Setor florestal programa_abc_final
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Setor florestal programa_abc_final

on

  • 581 views

Palestra que apresentei por solicitação do Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento - MAPA em substituição ao Dr. Derli Dossa

Palestra que apresentei por solicitação do Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento - MAPA em substituição ao Dr. Derli Dossa

Statistics

Views

Total Views
581
Views on SlideShare
581
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
22
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Setor florestal programa_abc_final Setor florestal programa_abc_final Presentation Transcript

  • CONTRIBUIÇÃO E IMPORTÂNCIA DO SETOR DE BASE FLORESTAL PARA O DESENVOLVIMENTO DA AGRICULTURA DE BAIXA EMISSÃO DE CARBONO. MOACIR JOSÉ SALES MEDRADODIRETOR DA MCA – MEDRADO & CONSULTORES AGROFLORESTAIS ASSOCIADOS LTDA. NÃO ME TOQUE - RS, 07/03/2011
  • VAI TER ÁREA PARA FAZER COMIDA PARA TANTOS?http://bit.ly/dyj8a2 http://bit.ly/blhJPp http://bit.ly/8Xnu5r
  • AGRONEGÓCIO PIB 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001PIB AGRONEGÓCIO/PIB TOTAL TOTAL 27,08 26,70 25,71 24,65 24,79 25,18 24,16 24,27 INSUMOS 2,41 2,24 2,22 2,12 2,24 2,43 2,40 2,46 AGROPECUÁRIA 6,48 6,36 5,99 5,72 6,07 6,05 5,75 5,93 INDÚSTRIA 9,10 9,35 8,75 8,51 8,06 8,26 8,00 7,83 DISTRIBUIÇÃO 9,09 8,74 8,75 8,31 8,42 8,45 8,02 8,04 PIB 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 TOTAL 25,72 27,09 26,28 24,29 23,47 23,87 24,27 23,08 INSUMOS 2,75 3,06 2,94 2,56 2,39 2,55 2,86 2,61 AGROPECUÁRIA 6,47 7,15 6,71 5,87 5,52 5,84 6,38 6,14 INDÚSTRIA 8,07 8,21 8,16 7,92 7,83 7,70 7,34 6,94 DISTRIBUIÇÃO 8,43 8,67 8,48 7,95 7,72 7,77 7,69 7,40 Fonte: CEPEA/ESALQ/USP Média 1995-2002 : 25,2 % Média 2003-2009 : 24,6 % View slide
  • FICHA DO VÍDEO DO PINAZZAImportações - US$ 13,4 bilhõesSuperavit - US$ 63 bilhõeshttp://www.agricultura.gov.br View slide
  • Ranking Total de Exportações do Agronegócio Brasileiro IICA. Caderno de Estatísticas: Agronegócio Brasileiro. 2ª. Edição -Volume I –Nº 7 -Ano V Primeiro Trimestre de 2010
  • Saldo da balança comercial do agronegócio (em us$ 1,00) IICA. Caderno de Estatísticas: Agronegócio Brasileiro. 2ª. Edição -Volume I –Nº 7 -Ano V Primeiro Trimestre de 2010
  • A PECUÁRIA BOVINA “O Brasil hoje é o maior exportador mundial de carne bovina..” “O complexo Carnes é o segundo item da pauta de exportações do agronegócio brasileiro, com a tendência de, em breve, se tornar o líder em vendas para o exterior. Hoje fica atrás do Complexo Soja.”
