Sebastiana Maria de Oliveira –                           100 anosÉ com muita alegria,Raro de se ver hoje em dia,Festejar 1...
MEMORIAL DE                                                 SEBASTIANA MARIA DE                                           ...
trabalhar nas frentes de trabalho de construção do açude de mesmo nome dalocalidade. Uma grande epidemia de sarampo ceifou...
ganhou o cargo de guarda do açude Ema. Lá nasceu o senhor GeraldoGonçalves de Oliveira por volta de 1941. Em 1942 saíram d...
Oliveira e Francisca Gonçalves de Oliveira, de lá retornam para o Coaçu,ocasião em que soube da decisão do seu filho Preto...
linguagem do sertanejo, e muitos dos seus netos entrando em cursos degraduação e conseguindo seus espaços com muita força ...
sempre em nossos corações e toda sua luta se eternizará em nossaslembranças e que temos obrigação de passar para outras ge...
Dona Sebastiana com Fládia Valéria: mais que uma neta, uma filha que sempre amoumuitoIracema, eu nunca mais te vi. Iracema...
FAMÍLIA GONÇALVES E OLIVEIRAPEDRO GONÇALVES DE OLIVEIRA                                      SEBASTIANA MARIA GONÇALVES DE...
Memorial sebastiana maria de oliveira
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Memorial sebastiana maria de oliveira

1,633 views

Published on

3 Comments
1 Like
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total views
1,633
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
5
Comments
3
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Memorial sebastiana maria de oliveira

  1. 1. Sebastiana Maria de Oliveira – 100 anosÉ com muita alegria,Raro de se ver hoje em dia,Festejar 100 anos de existência.Ainda com tanta lucidez e sabedoria.Venha família Caé participarDesse momento ímpar,Uma história de vida,Dona Sebastiana que o diga
  2. 2. MEMORIAL DE SEBASTIANA MARIA DE OLIVEIRA1 A senhora Sebastiana Maria de Oliveira nasceu no dia onze de setembro de mil novecentos e onze (11/09/11) no Sítio Atrás da Serra, município de Potiretama/CE,filha de Francisco Gabriel de Oliveira e Dona Maria Filomena de Oliveira.Casou-se, com o Mestre Pedro, no religioso no ano de mil novecentos e vintee cinco (1925), na igreja matriz de Potiretama, perante o Padre Miguel,sacerdote na época e no Civil em 1948 diante do juiz Lafaiete DantasDiógenes, com o senhor Pedro Gonçalves de Oliveira (Mestre Pedro); Elenascido também no Sítio Atrás da Serra no Município de Potiretama no dia03/02/1898, segundo registros oficiais. Seu Pedro é filho de Inácio FilisminoGonçalves e Dona Tereza Gonçalves de Oliveira. Foram testemunhas desseenlace matrimonial os senhores Antonio Rozendo de Carvalho e Pedro Matiasda Silva, ambos residentes no referido município. Após o casamento toda afamília mudou o domicílio para o Sítio Feijão, município de Quixadá. Lá nasceseu primeiro filho, Francisco Gonçalves de Oliveira no ano de 1927 e namesma ocasião toda a família retorna ao Sítio Atrás da Serra onde as terraseram de Propriedade do senhor Manoel Filomena de Oliveira, avô da DonaSebastiana. Em 1929 nasceu Maria Gonçalves de Oliveira (Dona Lilia).Durante os anos de 1931/1932 e 1933 a família enfrenta dificuldades emvirtude da grande Seca que assolou o nordeste durante três anos seguidos.Não se sabe ao certo porque o senhor Manoel Filomena perdeu todas asterras, no entanto é fato que saíram dessa localidade e foram para o Ema,
