Your SlideShare is downloading. ×
0
Introdução.  Depois de 2 anos de estudo, o grupo de trabalho da CNBB elaborou o  Texto base,  em 3 partes:  * VER:  Amazôn...
A Amazônia, desde 1945, é assunto de interesse mundial. Mas, nós brasileiros, pouco a conhecemos e valorizamos.  E, com ex...
a) conhecer os povos da Amazônia,  seus valores, sua maneira secular e criativa de viver e de se organizar e sua história ...
b) ajudar a viver o caminho quaresmal em clima de conversão,  que nos leve a optar por um novo estilo de vida, austero, ac...
c) e a CF 2007 deseja também impulsionar a todos   a optar por um modelo de desenvolvimento humano, construído no respeito...
1.1. A Amazônia é  um dos maiores, diversos, complexos e ricos domínios do mundo. Situada n a América Sul (Brasil, Venezue...
Vista a partir do cosmo, a Amazônia pan-americana corresponde a 5% da superfície da terra, 40% da América do Sul, 60% do B...
Sua diversidade biológica de ecossistemas, espécies e germo-plasma (manejo da variabilidade genética entre e dentro da esp...
O sistema fluvial Amazonas-Solimões-Ucayalli representa o mais extenso rio do mundo com 6.671 km; a Bacia Hidrográfica do ...
O rio Amazonas leva para o Oceano uma gigantesca quantidade de sedimentos, calculada em 1 bilhão de toneladas por ano. As ...
Esta riquíssima “sócio-bio-diversidade”  nos interpela,  bem como à sociedade  e à humanidade toda , a amar este verdadeir...
e nos interpela  a defender este imenso dom  contra todas as formas de devastação,  para que não seja submetido aos intere...
E é  um chamado à responsabilidade do Estado, e da sociedade  para que não continuem financiando ou tolerando um modelo de...
É, também, um convite especial para que o Brasil,  repense, com urgência, a partir da Amazônia, o modelo de desenvolviment...
1.2. O que está em jogo?   As riquezas da Amazônia e os interesses internacionais A riqueza da biodiversidade, a abundânci...
1.3. Mas também está em jogo: a) A qualidade de vida  do planeta Terra.  É consenso entre muitos estudiosos e, em grande p...
b) A qualidade de vida dos povos da Amazônia. Os filhos e as filhas da  Amazônia, guardiões deste patrimônio da humanidade...
1.4. Conhecimento e valorização da Amazônia Pouco se sabe dos muitos saberes que os povos tradicionais e as populações rib...
Conversão significa superar preconceitos e mudar de mentalidade e de atitudes. Superar o preconceito dominante   que só é ...
Todos e cada um de nós devemos nos converter a um estilo de vida baseado na simplicidade e na sobriedade, no respeito e no...
1.6. E a Amazônia Brasileira? A Amazônia Legal Brasileira está formada por nove Estados: Acre, Amapá, Amazonas, Pará, Rond...
A Amazônia brasileira tem 11.248 km de fronteiras internacionais, 1.482 km de costa atlântica, 22 mil km de rios navegávei...
a) A realidade geográfica e social da Amazônia nos leva a pensá-la como um todo:  uma pan-amazônia  na qual os sistemas es...
Assim, a defesa dos direitos dos povos indígenas, a  preservação do meio ambiente, o serviço pastoral, a luta contra o cri...
b) Trabalhar em favor da Amazônia nos desafia a pensá-la a partir dos povos da Amazônia, que há séculos vivem e convivem n...
c) Pôr a Amazônia no centro de nossas atenções fraternas significa aceitar o desafio de nos deixar questionar, de nos deix...
1.8. Amazônia: seus povos e seus valores A Amazônia, como, aliás, todo o Brasil, é pluriétnica, pluricultural e plurirelig...
1.8.1. Os Povos Indígenas Mais de 270 mil indígenas: 208 mil em suas aldeias e mais de 61 mil nas cidades, moram na Amazôn...
1.8.2. Os povos afro-descendentes Diante da resistência dos indígenas ao trabalho forçado e escravo, também na Amazônia, o...
1.8.3. Migrantes nos ciclos da borracha No século XIX e na Segunda Guerra Mundial, empresas norte-americanas e européias, ...
1.8.4. Os Ribeirinhos   Núcleos familiares deixaram as antigas cidades da Amazônia adentrando-se no sertão e sobrevivendo ...
1.8.6. A população urbana Dois movimentos da população marcam a Amazônia, desde os anos setenta do século passado: um aume...
* Estimada. Fonte: Censos do Instituto Brasileiro de Geografia e estatística (IBGE).  Organização de José Aldemir de Olive...
Nas grandes cidades , como Belém, Manaus, Cuiabá, São Luis, Porto Velho, Rio Branco, Macapá, Santarém e Boa Vista  a popul...
As várias formas que tomam essas ocupações – loteamentos, empreendimentos imobiliários, lojas, fábricas, feiras, favelas e...
1.8.7. Exportação A Zona Franca de Manaus e as indústrias das demais cidades estão voltadas pra a exportação:   são ligada...
  1.9. Os desafios da atualidade 1.9.1. O desenvolvimento e o progresso são identificados com a  exploração dos recursos n...
  É comum ouvir de empresários, que investem ou querem investir na Amazônia, que seus empreendimentos vão trazer grandes b...
1.9.2. O controle do território e modelo de desenvolvimento O capital não se contenta com a ocupação do território, muitas...
1.9.3. O desmatamento para o agronegócio. O desmatamento está sendo empurrado pelo agronegócio que vem sendo divulgado com...
O prejuízo para as populações tradicionais é imenso. Privados de seu território, muitos se sujeitam a trabalhos aviltantes...
1.9.4. A mineração   São raros os casos em que os “superficiários”, posseiros ou pequenos garimpeiros, obrigados a deixar ...
1.9.5. As siderúrgicas e o carvão vegetal   As carvoarias, além dos impactos ambientais provocados, utilizam-se, muitas ve...
