Your SlideShare is downloading. ×
  • Like
Apresentação MPX - Agosto 2012
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Now you can save presentations on your phone or tablet

Available for both IPhone and Android

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

Apresentação MPX - Agosto 2012

  • 417 views
Published

 

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
417
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2

Actions

Shares
Downloads
7
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. APRESENTAÇÃO CORPORATIVA MPX
  • 2. AVISO LEGALEsta apresentação contém algumas afirmações e informações prospectivas relacionadas a Companhia que refletem a atual visão e/ouexpectativas da Companhia e de sua administração a respeito de seu plano de negócios. Afirmações prospectivas incluem, entre outras, todas asafirmações que denotam previsão, projeção, indicam ou implicam resultados, performance ou realizações futuras, podendo conter palavras como"acreditar", "prever", "esperar“, "contemplar", "provavelmente resultará" ou outras palavras ou expressões de acepção semelhante.Tais afirmações estão sujeitas a uma série de expressivos riscos, incertezas e premissas. Advertimos que diversos fatores importantes podemfazer com que os resultados reais divirjam de maneira relevante dos planos, objetivos, expectativas, estimativas e intenções expressos nestaapresentação.Em nenhuma hipótese a Companhia ou suas subsidiárias, seus conselheiros, diretores, representantes ou empregados serão responsáveisperante quaisquer terceiros (inclusive investidores) por decisões ou atos de investimento ou negócios tomados com base nas informações eafirmações constantes desta apresentação, e tampouco por danos consequentes, indiretos ou semelhantes.A Companhia não tem intenção de fornecer aos eventuais detentores de ações uma revisão das afirmações prospectivas ou análise das diferençasentre as afirmações prospectivas e os resultados reais.Esta apresentação e seu teor constituem informação de propriedade da Companhia, não podendo ser reproduzidos ou divulgados no todo ou emparte sem a sua prévia anuência por escrito. 2
  • 3. 1Visão Geral da MPX
  • 4. UM HISTÓRICO COMPROVADO DE REALIZAÇÕES 2012 2011  Parceria entre MPX/E.ON  Capacidade licenciada Os Primeiros Cinco Anos da UTE Parnaíba  Desembolso de atinge 3.722 MW empréstimo-ponte totalizando R$ 1,6  Contrato de bilhão para a fornecimento de produção de gás 2010 energia assegurado natural e geração de para 1.193 MW e  MPX Colômbia – 1º energia na Bacia do início da construção Relatório Técnico: Parnaíba da UTE Parnaíba 2009 recursos de carvão  Cisão dos ativos de  Estimativa da D&M de 144 MM de 2008  Início da construção toneladas para recursos riscados carvão da Colômbia, na UTE Itaqui e UTE na Bacia do Parnaíba criando uma nova  Primeira aquisição de Pecém II  LP para UTE empresa listada na 2007 direitos minerários na Parnaíba (1.863 totalizam mais de 11Tcf BM&FBOVESPA Colômbia  Aquisição de IPO: US$ 1,1 MW) participação em 7  Declaração de  Aquisição de projetos bilhão captados  365 MW vendidos no blocos terrestres de  Início da comercialidade de 2 eólicos greenfield no Leilão A-5 1.080 MW exploração na Bacia campanha de campos de gás com Nordeste do Brasil vendidos no  Início da construção do Parnaíba perfuração na produção estimada de (1.200 MW) Leilão A-5 na UTE Pecém I Bacia do Parnaíba 6 MM m3/dia 4 4
