Your SlideShare is downloading. ×
PÁSCOA 2014 .... Origens da Páscoa (1/4)
PÁSCOA 2014 .... Origens da Páscoa (1/4)
PÁSCOA 2014 .... Origens da Páscoa (1/4)
PÁSCOA 2014 .... Origens da Páscoa (1/4)
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

PÁSCOA 2014 .... Origens da Páscoa (1/4)

94

Published on

Published in: Spiritual
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
94
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
3
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. ORIGENS DA PÁSCOA Origem “Moisés chamou os anciãos de Israel e disse-lhes: “Escolhei e tomai um animal do rebanho, segundo os vossos clãs, e imolai a Páscoa. Tomareis depois um ramo de hissopo, mer- gulhá-lo-eis no sangue que estiver na bacia, e marcareis o dintel e as duas ombreiras da porta com o sangue que estiver na bacia, e nenhum de vós sairá da porta da sua casa até pela manhã. O Senhor passará para ferir o Egito, verá o sangue sobre o dintel e sobre as duas ombreiras da porta, e o Senhor passará ao largo da porta e não deixará que o Exterminador entre nas vossas casas para ferir.”” (Ex 12,21-23) Esta celebração estando ligada ao Êxodo, tem na sua gênese um rito ou festa nómada das comunidades pastoris, anterior a este acontecimento bíblico, sendo que estas práticas eram comuns noutros povos, não se circunscrevendo aos hebreus. O ritual consistia na imolação de um cordeiro, em que o seu sangue deveria aspergir as en- tradas das tendas. O objetivo consistia em preservar a vida dos membros dos clãs e dos seus animais de todos os perigos (“Exterminador”), era portanto uma ação eminentemente comu- nitária voltada para a defesa e não para o ataque ou agressão. Era uma prática acentuadamente nómada, em que a carne era assada ao fogo, o pão era ser- vido sem qualquer fermente (como ainda hoje acontece com os beduínos), usavam-se as ervas amargas (as ervas do deserto), etc. Todo o rito tinha lugar na primeira lua cheia da primave- ra, altura em que os pastores partiam com o gado em busca de novas pastagens. A vida como que se renovava, uma vida que se tinha que confrontar com os perigos, estes eram personificados no “exterminador”, sendo que ao aspergir as portas com o sangue do cordeiro imolado contribuíram para sua sobrevivência. Este seria o sacrifício em louvor a Deus no deserto que Moisés teria pedido ao faraó.
  • 2. A Páscoa e o Êxodo O rito de preservação pastoril vai ser aquele que irá transformar-se para o Povo Eleito como a festa mais importante do seu calendário, simbolizando a saída do Egito, a passagem da prisão para a liberdade, a Páscoa. Como se deu esta transformação? Em Ex 11,1-13,6 notamos que a Páscoa aparece vinculada à décima praga, irá assim ser esta a determinante na saída dos israelitas. No entanto esta noção obriga a uma atenção na leitura do texto; na realidade o que aparece escrito não é uma crónica de acontecimentos, mas uma releitura posterior, numa altura em que a Páscoa tinha adquirido uma importância central no culto de Israel. Segundo vários exegetas terá existido uma coincidência temporal entre a celebração da Páscoa e o flagelo que terá vitimado os egípcios. Esta coincidência, que possibilitou a saída dos hebreus, foi determinante para a transformação do rito pascal. Assim a interpretação colocou-se centrada na visão de que Javé “passou”, e esta passagem poupo-os do flagelo da morte. Isto aconteceu porque o sangue do cordeiro assinalou as suas casas (cf. Ex 12,24) O “exterminador” converteu-se no executante da praga (cf. Ex 12,33), as vestes de pastores transformaram-se nas vestes de viajantes prontos a sair (cf. Ex 12,11); o pão sem fermento no símbolo da saída do Egito (cf. Ex 12,34-35) A Páscoa assume-se como a festa que comemora os acontecimentos que atualiza, conservan- do-os para as gerações futuras. A vítima pascal, no seu sangue derramado, assume-se como a possibilidade da saída que comemora, o imolado é aquele que liberta, que salva e que preserva a vida. A releitura não pode deixar de se ligar ao seu carácter significativo dos acontecimentos. A Páscoa, sendo uma festa da primavera, assinala o início da vida, o caminhar na busca de no- vos e revigorantes fontes de vida. O Êxodo foi vivido da mesma forma, aqui se reflete a primavera do Povo de Deus enquanto o Povo Eleito de Deus. Na Páscoa inicia-se o caminhar para a terra prometida, a terra da felicidade e da liberdade, um percurso assente sempre na promessa e fidelidade a Javé. Foi neste contexto que se transformou um rito pastoril num rito de nova vida e de renovada esperança.