1.9.6. O programa energético.   Na Amazônia quase todas as barragens alagam grandes áreas de floresta, com um enorme impac...
1.9.7. O controle da biodiversidade   Outro interesses do capital. A  riquíssima biodiversidade  da Amazônia está sendo co...
O relatório da “comissão da biopirataria da Amazônia” (1998) revelou que a quantidade de material genético roubado e de am...
A maioria do material recolhido vai para os laboratórios dos países do G-7, sobretudo dos EUA, que possuem mais de 1300 em...
1.10. O desafio da internacionalização Após a Segunda Guerra Mundial, a Amazônia tornou-se um dos centros dos interesses i...
um grande vazio demográfico que precisava ser ocupado;  b) os fantásticos recursos naturais que deveriam ser colocados à d...
1.11.1. O ano de 1972 foi marcado por três acontecimentos importantes para as igrejas da Amazônia:   a) Em 23 de abril de ...
b) Os dois regionais amazônicos da CNBB realizaram uma Assembléia em SANTARÉM, para pensar e concretizar “uma Igreja com r...
1.11.2. O início do  Projeto Igrejas-irmãs , alimentado pela solidariedade entre as dioceses do sul do País com as das out...
1.11.3. Em 1975, foi criada a CPT ( Comissão Pastoral da Terra ) para atender a preocupação das Igrejas da Amazônia com a ...
1.11.4. Religiosas e religiosos da Amazônia passaram a refletir sobre estes desafios e como enfrentá-los.  Isto levou ao s...
Este profetismo a favor da da justiça e da vida, suscitou a perseguição e o martírio. Assim deram a vida pelo Evangelho na...
1.11.5. Em 1990, num encontro de bispos e coordenadores de pastoral das dioceses e Prelazias, em Icoaraci, (Belém,PR) a ec...
1.11.6. Em 1997, (25 anos depois da assembléia de Santarém), os dois regionais amazônicos em novo encontro em Manaus, aval...
1.11.7. Em 1999, durante a assembléia nacional da CNBB, a partir de um apelo dramático de D. Erwin Kräutler, Bispo Prelado...
Foi constituída a  Comissão Episcopal para a Amazônia .  Entre seus objetivos está a revitalização do Projeto Igrejas-Irmã...
1.12. Falta muito por fazer   1.12.1. Apesar das solicitações e das iniciativas pastorais, a opção pelos pobres, as Comuni...
1.12.2. Uma religiosidade cristã minimalista, emocional e sem compromisso social é estimulada pelo pentecostalismo católic...
1.12.3. As CEBs e as Pastorais Sociais perdem vigor. Bispos, religiosos, religiosas, padres e leigos/as comprometidos são ...
1.12.4. Ainda há muito clericalismo. Para os leigos, sobretudo as mulheres, sobra só o ônus do serviço pastoral mais dedic...
1.12.5. Ainda é muito reduzido o testemunho evangélico e fraterno da solidariedade de todas as Dioceses com as da Amazônia...
1.12.6. A ação pastoral, em muitos casos, nem sempre se dá de maneira articulada e orgânica: os  movimentos leigos, as con...
1.12.7. As dificuldades de comunicação e as grandes distâncias a serem percorridas tornam necessário um maior volume de re...
II. Novo impulso missionário 2.1. A CF 2007 é estímulo para as Igrejas da Amazônia e do Brasil reverem com ousadia e confi...
2.1. Retomar, na ótica do clamor da Amazônia, a ética, os Direitos Humanas, a Palavra de Deus, os ensinamentos da Igreja, ...
2.3. Fraternidade e amor ao próximo não são idéias a serem discutidas teoricamente. São sinais concretos do Reino anunciad...
2.4. Sensíveis ao chamado de Deus e comprometidos com as propostas da Igreja,  seremos motivados a pensar e a agir solidar...
2.5. Uma relação sadia entre o ser humano e a terra Na Bíblia encontramos as orientações sobre a relação do ser humano com...
2.6. “Deus viu que tudo era muito bom”  (Gn 1,31) Desde o princípio, nos diz o livro de Gênesis, Deus se manifesta na hist...
2.7. Cuidar da criação A criação do ser humano – homem e mulher – feito à imagem e semelhança de Deus, é apresentada como ...
2.8. Priorizar os pequenos   Mesmo que seja um problema em todo o País, na Amazônia, é mais evidente que os recursos legai...
2.9. Fugir da idolatria A soberba do ser humano, ao não respeitar a lei de Deus na criação, introduz a desordem, a destrui...
Contemplar a criação, vendo nela a ação amorosa do Pai, nos convoca a crer que tudo foi feito para todos, que a grande con...
  2.11. Trabalho no Plano de Deus O ser humano é chamado a cuidar e cultivar a terra com o seu trabalho, feito com alegria...
2.13. Encarnar-se para libertar Com São Paulo poderíamos dizer:  Fiz-me índio com os índios, caboclo com os caboclos, negr...
2.14. Levar a Boa Notícia aos pobres   (cf. Lc 4, 18) 14.1. Evangelizar é missão da Igreja, portanto, de todo batizado. O ...
2.15. Evangelizar é descobrir e valorizar todos os sinais de vida na cultura de cada povo, e revelar-lhe que Deus é Pai e ...
2.16. Por meio da CF, com o tema  “fraternidade e a Amazônia”,  Deus certamente nos desperta para a urgência missionária n...
2.17. A necessidade de evangelizar.   Chegar a uma mística da evangelização que nos faça sentir a necessidade de anunciar ...
2.18. O chamado da Igreja é para abrirmos os caminhos para que Cristo seja tudo em todos e todas e os povos amazônicos pos...
III. É preciso agir O tema:   Fraternidade e Amazônia   e o lema:   Vida a Missão neste chão   exigem ação para apoiar o q...
3.1. Conhecer para amar e fazer para expressar o amor. Esta Campanha é uma oportunidade para que o Brasil conheça melhor o...
