1
Espiritismo estudado
semeando conhecimento iluminativo; estimulando
a prática incondicional do bem; enaltecendo Jesus
de...
2 3
	 O Senhor, contudo, nunca nos
deixou desamparados.
	 A cada dia, reforma os títulos de
tolerância para com as nossas ...
4 5
Sucedem-se os séculos em inexorá-
vel continuidade, facultando à ciên-
cia e à tecnologia conquistas surpreen-
dentes,...
6 7
	 Os escândalos mais vergonhosos
são proporcionados por personagens
que governam as massas e legislado-
res inescrupul...
8 9
	 Assistentes sociais, psicoterapeu-
tas, músicos unem-se em programas de
socorro à aflição, criando esperança e
bem-e...
10 11
e outros, rumos libertadores.
	 Faz-se imperioso saber-se qual a
meta que se persegue, a fim de esco-
lher-se o rumo...
12 13
identificá-las e segui-las.
	 “Tenho-vos dito isto, para que em
mim tenhais paz; no mundo tereis afli-
ções, mas ten...
14 15
	 Porfiemos, nas atividades do Bem!
	 Demoremo-nos, nos propósitos
superiores!
	 Se tivermos ouvidos capazes de
escu...
16
Sugestões bibliográficas
	 Estas indicações de livros para tema geral: O Celeste Roteiro, contemplam
suas três abordage...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Resenha de estudos espiritas 02

739 views

Published on

Fascículo de estudos espíritas.

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
739
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
12
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Resenha de estudos espiritas 02

  1. 1. 1 Espiritismo estudado semeando conhecimento iluminativo; estimulando a prática incondicional do bem; enaltecendo Jesus descortinando novos horizontes às criaturas humanasEspíritas Resenha de Estudos especialmente ao principiante espírita SÉRIE o celeste roteiro 2setembro 2013
  2. 2. 2 3 O Senhor, contudo, nunca nos deixou desamparados. A cada dia, reforma os títulos de tolerância para com as nossas dívidas; todavia, é de nosso próprio interesse le- vantar o padrão da vontade, estabelecer disciplinas para uso pessoal e reeducar a nós mesmos, ao contato do Mestre Divino. Ele é o Amigo Generoso, mas tantas vezes Lhe olvidamos o conselho que somos suscetíveis as zonas obscu- ras do adiamento indefinível de nossa iluminação interior para a vida eterna. (...) O Evangelho não se reduz a O CELESTE Roteiro Resenha de Estudos Espíritas nº212 de setembro de 2013 Unidade em estudo: Eu Sou o Caminho tema: abordagem: parte 1: título desta edição: Jesus, nosso modelo e guia objetivo do tema abordado: observação: O Celeste Roteiro O Caminho Nas Trilhas de Jesus O objetivo do tema é enaltecer a figura de Jesus e sua presença em nossas vidas, como expressão de esperança e consolo, relacionando o Espiritismo com a Sua mensagem, por ser ela a essência da Doutrina Espírita. Além das Notas de Referência para as citações contidas no texto de abordagem do assunto, ao final seguem referências bibliográficas, que recomendamos sejam lidas e estudadas, pois ali se encontra conhecimento que irá dar maior substância ao que ora nos dispomos aprender. NAS TRILHAS DE JESUS Eu sou o caminho, e a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim.” (João 14 : 6) Jesus é... Jesus é o Caminho, a Verdade e a Vida. Sua luz imperecível brilha sobre os milênios terrestres, como o Verbo do princípio, penetrando o mundo, há qua- se vinte séculos. Lutas sanguinárias, guerras de extermínio, calamidades sociais não lhe mo- dificaram um til nas palavras que se atualizam, cada vez mais, com a evolução multiforme da Terra. Tempestades de sangue e lágrimas nada mais fizeram que avivar-lhes a grandeza. Entretanto, sempre tardios no aproveitamento das opor- tunidades preciosas, muitas vezes, no curso das existências renovadas, temos desprezado o Caminho, indiferentes ante os patrimônios da Verdade e da Vida.