  • 5. UMA EMPRESA DE ENERGIA DIVERSIFICADA O maior portfólio de empreendimentos integrados da América do Sul Geração de Energia Amapari Energia  3 GW com contratos assegurados 23 MW UTE Itaqui 360 MW  Licença Ambiental para 11 GW adicionais Blocos exploratórios Energia Pecém 11,3 Tcf GN 720 MW UTE Parnaíba UTE Pecém II  JV com a líder global E.ON AG 1.531 MW 365 MW UTE Parnaíba Complexo Eólico Ventos 2.191 MW (600 MW + 600 MW) Recursos Naturais Solar Tauá 1 MW  Gás Natural: >11 Tcf de recursos riscados UTE Açu 2,100 MW – Coal na Bacia do Parnaíba UTE Castilla 2.100 MW 3,300 MW – Natural Gas Planta Mina de SeivalDessalinizadora UTE Sul 740 l/s 727 MW UTE Seival 600 MW MPX JV 5
  • 6. ESTRUTURA ACIONÁRIA DA MPX(após a conclusão do aumento de capital, assumindo nenhuma subscrição dos acionistas minoritários) EIKE Free Float BATISTA 53,9% 34,3% 11,7% 50% 50% MPX- E.ON JV 50/50 100% 100% 50% 50% 100% Atual Carteira Geração de Recursos Suprimento Novos de Projetos Renováveis energia Naturais & Trading Projetos Térmicos Energia Pecém TPP Parnaíba Tauá Solar Seival (360 MW) (1.534 MW) (5 MW) Pecém II Açu –Gás Natural Projetos OGX Maranhão (365 MW) (3.300 MW) Eólicos Itaqui Açu – Carvão Greenfield (360 MW) (2.100 MW) (1.200 MW) UTE Parnaíba Castilla - Carvão (1.087 MW) (2.100 MW) Amapari Sul e Seival - (12 MW) Carvão (1.327 MW) 6
  • 7. MANAGEMENT TEAM COM EXPERIÊNCIA PARA ATUAR COM VISÃO ESTRATÉGICA  Mais de 22 anos de experiência nas mais variadas operações de M&A e Corporate Finance ligadas ao setor deEduardo Karrer recursos naturais, energia, saneamento e logísticaPresidente & Diretor de RI  Presidente da El Paso Brasil Ltda. e Rio Polímeros S.A.  Gerente-Executivo da Divisão de Gás e Energia e de Mercado Internacional da Petrobrás Distribuidora  Mais de 25 anos de experiência na área financeira em diversas MultinacionaisRudolph Ihns  CFO da MMX Mineração e Metálicos S.A.Diretor Financeiro  CFO da Unisys no Brasil e Alemanha  Secretário Nacional de EnergiaXisto Vieira Filho  Coordenador do Comitê Coordenador do Planejamento do Sistema Interligado Brasileiro e Secretário do ComitêDiretor de Nacional de Política Energética (CNPE)Comercialização e  Presidente dos Conselhos de Administração da CHESF e da Eletrosul, e membro dos Conselhos de AdministraçãoRegulação da Eletrobrás, Furnas, Cepel e Grupo Rede  Presidente do Comitê Nacional do Cigré (Conference Internationale des Grand Réseaux Électriques)Marcus Bernd  Mais de 20 anos de experiência em operações de empresas multinacionaisTemke  Diretor Industrial e Gerente de Implantação na Rio Polímeros S.A. Diretor de Operação e  MBA Executivo na COPPEAD – UFRJImplantação  Sócio do Villemor Amaral Advogados (2002-2004) e Tozzini Freire,Teixeira & Silva Advogados (2001-2002)Bruno Chevalier  Gerente Jurídico na General Motors Corp. em Lisboa e na MMX Mineração e Metálicos S.A.Diretor Jurídico  Diretor Jurídico da Delphi Automotive Systems 7
  • 8. 2CONSIDERAÇÕES PARA INVESTIMENTO