3.1.1 Criar nas paróquias, nas escolas, nos diversos grupos, espaços de divulgação da realidade da Amazônia, dando a conhe...
3.1.3. Incentivar, no trabalho de planejamento das escolas cristãs em particular, através da AEC, e das escolas particular...
3.1.4. Gerar iniciativas que criem oportunidades para que as populações da Amazônia tenham as informações corretas sobre a...
3.1.5. Estimular ações que levem a uma mudança de mentalidade A Campanha da Fraternidade quer levar as comunidades e a soc...
3.1.6. Trabalhos educativos, religiosos e culturais em âmbito popular para sensibilização e para ações solidárias em relaç...
3.1.7. Cooperar no apoio econômico a projetos e a atividades pastorais e sociais  na Amazônia.  Participar do FUNDO DIOCES...
a) povos ribeirinhos  – preservação de “Lagos Santuário” para reprodução do peixe; b) povos indígenas c) migrantes d) quil...
g) mulheres:  - indígenas - da área Rural - quebradeiras de coco - mulheres que trabalham com pequenas iniciativas de saúd...
3.1.8. reforçar e ampliar Projetos Alternativos de produção, geração de renda, que estão dando certo. 3.1.9. apoiar projet...
3.1.10. projetos de apoio a iniciativas de pequena industrialização (polpa de frutas, doces...), conservação de peixes; 3....
3.1.12 – Combate à exploração sexual infanto-juvenil, muito comum na região, sobretudo, com índios que saem migram para a ...
Junto com a reflexão, o estudo, a oração e mudanças de atitudes em favor da ecologia e, especialmente dos povos e da rica ...
É importante que bispos, padres, religiosos(as), lideranças leigas, agentes de pastoral, colégios católicos e movimentos e...
A Cáritas Brasileira é o organismo da CNBB responsável pela administração do Fundo Nacional de Solidariedade (FNS). A gest...
Oração da CF 2007 Deus criador, Pai da família humana, Vós formastes a Amazônia, maravilha da vida, bênção para o Brasil e...
Ensinai-nos a reconhecer o valor de cada criatura que vive na terra, cruza os ares ou se move nas águas. Perdoai, Senhor, ...
Que a Amazônia, berço acolhedor de tanta vida, seja também o chão da partilha fraterna, pátria solidária de povos e cultur...
Enviai-nos todos em missão! O Evangelho da vida, luz e graça para o mundo, fazendo-nos discípulos e missionários de Jesus ...
Cf 2007-palestra
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Cf 2007-palestra

576

Published on

Published in: Education
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
576
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
4
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Transcript of "Cf 2007-palestra"

  1. 1. Introdução. Depois de 2 anos de estudo, o grupo de trabalho da CNBB elaborou o Texto base, em 3 partes: * VER: Amazônia, uma realidade complexa e ameaçada; * JULGAR: discernimento, responsabilidade e esperança; * AGIR: Amazônia, chão fraterno de povos e culturas. CF 2007 – O Texto base
  2. 2. A Amazônia, desde 1945, é assunto de interesse mundial. Mas, nós brasileiros, pouco a conhecemos e valorizamos. E, com exceção de missionários estrangeiros proféticos, nós, Igreja Católica, demoramos para perceber a urgência da Amazônia, como um campo missionário especial.
  3. 3. a) conhecer os povos da Amazônia, seus valores, sua maneira secular e criativa de viver e de se organizar e sua história de resistência, frente às agressões dos modelos políticos, econômicos e culturais que lhes foram e são impostos. A CF 2007 quer ser um fórum para envolver a todos os brasileiros com o forte clamor da Amazônia
  4. 4. b) ajudar a viver o caminho quaresmal em clima de conversão, que nos leve a optar por um novo estilo de vida, austero, acolhedor e solidário com os pequenos, próprio dos discípulos de Jesus, o modelo perfeito de solidariedade...
  5. 5. c) e a CF 2007 deseja também impulsionar a todos a optar por um modelo de desenvolvimento humano, construído no respeito e no diálogo com todas as culturas e na convivência carinhosa e cuidadosa com a natureza.
  6. 6. 1.1. A Amazônia é um dos maiores, diversos, complexos e ricos domínios do mundo. Situada n a América Sul (Brasil, Venezuela, Colômbia, Peru), nela vivem vários povos originários com sua diversidade sócio-cultural e onde estão muitas e diversas formas de vida, ainda, intactas. I. O que é a AMAZÔNIA?
  7. 7. Vista a partir do cosmo, a Amazônia pan-americana corresponde a 5% da superfície da terra, 40% da América do Sul, 60% do Brasil. Contém 20% da disponibilidade mundial de água doce e 34% das reservas mundiais de florestas.
  8. 8. Sua diversidade biológica de ecossistemas, espécies e germo-plasma (manejo da variabilidade genética entre e dentro da espécie, com fins de utilização para a pesquisa em geral) é a mais intensa e rica do planeta: cerca de 30% do todas as espécies de fauna e flora do mundo encontram-se nesta região.
  9. 9. O sistema fluvial Amazonas-Solimões-Ucayalli representa o mais extenso rio do mundo com 6.671 km; a Bacia Hidrográfica do Rio Amazonas é constituída por mais de 1.000 rios, e o Rio Amazonas joga no Oceano Atlântico entre 200 e 220 mil metros cúbicos de água por segundo, o que representa 15,5% de toda a água doce que entra diariamente nos oceanos.
  10. 10. O rio Amazonas leva para o Oceano uma gigantesca quantidade de sedimentos, calculada em 1 bilhão de toneladas por ano. As correntes do Atlântico Norte distribuem estes sedimentos férteis ao longo da costa até a Venezuela e algumas ilhas do Caribe.  
  11. 11. Esta riquíssima “sócio-bio-diversidade” nos interpela, bem como à sociedade e à humanidade toda , a amar este verdadeiro dom de Deus, presença de seu imenso amor...
  12. 12. e nos interpela a defender este imenso dom contra todas as formas de devastação, para que não seja submetido aos interesses de pessoas e grupos, ávidos de lucros enormes e rápidos e que não se importam com a sobrevivência da humanidade.