  3. 3. 4 5 Sucedem-se os séculos em inexorá- vel continuidade, facultando à ciên- cia e à tecnologia conquistas surpreen- dentes, ampliando, cada vez mais, os des, igualmente devorando existências que estorcegam em desespero diante da indiferença mal disfarçada da socie- dade rica e prepotente. Muitas das extraordinárias des- cobertas que favorecem o progresso e modificam a estrutura física do planeta, também se vêm transformando em ins- trumentos para a sua destruição, gra- ças ao aquecimento global que vaticina terríveis quadros de horror para todas as formas de vida... Considerando-se a evolução do pensamento ético e sociológico, que al- cançou maturidade e sabedoria, lamen- tavelmente a dissolução dos costumes morais campeia em desastres surpreen- dentes, enquanto se trabalham leis que facultem a matança de vítimas iner- mes, através do abordo criminoso, da eutanásia covarde, da pena de morte perversa, com estímulos nefandos em favor do suicídio insano... Aturdidas, muitas doutrinas reli- giosas esquecem-se das suas nascen- tes, especialmente aquelas ditas cristãs, e atraem fiéis com engodos terrestres, oferecendo-lhes poder e gozos huma- nos, distantes das lições inconfundíveis do Evangelho, que distorcem habilmen- te... Proliferam informações sobre o amor, confundindo-o com as explosões do sexo em desalinho e se oferecem es- petáculos de prazer através do álcool, do tabaco, das drogas químicas e as- sassinas... Propala-se a grandeza das liber- dades democráticas, asfixiando-se os excluídos, aqueles que não têm voz, enganando-se com cinismo o povo que ço próprio... 1 1 XAVIER, Francisco C. Caminho, verdade e vida. Pelo Espírito Emmanuel. 18.ed. Rio de Janeiro, RJ, FEB, 1998, Cap.: Interpretação dos textos sagrados, p. 14-15. Nada obstante, o monstro da guerra prossegue ceifando vidas, a fome e as enfermidades dilaceradoras ampliam o seu elenco de possibilida- horizontes da vida, como dantes jamais sonhados, enriquecendo o ser humano de conhecimentos valiosos e desenhan- do ainda mais significativas glórias do engenho mental para o futuro. Contexto atualda Humanidade breviário para o genuflexório. É roteiro imprescindível para a legislação e admi- nistração, para o serviço e para a obe- diência. O Cristo não estabelece linhas divisórias entre o templo e a oficina. Toda a Terra é seu altar de oração e seu campo de trabalho, ao mesmo tempo. Por louvá-lo nas igrejas e menos- cabá-lo nas ruas é que temos naufraga- do mil vezes, por nossa própria culpa. Todos os lugares, portanto, podem ser consagrados ao serviço divino. Muitos discípulos, nas várias es- colas cristãs, entregaram-se a perquiri- ções teológicas, transformando os en- sinos do Senhor em relíquia morta dos altares de pedra; no entanto, espera o Cristo venhamos todos a converter-lhe o evangelho de Amor e Sabedoria em companheiro da prece, em livro escolar no aprendizado de cada dia, em fonte inspiradora de nossas mais humildes ações no trabalho comum e em código de boas maneiras no intercâmbio frater- nal. Embora esclareça nossos singelos objetivos, noto, antecipadamente, am- pla perplexidade nesse ou naquele gru- po de crentes. Que fazer? Temos imensas dis- tâncias a vencer no Caminho, para ad- quirir a Verdade e a Vida na significa- ção integral. Compreendemos o respeito devi- do ao Cristo, mas, pela própria exem- plificação do Mestre, sabemos que o labor do aprendiz fiel constitui-se de adoração e trabalho, de oração e esfor-
  4. 4. 6 7 Os escândalos mais vergonhosos são proporcionados por personagens que governam as massas e legislado- res inescrupulosos que raramente são punidos, enquanto os pobres e neces- sitados enxameiam em cárceres infec- tos, desumanos, superlotados, onde se tornam mais revoltados, aliciados pelos chefes de organizações criminosas que administram o terror de dentro dos pre- sídios onde desfrutam de regalias con- quistadas com altos estipêndios pagos aos seus carcereiros... Nem tudo, porém, é lamentável e desumano... Nunca houve, por outro lado, tan- to amor e dedicação de centenas de mi- lhares de espíritos nobres reencarnados na Terra como hoje, trabalhando em fa- vor da própria iluminação, de condições mais saudáveis e felizes para o seu pró- ximo e para a sociedade. Cientistas dedicados refugiam-se nos seus laboratórios de pesquisas, tra- balhando incessantemente na busca de vacinas, de tratamentos específicos e hábeis, de respostas