  3. 3. trabalhar nas frentes de trabalho de construção do açude de mesmo nome dalocalidade. Uma grande epidemia de sarampo ceifou várias vidas nestalocalidade, inclusive a de Dona Maria Filomena de Oliveira, mãe da DonaSebastiana, o que obrigou a família a abandonar este lugar. No Ema nasce asenhora Margarida Gonçalves de Oliveira no ano de 1932. A História da DonaSebastiana se confunde com a história da Família Caé, pois toda sua vida foidedicada a apoiar a família que constituía e ainda do senhor Gabriel e senhorRomualdo, ambos viúvos, e este último casado com a Dona Neném, irmã daDona Maria Filomena. Quando falo do deslocamento da família de DonaSebastiana, entendam que todos migravam juntos: pais, filhos, sobrinhos eetc. Saíram do Ema e foram para a Fazendinha, onde nasceu a senhoraTereza Gonçalves de Oliveira (1934), quando moravam em lotes do governo;logo após foram para o Sítio Passagem, morar nas terras de propriedade dosenhor Nabor Diógenes, terras apelidadas por São Gonçalo. Nesta localidadenasceu Raimundo Gonçalves de Oliveira, o Nonato, que veio a falecer nomesmo ano. Depois vão para as terras do Senhor Casusa Tavares, pai daDona Nazaré, oportunidade em que aconteceu o casamento desta senhoracom o senhor Francisco Gabriel, pai da Dona Sebastiana. Terminada a Seca,por volta de 1934 toda a família foi para as Cacimbas, nome dado a essalocalidade porque somente lá dava água de cacimba boa para o consumo.Nestas Terras, de propriedade do Major Gervásio Holanda Guerra, casadocom a Senhora Deltra Holanda (primeira professora de Iracema), toda afamília passou por grandes dificuldades, pois o ambiente era hostil, tinhampoucos moradores e poucos recursos para enfrentar as adversidadesnaturais. Mas aqui a Senhora Sebastiana teve a alegria de dar a luz aoManoel Gonçalves de Oliveira (1938), chamado por todo de Preto Dalto.Depois todos voltaram para o Ema, por volta de 1937, onde o seu esposo,Mestre Pedro, que já dava aulas e lições a domicílio em troca de muito pouco,
  4. 4. ganhou o cargo de guarda do açude Ema. Lá nasceu o senhor GeraldoGonçalves de Oliveira por volta de 1941. Em 1942 saíram do Ema e voltarampara o Sítio Passagem e lá nasceu a senhora Suzete Gonçalves de Oliveira(1944) e em 1945 foram para o Barrocão. Enquanto o mundo estava emguerra por poder e dominação, a família lutava pela sobrevivência.Perguntado se sabia que o mundo estava em guerra, ele disse que só sabiaque sofriam e lutavam muito. Mas lá no Barrocão não foi somente sofrimento,pois a Dona Sebastiana e o Mestre Pedro viviam sua história decompanheirismo e tiveram mais dois filhos: Geni Gonçalves de Oliveira(1947) e Antonio Gonçalves de Oliveira (1950). Em 1950, após o mundo aindacomemorar o fim da guerra mundial, lembrar as atrocidades cometidas pelaAlemanha nazista e seus aliados e o início da guerra fria, a família Caé, comopassaram a ser conhecidos, foram para o Sítio Coaçu, de propriedade doSenhor Enéas Amador. A vida de Dona Sebastiana era apenas de renuncia;renunciou sua infância quando casou tão nova, renunciou sua adolescênciaquando passou a tomar de conta dos irmãos mais novos e dos sobrinhos,quando da partida de sua mãe e tia, e renunciou sempre a vaidade e osprojetos de vida, em prol do outro. Nunca estudou, nunca foi a uma festa epoucos foram os prazeres que experimentou nessa vida. Nesse lugar elasofreu muito, pois seu filho mais velho, o seu Santinho, foi embora para oEstado do Amazonas e deixou todos