  13. 13. E é um chamado à responsabilidade do Estado, e da sociedade para que não continuem financiando ou tolerando um modelo de desenvolvimento depredador, que está destruindo rapidamente este tesouro indispensável para a qualidade da vida na terra.
  14. 14. É, também, um convite especial para que o Brasil, repense, com urgência, a partir da Amazônia, o modelo de desenvolvimento que ele quer para si mesmo, como um todo, e busque construir relação de acolhimento, respeito e cuidado com todas as pessoas e com a natureza privilegiada quem tem, lutando com firmeza contra todas as formas da morte, em defesa da vida, sobretudo, dos mais fracos.
  15. 15. 1.2. O que está em jogo? As riquezas da Amazônia e os interesses internacionais A riqueza da biodiversidade, a abundância de águas, a grande quantidade de terras, a fartura de madeira e o incalculável volume de minérios estratégicos no subsolo da Amazônia são a causa do interesse e da cobiça internacional.
  16. 16. 1.3. Mas também está em jogo: a) A qualidade de vida do planeta Terra. É consenso entre muitos estudiosos e, em grande parte da população: a Amazônia é um fator de equilíbrio essencial para todo o planeta e que a vida da Amazônia tem a ver com a qualidade de vida global da Terra.
  17. 17. b) A qualidade de vida dos povos da Amazônia. Os filhos e as filhas da Amazônia, guardiões deste patrimônio da humanidade, têm o direito de poder viver dignamente e com qualidade, superando todas as formas de exclusão.
  18. 18. 1.4. Conhecimento e valorização da Amazônia Pouco se sabe dos muitos saberes que os povos tradicionais e as populações ribeirinhas acumularam e que ajudaram na sua sobrevivência. Ainda, quase nada se sabe dos segredos de sua biodiversidade.
  19. 19. Conversão significa superar preconceitos e mudar de mentalidade e de atitudes. Superar o preconceito dominante que só é civilizado: quem vive no e do mercado, quem pensa como querem os mais fortes, os mais ricos e os inescrupulosos no uso dos meios de comunicação. 1.5. Amazônia, Quaresma e Conversão?
  20. 20. Todos e cada um de nós devemos nos converter a um estilo de vida baseado na simplicidade e na sobriedade, no respeito e no cuidado à natureza e na valorização do outro como parte imperativa da nossa existência e a das futuras gerações.
  21. 21. 1.6. E a Amazônia Brasileira? A Amazônia Legal Brasileira está formada por nove Estados: Acre, Amapá, Amazonas, Pará, Rondônia, Roraima, Tocantins, Maranhão e Mato Grosso. O território compreende cerca de 5.030.730 km², 59% do território nacional e 65% da Amazônia pan-americana.
  22. 22. A Amazônia brasileira tem 11.248 km de fronteiras internacionais, 1.482 km de costa atlântica, 22 mil km de rios navegáveis; com 23 milhões de habitantes, dentre os quais 163 povos indígenas, que totalizam 208.000 pessoas, ou 60% da população indígena brasileira.
  23. 23. a) A realidade geográfica e social da Amazônia nos leva a pensá-la como um todo: uma pan-amazônia na qual os sistemas estão interligados. O que acontece num lugar tem reflexos imediatos no outro. Os problemas são semelhantes e precisam ser resolvidos no seu conjunto. 1.7. A Amazônia no enfoque da CF
  24. 24. Assim, a defesa dos direitos dos povos indígenas, a preservação do meio ambiente, o serviço pastoral, a luta contra o crime organizado, por exemplo, exigem atitudes e soluções conjuntas para que posam ter a devida eficácia.
  25. 25. b) Trabalhar em favor da Amazônia nos desafia a pensá-la a partir dos povos da Amazônia, que há séculos vivem e convivem neste mundo de águas, florestas, cerrados, lagos e campos inundáveis.
  26. 26. c) Pôr a Amazônia no centro de nossas atenções fraternas significa aceitar o desafio de nos deixar questionar, de nos deixar surpreender, de nos deixar envolver numa outra maneira de enxergar as pessoas e povos, a natureza, a vida e nossas relações com eles e entre nós.
  27. 27. 1.8. Amazônia: seus povos e seus valores A Amazônia, como, aliás, todo o Brasil, é pluriétnica, pluricultural e plurireligiosa. Diferentes povos, culturas e religiões diferentes, convivem, às vezes em conflito, nesta imensa região.
  28. 28. 1.8.1. Os Povos Indígenas Mais de 270 mil indígenas: 208 mil em suas aldeias e mais de 61 mil nas cidades, moram na Amazônia há mais de 12 mil anos. Os povos de hoje são descendentes e remanescentes dos que, ao longo dos séculos, foram dizimados em perseguições implacáveis, guerras de extermínio ou através de doenças criminosamente introduzidas .
  29. 29. 1.8.2. Os povos afro-descendentes Diante da resistência dos indígenas ao trabalho forçado e escravo, também na Amazônia, os negros trazidos da África foram submetidos à escravidão. Trabalharam como escravos nos empreendimentos voltados para a exportação, servindo às elites ligadas ao comércio internacional.
  30. 30. 1.8.3. Migrantes nos ciclos da borracha No século XIX e na Segunda Guerra Mundial, empresas norte-americanas e européias, necessitando borracha e interessadas na mão-de-obra barata, forçaram um processo migratório que atraiu dezenas de milhares de migrantes do nordeste brasileiro, que sofriam por causa da forte estiagem de 1877.
  31. 31. 1.8.4. Os Ribeirinhos   Núcleos familiares deixaram as antigas cidades da Amazônia adentrando-se no sertão e sobrevivendo graças à suas roças, caça e pesca. 1.8.5. Os Posseiros Sua tradição é a de que a terra é um presente de Deus dado a todas as pessoas e povos para que nela possam viver e trabalhar.