  • 9. CONSIDERAÇÕES PARA INVESTIMENTO Exposição à crescente demanda de energia no Brasil Termoelétricas com benefícios fiscais entrando em operação a partir de 2012 Monetização atrativa dos recursos de gás natural Carteira de projetos térmicos robusta para atender a necessidade brasileira de um sistema elétrico mais confiável Joint-venture com a E.ON para desenvolver sólido portfólio de ativos de energia enquanto desbloqueia o valor dos ativos de carvão na Colômbia Administração experiente para executar visão estratégica 9
  • 10. 3EXPOSIÇÃO À CRESCENTE DEMANDADE ENERGIA NO BRASIL
  • 11. O BRASIL NECESSITARÁ DE 10 GW MÉDIOS ADICIONAIS DE 2015-2019 Oferta/Demanda de Energia Déficit de Energia a partir de 2015 = Oportunidades de Investimento Carga de Energia (previsão) Energia Firme 2015 em diante: necessidade de nova geração 10 GW médios necessários de 2015 a 2019Fonte: ANEEL 11
  • 12. O BRASIL NECESSITARÁ DE CAPACIDADE TÉRMICANOVA PARA AUMENTAR A CONFIABILIDADE DO SISTEMA A capacidade de armazenamento de água estagnou, levando a uma diminuição daautonomia do sistema Capacidade de armazenamento (Sudeste) Autonomia = [Capacidade de armazenamento / (Carga – Geração Térmica)] Autonomia Atual do Reservatório ~ 5 meses Estagnação da Capacidade de Armazenamento 2001: Déficit de Energia (redução de carga) Capacidade de armazenamento (SIN): Sudeste = 69% Nordeste = 19% Novas usinas térmicas são necessárias para Sul = 7% Norte = 5% garantir um suprimento de energia confiável. Fonte: ONS 12
  • 13. ATRASOS NA TRANSMISSÃO REFORÇAM AIMPORTÂNCIA DAS USINAS TÉRMICAS Atrasos na expansão da transmissão vão afetar a confiabilidade do abastecimento de energia: maior necessidade de usinas térmicas localizadas próximas aos centros de consumo de energia Atraso Médio = 1,2 ano Número de Projetos de Transmissão 103 atrasos de até 1 ano 100 atrasos superiores a 1 ano (desde o ano 2000) Antecipado Normal Atrasado Fonte: ANEEL 13
  • 14. 4TERMOELÉTRICAS COM BENEFÍCIOS FISCAISENTRANDO EM OPERAÇÃO A PARTIR DE 2012
  • 15. CONTRATO DE ENERGIA ASSEGURADO PARA 3,0 GW Receita fixa mínima garantida atingirá R$ 1,4 bilhão em 2015 CAPACIDADE CAPACIDADE ENERGIA RECEITA FIXA PERÍODO TOTAL AJUSTADA VENDIDA COMBUSTÍVEL ANUAL3 DO PPA (MW) (MW) (MW MÉDIO)Pecém I 720 360 615 R$ 278 milhões Carvão 2012-2027Itaqui 360 360 315 R$ 294 milhões Carvão 2012-2027Pecém II 365 365 276 R$ 264 milhões Carvão 2013-2028Parnaíba I 676 473 450 R$ 289 milhões Gás Natural 2013-2028Parnaíba II 517 362 450 R$ 242 milhões Gás Natural 2014-2034Parnaíba (Mercado Livre) 338 237 200 R$ 188 milhões Gás Natural 2019-2029Total 2.976 2.157 2.306 R$ 1.555 milhões Capacidade Ajustada/Receita Fixa Anual: Dados ajustados considera a participação da MPX em cada projeto. Notas: 1. Pecém I uma parceria de 50/50 entre MPX Energia e EDP; 2. Parnaíba é uma parceria entre MPX (70%) e Petra Energia S.A. (30%); 3. A Receita Fixa é corrigida anualmente pelo IPCA (valores apresentados na data base junho de 2012).; 4. Capacidade Total: Não inclui Amapari e Usina Solar de Tauá. 15
  • 16. FLUXO DE CAIXA ESTÁVEL E PREVISÍVEL 3 Capacidade Instalada (MW) Receita Fixa Anual (MM) 1.920 1.367 1.305 1.558 1.125 720 155 2012 2013 2014 2012 2013 2014 2015 Pecém I1 Parnaíba2 I Itaqui Parnaíba2 II Pecém IIDados ajustados considerando a participação da MPX em cada projeto.Notas: 1. Pecém I é uma parceria de 50/50 entre MPX e EDP; 2. Parnaíba I & II são uma parceria 70/30 entre MPX e Petra; 3. A Receita Fixa é corrigida anualmente pelo IPCA (valoresapresentados na data base junho de 2012); 16
