isso…Com isto da idade não me recordo bem da data e do local mas penso que entre 1517 e 1525, em Chaves. A minha família era Galega mas fixou-se em Chaves. Acabou por se mudar para Coimbra e depois para Lisboa. </li></ul>
  3. 4. <ul><li>Bruno: O que é que me pode dizer sobre a sua família? </li></ul><ul><li>L.Camões: Ora bem, a minha família era adorável…o meu pai era Simão Vaz de Camões e a minha mãe, Ana de Sá e Macedo. Sou…perdão…fui trineto de Vasco Pires de Camões e familiar de Vasco da Gama por via materna. </li></ul>
  4. 5. <ul><li>Bruno: O que é que admira mais nos seus pais? </li></ul><ul><li>L.Camões: Gostava muito dos meus pais…eles sempre me apoiaram nos estudos…apesar disso ficaram contentes por mim quando os abandonei para integrar a corte de D.João III em 1542. Foi assim que ganhei fama de poeta. </li></ul>
  5. 6. <ul><li>Bruno: Portanto, interrompeu os estudos para integrar a corte de D.João… </li></ul><ul><li>L.Camões: Certamente. Contudo terei frequentado o curso de Humanidades…penso que no Mosteiro de Santa Cruz, onde vivia um padre, meu tio, D.Bento de Camões. </li></ul>
  6. 7. <ul><li>Bruno: Sei que viveu em Ceuta durante cerca de dois anos… </li></ul><ul><li>L.Camões: Estava ligado à casa de D.Francisco de Noronha, Conde de Linhares e era preceptor de D.António seu filho. Assim, para Ceuta terei seguido, como militar, em 1549 e por lá ficado até 1551. Foi aí que num dos cercos tive um olho vazado pela fúria de Marte. </li></ul>
  7. 8. <ul><li>Bruno: Após a passagem por Ceuta regressou a Lisboa. Como foi a sua vida nessa altura? </li></ul><ul><li>L.Camões: Ora, após voltar de Ceuta, retomei uma vida boémia. Tive vários amores, um deles a própria Infanta, irmã de D.Manuel I. Acabei por ser desterrado de Constância. </li></ul>
  8. 9. <ul><li>Bruno: Como é que foi a sua vida em Goa? </li></ul><ul><li>L.Camões: Foi em Goa que escrevi grande parte da minha obra. Estudei os costumes e a geografia dos cristãos e hindus. Em 1556 fui para Macau. Vivi numa gruta que agora tem o meu nome. Lá escrevi parte d’ Os Lusíadas. Após o naufrágio na foz do rio Mekong, onde consegui preservar O s Lusíadas, escrevi “Sobôlos Rios”. Foi aí que perdi Dinamene, minha companheira levada pelo mar. </li></ul>
  9. 10. <ul><li>Bruno: Mas voltou a Goa depois do naufrágio… </li></ul><ul><li>L.Camões: Sim, em 1560 voltei para Goa, onde fui preso por dívidas. Através de longos poemas pedi ajuda, primeiro a D.Constantino de Bragança, depois a D.Francisco Coutinho, ambos vice-reis da Índia. Depois disso passei pela ilha de Moçambique onde Diogo do Couto me pagou a viagem até Lisboa. Em 1570 lá estava, em Lisboa. </li></ul>
  10. 11. <ul><li>Bruno: Falemos um pouco da sua grande obra, Os Lusíadas. </li></ul><ul><li>L.Camões: Os Lusíadas são um canto lírico, que narra a história dos descobrimentos portugueses e algumas não relacionadas, mas vividas no mesmo tempo. Tal como já disse quase o perdi naquele naufrágio no rio Mekong. Tenho orgulho em dizer que escrevi a obra mais conceituada da história portuguesa. </li></ul>
  11. 12. <ul><li>Bruno: Diga-me então quais as suas obras mais conhecidas… </li></ul><ul><li>L.Camões: “ Amor é fogo que arde sem se ver” , o “Eu cantarei o amor tão docemente”, “Verdes são os Campos” , “Que me quereis perp é tuas saudades?”, “Sobôlos Rios”, Transforma-se o amador na cousa amada”, “Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades”, Quem diz que amor é falso ou enganoso”, “Sete anos de Pastor Jacob servia”, Alma minha gentil, que te partiste”, “El-rei Seleuco”, “Auto de Filodemo”, “Anfitriões”. </li></ul>
  12. 13. Os Lusíadas As armas e os barões assinalados Que, da ocidental praia lusitana, Por mares nunca de antes navegados Passaram ainda além da Taprobana, Em perigos e guerras esforçados, Mais do que prometia a força humana, E entre gente remota edificaram Novo reino, que tanto sublimaram. (...) Cantando espalharei por toda a parte, Se a tanto me ajudar o engenho e arte Luís Camões , in Lusíadas
  13. 14. <ul><li>Bruno Bento Nº7 Tiago Esteves Nº28 </li></ul>Trabalho realizado por:

×