  32. 32. 1.8.6. A população urbana Dois movimentos da população marcam a Amazônia, desde os anos setenta do século passado: um aumento geral de população da região, que, de início, se destina a iniciativas agrícolas; e um aumento expressivo do número de cidades e de população vivendo nelas.
  33. 33. * Estimada. Fonte: Censos do Instituto Brasileiro de Geografia e estatística (IBGE). Organização de José Aldemir de Oliveira Ano Total Urbana % 1940 1.627,6 425,5 27,7% 1950 2.048,7 607,2 29,7% 1960 2.930,0 1.041,2 37,7% 1970 4.188,3 1.784,2 42,6% 1980 6.767,2 3.398,9 51,6% 1991 10.257,3 5.931,6 57,8% 2000 12.900,7 9.014,3 69,83% 2005* 23.610,0 17.000,0 72,00%
  34. 34. Nas grandes cidades , como Belém, Manaus, Cuiabá, São Luis, Porto Velho, Rio Branco, Macapá, Santarém e Boa Vista a população sofre os efeitos de uma migração desordenada, mas provocada, e vive em situações precárias. Muitas pessoas nem casa têm.
  35. 35. As várias formas que tomam essas ocupações – loteamentos, empreendimentos imobiliários, lojas, fábricas, feiras, favelas e as demais – não consideram os riscos socio-ambientais e provocam os mais diversos tipos de impactos sem que nem o poder público nem a sociedade civil tenham competência efetiva para intervir, restringir e controlar as ocupações.
  36. 36. 1.8.7. Exportação A Zona Franca de Manaus e as indústrias das demais cidades estão voltadas pra a exportação: são ligadas aos portos e aeroportos. O maior empregador é o Estado, seguido pelo comércio e serviços. É grande o desemprego, a insegurança no emprego, a desvalorização e super-exploração do trabalho. Cresce o empobrecimento, a insegurança.
  37. 37.   1.9. Os desafios da atualidade 1.9.1. O desenvolvimento e o progresso são identificados com a exploração dos recursos naturais e com o avanço do capital nacional e internacional nas terras da Amazônia.
  38. 38.   É comum ouvir de empresários, que investem ou querem investir na Amazônia, que seus empreendimentos vão trazer grandes benefícios para o povo que não pode continuar condenado ao atraso.
  39. 39. 1.9.2. O controle do território e modelo de desenvolvimento O capital não se contenta com a ocupação do território, muitas vezes às custas das populações tradicionais. Ele transforma a terra do povo, terra de sua vida e de seu trabalho, em terra de negócio para o lucro de poucos.
  40. 40. 1.9.3. O desmatamento para o agronegócio. O desmatamento está sendo empurrado pelo agronegócio que vem sendo divulgado como a salvação do campo brasileiro A floresta transforma-se, assim, em grandes extensões de espécies exóticas, como o eucalipto, ou em grandes plantações de grãos, de cana e de algodão.
  41. 41. O prejuízo para as populações tradicionais é imenso. Privados de seu território, muitos se sujeitam a trabalhos aviltantes, em condições de escravos, nas fazendas dos grileiros, nas carvoarias e nos processos ilegais de desmatamento.
  42. 42. 1.9.4. A mineração São raros os casos em que os “superficiários”, posseiros ou pequenos garimpeiros, obrigados a deixar para as mineradoras a terra em que viviam e trabalhavam, conseguem receber tudo a que têm direito pela lei. E os funcionários do DNPM pouco ou nada fazem para que isso aconteça.
  43. 43. 1.9.5. As siderúrgicas e o carvão vegetal As carvoarias, além dos impactos ambientais provocados, utilizam-se, muitas vezes, de trabalho superexplorado ou escravo, multiplicando, assim, seus crimes.
  44. 44. 1.9.6. O programa energético. Na Amazônia quase todas as barragens alagam grandes áreas de floresta, com um enorme impacto ambiental. Os efeitos são graves não só na localidade atingida, mas na grande bacia amazônica que é uma realidade complexa e interligada. Urge pensar em formas alternativas de produção de energia sem tanta agressão ambiental e penalizaçãp das populações da região
  45. 45. 1.9.7. O controle da biodiversidade Outro interesses do capital. A riquíssima biodiversidade da Amazônia está sendo cobiçada por indústrias, laboratórios e centros de pesquisa, que não hesitam em fomentar uma verdadeira “biopirataria” das nossas riquezas que nós mesmos pouco conhecemos.
  46. 46. O relatório da “comissão da biopirataria da Amazônia” (1998) revelou que a quantidade de material genético roubado e de amostras de diversas espécies, nos últimos anos havia chegado a 20.000 exemplares/ano.
  47. 47. A maioria do material recolhido vai para os laboratórios dos países do G-7, sobretudo dos EUA, que possuem mais de 1300 empresas de biotecnologia, 200 delas voltadas, principalmente para a exploração das florestas tropicais, que representam uma reserva de matéria prima da ordem de 43 bilhões de dólares
  48. 48. 1.10. O desafio da internacionalização Após a Segunda Guerra Mundial, a Amazônia tornou-se um dos centros dos interesses internacionais. Vários projetos internacionais se voltaram para a Amazônia, utilizando pretextos diferentes:
  49. 49. um grande vazio demográfico que precisava ser ocupado; b) os fantásticos recursos naturais que deveriam ser colocados à disposição da humanidade; c) recursos naturais e rica biodiversidade como objeto de pesquisas científicas, que os países amazônicos não tinham condições de fazer.
  50. 50. 1.11.1. O ano de 1972 foi marcado por três acontecimentos importantes para as igrejas da Amazônia: a) Em 23 de abril de 1972, foi fundado o CIMI (... intensificar a presença e apoio junto às comunidades, povos e organizações indígenas...) 1.11. A IGREJA NA AMAZÔNIA
  51. 51. b) Os dois regionais amazônicos da CNBB realizaram uma Assembléia em SANTARÉM, para pensar e concretizar “uma Igreja com rosto amazônico”. Desse encontro saiu o documento: LINHAS PRIORITÁRIAS DA PASTORAL DA AMAZÔNIA, que foi determinante para orientar a caminhada da Igreja de 1972 em diante.