  • 17. 5 TÉRMICAS A CARVÃOUSINAS
  • 18. TAKEOVER DAS OBRASGestão eficaz nas UTEs Pecém I & II e ItaquiEm julho de 2012, MPX e EDP anunciaram aquisição da MABE, consórcio formado pela Tecnimonte Efacec, assumindo gestão das obras das UTEs Pecém e ItaquiComo parte do acordo:  Tecnimont e Efacec aportaram R$421MM na MABE + R$185MM em caixa retido pelos empreendimentos, e quitaram os passivos anteriores a 30 de abril de 2012  Garantias de desempenho inalteradas  Eliminados claims e ações judiciais pendentes PECÉM I PECÉM II ITAQUI TOTAL Injeção de caixa na MABE 196 110 115 421 Caixa Retido 100 47 38 185 Garantias de Desempenho 200 104 107 411 Garantias para claims e contingências 83 42 41 166 18
  • 19. ETAPAS PARA INÍCIO DE OPERAÇÃO COMERCIALPlantas a Carvão em Construção Pecém I: Unidade #1 Reparar mancais da turbina e a máquina de rotor de turbina Ramp-up de Capacidade (MW) Reiniciar a unidade  primeira sincronização  testes de carga elétrica  Declaração de Operação Comercial (DCO). 1.445 Itaqui Sopragem de vapor  recomposição  operação de by-pass  1.080 365 vapor para turbina  testes elétricos  primeira sincronização  testes de carga elétrica  DCO. 360 Pecém I: Unidade #2 Comissionamento a frio  primeiro acendimento  sopragem 360 de vapor  recomposição  operação de by-pass  vapor para turbina  testes elétricos  primeira sincronização  testes de360 carga elétrica  DCO.3T12 4T12 1T13 Pecém II Conclusão da construção  comissionamento a frio  primeiroPecém I #1 Pecém I #2 Itaqui Pecém II acendimento  sopragem de vapor  recomposição  operação de by-pass  vapor para turbina  testes elétricos  primeira sincronização  testes de carga elétrica  DCO. 19
  • 20. PECÉM I & IIVisão Geral 20
  • 21. PECÉM I & IIVisão Geral 21
  • 22. ITAQUIVisão Geral 22
  • 23. ITAQUIVisão Geral 23
  • 24. 6UTE PARNAÍBA E UNIDADE DETRATAMENTO DE GÁS
  • 25. UTE PARNAÍBA I (676 MW) & II (517 MW) Destaques de execuçãoContratos de EPC assinado com DuroFelguera (Parnaíba I) e Initec Energia(Parnaíba II)  Parceria com a GE assegura o fornecimento de equipamentos nos prazos requeridos  Montagem eletromecânica de 4 turbinas, de um total de 6  4 turbinas no site e 2 adicionais (Parnaíba II) serão embarcadas para o Brasil no final do 3T12Empréstimos-ponte de R$ 1.375 milhõesdesembolsados para financiar Parnaíba I & II. 25
  • 26. MPX POSSUI 23% DO PORTFOLIO UNICO DE GÁS NATURAL ONSHORE Estrutura AcionáriaBlocos da OGXMaranhãoÁrea Total:24.500 km² 2 campos de produção comercial em desenvolvimento: Gavião Real e Gavião Azul Recursos riscados potenciais ultrapassam 11 Tcf (2,0 bi boe) 5 sondas de perfuração em operação 3 equipes sísmicas na região Campanha exploratória já identificou 4 acumulações e mais de 20 prospecto Teste de formação no poço OGX-88 (Bom Jesus) concluído em 36 metros de net pay, sustentando o desenvolvimento futuro da acumulação 26