seguras para as enfermidades dizimadoras da atualida- de. elegeu alguns cidadãos que pareciam honestos como seus representantes, alguns dos quais não sabem honrar os compromissos aceitos, enquanto mui- tas nações que se afirmam como pa- radigmas da honradez invadem países desditosos, vítimas de ditaduras cruéis, que passam a sofrer males não menos execráveis... As ambições pelo poder e pelo prazer enlouquecem multidões que se atiram em luta odienta com sofreguidão para consegui-los, esmagando os com- petidores sem qualquer sentimento de dignidade ou de respeito humano... sem qualquer consideração pelo espíri- to, que é a razão da existência física... Aumenta assustadoramente a propaganda em favor do turismo sexual infantil, conduzindo psicopatas a paí- ses desditosos onde são exploradas as vítimas inocentes que têm a inocência corrompida e irremediavelmente des- truída... Há consenso, quase total, a res- peito da felicidade que decorre das gló- rias efêmeras e enganosas, que sedu- zem a juventude, os adultos e mesmo os idosos, proporcionando, muitas ve- zes, espetáculos ridículos e deprimen- tes... ...Enquanto isso, a violência ur- bana se transformou em guerra decla- rada às autoridades constituídas, as- sassinando milhares de vidas a cada ano, sem que se apresentem progra- mas sérios inicialmente de prevenção e posteriormente de repressão ao crime, mediante a educação, o trabalho, a dig- nificação dos esquecidos... As leis são criadas e multiplicam- -se, raramente sendo cumpridas... Há divertimentos sofisticados e grotescos que se multiplicam através de incontáveis recursos mecânicos, elétricos, eletrônicos, que consomem em incessante variedade os seus aficio- nados.. Atrações de diversas classes se- duzem incautos para férias gloriosas em verdadeiros paraísos terrestres, em ilhas paradisíacas, somente para pou- cos, em Spa’s dedicados ao emagreci- mento e ao aformoseamento do corpo, Mestres abnegados esfalfam-se para instruir os alunos desinteressados e que lhes chegam desequipados de re- cursos morais, econômicos e sociais, empenhando-se por superar as carên- cias de material pedagógico, de salários dignos, a fim de lograrem êxito no seu apostolado. Médicos, paramédicos, enfermei- ros solícitos esforçam-se por dignifi- car os seus pacientes, auxiliando-os com técnicas psicológicas de amor, de modo a terem as suas aflições diminu- ídas, quando não lhes seja possível ne- les restaurar a saúde.
  5. 5. 8 9 Assistentes sociais, psicoterapeu- tas, músicos unem-se em programas de socorro à aflição, criando esperança e bem-estar. Artistas nobres, nas diversas áre- as da cultura, desenvolvem atividades que contribuem para melhorar a situa- ção dos desassistidos e abandonados pelo poder publico. Administradores sinceros e hon- rados tentam conduzir-se de manei- ra digna, gerando educação, trabalho, saúde e espairecimento, fiéis aos deve- res abraçados. Idealistas de todo porte, ofere- cem-se uns para servir em organiza- ções não-governamentais, dedicando- -se outros aos elevados programas de preservação da Natureza, dos animais, dos oceanos e lagos, rios e florestas, em ativismos surpreendentes e como- vedores. Pessoas anônimas, sinceramente voltadas para o Bem, servem desinte- ressadamente, demonstrando que o amor ainda é o recurso mais valioso ao alcance de todos pra a construção da sociedade feliz que se instalará no mundo proximamente. Isto porque, acima dos governos terrestres, dos ambiciosos e alucinados corifeus da prepotência, da arrogância e da ilusão, encontra-se Jesus, coman- dando o processo de evolução terres- tre, como o grande Nauta que conduz a embarcação no rumo do porto seguro que lhe está reservado. Jesus prossegue, portanto, sendo o Caminho para a Verdade e para Vida. Jesus e Vida são, pois, os termos es- senciais da grande equação terrestre. 