com grande apreensão. A família deDona Sebastiana era cheia da vontade de vencer na vida e de vencer aGuerra contra as adversidades deste lugar tão Seco e pobre. Mas comafirmou Euclides da Cunha, o Sertanejo é antes de tudo um forte, e a famíliade Dona Sebastiana, seguiu vencendo a batalha e forjando em seus filhosqualidades importantes como respeito, solidariedade e determinação. Afamília de Dona Sebastiana e o Mestre Pedro, agora só o casal e sua prole,vão para o Sítio Barreiros por volta de 1953, onde nasceu José Gonçalves de
  5. 5. Oliveira e Francisca Gonçalves de Oliveira, de lá retornam para o Coaçu,ocasião em que soube da decisão do seu filho Preto Dalto de ir para oParaná. Seu Santinho, filho mais velho da Dona Sebastiana, lembra de terouvido seu irmão falar que nunca mais voltaria a essa terra, promessa quecumpriu até a data de hoje. Depois foram para o Aimoré e por fim Iracema;porém com a seca de 1941/42 são obrigados a morar no Bom Sucesso. Apósa Seca retornam para Iracema e Dona Sebastiana ganha do prefeito RoquePaz o cargo de zeladora de um chafariz. Após se aposentar e perder seuemprego é convidada pelo filho José Gonçalves para ir residir em Mossorójunto com toda a família, ou seja, o Mestre Pedro seu esposo, sua filhaFrancisca Gonçalves de Oliveira, netos e seu filho adotivo Antonio Reginaldo,chamado carinhosamente de Zezinho. Após sua longa jornada em Iracema,sendo e após a aposentadoria veio a decisão de ir para Mossoró no Estado doRio Grande do Norte, onde lá vivenciou grandes dificuldades. Viu seu filhoadotivo, José Reginaldo Gonçalves de Oliveira, o Zezinho (+ 1980), morrer deuma terrível doença que abalou a todos. Talvez esse fato tenha levado afamília de Dona Sebastiana e do Mestre Pedro a retornar para Iracema,quando passaram boa parte de suas vidas. Numa história mais recentedecidem apoiar sua filha Fransquinha na sua decisão de residir mais uma vezem Mossoró, no sentido de buscar oportunidades de trabalho e de estudopara seus filhos. No Bairro Abolição IV enfrentou muitas dificuldades, mastinha boas perspectivas, porque estava perto da maior parte de seus filhos,sua filha Fransquinha arrumara trabalho no setor de saúde e seus netosestudavam e se preparavam para um belo futuro. Em Mossoró perde a granderazão da sua vida, o Mestre Pedro Gonçalves de Oliveira (1992), nãoconseguindo resistir a uma cirurgia de fratura do fêmur, causada por umacidente doméstico, e isso a abalou profundamente. Mas em Mossorótambém recebeu a graça de ver seus filhos vencendo na vida, como diz na
  6. 6. linguagem do sertanejo, e muitos dos seus netos entrando em cursos degraduação e conseguindo seus espaços com muita força e perseverança. Viunascer seus netos, bisnetos e trinetos e recebeu a graça de Deus empresenciar seus filhos/netos, Airão Gonçalves de Oliveira e José NazeuCampelo Filho, graduados em cursos de nível superior e até mesmo umadvogado conseguido formar. Sua luta por mais dignidade para sua famílianesta cidade, nos bairros da abolição II e IV, era exemplo para todos nafamília e seu desprendimento pelos bens materiais e orações diárias, rezas,bênçãos e meditações, dava a Dona Sebastiana ao mesmo tempo umaspecto de santidade e de elo de ligação entre toda a família, que comoqualquer outra tinha momentos de união e desentendimento. Um câncer depele em nossa matriarca trouxe sofrimento para toda a família, porém suaresignação e submissão