  • 27. PRODUCÃO DE GÁS PLANEJADA PARA INICIAR NO 2S12Produção inicial de 6 MM m3/dia irá abastecer Parnaíba I & IIProdução no Gavião Real conformecronograma - início no 2S2012 Capacidade estimada em 2013: 6 MM m³/dia (212 MM ft³) 15 poços de desenvolvimentos concluídos Comissionamento da UTG esperado para 4T12Custos competitivos: Custo operacional médio: US$ 0,30/1.000ft³Empréstimo-ponte de R$ 600 milhõespara financiar o desenvolvimento doscampos de produção foramdesembolsados em janeiro de 2012 27
  • 28. OPORTUNIDADES ATRATIVAS PARA MONETIZAR PRODUÇÃO ADICIONAL Integração Eficiente de Recursos de Gás Natural com Produção de EnergiaUsina termelétrica localizada amenos de 2 Km dos campos de gás 2,2 GW licenciados e ainda não contratados irão demandar mais de 11 MM m3/dia Baixo custo de conexão à rede elétricaCompetição limitada no gás naturalBenefícios fiscais na região podematrair investimentos industriais comgás disponível 28
  • 29. 7JOINT-VENTURE COM A E.ON PARA DESENVOLVERSÓLIDO PORTFÓLIO DE PROJETOS TÉRMICOS
  • 30. CRIAÇÃO DE VALOR ATRAVÉS DA JOINT-VENTURE COM A E.ON Aproveitando Fortes Capacidades Complementares para Acelerar o Crescimento MPX e E.ON AG* formaram recentemente uma joint-venture 50/50 para desenvolver uma carteira robusta de projetos de energia no Brasil e Chile A E.ON se comprometeu a apoiar as necessidades de investimento na JV, ao custo de capital da E.ON no Brasil, de forma a permitir a aceleração da implementação dos projetos de geração de energia da JV A MPX irá levantar R$ 1,0 bilhão através de um aumento de capital  E.ON deverá investir em última instância aproximadamente R$ 850 milhões para alcançar uma participação de 10% na MPX  Se os acionistas minoritários não exercerem seus direitos de preferência, a E.ON se comprometeu a subscrever até R$ 1,0 bilhão(*) A E.ON possui uma das maiores e mais diversificadas base de ativos de gás na Europa. Capacidade Instalada: 69 GW Volume Negociado em 2011: 2.000 bilhões kWh de energia / 2.500 bilhões kWh de gás / 600 milhões de toneladas de carbono / quase 300 milhões de toneladas de carvão Números de 2011 : Posição de Caixa: EUR 6.610 milhões / Ativos Totais: EUR 152.872 milhões / Vendas: EUR 112.954 milhões 30
  • 31. JOINT-VENTURE MPX E.ON 50% 50% MPX- E.ON JV 50/50 50% 100% 100% 100% Atual Carteira de Projetos Suprimento & Renováveis Novos Projetos Térmicos Trading 11GW de Capacidade Térmica 1.2 GW em projetos eólicos Licenciada greenfield 31
  • 32. OPORTUNIDADES FUTURAS DE CRECIMENTOPosicionada para a liderança nos mercados energéticos doBrasil e Chile CAPACIDADE ATUAL CARTEIRA DE TOTAL COMBUSTÍVEL PROJETOS TÉRMICOS (MW) Ventos 1.200 Ventos Parnaíba1 2.191 Gás Natural Açu 3.300 Gás Natural Açu 2.100 Carvão Castilla (Chile) 2.100 Carvão Sul e Seival 1.327 Carvão Total 12.218 1 Parnaíba - parceria entre MPX (70%) e Petra (30%) 32
  • 33. VENTOS: 1.200 MW EM ÁREA COM MAIOR POTENCIAL PARAA GERAÇÃO EÓLICA NO BRASILAtivo greenfield diferenciado no Nordeste do Brasil Capacidade Total: 600 MW + opção de compra de 600 MW adicionais João Câmara Fator de Capacidade Estimado: 48% (P50) Localização: Rio Grande do Norte, NE do Brasil RN Conexão com a rede básica a 30 km Direitos fundiários assegurados 158,7 MW cadastrados para leilões de energia de 2012 Licenciamento ambiental em andamento 33