2 2 FRANCO, Divaldo P. Jesus e vida. Pelo Espírito Joanna de Ângelis. Salvador, BA: Leal, 2007. Cap.: Jesus e vida, p. 9-13. Do mesmo modo que a planta de uma cidade nos apresenta as suas múl- tiplas ruas e avenidas, ensejando-nos, e, por óbvio, exigindo-nos, opção por esse ou aquele roteiro, a fim de chegar- mos ao nosso destino, a nossa existên- cia terrestre também assim o faz. Os nossos dias são repletos de escolhas que devemos fazer, diante de tantas obrigações, que envolvem ques- tões pessoais, familiares, sociais, pro- fissionais. Naturalmente, cada escolha que fazemos, desejamos que ela seja a mais apropriada para o que se nos apresen- ta. Essa liberdade de escolha é o que chamamos de livre-arbítrio, e é o que nos faz responsáveis por ela e seus re- sultados. Quando observamos um artista, de qualquer expressão, que trabalha por enaltecer o belo e o útil, ou aquele que se utiliza de suas aptidões para veicular o esdrúxulo, a devassidão, facilmente podemos concluir que tanto um como outro artista simplesmente fizeram es- colhas, decidiram-se por um determina- do caminho. Bem nos diz a Benfeitora Espiritu- al Joanna de Ângelis3 : Há rumos que conduzem aos alti- planos onde se desdobram, imensas, as paisagens ricas de beleza e infinito. Há rumos que levam às ásperas e tortuosas baixadas onde proliferam miasmas, sombras e morte. Uns, são rumos que escravizam, 3 FRANCO, Divaldo P. Rumos libertadores. Pelo Espí- rito Joanna de Ângelis. Salvador, BA: Leal, 1978. Cap.: Introdu- ção, p. 9-10. A caminho
  6. 6. 10 11 e outros, rumos libertadores. Faz-se imperioso saber-se qual a meta que se persegue, a fim de esco- lher-se o rumo por onde avançar. Eichmann, portador de expressiva cultura e dotado de um físico excelente, vitimado pela paixão de preservar uma pseudo raça superior, elegeu o rumo do extermínio de seis milhões de judeus. Maria de Magdala, atendida por Jesus, tomou o rumo libertador que a conduziu à madrugada da Ressurreição e, posteriormente, aos sublimes cimos da Vida. Judas, embora carinhosamente assistido pelo Mestre, deixou-se arras- tar por injustificável precipitação, se- guindo o funesto rumo do suicídio infe- liz. (...) Roteiros há que terminam em lugares sem saída e outros que condu- zem a amplas regiões de paz. (...) Vê qual o rumo que preten- des tomar e elege a via da libertação. A afirmativa de Jesus: Eu sou o Caminho, vem ao nosso encontro como roteiro celeste, ofertando-nos vereda que seguramente nos levará ao melhor lugar, aquele que nos diz respeito. Não bastasse, insiste Jesus com o indicativo para o nosso melhor obje- tivo: “Eu sou a porta; se alguém entrar por mim, salvar-se-á, e entrará, e sairá, e achará pastagens.”4 O Evangelho tem sido através dos tempos, o mais seguro rumo de liberta- ção interior de que se tem notícia. Allan Kardec, ao questionar os Espíritos Luminares, conforme se lê em O Livro dos Espíritos, pergunta 625, revelou-nos, uma vez mais, a grande 4 João 10 : 9 síntese para a Humanidade: Qual o tipo mais perfeito que Deus tem oferecido ao homem, para lhe ser- vir de guia e modelo? “Jesus.” Não há pelo que duvidar de que estando o mundo no momento presente bastante conturbado, a causa geratriz dos transtornos externos encontram-se em nossos conflitos internos. Reformulado o homem para me- lhor, o contexto em seu entorno tam- bém estará remodelado para a mesma qualidade. Para nós que estamos em busca de melhores dias, estas são horas de balanço interior, convite para reflexão madura, demorada, profunda, iluminati- va. De grande oportunidade as pala- vras trazidas pelo Espírito Emmanuel, guia espiritual de Chico Xavier5 : A maioria dos estudantes do Evan- gelho parece esquecer que o Senhor se nos revelou como sendo o caminho... Não se compreende estrada sem proveito. Abraçar o Cristianismo é avançar para a vida melhor. Aceitar a tutela de Jesus e mar- char em companhia dEle, é aprender sempre e servir diariamente, com reno- vação incessante para o bem infinito, porque o trabalho construtivo, em to- dos os momentos da vida, é a jornada sublime da alma, no rumo do conheci- mento e da virtude, da experiência e da elevação. Zonas sem estradas que lhes in- tensifiquem o serviço e o transporte são regiões de economia paralítica. Cristãos que não aproveitam o caminho do Senhor para alcançarem a legítima prosperidade espiritual são criaturas voluntariamente condenadas à estagnação. Mas Ele, sabendo do momento de ouro em nossas vidas, quando pa- raríamos em cogitações sobre o melhor caminho a trilhar, deixou-nos pegadas de luz, para, na noite escura de nossas almas, pudéssemos mais facilmente 5 XAVIER, Francisco C. Vinha de luz. Pelo Espírito Em- manuel. 15.ed. Rio de Janeiro, RJ, FEB, 1998, Cap.: 176, p. 368. HelenKellerAdolfEichmann Helen Keller, não obstante cega, surda e muda, escolheu o rumo da ilu- minação interior e, saindo da amargura em que se poderia emparedar, alienan- do-se, encontrou a alegria de viver, en- sinando técnica da felicidade para to- dos.