as vontades de Deus, vem lhe permitindo viver pormuitos anos com essa grave doença, que só não é maior do que sua fé emNosso Senhor Jesus Cristo. Dentre as grandes provações que enfrentou,como doenças e perdas de alguns de seus irmãos (Expedito Caé, Mundo eAntonio Caé e a Dona Santinha) nenhuma se comparou a perda do seu filhoquerido Geraldo no ano de 2010. Impossível é narrar uma vida de 100 anoscom poucas frases, pois é impossível traduzir toda a dor, saudade dos entesperdidos, nem a alegria e o prazer de receber sua grande família na suahumilde residência, nem tampouco o sentimento do dever cumprido quandosabe que filhos, netos, bisnetos e trinetos ocupam espaços importantes nasociedade e dão inicio a várias outras histórias de vida. A senhora MariaSebastiana de Oliveira, vive hoje na casa da sua filha Geni Gonçalves deOliveira neste município de Iracema, e recebe o carinho e a dedicação de suafamília; ela que teve muitos filhos nessa longa existência e hoje 10 estãovivos, tem aproximadamente 35 netos, 32 bisnetos e 06 trinetos, certamenteviverá ainda por muitos mais anos. Nossa matriarca vive e viverá para todo
  7. 7. sempre em nossos corações e toda sua luta se eternizará em nossaslembranças e que temos obrigação de passar para outras gerações. ParabénsDona Sebastiana, felicidades e paz para sua família, algo que sempre pedeem suas orações. Que seus filhos nunca se esqueçam dessa bela história devida, de uma mulher que sempre pareceu frágil, mas que é na verdade umafortaleza de humildade, perseverança e força.1toda essa descrição da história da Senhora Sebastiana Maria de Oliveira foi construída a partir de versões orais e pouco foi baseado emdocumentos oficiais. Essa versão foi apresentada pelo filho mais velho da centenária. Aqui podem existir equívocos e algumasincorreções, no entanto buscamos reproduzir com o máximo de precisão as palavras do senhor Francisco Gonçalves de Oliveira (seuSantinho).
  8. 8. Dona Sebastiana com Fládia Valéria: mais que uma neta, uma filha que sempre amoumuitoIracema, eu nunca mais te vi. Iracema, meu grande amor foi embora. Chorei, eu chorei de dor porqueIracema, meu grande amor foi você. Música de Adoniram Barbosa A idade está nos livros que leu, nos erros que secometeu, nos amores que conheceu, nasoportunidades que perdeu, em tudo que se viveu...
  9. 9. FAMÍLIA GONÇALVES E OLIVEIRAPEDRO GONÇALVES DE OLIVEIRA SEBASTIANA MARIA GONÇALVES DE OLIVEIRA 11 NETOS (1927) FRANCISCO GONÇALVES DE OLIVEIRA – SANTINHO 11 BISNETOS E 03 TRINETOS 1927 01 NETO (1929) MARIA GONÇALVES DE OLIVEIRA - LILIA 01 BISNETOS E 01 TRINETO********************* (1930) RAIMUNDO GONÇALVES DE OLIVEIRA – NONATO ************************** 02 NETOS (1932) MARGARIDA GONÇALVES DE OLIVEIRA 05 BISNETOS 04 NETOS (1934) TEREZA GONÇALVES DE OLIVEIRA – TEREZINHA 08 BISNETOS E 03 TRINETOS DESCONHECIDO (1938) MANOEL GONÇALVES DE OLIVEIRA – PRETO DALTO DESCONHECIDO 02 NETOS (1941) GERALDO GONÇALVES DE OLIVEIRA 01 BISNETOS 02 NETOS (1944) SUZETE GONÇALVES DE OLIVEIRA 02 BISNETOS 01 NETO (1947) GENI GONÇALVES DE OLIVEIRA ********************************* 03 NETOS 1951) ANTONIO GONÇALVES DE OLIVEIRA – TOINHO 02 BISNETOS 03 NETOS (1953) JOSÉ GONÇALVES DE OLIVEIRA – DEDÉ ******************* 04 NETOS (1955) FRANCISCA GONÇALVES DE OLIVEIRA – FRANSQUINHA 03 BISNETOS********************* (1960) JOSÉ REGINALDO GONÇALVES DE OLIVEIRA – ZEZINHO *********************

×