  52. 52. 1.11.2. O início do Projeto Igrejas-irmãs , alimentado pela solidariedade entre as dioceses do sul do País com as das outras regiões, sobretudo, do Norte e Nordeste: envio de recursos humanos, financeiros, materiais e ajudas em projetos.
  53. 53. 1.11.3. Em 1975, foi criada a CPT ( Comissão Pastoral da Terra ) para atender a preocupação das Igrejas da Amazônia com a violência sofrida pelos posseiros por causa dos conflitos pela terra e com o avanço dos grandes projetos e da nova fronteira agropecuária.
  54. 54. 1.11.4. Religiosas e religiosos da Amazônia passaram a refletir sobre estes desafios e como enfrentá-los. Isto levou ao surgimento de comunidades inseridas nas situações de exclusão, no interior e nas periferias das cidades, numa atitude missionária e profética de convivência e de serviço.
  55. 55. Este profetismo a favor da da justiça e da vida, suscitou a perseguição e o martírio. Assim deram a vida pelo Evangelho na Amazônia: João Bosco Burnier, Josimo Tavares, Ezequiel Ramin, Adelaide Molinari, Dorothy Stang e outros. Elas e eles derramaram seu sangue, somando-se aos muitos e muitas que, ao longo destes séculos, ofereceram suas vidas pelo projeto do Reino.
  56. 56. 1.11.5. Em 1990, num encontro de bispos e coordenadores de pastoral das dioceses e Prelazias, em Icoaraci, (Belém,PR) a ecologia começou a fazer parte da pauta dos assuntos eclesiais da Amazônia. O tema do encontro foi: “Em defesa da vida na Amazônia”. A novidade foi priorizar a defesa da vida nas discussões e medidas em relação ao tema do meio ambiente.
  57. 57. 1.11.6. Em 1997, (25 anos depois da assembléia de Santarém), os dois regionais amazônicos em novo encontro em Manaus, avaliaram a caminhada e a realidade da região. Do encontro surgiu o documento: A IGREJA SE FAZ CARNE E ARMA SUA TENDA NA AMAZÔNIA. Confirmou-se a opção por uma pastoral evangelizadora e libertadora e por uma mística amazônica diante de uma realidade que, em muitos aspectos, era de maior exclusão e violência.
  58. 58. 1.11.7. Em 1999, durante a assembléia nacional da CNBB, a partir de um apelo dramático de D. Erwin Kräutler, Bispo Prelado do Xingu, os bispos da Amazônia assinaram uma mensagem ao Povo de Deus assumindo, uma vez mais, seu compromisso com a questão amazônica.
  59. 59. Foi constituída a Comissão Episcopal para a Amazônia . Entre seus objetivos está a revitalização do Projeto Igrejas-Irmãs, envolvendo os regionais da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil e a Conferência dos Religiosos do Brasil (CRBG), reforçando a suas dimensões da fraternidade missionária. Esta CF 2007 é, também, fruto e sinal desta nova preocupação.
  60. 60. 1.12. Falta muito por fazer 1.12.1. Apesar das solicitações e das iniciativas pastorais, a opção pelos pobres, as Comunidades de Base, a ética ambiental e o diálogo intercultural e inter-religioso ainda não foram totalmente assumida como elementos essenciais da evangelização, da pastoral e da catequese eclesial.
  61. 61. 1.12.2. Uma religiosidade cristã minimalista, emocional e sem compromisso social é estimulada pelo pentecostalismo católico e evangélico, que avançam no meio da população mais pobre, abrindo espaço para outras denominações religiosas, que prometem soluções fáceis e milagrosas.
  62. 62. 1.12.3. As CEBs e as Pastorais Sociais perdem vigor. Bispos, religiosos, religiosas, padres e leigos/as comprometidos são criticados, perseguidos e ameaçados de morte... Cresce a dificuldade de se encontrar respostas para a realidade, mais e mais desfavorável aos pobres;
  63. 63. 1.12.4. Ainda há muito clericalismo. Para os leigos, sobretudo as mulheres, sobra só o ônus do serviço pastoral mais dedicado e, na maioria das vezes, voluntário, sem que sua experiência seja levada em conta, na hora de decidir. Ainda não há vez para leigos/as nos espaços eclesiásticos decisionais;
  64. 64. 1.12.5. Ainda é muito reduzido o testemunho evangélico e fraterno da solidariedade de todas as Dioceses com as da Amazônia. Elas continuam precisando da presença de um maior número de agentes de pastoral, leigos/as, religiosos/as, que possam prestar um serviço pastoral e social qualificado a fim de contribuir para enfrentar os grandes e crescentes desafios presentes nesta região.
  65. 65. 1.12.6. A ação pastoral, em muitos casos, nem sempre se dá de maneira articulada e orgânica: os movimentos leigos, as congregações religiosas, as prioridades pastorais nas paróquias, que poderiam ser sinal da fecunda criatividade do Espírito, podem também provocar, como já aconteceu, divisões e equívocos.
  66. 66. 1.12.7. As dificuldades de comunicação e as grandes distâncias a serem percorridas tornam necessário um maior volume de recursos financeiros para desenvolver a contento as atividades pastorais. A generosidade da população local ainda não consegue suprir estas necessidades.
  67. 67. II. Novo impulso missionário 2.1. A CF 2007 é estímulo para as Igrejas da Amazônia e do Brasil reverem com ousadia e confiança, a sua ação pastoral, de modo a ser sinal sempre vivo da presença do Reino de Deus nesta região: “nossa esperança não se baseia apenas na realidade da história, mas na promessa de Deus e nos sinais de futuro que acompanham as palavras que nos manda proclamar ”.