  • 3. Páscoa, Peregrinação a Jerusalém A Páscoa inicialmente celebrava-se ao nível familiar, no entanto, e com a alteração da vida nómada ara vide sedentária, esta situação irá alterar-se. Sendo uma festa eminentemente pas- toril, vai perder parte da sua importância, ao contrário e paralelamente a festa dos Ázimos, de características marcantemente agrícolas, vai ganhar destaque, sendo que tanto uma como a outra celebravam os mesmos acontecimentos. Mas com o passar dos anos, e com as raízes profundas no povo, a Páscoa assimilar a própria festa dos Ázimos, sendo as duas celebradas na mesma altura - na primavera, no mês de Ni- zan -, vão agora fundir-se numa só e com o seu nome definitivo: Páscoa. Agora, e com a in- corporação dos Ázimos, a festa das festas torna-se numa peregrinação aos santuários centrais das diferentes tribos de Israel. Claramente que para um povo com raízes nómadas, a falta de centralização da festa da Pás- coa, trazia consigo grandes inconvenientes, sendo no entanto o fundamental ligado ao risco da fragmentação e do enfraquecimento da noção de Povo Único. Na grande campanha da unificação purificação do culto na cidade de Jerusalém, dois reis tiveram uma importância decisiva: Ezequias (716-687) e um dos grandes reis de Israel, Josias (640-609). A cidade Santa de Jerusalém torna-se agora o centro da festa da Páscoa para todas as tribos. “Guarda o mês de Abib e celebra a Páscoa em honra do Senhor, teu Deus, porque foi no mês de Abib que o Senhor, teu Deus, te fez sair do Egito, durante a noite. Imolarás ao Senhor, teu Deus, em sacrifício pascal, gado miúdo e graúdo, no santuário que o Senhor tiver escolhido e ali estabelecer o ser nome. Não comerás pão fermentado com essas vítimas. Durante sete dias, comerás com elas ázimos, o pão da aflição, porque foi à pressa que saíste do Egito, para assim te recordares durante a tua vida do dia da tua partida. Que não veja fermento algum em todo o teu território durante sete dias. Que não fique para o dia seguinte coisa alguma de carne imolada no sacri- fício da tarde do primeiro dia. Não poderás imolar o cordeiro pascal em nenhuma das cidades que o Senhor, teu Deus, te há-de dar, mas somente no santuário que o Senhor, teu Deus, tiver escolhido para ali estabelecer o seu nome. Ali imolarás o sacrifício pascal, ai cair da tarde, depois do pôr-do-sol, à hora em que saíste do Egito. Cozê-lo-ás e comê-lo- ás no lugar que o Senhor ,teu Deus, tiver escolhido. No dia seguinte poderás regressar à tua tenda. Durante seis dias, comerás ázimos e no sétimo dia haverá uma liturgia solene em honra do Senhor, teu Deus. Nesse dia não farás trabalho algum”. (Dt 16,1-8)
  • 4. Desta forma a festa da Páscoa será também a grande festa comunitária, manifestando a união entre todas as tribos perante o Deus Único. “Do tempo dos Juízes e em todo o templo dos Reis de Israel e Judá, nunca se havia celebrado uma Páscoa tão solene como aquela que se celebrava em Jerusalém no ano 18 de Josias.” (2 Rs 23,22-23) Centralizado no templo, o sacrifício da Páscoa torna-se num sacrifício cultual; o sangue do cordeiro é derramado sobre o altar com a supervisão dos sacerdotes e levitas (cf. 2 Cr 35,11,ss).” Após o exílio na Babilónia, a Páscoa foi retomada ligando-se fundamentalmente à família, tendo o rito de sangue uma enorme carga de preservação, servindo deste modo para a dis- tinção entre Povo de Deus e os demais povos. A festa será cada vez mais o centro do culto judeu, cuja omissão tinha consequências equiparadas ao que consideramos excomunhão. “Quem, estando puro e não andar em viagem, deixar de celebrar a Páscoa, será eliminado do meu povo, porque não apresentou a oferta ao Senhor no tempo devido esse homem suportará as consequên- cias do seu pecado.” (Nm 9,13) Visto como um novo êxodo (cf. Is 67,7-64,11), o regresso o exílio, que ficara a dever-se ao Servo de Javé, luz das nações (Cf. Is 53,7), vai unir as duas figuras fundamentais: o Servo e o Cordeiro Pascal. Também aqui se liga a projeção do verdadeiro Messias do futuro, aquele que vem para liber- tar e salvar.

×