  7. 7. 12 13 identificá-las e segui-las. “Tenho-vos dito isto, para que em mim tenhais paz; no mundo tereis afli- ções, mas tende bom ânimo, eu venci o mundo.” 6 Vem! “Eu sou o Alfa e o Ômega, o prin- cípio e o fim, o primeiro e o derradeiro.”7 6 João 16 : 33 7 Apocalipse 22 : 13 Se as ilusões e os brinquedos da maioria não mais te satisfazem, é que a madureza te inclina a horizontes mais vastos. Recorda que somente Jesus é bastante sábio e bastante forte para acalmar-te. Ouve-lhe o apelo divino, formula- do nas derradeiras palavras do seu Tes- tamento de Amor: - “Vem!” Ninguém te pode impedir o aces- so à fonte da luz infinita. O Mestre é o Eterno Amigo que nos rompe as algemas e nos abre por- tas renovadoras... Entretanto, é preciso saibas que- rer. O Senhor jamais nos fará violên- cia. Sofres? Estás fatigado? Tropeças sob os fardos do mundo? Vem! Jesus reserva-te os braços aber- tos. Vem e atende-o ainda hoje. É ver- dade que sempre alcançaste ensejos de serviço, que o Mestre sempre foi ab- negado e misericordioso para contigo, mas não te esqueças de que as circuns- tâncias se modificam com as horas e de que nem todos os dias são iguais.8 O rumo que ele nos aponta conti- nua indicando liberdade. Aconselha-nos a Veneranda Ben- feitora Espiritual Joanna de Ângelis9 : Desse modo, não tem olvides nunca de Jesus, dAquele que se fez guia e modelo para toda a Humanidade, a quem amas e a quem desejas servir. Deixa-te impregnar por Suas li- ções de amor e te entrega docilmente a Ele, tentando segui-Lo pela trilha que te deixou, talvez incompreendido, mas isso não é significativo, porque nem Ele foi respeitado ou estimado, antes ar- rojaram-No desdenhosamente em uma cruz de ultrajes que transformou em su- blime ponte de vinculação com Deus. Aproveita hoje para O seguir, sem passado nem futuro, com o coração e a mente tomados pelo Seu amor. Insistamos, nas decisões! 8 XAVIER, Francisco C. Fonte viva. Pelo Espírito Em- manuel. 24.ed. Rio de Janeiro, RJ, FEB, 2000, Cap.: 152, p. 344. 9 FRANCO, Divaldo P. Liberta-te do mal. Pelo Espírito Joanna de Ângelis. Salvador, BA: Leal, 2011. Cap.: Pelas trilhas de Jesus, p. 32.