  68. 68. 2.1. Retomar, na ótica do clamor da Amazônia, a ética, os Direitos Humanas, a Palavra de Deus, os ensinamentos da Igreja, constitui um caminho urgente para fundamentar ações corajosas e proféticas, bem articuladas, em busca do bem comum dos povos e da natureza da Amazônia e, conseqüentemente, de toda a humanidade e do planeta terra.
  69. 69. 2.3. Fraternidade e amor ao próximo não são idéias a serem discutidas teoricamente. São sinais concretos do Reino anunciado por Jesus Cristo, que declarou: “ todas as vezes que fizestes isso a um destes mais pequenos, que são meus irmãos, foi a mim que o fizestes” ( Mt 25, 40), e que precisamos tornar visíveis.
  70. 70. 2.4. Sensíveis ao chamado de Deus e comprometidos com as propostas da Igreja, seremos motivados a pensar e a agir solidariamente e a educar gerações para a solidariedade, com muitos de nossos irmãos da Amazônia.
  71. 71. 2.5. Uma relação sadia entre o ser humano e a terra Na Bíblia encontramos as orientações sobre a relação do ser humano com a natureza; posto por Deus no meio da criação, o homem não é senhor absoluto do mundo, mas tem a missão de dele cuidar e de o preservar (cf Gn 1, 26; 2,15). Deus projeta para a humanidade um caminho de felicidade.
  72. 72. 2.6. “Deus viu que tudo era muito bom” (Gn 1,31) Desde o princípio, nos diz o livro de Gênesis, Deus se manifesta na história com sua força e seu poder criador e vivificador (cf. Gn 1,1). Ao organizar o universo, Deus deu a tudo o seu lugar, numa ordem dinâmica e harmônica, e viu que tudo o que havia criado era muito bom (cf. Gn 1, 31)
  73. 73. 2.7. Cuidar da criação A criação do ser humano – homem e mulher – feito à imagem e semelhança de Deus, é apresentada como o coroamento de toda a obra criadora. O que Deus pede ao homem e à mulher é preservar o nosso planeta, cuidar e zelar por esta nossa casa comum e por tudo que nela habita com a mesma paixão amorosa de Deus Criador, em vista da felicidade de todas as pessoas e de todos os seres vivos.
  74. 74. 2.8. Priorizar os pequenos Mesmo que seja um problema em todo o País, na Amazônia, é mais evidente que os recursos legais beneficiam muito mais os ricos e poderosos do que os posseiros, pobres e trabalhadores. É fundamental rejeitar a corrupção e educar as novas gerações para a dignidade e uma postura honesta, protestando contra tudo o que desfavorece os indefesos.
  75. 75. 2.9. Fugir da idolatria A soberba do ser humano, ao não respeitar a lei de Deus na criação, introduz a desordem, a destruição e a morte no mundo. Isaías clama: Quem foi que criou tudo isso? Quem foi capaz de fazer o mundo e a natureza com harmonia e ordem? (cf Is 40,12-26). A idolatria da riqueza, do poder e do prestígio colocam em risco a obra de Deus, que é um bem para todas as pessoas e todas as criaturas.
  76. 76. Contemplar a criação, vendo nela a ação amorosa do Pai, nos convoca a crer que tudo foi feito para todos, que a grande conquista não é acumular, mas é ser capaz de crescer produzindo frutos na construção da justiça do Reinado de Deus. “Buscai, em primeiro lugar, o Reino de Deus e a sua justiça, e todas essas coisas vos serão dadas por acréscimo” (Mt 6,33).
  77. 77.   2.11. Trabalho no Plano de Deus O ser humano é chamado a cuidar e cultivar a terra com o seu trabalho, feito com alegria e esperança. “Trabalharás durante seis dias..., mas o sétimo dia é sábado, descanso dedicado ao Senhor teu Deus. (Ex 20, 9-10). O trabalho, no Plano de Deus, faz parte da realização humana e não pode ser realizado como uma escravidão.
  78. 78. 2.13. Encarnar-se para libertar Com São Paulo poderíamos dizer: Fiz-me índio com os índios, caboclo com os caboclos, negro com os negros, ribeirinho com os ribeirinhos, seringueiro com os seringueiros. Para todos eu me fiz tudo, para certamente salvar alguns (cf 1Cor 9, 20-22).
  79. 79. 2.14. Levar a Boa Notícia aos pobres (cf. Lc 4, 18) 14.1. Evangelizar é missão da Igreja, portanto, de todo batizado. O anúncio do Evangelho é uma dívida que a Igreja tem para com o Povo de Deus (cf. DGAE p. 7).
  80. 80. 2.15. Evangelizar é descobrir e valorizar todos os sinais de vida na cultura de cada povo, e revelar-lhe que Deus é Pai e Criador de todos. Para isso cada fiel tem o direito de receber da Igreja o preparo necessário para ter a alegria de se sentir capaz, competente, eficiente instrumento do Evangelho.
  81. 81. 2.16. Por meio da CF, com o tema “fraternidade e a Amazônia”, Deus certamente nos desperta para a urgência missionária neste chão tão precioso para toda a humanidade. “Ide pelo mundo inteiro e anunciai a Boa-Nova a toda criatura!” (Mc 16,15).
  82. 82. 2.17. A necessidade de evangelizar. Chegar a uma mística da evangelização que nos faça sentir a necessidade de anunciar a Boa Notícia: “Pois, anunciar o Evangelho não é para mim motivo de glória. É antes uma necessidade que se me impõe. Ai de mim, se eu não anunciar o Evangelho!” (1 Cor 9, 16).
  83. 83. 2.18. O chamado da Igreja é para abrirmos os caminhos para que Cristo seja tudo em todos e todas e os povos amazônicos possam proclamar, em suas próprias línguas e culturas, que Jesus é o Senhor para a glória do Pai (cf. Fl 2,11) e possam se tornar membros vivos do único corpo do Senhor que é a Igreja (cf. Cl 1,24).
  84. 84. III. É preciso agir O tema: Fraternidade e Amazônia e o lema: Vida a Missão neste chão exigem ação para apoiar o que deve ser apoiado, denunciar o que impede ou cria dificuldades para a vida, e para criar novas iniciativas em favor de uma Amazônia e de um Brasil para e com todos os brasileiros e brasileiras.