  • DESMATAMENTODEGRADAÇÃO DE ÁREASPRODUÇÃO DE METANOTRABALHO ESCRAVODESPERDÍCIO DE ÁGUA FARRA DO BOI OS PILARES DA PECUÁRIA PARA OS AMBIENTALISTAS
  • PECUARISTAS: É HORA DE OLHAR O PROBLEMA http://bit.ly/c5QeQ2
  • O CAMINHO DA PECUÁRIAhttp://bit.ly/3njahkPhotograph: Daniel Beltra/Greenpeace
  • A AGRICULTURA http://bit.ly/amx63Chttp://bit.ly/9Yehn0 http://bit.ly/aXNLoD
  • A AGRICULTURAhttp://bit.ly/cQ9Hqo http://bit.ly/cm06fzhttp://bit.ly/ctLmb0 http://bit.ly/b8T8kw
  • http://bit.ly/hjIth8
  • PLANTAÇÕES FLORESTAIS COMERCIAIS – CONTRIBUIÇÕES SÓCIAIS-ECONÔMICAS-AMBIENTAIS •Área plantada •Pinus e eucalipto - 6.310.450 ha (56% no sudeste) •Outras espécies - 472.050 ha • Total - 6.782.500 ha •Valor da Produção - US$ 46.639 bilhões • Tributos - R$ 8,15 bilhões, (0,75 % do Brasil) • Empregos Gerados - 3.947.406 (diretos, inidireto e efeito renda) • Parcerias (fomento/arrend.) 483,4 mil ha - 26574 mil produtores • Brasil 517 milhões de ha com florestas nativas (1,17 % no setor) •Certificação - 5,6 milhões de hectares certificados (Plant. florestais e florestas nativas) •Número de benefíciários de Programas Sociais das empresas 2.373.613 (R$ mil 61.639)Fonte: Anuário da Abraf, 2010 ano base 2009
  • BALANÇA COMERCIALEvolução da balança comercial de produtos de florestas plantadas no Brasil(2000-2009)
  • GASES DE EFEITO ESTUFADIÓXIDO DE CARBONOMETANOCFCsOZÔNIOÓXIDO NITROSO
  • GEE de origemantrópica em 2004, em termos deCO2eq (IPCC, 2007).Contribuição relativa de diferentes setores nas emissões antropogênicas de GEE em 2004, em termos de CO2eq.
  • Alterações no clima sãoobservadas ao longo dos 4,6bilhões de anos do planeta Terra.Com Revolução Industrial noséculo XVIII aumentou aintervenção humanaA concentração do CO2, variou de280 partes por milhão por volume,unidade de concentração (ppmv)no período pré-industrial para 390ppmv em 2009. Cientistas afirmamque 350 ppmv deve ser o limitemáximo
  • CO2CO2 CO2CO2 CO2 CO2
  • Comparação de métodos para calcular o impacto sobre o efeito estufa dodesmatamento feito em 1990 em áreas originalmente florestadas na Amazôniabrasileira em milhões de toneladas de carbono equivalente a carbono de CO2 Gases Emissões líquidas Balanço anual comprometidas incluídos (apenas Apenas Exploração Desmatamento + desmatamento) desmatamento madeireira Exploração madeireira Cenário de gases –traço baixo CO2 apenas 255 328 61 390 CO2, CH4, N2O 267 353 62 415 Cenário de gases – traço alto CO2 apenas 255 324 61 386 CO2, CH4, N2O 278 359 63 422 http://bit.ly/fZDLaL
  • CH4CH4 CH4CH4 CH4 CH4
  • EFEITOS PARA A AGRICULTURA BRASILEIRA O EXEMPLO DA SOJA
  • O aquecimento global pode comprometer a produção de alimentos, levando a perdas que começa com até R$ 7,4 bilhões em 2020, podendo atingir R$ 14 bilhões em 2070 • A soja deve ser a cultura mais afetada. No pior cenário, as perdas podem chegar a 40% em 2070, levando a um prejuízo de até R$ 7,6 bilhões.http://abag.technoplanet.com.br/images/pdfs/eduardo_assad.pdf
  • EFEITOS PARA A AGRICULTURA BRASILEIRAA DEGRADAÇÃO AMBIENTAL
  • 28
  • 29
  • 30http://www.iconebrasil.org.br/arquivos/noticia/1991.pdf Elaboração: ICONE
  • QUAL A FORMA DE REAGIR A TANTOS PROBLEMAS ?Estabelecer uma política nacional para o desenvolvimento sustentável baseada em: Conservação de Aperfeiçoamento do Aplicação do manejo Recursos Naturais Seguro Agrícola Florestal de Uso Múltiplo Zoneamento Econômico Industrialização do Recuperação de Áreas e Ecológico campo Degradadas Utilização de Aperfeiçoamento da Agregação de valor Agroecossistemas Reforma Agrária sustentáveis Buscando o equilíbrio ecológico. Principalmente Hídrico, ao tempo em que propicie a equidade , a melhor qualidade de vida e a segurança alimentar Harmonizando o Agrário e o Urbano 31