  8. 8. 14 15 Porfiemos, nas atividades do Bem! Demoremo-nos, nos propósitos superiores! Se tivermos ouvidos capazes de escutar-discernindo, percebe-Lo-emos a repetir: “Eu sou o Caminho: vinde a mim!” Finalizemos este momento, com as palavras de Joanna de Ângelis10 : Diante do turbilhão de problemas e conflitos, aturdido e receoso, a um passo do desequilíbrio, indagas, sem diretriz: - Onde a via a seguir? Qual a conduta a adotar? Certamente, todo empreendimen- to deve ser precedido de planificação, de roteiro, de programa. Sem esses fa- tores, o comportamento faz-se anárqui- co, e o trabalho se dirige à desordem. A experiência carnal é uma via- gem que o espírito empreende com os objetivos definidos pela Divindade, que a todos reserva a perfeição. 10 FRANCO, Divaldo P. Momentos enriquecedores. Pelo Espírito Joanna de Ângelis. Salvador, BA: Leal, 1994. Cap.: O caminho, p. 39-42. Como alcançá-la, e em quanto tempo, depende de cada viajor. Multiplicam-se os caminhos que terminarão por levar à meta. Alguns conduzem a despenhadei- ros, a desertos, a pantanais, a regiões perigosas. Outros se desdobram convidati- vos e repletos de distrações, prazeres, comodidades, engodos, passadismos. Poucos se caracterizam pelo es- forço que deve ser envidado para con- quistá-los, vencendo, etapa a etapa, as dificuldades e impedimentos. Uns levam à ruína demorada, que envilece e infelicita. Vários dão acesso à glória tran- sitória, ao poder arbitrário, às regalias que o túmulo interrompe. Jesus, porém, foi peremptório ao asseverar: -Eu sou o caminho - informan- do ser a única opção para chegar-se a Deus. Se te encontras a ponto de desis- tir na luta, intenta-o outra vez e busca Jesus. Se te abateste e não tens ninguém ao lado para oferecer-te a mão, recorre a Jesus. Se te sentes abandonado e venci- do, após mil tentames malsucedidos no mundo, apela a Jesus. Se te deparas perdido e sem rumo, apega-te a Jesus. Se te defrontas com impedimen- tos que te parecem intransponíveis, procura Jesus. Se nada mais esperas na jornada, recomeça com Jesus. Se avanças com êxito, não te es- queças de Jesus. Se estás cercado de carinho e amor, impregna-te de Jesus. Se a jornada se te faz amena, agradece a Jesus. Se encontras conforto e alegria no crescimento íntimo, não te separes de Jesus. Se acreditas na vitória, que ante- vês, apoia-te em Jesus. Se te sentes inundado de paz e fé, Jesus está contigo. Em qualquer trecho do caminho da tua evolução, Jesus deve ser o teu apoio, a tua direção, a tua meta, tendo em mente que através d’Ele e com Ele te plenificarás, alcançando Deus. O mais, são ilusões e engodos. Não te equivoques, nem enganes a nin- guém.
  9. 9. 16 Sugestões bibliográficas Estas indicações de livros para tema geral: O Celeste Roteiro, contemplam suas três abordagens: Nas trilhas de Jesus, A verdade que liberta, Vida em abun- dância. • KARDEC, Allan. O evangelho segundo o espiritismo. Cap. VI, itens 5 a 8 • XAVIER, Francisco C., VIEIRA, Waldo. O espírito da verdade. Diversos. Cap.: 21, 40, 54, 61, 71, 76, 89, 94, 100 • ________. A vida escreve. Hilário Silva. Cap.: 7, 27 • XAVIER, Francisco C. Fonte viva. Emmanuel. Cap.: Introdução, 77, 79, 113, 121, 152, 172, 173 • ________. Vinha de luz. Emmanuel. Cap.: 1, 175, 176 • ________. Caminho, verdade e vida. Emmanuel. Cap.: Introdução, 16, 21, 22, 41, 157 • ________. Pão nosso. Emmanuel. Cap.: Introdução, 61, 62, 73, 180 • ________. Encontro marcado. Emmanuel. Cap.: 57, 60 • ________. Religião dos espíritos. Emmanuel. Cap.: Na hora da crise, Jesus e atualidade • ________. Contos e apólogos. Irmão X. Cap.: 21 • FRANCO, Divaldo O. Lampadário espírita. Joanna de Ângelis. Cap.: 6, 8, 43 • ________. Messe de amor. Joanna de Ângelis. Cap.: 1, 14, 46, 59 • ________. Dimensões da verdade. Joanna de Ângelis. Cap.: Ao chamado do Cristo • ________. Celeiro de bênçãos. Joanna de Ângelis. Cap.: 13 • TEIXEIRA, Raul. Nossas riquezas maiores. Diversos. Cap.: 2, 32 • ________. Vozes do infinito. Diversos. Cap.: 18, 25, 29, 39, 41 • ________. Revelações da luz. Camilo. Cap.: 21 A mente que ora, sintoniza com as Fontes da Vida, enrique- cendo-se de forças espirituais e lucidez. Joanna de Ângelis A perseverança é a base da vitória. Emmanuel Lembretes oportunos:

×