  • 34. CASTILLA: 2,1 GW DE CAPACIDADE PARA TÉRMICA A CARVÃOCastilla é a maior usina greenfield licenciada no SIC Projeto Integrado: Usina + Porto de Águas Profundas + Planta de Dessalinização SIC: Sistema Interconectado Central (90% do PIB & 92% da população) Localizado a 700 km ao Norte de Santiago Concessão marítima e licença do porto emitidas Capacidade de geração: 6 x 350 MW = 2.100 MW Capacidade da planta de dessalinização: 740 l/s Estrategicamente localizada em uma região com grande demanda por energia e água 34
  • 35. AÇU: COMPLEXO DE GERAÇÃO GREENFIELD COM 5,4 GW3,3 GW a gás + 2,1 GW a carvão, localizados no centro de carga dedemanda do Brasil Localizado em um dos mais importantes complexos portuários da América Latina Capacidade total de 5.400 MW  Carvão: 2.100 MW  Gás Natural: 3.300 MW Próximo a acumulações de gás natural descobertas na Bacia de Campos (150 Km) As indústrias localizadas no Superporto vão se beneficiar da auto produção compartilhada, que nos preços atuais representam uma redução do custo de energia de aproximadamente 30% 35
  • 36. SUL + SEIVAL: 1,3 GW INTEGRADO A UMA MINA DECARVÃO DE BAIXO PODER CALORÍFICO (TIPO LINITO)Mina a céu aberto com baixo custo de mineração, localizada próxima àstermelétricas, resultando em custo de combustível competitivo MPX Sul e MPX Seival:  Capacidade: 727 MW + 600 MW  Tecnologia de leito fluidizado de carvão  Baixa emissão resultante da queima mista de carvão e madeira Mina de Seival :  Parceria entre MPX e Copelmi – uma das maiores mineradoras do Brasil  Licença de Operação emitida  152 MM toneladas de reservas provadas e 459 MM toneladas de recursos totais Localizados em uma região de potencial hídrico limitado e com restrições na transmissão. 36
  • 37. 8DESTAQUES FINANCEIROS
  • 38. POSIÇÃO DE CAIXA CONSOLIDADA Caixa & Valores Mobiliários 394,5 78,9 78,8 610,9 178,0 14,8 686,4 445,0 151,9 1.325,1 1.113,3Caixa e Valores Mobiliários (1T12) Receitas de Garantias Bancárias do EPC & SG&A Execução OPEX & CAPEX Resultado Financeiro Desembolso Contribuição de Capital da E.ON de Dívida Caixa Transferido para CCX Cisão* Depósitos Vinculados Caixa e Valores Mobiliários (2 * Caixa retido nos projetos transferidos para a JV (50%) e CCX (100%) 38
  • 39. DÍVIDA CONSOLIDADA Dívida (R$ milhões)Dívida Bruta Consolidada Total: R$ 5.103,8 milhões 1.662 Curto prazo: R$ 1.662,2 milhões (33%) 3.442  Empréstimo-ponte de R$ 825 milhões para Parnaíba I e R$ 325 (67%) milhões para Parnaíba II => a serem pagos com o desembolso do financiamento de longo prazo, esperado para 2S2012  Com a conclusão da cisão, R$ 422,5 milhões em dívidas de curto Curto Prazo Longo Prazo prazo foram transferidas para a CCX Perfil de Maturação da Dívida 2,803.7 (R$ milhões) Longo prazo: R$ 3.441,6 milhões  Prazo de Amortização: 14 anos 1,288.8 1,113.2 541.9 262.0 228.5 Custo médio da dívida: 9,4% Prazo médio: 5,6 anos Caixa e Valores Mobiliários 2012 2013 2014 2015 De 2016 até o vencimento *Values incorporate principal + capitalized interest + charges and exclude outstanding convertible debentures; ** R$ 258,7 milhões em 2012 e R$ 1.168,4 milhões em 2013 correspondem ao empréstimo-ponte para o Parnaíba, a serem pagos com o desembolso do financiamento de longo prazo, esperado para 2S2012. 39
  • 40. Para mais informações, entre em contato com: Relações com Investidores (55 21) 2555-9215 ri.mpx@mpx.com.br