  • ESTABELECENDO METAS CONTUNDENTES
  • CAMINHOS A SEGUIR FRENTE À MUDANÇA CLIMÁTICA
  • PARA TAL, A GESTÃO DA PROPRIEDADE DEVE PAUTAR-SE EM UMA ESTRATÉGIA DE INTEGRAÇÃO DE LAVOURAS, PECUÁRIA E FLORESTA - ILPF POR QUÊ APLICAR A ILPF? 1 2 3 Pressão sobre Áreas agropecuárias Necessidade de consolidarempresários/produtores - podem adotar práticas a pecuária brasileira, conservação da favorecedoras e alcançar ambientalmente biodiversidade em áreas considerável nível de adequada, no cenário de uso agropecuário biodiversidade mundial. 34
  • OBJETIVOS DO PLANO AGRÍCOLA E PECUÁRIO 2010/2011• Aumentar o volume total de recursos do Sistema Nacional de Crédito Rural(SNCR), sobretudo a taxas controladas;• Melhorar a liquidez e reduzir os custos financeiros para o produtor;• Apoiar a comercialização;• Ampliar a cobertura do seguro rural;• Reforçar o apoio ao médio produtor rural;• Estimular o desenvolvimento sustentável da agropecuária, incentivandoespecialmente a agricultura de baixo carbono;• Incentivar as boas práticas agrícolas e pecuárias;• Aprimorar e fortalecer o sistema de armazenagem para a produção rural;• Fortalecer as cooperativas do setor agropecuário;• Fortalecer a produção de biocombustíveis
  • PLANO AGRÍCOLA E PECUÁRIO 2010 - 2011 Programa Agricultura de Baixo Carbono (ABC) Programa de Incentivo à Produção Sustentável do Agronegócio (PRODUSA) Programa de Plantio Comercial e Recuperação de Florestas (PROPFLORA) Gestão de risco rural - Zoneamento agrícola de risco climático Programa de Subvenção ao Prêmio do Seguro Rural Política de Garantia de Preços Mínimos (PGPM) Fortalecimento das cooperativas e ampliação da capacidade de irrigação e de armazenagemAGRICULTURA CONTRIBUINDO PARA A PRESERVAÇÃO AMBIENTAL POR MEIODO SEQUESTRO DE CARBONO PELO SOLO E PELA REDUÇÃO DODESMATAMENTO COM A AMPLIAÇÃO DAS ATIVIDADES AGROPECUÁRIA EFLORESTAL EM ÁREAS DEGRADADAS
  • QUAL O OBJETIVO CENTRAL DO PROGRAMAMinimizar a emissão de gases que provocam o efeito estufa eestimular o produtor a optar por práticas agronômicas quegarantam renda e sustentabilidadeAliar produção de alimentos e bionergia com redução dos gases de efeito estufa.Ampliar a produtividade e, ao mesmo tempo, garantir apreservação do meio ambiente.
  • OUTROS OBJETIVOS• Estimular a redução do desmatamento de florestas nos próximos anos,sobretudo no bioma Amazônia, mediante a ampliação das atividadesagropecuária e agroflorestal em áreas degradadas ou em processo derecuperação• Incentivar a implantação de sistemas produtivos sustentáveis, priorizando arecuperação de áreas e pastagens degradadas, o plantio direto na palha e oplantio de florestas, o sistema de integração lavoura-pecuária-florestas e asubstituição do uso de fertilizantes nitrogenados pela fixação biológica donitrogênio no próprio processo de produção de alimentos• Estimular a implantação de sistemas produtivos ambientalmentesustentáveis e medidas que visam ao aproveitamento de resíduos vegetais.
  • Metas do Governoa) Recuperar 15 milhões de hectares de pastagens degradadasb) Implantar 4 milhões de hectares de sistemas de Integração Lavoura- Pecuária-Floresta (400 mil por ano)c) Ampliar a área de plantio direto em 8 milhões de hectaresd) Aumentar área com uso de fixação biológica de nitrogênio em 5,5 milhões de hectarese) Aumentar o plantio de florestas comerciais em 3 milhões de hectares 40
  • O QUE O ABC FINANCIA? Plantio direto - PD Integração lavoura com pecuária - ILPPROGRAMA ABC Integração lavoura-pecuária-florestas - ILPF Implantação e manutenção de florestas comerciais Recomposição de áreas de preservação ou de reservas florestais Outras práticas que envolvem produção sustentável e direcionada para uma baixa emissão de gases causadores do efeito estufa.