  85. 85. 3.1. Conhecer para amar e fazer para expressar o amor. Esta Campanha é uma oportunidade para que o Brasil conheça melhor os povos e a realidade da Amazônia. Para isso a Campanha da Fraternidade propõe:
  86. 86. 3.1.1 Criar nas paróquias, nas escolas, nos diversos grupos, espaços de divulgação da realidade da Amazônia, dando a conhecer as mais variadas expressões da cultura e saberes regionais . 3.1.2. Estimular as paróquias, as escolas, as comunidades e os movimentos a promover seminários, simpósios, fóruns de debates, estudos sobre os grandes desafios da região amazônica.
  87. 87. 3.1.3. Incentivar, no trabalho de planejamento das escolas cristãs em particular, através da AEC, e das escolas particulares e públicas em geral, a inserção da temática da Amazônia como eixo transversal do currículo, de modo que todas as disciplinas trabalhem, ao seu modo e segundo a sua área de competência, o tema da CF 2007.
  88. 88. 3.1.4. Gerar iniciativas que criem oportunidades para que as populações da Amazônia tenham as informações corretas sobre a importância de valorizar suas culturas, para poder fortalecer sua maneira de viver e de se organizar, como uma alternativa verdadeira ao modelo egoísta e consumista que impera nas regiões mais abastadas e superar, assim, preconceitos e discriminações.
  89. 89. 3.1.5. Estimular ações que levem a uma mudança de mentalidade A Campanha da Fraternidade quer levar as comunidades e a sociedade a olhar, ao mesmo tempo, para a própria realidade local, para a realidade da Amazônia e para a realidade nacional.
  90. 90. 3.1.6. Trabalhos educativos, religiosos e culturais em âmbito popular para sensibilização e para ações solidárias em relação à Amazônia. Festival de música; 2. Festival de teatro; 3. Passeatas; 4. Panfletagens; 5. Caminhadas; 6. Romarias; 7. Celebrações Ecumênicas; 8. Via Sacra nas ruas; 9. Atos Públicos; 10. Exposições sobre a Amazônia; 11. Apadrinhamento de paróquias, comunidades, missões...
  91. 91. 3.1.7. Cooperar no apoio econômico a projetos e a atividades pastorais e sociais na Amazônia. Participar do FUNDO DIOCESANO DE SOLIDARIEDADE, em favor de iniciativas populares na Amazônia, sobretudo, educacionalmente:
  92. 92. a) povos ribeirinhos – preservação de “Lagos Santuário” para reprodução do peixe; b) povos indígenas c) migrantes d) quilombolas e) agricultores/as camponeses/as f) pescadores
  93. 93. g) mulheres: - indígenas - da área Rural - quebradeiras de coco - mulheres que trabalham com pequenas iniciativas de saúde, economia solidária, geração de renda no interior e na área urbana.
  94. 94. 3.1.8. reforçar e ampliar Projetos Alternativos de produção, geração de renda, que estão dando certo. 3.1.9. apoiar projetos populares de plantio ou reflorestamento de plantas da Amazônia que produzam: frutas; cocos; castanhas; plantas medicinais (para recompor a floresta, também com o objetivo econômico);
  95. 95. 3.1.10. projetos de apoio a iniciativas de pequena industrialização (polpa de frutas, doces...), conservação de peixes; 3.1.11 formação de lideranças e agentes de pastoral para a cidadania e organização comunitária.
  96. 96. 3.1.12 – Combate à exploração sexual infanto-juvenil, muito comum na região, sobretudo, com índios que saem migram para a cidade. Fazer cumprir o programa Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes, da Secretaria de Direitos Humanos do Governo Federal.
  97. 97. Junto com a reflexão, o estudo, a oração e mudanças de atitudes em favor da ecologia e, especialmente dos povos e da rica biodiversidade de Amazônia, colaborar com o gesto concreto de solidariedade, durante todo o tempo da Campanha, que vai do inicio da Quaresma até o Domingo de Ramos que antecede a Páscoa. GESTO CONCRETO: A COLETA
  98. 98. É importante que bispos, padres, religiosos(as), lideranças leigas, agentes de pastoral, colégios católicos e movimentos eclesiais motivem e animem todos os fiéis e pessoas sensibilizadas pela causa, a participarem, oferecendo a alegria de sua solidariedade - que é a melhor forma de sacrifício quaresmal - em favor de projetos relacionados com o tema do ano.
  99. 99. A Cáritas Brasileira é o organismo da CNBB responsável pela administração do Fundo Nacional de Solidariedade (FNS). A gestão e aprovação dos projetos estarão a cargo do Conselho Gestor do Fundo Nacional de Solidariedade , nomeado pela Presidência e Conselho Episcopal de Pastoral da CNBB, com aprovação do Conselho Permanente.
  100. 100. Oração da CF 2007 Deus criador, Pai da família humana, Vós formastes a Amazônia, maravilha da vida, bênção para o Brasil e para o mundo. Despertai em nós o respeito e a admiração pela obra que vossa mão entregou aos nossos cuidados.
  101. 101. Ensinai-nos a reconhecer o valor de cada criatura que vive na terra, cruza os ares ou se move nas águas. Perdoai, Senhor, a ganância, e o egoísmo destruidor; moderai nossa sede de posse e poder.
  102. 102. Que a Amazônia, berço acolhedor de tanta vida, seja também o chão da partilha fraterna, pátria solidária de povos e culturas, casa de muitos irmãos e irmãs.
  103. 103. Enviai-nos todos em missão! O Evangelho da vida, luz e graça para o mundo, fazendo-nos discípulos e missionários de Jesus Cristo, indique o caminho da justiça e do amor; e seja anúncio de esperança e de paz para os povos da Amazônia e de todo o Brasil. Amém.
  1. A particular slide catching your eye?

    Clipping is a handy way to collect important slides you want to go back to later.

×