Your SlideShare is downloading. ×
  • Like
mympel2012_ruipascoa
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Now you can save presentations on your phone or tablet

Available for both IPhone and Android

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply
Published

Apresentação do Painel de Pecha-Kuchas sobre temas/trabalhos/sentidos/reflexões das unidades curriculares MPeL

Apresentação do Painel de Pecha-Kuchas sobre temas/trabalhos/sentidos/reflexões das unidades curriculares MPeL

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
415
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2

Actions

Shares
Downloads
4
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide
  • Na óptica da comunidade utilizadora e consumidora da Internet um recurso é “qualquer coisa – física, digital ou imaterial – que possa ser identificada e apontada através dum Uniform Resource Identifier ou URI“. Por outro lado, a visão económica dum recurso “requer que este produza serviços, permitindo-nos questionar que tipo de serviços serão criados, quais os custos, quem os pode utilizar e quais os seus benefícios”.
  • O valor intrínseco dum recurso está associado a vários factores, nomeadamente a facilidade de acesso e a mais valia resultante para o utilizador. Um recurso será tanto mais útil quanto maior for a possibilidade de o usar, modificar, copiar e distribuir.
  • Enquanto que, para um professor, um recurso é algo “que pode ser utilizado para organizar e apoiar as experiências de aprendizagem”, do ponto de vista do estudante “é tudo o que se possa aproveitar e utilizar para apoiar o estudo, incluindo materiais de curso, apontamentos, fontes de informação, colegas e especialistas”.
  • Podemos, numa abordagem pedagógica, definir recursos educativos como fontes geradoras de conhecimento, independentemente da origem, conteúdo, formato ou localização.
  • A gestão e manipulação de um recurso depende do seu grau de abertura. Geralmente um recurso é mais ou menos aberto consoante os direitos definidos pelo autor, ou autores.
  • No caso do software open source(3), Richard Stallman, fundador da Free Software Foundation(4), definiu 4 graus de liberdade.
  • Nos recursos educativos (ou noutro tipo de recursos) e numa perspectiva social, Ilkka Tuomi no relatório para a OCDE intitulado “Open Educational Resources: What they are and why do they matter“(5), no qual grande parte deste artigo se baseia, define 3 níveis, hierárquicos, de abertura.
  • De acordo com a Unesco, onde pela primeira vez o termo foi utilizado em 2002, numa workshop sobre cursos abertos em países em vias de desenvolvimento.
  • Os educadores são por excelência os melhores produtores de Recursos Educativos Abertos, porque percebemos as necessidades dos estudantes e temos competências em várias áreas
  • Pesquisa, seleção e produção de Recursos Educacionais Abertos
  • O clip de vídeo foi construído com reutilização de REAs e com materiais originais. O clip, com a duração de 4 minutos e 53 segundos, exigiu 50 horas de trabalho.

Transcript

  • 1. Recursos Educacionais Abertos Materiais e Recursos para Elearning Rui Páscoa – Universidade Aberta
  • 2. Recursos Educacionais AbertosMateriais e Recursos para Elearning Recursos Recursos abertos Recursos educativos Recursos educativos abertos Materiais e recursos para elearning (u.c.)
  • 3. Recursos Visão do utilizador/consumidor da Internet  qualquer coisa – física, digital ou imaterial  identificada e apontada através dum Uniform Resource Identifier Visão económica  Produção de serviços  Tipo de serviços, utilizadores, custos, benefícios?
  • 4. Recursos Valor intrínseco associado a  facilidade de acesso  mais valia para o utilizador Tanto mais útil quanto maior  a possibilidade de o usar, modificar, copiar e distribuir
  • 5. Recursos educativos Para o professor  algo que pode ser utilizado para organizar e apoiar as experiências de aprendizagem Para o estudante  tudo o que se possa aproveitar e utilizar para apoiar o estudo, incluindo materiais de curso, apontamentos, fontes de informação
  • 6. Recursos educativos Abordagem pedagógica  fontes geradoras de conhecimento, independentemente da origem, conteúdo, formato ou localização.
  • 7. Recursos abertosGrau de abertura depende dos direitos definidos pelo(s) autor(es)
  • 8. Recursos abertos Software Open Source – 4 níveis de abertura  Liberdade para correr o programa  Liberdade para adaptar o programa  Liberdade para copiar e distribuir o programa  Liberdade para melhorar o programa, com conhecimento público, para que a sociedade possa beneficiar dos melhoramentos efectuados (Richard Stallman, Free Software Foundation)
  • 9. Recursos abertos Recursos educativos – 3 níveis de abertura I. Acesso e acessibilidade. II. Capacidade e possibilidade de usufruir dos serviços proporcionados pelo recurso. III. Além do acesso ao recurso, há o direito de modificar e adicionar valor ao recurso. (Ilkka Tuomi, OCDE)
  • 10. Recursos educativos abertosFornecimento livre,através das Tecnologias de Informação eComunicação,de recursos educativos para consulta,uso e adaptação sem fins comerciais,por uma comunidade de utilizadores (Unesco)
  • 11. Recursos educativos abertos Conteúdos de qualquer formato, analógico ou digital, acessíveis a todos e que todos possam copiar, distribuir, modificar e redistribuir, acrescentando por isso valor e conhecimento aos utilizadores, com reflexo nos benefícios sociais e culturais da sociedade.
  • 12. Recursos educativos abertos MIT OpenCourseWare Wikipédia Repositório Científico de Acesso Aberto de Portugal SourceForge
  • 13. Recursos educativos abertos Portugal:  150.000 professores  1 recurso por ano  150.000 recursos num ano (1.500.000 em 10 anos) Porque não?
  • 14. Recursos educativos abertos“As an educator you are the most importantcontributor to OER, because you understand theneeds of students and have expertise in at leastIntroduction one, if not multiple, fields”. (Seth Gurell)
  • 15. Materiais e Recursos para Elearning Docente: José Mota Três unidades temáticas (conteúdos)  Recursos Educacionais Abertos (Open Educational Resources – OERs)  Selecção de Recursos Educacionais Abertos  Produção de Recursos Educacionais Abertos
  • 16. Materiais e Recursos para Elearning Atividades  Wiki em equipa  Debate sobre REAs  Seleção (fundamentada) de Repositórios de REAs  Seleção (fundamentada) de REAs  Conceção e publicação de REAs (contrato de aprendizagem)
  • 17. Materiais e Recursos para Elearning Atividades  Planificação de unidade de trabalho com REAs  Spot publicitário com REAs  http://bit.ly/VXv5Q6  Produto multimédia (clip de vídeo)  Teoria cognitiva da aprendizagem multimédia  http://youtu.be/pK_wr0FF4N4 (contrato de aprendizagem)
  • 18. Materiais e Recursos para Elearning A produção de um Recurso Educativo Aberto multimédia, com base em recursos exclusivamente originais e/ou outros recursos que permitam a reutilização, é uma tarefa complexa que pode, devido ao esforço despendido, explicar a escassez de recursos desta natureza.
  • 19. Materiais e Recursos para Elearning Além do domínio dos temas, que obrigam a uma pesquisa cuidada, é necessária uma boa planificação e uma boa escolha das ferramentas a utilizar, assim como o domínio das mesmas. Sempre que possível, este é um trabalho que deve ser desenvolvido com ajuda profissional.
  • 20. OBRIGADO! ruipascoa@gmail.com http://mpel.ruipascoa.net http://facebook.com/ruipascoa Rui Páscoa – Universidade Aberta