  • CONTRIBUIÇÕES DA ILPF Produtos com origem em Qualifica o agronegócio brasileiro agroecossistemas mais limpos Produz matéria prima para produtos serrados – laminados - compensados florestais de vida longa - 40 a 60 anosPromove a proteção à biodiversidade e à via APP – RL ou RA águaMelhora as condições socioeconômicas Incorpora mais um produto de alto valor da família no mercadoContribui para a exploração sustentável Agroecossistemas sustentáveis – nas microbacias controle a erosão - APP e RL ou RA 42
  • PORQUE PODE PORQUE EXISTEM PORQUE BENEFICIAR A OPORTUNIDADES CONSOLIDA O AGRICULTURA IMPORTANTES AGRONEGÓCIO FAMILIAR Grandes áreas Agregar renda às com pastagens áreas de pastagens que poderão existentes, Prepara o produzir, beneficiando grande agronegócio Os rebanhos também, contingente de para as brasileiros são madeira e agricultores exigências doconduzidos/ma contribuir para familiares que , comércionejado à pasto - os objetivos estrategicamente, futuro diferencial do Plano necessitam Nacional de complementar renda Florestas – e proteger-se de PNF/MMA. riscos 43
  • CAMINHA NO SENTIDO DE:Respeito ao meio Respeito aos Segurança Boas Práticas ambiente consumidores alimentar 44
  • ASFIXIA PELO MERCADO PORQUE É UMA SAÍDA PARA UM PROBLEMA MAIOR QUE AS MAIS GRAVES DOENÇAS E PRAGAS DE CULTURAS AGRÍCOLAS, DE PASTAGENS, DE GADO E DE PLANTAÇÕES FLORESTAIS. 45
  • EMBRAPA ESTIMA QUE JÁ EXISTEM 3 MILHÕES DE HECTARES MAS HÁ ESPAÇO PARA 15 MILHÕES A MÉDIO PRAZOINTEGRAÇÃO PASTAGEM-LAVOURA  Evita abrir novas áreas para pastagem Pastagens mais ricas > lotação por hectare Animais com boa alimentação emitem menos metano  Pastagem bem manejada > teor de matéria orgânica no solo > sequestro de carbono Recuperação de pasto degradado com lavoura pode aumentar sua produção em até dez vezes
  • 51
  • Restaurar uma mata ciliar, até bempouco, tinha, tão somente, o objetivode recuperar as funções de proteçãoaos recursos abióticos (solo e água) e,também, restabelecer a diversidadebiológica e os processos ecológicos doecossistema destruído.Agora, além dos serviços ambientais járeconhecidos das matas ciliares, notocante à conservação de solo e água,já se está atribuindo às matas ciliaresa função de fixação do carbonoatmosférico, contribuindo assim para aredução do efeito-estufa.
  • “A inicitativa privada do agronegócio brasileiro quer transformar desmatamento, redução de queimadas e manutenção de matas ciliares em créditos de carbono. Estima-se que o país teria o equivalente a até US$ 2 bilhões em papéis com potencial de serem negociados no comércio internacional nesse segmento”http://bit.ly/fd1Xsb
  • Áreas Florestais Florestas Nativas ≠ Plantios FlorestaisParticulares (Física/Jurídica)RLAPP’sÁreas de Conservação
  • MODELO RESERVA LEGAL - PARANÁLOCALIZAÇÃO DA MESORREGIÃO NOROESTE PARANAENSE
  • MODELO RESERVA LEGAL - PARANÁ Distribuição de produtores por município e áreas reflorestadas no ProjetoApoio do Programa Paraná Biodiversidade com 50 % do investimento de implantação dasáreas reflorestadas - os 50 % restantes ficam a cargo dos participantes do projeto, emforma de mão de obra, a título de contrapartida. Esse apoio corresponde ao valor deantecipação de parte dos créditos de carbono ora proposto para futuros projetosPerspectiva de forte estimulo à atividade madeireira, em particular, à indústria deprocessamento de madeira, com agregação de valor à produção regional, conciliando aconservação com a produção, mediante replicação, em grande escala, do modeloproposto
  • MODELO RESERVA LEGAL - PARANÁDistribuição de produtores por município e áreas reflorestadas no Projeto
  • MODELO RESERVA LEGAL - PARANÁManejo florestal e simulação da produção de madeira de eucaliptos nos modelos dereflorestamento propostos.
  • MODELO RESERVA LEGAL - PARANÁEstimativa de carbono sequestrado e CO2 equivalente no projeto ao longo de 20 anos
  • MODELO RESERVA LEGAL - PARANÁCarbono total sequestrado em 1 há de eucaliptos no modelo de reflorestamento comdelineamento das nativas EM FAIXA em 20 anos.
  • MODELO RESERVA LEGAL - PARANÁ
  • MODELO RESERVA LEGAL - PARANÁ ANÁLISE ECONÔMICACustos de implantação e manutenção: R$ 1.500,00Retorno médio anual por hectare: R$ 1.197,00/ha/ano
  • MODELO RESERVA LEGAL - PARANÁ RESULTADOS AGREGADOS187 propriedades familiares com reflorestamentos mistos (exóticas + nativas ameaçadas)187 propriedades participantes – registro no Instituto Ambiental do Paraná (IAP)Reservas legais de todas as propriedades averbadas em cartório Consolidação de 187 bancos de germoplasma de espécies nativas ameaçadas de extinção;Reconstituição das florestas nativas com base nos princípios da sucessão fitossociológica naturalAumento da biodiversidade, favorecimento do ciclo hidrológico e do microclima regionalFixação de 102 mil tCO2Eq, em 20 anos, em 379 ha reflorestadosContribuição para o seqüestro de carbono e mitigação do aquecimento globalReconstituição de RLs com espécies nativas, contribuindo para o Programa Estadual deReflorestamento de RL com espécies nativas no longo prazoMelhoria da qualidade de vida dos produtores com a geração de renda através de:
  • MODELO RESERVA LEGAL - PARANÁ RESULTADOS AGREGADOSMelhoria da qualidade de vida dos produtores com a geração de renda através de: - venda de madeira dos desbastes e colheita final - venda de sementes de espécies nativas coletadas nos bancos de Germoplasma - pagamento do crédito de carbono, caso se efetive a provável venda do projeto.Contribuição para a permanência dos agricultores participantes no campo.Geração de receita com a produção da madeira de eucalipto e o pagamento dos créditos decarbono ao longo do ciclo do projetoGeração de receita com a coleta de sementes e o manejo sustentável dasespécies nativas do banco de germoplasma após o término do projetoRetorno médio estimado de R$1.197,00/ha.ano com venda de madeira deeucalipto
  • MUITO OBRIGADOMCA – MEDRADO & CONSULTORES AGROFLORESTAIS ASSOCIADOSLTDA.Fones para contato:41 9198-6256 Moacir Medrado41 9929-2332 Marcelo MedradoE-mailsmoacir@mcagroflorestal.com.br; marcelo@mcagroflorestal.com.brEndereços eletrônicoswww.mcagroflorestal.com.brhttp://ldinamica.blogspot.com
  • MATERIAL DE CONSULTAAQUECIMENTO global e cenários futuros da agricultura brasileira. Disponível emhttp://abag.technoplanet.com.br/images/pdfs/eduardo_assad.pdf Acessado em 14 de mar. 2011 (Palestra deresponsabilidade de Hilton Silveira Pinto – CEPAGRI/UNICAMP e Eduardo Delgado Assad – Embrapa InformáticaAgropecuária)Ernani Luiz Agnes . Plantio direto na palha. Disponível em http://bit.ly/cyov60 Acessdo em 14 de mar. 2011Emissão de gases de efeito estufa pela pecuária: a realidade brasileira. Disponível emAcessado em 14 mar. 2011PHILIP M. FEARNSIDE. Fogo e emissão de gases de efeito estufa dos ecossistemas florestais da Amazôniabrasileira Disponibilizado em http://bit.ly/fZDLaL Acessado em 14 de mar. 2011CHANG MAN YU. Sequestro florestal de carbono no Brasil – Dimensões políticas, socioeconômicas e ecológicas.Disponível em http://www.iieb.org.br/arquivos/public_sequestro_florestal.pdf Acessado em 14 de mar. 2011(Tese apresentada como requisito parcial à obtenção do grau de Doutor em Meio Ambiente e Desenvolvimento,pelo Curso de Doutorado em Meio Ambiente e Desenvolvimento, Universidade Federal do Paraná.)